All posts by Paulo Silvestre

Alunos precisam de 20 minutos para se reconectar ao estudo depois de usar smartphones para outras coisas - Foto: RDNE/Creative Commons

Pais e educadores devem “fazer as pazes com o não” para combater excesso de telas

By | Educação | No Comments

Ganha força a tese de que crianças e adolescentes fazem um uso excessivo de telas na escola e em casa, e que isso provoca grandes prejuízos ao seu desenvolvimento. No dia 26 de julho, um relatório da Unesco (a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) destacou pela primeira vez o problema e como um quarto dos países já faz alguma restrição de celulares em sala de aula. Mas ainda se fala pouco sobre como professores sem autoridade e até coibidos por pais de alunos podem ser levados a contribuir com essa situação.

Isso aparece no recém-lançado estudo “Educando na era digital”, da consultoria educacional OPEE. Ele indica que 97% dos educadores brasileiros concordam que há “uso excessivo de telas sem acompanhamento”, mas paradoxalmente apenas 9,7% deles acham que elas devem ser proibidas na sala de aula.

O exagero digital dos jovens vai além da escola. Outra pesquisa, a TIC Kids Online Brasil, divulgada no dia 25 de outubro pelo Cetic.br (órgão de pesquisa ligado ao Comitê Gestor da Internet no Brasil), indica que 95% dos brasileiros entre 9 e 17 anos estão online, e que isso acontece cada vez mais cedo: no ano passado, 24% tiveram seu primeiro acesso até os seis anos de idade; em 2015, eram 11% nessa faixa etária.

Todos esses fatos estão interligados e se retroalimentam. Enquanto pais e educadores não resgatarem a consciência de sua autoridade para impor limites aos mais jovens, esse quadro tende a se agravar. É impensável negar o acesso à tecnologia digital no nosso mundo hiperconectado, mas é preciso ensinar crianças e adolescentes a usarem-na de maneira construtiva e responsável.


Veja esse artigo em vídeo:


“Muitos educadores nem podem dizer ‘não’, porque a escola está muito refém da ‘carteirada’, no caso da escola particular, e até da agressão ou da humilhação, na escola pública”, afirma Leo Fraiman, mestre em psicologia educacional e autor da metodologia OPEE. “O professor hoje é tido, por muitas famílias, como um funcionário, um empregado seu, e não mais como uma autoridade.”

Segundo o psicoterapeuta, existe uma esquizofrenia entre famílias e escolas. As primeiras exigem das segundas o ensino de limites, de valores, de humanidade. Mas quando surge algum limite, até em uma simples nota baixa, os pais reagem negativamente.

“Viemos de um modelo mais rígido, de onde muitos adultos saíram ressentidos, até machucados emocionalmente”, explica o pesquisador. “E hoje, como pais, é como se quisessem se vingar das suas próprias feridas, superprotegendo os filhos.”

As telas de crianças e adolescentes são subprodutos dessa cultura. Muitos pais argumentam que elas desenvolvem, nos mais jovens, necessárias habilidades digitais, o que não deixa de ser verdade, desde que feito com orientação. Entretanto, o que se observa é que principalmente o celular se tornou um “companheiro” que ocupa o tempo dos pequenos, uma “babá eletrônica” (posto que foi ocupado pela TV há 30 anos) que falsamente desobriga os pais de dar mais atenção aos filhos.

Isso se reflete na escola, com pais exigindo a possibilidade de falar com seus filhos a qualquer momento, mesmo nas horas em que estiverem em aula. Com o smartphone, os alunos acabam impactados pelas incontáveis notificações, além da sedução das redes sociais, destacadas pela Unesco como fortes fatores de distração. E os alunos podem levar até 20 minutos para se concentrar novamente no que estavam aprendendo depois de usarem o smartphone para atividades não-educacionais.

É importante que fique claro que ninguém está dizendo que os jovens não devem usar a tecnologia, e sim que façam isso de forma comedida e sob orientação de adultos. A Unesco aponta que o excesso e a falta de critérios podem levar ao surgimento de problemas de alimentação, sono, saúde mental e saúde ocular.

 

Cyberbullying e outras agressões digitais

Outro estudo do Cetic.br, o TIC Educação, divulgado em 25 de setembro, indica que um terço dos professores brasileiros disseram que seus alunos pediram ajuda após terem sofrido assédio ou agressões pelo meio digital, ou terem suas fotos publicadas sem consentimento. Em um ano, os casos de vazamento de fotos saltaram de 12% para 26% e os de cyberbullying passaram de 22% para 34% dos estudantes. Esses números estão em linha com as observações dos educadores ouvidos pela pesquisa da OPEE: 80,9% deles acreditam que o acesso às telas favorece o cyberbullying.

É muito bom observar que os alunos recorrem a seus professores para lidar com problemas gravíssimos criados ou agravados pelo meio digital. Isso demonstra uma relação de confiança diante de algumas das maiores agressões que eles podem sofrer. Entretanto os professores precisam ter autonomia para atuar como necessário, até mesmo limitando o uso das telas e das redes sociais. A escola ganha também um novo papel, que é o de educar os pais no convívio digital, uma habilidade que possivelmente eles mesmos não dominem.

Fraiman alerta que estamos “contraindo uma dívida enorme para as próximas gerações” ao não as educar para um uso construtivo do meio digital, abrindo brechas para o surgimento de todos esses problemas educacionais e emocionais. E provoca: “diante de um mundo que vai ser cada vez mais competitivo, exigente, caro, acelerado, complexo, qual é a chance de uma criança, de um adolescente realmente se tornar ativo e inserido na sociedade e no mercado de trabalho, se ele for uma pessoa rasa, individualista, narcisista, acomodada e amedrontada?”

Isso vem de quebras de paradigmas sociais que a tecnologia continuamente nos impõe. As potencialidades oferecidas são fabulosas e surgem em escala exponencial, assim como problemas da nossa inadequação a tantas novidades. Começou com o surgimento da Internet comercial, foi seguida pela explosão das redes sociais e posteriormente dos smartphones. Agora a inteligência artificial é a bola da vez. É muito difícil absorver adequadamente tanta mudança!

A Unesco defende o uso de telas nas escolas, desde que claramente destinadas ao apoio ao ensino, e não como distração dos alunos. Além disso, nunca podem substituir o papel dos professores. Esses, por sua vez, precisam ter sua autonomia e autoridade resgatadas por boas políticas educacionais e pelas próprias instituições de ensino. Quanto às famílias, cabe a elas trabalharem em parceria com as escolas para a criação de limites a seus filhos, respeitando e valorizando os educadores.

A escola é um espaço de aquisição de conhecimento, mas também de respeito a diferenças e de fortalecimento de uma cidadania inclusiva, com um uso inteligente de todos os recursos disponíveis. Isso só acontecerá com a colaboração de todos os envolvidos, e nossos jovens precisam desesperadamente disso.

 

Cena de “Black Mirror”, em que se vê o implante ocular digital que aparece em vários episódios, com usos diversos - Foto: Reprodução

IA traz as coisas mais legais e mais sinistras de “Black Mirror” para o nosso cotidiano

By | Tecnologia | No Comments

Você gostaria de ter a sua disposição algumas das tecnologias de “Black Mirror”, que praticamente dão “superpoderes” a seus usuários, mesmo que isso possa lhes trazer algum risco? Se a reposta for positiva, prepare-se, pois a inteligência artificial pode fazer algo parecido àquilo se tornar realidade em breve, com tudo de bom e de ruim que oferece.

A série britânica, disponível na Netflix, ficou famosa por mostrar uma realidade alternativa ou um futuro próximo com dispositivos tecnológicos incríveis, capazes de alterar profundamente a vida das pessoas. Mas, via de regra, algo dá errado na história, não pela tecnologia em si, mas pela desvirtuação de seu uso por alguns indivíduos.

Os roteiros promovem reflexões importantes sobre as pessoas estarem preparadas para lidar com tanto poder. Com as novidades tecnológicas já lançadas ou prometidas para os próximos meses, os mesmos dilemas éticos começam a invadir nosso cotidiano, especialmente se (ou quando) as coisas saírem dos trilhos. Diante de problemas inusitados (para dizer o mínimo), quem deve ser responsabilizado: os clientes, por usos inadequados dos produtos, ou seus fabricantes, que não criaram mecanismos de segurança para conter isso?


Veja esse artigo em vídeo:


Provavelmente o dispositivo mais icônico de “Black Mirror”, que aparece em vários episódios, com diferentes aplicações, é uma espécie de implante ocular capaz de captar tudo que a pessoa vê em sua vida, que fica armazenado em um chip implantado atrás da orelha. Essa memória eterna e detalhada pode ser recuperada a qualquer momento, sendo projetada diretamente no próprio olho ou em uma tela.

Não é difícil imaginar como isso pode ser problemático, especialmente quando outras pessoas têm acesso a memórias alheias. Algumas coisas deveriam ser simplesmente esquecidas ou jamais compartilhadas!

A privacidade se torna um bem cada vez mais valioso em um mundo em que nossas informações pessoais viram dinheiro na mão de empresas que as transformam em dados comercializáveis. Um bom exemplo são equipamentos que vestimos (os chamados “wearables”) que captam informações sobre nossa saúde, muitas delas compartilhadas com os fabricantes. Mas para que esse envio é necessário?

Os relógios inteligentes (os “smart watches”) são o exemplo mais popular desses equipamentos. Mas uma nova geração de dispositivos melhorados pela inteligência artificial aprendem como nosso corpo funciona e nos oferecem informações personalizadas para uma vida melhor.

É o caso do Whoop 4.0, uma pulseira com diversos sensores biométricos, como batimentos cardíacos, oxigênio no sangue, temperatura e taxa de respiração, que afirma ajudar em atividades físicas e até em como dormimos. Já o Oura Smart Ring oferece algo semelhante, porém “escondido” em um simples anel.

Alguns são mais radicais, como a pulseira Pavlok 3. Ela promete ajudar a desenvolver hábitos mais saudáveis, como dormir melhor e até parar de fumar. Quando o dispositivo detecta algo ruim (como fumar), ele emite uma vibração e, se necessário, dá um choque elétrico na pessoa, para associar desconforto ao mau hábito.

Mas dois outros dispositivos lembram mais “Black Mirror”: o Rewind Pendant e o Humane AI Pin. Ainda não são os implantes oculares da série, mas prometem gravar o que acontece a nossa volta e muito mais. Eles pretendem inaugurar a era da “computação invisível”, em que não mais dependeremos de telas, nem mesmo as de celulares ou de óculos de realidades virtual ou aumentada.

O Rewind Pendant é um pequeno pingente que grava tudo que o usuário fala ou ouve. A partir daí, é possível dar comandos simples como “resuma a reunião de ontem” ou “o que meu filho me pediu hoje de manhã”. Como o sistema identifica a voz de quem está falando, o fabricante afirma que só grava alguém se essa pessoa explicitamente autorizar isso por voz.

Já o Humane AI Pin é um discreto broche que funciona como um assistente virtual que conhece nossos hábitos, grava e até projeta imagens em nossa mão. Comunica-se com o usuário por voz e sua inteligência artificial pode até desaconselhar que se coma algo, porque aquilo contém algum ingrediente a que a pessoa seja intolerante.

 

“Babaca digital”

Impossível não se lembrar do Google Glass, óculos inteligentes que a empresa lançou em 2013. Ele rodava diferentes aplicativos e as informações eram projetadas em sua lente, que se tornava uma tela para o usuário.

Apesar de cobiçado, acabou retirado do mercado por questões de privacidade. Ele tirava fotos e filmava sem que os outros soubessem. Além disso, fazia reconhecimento facial de interlocutores, que poderia ser usado para coletar informações adicionais. As pessoas que faziam maus usos do produto passaram a ser chamadas de “glassholes”, um trocadilho que junta “Glass” a “asshole” (algo como “babaca” em inglês).

Isso nos remete novamente a “Black Mirror”. Nenhum desses produtos foi criado para maus usos, mas as pessoas podem fazer o que bem entenderem com eles. E depois que são lançados, fica difícil “colocar o gênio de volta na lâmpada”.

Estamos apenas arranhando as possibilidades oferecidas pela inteligência artificial, que ainda revolucionará vidas e negócios. Tanto poder exigiria grandes responsabilidades, mas não podemos esperar isso das pessoas, e os fabricantes tampouco parecem muito preocupados.

Como exemplo, na semana passada, vimos o caso de alunos do 7º ao 9º ano do Colégio Santo Agostinho, um dos mais tradicionais do Rio de Janeiro, usando a inteligência artificial para criar imagens de suas colegas sem roupa. Desenvolvedores desses sistemas proíbem que sejam usados para esse fim, mas é inocência achar que isso será atendido. Tanto que já foram criadas plataformas especificamente para isso.

Quem deve ser responsabilizado por esses “deep nudes”: os alunos, os pais, a escola, o fabricante? Não se pode mais acreditar em qualquer imagem, pois ela pode ter sido sintetizada! Isso potencializa outros problemas, como os golpes de “sextorsão”, em que pessoas são chantageadas para que suas fotos íntimas não sejam divulgadas. Com a “computação invisível”, isso pode se agravar ainda mais!

O sociólogo polonês Zygmunt Bauman (1925 – 2017) era mesmo o filósofo de nosso tempo, com obras como “Modernidade Líquida” (1999), “Amor Líquido” (2004) e “Vida Líquida” (2005). Não viveu para experimentar a IA ou esses dispositivos, mas seu pensamento antecipou como tudo se tornaria descartável e efêmero na vida, nos relacionamentos, na segurança pessoal e coletiva, no consumo e no próprio sentido da existência.

A inteligência artificial está aí e ela é incrível: não dá para deixar de usá-la! Mas precisamos encontrar mecanismos para não cairmos nas armadilhas que nós mesmos criaremos com seu uso indevido.

 

Pais devem acompanhar atividades online dos filhos, mas plataformas têm responsabilidade no problema - Foto: Rawpixel/Creative Commons

Aumento da pedofilia online exige atenção no uso de redes sociais por crianças e adolescentes

By | Tecnologia | No Comments

Duas pesquisas divulgadas na quarta passada (25) demonstram uma explosão nos casos de pedofilia na Internet brasileira, ao mesmo tempo em que se observa um crescimento do uso da rede por crianças ainda na primeira infância. O problema gravíssimo dispara vários questionamentos sobre responsabilidades pelo seu crescimento e buscas por caminhos para a diminuição.

A primeira delas, da Safernet, organização que é referência no combate a crimes digitais no país, aponta que novos casos de imagens de abuso e de exploração sexual infantil chegaram a 54.840 entre 1 de janeiro e 30 de setembro desse ano, frente a 29.809 no mesmo período do ano passado: um crescimento de 84%.

Já a TIC Kids Brasil, levantamento feito pelo Cetic.br (Centro Regional de Estudos para Desenvolvimento da Sociedade da informação), ligado ao Comitê Gestor da Internet no Brasil, indica que as crianças estão ficando online cada vez mais cedo e por mais dispositivos. Dos brasileiros com até 6 anos de idade, 24% já haviam acessado a Internet nesse ano. Em 2015, primeiro ano da pesquisa, eram 11%.

No dia anterior, 41 Estados e o Governo Federal americano iniciaram processos contra a Meta, dona do Facebook e do Instagram, alegando que essas plataformas prejudicam crianças com recursos “viciantes”. As ações representam o esforço mais significativo daquelas autoridades para controlar seus impactos na saúde mental de jovens.

A coincidência de datas evidencia o tamanho do desafio para proteger crianças e adolescentes no meio digital. Assim como acontece com adultos, ele é uma fonte de valor inestimável para realização de atividades e para entretenimento. Porém os jovens são muito mais suscetíveis a abusos e ao desenvolvimento de dependência que os mais velhos, especialmente quando não recebem as devidas orientações.


Veja esse artigo em vídeo:


Um destaque da Safernet preocupa particularmente: cresce a quantidade de crianças e de adolescentes que produzem e enviam fotos e vídeos com conteúdo sexual de si mesmos, em troca da promessa de dinheiro ou de presentes pelos predadores digitais.

Isso está em linha com dados da Polícia Federal sobre crimes cibernéticos vitimando crianças e adolescentes: foram 627 nesse ano, contra 369 no ano passado (aumento de 69,9%). Ao todo, 291 pessoas foram presas, 46% a mais que no ano anterior. Esses dados foram divulgados no dia 16 de outubro, no lançamento do programa “De Boa na Rede”, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, idealizado para orientar na criação de um ambiente digital seguro para crianças e adolescentes.

A TIC Kids Brasil aponta também que 95% dos brasileiros entre 9 e 17 anos estão online. Nas classes A e B, são 98%, mas o grupo que mais cresce é o das classes D e E, que passou de 56% em 2015 para 89% nesse ano. O celular é usado por 97% deles, mas aumenta o uso da TV (70%) e do videogame (22%). O único meio em queda é o computador, que era usado por 64% em 2015 e agora não passa de 38%.

A plataforma em que os jovens têm mais contas é o YouTube (88%), seguido pelo WhatsApp (78%), Instagram (66%), TikTok (63%) e Facebook (41%, o único em franco declínio). Mas, pelo uso, o líder é o Instagram (36%), seguido por YouTube (29%), TikTok (27%) e Facebook (2%).

A informação mais preocupante indica que 17% dos brasileiros entre 11 e 17 anos se sentiram incomodados com conteúdo sexual online: 14% meninos e 21% meninas. Do total, 16% receberam diretamente ou viram conteúdo sexual, 9% receberam pedidos de fotos ou vídeos sem roupa e 5% foram solicitados a falar sobre sexo.

A expressão “pornografia infantil” vem sendo substituída por “imagens de abusos contra crianças e adolescentes”. Nudez ou sexo com alguém com menos de 18 anos, por definição, não é consensual. Logo, não se trata de pornografia, que pressupõe a participação voluntária de pessoas maiores de 18 anos. A Safernet adverte que quem consome imagens de violência sexual infantil é cúmplice desse abuso.

 

Responsabilidades de cada um

Se o surgimento da Internet comercial na década de 1990 ampliou esse problema, a popularização das redes sociais o levou a um patamar altíssimo, com os mais jovens fazendo uso intenso e muitas vezes nocivo do meio digital.

Isso ganhou mais visibilidade no segundo semestre de 2021, quando a ex-gerente de integridade cívica da Meta Frances Haugen veio a público com milhares de documentos indicando que a empresa sabe desses problemas e que faz menos que poderia para combatê-los. O escândalo ficou conhecido como “Facebook Papers”.

Os processos da semana passada resultam de investigações surgidas dele. Em comunicado, a Meta disse que está “decepcionada com o fato de que, em vez de trabalhar de forma produtiva com empresas de todo o setor para criar padrões claros e adequados à idade dos muitos aplicativos que os adolescentes usam, os procuradores-gerais escolheram esse caminho”.

As empresas donas das redes sociais de fato criam mecanismos para mitigar o problema, como a possibilidade de pais e mães acompanharem o que seus filhos fazem nessas plataformas, limitadores de tempo de uso e identificação de atividades que podem estar associados a comportamentos de risco. Isso é bem-vindo, mas está longe de ser suficiente, podendo esconder a real intenção dessas companhias de fazerem pouco ou nada que ameace seus lucros ou o “vício” em seus produtos.

Recursos para alterar a própria imagem, em busca de um ideal de beleza inatingível, não são combatidos, sendo até incentivados por essas plataformas. Esses filtros são apenas um exemplo dos ganchos para atrair os mais jovens, de uma maneira intensa. Esse assunto, debatido recentemente nesse espaço, é reconhecidamente um gerador de problemas de saúde mental, especialmente entre meninas.

Ao oferecer essas ferramentas de controle parental, as empresas aparentemente querem repassar a responsabilidade de se evitar os problemas de crianças e adolescentes nas redes a seus pais e mães, livrando-se de seu papel nesse processo. Mas tal responsabilidade continua existindo e é imensa!

Pais e mães devem, claro, acompanhar de perto o que seus filhos fazem online. Isso deve ser feito com um olhar de acolhimento e orientação, nunca de repressão ou crítica. E não há espaço para indiferença: os predadores digitais estão à solta!

Mas as plataformas digitais também são profundamente responsáveis. A sua combalida ideia de que apenas criam recursos e as pessoas fazem maus usos deles, desculpa padrão dessas empresas até para não serem reguladas pelas autoridades, aparece aqui com força e perversidade. Até quando elas continuarão com essa liberdade anárquica?

 

Thiago Araki, diretor-sênior de Tecnologia da Red Hat na América Latina, no palco do Summit Connect, no dia 18 – Foto: Red Hat

Negócios e empregos mudam exponencialmente com novas tecnologias e modelos

By | Tecnologia | No Comments

O ano de 2023 será lembrado como o momento em que a inteligência artificial ganhou as ruas. O lançamento do ChatGPT, no final de 2022, disparou uma corrida em que todos os negócios parecem ser obrigados a usar a IA, quase como se ela fosse um selo de qualidade, o que obviamente não passa de uma distorção do que ela representa. O grande desafio reside, portanto, em conhecer e se apropriar dessa tecnologia, para tirar proveito dela adequadamente.

As empresas têm um papel central em ajudar nessa tarefa, não apenas com o lançamento de produtos que tragam soluções consistentes com a IA, mas também na educação do mercado. Isso ficou claro durante o Red Hat Summit: Connect, principal evento de tecnologia open source da América Latina, que aconteceu em São Paulo no dia 18.

É curioso pensar que a inteligência artificial já está em nosso cotidiano há muitos anos, em incontáveis aplicações empresariais e até em nosso celular, ajudando-nos a fazer escolhas melhores. A diferença é que, até então, ela se escondia nas entranhas desses sistemas. Agora ganhou a luz do sol, exposta em conversas que temos com a máquina, que nos responde como se fosse outra pessoa.

Ainda há deslumbramento demais e conhecimento de menos sobre a inteligência artificial entre consumidores e empresas. O próprio lançamento de tantas plataformas de inteligência artificial generativa, na esteira do sucesso explosivo do ChatGPT, indica um certo descuido de alguns desenvolvedores de soluções, liberando um enorme poder para pessoas que não sabem como usá-lo corretamente.

Nesse sentido, a Red Hat, que é a maior empresa do mundo no fornecimento de soluções empresariais open source, entende que deve ir além do seu papel de desenvolver produtos que tiram proveito da IA: deve também educar seus usuários, seja pelas suas próprias iniciativas, seja pela colaboração com o mundo acadêmico. “As empresas não só podem como devem colaborar na formação de profissionais”, explica Alexandre Duarte, vice-presidente de Serviços para a América Latina na Red Hat. “Nós temos que juntar esforços do mundo corporativo com o mundo educacional, estando alinhados.”

A versão latino-americana do Summit, que também acontece em Buenos Aires (Argentina), Santiago (Chile), Tulum (México), Lima (Peru) e Montevidéu (Uruguai), traz para esses mercados produtos e conceitos que foram apresentados em maio no evento global da empresa, realizado em Boston (EUA). Entre eles, o Ansible Lightspeed e o OpenShift AI, que usam a inteligência artificial na automação de tarefas, como geração de códigos a partir de pedidos simples em português, liberando o tempo das equipes para funções mais nobres.

E assim como pude ver em Boston, aqui a empresa também deixa claro que a inteligência artificial não chega para substituir profissionais, e sim para melhorar suas rotinas. “Se você for um novato, poderá criar melhor, mais rápido; se for um especialista, poderá melhorar muito o que faz e usar seu domínio para refinar a entrega”, explicou-me Matt Hicks, CEO global da Red Hat, em uma conversa com jornalistas durante o Summit na cidade americana. “Nessa nova fase, temos que conhecer a pergunta para a qual queremos a resposta”, concluiu.

É auspicioso observar essa visão em uma das empresas de software mais respeitadas do mundo, em um momento em que muita gente teme pelo seu emprego pelo avanço da inteligência artificial. “Essas ondas tecnológicas não tiram o emprego das pessoas, os profissionais precisam se acomodar”, acalma Duarte. Mas ele faz uma ressalva: é preciso querer aprender! “Se você tem propensão a aprender coisas novas, eu não acredito que a inteligência artificial vai tirar seu emprego, e ainda vai gerar novas oportunidades de trabalho”, acrescenta.

 

O poder da “coopetição”

Em março deste ano, a Red Hat completou 30 anos. Ele cresceu a partir de sua distribuição do sistema operacional Linux, provavelmente o software open source mais famoso do mundo. Nessa modalidade, o produto e o código-fonte ficam disponíveis gratuitamente. A regra fundamental é que, se alguém fizer uma melhoria no sistema, ela deve ser compartilhada de volta com a comunidade.

Essa forma de pensar inspira seu próprio modelo de trabalho, que ficou conhecido como “open business”, uma abordagem empresarial em que equipes, a comunidade e até concorrentes são convidados a cooperar de maneira transparente. Ela valoriza a transparência e a responsabilização, distribuindo os benefícios para todos. “Há 30 anos a gente fala sobre essa abertura, essa transparência, essa possibilidade de diferentes perspectivas”, afirma Sandra Vaz, diretora-sênior de Alianças e Canais para a América Latina na Red Hat.

Surge então a chamada “coopetição”, um neologismo que une “cooperação” e “competição”. “Nada mais é que dois competidores cooperando e criando novas soluções para o bem de seus clientes”, explica Vaz. “Nós colaboramos, nossas equipes de desenvolvimento se conectam e criam o melhor dos mundos, simplificando soluções já existentes.”

A “coopetição” também é uma poderosa ferramenta para ampliar a base de clientes, pois um dos participantes pode trazer consumidores a que o outro lado não teria acesso. Sandra dá, como exemplo, um provedor de serviços na nuvem, como a AWS ou a Microsoft, que podem até ter produtos concorrentes aos da Red Hat, mas que se associam a ela justamente nessas soluções, se assim for o desejo do cliente.

A tecnologia avança a passos muito rápidos, assim como modelos de negócios inovadores. Qualquer que seja o mercado ou a função, está claro que profissionais precisam estar não apenas abertos à inovação, como também dispostos a aprender como tirar proveito dela de maneira eficiente e ética.

A inteligência artificial talvez não acabe com os empregos das pessoas que não a adotem, mas isso pode acabar acontecendo pelas mãos daquelas que passarem a usá-la.


Você pode assistir à íntegra em vídeo das minhas entrevistas com os executivos da Red Hat. Basta clicar no respectivo nome: Alexandre Duarte, Sandra VazMatt Hicks.

 

Graças à IA em novos celulares, qualquer um poderá alterar profundamente suas fotos - Foto: Akshay Gupta/Creative Commons

Celulares podem se tornar máquinas de distorcer a realidade

By | Tecnologia | No Comments

Quando a fotografia foi inventada, no século XIX, ela revolucionou o mundo por conseguir reproduzir facilmente a realidade. De lá para cá, ela só melhorou, culminando na fotografia digital, que transformou um hobby caro em uma diversão extremamente popular, consolidada com as câmeras cada vez mais poderosas nos celulares. Mas agora esses equipamentos podem ironicamente subverter a característica essencial da fotografia de retratar a realidade com precisão.

A culpa disso recai sobre a inteligência artificial. Ela já está presente há algum tempo nos softwares de captura e edição de imagens dos melhores celulares. Mas, até então, prestava-se a “melhorar” (note as aspas) as fotografias, usando técnicas para aumentar a sua fidelidade e refinar elementos como cores, brilho e contraste.

Isso começa a mudar agora, com o lançamento nos EUA, no dia 11, do Pixel 8 (sem previsão de chegada ao Brasil). O smartphone de US$ 700 do Google consegue efetivamente alterar a realidade fotografada. Isso quer dizer que, com ele, é possível, por exemplo, eliminar pessoas e objetos das fotos, alterar elementos das imagens ou modificar suas posições e até “melhorar” (de novo, com aspas) o rosto de pessoas combinando com a maneira que elas apareceram em outras fotos.

Como em todas as atuais plataformas baseadas na inteligência artificial generativa, alguns resultados dessas edições são decepcionantes e até grotescos. Outros, porém, ficam incrivelmente convincentes!

Já dizia São Tomé: “preciso ver para crer”. Parábolas à parte, é um fato que somos seres visuais: nosso cérebro tende a assumir como real o que está diante de nossos olhos. Por isso, vale perguntar até que ponto é positivo e até saudável dar a possibilidade de se distorcer a realidade de maneira tão simples.


Veja esse artigo em vídeo:


É curioso que a fotografia foi combatida por muitos quando surgiu, justamente pela sua capacidade de reproduzir, de maneira fácil, rápida e precisa, o mundo. Pintores diziam que o invento era algo grosseiro, que eliminava a subjetividade e a técnica dos artistas quando retratavam pessoas e paisagens. Grupos religiosos também a combatiam, por serem contrários à captura de imagens de “coisas feitas por Deus”.

Em 1826, o francês Joseph Nicéphore Niépce registrou seu quintal em uma placa de estanho revestida de betume, usando uma câmera escura por oito horas. Essa é considerada a primeira fotografia permanente. Três anos depois, ele fez um acordo com outro francês, Louis Jacques Mandé Daguerre, que aperfeiçoou o processo com o daguerreótipo, que precisava de “apenas” 30 segundos para fazer uma fotografia.

A patente do daguerreótipo foi vendida ao Estado francês em 1839, que a colocou em domínio público. Isso permitiu que a fotografia experimentasse grandes avanços ao redor do mundo. Provavelmente a empresa mais inovadora do setor foi criada pelo americano George Eastman em 1888: a Kodak. Entre suas contribuições, estão o rolo de filme (1889), a primeira câmera de bolso (1912) e o filme colorido moderno (1935).

O último grande invento da Kodak foi a fotografia digital, em 1975. Mas como os lucros da empresa dependiam da venda de filmes, seus executivos não deram importância a ela. Foi um erro fatal, pois a tecnologia se tornou incrivelmente popular e, quando a empresa decidiu olhar para ela, as japonesas já dominavam o mercado.

Em 1999, foi lançado o Kyocera VP-210, o primeiro celular com câmera capaz de tirar fotos, que tinham resolução de 0,11 megapixel (o iPhone 15 tira fotos de 48 megapixels). E isso nos traz de volta ao dilema atual.

 

Realidade alternativa

As fotografias nos celulares se tornaram tão realistas e detalhadas que o próprio negócio de câmeras fotográficas entrou em colapso. Elas continuam existindo, mas hoje praticamente só profissionais as utilizam, pois sabem como aproveitar todos os recursos daqueles equipamentos para fotografias realmente diferenciadas.

Os recursos de IA do Pixel 8 fazem parte de uma nova versão do Google Fotos, o aplicativo de edição e publicação de fotos da empresa, que é nativo nos smartphones Android, mas também pode ser baixado para iPhones. Isso significa que, em tese, outros aparelhos poderão ganhar esses recursos em breve, desde que, claro, tenham capacidade de processamento para isso.

A alteração de fotografias sempre existiu, mesmo antes dos softwares de edição de imagem. Entretanto fazer isso era difícil, exigindo equipamentos e programas caros e muita habilidade técnica. Além disso, as fotos editadas eram apresentadas como tal, sem a pretensão de levar quem as visse a acreditar que fossem reais (salvo exceções, claro)..

O que se propõe agora é que isso seja feito de maneira muito fácil, por qualquer pessoa, sem nenhum custo adicional e em equipamentos vendidos aos milhões. Isso levanta algumas questões éticas.

A primeira delas é que as pessoas podem passar a se tornar intolerantes com a própria realidade. O mundo deixaria de ser o que é, para ser o que gostariam. Isso é perigosíssimo como ferramenta para enganarem outros indivíduos e até a si mesmas.

A sociedade já experimenta, há anos, um crescimento de problemas de saúde mental, especialmente entre adolescentes, devido a fotos de colegas com corpos “perfeitos” (pela terceira vez, as aspas). Isso acontece graças a filtros com inteligência artificial em redes sociais, especialmente Instagram e TikTok, que fazem coisas como afinar o nariz, engrossar os lábios, diminuir os quadris e alterar a cor da pele. O que se observa mais recentemente são adolescentes insatisfeitos com seus corpos não pelo que veem em amigos, mas pelo que veem em suas próprias versões digitais.

Há um outro aspecto que precisa ser considerado nesses recursos de alteração de imagens, que são os processos de desinformação. Muito provavelmente veremos grupos que já se beneficiam das fake news usando intensamente essa facilidade para convencer seu público com mentiras cada vez mais críveis.

Hoje esses recursos ainda estão toscos demais para um convencimento completo. Mas é uma questão de pouco tempo até que eles se aproximem da perfeição.

Não tenham dúvidas: quando estiver disponível, as pessoas usarão intensamente essa tecnologia, estando imbuídas de boas intensões ou de outras não tão nobres assim. Quem será responsabilizado quando começarem a surgir problemas disso?

Assim como acontece com as redes sociais, as desenvolvedoras se furtam disso, dizendo que apenas oferecem um bom recurso, e as pessoas que fazem maus usos deles. Em tese, isso é verdade. Mas alegar inocência dessa forma chega a ser indecente! É como entregar uma arma carregada na mão de uma criança e torcer para que nada de ruim aconteça.

Chegamos ao mundo em que a ilusão se sobrepõe à realidade, mas não estamos prontos para lidar com isso.

 

Mãe beija criança na Faixa de Gaza, de onde saíram os ataques terroristas do Hamas - Foto: Libertinus/Creative Commons

Mais que mísseis, bombas e balas, a guerra hoje é feita também com imagens, palavras e versões odiosas

By | Jornalismo | No Comments

Desde o dia 7, o mundo assiste horrorizado à mais recente escalada da violência em Israel e na Palestina, deflagrada pelo ataque dos terroristas do Hamas, que cobrou milhares vidas dos dois lados até agora. Mas esse conflito não está acontecendo apenas na região da Faixa de Gaza: ele invadiu o mundo todo a partir das redes sociais, em uma guerra de versões recheada de palavras e imagens aterrorizantes.

Isso vem servindo de munição para grupos políticos e ideológicos que inescrupulosamente usurpam a barbárie para impor sua visão de mundo. Essas mensagens invadem nossas vidas a partir de computadores e celulares, inflamando pessoas que sequer entendem o que está acontecendo no Oriente Médio. Isso aumenta ainda mais a dor daquele confronto interminável, movido pelo ódio e pela intolerância dos radicais de ambos os lados.

Guerras não são ganhas apenas no campo de batalha: os vencedores também precisam conquistar corações e mentes da opinião pública. Desde a Primeira Guerra Mundial, isso vem acontecendo de maneira cada vez mais intensa e rápida, com o avanço da imprensa e da tecnologia. Mas a também horrenda invasão russa na Ucrânia inaugurou um novo tipo de “cobertura”, feita diretamente do front por combatentes, assim como pela população civil, com seus celulares. A fase atual do conflito israelo-palestino cristalizou isso.

Nesse fogo-cruzado ideológico e digital, as pessoas são praticamente forçadas a escolher um lado. Como palestinos e israelenses possuem seus argumentos, é importante desqualificar o inimigo, para angariar a simpatia internacional. Mas como a maioria da população não tem acesso a informações confiáveis e equilibradas, o que poderia ser um debate construtivo em busca da paz se torna uma arena de insultos.

Aqui o conflito não faz mortos como lá, mas o tecido social fica esgarçado pela ignorância!


Veja esse artigo em vídeo:


Um triste exemplo aconteceu na terça passada (10), em um debate sobre as causas do conflito, organizado pelo Instituto de Relações Internacionais da PUC-RJ. Mediado pela professora Monica Herz, ele reuniu Márcio Scalercio, docente do departamento, Nizar Messari, da Al Akhawayn University (Marrocos), e Michel Gherman, pesquisador da UFRJ, do centro de estudos de Sionismo e Israel da Universidade Ben Gurion do Negev, e do Centro Vital Sasson de Estudos do Antissemitismo da Universidade Hebraica de Jerusalém, além de coordenador acadêmico do Instituto Israel-Brasil.

Em sua fala, Gherman, condenou veementemente o ataque do Hamas como um ato terrorista. Tentou explicar as consequências nefastas disso aos próprios palestinos e expôs a necessidade de negociação com a Autoridade Nacional Palestina. Por isso, foi agredido por um grupo de alunos, que o acusavam de ser simpático ao Hamas e –pasmem– de ser antissemita.

Diante da impossibilidade de continuar sua fala, Gherman deixou o evento. “Eu vou embora, vocês ganharam”, disse ao sair. Apesar dos protestos de Herz pelo ocorrido, o debate virou um Fla-Flu ideológico entre os alunos.

O “pecado” de Gherman foi não ter destilado um ódio visceral contra o Hamas, apesar de ter deixado bastante claro que classificava o grupo como terrorista. Mas para a turma cega pelo ódio, qualquer um que não se comporte dessa forma deve ser silenciado. As vozes do bom-senso não lhes servem de espelho e pertencem ao “inimigo”.

É nessas horas que os estilhaços da guerra atingem o mundo todo. Quando perdemos a capacidade de dialogar civilizadamente com quem pensa de maneira diferente, o terror ameaça sociedades que suas bombas não conseguem atingir.

 

Streaming de terror

A imprensa profissional filtra o que publica, evitando fake news e conteúdos demasiadamente brutais, que visam aumentar o ódio até daqueles que mal entendem o que está acontecendo. As redes sociais, por outro lado, servem como gigantescos dutos descontrolados e se prestam à polarização irracional.

A ONU (Organização das Nações Unidas) declarou ter “claras evidências” de crimes de guerra e uma enorme quantidade de relatos de mortes de civis por grupos armados dos dois lados, que as propagandeiam pelas plataformas digitais. Eles buscam colher apoio para seus atos e aterrorizar a população do inimigo. E crianças e jovens acabam sendo bombardeados por isso, sem o mínimo preparo para lidar com tanto terror, servindo para depois engrossarem as fileiras da intolerância de todo tipo.

Os terroristas digitais são muito mais rápidos e numerosos que a imprensa. Além disso, como não têm nenhum compromisso com a verdade, usam não apenas imagens reais da guerra, como também conteúdo fora do contexto e ainda material gerado por inteligência artificial. A partir disso, aqueles que se identificam cegamente com qualquer dos lados se encarregam de espalhar o terror, seja verdadeiro ou falso.

Extremistas dos dois lados esperam exatamente que isso aconteça e seja normalizado, a ponto de ser apoiado. Isso não pode acontecer, pois cada grupo busca reescrever a história que ainda está sendo vivida, mas com suas ideias!

Não haverá paz enquanto extremistas dominarem os opostos no conflito. Para eles, massacres dos dois lados da fronteira servem para reforçar suas posições, entrincheirando-se no poder. Talvez essa seja a maior aberração dessa barbárie.

Nessa guerra em que a ideologia mata tanto quanto tiros, as imagens perderam sua capacidade de retratar a verdade. Pelo contrário, elas só mostram aquilo que quem as postou deseja impor. E por isso não é nenhuma surpresa ver a imprensa profissional sendo alvejada pelos mesmos grupos, por insistir em não apenas trazer os fatos, mas explicá-los para todo mundo, especialmente para quem sempre achou a crise entre palestinos e israelenses algo incompreensível, distante e desimportante.

O terrorismo não pode ser normalizado, relativizado ou aceito. Da mesma forma, o extremismo é o grande inimigo da paz, pois ele não ouve a voz do outro ou sequer aceita sua existência.

Quanto a cada um de nós, no conforto de nossas telas, precisamos entender que a vida não é binária. As pessoas não podem escolher um lado do conflito como quem decide para qual time torcerá, especialmente quando sua própria equipe foi desclassificada. Sabemos que a intolerância mata até nas torcidas organizadas.

 

Ilustração oficial do Comitê Nobel no anúncio do Nobel da Paz de 2023 concedido à iraniana Narges Mohammadi - Foto: reprodução

Como a verdade desejável para alguns pode ser um ato abominável para outros

By | Educação | No Comments

Provavelmente você a as pessoas que conhece defendem os direitos das mulheres. Isso parece ser algo tão óbvio, que o oposto nem passa pela sua cabeça. Mas você se surpreenderia com a quantidade de pessoas que discordam disso, ainda que parcialmente, em pleno ano de 2023! Como justificar então um Estado e uma parcela significativa de sua população negando direitos básicos às mulheres?

Tivemos um bom exemplo na sexta, quando o Comitê Norueguês concedeu o Prêmio Nobel da Paz à iraniana Narges Mohammadi, pelo seu trabalho como defensora dos direitos das mulheres. Ela está presa no seu país, sentenciada a 31 anos de reclusão e a 154 chibatadas. O governo de Teerã protestou contra a escolha, classificando-a como “tendenciosa e política”, uma “pressão do Ocidente” que favorece alguém que, para eles, praticou “reiteradas violações da lei e cometeu atos criminosos”.

Como se pode ver, o “óbvio” pode ser construído. O fenômeno de convencimento de massas existe desde que os humanos desceram das árvores e se organizaram em sociedade, e seus métodos vêm se refinando de lá para cá. Seu ápice se deu com as redes sociais que manipulam bilhões, mas a inteligência artificial pode sofisticar esse processo ainda mais.

Agressões contra mulheres podem parecer um exemplo extremo, mas não podemos esquecer que isso acontece diariamente no Brasil. E, apesar de aqui ela não ser apoiada pelo Estado, vale lembrar que apenas recentemente, no dia 1º de agosto, o STF (Supremo Tribunal Federal) declarou inconstitucional o uso da tese da “legítima defesa da honra” como defesa para feminicídio e outras agressões contra mulheres.


Veja esse artigo em vídeo:


É interessante notar que, antes da Revolução Islâmica de 1979, liderada pelo aiatolá Ruhollah Khomeini, o Irã era uma das nações mais progressistas do Oriente Médio. Comandado pelo xá Mohammad Reza Pahlavi, o país desfrutava de um razoável desenvolvimento econômico e tecnológico, com avanços na industrialização, na educação e na saúde pública. Havia modernização do código de vestimenta, a promoção dos direitos das mulheres e a ocidentalização da cultura.

Mas nem tudo eram flores. O governo do monarca era autoritário e corrupto, o que gerava um descontentamento crescente na população. Khomeini soube capitalizar isso com apelo religioso, tornando-se o principal opositor ao xá, que acabou deixando o país em 1979. A população então votou para tornar o Irã uma república islâmica teocrática e antiocidental, tendo o aiatolá como líder supremo do país.

A Revolução Iraniana é apenas um exemplo entre incontáveis casos de persuasão de grandes massas populares, alguns por motivos nobres, outros para satisfação de desejos mesquinhos de alguns grupos, muitas vezes ligados à política.

Coincidentemente, na semana passada terminei de rever a série “Irmãos de Guerra” (“Band of Brothers”, 2001) na Netflix. Ela conta a história real das missões de um grupo de paraquedistas americanos na Segunda Guerra Mundial, desde o “Dia D” até o fim do conflito. Menos preocupada na ação e mais em retratar os dramas humanos da guerra, a série se presta muito bem a nos fazer pensar o que leva milhões de pessoas a embarcar voluntariamente em um confronto assassino e suicida ao mesmo tempo, com controle mínimo das próprias ações.

Cada episódio começa com breves entrevistas atuais com os próprios soldados representados na produção. No penúltimo episódio, um deles afirma: “Nós pensávamos que os alemães eram o pior povo do mundo, mas, com o desenrolar da guerra, descobrimos que não era bem aquilo.” Outro sugere que “muitos daqueles soldados alemães, em circunstâncias diferentes, poderiam ter sido bons amigos meus, poderíamos ter muito em comum”.

Mas na loucura da guerra, a preocupação de todos era apenas “matar o inimigo”. Se eles pudessem pensar em tudo aquilo, talvez não houvesse guerra por falta de tropas.

 

O poder da narrativa única

Precisamos ter muito cuidado antes de apontar dedos. Aqueles que nos querem convencer de algo abusam do recurso de silenciar ou desqualificar vozes dissonantes, pois seu público não pode ter acesso “ao outro lado” e conhecer seus argumentos. A narrativa única é essencial para o convencimento. Por isso, costuma-se dizer que, “em uma guerra, a verdade é a primeira vítima”.

Temos experimentado isso nas últimas eleições, com as redes sociais sendo usadas pelos diferentes grupos políticos para manter seu “curral eleitoral” dentro de uma bolha que apenas exalta suas virtudes e demoniza seus adversários. A imprensa profissional e livre, nesse e em todos os casos de convencimento de massa, deve ser combatida, pois ela insiste em explicar a realidade à população.

No final, tudo recai sobre nossos valores. A escolha em quem votaremos afeta nosso cotidiano pelos próximos quatro anos, mas é algo bem menor que a decisão de ir para uma guerra pronto para matar ou morrer, ou apoiar um regime que abertamente assassina opositores e violenta mulheres.

É verdade que o governo teocrático iraniano foi instalado por escolha popular, o que lhe dá legitimidade. Ele ascendeu ao poder atendendo a necessidades e desejos dos iranianos da década de 1970, trabalhando habilmente, com aspectos religiosos, suas emoções e um apelo à construção da identidade de um povo.

Mas tudo tem limites e eles começam a aparecer mais fortemente à medida que o tempo passa. O regime dos aiatolás está no poder há 44 anos, mas vem enfrentando oposição aberta nos últimos tempos, que é reprimida com grande violência. Os maiores movimentos contrários aconteceram no ano passado, depois que a Polícia da Moralidade matou em setembro Mahsa Amini, de 22 anos, por deixar uma mecha de seu cabelo aparecer fora do seu véu.

Isos é demais, até mesmo para uma sociedade oprimida pelo medo ou cega pela religião. O regime dos aiatolás sabe que, da mesma forma que foi guindado ao poder por revoltas populares contra o xá Reza Pahlavi, pode ser apeado dali assim. Por isso, não pode dar espaço a vozes contrárias ou a uma população bem-informada. Nesse cenário, o Prêmio Nobel da Paz para Narges Mohammadi funciona como um perigoso convite a fazer as pessoas pensarem.

Assim caminha a humanidade! Quero crer que, na média, evoluímos, apesar de enormes retrocessos que teimam em aparecer de tempos em tempos, como a ascensão do nazismo e de outros regimes totalitários políticos ou religiosos.

Crescemos mais fortemente quando a sociedade tem acesso amplo a uma educação de qualidade e a uma imprensa forte, profissional e livre. Precisamos desses recursos! Afinal a verdade costuma fugir dos extremos e abraçar o diálogo e o respeito.

 

Troca de empregos formais pela flexibilidade da “gig economy” pode levar a queda nos rendimentos - Foto: Ono Kosuki/Creative Commons

Estudar tem dado menos dinheiro, mas não investir na sua formação é uma armadilha

By | Educação | No Comments

O mercado de trabalho brasileiro vem criando mais vagas de baixa qualidade, mesmo com a população estudando mais. Isso empurra profissionais bem-preparados para posições que pagam menos e para a informalidade, e arma uma perigosa arapuca.

Um estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV), divulgado recentemente com dados do IBGE, demonstrou que os brasileiros que estudaram mais foram os que perderam mais renda na última década, com um aumento abrupto na informalidade. O levantamento aponta ainda que despencou a vantagem dos seus rendimentos frente aos dos que estudaram muito pouco.

Outra pesquisa, essa da consultoria IDados sobre a população “sobre-educada”, indica que 5,4 milhões de brasileiros com ensino superior trabalham fora de sua área de formação ou em atividades que não tiram proveito de todo o seu potencial. Esse número vem crescendo desde 2019, quando os “sobre-educados” eram 4,5 milhões.

Esses levantamentos contrastam com a mais recente taxa de desemprego no país, divulgada pelo IBGE na sexta (29), que foi de 7,8%. É o menor índice desde fevereiro de 2015, quando era de 7,5%.

Isso se explica por uma economia sem dinamismo, com empresas que investem pouco, acostumadas a uma produtividade baixa. O grande perigo nisso tudo é se criar uma ideia errada de que não vale a pena estudar, ou pelo menos estudar muito.

Apesar dessas evidências, as pessoas que caem nessa armadilha colocam em risco a própria sobrevivência profissional, especialmente em um cenário de grande automação.


Veja esse artigo em vídeo:


Segundo a pesquisa do Ibre-FGV, os profissionais com mais de 16 anos de estudo viram sua renda média cair, entre 2012 e 2023, de R$ 7.211 para R$ 6.008, em valores corrigidos pela inflação. Nessa faixa, a informalidade saltou de 1,9 milhão para 4,1 milhões de trabalhadores entre 2015 e 2023. Vale apontar que percentualmente, o aumento não foi tão grande: de 14% para 19,5%, o que indica que mais pessoas chegaram a esse patamar superior de estudo no período.

De todas as faixas avaliadas no levantamento, a única que viu sua renda crescer sensivelmente de 2012 a 2023 foi justamente a dos com menos de um ano de ensino: de R$ 1.094 a R$ 1.396. Para quem estudou de 1 a 11 anos, permaneceu praticamente estável, caindo a partir daí. A informalidade também diminuiu para quem estudou até 8 anos, permaneceu estável na faixa de 9 a 11 anos de escola, e cresceu entre os que estudaram a partir de 12 anos.

O achatamento salarial é velho conhecido dos brasileiros, especialmente em momentos de crise, como a que estamos mergulhados há anos. A recente digitalização galopante agora afeta camadas profissionais mais especializadas, que antes se sentiam mais protegidas.

Mariane Guerra, vice-presidente de Recursos Humanos para a América Latina da ADP, acredita que a chamada “gig economy” também pode estar influenciando nesse processo. Por esse modelo, profissionais trocam empregos regulares por trabalhos pontuais, muitas vezes por tarefas. Se antes o grande expoente disso era a Uber, hoje temos profissionais em todos as áreas adotando o modelo, em busca de flexibilidade.

“Quando você passa a ser um trabalhador autônomo, você tem uma flutuação de renda”, afirma a executiva. “Demora até você ter uma carteira de clientes que permite ter uma renda constante, sólida, no mesmo patamar”, explica.

Para aqueles que insistem em um emprego, a situação econômica pode provocar um impacto perverso. Cresce o número de profissionais que “diminuem sua formação” no currículo (por exemplo, omitindo um doutorado) para conseguirem ser contratados.

“A gente tem a necessidade de pessoas com um perfil mais preparado, mais aculturado, mais transdisciplinar, para atender demandas mais sofisticadas”, afirma Marcelo Graglia, professor da PUC-SP e coordenador do Observatório do Futuro do Trabalho. “E a gente vê essa prática arcaica, que não faz mais sentido”, acrescenta.

 

Investindo no que importa

Os especialistas são unânimes em reafirmar a importância do estudo. Mas é preciso escolher no que focar.

O diploma de graduação deixou de ser suficiente para o sucesso profissional há muito tempo. É um consenso no mercado que se deve estudar continuamente, porque novas metodologias, recursos tecnológicos e modelos de negócios surgem a todo momento.

No cenário atual de pouco dinheiro e tempo, vemos o crescimento de busca por cursos de curta duração, para aprender habilidades técnicas específicas e de uso imediato no cotidiano profissional. É uma maneira rápida de se conseguir algum destaque no currículo.

Apesar de seu inegável valor, eles não substituem os cursos mais longos, como especializações, MBAs e até mestrados e doutorados. São eles que formam profissionais verdadeiramente diferenciados, capazes de enfrentar os desafios de um mercado cada vez mais exigente e em constante transformação.

“Os profissionais que enxergam esse momento do mercado como uma mudança estrutural cometem um equívoco estratégico para a carreira”, afirma Graglia. Ele e Guerra destacam ainda a importância das “soft skills”, competências interpessoais e emocionais para o trabalho. Para ele, “as pessoas muito especializadas, sem essas outras habilidades, são as mais suscetíveis à substituição pela tecnologia”.

Não se pode esperar que o governo resolva isso sozinho, apesar de seu papel fundamental na criação de novas políticas educacionais, que formem melhores cidadãos e profissionais mais alinhados ao mundo atual, desde o Ensino Básico até a universidade. As empresas precisam também assumir seu papel na solução, não apenas valorizando profissionais com boa formação, mas também investindo, elas mesmas, em cursos de capacitação e reciclagem. E naturalmente cada um de nós deve assumir o protagonismo da própria carreira, estudando para melhorar sempre.

“Conhecimento é perecível, então quem vai produzir mais, quem vai continuar fazendo pesquisa, se todo mundo acha que não precisa estudar mais”, questiona Guerra. Em um cenário de competição tecnológica cada vez mais acirrada, ela provoca: “quem vai dar o próximo passo qualitativo, desenvolver a próxima tecnologia?”

O mercado de trabalho e a educação caminham de mãos dadas. Quando um vai mal, a outra sente, e vice-versa. Não se pode, diante do cenário ruim que o país passa, esquecer do ensino e da valorização profissional como pilares para o crescimento de qualquer sociedade. Isso colocaria nosso futuro ainda mais em risco.

 

Muitos motoristas não querem se contratados como CLT pela Uber - Foto: Paul Hanaoka/Creative Commons

Decisão contra a Uber escancara o envelhecimento das leis trabalhistas

By | Tecnologia | No Comments

No último dia 14, a Justiça Trabalhista de São Paulo determinou que a Uber contrate todos os motoristas ligados à plataforma pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e pague R$ 1 bilhão por danos morais coletivos. A decisão vale para todo o Brasil e a empresa tem seis meses após o fim de recursos para implantar as medidas.

A Uber já disse que não pretende cumprir a decisão! Em nota, a empresa afirma que não vai adotar nenhuma medida antes que todos os recursos estejam esgotados. A grande pergunta é: o que acontecerá se a decisão for mantida após isso?

Suprema ironia, associações de motoristas se manifestaram dizendo que eles não querem ser contratados pela CLT! Mas isso não quer dizer que estejam satisfeitos com as atuais condições de trabalho.

Qualquer que seja o resultado desses recursos, o caso serve para debatermos a aplicabilidade das leis trabalhistas brasileiras ao mundo atual. A Uber e diversas empresas que fazem parte de nossas vidas seguem os conceitos da economia compartilhada. Ela prevê o engajamento de vendedores e prestadores de serviço com seus clientes, viabilizado por plataformas digitais.

O problema é que esse modelo se choca com a CLT em muitos pontos. Em um momento em que o Governo Federal busca resgatar elementos como o imposto sindical, é de se questionar qual formato regerá as relações trabalhistas de milhões de brasileiros em um futuro próximo.


Veja esse artigo em vídeo:


A legislação brasileira é uma das que mais protege o trabalhador no mundo. Entre muitos itens de segurança social, benefícios como férias remuneradas de 30 dias (e ainda com um adicional de um terço) já a partir de um ano de admissão são luxos inimagináveis em outros países. Tudo isso tem um custo, pago pelos próprios profissionais e principalmente pelas empresas. Via de regra, para cada real pago em salário ao funcionário, a empresa gasta outro com os encargos trabalhistas.

“Essa é uma decisão feita para não ser cumprida”, afirma José Isaías Hoffmann, diretor de Controladoria da Corporate Consulting. “Operacionalmente, como a Uber vai admitir via CLT mais de um milhão de motoristas”, questiona. Ele acredita que, se ela for obrigada a fazer isso, acabará saindo do país, deixando um rastro de desemprego.

O peso dos encargos e de outras obrigações trabalhistas já provoca mudanças no perfil de contratações no Brasil há cerca de duas décadas. Cada vez mais, empresas procuram, sempre que possível, trocar o modelo da CLT por terceirizações de empresas com um único funcionário, os famosos “PJ”. Com isso, os empregadores se livram de encargos e burocracia, e têm o profissional à disposição.

Alguns trabalhadores também preferem esse formato, principalmente quando isso lhes proporciona flexibilidade, com destaque ao horário. É o caso dos profissionais por aplicativos, como motoristas e entregadores. “As pessoas querem uma vida flexível”, afirma a estrategista de carreira Ticyana Arnaud. “Se for para trabalhar CLT, então eles voltam a procurar emprego, vão ser motoristas numa empresa”, sugere.

O principal conflito entre as regras da CLT e as da economia compartilhada é que a primeira considera o profissional um empregado, enquanto a segunda o tem como um autônomo e às vezes nem isso: atua como um prestador informal, que pode trabalhar ao mesmo tempo para incontáveis contratantes. Essa flexibilidade tornou-se tão valorizada por trabalhadores de diferentes áreas (afinal, há uma enormidade de serviços na economia compartilhada), que muitos abrem mão da proteção e dos benefícios generosos da CLT por ela.

Apesar disso, é preciso ter cuidado, pois nem tudo que brilha é ouro!

 

Bondades podem esconder abusos

Não há dúvida que a economia compartilhada é um fenômeno consolidado e que traz muitos benefícios a prestadores e a clientes. A Uber é um exemplo tão didático quanto popular, por ter redefinido a mobilidade urbana e por ser usada por uma porcentagem considerável das populações das grandes cidades. Mas há muitos outros ótimos nomes, como Airbnb, Mercado Livre, iFood ou Rappi. Fica difícil pensar a vida moderna sem eles, e a pandemia deixou isso ainda mais evidente.

Ainda assim, não se pode deixar deslumbrar por suas inegáveis vantagens. O Laboratório de Pesquisa DigiLabour investiga continuamente o impacto das plataformas e de tecnologias disruptivas (como a inteligência artificial) no mundo do trabalho. Eles criticam, por exemplo, essas plataformas chamarem os motoristas de “parceiros” ou de “autônomos”, quando, na verdade, não têm autonomia nem para definir o valor das corridas ou a porcentagem que receberão por elas. Afirmam também que o “empreendedorismo de si mesmo” mascara uma relação de trabalho desigual, em que o profissional assume todos os riscos de um empreendedor, mas atua como um empregado, porém sem nenhum benefício ou proteção.

Já o Instituto Fairwork, ligado à Universidade de Oxford (Reino Unido), criou cinco princípios que seriam necessários para um trabalho decente: remuneração justa, condições justas de trabalho, contratos justos, gestão justa e representação dos funcionários na operação. Em uma pesquisa realizada por eles em 2021, as plataformas no Brasil ficaram entre as piores do mundo: em uma escala até 10 pontos nesses quesitos, iFood e 99 marcaram 2, Uber ficou em 1, enquanto Rappi, GetNinjas e UberEats não saíram do zero. Os resultados são semelhantes aos de outros países da América Latina, mas ficam atrás dos de operações na África, Ásia e Europa.

É importante lembrar que, quando a Uber começou a operar no Brasil, em 2016, dirigir para ela parecia um bom negócio: a empresa ficava com apenas 7% das corridas (hoje pode chegar a 50%) e oferecia muitos bônus aos motoristas. As corridas eram baratas e o serviço de alta qualidade.

Isso explica a “economia compartilhada que dá certo”: ela precisa ser boa para todos os envolvidos, ou seja, o cliente, o vendedor ou prestador, e a plataforma. Quando os motoristas da Uber passaram a receber muito pouco, tudo desmoronou!

“Precisa, de fato, de uma atualização na legislação para entender essa nova dinâmica de mundo”, afirma Hoffmann. “Ela requer que seja justo para quem faz o serviço, para quem recebe, para a economia, que ninguém seja prejudicado com isso”, conclui.

“É preciso tentar uma negociação para reduzir essas taxas e ser uma coisa que valha a pena para todos, e não só para um lado”, explica Arnaud. Para ela, “se a Uber for forçada a aderir à CLT, outras empresas também terão que fazer o mesmo”.

É um momento de mudança de paradigma na maneira como trabalhamos. Insistir na rigidez da CLT, criada em 1943, pode ir contra os interesses de muitos trabalhadores. Por outro lado, deixar tudo na mão das plataformas seria “pedir que a raposa tome conta do galinheiro”. É preciso buscar esse equilíbrio perdido, pois a economia compartilhada, sim, funciona. E nós, como clientes, precisamos pressionar para que essa solução seja encontrada.

 

Entregador dorme sobre seus jornais, em imagem tirada em 1935 – Foto: City of Toronto Archives/Creative Commons

Reação da mídia ao ChatGPT pode favorecer as fake news

By | Tecnologia | No Comments

Nas últimas semanas, diversas empresas de comunicação impediram que seus conteúdos continuassem sendo usados para alimentar o ChatGPT. Elas argumentam –com razão– que seus produtos têm valor e que não estão sendo remuneradas pela melhoria que proporcionam involuntariamente à plataforma geradora de textos por inteligência artificial da OpenAI.

Entre os que decidiram promover o bloqueio, estão os jornais americanos The New York Times e The Washington Post, o britânico The Guardian, a rede de TV CNN, as agências de notícias Reuters e Bloomberg, além de diversos veículos europeus. Até a gigante de e-commerce Amazon decidiu fechar a porta para esse robô.

Apesar de seus argumentos legítimos, essa decisão pode favorecer a desinformação em um futuro breve. Os sistemas de inteligência artificial generativa tornaram-se um enorme sucesso, e as pessoas devem usá-los cada vez mais. Em uma situação extrema em que todos os produtores de bons conteúdos os neguem a essas plataformas, elas poderiam ficar restritas a sites dedicados a fake news e outros tipos de conteúdo de baixa qualidade para “aprender o que dizer” aos seus usuários.

Nesse cenário, o público poderia passar a consumir e a replicar o lixo desinformativo, em uma escala ainda maior que a já vista nos últimos anos. Seria terrível para o jornalismo –que luta para combater isso– e para a sociedade como um todo.


Veja esse artigo em vídeo:


Eu já vi uma história parecida antes. Quando foi criado, em 2002, o Google Notícias gerou protestos entre veículos de comunicação do mundo todo, que acusavam a empresa de se apropriar de sua produção para criar um concorrente. O Google Notícias sempre se defendeu, dizendo que fazia um “uso justo” de pequenos trechos dos veículos e que sempre enviava os leitores que clicassem nos seus links para a fonte da notícia.

Diante das reclamações, o Google criou um recurso para que os veículos impedissem que seu conteúdo fosse usado no Notícias. O problema é que isso também tirava os veículos do buscador, o que não era nada interessante para eles. Eventualmente as partes chegaram a acordos que permitiram que esse conteúdo continuasse sendo usado, enquanto o Google criava mecanismos de apoio ao jornalismo no mundo. Movimentos semelhantes também aconteceram com as principais redes socais.

No caso atual, há algumas diferenças significativas. Pela natureza da inteligência artificial generativa, ela sempre cria textos inéditos, a cada pedido dos usuários. Não há remuneração, referência e sequer um link para as fontes que foram usadas para o sistema escrever aquilo. Consequentemente não há nenhum ganho para os autores.

“Certamente as inteligências artificiais não produziriam o conteúdo que elas são capazes sem serem alimentadas com o conteúdo criado por humanos, que não autorizaram isso e que não estão sendo remunerados por isso”, explica Marcelo Cárgano, advogado de Direito Digital e de Proteção de Dados do Abe Advogados. “A grande questão, no final, é essa!”

No dia 6, 26 organizações do mercado editorial, inclusive a brasileira ANJ (Associação Nacional de Jornais), publicaram o documento “Princípios Globais para a Inteligência Artificial”. Ele traz regras que consideram essenciais para a prática do jornalismo frente ao avanço da inteligência artificial, cobrando o desenvolvimento ético da tecnologia e o respeito às propriedades intelectuais dos veículos.

Outra fonte de informação ameaçada pela inteligência artificial é a enciclopédia digital Wikipedia. Pela natureza mais perene de seus milhões de verbetes, as pessoas poderiam fazer perguntas a plataformas de IA ao invés de consultar suas páginas, o que já vem preocupando seus editores. Suprema ironia, uma das maiores fontes para o ChatGPT é a própria Wikipedia.

 

Atualidade e ética

Além da questão da falta de remuneração pelo uso de conteúdos alheios, há ainda o temor de que as plataformas de inteligência artificial acabem substituindo a Wikipedia e o próprio jornalismo.

Esse questionamento surgiu, na quarta passada, em uma mesa de debates da qual participei na Semana da Imprensa, promovida pelo jornal Joca, na ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing). O evento explica o jornalismo para crianças e adolescentes, o público do veículo.

Os participantes foram unânimes em negar essa possibilidade. O primeiro motivo é que esses sistemas, a despeito de seus melhores esforços, são imprecisos, cometendo muitos erros pela falta de uma verificação humana. Outro problema é que suas bases estão sempre desatualizadas (o ChatGPT só conhece fatos até setembro de 2021). Por fim, mas não menos importante, essas ferramentas não possuem qualquer iniciativa, ética ou transparência, essenciais a qualquer produto informativo.

“A função dos veículos de comunicação é particularmente importante para a democracia”, explica Cárgano, fazendo referência ao papel do jornalismo de promover debates críticos para a sociedade. “Mas eles também são empresas e têm que gerar lucro para sua própria viabilidade econômica”, acrescenta.

Toda essa confusão deriva do impacto que essa tecnologia já apresenta sobre pessoas e empresas. Ele é enorme, mas ainda pouco compreendido. Enquanto isso, todos buscam caminhos para aproveitar seus incríveis recursos, sem cair em possíveis armadilhas que podem surgir dela.

A decisão de impedir as plataformas de inteligência artificial de aprender com a sua produção pode ser ironicamente um “tiro no pé” do jornalismo. Se elas forem entregues a fontes de baixa qualidade, podem se tornar poderosas ferramentas de fake news, que fustigam os jornalistas e a própria imprensa como pilar que é de uma sociedade desenvolvida.

É preciso uma conscientização dos diferentes atores nesse processo. Do lado dos usuários, eles devem entender que a IA não é uma ferramenta que substitui o jornalismo ou mesmo um buscador, pois ela não garante a verdade no que produz. As empresas de inteligência artificial devem, por sua vez, melhorar ainda mais sua tecnologia, para corrigir as imperfeições existentes, e cuidar para não canibalizar suas próprias fontes, o que poderia, a médio prazo, inviabilizar seu próprio negócio.

As empresas de comunicação têm um papel fundamental na solução desse imbróglio. Obviamente elas precisam defender seus interesses comerciais, mas sem que isso crie riscos ainda inexistentes para o próprio negócio. Devem buscar uma compensação justa das plataformas de IA.

Vivemos em um mundo em que a verdade perde força diante de narrativas distorcidas por diferentes grupos de poder. Aqueles que a buscam deve se unir e somar as novas tecnologias às suas metodologias editoriais consagradas. Se forem bem-sucedidos nisso, todos ganharão!

 

Crianças participam em atividade de aula de robótica em sua escola - Foto: Arno Mikkor/Creative Commons

Pensamento computacional em crianças e jovens ajuda a formar melhores cidadãos

By | Educação | No Comments

Em uma famosa entrevista em 1995, Steve Jobs disse que “todos neste país deveriam aprender a programar um computador, pois isto ensina a pensar.” O cofundador da Apple foi visionário, pois dominar a tecnologia se tornou crucial em um mundo imerso nela. A explosão no debate e aplicações de inteligência artificial reacendeu o tema, pois fica cada vez mais claro que ela pode colocar pessoas e empresas em um patamar superior àquelas que não se aproveitam de seus recursos.

Mas o pensamento computacional transcende programar computadores. Na verdade, hoje podemos fazer usos incríveis das máquinas sem escrever uma linha de código. Essa maneira de raciocinar envolve a capacidade analítica de resolver qualquer tipo de problema, de identificar padrões, de modelar processos. Ela aprimora nossa capacidade de aprender e de pensar criativa e criticamente, mesmo sem nada digital.

Nas últimas décadas, muitas escolas tentaram implantar computadores no cotidiano escolar em iniciativas muitas vezes improdutivas. Até pouco tempo, muitas ainda tinham “aulas de informática” sobre Windows e Word. Isso já erra por segregar a “informática” a uma aula, ao invés de encará-la de maneira transversal nas disciplinas.

Agora nos aproximamos do momento em que as escolas precisarão implantar a Política Nacional de Educação Digital, que estabelece diretrizes e metas para a promoção da educação digital, instituída no dia 11 de janeiro pela lei 14.533/23. Resta saber se as escolas estão preparadas para isso.


Veja esse artigo em vídeo:


Não podemos esquecer que muitas dessas instituições no país não têm infraestrutura para isso, carecendo de computadores e acesso à Internet. Mas esse trabalho pode começar mesmo sem o lado digital.

“Se a gente trabalha isso desde cedo nas escolas, com crianças e jovens, a gente consegue uma geração que sabe pensar de um jeito melhor, mais estruturado”, explica Cristina Diaz, diretora da UpMat Educacional, empresa que atua na educação básica a partir de conteúdos de matemática e pensamento computacional. Para ela, as crianças que desenvolvem essas habilidades desde cedo têm mais chance de criar um gosto pelo aprendizado, que levarão para o resto da vida.

Uma resolução do MEC (Ministério da Educação), de 4 de outubro do ano passado, determina que, a partir do mês que vem, as escolas passem a ensinar computação. A lei de janeiro detalha como isso deve ser feito, considerando a inclusão digital da sociedade, a educação digital nas escolas, as ações de capacitação do mercado de trabalho e o incentivo à inovação, à pesquisa e ao desenvolvimento.

Se isso já não bastasse, o lançamento do ChatGPT em novembro passado provocou um enorme debate sobre como a inteligência artificial impacta as atividades escolares, com professores e alunos usando a ferramenta sem preparo. Coincidentemente, na quinta passada, a Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) publicou orientações sobre o uso da inteligência artificial na educação e na pesquisa. Nelas, o órgão sugere que a IA não seja usada antes dos 13 anos de idade.

Diaz não acredita que a inteligência artificial deixará as pessoas menos inteligentes ou preguiçosas, um temor que vem sendo ventilado por muita gente. O motivo é simples: “para manusear esse tipo de tecnologia, a gente vai ter que aprender coisas mais sofisticadas, uma leitura crítica, a utilizar competências superiores”, afirma.

De fato, uma ferramenta tão poderosa como a inteligência artificial generativa oferece os seus maiores benefícios àqueles que sabem tirar proveito dela, com perguntas inteligentes. Infelizmente, a recíproca também é válida.

Como diz um ditado americano, “se entra lixo, sai lixo”.

 

Aliada da educação

Ao contrário do que muitos temem, a tecnologia digital –e a inteligência artificial particularmente– não ameaça a educação ou o papel do professor. Pelo contrário, pode ser uma incrível aliada no processo, se bem usada.

Em uma palestra há quatro meses, Salman Khan, fundador e CEO da Khan Academy, uma organização que oferece educação gratuita pela Internet, demonstrou uma ferramenta de IA generativa que auxilia professores e alunos. Nela, é possível ver, no caso dos estudantes, a máquina não lhes dando respostas prontas e ajudando-os a pensar na solução dos problemas. Para os professores, a ferramenta ajuda no planejamento de aulas mais engajadoras. Como disse Khan, para os alunos, a IA atua como um tutor, enquanto, para os professores, age como um assistente.

Os professores, as escolas e as políticas educacionais precisam se modernizar para absorver essas mudanças aceleradas da sociedade. Ainda temos um sistema educacional conteudista, com uma quantidade de informação tão grande, que pode desestimular o aluno a querer aprender mais.

Isso se reflete nos péssimos resultados do Brasil nas diferentes avaliações internacionais de eficiência educacional. Nossos estudantes, na média, sabem muito pouco de linguagem, ciências e matemática. Essa última é particularmente maltratada em nosso país, cujas últimas gerações parecem não gostar dela por definição.

Mas como ser um bom cidadão em uma sociedade profundamente digital sem uma boa base de pensamento computacional?

Engana-se quem acha que isso impacta apenas habilidades ligadas às Exatas. Um pensamento computacional limitado afeta diretamente o senso crítico do indivíduo. Em um mundo em que redes sociais e smartphones se transformaram em ferramentas de dominação ideológica pelas infames fake news, nada é mais necessário e determinante para a criação de um cidadão consciente, com sua mente livre.

“As escolas já estão reconhecendo a sensação de que não tem para onde escapar, e não porque é uma demanda da lei, mas porque é uma demanda da sociedade, das crianças, das famílias, da vida”, acrescenta Diaz. “Ninguém fala em outra coisa: o mundo do trabalho depende disso!”

Pais e escolas precisam se unir para que as crianças sejam incentivadas a desenvolver seu pensamento computacional. A matemática e o raciocínio lógico não podem continuar sendo encarados como “coisas chatas”, pois são os alunos que dominam esses recursos que escreverão o futuro de um mundo melhor para si e para todos os demais.

 

Tom Cruise viveu pela segunda vez o intrépido piloto da Marinha dos EUA Pete Mitchell, em “Top Gun: Maverick” (2022) - Foto: divulgação

Inteligência artificial pode mandar “Top Gun” para o museu

By | Tecnologia | No Comments

Em 1986, plateias do mundo todo prenderam a respiração diante das acrobacias aéreas de Tom Cruise nas telas de cinema em “Top Gun”. Ele repetiu a dose em “Maverick”, a segunda maior bilheteria de 2022, rendendo US$ 1,4 bilhão, logo atrás de “Avatar 2”. Agora a inteligência artificial pode fazer essas peripécias virarem peças de museu, ao tornar pilotos de caça obsoletos e desnecessários.

Duas notícias recentes, uma do The New York Times e outra do The Washington Post, revelam planos dos militares de usar essa tecnologia em novas gerações de aviões e de drones. Ela seria capaz de tomar decisões mais rápidas e precisas que os pilotos, até os mais experientes.

A ideia é controversa. Muito se tem debatido sobre a substituição das mais diversas categorias profissionais por robôs, considerando o impacto social dessa mudança. Mas o que se propõe agora é uma máquina tomar decisões que efetivamente visam a morte de pessoas.

Diversos aspectos éticos são levantados nessa hora. Os próprios pilotos veem isso com ressalva, e não apenas porque podem perder seu emprego daqui um tempo. Afinal, uma máquina pode decidir sobre a vida ou a morte de um ser humano? E se isso realmente acontecer no controle de aviões de combate, quanto faltará para vermos robôs policiando nossas ruas e tomando as mesmas decisões letais por sua conta na vizinhança?


Veja esse artigo em vídeo:


Não estamos falando da atual geração de drones militares, que, apesar de úteis, são bem limitados. Um bom exemplo do que vem por aí é o veículo aéreo não tripulado experimental XQ-58A, conhecido como “Valkyrie”, da Força Aérea americana. Ele, se parece muito mais a um caça furtivo futurista, apesar de ser bem menor que os aviões de combate. É impulsionado por um motor de foguete e é capaz de voar de um lado ao outro da China, carregando munições poderosas.

Mas seu grande diferencial é o controle por inteligência artificial, podendo tomar decisões sozinho, apesar de os militares afirmarem que só executará ações letais se autorizado por um ser humano. Ele pode voar diferentes tipos de missões, inclusive apoiando pilotos em seus caças, aumentando o sucesso e preservando suas vidas.

Como sempre, uma guerra não se ganha apenas com os melhores soldados, mas também com a melhor tecnologia. Mas até agora a decisão de matar sempre recaiu sobre os primeiros. O que pode estar diante de nossos olhos é o surgimento de armas que tomem essa decisão seguindo seus critérios, um ponto sensível para os EUA, pelo seu histórico de ataques ilegais com drones convencionais que mataram civis.

Diante disso, o general Mark Milley, principal conselheiro militar do presidente americano, Joe Biden, afirmou que os EUA manterão “humanos à frente da tomada de decisões”. Ele recentemente conclamou forças armadas de outros países a adotar o mesmo padrão ético.

Nesse ponto, caímos em um outro aspecto crítico desse avanço. Países que adotem essas “boas práticas” poderiam ficar em desvantagem diante de outras potências militares e tecnológicas não tão “comprometidas”, com o maior temor recaindo sobre a China. Como a guerra é, por definição, algo “sujo”, seguir as regras poderia então criar uma desvantagem catastrófica.

Outra mudança trazida pela IA ao tabuleiro armamentista é a entrada de novas empresas fornecedoras de equipamentos. No caso da Força Aérea americana, dois nomes surgem quando pensamos na indústria de caças: a Lockheed Martin e a Boeing. Esses casamentos comerciais são tão antigos e poderosos que sua tecnologia jamais chega, por exemplo, a países menores ou –pior– a grupos guerrilheiros.

Com a pulverização de drones com IA relativamente baratos, muitas outras empresas passam a disputar esses bilionários orçamentos. O “Valkyrie”, produzido pela Kratos (fundada em 1994) custa cerca de US$ 7 milhões. Pode parecer muito, mas é bem menos que os US$ 80 milhões de um F-35 Lightning II, da Lockheed Martin. Outros modelos podem custar ainda menos, na casa de US$ 3 milhões.

O receio é que esses fabricantes passem depois a oferecer tecnologia militar de ponta a terroristas e ditadores. E aí o medo de maus usos pela China vira “café pequeno”.

 

Campo de testes

O poder da inteligência artificial contra exércitos poderosos está sendo colocado à prova na invasão da Ucrânia. Seu exército vem usando drones bem mais simples que os citados, mas que já contam com recursos de IA, para atacar tropas russas. Mesmo quando essas aeronaves perdem o contato com seus pilotos remotos, devido aos sistemas de interferência do inimigo, ainda completam sua missão por conta própria.

De fato, a Ucrânia vem se tornando um frutífero campo de testes desses armamentos, que vêm sendo produzidos aos milhares. Além de poderem refinar seus equipamentos em situações reais de combate, os fabricantes podem fazer testes que dificilmente podem acontecer em um país que não esteja em guerra.

Os militares sabem que a inteligência artificial toma decisões erradas. Basta ver as falhas –algumas fatais– de carros autônomos nos últimos anos. Mesmo a tecnologia militar sempre sendo muito mais refinada e cara que a civil, não há garantias quanto a sua precisão. E há outros aspectos a serem considerados.

O primeiro é que a IA pode ser excelente em decisões a partir de padrões conhecidos, mas pode se confundir bastante diante do desconhecido e do inesperado, algo que permeia qualquer campo de batalha. Além disso, máquinas não possuem uma bússola moral, que norteia algumas das melhores decisões de um soldado.

É inevitável pensar no filme RoboCop (1987), em que um policial dado como morto é praticamente transformado em um robô. Apesar de ser obrigado a seguir diretivas em seu sistema, o que o tornava realmente eficiente era a humanidade que sobreviveu em seu cérebro. Isso lhe permitia vencer robôs de combate mais poderosos.

Tudo isso me faz lembrar da Guerra do Golfo, que aconteceu entre 1990 e 1991, quando os americanos invadiram o Iraque. Os militares invasores exterminavam o inimigo de longe, quase sem entrar em combate. Na época, um especialista criticou “soldados que querem matar, mas não querem morrer”.

A inteligência artificial pode potencializar isso. É claro que ninguém quer morrer e todos querem vencer um conflito, de preferência logo. Mas quem ganha algo com isso, além da indústria armamentista? Se a Rússia tivesse essa tecnologia, talvez a Ucrânia tivesse deixado de existir em poucas semanas dessa nefasta invasão atual.

Esse é um dos casos em que a inteligência artificial nunca deveria ser usada. Mas seria uma ilusão pueril acreditar que isso não acontecerá. Talvez o futuro da guerra pertença mesmo às máquinas autônomas. Só espero que isso não aconteça também em policiais-robôs nas ruas de nossos bairros.

 

Diversidade e inclusão tornaram-se poderosas ferramentas de negócios e inovação - Foto: Christina Morillo/Creative Commons

Diversidade e inclusão tornam-se aliadas da inovação

By | Tecnologia | No Comments

Quando se pensa em inovação, normalmente o que vem à mente são investimentos em tecnologia, novos processos e talentos ligados às tendências do mercado. Mas algumas empresas estão percebendo que, além disso tudo, investir em diversidade e inclusão em seus quadros lhes permite inovar ainda mais e oferecer produtos mais alinhados com seus clientes.

Algumas das inovações mais importantes para a sociedade têm muito pouco ou nada de tecnologia envolvida. Basta fazer algo que traga benefícios reais para as pessoas, seja uma coisa que ainda não exista ou dando uma nova perspectiva para algo já disponível.

Mas fica difícil desenvolver essa perspectiva inovadora quando todos na equipe são mais ou menos iguais e pensam da mesma forma. Diante de um mundo crescentemente complexo, acelerado e imprevisível, com clientes cada vez mais exigentes e participativos, trazer para dentro de casa visões diversas da vida torna-se essencial.

Portanto, investir em diversidade e inclusão nos times não é algo apenas socialmente responsável: é um incrível diferencial de negócios de empresas inteligentes.


Veja esse artigo em vídeo:


“Vemos que grupos diversos tomam decisões melhores, que trazem aumento de lucros”, explica Shuchi Sharma, vice-presidente global de Diversidade, Equidade e Inclusão da Red Hat, líder mundial em software open source. “Certamente é uma vantagem competitiva porque, quando você tem perspectivas mais diversas para a forma como você toma decisões todos os dias, você vê resultados muito diferentes do que quando você tem apenas um grupo homogêneo fazendo as coisas da mesma maneira, pensando o mesmo caminho”.

Entretanto, ter diversidade nas equipes não é suficiente. Sharma explica que a empresa precisa desenvolver uma cultura de inclusão e de pertencimento, porque todos precisam se sentir psicologicamente seguros para expor sua criatividade e assumir os riscos necessários para impulsionar a inovação. A inclusão prevê que todos não só tenham voz, como que ela seja efetivamente ouvida.

Essas ações precisam ser concretas e os gestores devem estar preparados para elas. Isso significa, em primeiro lugar, que precisam genuinamente prestar atenção no que os funcionários lhes dizem, procurando entender suas perspectivas e suas experiências, que podem ser muito diferentes das deles. Devem também validá-las, para que a equipe perceba que elas são valiosas.

É um trabalho constante e permanente. Empresas que investem há mais tempo em diversidade e inclusão, como IBM, SAP e Coca-Cola, hoje colhem muitos frutos disso. A executiva explica que não se deve interromper as iniciativas se as metas forem atingidas, ou tudo que se construiu pode ser perdido, como em qualquer outra parte do negócio. “Se você atinge suas metas de vendas, você não para de vender”, exemplifica.

Não é algo trivial. É preciso mudar a cultura corporativa de uma mentalidade de comando e controle para um ambiente mais distribuído e matricial. Tanto que os líderes que se destacam hoje são mais orientados para mentoria da equipe, o que exige muito mais escuta e um comprometimento em servir o próprio time.

 

Atração e retenção de talentos

Esses esforços se pagam! O relatório “A inclusão não é apenas legal: é necessária”, publicado em fevereiro pelo Boston Consulting Group após ouvir mais de 27 mil profissionais de 16 países (incluindo o Brasil), indica que melhorar a experiência de inclusão no local de trabalho é uma das ferramentas mais efetivas que as empresas têm para atrair e reter talentos. Se bem-feita, a inclusão reduz pela metade os atritos.

Isso acontece porque os funcionários sentem que podem ser autênticos com o que são e com o que acreditam, sem medo de discriminação. Assim ficam mais felizes e motivados para dar o melhor de si, pois sentem que suas perspectivas são importantes. Eles têm quase 2,4 vezes menos probabilidade de pedir demissão.

É importante que esses benefícios sejam conhecidos. Poucas empresas ainda investem em iniciativas de diversidade e inclusão, pois é difícil de definir, medir e influenciar suas ações e resultados no ambiente de trabalho. Por isso, elas acabam sendo subvalorizadas.

O estudo sugere algumas medidas para melhorar a inclusão nas empresas, começando por haver diversidade no nível de liderança, que deve se demonstrar comprometida com o tema. As gerências devem criar equipes e ambientes seguros para minorias, com medidas rigorosas contra comportamentos discriminatórios e tendenciosos. Por fim, os resultados da companhia devem ser medidos com foco em diversidade e inclusão.

Equipes diversas também permitem que se inove em produtos para atender necessidades de grupos específicos, que acabam favorecendo a população como um todo. Um bom exemplo são as rampas em calçadas, nas esquinas. Criadas originalmente para cadeirantes, eles passaram a ser usadas também por ciclistas e por pessoas com carrinhos de bebês ou de compras, entre outros.

“Acreditamos que as melhores ideias podem vir de qualquer lugar, e essa é a essência do open source, bem como a essência da inclusão”, afirma Sharma, que construiu sua carreira na indústria de TI, um mercado fortemente dominado por homens brancos. Graças ao seu histórico de promoção de mulheres e minorias nos setores de tecnologia e saúde, foi nomeada uma das 50 Líderes do Futuro pelo jornal “Financial Times” em 2018.

“Mulheres podem melhorar os resultados em empresas de tecnologia pelas suas perspectivas diferentes, melhor tomada de decisão, mais empatia com seus clientes e compreensão de diferentes formas de fazer as coisas”, acrescenta. Ela destaca o caso de mães solteiras, muitas vezes estigmatizada pela sociedade, mas que são resistentes e persistentes, sempre têm um “plano B” e têm que resolver problemas de forma criativa. “São qualidades que queremos ter em todos os negócios: que ótimo lugar para encontrá-las”, provoca.

Já passou da hora de as empresas de todos os setores pararem de encarar a diversidade e a inclusão como palavras vazias apenas para serem bem vistas por uma sociedade que valoriza esse assunto cada vez mais. Elas são incríveis ferramentas de inovação e de negócios! Mas isso só acontecerá para aqueles que estejam dispostos a sair de sua zona de conforto e fazer os movimentos necessários.


Assista à íntegra da conversa com Shuchi Sharma, VP de Diversidade e Inclusão da Red Hat.

 

O consumidor não se contente mais com um bom produto, querendo agora uma ótima experiência - Foto: Drazen Zigic/Creative Commons

Quando todo produto precisa se tornar digital, as empresas precisam aprender a correr riscos

By | Tecnologia | No Comments

A inteligência artificial está em toda parte! A essa altura, não é novidade. Dois estudos divulgados na quarta (16) pela IBM reforçam isso e como um número crescente de executivos a consideram um diferencial de negócios, abandonando o aspecto de “curiosidade tecnológica”. Ainda assim, empresas enfrentam dificuldades para adotá-la, por falta de experiência ou de apetite por correr riscos.

Outra que também poderia estar mais bem posicionada em nossas vidas se houvesse mais investimento é o 5G, que acaba de completar um ano de operação no Brasil. Segundo números apresentados pela Ericsson na mesma quarta, o país já atingiu 11,4 milhões de usuários dessa geração da telefonia móvel em 329 municípios. Mas os principais benefícios que ela traz não aparecem, porque as operadoras concentram sua comunicação na oferta de maior velocidade, sem fazer as necessárias atualizações em suas redes e em seus modelos de negócios.

Esse cenário traz desafios inéditos aos gestores de companhias de todos setores e portes. O consumidor fica mais exigente pelas ofertas de uma alta concorrência, e agora busca experiências e personalização que transcendem as propostas originais dos produtos. Com isso, toda oferta precisa se tornar um produto digital.

A boa notícia é que a tecnologia está muito mais acessível, seja pela facilidade de uso, seja pelo preço. Mas para dar certo, os profissionais precisam de atitude para fazer os movimentos necessários.


Veja esse artigo em vídeo:


Segundo o estudo da IBM “Sete apostas”, a previsão de Marc Andreessen está se tornando realidade: em um artigo de 2011 no The Wall Street Journal, o pioneiro da Internet disse que “o software estava comendo o mundo”. E está mesmo: ele controla de celulares a carros, de aspiradores de pó a robôs industriais. E agora “a inteligência artificial está comendo o software”.

Com isso, os melhores executivos estão desenvolvendo uma mentalidade de engenharia de produto. Eles entendem que a adoção da tecnologia é fundamental para o sucesso, pois os clientes esperam uma ótima experiência digital qualquer que seja o produto ou serviço oferecido.

Curiosamente, nada disso é novo. Software embarcado em produtos e até a inteligência artificial fazem parte do cotidiano de pessoas e de empresas há anos. A diferença é que, desde o fim do ano passado, com o lançamento do ChatGPT, a IA deixou de ser algo obscuro e restrito a poucos profissionais de TI para ser democratizada para qualquer cidadão.

“O ChatGPT capturou o momento em que a experiência se conectou à tecnologia”, afirma Marco Kalil, líder da IBM Consulting no Brasil. Para ele, a digitalização de produtos e o uso da IA como ferramenta de negócios são um caminho sem volta. “As pessoas que souberem aplicar a inteligência artificial nos negócios, realmente priorizando a experiência, terão mais sucesso que os outros, sem dúvida alguma.”

Já no estudo “Tomada de decisão do CEO na era da IA”, também da IBM, 60% dos CEOs entrevistados no Brasil disseram que a computação em nuvem é fundamental para a conquista de resultados nos próximos três anos, enquanto 56% deles confiam na IA. Apesar disso, 41% sentem dificuldade de obter ideias a partir dos dados que têm, com 61% afirmando que a qualidade e a origem desses dados são a principal barreira para adoção da inteligência artificial.

 

Garantindo seu bônus

Incluir inovações em qualquer negócio implica algum nível de risco, pelo simples fato de se sair da zona de conforto. Por isso, muitos executivos, apesar de serem conscientes da necessidade de inovação, resistem a ela, para não ameaçar seus bônus de fim de ano.

Mas a inovação se tornou condição para se manter no mercado, e não apenas as já citadas. Outras apostas do estudo da IBM são a sustentabilidade e o metaverso.

Segundo a pesquisa, muitos executivos ainda veem sustentabilidade e lucros como incompatíveis, indicando uma visão míope de gestão. Já o metaverso deve ser encarado como uma ferramenta que amplie possibilidades do mundo físico, ao invés de substituí-lo. Em ambos os casos, criar experiências com benefícios tangíveis para clientes internos e externos diminui as barreiras para sua adoção.

De fato, não dá para dissociar inovação de experiência. No caso do 5G, a base de usuários brasileiros já poderia ser maior, mas isso não acontece porque o público não vê as incríveis possibilidades da tecnologia, achando que se trata apenas de uma Internet mais rápida. Se for só para isso, preferem esperar.

Sim, a velocidade é muito maior e a latência é muito menor que a do 4G. Isso é necessário para produtos como veículos autônomos, telemedicina, educação a distância e automação industrial disruptivas, cidades inteligentes e entretenimento revolucionário, especialmente em games e transmissões ao vivo interativas.

Mas tudo depende da criação de um ecossistema de provedores de serviços que, por sua vez, precisam que as operadoras de telefonia modernizem sua infraestrutura. Isso permitirá, por exemplo, o “fatiamento da rede”, que entrega conexões diferentes seguindo a necessidade do cliente, podendo até variar de acordo com o momento. Também é necessário que ofereçam APIs, mecanismos para que os desenvolvedores criem aplicações que tirem o máximo proveito dos recursos da rede. Os modelos de negócios também devem ser atualizados, para que o usuário deixe de ser cobrado por franquias e passe a ser cobrado pelos serviços que usa.

“As operadoras já entenderam que o caminho passa por oferecer serviços fornecidos por outras empresas”, explica Marcos Scheffer, vice-presidente de redes da Ericsson para América Latina. Mas, segundo ele, há um processo a ser cumprido e, no momento, as teles estão cuidando da ampliação da cobertura.

“Na hora que você conecta tecnologia com o interesse do usuário, é fantástico”, exclama Kalil. Para o executivo, está na hora de as empresas colocarem essas tecnologias como protagonistas, e não como meras ferramentas. “Nessa hora, o negócio vai mudar”, conclui.

Sei que tudo é investimento –às vezes, muito dinheiro. Além disso, o mercado brasileiro costuma ser impiedoso com aqueles que falham. Essa combinação é mortífera para a inovação, pois os gestores tendem a escolher o caminho seguro e menos inovador.

O problema é que, dessa forma, a empresa perde a chance de se descolar da concorrência e os clientes amargam produtos limitados e experiências ruins. Precisamos aprender a correr riscos com inteligência!


Vídeo relacionado – íntegra da entrevista com Marco Kalil, líder da IBM Consulting no Brasil:

 

 

Recurso de visualização acelerada de conteúdos nos dá mais tempo, mas pode nos deixar ansiosos - Foto: Akshay Gupta/Creative Commons

A tecnologia tenta nos acelerar, mas nossa natureza tem limite de velocidade

By | Tecnologia | No Comments

Atire a primeira pedra quem nunca clicou no botão “2X” para ouvir mais rapidamente uma mensagem de áudio do WhatsApp. Quando foi lançado, em maio de 2021, esse recurso foi festejado por aqueles que não aguentam ouvir falas que duram vários minutos. Mas longe de ser um fenômeno isolado, essa possibilidade de “acelerarmos nosso cotidiano” está cada vez mais presente em diversas plataformas digitais.

Reflexo do sucesso da possibilidade de “encurtarmos” todo tipo de conteúdo para termos mais tempo livre, isso dispara alguns questionamentos. O primeiro é descobrir se há algum efeito colateral nesse processo. Outro se trata de um dilema do tipo “ovo e galinha”: as plataformas digitais nos oferecem isso cada vez mais porque é algo que desejamos, ou nós queremos e usamos a funcionalidade porque está mais disponível?

Pesquisadores se debruçam sobre o tema para entender até seu impacto fisiológico em nossos cérebros. Mas não é necessário ser um neurocientista para perceber que essa ânsia pela aceleração transforma nosso cotidiano há muitos anos. Hoje fazemos muitas coisas de maneira diferente e mais rápida, como estudar, trabalhar, nos divertir e até nos relacionar com outras pessoas. E o que começou nas diferentes telas agora também transforma essas mesmas atividades quando feitas presencialmente.

Como era de se esperar, algumas coisas ficaram pelo caminho. Ganhamos na velocidade, mas podemos perder em entendimentos deficientes e no aumento de ansiedade. E disso surge a pergunta: será que vale a pena?


Veja esse artigo em vídeo:


O conceito foi brilhantemente explicado no filme “Click” (2006), estrelado por Adam Sandler. Na história, seu personagem ganha um controle remoto mágico capaz de manipular o mundo a sua volta. Dessa forma, ele podia, por exemplo, acelerar as partes de sua vida pelas quais tinha que passar, mas de que não gostava. O problema é que o aparelho aprendia essas preferências, começando a “pular” automaticamente todos esses momentos. Como resultado, o personagem de Sandler acabou perdendo informações importantes de sua vida.

Ainda não chegamos a esse ponto de acelerar os acontecimentos reais, mas o que já temos no mundo digital vem alterando nossa percepção. É comum dizermos que os dias parecem estar ficando mais curtos, mas não pensamos na quantidade de coisas diferentes que fazemos a cada 24 horas, muito mais que nossos pais. Há uma sensação de aumento de produtividade, mas até onde isso é real e saudável?

A tecnologia digital combina perfeitamente com o conceito de sucesso da vida contemporânea, fortemente ligada à produtividade. Não basta fazer mais: é preciso brilhar mais e isso precisa ser visto por todos. Trocamos os benefícios de contemplar a vida pela sensação de uma suposta vitória pela hiperpodutividade.

Quem se dispõe a deixar a correria do cotidiano de lado para se dedicar, por alguns minutos que seja, a calmamente apenas ouvir músicas de que se gosta? Esse exemplo é muito emblemático, porque o que se observa é exatamente o contrário: pessoas que aceleram as músicas, para que acabem mais rapidamente, não se importando com a óbvia mutilação da obra.

Isso vem provocando alterações em com as próprias músicas são compostas atualmente. Introduções melodiosas e solos instrumentais desaparecem para que o ouvinte chegue ao clímax rapidamente. A própria duração da faixa fica limitada a três minutos, para evitar que a pessoa passe para outra música antes de se chegar ao final. Se isso acontece, os algoritmos das plataformas de streaming podem entender que a música não é tão interessante, passando a tocá-la menos daí em diante.

 

Crescimento da ansiedade

A comunidade científica ainda não chegou a uma conclusão sobre todos os impactos da aceleração de nosso cotidiano. Muitos estudos se concentram em descobrir quanto isso afeta a nossa compreensão de conteúdos que consumimos.

Em 2021, uma equipe da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles, nos EUA), liderados por Dillon Murphy, publicou um estudo na revista “Applied Cognitive Psychology”. Eles observaram que as pessoas conseguiam compreender vídeos acelerados em até 2X. Acelerações maiores já prejudicavam o processo. Concluíram também que pessoas que usam esse recurso frequentemente têm mais chance de entender e reter as mensagens aceleradas, como se estivessem treinadas.

Mas uma eventual compreensão prejudicada não é a única coisa que deve nos preocupar. Especialistas apontam uma correlação entre uma vida acelerada e o crescimento explosivo de casos de ansiedade. E nós, brasileiros, não estamos nada bem nisso: segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o Brasil possui a população com a maior prevalência de transtornos de ansiedade do mundo, com 9,3% dos brasileiros sofrendo de ansiedade patológica.

Tanta ansiedade transforma tudo que fazemos. Qualquer coisa que exija mais tempo, atenção ou reflexão pode disparar esses processos, assim as pessoas procuram evitar isso tudo. Mas gostemos ou não, eles continuam fazendo parte de nosso trabalho, nosso estudo e até de nossos relacionamentos. Nos escritórios, isso se sente em queda de produtividade e menos compromisso profissional.

Essa falta de envolvimento pode tornar tudo superficial. No caso de relacionamentos, o filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman já havia identificado isso em seu livro “Amor Líquido” (editora Zahar, 2004). Para ele, a redução nas suas qualidades é compensada por uma quantidade enorme de parceiros. Aceleram-se os inícios e os términos com o clique em um aplicativo. Troca-se, sem remorsos, aqueles que deixam de ser “interessantes” por outros “melhores”.

Como professor, sinto isso na alteração do formato de cursos de extensão universitária. As pessoas desejam, cada vez mais, cursos rápidos e focados em um tema específico, para aplicação imediata no cotidiano. Cursos que oferecem uma visão analítica e estratégica, responsáveis pela formação de profissionais capazes de solucionar grandes problemas, perdem espaço.

Dou aulas presenciais e a distância. Essas últimas, apesar de dadas sempre ao vivo, ficam gravadas e muitos alunos talvez as vejam aceleradamente. Mas seria uma pena: mesmo as pausas nas aulas são importantes para a construção de um raciocínio e para a fixação do conteúdo. Se forem eliminadas, o aprendizado fica comprometido.

Ninguém questiona como as plataformas digitais se tornaram inestimáveis ferramentas de produtividade. É praticamente impossível viver hoje sem o que elas nos oferecem. Mas como qualquer ferramenta, elas precisam ser usadas com inteligência. Longe de representar “esperteza”, o abuso da “aceleração da vida” demonstra um letramento digital pobre da população.

Como diz o ditado, “quem nunca comeu melado, quando come, se lambuza”. A natureza continua seguindo seu ritmo natural, desacelerado. Não somos máquinas! Ao tentar subverter isso, trocamos bem-estar por ansiedade, produtividade por acúmulo insustentável. Esse não é o caminho a ser seguido.