Category Archives: Tecnologia

Graças à IA em novos celulares, qualquer um poderá alterar profundamente suas fotos - Foto: Akshay Gupta/Creative Commons

Celulares podem se tornar máquinas de distorcer a realidade

By | Tecnologia | No Comments

Quando a fotografia foi inventada, no século XIX, ela revolucionou o mundo por conseguir reproduzir facilmente a realidade. De lá para cá, ela só melhorou, culminando na fotografia digital, que transformou um hobby caro em uma diversão extremamente popular, consolidada com as câmeras cada vez mais poderosas nos celulares. Mas agora esses equipamentos podem ironicamente subverter a característica essencial da fotografia de retratar a realidade com precisão.

A culpa disso recai sobre a inteligência artificial. Ela já está presente há algum tempo nos softwares de captura e edição de imagens dos melhores celulares. Mas, até então, prestava-se a “melhorar” (note as aspas) as fotografias, usando técnicas para aumentar a sua fidelidade e refinar elementos como cores, brilho e contraste.

Isso começa a mudar agora, com o lançamento nos EUA, no dia 11, do Pixel 8 (sem previsão de chegada ao Brasil). O smartphone de US$ 700 do Google consegue efetivamente alterar a realidade fotografada. Isso quer dizer que, com ele, é possível, por exemplo, eliminar pessoas e objetos das fotos, alterar elementos das imagens ou modificar suas posições e até “melhorar” (de novo, com aspas) o rosto de pessoas combinando com a maneira que elas apareceram em outras fotos.

Como em todas as atuais plataformas baseadas na inteligência artificial generativa, alguns resultados dessas edições são decepcionantes e até grotescos. Outros, porém, ficam incrivelmente convincentes!

Já dizia São Tomé: “preciso ver para crer”. Parábolas à parte, é um fato que somos seres visuais: nosso cérebro tende a assumir como real o que está diante de nossos olhos. Por isso, vale perguntar até que ponto é positivo e até saudável dar a possibilidade de se distorcer a realidade de maneira tão simples.


Veja esse artigo em vídeo:


É curioso que a fotografia foi combatida por muitos quando surgiu, justamente pela sua capacidade de reproduzir, de maneira fácil, rápida e precisa, o mundo. Pintores diziam que o invento era algo grosseiro, que eliminava a subjetividade e a técnica dos artistas quando retratavam pessoas e paisagens. Grupos religiosos também a combatiam, por serem contrários à captura de imagens de “coisas feitas por Deus”.

Em 1826, o francês Joseph Nicéphore Niépce registrou seu quintal em uma placa de estanho revestida de betume, usando uma câmera escura por oito horas. Essa é considerada a primeira fotografia permanente. Três anos depois, ele fez um acordo com outro francês, Louis Jacques Mandé Daguerre, que aperfeiçoou o processo com o daguerreótipo, que precisava de “apenas” 30 segundos para fazer uma fotografia.

A patente do daguerreótipo foi vendida ao Estado francês em 1839, que a colocou em domínio público. Isso permitiu que a fotografia experimentasse grandes avanços ao redor do mundo. Provavelmente a empresa mais inovadora do setor foi criada pelo americano George Eastman em 1888: a Kodak. Entre suas contribuições, estão o rolo de filme (1889), a primeira câmera de bolso (1912) e o filme colorido moderno (1935).

O último grande invento da Kodak foi a fotografia digital, em 1975. Mas como os lucros da empresa dependiam da venda de filmes, seus executivos não deram importância a ela. Foi um erro fatal, pois a tecnologia se tornou incrivelmente popular e, quando a empresa decidiu olhar para ela, as japonesas já dominavam o mercado.

Em 1999, foi lançado o Kyocera VP-210, o primeiro celular com câmera capaz de tirar fotos, que tinham resolução de 0,11 megapixel (o iPhone 15 tira fotos de 48 megapixels). E isso nos traz de volta ao dilema atual.

 

Realidade alternativa

As fotografias nos celulares se tornaram tão realistas e detalhadas que o próprio negócio de câmeras fotográficas entrou em colapso. Elas continuam existindo, mas hoje praticamente só profissionais as utilizam, pois sabem como aproveitar todos os recursos daqueles equipamentos para fotografias realmente diferenciadas.

Os recursos de IA do Pixel 8 fazem parte de uma nova versão do Google Fotos, o aplicativo de edição e publicação de fotos da empresa, que é nativo nos smartphones Android, mas também pode ser baixado para iPhones. Isso significa que, em tese, outros aparelhos poderão ganhar esses recursos em breve, desde que, claro, tenham capacidade de processamento para isso.

A alteração de fotografias sempre existiu, mesmo antes dos softwares de edição de imagem. Entretanto fazer isso era difícil, exigindo equipamentos e programas caros e muita habilidade técnica. Além disso, as fotos editadas eram apresentadas como tal, sem a pretensão de levar quem as visse a acreditar que fossem reais (salvo exceções, claro)..

O que se propõe agora é que isso seja feito de maneira muito fácil, por qualquer pessoa, sem nenhum custo adicional e em equipamentos vendidos aos milhões. Isso levanta algumas questões éticas.

A primeira delas é que as pessoas podem passar a se tornar intolerantes com a própria realidade. O mundo deixaria de ser o que é, para ser o que gostariam. Isso é perigosíssimo como ferramenta para enganarem outros indivíduos e até a si mesmas.

A sociedade já experimenta, há anos, um crescimento de problemas de saúde mental, especialmente entre adolescentes, devido a fotos de colegas com corpos “perfeitos” (pela terceira vez, as aspas). Isso acontece graças a filtros com inteligência artificial em redes sociais, especialmente Instagram e TikTok, que fazem coisas como afinar o nariz, engrossar os lábios, diminuir os quadris e alterar a cor da pele. O que se observa mais recentemente são adolescentes insatisfeitos com seus corpos não pelo que veem em amigos, mas pelo que veem em suas próprias versões digitais.

Há um outro aspecto que precisa ser considerado nesses recursos de alteração de imagens, que são os processos de desinformação. Muito provavelmente veremos grupos que já se beneficiam das fake news usando intensamente essa facilidade para convencer seu público com mentiras cada vez mais críveis.

Hoje esses recursos ainda estão toscos demais para um convencimento completo. Mas é uma questão de pouco tempo até que eles se aproximem da perfeição.

Não tenham dúvidas: quando estiver disponível, as pessoas usarão intensamente essa tecnologia, estando imbuídas de boas intensões ou de outras não tão nobres assim. Quem será responsabilizado quando começarem a surgir problemas disso?

Assim como acontece com as redes sociais, as desenvolvedoras se furtam disso, dizendo que apenas oferecem um bom recurso, e as pessoas que fazem maus usos deles. Em tese, isso é verdade. Mas alegar inocência dessa forma chega a ser indecente! É como entregar uma arma carregada na mão de uma criança e torcer para que nada de ruim aconteça.

Chegamos ao mundo em que a ilusão se sobrepõe à realidade, mas não estamos prontos para lidar com isso.

 

Muitos motoristas não querem se contratados como CLT pela Uber - Foto: Paul Hanaoka/Creative Commons

Decisão contra a Uber escancara o envelhecimento das leis trabalhistas

By | Tecnologia | No Comments

No último dia 14, a Justiça Trabalhista de São Paulo determinou que a Uber contrate todos os motoristas ligados à plataforma pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e pague R$ 1 bilhão por danos morais coletivos. A decisão vale para todo o Brasil e a empresa tem seis meses após o fim de recursos para implantar as medidas.

A Uber já disse que não pretende cumprir a decisão! Em nota, a empresa afirma que não vai adotar nenhuma medida antes que todos os recursos estejam esgotados. A grande pergunta é: o que acontecerá se a decisão for mantida após isso?

Suprema ironia, associações de motoristas se manifestaram dizendo que eles não querem ser contratados pela CLT! Mas isso não quer dizer que estejam satisfeitos com as atuais condições de trabalho.

Qualquer que seja o resultado desses recursos, o caso serve para debatermos a aplicabilidade das leis trabalhistas brasileiras ao mundo atual. A Uber e diversas empresas que fazem parte de nossas vidas seguem os conceitos da economia compartilhada. Ela prevê o engajamento de vendedores e prestadores de serviço com seus clientes, viabilizado por plataformas digitais.

O problema é que esse modelo se choca com a CLT em muitos pontos. Em um momento em que o Governo Federal busca resgatar elementos como o imposto sindical, é de se questionar qual formato regerá as relações trabalhistas de milhões de brasileiros em um futuro próximo.


Veja esse artigo em vídeo:


A legislação brasileira é uma das que mais protege o trabalhador no mundo. Entre muitos itens de segurança social, benefícios como férias remuneradas de 30 dias (e ainda com um adicional de um terço) já a partir de um ano de admissão são luxos inimagináveis em outros países. Tudo isso tem um custo, pago pelos próprios profissionais e principalmente pelas empresas. Via de regra, para cada real pago em salário ao funcionário, a empresa gasta outro com os encargos trabalhistas.

“Essa é uma decisão feita para não ser cumprida”, afirma José Isaías Hoffmann, diretor de Controladoria da Corporate Consulting. “Operacionalmente, como a Uber vai admitir via CLT mais de um milhão de motoristas”, questiona. Ele acredita que, se ela for obrigada a fazer isso, acabará saindo do país, deixando um rastro de desemprego.

O peso dos encargos e de outras obrigações trabalhistas já provoca mudanças no perfil de contratações no Brasil há cerca de duas décadas. Cada vez mais, empresas procuram, sempre que possível, trocar o modelo da CLT por terceirizações de empresas com um único funcionário, os famosos “PJ”. Com isso, os empregadores se livram de encargos e burocracia, e têm o profissional à disposição.

Alguns trabalhadores também preferem esse formato, principalmente quando isso lhes proporciona flexibilidade, com destaque ao horário. É o caso dos profissionais por aplicativos, como motoristas e entregadores. “As pessoas querem uma vida flexível”, afirma a estrategista de carreira Ticyana Arnaud. “Se for para trabalhar CLT, então eles voltam a procurar emprego, vão ser motoristas numa empresa”, sugere.

O principal conflito entre as regras da CLT e as da economia compartilhada é que a primeira considera o profissional um empregado, enquanto a segunda o tem como um autônomo e às vezes nem isso: atua como um prestador informal, que pode trabalhar ao mesmo tempo para incontáveis contratantes. Essa flexibilidade tornou-se tão valorizada por trabalhadores de diferentes áreas (afinal, há uma enormidade de serviços na economia compartilhada), que muitos abrem mão da proteção e dos benefícios generosos da CLT por ela.

Apesar disso, é preciso ter cuidado, pois nem tudo que brilha é ouro!

 

Bondades podem esconder abusos

Não há dúvida que a economia compartilhada é um fenômeno consolidado e que traz muitos benefícios a prestadores e a clientes. A Uber é um exemplo tão didático quanto popular, por ter redefinido a mobilidade urbana e por ser usada por uma porcentagem considerável das populações das grandes cidades. Mas há muitos outros ótimos nomes, como Airbnb, Mercado Livre, iFood ou Rappi. Fica difícil pensar a vida moderna sem eles, e a pandemia deixou isso ainda mais evidente.

Ainda assim, não se pode deixar deslumbrar por suas inegáveis vantagens. O Laboratório de Pesquisa DigiLabour investiga continuamente o impacto das plataformas e de tecnologias disruptivas (como a inteligência artificial) no mundo do trabalho. Eles criticam, por exemplo, essas plataformas chamarem os motoristas de “parceiros” ou de “autônomos”, quando, na verdade, não têm autonomia nem para definir o valor das corridas ou a porcentagem que receberão por elas. Afirmam também que o “empreendedorismo de si mesmo” mascara uma relação de trabalho desigual, em que o profissional assume todos os riscos de um empreendedor, mas atua como um empregado, porém sem nenhum benefício ou proteção.

Já o Instituto Fairwork, ligado à Universidade de Oxford (Reino Unido), criou cinco princípios que seriam necessários para um trabalho decente: remuneração justa, condições justas de trabalho, contratos justos, gestão justa e representação dos funcionários na operação. Em uma pesquisa realizada por eles em 2021, as plataformas no Brasil ficaram entre as piores do mundo: em uma escala até 10 pontos nesses quesitos, iFood e 99 marcaram 2, Uber ficou em 1, enquanto Rappi, GetNinjas e UberEats não saíram do zero. Os resultados são semelhantes aos de outros países da América Latina, mas ficam atrás dos de operações na África, Ásia e Europa.

É importante lembrar que, quando a Uber começou a operar no Brasil, em 2016, dirigir para ela parecia um bom negócio: a empresa ficava com apenas 7% das corridas (hoje pode chegar a 50%) e oferecia muitos bônus aos motoristas. As corridas eram baratas e o serviço de alta qualidade.

Isso explica a “economia compartilhada que dá certo”: ela precisa ser boa para todos os envolvidos, ou seja, o cliente, o vendedor ou prestador, e a plataforma. Quando os motoristas da Uber passaram a receber muito pouco, tudo desmoronou!

“Precisa, de fato, de uma atualização na legislação para entender essa nova dinâmica de mundo”, afirma Hoffmann. “Ela requer que seja justo para quem faz o serviço, para quem recebe, para a economia, que ninguém seja prejudicado com isso”, conclui.

“É preciso tentar uma negociação para reduzir essas taxas e ser uma coisa que valha a pena para todos, e não só para um lado”, explica Arnaud. Para ela, “se a Uber for forçada a aderir à CLT, outras empresas também terão que fazer o mesmo”.

É um momento de mudança de paradigma na maneira como trabalhamos. Insistir na rigidez da CLT, criada em 1943, pode ir contra os interesses de muitos trabalhadores. Por outro lado, deixar tudo na mão das plataformas seria “pedir que a raposa tome conta do galinheiro”. É preciso buscar esse equilíbrio perdido, pois a economia compartilhada, sim, funciona. E nós, como clientes, precisamos pressionar para que essa solução seja encontrada.

 

Entregador dorme sobre seus jornais, em imagem tirada em 1935 – Foto: City of Toronto Archives/Creative Commons

Reação da mídia ao ChatGPT pode favorecer as fake news

By | Tecnologia | No Comments

Nas últimas semanas, diversas empresas de comunicação impediram que seus conteúdos continuassem sendo usados para alimentar o ChatGPT. Elas argumentam –com razão– que seus produtos têm valor e que não estão sendo remuneradas pela melhoria que proporcionam involuntariamente à plataforma geradora de textos por inteligência artificial da OpenAI.

Entre os que decidiram promover o bloqueio, estão os jornais americanos The New York Times e The Washington Post, o britânico The Guardian, a rede de TV CNN, as agências de notícias Reuters e Bloomberg, além de diversos veículos europeus. Até a gigante de e-commerce Amazon decidiu fechar a porta para esse robô.

Apesar de seus argumentos legítimos, essa decisão pode favorecer a desinformação em um futuro breve. Os sistemas de inteligência artificial generativa tornaram-se um enorme sucesso, e as pessoas devem usá-los cada vez mais. Em uma situação extrema em que todos os produtores de bons conteúdos os neguem a essas plataformas, elas poderiam ficar restritas a sites dedicados a fake news e outros tipos de conteúdo de baixa qualidade para “aprender o que dizer” aos seus usuários.

Nesse cenário, o público poderia passar a consumir e a replicar o lixo desinformativo, em uma escala ainda maior que a já vista nos últimos anos. Seria terrível para o jornalismo –que luta para combater isso– e para a sociedade como um todo.


Veja esse artigo em vídeo:


Eu já vi uma história parecida antes. Quando foi criado, em 2002, o Google Notícias gerou protestos entre veículos de comunicação do mundo todo, que acusavam a empresa de se apropriar de sua produção para criar um concorrente. O Google Notícias sempre se defendeu, dizendo que fazia um “uso justo” de pequenos trechos dos veículos e que sempre enviava os leitores que clicassem nos seus links para a fonte da notícia.

Diante das reclamações, o Google criou um recurso para que os veículos impedissem que seu conteúdo fosse usado no Notícias. O problema é que isso também tirava os veículos do buscador, o que não era nada interessante para eles. Eventualmente as partes chegaram a acordos que permitiram que esse conteúdo continuasse sendo usado, enquanto o Google criava mecanismos de apoio ao jornalismo no mundo. Movimentos semelhantes também aconteceram com as principais redes socais.

No caso atual, há algumas diferenças significativas. Pela natureza da inteligência artificial generativa, ela sempre cria textos inéditos, a cada pedido dos usuários. Não há remuneração, referência e sequer um link para as fontes que foram usadas para o sistema escrever aquilo. Consequentemente não há nenhum ganho para os autores.

“Certamente as inteligências artificiais não produziriam o conteúdo que elas são capazes sem serem alimentadas com o conteúdo criado por humanos, que não autorizaram isso e que não estão sendo remunerados por isso”, explica Marcelo Cárgano, advogado de Direito Digital e de Proteção de Dados do Abe Advogados. “A grande questão, no final, é essa!”

No dia 6, 26 organizações do mercado editorial, inclusive a brasileira ANJ (Associação Nacional de Jornais), publicaram o documento “Princípios Globais para a Inteligência Artificial”. Ele traz regras que consideram essenciais para a prática do jornalismo frente ao avanço da inteligência artificial, cobrando o desenvolvimento ético da tecnologia e o respeito às propriedades intelectuais dos veículos.

Outra fonte de informação ameaçada pela inteligência artificial é a enciclopédia digital Wikipedia. Pela natureza mais perene de seus milhões de verbetes, as pessoas poderiam fazer perguntas a plataformas de IA ao invés de consultar suas páginas, o que já vem preocupando seus editores. Suprema ironia, uma das maiores fontes para o ChatGPT é a própria Wikipedia.

 

Atualidade e ética

Além da questão da falta de remuneração pelo uso de conteúdos alheios, há ainda o temor de que as plataformas de inteligência artificial acabem substituindo a Wikipedia e o próprio jornalismo.

Esse questionamento surgiu, na quarta passada, em uma mesa de debates da qual participei na Semana da Imprensa, promovida pelo jornal Joca, na ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing). O evento explica o jornalismo para crianças e adolescentes, o público do veículo.

Os participantes foram unânimes em negar essa possibilidade. O primeiro motivo é que esses sistemas, a despeito de seus melhores esforços, são imprecisos, cometendo muitos erros pela falta de uma verificação humana. Outro problema é que suas bases estão sempre desatualizadas (o ChatGPT só conhece fatos até setembro de 2021). Por fim, mas não menos importante, essas ferramentas não possuem qualquer iniciativa, ética ou transparência, essenciais a qualquer produto informativo.

“A função dos veículos de comunicação é particularmente importante para a democracia”, explica Cárgano, fazendo referência ao papel do jornalismo de promover debates críticos para a sociedade. “Mas eles também são empresas e têm que gerar lucro para sua própria viabilidade econômica”, acrescenta.

Toda essa confusão deriva do impacto que essa tecnologia já apresenta sobre pessoas e empresas. Ele é enorme, mas ainda pouco compreendido. Enquanto isso, todos buscam caminhos para aproveitar seus incríveis recursos, sem cair em possíveis armadilhas que podem surgir dela.

A decisão de impedir as plataformas de inteligência artificial de aprender com a sua produção pode ser ironicamente um “tiro no pé” do jornalismo. Se elas forem entregues a fontes de baixa qualidade, podem se tornar poderosas ferramentas de fake news, que fustigam os jornalistas e a própria imprensa como pilar que é de uma sociedade desenvolvida.

É preciso uma conscientização dos diferentes atores nesse processo. Do lado dos usuários, eles devem entender que a IA não é uma ferramenta que substitui o jornalismo ou mesmo um buscador, pois ela não garante a verdade no que produz. As empresas de inteligência artificial devem, por sua vez, melhorar ainda mais sua tecnologia, para corrigir as imperfeições existentes, e cuidar para não canibalizar suas próprias fontes, o que poderia, a médio prazo, inviabilizar seu próprio negócio.

As empresas de comunicação têm um papel fundamental na solução desse imbróglio. Obviamente elas precisam defender seus interesses comerciais, mas sem que isso crie riscos ainda inexistentes para o próprio negócio. Devem buscar uma compensação justa das plataformas de IA.

Vivemos em um mundo em que a verdade perde força diante de narrativas distorcidas por diferentes grupos de poder. Aqueles que a buscam deve se unir e somar as novas tecnologias às suas metodologias editoriais consagradas. Se forem bem-sucedidos nisso, todos ganharão!

 

Tom Cruise viveu pela segunda vez o intrépido piloto da Marinha dos EUA Pete Mitchell, em “Top Gun: Maverick” (2022) - Foto: divulgação

Inteligência artificial pode mandar “Top Gun” para o museu

By | Tecnologia | No Comments

Em 1986, plateias do mundo todo prenderam a respiração diante das acrobacias aéreas de Tom Cruise nas telas de cinema em “Top Gun”. Ele repetiu a dose em “Maverick”, a segunda maior bilheteria de 2022, rendendo US$ 1,4 bilhão, logo atrás de “Avatar 2”. Agora a inteligência artificial pode fazer essas peripécias virarem peças de museu, ao tornar pilotos de caça obsoletos e desnecessários.

Duas notícias recentes, uma do The New York Times e outra do The Washington Post, revelam planos dos militares de usar essa tecnologia em novas gerações de aviões e de drones. Ela seria capaz de tomar decisões mais rápidas e precisas que os pilotos, até os mais experientes.

A ideia é controversa. Muito se tem debatido sobre a substituição das mais diversas categorias profissionais por robôs, considerando o impacto social dessa mudança. Mas o que se propõe agora é uma máquina tomar decisões que efetivamente visam a morte de pessoas.

Diversos aspectos éticos são levantados nessa hora. Os próprios pilotos veem isso com ressalva, e não apenas porque podem perder seu emprego daqui um tempo. Afinal, uma máquina pode decidir sobre a vida ou a morte de um ser humano? E se isso realmente acontecer no controle de aviões de combate, quanto faltará para vermos robôs policiando nossas ruas e tomando as mesmas decisões letais por sua conta na vizinhança?


Veja esse artigo em vídeo:


Não estamos falando da atual geração de drones militares, que, apesar de úteis, são bem limitados. Um bom exemplo do que vem por aí é o veículo aéreo não tripulado experimental XQ-58A, conhecido como “Valkyrie”, da Força Aérea americana. Ele, se parece muito mais a um caça furtivo futurista, apesar de ser bem menor que os aviões de combate. É impulsionado por um motor de foguete e é capaz de voar de um lado ao outro da China, carregando munições poderosas.

Mas seu grande diferencial é o controle por inteligência artificial, podendo tomar decisões sozinho, apesar de os militares afirmarem que só executará ações letais se autorizado por um ser humano. Ele pode voar diferentes tipos de missões, inclusive apoiando pilotos em seus caças, aumentando o sucesso e preservando suas vidas.

Como sempre, uma guerra não se ganha apenas com os melhores soldados, mas também com a melhor tecnologia. Mas até agora a decisão de matar sempre recaiu sobre os primeiros. O que pode estar diante de nossos olhos é o surgimento de armas que tomem essa decisão seguindo seus critérios, um ponto sensível para os EUA, pelo seu histórico de ataques ilegais com drones convencionais que mataram civis.

Diante disso, o general Mark Milley, principal conselheiro militar do presidente americano, Joe Biden, afirmou que os EUA manterão “humanos à frente da tomada de decisões”. Ele recentemente conclamou forças armadas de outros países a adotar o mesmo padrão ético.

Nesse ponto, caímos em um outro aspecto crítico desse avanço. Países que adotem essas “boas práticas” poderiam ficar em desvantagem diante de outras potências militares e tecnológicas não tão “comprometidas”, com o maior temor recaindo sobre a China. Como a guerra é, por definição, algo “sujo”, seguir as regras poderia então criar uma desvantagem catastrófica.

Outra mudança trazida pela IA ao tabuleiro armamentista é a entrada de novas empresas fornecedoras de equipamentos. No caso da Força Aérea americana, dois nomes surgem quando pensamos na indústria de caças: a Lockheed Martin e a Boeing. Esses casamentos comerciais são tão antigos e poderosos que sua tecnologia jamais chega, por exemplo, a países menores ou –pior– a grupos guerrilheiros.

Com a pulverização de drones com IA relativamente baratos, muitas outras empresas passam a disputar esses bilionários orçamentos. O “Valkyrie”, produzido pela Kratos (fundada em 1994) custa cerca de US$ 7 milhões. Pode parecer muito, mas é bem menos que os US$ 80 milhões de um F-35 Lightning II, da Lockheed Martin. Outros modelos podem custar ainda menos, na casa de US$ 3 milhões.

O receio é que esses fabricantes passem depois a oferecer tecnologia militar de ponta a terroristas e ditadores. E aí o medo de maus usos pela China vira “café pequeno”.

 

Campo de testes

O poder da inteligência artificial contra exércitos poderosos está sendo colocado à prova na invasão da Ucrânia. Seu exército vem usando drones bem mais simples que os citados, mas que já contam com recursos de IA, para atacar tropas russas. Mesmo quando essas aeronaves perdem o contato com seus pilotos remotos, devido aos sistemas de interferência do inimigo, ainda completam sua missão por conta própria.

De fato, a Ucrânia vem se tornando um frutífero campo de testes desses armamentos, que vêm sendo produzidos aos milhares. Além de poderem refinar seus equipamentos em situações reais de combate, os fabricantes podem fazer testes que dificilmente podem acontecer em um país que não esteja em guerra.

Os militares sabem que a inteligência artificial toma decisões erradas. Basta ver as falhas –algumas fatais– de carros autônomos nos últimos anos. Mesmo a tecnologia militar sempre sendo muito mais refinada e cara que a civil, não há garantias quanto a sua precisão. E há outros aspectos a serem considerados.

O primeiro é que a IA pode ser excelente em decisões a partir de padrões conhecidos, mas pode se confundir bastante diante do desconhecido e do inesperado, algo que permeia qualquer campo de batalha. Além disso, máquinas não possuem uma bússola moral, que norteia algumas das melhores decisões de um soldado.

É inevitável pensar no filme RoboCop (1987), em que um policial dado como morto é praticamente transformado em um robô. Apesar de ser obrigado a seguir diretivas em seu sistema, o que o tornava realmente eficiente era a humanidade que sobreviveu em seu cérebro. Isso lhe permitia vencer robôs de combate mais poderosos.

Tudo isso me faz lembrar da Guerra do Golfo, que aconteceu entre 1990 e 1991, quando os americanos invadiram o Iraque. Os militares invasores exterminavam o inimigo de longe, quase sem entrar em combate. Na época, um especialista criticou “soldados que querem matar, mas não querem morrer”.

A inteligência artificial pode potencializar isso. É claro que ninguém quer morrer e todos querem vencer um conflito, de preferência logo. Mas quem ganha algo com isso, além da indústria armamentista? Se a Rússia tivesse essa tecnologia, talvez a Ucrânia tivesse deixado de existir em poucas semanas dessa nefasta invasão atual.

Esse é um dos casos em que a inteligência artificial nunca deveria ser usada. Mas seria uma ilusão pueril acreditar que isso não acontecerá. Talvez o futuro da guerra pertença mesmo às máquinas autônomas. Só espero que isso não aconteça também em policiais-robôs nas ruas de nossos bairros.

 

Diversidade e inclusão tornaram-se poderosas ferramentas de negócios e inovação - Foto: Christina Morillo/Creative Commons

Diversidade e inclusão tornam-se aliadas da inovação

By | Tecnologia | No Comments

Quando se pensa em inovação, normalmente o que vem à mente são investimentos em tecnologia, novos processos e talentos ligados às tendências do mercado. Mas algumas empresas estão percebendo que, além disso tudo, investir em diversidade e inclusão em seus quadros lhes permite inovar ainda mais e oferecer produtos mais alinhados com seus clientes.

Algumas das inovações mais importantes para a sociedade têm muito pouco ou nada de tecnologia envolvida. Basta fazer algo que traga benefícios reais para as pessoas, seja uma coisa que ainda não exista ou dando uma nova perspectiva para algo já disponível.

Mas fica difícil desenvolver essa perspectiva inovadora quando todos na equipe são mais ou menos iguais e pensam da mesma forma. Diante de um mundo crescentemente complexo, acelerado e imprevisível, com clientes cada vez mais exigentes e participativos, trazer para dentro de casa visões diversas da vida torna-se essencial.

Portanto, investir em diversidade e inclusão nos times não é algo apenas socialmente responsável: é um incrível diferencial de negócios de empresas inteligentes.


Veja esse artigo em vídeo:


“Vemos que grupos diversos tomam decisões melhores, que trazem aumento de lucros”, explica Shuchi Sharma, vice-presidente global de Diversidade, Equidade e Inclusão da Red Hat, líder mundial em software open source. “Certamente é uma vantagem competitiva porque, quando você tem perspectivas mais diversas para a forma como você toma decisões todos os dias, você vê resultados muito diferentes do que quando você tem apenas um grupo homogêneo fazendo as coisas da mesma maneira, pensando o mesmo caminho”.

Entretanto, ter diversidade nas equipes não é suficiente. Sharma explica que a empresa precisa desenvolver uma cultura de inclusão e de pertencimento, porque todos precisam se sentir psicologicamente seguros para expor sua criatividade e assumir os riscos necessários para impulsionar a inovação. A inclusão prevê que todos não só tenham voz, como que ela seja efetivamente ouvida.

Essas ações precisam ser concretas e os gestores devem estar preparados para elas. Isso significa, em primeiro lugar, que precisam genuinamente prestar atenção no que os funcionários lhes dizem, procurando entender suas perspectivas e suas experiências, que podem ser muito diferentes das deles. Devem também validá-las, para que a equipe perceba que elas são valiosas.

É um trabalho constante e permanente. Empresas que investem há mais tempo em diversidade e inclusão, como IBM, SAP e Coca-Cola, hoje colhem muitos frutos disso. A executiva explica que não se deve interromper as iniciativas se as metas forem atingidas, ou tudo que se construiu pode ser perdido, como em qualquer outra parte do negócio. “Se você atinge suas metas de vendas, você não para de vender”, exemplifica.

Não é algo trivial. É preciso mudar a cultura corporativa de uma mentalidade de comando e controle para um ambiente mais distribuído e matricial. Tanto que os líderes que se destacam hoje são mais orientados para mentoria da equipe, o que exige muito mais escuta e um comprometimento em servir o próprio time.

 

Atração e retenção de talentos

Esses esforços se pagam! O relatório “A inclusão não é apenas legal: é necessária”, publicado em fevereiro pelo Boston Consulting Group após ouvir mais de 27 mil profissionais de 16 países (incluindo o Brasil), indica que melhorar a experiência de inclusão no local de trabalho é uma das ferramentas mais efetivas que as empresas têm para atrair e reter talentos. Se bem-feita, a inclusão reduz pela metade os atritos.

Isso acontece porque os funcionários sentem que podem ser autênticos com o que são e com o que acreditam, sem medo de discriminação. Assim ficam mais felizes e motivados para dar o melhor de si, pois sentem que suas perspectivas são importantes. Eles têm quase 2,4 vezes menos probabilidade de pedir demissão.

É importante que esses benefícios sejam conhecidos. Poucas empresas ainda investem em iniciativas de diversidade e inclusão, pois é difícil de definir, medir e influenciar suas ações e resultados no ambiente de trabalho. Por isso, elas acabam sendo subvalorizadas.

O estudo sugere algumas medidas para melhorar a inclusão nas empresas, começando por haver diversidade no nível de liderança, que deve se demonstrar comprometida com o tema. As gerências devem criar equipes e ambientes seguros para minorias, com medidas rigorosas contra comportamentos discriminatórios e tendenciosos. Por fim, os resultados da companhia devem ser medidos com foco em diversidade e inclusão.

Equipes diversas também permitem que se inove em produtos para atender necessidades de grupos específicos, que acabam favorecendo a população como um todo. Um bom exemplo são as rampas em calçadas, nas esquinas. Criadas originalmente para cadeirantes, eles passaram a ser usadas também por ciclistas e por pessoas com carrinhos de bebês ou de compras, entre outros.

“Acreditamos que as melhores ideias podem vir de qualquer lugar, e essa é a essência do open source, bem como a essência da inclusão”, afirma Sharma, que construiu sua carreira na indústria de TI, um mercado fortemente dominado por homens brancos. Graças ao seu histórico de promoção de mulheres e minorias nos setores de tecnologia e saúde, foi nomeada uma das 50 Líderes do Futuro pelo jornal “Financial Times” em 2018.

“Mulheres podem melhorar os resultados em empresas de tecnologia pelas suas perspectivas diferentes, melhor tomada de decisão, mais empatia com seus clientes e compreensão de diferentes formas de fazer as coisas”, acrescenta. Ela destaca o caso de mães solteiras, muitas vezes estigmatizada pela sociedade, mas que são resistentes e persistentes, sempre têm um “plano B” e têm que resolver problemas de forma criativa. “São qualidades que queremos ter em todos os negócios: que ótimo lugar para encontrá-las”, provoca.

Já passou da hora de as empresas de todos os setores pararem de encarar a diversidade e a inclusão como palavras vazias apenas para serem bem vistas por uma sociedade que valoriza esse assunto cada vez mais. Elas são incríveis ferramentas de inovação e de negócios! Mas isso só acontecerá para aqueles que estejam dispostos a sair de sua zona de conforto e fazer os movimentos necessários.


Assista à íntegra da conversa com Shuchi Sharma, VP de Diversidade e Inclusão da Red Hat.

 

O consumidor não se contente mais com um bom produto, querendo agora uma ótima experiência - Foto: Drazen Zigic/Creative Commons

Quando todo produto precisa se tornar digital, as empresas precisam aprender a correr riscos

By | Tecnologia | No Comments

A inteligência artificial está em toda parte! A essa altura, não é novidade. Dois estudos divulgados na quarta (16) pela IBM reforçam isso e como um número crescente de executivos a consideram um diferencial de negócios, abandonando o aspecto de “curiosidade tecnológica”. Ainda assim, empresas enfrentam dificuldades para adotá-la, por falta de experiência ou de apetite por correr riscos.

Outra que também poderia estar mais bem posicionada em nossas vidas se houvesse mais investimento é o 5G, que acaba de completar um ano de operação no Brasil. Segundo números apresentados pela Ericsson na mesma quarta, o país já atingiu 11,4 milhões de usuários dessa geração da telefonia móvel em 329 municípios. Mas os principais benefícios que ela traz não aparecem, porque as operadoras concentram sua comunicação na oferta de maior velocidade, sem fazer as necessárias atualizações em suas redes e em seus modelos de negócios.

Esse cenário traz desafios inéditos aos gestores de companhias de todos setores e portes. O consumidor fica mais exigente pelas ofertas de uma alta concorrência, e agora busca experiências e personalização que transcendem as propostas originais dos produtos. Com isso, toda oferta precisa se tornar um produto digital.

A boa notícia é que a tecnologia está muito mais acessível, seja pela facilidade de uso, seja pelo preço. Mas para dar certo, os profissionais precisam de atitude para fazer os movimentos necessários.


Veja esse artigo em vídeo:


Segundo o estudo da IBM “Sete apostas”, a previsão de Marc Andreessen está se tornando realidade: em um artigo de 2011 no The Wall Street Journal, o pioneiro da Internet disse que “o software estava comendo o mundo”. E está mesmo: ele controla de celulares a carros, de aspiradores de pó a robôs industriais. E agora “a inteligência artificial está comendo o software”.

Com isso, os melhores executivos estão desenvolvendo uma mentalidade de engenharia de produto. Eles entendem que a adoção da tecnologia é fundamental para o sucesso, pois os clientes esperam uma ótima experiência digital qualquer que seja o produto ou serviço oferecido.

Curiosamente, nada disso é novo. Software embarcado em produtos e até a inteligência artificial fazem parte do cotidiano de pessoas e de empresas há anos. A diferença é que, desde o fim do ano passado, com o lançamento do ChatGPT, a IA deixou de ser algo obscuro e restrito a poucos profissionais de TI para ser democratizada para qualquer cidadão.

“O ChatGPT capturou o momento em que a experiência se conectou à tecnologia”, afirma Marco Kalil, líder da IBM Consulting no Brasil. Para ele, a digitalização de produtos e o uso da IA como ferramenta de negócios são um caminho sem volta. “As pessoas que souberem aplicar a inteligência artificial nos negócios, realmente priorizando a experiência, terão mais sucesso que os outros, sem dúvida alguma.”

Já no estudo “Tomada de decisão do CEO na era da IA”, também da IBM, 60% dos CEOs entrevistados no Brasil disseram que a computação em nuvem é fundamental para a conquista de resultados nos próximos três anos, enquanto 56% deles confiam na IA. Apesar disso, 41% sentem dificuldade de obter ideias a partir dos dados que têm, com 61% afirmando que a qualidade e a origem desses dados são a principal barreira para adoção da inteligência artificial.

 

Garantindo seu bônus

Incluir inovações em qualquer negócio implica algum nível de risco, pelo simples fato de se sair da zona de conforto. Por isso, muitos executivos, apesar de serem conscientes da necessidade de inovação, resistem a ela, para não ameaçar seus bônus de fim de ano.

Mas a inovação se tornou condição para se manter no mercado, e não apenas as já citadas. Outras apostas do estudo da IBM são a sustentabilidade e o metaverso.

Segundo a pesquisa, muitos executivos ainda veem sustentabilidade e lucros como incompatíveis, indicando uma visão míope de gestão. Já o metaverso deve ser encarado como uma ferramenta que amplie possibilidades do mundo físico, ao invés de substituí-lo. Em ambos os casos, criar experiências com benefícios tangíveis para clientes internos e externos diminui as barreiras para sua adoção.

De fato, não dá para dissociar inovação de experiência. No caso do 5G, a base de usuários brasileiros já poderia ser maior, mas isso não acontece porque o público não vê as incríveis possibilidades da tecnologia, achando que se trata apenas de uma Internet mais rápida. Se for só para isso, preferem esperar.

Sim, a velocidade é muito maior e a latência é muito menor que a do 4G. Isso é necessário para produtos como veículos autônomos, telemedicina, educação a distância e automação industrial disruptivas, cidades inteligentes e entretenimento revolucionário, especialmente em games e transmissões ao vivo interativas.

Mas tudo depende da criação de um ecossistema de provedores de serviços que, por sua vez, precisam que as operadoras de telefonia modernizem sua infraestrutura. Isso permitirá, por exemplo, o “fatiamento da rede”, que entrega conexões diferentes seguindo a necessidade do cliente, podendo até variar de acordo com o momento. Também é necessário que ofereçam APIs, mecanismos para que os desenvolvedores criem aplicações que tirem o máximo proveito dos recursos da rede. Os modelos de negócios também devem ser atualizados, para que o usuário deixe de ser cobrado por franquias e passe a ser cobrado pelos serviços que usa.

“As operadoras já entenderam que o caminho passa por oferecer serviços fornecidos por outras empresas”, explica Marcos Scheffer, vice-presidente de redes da Ericsson para América Latina. Mas, segundo ele, há um processo a ser cumprido e, no momento, as teles estão cuidando da ampliação da cobertura.

“Na hora que você conecta tecnologia com o interesse do usuário, é fantástico”, exclama Kalil. Para o executivo, está na hora de as empresas colocarem essas tecnologias como protagonistas, e não como meras ferramentas. “Nessa hora, o negócio vai mudar”, conclui.

Sei que tudo é investimento –às vezes, muito dinheiro. Além disso, o mercado brasileiro costuma ser impiedoso com aqueles que falham. Essa combinação é mortífera para a inovação, pois os gestores tendem a escolher o caminho seguro e menos inovador.

O problema é que, dessa forma, a empresa perde a chance de se descolar da concorrência e os clientes amargam produtos limitados e experiências ruins. Precisamos aprender a correr riscos com inteligência!


Vídeo relacionado – íntegra da entrevista com Marco Kalil, líder da IBM Consulting no Brasil:

 

 

Recurso de visualização acelerada de conteúdos nos dá mais tempo, mas pode nos deixar ansiosos - Foto: Akshay Gupta/Creative Commons

A tecnologia tenta nos acelerar, mas nossa natureza tem limite de velocidade

By | Tecnologia | No Comments

Atire a primeira pedra quem nunca clicou no botão “2X” para ouvir mais rapidamente uma mensagem de áudio do WhatsApp. Quando foi lançado, em maio de 2021, esse recurso foi festejado por aqueles que não aguentam ouvir falas que duram vários minutos. Mas longe de ser um fenômeno isolado, essa possibilidade de “acelerarmos nosso cotidiano” está cada vez mais presente em diversas plataformas digitais.

Reflexo do sucesso da possibilidade de “encurtarmos” todo tipo de conteúdo para termos mais tempo livre, isso dispara alguns questionamentos. O primeiro é descobrir se há algum efeito colateral nesse processo. Outro se trata de um dilema do tipo “ovo e galinha”: as plataformas digitais nos oferecem isso cada vez mais porque é algo que desejamos, ou nós queremos e usamos a funcionalidade porque está mais disponível?

Pesquisadores se debruçam sobre o tema para entender até seu impacto fisiológico em nossos cérebros. Mas não é necessário ser um neurocientista para perceber que essa ânsia pela aceleração transforma nosso cotidiano há muitos anos. Hoje fazemos muitas coisas de maneira diferente e mais rápida, como estudar, trabalhar, nos divertir e até nos relacionar com outras pessoas. E o que começou nas diferentes telas agora também transforma essas mesmas atividades quando feitas presencialmente.

Como era de se esperar, algumas coisas ficaram pelo caminho. Ganhamos na velocidade, mas podemos perder em entendimentos deficientes e no aumento de ansiedade. E disso surge a pergunta: será que vale a pena?


Veja esse artigo em vídeo:


O conceito foi brilhantemente explicado no filme “Click” (2006), estrelado por Adam Sandler. Na história, seu personagem ganha um controle remoto mágico capaz de manipular o mundo a sua volta. Dessa forma, ele podia, por exemplo, acelerar as partes de sua vida pelas quais tinha que passar, mas de que não gostava. O problema é que o aparelho aprendia essas preferências, começando a “pular” automaticamente todos esses momentos. Como resultado, o personagem de Sandler acabou perdendo informações importantes de sua vida.

Ainda não chegamos a esse ponto de acelerar os acontecimentos reais, mas o que já temos no mundo digital vem alterando nossa percepção. É comum dizermos que os dias parecem estar ficando mais curtos, mas não pensamos na quantidade de coisas diferentes que fazemos a cada 24 horas, muito mais que nossos pais. Há uma sensação de aumento de produtividade, mas até onde isso é real e saudável?

A tecnologia digital combina perfeitamente com o conceito de sucesso da vida contemporânea, fortemente ligada à produtividade. Não basta fazer mais: é preciso brilhar mais e isso precisa ser visto por todos. Trocamos os benefícios de contemplar a vida pela sensação de uma suposta vitória pela hiperpodutividade.

Quem se dispõe a deixar a correria do cotidiano de lado para se dedicar, por alguns minutos que seja, a calmamente apenas ouvir músicas de que se gosta? Esse exemplo é muito emblemático, porque o que se observa é exatamente o contrário: pessoas que aceleram as músicas, para que acabem mais rapidamente, não se importando com a óbvia mutilação da obra.

Isso vem provocando alterações em com as próprias músicas são compostas atualmente. Introduções melodiosas e solos instrumentais desaparecem para que o ouvinte chegue ao clímax rapidamente. A própria duração da faixa fica limitada a três minutos, para evitar que a pessoa passe para outra música antes de se chegar ao final. Se isso acontece, os algoritmos das plataformas de streaming podem entender que a música não é tão interessante, passando a tocá-la menos daí em diante.

 

Crescimento da ansiedade

A comunidade científica ainda não chegou a uma conclusão sobre todos os impactos da aceleração de nosso cotidiano. Muitos estudos se concentram em descobrir quanto isso afeta a nossa compreensão de conteúdos que consumimos.

Em 2021, uma equipe da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles, nos EUA), liderados por Dillon Murphy, publicou um estudo na revista “Applied Cognitive Psychology”. Eles observaram que as pessoas conseguiam compreender vídeos acelerados em até 2X. Acelerações maiores já prejudicavam o processo. Concluíram também que pessoas que usam esse recurso frequentemente têm mais chance de entender e reter as mensagens aceleradas, como se estivessem treinadas.

Mas uma eventual compreensão prejudicada não é a única coisa que deve nos preocupar. Especialistas apontam uma correlação entre uma vida acelerada e o crescimento explosivo de casos de ansiedade. E nós, brasileiros, não estamos nada bem nisso: segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o Brasil possui a população com a maior prevalência de transtornos de ansiedade do mundo, com 9,3% dos brasileiros sofrendo de ansiedade patológica.

Tanta ansiedade transforma tudo que fazemos. Qualquer coisa que exija mais tempo, atenção ou reflexão pode disparar esses processos, assim as pessoas procuram evitar isso tudo. Mas gostemos ou não, eles continuam fazendo parte de nosso trabalho, nosso estudo e até de nossos relacionamentos. Nos escritórios, isso se sente em queda de produtividade e menos compromisso profissional.

Essa falta de envolvimento pode tornar tudo superficial. No caso de relacionamentos, o filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman já havia identificado isso em seu livro “Amor Líquido” (editora Zahar, 2004). Para ele, a redução nas suas qualidades é compensada por uma quantidade enorme de parceiros. Aceleram-se os inícios e os términos com o clique em um aplicativo. Troca-se, sem remorsos, aqueles que deixam de ser “interessantes” por outros “melhores”.

Como professor, sinto isso na alteração do formato de cursos de extensão universitária. As pessoas desejam, cada vez mais, cursos rápidos e focados em um tema específico, para aplicação imediata no cotidiano. Cursos que oferecem uma visão analítica e estratégica, responsáveis pela formação de profissionais capazes de solucionar grandes problemas, perdem espaço.

Dou aulas presenciais e a distância. Essas últimas, apesar de dadas sempre ao vivo, ficam gravadas e muitos alunos talvez as vejam aceleradamente. Mas seria uma pena: mesmo as pausas nas aulas são importantes para a construção de um raciocínio e para a fixação do conteúdo. Se forem eliminadas, o aprendizado fica comprometido.

Ninguém questiona como as plataformas digitais se tornaram inestimáveis ferramentas de produtividade. É praticamente impossível viver hoje sem o que elas nos oferecem. Mas como qualquer ferramenta, elas precisam ser usadas com inteligência. Longe de representar “esperteza”, o abuso da “aceleração da vida” demonstra um letramento digital pobre da população.

Como diz o ditado, “quem nunca comeu melado, quando come, se lambuza”. A natureza continua seguindo seu ritmo natural, desacelerado. Não somos máquinas! Ao tentar subverter isso, trocamos bem-estar por ansiedade, produtividade por acúmulo insustentável. Esse não é o caminho a ser seguido.

 

Metrô de São Paulo lotado após fracasso de “big techs” que revolucionariam a mobilidade urbana - Foto: Wilfredor / Creative Commons

Como as big techs querem substituir instituições da sociedade por tecnologia

By | Tecnologia | No Comments

Todos nós usamos produtos do Google, da Meta, da Apple e de outras “big techs”. De fato, eles facilitam enormemente a nossa vida e ainda são rotulados como “grátis”.

Sabemos que não há nada de graça nisso. A explicação tradicional é que pagamos por eles com nossos dados, que permitem que essas empresas ganhem dinheiro, por exemplo, nos entregando anúncios hiperpersonalizados. É o chamado “capitalismo de vigilância”.

Mas a ascensão da inteligência artificial e a guerra aberta que as “big techs” travam contra qualquer forma de limitação de suas atividades, como estamos vendo no Brasil no embate contra o “PL das Fake News”, revela que esse controle que elas têm sobre nós é muito mais complexo, a ponto de que muita gente as defende nesses casos. E a tentativa de regulação da inteligência artificial fará nosso fracasso em impor limites razoáveis às redes sociais parecer algo pífio.

O que essas empresas realmente desejam é uma liberdade não-regulada para, entre outras coisas, substituir instituições da sociedade em áreas como saúde, educação, transporte ou segurança por soluções tecnológicas que, segundo elas, superariam a “ineficiência” do que temos hoje. Ao ocupar um espaço tradicionalmente sob cuidados do Estado, alcançariam um poder inimaginável, muito maior que o atual.

Eles só não dizem que tudo nessa vida tem um custo. Esse não será pago com publicidade em nossos celulares. Então “como essa conta fecha”?


Veja esse artigo em vídeo:


O avanço da inteligência artificial é inevitável e muito bem-vindo: ela tem o potencial de oferecer à sociedade benefícios até então inimagináveis. Mas isso significará que entregaremos muitas de nossas escolhas às máquinas, que decidirão o que elas acreditam ser o melhor para cada um de nós.

Em uma sociedade já encharcada de algoritmos, eles passam a controlar muito de nossa vida, de maneiras que nem percebemos. Nós não temos a menor ideia de quais são suas regras que decidem cada vez mais por nós. Diante de tanto poder, a falta de transparência das “big techs” e de explicabilidade de seus produtos se torna inaceitável e perigoso para nossas vidas e para a democracia. É justamente isso que essas empresas lutam para manter, pois, se soubermos detalhadamente o funcionamento de seus algoritmos, elas perdem o poder que têm sobre os cidadãos.

Tudo isso vale para os algoritmos atuais, bem conhecidos e controlados pelas “big techs”. A inteligência artificial torna esse debate ainda mais importante, pois nem seus criadores entendem completamente as novas estratégias criadas pelas máquinas para solucionar problemas.

Se essas companhias lograrem criar a chamada “inteligência artificial geral”, aquela que não se limita mais a tarefas específicas e passa a se comportar de maneira semelhante à mente humana, tomando decisões sobre qualquer assunto, a situação pode ficar realmente dramática.

Imagine um sistema como esse que tenha assumido, com nosso consentimento, decisões críticas sobre a saúde pública. Em nome de deixar todo o sistema mais “eficiente”, ele pode passar a privilegiar cirurgias com mais chance de sucesso ou lucrativas, em detrimento das mais difíceis ou com menos ganhos. Mas todos merecem a chance de serem tratados, mesmo quem tem baixa possibilidade de sucesso. Essa é a visão humana de um médico, que uma máquina que acha que o fim justifica os meios pode ignorar.

Agora multiplique esses riscos acrescentando, na equação, segurança pública, educação e até economia de um país.

 

Nem sempre dá certo

O discurso do Vale do Silício enaltece o inegável poder transformador da tecnologia. É praticamente impossível viver hoje sem smartphones, buscadores ou redes sociais. Mas seus gurus adoram perpetuar as histórias de sucesso, enquanto ignoram os fracassos. E eles muitas vezes acontecem quando se tenta substituir uma instituição social por uma tecnologia.

Podemos pensar, como exemplo, no caso da Uber. Conceitualmente acho sua proposta muito interessante, mas ela parece “estar fazendo água”, particularmente no Brasil. Vocês devem se lembrar como a empresa chegou prometendo revolucionar a mobilidade urbana, como um substituto vantajoso ao transporte público, com suas corridas baratas e a possibilidade de se ganhar dinheiro dirigindo.

Foi um sucesso instantâneo: muita gente chegou a vender seu carro! Mas, para aquilo ser possível, a empresa queimava milhões de dólares em subsídios. Quando os investidores se cansaram de perder dinheiro e exigiram lucros, o modelo ruiu, com a consequente queda enorme na qualidade do serviço, que agora sentimos.

Porém o mais educativo desse exemplo é mostrar que nunca se propôs resolver o verdadeiro problema social, no caso as deficiências no transporte público. Substituía-se uma “gestão governamental ineficiente” por uma “solução tecnológica mágica”, cujo verdadeiro objetivo era sedimentar a dominância da empresa em seu setor. Quando a realidade bateu à porta, ficamos sem nada!

O grande desafio da nossa geração é tomar consciência de que somos cada vez mais dependentes da tecnologia e das empresas que as criam. Elas têm suas próprias agendas e narrativas de como estão melhorando e até “salvando” o mundo com seus produtos. Mas às vezes a sua necessidade de lucrar chega antes de salvarem qualquer coisa.

Não nos enganemos: como qualquer outra empresa, seu objetivo real é aumentar seus lucros, e, a princípio, não há nada de errado nisso. Mas esse objetivo não pode ser atingido às custas do desmantelamento das instituições da sociedade e dos mecanismos de proteção dos interesses da população.

Não estou propondo a interrupção do avanço tecnológico: ele é essencial para melhorarmos nossas vidas. Mas precisamos parar de acreditar candidamente que a tecnologia resolverá todos nossos problemas e melhorará magicamente a sociedade. Temos que ter consciência de como isso será feito e qual será o verdadeiro o custo social que pagaremos.

Tudo isso deve acontecer preservando os legítimos interesses das pessoas, o que muitas vezes conflitam com os dessas empresas. É por essas e outras que elas precisam ser reguladas. Elas não podem ser mais poderosas que os governos eleitos no mundo todo, nem mesmo substituir suas instituições.

 

Aplicativo do Farmácias App, que integra o estoque de mais de 3.000 farmácias de 900 cidades no país - Foto: Paulo Silvestre

Aplicativo cria marketplace de farmácias para ajudar pequenos a concorrer com grandes redes

By | Tecnologia | No Comments

Com a concentração do mercado de farmácias em poucas grandes redes nos últimos anos, que normalmente conseguem negociar condições comerciais mais vantajosas com fornecedores, a vida dos pequenos estabelecimentos do setor ficou mais difícil. Ainda assim, muitos deles resistem ao avanço dos gigantes, às vezes graças a um atendimento diferenciado.

No mundo digital, essa disputa se acirra, com os pequenos perdendo essa sua vantagem, o que pode se tornar dramático com o aumento do uso do e-commerce pela população. Por isso, um aplicativo criou um marketplace de pequenas e médias farmácias para ajudá-las a fazer frente ao poder das grandes.

“O Farmácias App ajuda a potencializar as farmácias sem concorrer com elas”, explica Rodrigo Carvalho, gerente-geral da plataforma. Isso quer dizer que apesar de ter como dono o grupo SantaCruz, maior distribuidor de medicamentos da América Latina, eles não vendem produtos, e sim buscam oferecer as melhores opções aos clientes finais, a partir do estoque de farmácias da região onde mora. “A ideia é ser uma referência em beleza e saúde, assim como o iFood é na alimentação”, acrescenta.

Isso cria uma vantagem competitiva que os pequenos dificilmente conseguiriam sozinhos, por falta de exposição e tecnologia. “Como são várias farmácias reunidas em um único aplicativo, e não só o estoque de uma grande rede, ele tem um sortimento muito maior, que pode até atender com mais velocidade que uma gigante”, explica Carvalho. Há também uma vantagem de se poder comparar preços e condições de muitos estabelecimentos diferentes, fugindo da opção única de uma rede.

Para isso, é fundamental que a plataforma esteja integrada, em tempo real, com as informações de estoque desses pequenos e médios estabelecimentos. Para aqueles que já possuem um sistema de controle mais robusto, os técnicos da Farmácias App simplesmente fazem uma integração direta entre as plataformas. Para aqueles com sistemas mais simples, a empresa instala um agente no servidor da farmácia para coletar e repassar imediatamente a informação à central. Já nos muito pequenos, que não possuem sistema algum desse tipo, cada mudança no estoque pode ser informada manualmente em um site de administração da parceria.

O modelo de negócios do Farmácias App é simples. Uma vez integrados na plataforma, os produtos do lojista passam a ser oferecidos aos clientes organizados por critérios como preço, distância e custo de entrega. Como em qualquer marketplace, uma mesma compra do cliente pode reunir itens de diferentes estabelecimentos, de maneira transparente. Quando qualquer venda é feita, a plataforma fica com 8,5% do valor de vendas. Não há nenhum outro custo para o lojista.

Toda a cobrança é feita pela plataforma, que depois repassa os valores para as farmácias. As entregas podem ser feitas pela plataforma ou ficar a cargo de cada lojista. Nesse caso, a equipe do Farmácias App monitora para verificar se o produto foi entregue dentro do prazo.

Hoje o serviço engloba farmácias de mais 900 cidades em 24 Estados e no Distrito Federal, a maioria delas concentradas na região Sudeste. “Nossa vontade é ter parcerias com todas as 80 mil farmácias do Brasil’, afirma Carvalho. No momento, a plataforma, que foi lançada em 2017, conta com mais de 3.000 estabelecimentos cadastrados. O crescimento de receitas do ano passado para esse ficou em torno de 270%.

Cena de “O Exterminador do Futuro” (1984), em que máquinas inteligentes querem exterminar a humanidade - Foto: reprodução

Qual será a próxima vítima da inteligência artificial?

By | Tecnologia | No Comments

No dia 13, o sindicato dos atores de Hollywood se juntou à greve do sindicato dos roteiristas dos EUA, que acontece desde maio. É a primeira vez em 63 anos que as duas organizações cruzam os braços ao mesmo tempo, o que já impacta a produção de filmes e séries. Entre reivindicações mais convencionais, como melhores condições de trabalho e salários, os dois grupos preocupam-se com o impacto que a inteligência artificial terá em suas profissões.

Já debati longamente, nesse mesmo espaço, sobre a substituição de profissionais por essa tecnologia. Mas esse caso é emblemático porque são as primeiras grandes entidades trabalhistas que colocam isso na pauta de reivindicações para seus patrões.

É curioso porque, no atual estágio de desenvolvimento da inteligência artificial, não se vislumbra que ela substitua consistentemente atores ou roteiristas em grandes produções, como filmes ou séries. Isso não quer dizer que, com o avanço galopante de sua evolução, não possa acontecer em algum momento. Portanto, a reivindicação dos sindicatos visa uma proteção futura, contra um concorrente digital implacável que ainda está por vir.

O que me preocupa, no presente, são empresas de todos os setores que possam estar se preparando para usar a IA, do jeito que está, para substituir trabalhadores de “níveis mais baixos da cadeia alimentar”, mesmo quando isso resulte em produtos ou atendimentos piores para os consumidores. Aqueles dispostos a cortar custos de forma dramática, irresponsável e impensada representam um perigo muito maior que a tecnologia em si.

Como dizem por aí, “isso é tão Black Mirror!”


Veja esse artigo em vídeo:


Não me interpretem mal! Sou um entusiasta da inteligência artificial bem usada, e entendo que esse movimento não tem volta. E nem deveria ter: quando aplicada de forma consciente e responsável, a IA traz inegáveis benefícios a empresas e a indivíduos. Nós mesmos já somos muito beneficiados em nosso cotidiano, em incontáveis aplicativos em nosso celular, que só existem graças a ela.

Mas a inteligência artificial não é uma panaceia. E isso fica claro com o popularíssimo ChatGPT, lançado em novembro e que provocou uma explosão de discussões e de uso da IA, além de uma corrida para empresas demonstrarem que estão nesse barco. Depois do frisson criado pela sua capacidade de manter conversas consistentes sobre qualquer assunto, as pessoas começaram a perceber que muito do que ele fala são verdadeiras bobagens. A despeito dos melhores esforços de seus desenvolvedores, ainda é uma ferramenta sem compromisso com a verdade.

Mas isso não impede que pessoas e empresas usem a plataforma como um oráculo. Gestores vêm confiando em respostas da plataforma para oferecer serviços. Alguns chegam a alimentar o sistema com dados sigilosos de seus clientes, uma calamidade se considerarmos que a ferramenta não promete nenhuma segurança nisso.

Da mesma forma, algumas pessoas têm usado o ChatGPT para funções para as quais não foi desenvolvido, como “fazer terapia” com um sistema incapaz de desenvolver empatia ou que sequer sabe realmente o que está falando: todas essas plataformas simplesmente encadeiam palavras seguindo análises estatísticas a partir de uma gigantesca base de informações com a qual foram “treinadas”.

O problema não é, portanto, usar a tecnologia, e sim usar mal uma coisa boa! Se o objetivo for somente economizar custos, essa é uma “economia porca” que resulta em uma queda dramática na entrega ao público.

 

Exterminador do Futuro

No dia 18, James Cameron, diretor e roteirista de sucessos como “Avatar” (2009) e “Titanic” (1997), deu uma entrevista à rede de TV canadense CTV News, afirmando que a inteligência artificial não é capaz de produzir roteiros. “Não acredito que uma mente desencarnada, que apenas regurgita o que outras mentes vivas disseram sobre a vida que tiveram, sobre amor, sobre mentira, sobre medo, sobre mortalidade, tenha algo que vá comover o público”, disse.

Há um ponto essencial na fala de Cameron, que também foi diretor e roteirista de “O Exterminador do Futuro” (1984), em que máquinas inteligentes tentam eliminar a humanidade: precisamos entender que a inteligência artificial não é realmente criativa!

Ela apenas agrupa padrões e estilos para suas criações, mas não tem algo essencial a qualquer artista: a subjetividade. A nossa história de vida faz com que os padrões que aprendemos sejam inspiração para nossa criatividade, e não uma limitação. A máquina, por outro lado, fica restrita a eles, sendo incapaz de alterá-los.

Mas eu não me iludo: o que puder ser automatizado será. Funções cujos trabalhadores atuam de forma previsível, seguindo regras muito estritas, já estão sendo substituídas por robôs. Em situações como essas, a máquina desempenha as tarefas de maneira mais rápida, eficiente e barata. A qualidade das entregas ao cliente pode até melhorar!

Nos demais casos, a inteligência artificial não deveria ser usada como uma ferramenta para substituir profissionais, e sim para torná-los mais eficientes em suas atividades, oferecendo-lhes sugestões e informações que jamais conseguiriam ter sozinhos, pelas suas limitações humanas.

Em outra frente, o Google está testando, com alguns jornais, um sistema baseado em inteligência artificial capaz de escrever textos a partir de informações que lhe forem apresentadas. Em um comunicado, a empresa disse que “essa ferramenta não pretende e não pode substituir o papel essencial que os jornalistas têm em reportar, criar e verificar os fatos”, devendo ser usado como um apoio a esses profissionais, liberando seu tempo para tarefas mais nobres. Resta saber se, uma vez lançado, o produto não será usado por editores para enxugar mais as já minguadas redações, mesmo que isso resulte em publicações suscetíveis a erros e menos criativas.

Na mesma entrevista, Cameron explicou que, sobre os roteiros, “nunca é uma questão de quem os escreveu, mas de serem boas histórias”. Só faltou definir, de maneira inequívoca, o que é “boa”. Alguns filmes têm roteiros escritos por humanos que são muito ruins. Para escrever aquilo, talvez a inteligência artificial bastasse.

Isso vale para roteiristas, atores, jornalistas e qualquer profissional que se sinta ameaçado pela tecnologia. A melhor proteção que podem ter contra os robôs é fazer melhor que o que eles são capazes de entregar.

Nós, como clientes de todos esses serviços, também temos um papel importante: não podemos aceitar que produtos ruins nos sejam empurrados. Muitos gestores tentarão usar esses recursos assim! Com isso, perderemos nós e os profissionais, todos vítimas dessa “tecnoganância”. Isso não pode passar e muito menos se normalizar.

 

Cena do filme “RoboCop” (1987), em que um policial dado como morto ganha um corpo e uma consciência digitais - Foto: reprodução

IA pode brilhar na segurança, mas suas falhas podem ser catastróficas

By | Tecnologia | No Comments

Pegue qualquer lista dos maiores problemas das grandes cidades e a segurança sempre estará nas primeiras posições. Não é para menos: nos últimos anos, a escalada da violência chegou a níveis insustentáveis em todo Brasil. Diante disso, precisamos usar os recursos disponíveis para tentar resolver o problema. A digitalização de nossas vidas e a inteligência artificial podem ajudar muito nisso, mas precisamos estar preparados para lidar com as consequências de suas imprecisões.

Quanto mais crítica for uma aplicação, menos tolerante a falhas ela é. Isso quer dizer que o sistema não pode sair do ar nunca e as informações oferecidas por ele ou suas decisões devem ser precisas. E infelizmente a tecnologia não chegou a esse nível de excelência inquestionável.

Uma coisa é alguém fazer um trabalho escolar ou um relatório profissional com erros grosseiros por ter acreditado cegamente em alguma bobagem dita pelo ChatGPT. É verdade que podem acabar reprovando na disciplina ou perdendo o emprego por isso, duas coisas ruins. Mas isso não se compara a ser confundido pela máquina com um criminoso, e assim acabar sendo preso ou –pior– morto.

Por isso, apesar de a tecnologia ser muito bem-vinda no combate à criminalidade, os agentes de segurança pública precisam estar preparados para lidar com os resultados dessa colaboração e seus potenciais erros.


Veja esse artigo em vídeo:


Nesse cenário, é bastante ilustrativo o projeto da Prefeitura de São Paulo de unir diversos serviços municipais que hoje não trabalham integrados, como a Defesa Civil, o SAMU, a CET e a Guarda Civil Metropolitana, além das polícias Civil e Militar, Metrô e CPTM. Batizado de Smart Sampa, ele prevê ainda a adição de 20 mil câmeras na cidade, especialmente em pontos sensíveis e de maior criminalidade, que se somarão a outras 20 mil já existentes.

A princípio, a ideia parece muito boa, especialmente porque os diferentes órgãos da administração podem funcionar melhor ao compartilharem suas informações. A exemplo de outras grandes cidades no mundo, como Nova York, a tecnologia desempenha papel central nesse processo. Ironicamente aí começam a surgir os problemas.

O ponto mais delicado da proposta é o uso de reconhecimento facial. Essa tecnologia tem avançado incrivelmente, mas não o suficiente para evitar uma quantidade inaceitável de erros, particularmente entre pessoas negras. Isso acontece porque a inteligência artificial aprende a diferenciar rostos a partir de uma enorme quantidade de fotografias, mas proporcionalmente há muito mais amostras de brancos que de negros nesse “treinamento”. Diferentes estudos apontam que os erros de reconhecimento de pessoas brancas giram em torno de 1%, enquanto de negras ultrapassa os 30%, especialmente mulheres negras.

Por isso, a proposta original do Smart Sampa, que previa “rastrear uma pessoa suspeita, monitorando todos os seus movimentos e atividades, por características como cor, face, roupas, forma do corpo, aspectos físicos etc.”, precisou ser alterada. Monitorar alguém pela sua cor é ilegal!

O projeto prevê que qualquer problema identificado pela plataforma seja confirmado por um agente humano treinado antes de emitir qualquer alerta, o que é, sem dúvida, um ponto positivo para minimizar injustiças. Mas a ideia de rastrear alguém que o algoritmo ache suspeito, ainda cruzando com dados de redes sociais dos cidadãos, lembra algumas das piores sociedades da ficção científica.

 

Sem escapatória

No filme “Minority Report: a Nova Lei” (2002), as autoridades sabiam continuamente onde cada cidadão estava. Além disso, um sistema que combinava tecnologia com aspectos místicos, conseguia prever assassinatos antes que acontecessem. Dessa forma, a polícia prendia os “prováveis criminosos” antes de cometerem o crime.

Sim, as pessoas eram presas antes de terem cometido qualquer crime, apenas porque a plataforma tinha convicção de que o cometeriam! E para a polícia isso era suficiente.

O sistema parecia infalível e, de fato, os assassinatos acabaram. Os “prováveis criminosos” eram condenados a viver o resto de seus dias em uma espécie de coma induzido. O problema é que o sistema não só era falho, como ainda podia ser manipulado para “tirar de circulação” pessoas indesejáveis para os poderosos. Quando isso é revelado, o sistema é desativado e todos os condenados são libertados.

Como se pode ver, quando uma tecnologia tem o poder de levar alguém à prisão ou decidir sobre sua vida ou morte, nenhuma falha é aceitável. Ainda aproveitando a ficção para ilustrar o caso, temos a cena de RoboCop (1987) em que o robô de segurança ED-209, durante uma demonstração, identifica corretamente que um voluntário lhe apontava uma arma. Mas ele falha em reconhecer que a pessoa a joga ao chão logo depois, e acaba metralhando a vítima diante dos presentes.

Por isso, é assustador ver os motivos que desclassificaram a empresa vencedora do primeiro pregão do Smart Sampa. No dia 7 de junho, técnicos da Prefeitura foram verificar se ela estava apta ao serviço. Pelas regras, deveria ter mil câmeras operando com reconhecimento facial, mas só havia 347, das quais apenas 147 estavam online. Segundo o relatório dos técnicos, o responsável argumentou que “todo mundo tem problemas de Internet” e que “horário de almoço é complicado, muita gente fazendo download impacta no link de Internet mesmo”.

Esse amadorismo e falta de comprometimento é algo que jamais poderia pairar sobre um sistema de segurança pública, podendo colocar em xeque toda sua credibilidade! É por essas e outras que cidades importantes ao redor do mundo, como San Francisco (EUA), baniram o uso de reconhecimento facial em plataformas assim.

Alguns grupos querem reduzir esse debate a uma questão ideológica, como vem se tornando um padrão no Brasil há alguns anos. Mas essa não é uma questão ideológica e sim tecnológica!

Em um famoso artigo de 2018, Brad Smith, presidente da Microsoft, questionou qual papel esse tipo de tecnologia deve ter na sociedade, a despeito de todos os benefícios que traga. Segundo ele, “parece mais sensato pedir a um governo eleito que regule as empresas do que pedir a empresas não eleitas que regulem tal governo”.

Como em um bom episódio da série “Black Mirror”, o problema não está necessariamente na tecnologia em si, mas em usos errados dela. Câmeras e inteligência artificial darão poderes sobre-humanos às forças de segurança, com enorme poder de detecção de crimes e contravenções. Mas ela também pode maximizar vieses e falhas humanas da força policial, como o racismo.

Sem dúvida, podem ser ferramentas valiosíssimas no combate à criminalidade galopante. Mas em uma sociedade assustada e que clama por segurança rápida, despontam como soluções “mágicas” para políticos que buscam votos fáceis. Mas a coisa não funciona assim e, se não for implantada com cuidados técnicos e éticos, pode ainda ampliar outros problemas sociais existentes.

É necessário entender que, mesmo que o sistema evite 100 mortes, não é aceitável que 10 vítimas inocentes sejam condenadas ou mortas por erros da plataforma. Se houver um único erro, o sistema não é bom o suficiente para ser usado! Mas parece que pouca gente se preocupa com isso, no melhor estilo de “o fim justifica os meios”.

No final, a solução recai sobre o ser humano. Os agentes de segurança precisam ser treinados para lidar com possíveis falhas técnicas. Precisam aprender a dosar suas ações e abordagens feitas a partir de informações que podem estar erradas.

Resta saber se esses profissionais estão preparados para isso. Diante de diversas ações desastrosas e mortíferas que vemos nas ruas brasileiras o tempo todo, não estão! A solução desse outro problema é essencial e deveria acontecer antes da implantação da tecnologia. Mas isso, por si só, já renderia outro artigo.

 

A imagem de Elis Regina foi recriada digitalmente para dueto com sua filha, Maria Rita, em comercial da Volkswagen - Foto: reprodução

Não podemos mais acreditar no que nossos olhos veem

By | Tecnologia | No Comments

São Tomé ficou famoso por dizer que precisava “ver para crer” que Jesus havia ressuscitado. Seu pedido está associado ao fato de que, de todos os nossos sentidos, a visão é o que transmite mais segurança e confiabilidade. Se vemos algo acontecendo diante de nós, nosso cérebro entende aquilo como verdadeiro. Mas o avanço tecnológico, capaz de criar imagens falsas cada vez mais críveis, coloca isso em xeque e dispara alguns alertas.

Na segunda passada, o comercial “Gerações”, criado em comemoração aos 70 anos da Volkswagen no Brasil, provocou polêmica ao colocar a cantora Elis Regina (morta em 1982) cantando ao lado da filha Maria Rita. Elis aparece no filme dirigindo um antigo modelo de Kombi (que deixou de ser produzida no Brasil em 2013), enquanto a filha aparece ao volante de uma ID.Buzz, furgão elétrico recém-lançado, chamado de “Nova Kombi”.

Muitas pessoas questionaram o uso da imagem de Elis em algo que nunca fez (ou que pelo menos não há nenhum registro): cantar “Como Nossos Pais” enquanto dirige uma Kombi. O debate é válido, mas não me preocupo tanto com o uso da tecnologia dessa forma. Afinal, os produtores do comercial nunca propuseram enganar o público para que achasse que Elis estivesse viva e jovem.

O que me deixa tenso é o uso dessa tecnologia por pessoas inescrupulosas para deliberadamente distorcerem a realidade e enganar as massas para seu benefício. Quando isso acontecer, talvez nossos olhos já não sejam mais suficientes para nos garantir o que é verdadeiro.


Veja esse artigo em vídeo:


Para viabilizar o dueto entre Elis Regina e Maria Rita, a agência AlmapBBDO trabalhou com duas tecnologias: o “deep fake” e o “deep dub”. Elas já existem há alguns anos, mas a qualidade do que criam vem crescendo exponencialmente.

O primeiro “mapeia” os rostos de uma pessoa que é gravada em vídeo e o de quem efetivamente aparecerá na imagem final. Com isso, o sistema recria o vídeo com o segundo rosto no lugar do primeiro, fazendo exatamente os movimentos da pessoa original. Na peça da Volkswagen, a atriz Ana Rios gravou as cenas dirigindo a Kombi e fazendo movimentos típicos de Elis Regina. Quando o sistema trocou seu rosto pelo da cantora, é como se ela mesma estivesse lá.

Como a voz usada era de uma gravação da própria Elis, entrou em cena o “deep dub”. Sua função é modificar imagens já criadas para que exista um perfeito sincronismo entre a voz e o movimento dos lábios.

Apesar de o comercial ter agradado pela sua criatividade, sensibilidade e uso inteligente da tecnologia, muita gente o criticou por usar a inteligência artificial para criar imagens inéditas de alguém que já morreu. Mas não se trata de violação do direito de imagem. Marcelo Crespo, coordenador do curso de Direito da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), explica que, quando alguém morre, esse direito passa a seus herdeiros.

“Mas é sempre importante considerar que eventualmente o próprio falecido não tivesse a intenção de participar post-mortem de atividades com sua imagem”, acrescenta Crespo. Ele explica que, nesse caso, a pessoa deve manifestar explicitamente sua contrariedade ainda em vida.

A publicidade se vale desde sempre de imagens de pessoas famosas que já se foram, com fotos ou filmagens antigas para montagens, e até o uso de atores maquiados para se parecer aos falecidos. A diferença agora é o uso da tecnologia para tornar tudo muito realista.

 

Limites éticos

De toda forma, o debate em torno do comercial foi interessante para se questionar se há um limite ético e moral para o uso dessa tecnologia, com pessoas vivas ou mortas.

Da mesma forma que devemos ver isso cada vez mais em produções audiovisuais, devemos estar preparados para encarar uma avalanche de “deep fakes” criados com o objetivo de prejudicar outras pessoas. Isso tampouco é novo, mas, como explica Crespo, “ficará mais difícil, a olho nu, detectar o que é verdadeiro e o que é uma construção baseada em inteligência artificial”, restando aos peritos identificar as falsificações. “O desafio, daqui pra frente, é que será mais comum ver esse tipo de debate na Justiça, com discussões sobre vídeos”, acrescenta.

Muitos profissionais estão preocupados que categorias inteiras desapareçam graças a essas tecnologias. É o caso dos dubladores. Seu trabalho artístico envolve fazer as falas traduzidas combinarem, tanto quanto possível, com o movimento dos lábios do ator no idioma original.

Agora as plataformas de inteligência artificial podem “aprender a voz” dos atores para recriá-la em qualquer idioma. Dessa forma, seria possível ter, por exemplo, Tom Hanks falando não apenas seu idioma nativo (o inglês), como também português, alemão, russo ou japonês, sem nenhum sotaque e com os lábios no vídeo perfeitamente sincronizados com sua fala em todos os idiomas.

De certa forma, isso ofereceria um produto mais interessante para o público e a produção das versões internacionais ficaria muito mais barata e rápida para os estúdios. Mas também significaria o fim da categoria dos dubladores. Esse não é um problema tecnológico, e sim social, e os países precisam se debruçar sobre um tema trabalhista sem precedentes.

No último dia 13, o músico Paul McCartney revelou que a voz de John Lennon havia sido extraída e aperfeiçoada por inteligência artificial a partir de uma antiga gravação. Nesse caso, a tecnologia não sintetizou nada, mas foi usada para captar a voz de John. Isso permitirá que, até o fim do ano, o mundo conheça uma nova música dos Beatles, apesar de Lennon ter sido assassinado em 1980 e de George Harrison ter morrido em 2001. Além de Paul, Ringo Starr também está vivo.

Por tudo isso, esse debate é válido e necessário. A tecnologia está madura e será cada vez mais usada, tanto em atividades lícitas quando na prática de crimes. Nosso desafio é sermos capazes de identificar o que é verdadeiro e o que é falso, e, nesse caso, se se trata de um uso legítimo, como no comercial da Volkswagen.

Uma educação de qualidade para todos fica ainda mais necessária para que as pessoas desenvolvam um senso crítico apurado. Ela é a melhor ferramenta que temos para fugir de arapucas digitais que coloquem em nosso caminho. Infelizmente esse é um investimento de longo prazo, enquanto a tecnologia avança de maneira galopante.

 

O filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman, autor do conceito do “amor líquido” - Foto: M. Oliva Soto/Creative Commons

O meio digital cristalizou o “amor líquido” como uma constante em nossas vidas

By | Tecnologia | No Comments

Quando lançou seu best-seller “Amor Líquido” em 2004, o filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman (1925-2017) não podia imaginar como as redes sociais ajudariam a cristalizar esse conceito depois de poucos anos: afinal, essas plataformas ainda eram bebês e suas influências em nossas vidas eram nulas. Isso só reforça sua genialidade e o valor de seus ensinamentos.

Olhe a sua volta e observe a quantidade de relacionamentos criados e desfeitos com grande facilidade. É um sinal dos nossos tempos e as ferramentas digitais são essenciais nesse processo.

Para Bauman, a redução na qualidade das relações é compensada por uma quantidade enorme de parceiros. A relação social como uma responsabilidade mútua dá lugar ao que chamou de “conexão”. Para ele, o grande apelo desses sistemas é a facilidade de esquecer o outro, de se “desconectar”: troca-se, sem remorso, parceiros que deixam de ser “interessantes” por outros “melhores”.

Essa é praticamente a definição do uso dos “aplicativos de pegação”, que têm no Tinder seu maior expoente e que só foi lançado em 2012. Graças a eles, quem quiser pode ter vários parceiros sexuais em um mesmo dia. Os desavisados poderiam achar que isso é algo que só beneficia os mais jovens, mas tem muita gente mais experiente se entregando à “fluidez amorosa” com as facilidades que inundam nossos smartphones.

Mas há outros fatores que aproximam a vida digital do amor líquido em uma relação quase simbiótica. Se Tinder e afins oferecem um “cardápio de gente” mais lúdico que um totem do McDonald’s, as redes de vídeo curtos, sob liderança incontestável do TikTok, estão alterando nossa percepção do mundo, alterando a própria estrutura de nossas narrativas.

Ideias trabalhadas com introdução, desenvolvimento e conclusão dão lugar a microconteúdos sem começo, fim e até sem meio, encadeados pelo algoritmo em uma sequência infinita que retém nossa atenção. As pessoas estão se acostumando a permanecerem continuamente engajadas a vídeos tão estimulantes quanto rasos. O processo é tão eficiente, que provoca uma percepção alterada de que tudo no mundo deveria ser assim.

Mas a vida não é, muito menos relacionamentos, que exigem alguma dose de dedicação, resiliência e adaptabilidade ao outro. Como a linguagem está em nossa essência, esse movimento explica, ainda que parcialmente, a dificuldade de os adolescentes atuais namorarem.

Bauman dizia que, apenas quando nos damos conta de que nossa voz é ouvida e de que nossa presença é sentida, entendemos que somos únicos e dignos de amor. Precisamos do outro em um contato de qualidade para nos fazer perceber isso, mas, se estamos perdendo essa comunicação essencial, como sentiremos o outro? Para ele, “amar é contribuir para o mundo, cada contribuição sendo o traço vivo do eu que ama.” E continua: “no amor, o eu é, pedaço por pedaço, transplantado para o mundo.”

Temos que aproveitar tudo que o digital nos oferece, até mesmo esses aplicativos, que podem ser muito úteis se empregados conscientemente. Apenas não podemos nos perder nossa própria humanidade nesse processo.

 

Anúncios de “host clubs” em Tóquio, onde homens bonitos são pagos para entreter mulheres - Foto: Dick Thomas Johnson/Creative Commons

Como as redes sociais podem diminuir a quantidade de filhos

By | Tecnologia | No Comments

Os primeiros resultados do Censo 2022, divulgados na semana passada, indicam que os brasileiros estão tendo cada vez menos filhos. Causas para essa queda na taxa de fecundidade há muito conhecidos, como o custo de vida e a ascensão profissional das mulheres, ganham ainda mais relevância. Mas há um aspecto que o IBGE não mede e que pode estar contribuindo cada vez mais para esse quadro: as mudanças comportamentais promovidas pelas redes sociais.

Para essa análise, considero bebês nascidos em relacionamentos estáveis de qualquer tipo. Se os últimos diminuírem, teremos menos bebês. E aí entram as plataformas digitais.

Redes de vídeos curtos, especialmente o TikTok, estão alterando não apenas a maneira como consumimos conteúdo, mas também como trabalhamos, estudamos, compramos, nos divertimos e nos relacionamos. Não é um exagero: um bombardeio infinito com estímulos visuais apelativos e vazios está criando uma geração impaciente e avessa a compromissos, que espera que tudo siga esse padrão.

Mas relacionamentos, mesmo um simples namoro, exigem tempo, paciência, resiliência e dedicação. E no final ainda podem dar errado!

Há muitos anos, me disseram que “a paixão é uma armadilha da natureza para procriarmos”. Vendo os números do Censo, essa frase faz ainda mais sentido: se as pessoas não mais tiverem paciência nem para a paixão, teremos mesmo menos crianças no mundo.


Veja esse artigo em vídeo:


Nos últimos 12 anos, o crescimento médio anual da população brasileira foi de 0,52%, o primeiro abaixo de 1% desde que o levantamento começou a ser feito no país, em 1872. O número médio de filhos por mulher, que era de 6,28 em 1960 e 1,90 em 2010, agora gira em torno de 1,75.

Naturalmente esse quadro de diminuição no crescimento populacional não se observa apenas no Brasil. A situação é dramática no Japão, onde nasceram 770 mil pessoas no ano passado, frente a 1,5 milhão de mortes. O governo japonês estima que a população caia dos atuais 125 milhões para 87 milhões em 2070, com a metade sendo idosos. Por lá, 27% das mulheres até 50 anos nunca tiveram filhos, país onde esse índice é mais alto.

Nenhuma economia resiste a padrões como esses. Por isso, o governo japonês está incentivando fortemente que famílias tenham mais filhos, dando dinheiro para quem fizer isso, mais educação (para que as pessoas tenham melhores salários) e promovendo igualdade entre os gêneros no ambiente de trabalho.

Mas a “geração TikTok” resiste, valorizando sua “solteirice”. O mercado e as plataformas digitais oferecem o apoio que precisam. Em Tóquio, por exemplo, já há mais de 3.000 “host clubs”, ambientes em que homens bonitos são pagos para oferecer uma conversa agradável e tratar bem mulheres que querem escapar das “complicações” de um relacionamento ou só fugir da rotina, sem compromissos.

O sexo não é o objetivo desse tipo de estabelecimento (apesar de que pode acontecer), mas, para isso, há aplicativos como o Tinder. Graças a eles, cresce a quantidade de pessoas que chegam a ter vários parceiros sexuais em um único dia.

Todos esses recursos podem até suprir necessidades sexuais e de companhia das pessoas, mas recaímos no problema original: nada disso gera bebês.

 

“Facilidades” do mundo moderno

As plataformas digitais nos oferecem facilidades que seriam verdadeiros superpoderes até bem pouco tempo atrás. Fazemos muito mais e (na maioria das vezes) melhor do que nós mesmos fazíamos há 20 anos. Basta pensar que o primeiro iPhone só veio ao mundo em 2007!

Somos seres gregários, e a linguagem é a nossa ferramenta mais fabulosa de construção. Agora esses microconteúdos subvertem a estrutura narrativa que aprendemos ainda na escola, de que a construção de uma ideia precisa de uma introdução, de um desenvolvimento e de uma conclusão. As redes sociais já desprezavam a primeira e a última, mas agora nem o “miolo” se salva.

Como a linguagem está em nossa essência, esse movimento impacta tudo que fazemos, inclusive os relacionamentos. Isso explica, ainda que parcialmente, a dificuldade de os adolescentes atuais namorarem.

É inevitável pensar no “Amor Líquido”, de Zygmunt Bauman (editora Zahar, 2004). Para o filósofo e sociólogo polonês, a redução na qualidade das relações é compensada por uma quantidade enorme de parceiros. A relação social como uma responsabilidade mútua dá lugar ao que chamou de “conexão”. Para ele, o grande apelo desses sistemas é a facilidade de esquecer o outro, de se “desconectar”: troca-se, sem remorso, parceiros que deixam de ser “interessantes” por outros “melhores”.

Mas, para Bauman, apenas quando nos damos conta de que nossa voz é ouvida e de que nossa presença é sentida, entendemos que somos únicos e dignos de amor. Precisamos do outro em um contato de qualidade para nos fazer perceber isso, mas, se estamos perdendo essa comunicação essencial, nunca sentiremos o outro.

As redes sociais sabem disso e, ainda assim, debaixo de um verniz de bom-mocismo cada vez mais gasto, continuam empurrando recursos para nos manter “engajados” (ou “viciados?) em suas plataformas. Se existisse alguma dúvida disso, os “Facebook Papers”, escândalo em que Frances Haugen expôs milhares de documentos internos da empresa em 2021, deveria ter acabado com ela. A ex-gerente de integridade cívica do Facebook mostrou que o a empresa tinha consciência dos males que causava até à saúde mental dos usuários, mas não fazia nada que atrapalhasse seus negócios.

É simplesmente impossível viver sem os recursos digitais hoje. Isso não quer dizer que podemos abrir mão de nosso livre-arbítrio e de nossas capacidades cognitivas de interagir com o mundo em toda a sua profundidade e complexidade. As redes sociais achatam o que nos rodeia, deixando tudo meio igual e desinteressante. E isso definitivamente não nos favorece.

Citando Bauman, “amar é contribuir para o mundo, cada contribuição sendo o traço vivo do eu que ama.” E continua: “no amor, o eu é, pedaço por pedaço, transplantado para o mundo.”

Precisamos recuperar as rédeas de nossas vidas, até mesmo para –quem diria?– nos relacionarmos e termos filhos.

 

Imagem: composição por Paulo Silvestre

Chamamos de “magia” muitas coisas que simplesmente não entendemos

By | Tecnologia | No Comments

Em 1985, eu e três amigos começamos a nos interessar por computadores, em uma época em que pouquíssimas pessoas sabiam o que eles eram ou para que serviam. Fomos a uma pioneira “escola de computação” no bairro para saber se poderíamos aprender mais sobre aquilo. A recepcionista nos levou a um TK-85 (um pequeno computador como o da imagem) e digitou o seguinte programa:

 

10 PRINT "Qual é o seu nome?"
20 INPUT nome$
30 PRINT "Olá, " + nome$ + "."
40 END

 

Quando ela rodou aquele código “espantoso”, a tela da TV preto-e-branco exibiu “Qual o seu nome?” Cada um de nós digitou o seu, ao que a máquina respondeu (para mim) “Olá, Paulo.”

Assombro geral com a “inteligência” do computador! Suficiente para aqueles pré-adolescentes se matricularem no cursinho de BASIC.

Não é preciso ser um programador para perceber que aquilo era algo extremamente simples. Mas para quem nunca tinha tocado em um computador (1985, lembra?), foi o suficiente para abrir as portas que me permitiram, a partir dali, olhar para o digital como forma de ampliar meus horizontes, procurando entender o que acontece no mundo dos bits.

O ser humano tem medo do desconhecido, porque não o pode controlar. Mesmo que algo aconteça incontestavelmente diante de seus olhos, se não compreender o fenômeno com o que sabe, recai sobre obra do divino ou –pior– vira “bruxaria”. Por conta disso, muitas mulheres e homens geniais foram, ao longo da história, calados, presos ou mortos por suas ideias, mesmo as mais benéficas à humanidade.

Por outro lado, quando adquirimos conhecimento, qualquer coisa, mesmo aquelas até então tidas como mágicas, deixa o campo do desconhecido e passa a ser uma ferramenta sob nosso domínio. E de tempos em tempos, uma nova tecnologia disruptiva surge para “testar a nossa fé”.

A bola da vez é a inteligência artificial, que já está revolucionando muitos negócios, mas igualmente desperta medo, pois o cidadão médio não consegue entender como ela funciona. Para ficar ainda mais confuso, temos pesquisadores e executivos da própria área revelando publicamente restrições a ela.

Talvez exista exagero nesses temores; talvez não. A dúvida se dá porque essa, que é uma das mais poderosas tecnologias já criadas, ainda seja majoritariamente incompreendida pela massa, que a vê, portanto, como “mágica”.

Precisamos desmistificar a IA, assim como qualquer outra tecnologia. Essa é a melhor maneira de tirarmos bom proveito do que ela pode nos oferecer, enquanto escapamos de eventuais armadilhas. Não quer dizer que teremos que ser todos programadores ou cientistas de dados: entendermos o que é, como funciona e para que serve já ajudará muito!

 

PS: tenho até hoje o meu TK-85 (foto a seguir), testemunha daquele momento histórico do nascimento da microinformática no país, nos anos 1980.

Foto: Paulo Silvestre

Foto: Paulo Silvestre

 


Vídeo relacionado: