Inteligência artificial avança sobre o destino do seu emprego

By | Tecnologia | No Comments

O papel da Inteligência Artificial cresce de maneira galopante em todos os segmentos do mercado. A área de Recursos Humanos também se beneficia dela, naturalmente. Já há algum tempo, esses sistemas são usados para fazer a peneira em um oceano de currículos que concorrem a vagas de trabalho. Agora algumas empresas também estão usando esse recurso para decidir quem será demitido.

Se algumas pessoas já questionavam a capacidade de a inteligência artificial escolher os melhores candidatos para uma vaga, essa dúvida tende a ficar ainda mais cruel quando se imagina um frio computador decidindo quem será mandado embora. A máquina será justa na sua análise?

A preocupação é pertinente. Afinal, poucas coisas impactam a vida de alguém como uma contratação ou uma demissão, especialmente em um cenário de desemprego nas alturas, como o que vivemos. Mas precisamos colocar em perspectiva o uso dessa ferramenta: será que ela pode ser “culpada” por suas escolhas, se é que dá para atribuir culpa a uma máquina?


Veja esse artigo em vídeo:


A demissão por inteligência artificial ganhou manchetes em agosto, depois que a empresa russa de promoção de games Xsolla demitiu 150 de seus 450 colaboradores. A decisão de quem seria mandado embora ficou totalmente a cargo do sistema, com base em critérios de produtividade e comprometimento com os objetivos da empresa.

A repercussão foi tão grande que seu CEO, Alexander Agapitov, explicou à edição russa da revista Forbes que não concordava totalmente com as escolhas do sistema, mas que tinha que aceitá-las por determinação da assembleia de acionistas. Mesmo assim, ele se comprometeu a ajudar os demitidos a encontrar trabalho logo, pois, segundo ele, são “bons profissionais”.

O caso é emblemático, mas não é único. O uso da inteligência artificial em demissões já acontece há alguns anos e vem crescendo. Em alguns casos, o sistema não apenas decide quem será mandado embora, como cuida de tudo. Em outras palavras, nesses casos, não há o envolvimento de profissionais de Recursos Humanos nem na decisão, nem na execução do processo.

Isso o torna ainda mais doloroso. Em junho do ano passado, a Uninove demitiu cerca de 300 docentes por um pop-up exibido quando eles entraram na plataforma para dar a aula a distância, já que a escola estava fechada por conta da pandemia. Não houve uso de inteligência artificial nesse caso, mas a mensagem extremamente lacônica, sem incluir qualquer justificativa ou explicação, foi chocante para professores e alunos.

A pergunta “por que eu” sempre surge, especialmente entre profissionais que acreditam estar realizando um bom trabalho, dando o melhor de si, comprometidos com a empresa. E talvez estejam mesmo! Mas, no momento de uma demissão, eles serão comparados com todos na mesma situação ou serão considerados critérios que desconhecem ou sobre o qual não têm nenhum controle. E, nesses casos, um sistema de Inteligência Artificial pode ser uma ferramenta poderosa para os gestores, pois justamente tomará a decisão sem qualquer influência emocional.

Para quem está “do lado de cá do balcão”, aspectos como esforço, ética, dignidade têm peso maior que o considerado pelas empresas, mais preocupadas em métricas de produtividade mensuráveis. Mesmo muitos anos de trabalho excelente para a companhia perdem valor diante da necessidade de cortar friamente, por exemplo, quem ganha mais.

Aspectos intangíveis interessam apenas a seres humanos. Em um mundo cada vez mais focado em resultados, eles perdem espaço. Por isso, a “culpa” não é da inteligência artificial: ela apenas reflete como as empresas se reorganizaram no relacionamento com sua força de trabalho.

O “emprego para a vida toda” está em extinção.

 

Contratando e paquerando com IA

Da mesma forma que demite, a inteligência artificial contrata. A versão mais recente da pesquisa State of Artificial Intelligence in Talent Acquisition, publicada pela consultoria americana HR Research Institute em 2019, indica que, naquele ano só 10% das empresas faziam um uso alto ou muito alto de IA no recrutamento, mas que 36% dos gestores esperavam fazer isso em até dois anos.

E isso foi antes da pandemia de Covid-19, que acelerou ainda mais esse processo.

O estudo traz outra importante conclusão: entre os entrevistados, os maiores temores do uso dessa tecnologia são a desumanização do recrutamento e possíveis discriminações no processo, por vieses surgidos por uma programação falha.

As empresas que já usam esses recursos afirmam que eles permitem contratações de melhores candidatos e de maneira muito mais rápida e eficiente. O risco de discriminações seria minimizado por uma inteligência artificial bem construída e por profissionais de RH capacitados, que ensinam à máquina o que realmente importa.

Se extrapolamos esse conceito, percebemos que a inteligência artificial já nos ajuda a escolher muitas coisas em nossa vida, até mesmo parceiros românticos ou sexuais. Diversos sistemas no mercado aprendem com nossas escolhas de quem nos interessa, para que as próximas sugestões sejam mais assertivas.

Esse processo pode ser extremamente complexo, para que os resultados não sofram vieses inconscientemente ensinados pelos próprios usuários. “Hang the DJ”, quarto episódio da quarta temporada da série “Black Mirror” (disponível na Netflix), que sempre traz questões morais envolvendo usos da tecnologia, ilustra isso de maneira inusitada e até inesperada.

É um fato que estamos sendo sempre rastreados. O que fazemos, dizemos, compramos, comemos, onde e com quem andamos, tudo isso será usado para traçar nosso perfil. E sistemas como os das redes sociais têm ficado tão eficientes nesse processo, que fica muito difícil impedir que eles “extraiam nossas verdades”.

Por isso, apesar de recrutadores afirmarem que os candidatos devam criar currículos e páginas em sites de empregos que estejam alinhados com as vagas e as empresas que desejam, esses documentos acabam se tornando apenas mais um elemento no processo de contratação ou de demissão. É possível que um belo artigo publicado no LinkedIn seja o responsável por uma contratação, enquanto uma foto infeliz no Facebook resulte em uma demissão. Ou, quem sabe, na escolha de alguém com quem se dividirá os lençóis em breve.

Isso pode ser aterrorizante para muita gente! Estamos nus e expostos para olhos digitais, que nos fazem praticamente uma “autópsia de pessoa viva”. Por isso, não se deve perder muito tempo em criar personagens que sejam muito diferentes de quem realmente a pessoa é, para objetivos específicos. Talvez seja mais interessante buscar objetivos mais em linha com sua realidade.

Em outras palavras, mentir no currículo nunca foi tão difícil. Por outro lado, para quem está trabalhando, vale prestar atenção se as exigências e o estilo da empresa se alinham com suas crenças. Se não for o caso, é melhor pensar em mudar de emprego antes de ser demitido por uma máquina.

Apesar de tanta eficiência, penso que tudo tem um limite. Lidar com pessoas sempre foi uma tarefa difícil, especialmente em momentos em que se toma uma decisão que impactará fortemente suas vidas. Ignorar isso completamente desumaniza tanto uma contratação e principalmente uma demissão que, na prática, desumaniza o próprio indivíduo. Nem a busca pela eficiência pode reduzir seres humanos a meros “recursos” com o mesmo peso de uma máquina, que será substituída porque ficou obsoleta.

Processos como esses exigem reflexões responsáveis. Se o RH terceirizar não apenas suas decisões, como também a operacionalização dos processos, ele mesmo pode ser substituído com vantagens por um sistema.

Devemos, portanto, nos preocupar menos em humanizar as máquinas e mais em humanizar as pessoas.

 

Guarda da série “Round 6”, que se tornou a mais vista na Netflix, cujos jogos violentos estão sendo simulados em escolas

O que pode haver de mortal em brincadeiras infantis

By | Educação | No Comments

Na semana passada, “Round 6” se tornou a série mais vista da história da Netflix. Mais de 111 milhões de pessoas assistiram à produção sul-coreana nas primeiras quatro semanas no ar. Ela retrata uma macabra competição entre 456 endividados, que se dispõem a participar de versões de seis jogos infantis. O vencedor leva um prêmio equivalente a R$ 213 milhões. Todos os demais morrem ao longo dos jogos.

Mas algo sinistro se formou em torno da série, indicada para maiores de 16 anos. Crianças de vários países, inclusive do Brasil, estão simulando a competição nas escolas. No caso, os perdedores são surrados pelos vencedores.

Esse comportamento não chega a ser surpreendente, e é um reflexo do mundo em que vivemos. E, ao contrário do que alguns estão se apressando a dizer, a culpa não é da Netflix, nem dos produtores da série. Mas temos que entender o problema para resolvê-lo.


Veja esse artigo em vídeo:


Originalmente escrito em 2008, “Round 6” se tornou um fenômeno de mídia. Além da enorme audiência na plataforma de streaming, seus atores, até então desconhecidos fora da Coreia do Sul, ganham milhões de seguidores nas redes sociais.

Também é um fenômeno comercial. Os tênis brancos Slip-On, da marca Vans, usados pelos jogadores, viram suas vendas aumentarem em incríveis 7.800%. Além disso, o uniforme dos guardas da série se tornou a fantasia mais buscada. Isso lembra o que aconteceu com o macacão vermelho e a máscara de Salvador Dali usados pelos assaltantes de “La Casa de Papel”, outra série da Netflix, há quatro anos.

Diante desse frenesi, seria, portanto, inocência assumir que crianças e adolescentes não assistiriam à série apenas pela sua classificação etária. Muitos fazem isso até junto com seus pais, o que, dentro das circunstâncias, pode até uma alternativa menos pior, se bem aproveitado esse convívio em torno da história.

Todos nós nascemos com capacidades para discernir o certo do errado e o verdadeiro da fantasia. Mas essa habilidade só amadurece ao longo dos anos, precisa ser “treinada” com estímulos, com exemplos e com explicações de pessoas e de instituições que os pequenos têm como referência, como seus pais e a escola.

“Round 6” (que no resto do mundo é chamado de “Squid Game”, ou “Jogo da Lula”) obviamente é uma fantasia perturbadora. Traz uma feroz crítica social sobre a diferença entre as classes sociais e a dependência que as pessoas desenvolvem do dinheiro, até o ponto de algumas morrerem por ele em situações extremas.

Fica a pergunta: isso poderia acontecer de verdade em algum lugar do mundo?

 

Violência relativizada e normalizada

Às vezes, tenho a impressão de que o mundo ando louco demais.

Acho pouco provável que alguém se dispusesse a criar uma “brincadeira” tão distópica, em que pessoas morressem para sua diversão. Se bem que já tivemos algo assim em vários lugares do mundo ao longo da história, como nas arenas romanas.

Por outro lado, não me espantaria se, caso isso se concretizasse, um bando de malucos topasse arriscar a própria vida pela adrenalina e pelo dinheiro. Como sempre abordo nesse espaço, a dinâmica das redes sociais vem criando uma geração de pessoas “viciadas” em dopamina e com uma percepção fugaz da própria realidade, sempre a busca de novos estímulos.

Se isso impacta decisivamente até os adultos, adolescente e crianças se tornam presas fáceis desse ambiente. Seu senso crítico ainda não está desenvolvido para digerir tantos estímulos. Eles não têm as experiências de vida para colocar tudo na sua devida perspectiva.

No caso de “Round 6”, a profundidade da crítica social desaparece, permanecendo apenas o jogo puro. E a própria violência, que culmina na morte de pessoas, fica relativizada e perde força. Corre-se o risco de achar que tudo aquilo é normal.

O criador de “Round 6”, Hwang Dong-hyuk, disse que estava perplexo que crianças estivessem assistindo à série. Em entrevista a uma emissora sul-coreana, ele disse que espera que os pais e os professores ao redor do mundo sejam prudentes, para que os pequenos não sejam expostos a esse tipo de conteúdo.

 

Como proteger as crianças

“Round 6” é a bola da vez, mas, nos últimos anos, as crianças vêm sendo impactadas por diferentes conteúdos que levam muitas delas a dor, violência e até morte.

Em 2017, a “Baleia Azul” teve grande repercussão. Consistia de 50 tarefas que adolescentes recebiam de “curadores”, envolvendo automutilação e culminando no suicídio. Até hoje, há controvérsias sobre sua origem. Aparentemente, no início, não passava de um boato. Entretanto, diante da exposição que teve, acabou se “concretizando”, e várias mortes estariam associadas à Baleia Azul.

Dois anos depois, surgiu a Momo, uma boneca fantasmagórica que estaria invadindo o YouTube Kids para convencer crianças a fazer coisas como se cortar e até mesmo matar os próprios pais. Não passava de uma combinação de “fake news” com “efeito manada”, mas o movimento criado levou algumas crianças a realmente se automutilar.

Não podemos deixar de mencionar a suposta influência maligna dos games. Ela ressurge em casos de adolescentes que matam colegas, como aconteceu em 2019 na escola estadual Professor Raul Brasil, na cidade de Suzano, na Grande São Paulo. Mas estudos sérios demonstram que esses jogos não incentivam assassinatos reais. Pelo contrário, profissionais de psicologia explicam que esse tipo de criminoso é movido por outros problemas, muito mais profundos, que ele já carrega dentro de si.

Muitos propõem que “Round 6” seja sumariamente retirada do ar. Isso é algo totalmente inócuo: o buraco é muito mais embaixo!

Especialistas da área de saúde mental e de educação afirmam que a solução desses problemas passa por pais mais presentes na vida de seus filhos, para lhes oferecer carinho e orientação diante de tantos estímulos. Além disso, devem se unir a professores para ajudar a escola na tarefa de educar crianças e adolescentes.

Proibir o acesso raramente é eficiente. As crianças sempre darão um jeito, especialmente aquelas que têm acesso a smartphones e computadores. Mesmo que não vejam a série na Netflix, algumas cenas aparecem fora do contexto, no YouTube e até no TikTok. Além do mais, tudo que proibido desperta ainda mais o interesse.

Pais e educadores devem abordar esses temas com sinceridade e paciência, para explicar às crianças o que tudo aquilo significa e por que não devem fazer algumas coisas. Crianças, mesmo as pequenas, têm uma capacidade de compreensão que pode surpreender os próprios pais, quando eles se dispõem a oferecer essa orientação.

Elas devem se sentir acolhidas pelos seus pais. E esses devem criar, desde pequenos, um canal sincero de confiança com seus filhos, para que se sintam à vontade para compartilhar suas dúvidas e seus medos. Mas é importante entender que a confiança é uma via de mão-dupla: os pais também devem oferecer confiança e ser confiáveis.

A educação midiática se torna cada vez mais crítica em nosso mundo. Pais e educadores têm um papel central nisso. E devem sempre pedir ajuda a profissionais, como psicólogos, quando necessário.

Mas nada substitui o carinho, a presença e a confiança entre pais e filhos.

 

Nicotina, algoritmos, dopamina, curtidas e outras drogas

By | Tecnologia | No Comments

Sinto lhe dizer, mas você provavelmente é um viciado em drogas. Não me refiro às “clássicas”, como crack, heroína, cocaína ou maconha, ou às “drogas legais”, como bebidas alcoólicas ou cigarros. Estou falando de redes sociais, e isso não é um abuso de linguagem.

O que nos faz ficar grudados nas telas é a dopamina que nosso cérebro produz ao sermos bombardeados pelos algoritmos dessas plataformas com conteúdos que nos agradam. Trata-se, portanto, de uma dependência química real.

Esse debate pegou fogo na semana passada, quando a americana Frances Haugen, ex-gerente da equipe de integridade cívica do Facebook, veio a público para dizer que a empresa sabe disso e que não apenas faz pouco para combater esse efeito, como o reforça com seus algoritmos.


Veja esse artigo em vídeo:


Haugen começou a trabalhar no Facebook em janeiro de 2019. Ela se demitiu em maio deste ano por discordar das diretrizes da companhia. Mas não antes de coletar milhares de documentos que indicariam que a empresa sabe que os conteúdos que geram mais engajamento –e mais lucros– são os que, segundo ela, “fazem mal às crianças, alimentam a divisão e enfraquecem a nossa democracia”.

Ela já vinha informando, de maneira anônima, o jornal americano The Wall Street Journal, que publicou, em setembro, várias reportagens expondo essa gestão da empresa de Mark Zuckerberg. Com sua repercussão, o Congresso dos Estados Unidos decidiu investigar a companhia.

No dia 3, Haugen decidiu mostrar o rosto no programa 60 Minutes, da emissora CBS. Dois dias depois, falou ao Congresso americano. Deixou claro que o Facebook priorizou o lucro às custas da dependência e da saúde mental de seus usuários. Ao 60 Minutes, disse que “o Facebook percebeu que, se mudar o algoritmo para ser mais seguro, as pessoas vão passar menos tempo no site, vão clicar em menos anúncios e eles vão ganhar menos dinheiro”.

As acusações são gravíssimas e precisam ser naturalmente verificadas. Mesmo assim, já na segunda, as ações da empresa despencaram cerca de 5%. Zuckerberg veio a público negar tudo e dizer que seria “ilógico” promover conteúdo que criasse polarização social, e que o Facebook trabalha ativamente pelo bem-estar de seus usuários.

Mas, como diz o professor da Universidade de Yale (EUA) Edward Tufte, “existem apenas duas indústrias que chamam seus clientes de usuários: a de drogas e a de software”.

 

O dilema da rede

No sábado, um dia após ganhar o Prêmio Nobel da Paz, a jornalista filipina Maria Ressa acusou o Facebook de ser uma ameaça à democracia, justamente porque ele falha em proteger seus usuários contra a disseminação do ódio e da desinformação.

Passamos cada vez mais tempo nas redes sociais. Segundo o mais recente relatório “Digital Global Overview”, publicado pela Hootsuite e pela We Are Social, o brasileiro fica, em média, 3 horas e 42 minutos por dia nas redes sociais, atrás apenas dos filipinos e dos colombianos.

Haugen não disse nada que já não se soubesse ou pelo menos suspeitasse. O documentário “O Dilema das Redes”, lançado em setembro de 2020 pela Netflix, explicou tudo isso de maneira bastante didática. A novidade agora é uma informante tão bem documentada “colocando o dedo na ferida” de maneira pública.

Não é o primeiro grande escândalo envolvendo o Facebook. Em março de 2018, explodiu o da empresa britânica de marketing político Cambridge Analytica, que usou os recursos da plataforma para roubar os dados de 87 milhões de usuários, para manipulá-los em favor da eleição de Donald Trump em 2016. Em um primeiro momento, Zuckerberg se colocou como vítima, mas, diante da pressão do governo americano, disparou iniciativas para proteger os usuários.

Haugen diz agora que propositalmente ele faz pouco!

Isso me lembra de outro escândalo gigantesco, esse da indústria do cigarro. Em 1996, o mesmo 60 Minutes divulgou uma entrevista-bomba com Jeffrey Wigand, ex-diretor de pesquisa da Brown & Williamson, então a terceira maior empresa do setor no país.

“Somos uma empresa de entrega de nicotina”, ele disse na época. O executivo, que teve a vida devastada pelas revelações, deixou claro que os fabricantes sabiam que os cigarros faziam mal à saúde das pessoas e que eram altamente viciantes. E o que é pior: deliberadamente incluíam produtos para aumentar o vício. O caso foi retratado no filme “O Informante” (1999), com Al Pacino e Russell Crowe.

Isso provocou profundas mudanças na indústria, que ficou muito mais regulamentada no mundo todo. De maneira geral, toda sua publicidade foi proibida, a venda ficou mais controlada e intensas campanhas de conscientização foram feitas. O resultado é que a quantidade de fumantes diminuiu, especialmente entre os mais jovens.

Ainda assim, a indústria do cigarro continua ativa. De uns anos para cá, tenta uma nova roupagem com os “cigarros eletrônicos”, que fazem sucesso justamente com adolescentes.

 

O que pode ser feito

Pelo que Haugen sugere, Zuckerberg quer solucionar o problema, desde que não atrapalhe os negócios do Facebook. Mas eles (pelo menos na atual forma) são o problema! E sua dominância rendeu US$ 86 bilhões de receitas em 2020 à empresa.

Muita gente acha que a solução seria forçar a divisão do império em empresas menores concorrentes, a exemplo do que foi feito em 1982 na telefonia americana, com a AT&T, que acabou dividida em sete empresas, conhecidas como “Baby Bells”. Vale dizer que isso já foi sugerido há alguns anos com a Microsoft e o Google, sem sucesso.

Haugen acha que isso não funciona. Ela sugere que o caminho seria os algoritmos se tornarem totalmente transparentes, e a criação de uma agência para supervisionar as plataformas digitais, além de aumentar a idade mínima dos usuários.

Tudo isso é bem-vindo, mas não deve ser suficiente. A inteligência artificial precisa ser refinada para limitar conteúdos potencialmente perigosos, e usuários reconhecidamente nocivos à sociedade precisam ser banidos. Por fim, a “tirania das curtidas”, que faz com que as pessoas prefiram conteúdos “de gosto fácil” àqueles e alta qualidade, precisa ser impedida.

O usuário é o elo frágil da corrente. Como nas drogas, não consegue sair de seu vício, por mais que lhe faça mal. Por isso, provavelmente as redes sociais precisem sofrer um controle severo como o que foi imposto à indústria tabagista.

O que não é possível é não se fazer nada. A situação dramática pela qual o mundo passa, com uma polarização que cria uma ameaça real à manutenção da sociedade e da democracia, cresceu graças a essas plataformas. O negacionismo científico, que ceifou centenas de milhares de vidas pelo mundo na pandemia de Covid-19, e a radicalização política são apenas os destaques.

As redes sociais podem ser um ambiente incrível de trocas de ideias. Mas seus usuários precisam de ajuda para vencer esse vício.

 

Steve Jobs, cuja morte completa dez anos nesta terça, ainda pode ensinar muito a um mundo que parece ter se perdido

O que o mundo perdeu em uma década sem Steve Jobs

By | Tecnologia | No Comments

Pouquíssimas pessoas podem dizer que mudaram o mundo uma vez com suas ideias ou suas ações. Steve Jobs fez isso três vezes!

Nesta terça, sua morte completa dez anos. Mas seu legado continua em nosso cotidiano e seu pensamento inspira novas gerações de empreendedores, inventores e executivos. Isso não deixa de ser curioso, pois Jobs não era um gênio da tecnologia ou sequer um bom gestor de pessoas.

Pelo contrário, sua personalidade colérica e sua absoluta falta de tato são amplamente conhecidas e suas habilidades técnicas eram bem comuns. É de se perguntar, então, como ele conseguiu fazer tudo que fez a despeito dessas aparentes limitações, e por que pessoas muito mais preparadas não chegam nem aos pés disso.

A resposta passa por uma frase dele que fica ainda mais emblemática nessa data: “lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que conheço de evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder.”


Veja esse artigo em vídeo:


Muitos diriam que Jobs tinha muito a perder, sim! Afinal, ele havia criado a Apple em 1977, uma empresa bilionária a partir de um invento de seu brilhante amigo Steve Wozniak, construído na garagem de seus pais. Para quase todo mundo, esse já seria o sonho de uma vida, e fariam de tudo para evitar riscos que pudessem ameaçar essa posição.

O invento em questão resultou no Apple II, primeiro produto da empresa. Wozniak o construiu como um hobby de eletrônica. Mas quando Jobs conheceu a máquina, enxergou nela a possibilidade de levar a informática para dentro das casas e das pequenas empresas.

Ou seja, viu muito além da tecnologia e do produto: viu a chance de mudar o mundo! E fez exatamente isso.

Jobs não deixava de correr riscos, apesar de já ter “vencido na vida”. Para ele, a inovação distinguia um líder de um seguidor. Mesmo com o sucesso estrondoso do Apple II, ele queria que a tecnologia fosse ainda mais democrática, mais fácil para o cidadão comum.

Por isso, quando soube dos desenvolvimentos de engenheiros da Xerox no icônico Laboratório de Pesquisa de Palo Alto (Califórnia, EUA), ficou alucinado. Eles haviam construído um computador que podia ser operada por uma interface gráfica, e não mais por comandos pouco intuitivos em uma tela de texto verde. Ironicamente, os diretores da Xerox não viram valor comercial naquilo, e concordaram em ceder a tecnologia para a Apple.

Com a interface gráfica e uma grande inovação da época, o mouse, Jobs lançou o Apple Lisa (1983) e o Macintosh (1984). E, com esse último, mudou novamente o mundo, ao tornar a informática algo fácil de usar por qualquer um.

 

Céu e inferno

Apesar de estar no seu auge, em 1985 Jobs acabou escorraçado da empresa que fundou pelo CEO que havia contratado pouco tempo antes: John Sculley. Vindo da Pepsi, o executivo não concordava com os riscos e com o estilo de Jobs.

Entretanto, sob a administração de Sculley e de seu sucessor, Gil Amelio, a Apple entrou em profundo declínio, chegando à beira da falência. A empresa começou a se ver apenas como mais um fabricante de computadores e, com isso, não conseguia fazer frente a concorrentes como a IBM ou a Compaq.

Por uma incrível sucessão de fatos, Jobs acabou voltando à empresa em 1997. Depois de se livrar de todos seus desafetos, ele praticamente recriou a Apple, uma vez mais com o foco na inovação. Novamente não bastava que seus produtos fossem inovadores: eles precisavam transformar a vida das pessoas.

O primeiro resultado disso foi o iMac, lançado em 1998. Mas depois vieram muitas outras inovações maiúsculas: o iPod (2001), o iPhone (2007) e o iPad (2010). Como produtos, todos eles representaram sucessos estrondosos, mas foi com o iPhone que Jobs mudou o mundo pela terceira vez: as pessoas passaram a ter, literalmente nas palmas de suas mãos, um computador incrivelmente poderoso, muito fácil de usar e constantemente conectado à Internet. E isso mudou a maneira como fazemos tudo!

Olhando para trás, nada disso parece assim tão incrível. Mas essa percepção vem do fato de que tudo isso está absolutamente disseminado em nossas vidas. Como Jobs disse em seu memorável discurso aos formandos da Universidade de Stanford em 2005, “Você não pode conectar os pontos olhando para a frente; você só pode conectá-los olhando para trás. Portanto, você tem que confiar que os pontos se conectarão de alguma forma no seu futuro.”

Pouco antes de morrer, Jobs escolheu Tim Cook para sucedê-lo como CEO da Apple. Apesar de ele ser muito competente e fiel às ideias de Jobs, e de a Apple não parar de crescer, muita gente acha que a empresa perdeu a capacidade de realmente mudar a vida das pessoas. E, de fato, tudo que foi lançado nessa década pela Apple acaba sendo versões melhoradas do que já existia.

Sem querer incensar os feitos do falecido, a Apple –e, de certa forma, o mundo– carece de pessoas capazes de olhar além de seus objetivos, de suas empresas, de seus produtos, de suas tecnologias. Mesmo com seu egocentrismo, Jobs olhava para os clientes, as pessoas e o mundo.

 

Pense diferente

Tanto é assim que, quando Jobs voltou à Apple, a empresa lançou a campanha de marketing “Think Different” (ou “Pense Diferente”). O comercial trazia imagens com personalidades do século XX, como Albert Einstein, Bob Dylan, Martin Luther King Jr., John Lennon, Mahatma Gandhi e Pablo Picasso.

O narrador dá a entender que todos eles, cada um a sua maneira, viveram suas vidas sem se preocupar em seguir as regras ou agradar os outros. Por isso, dava para gostar deles ou criticá-los, mas era impossível ignorá-los, pois eles empurraram a raça humana para frente. E terminava dizendo: “Enquanto alguns os veem como loucos, nós vemos gênios. Porque as pessoas que são loucas o suficiente para achar que podem mudar o mundo são as que, de fato, mudam.”

Essa mensagem pode definir a cabeça de Steve Jobs e por que, afinal ele era tão especial, apesar de todos seus problemas. Mudanças verdadeiras exigem que façamos movimentos ousados, inclusive –e talvez principalmente– aqueles que as pessoas a nossa volta considerariam loucura.

De volta ao discurso de 2005 em Stanford, Jobs conclui sua fala citando uma frase da última edição do “Catálogo do Mundo Inteiro”, uma publicação de contracultura, que circulou entre 1968 e 1972. Ela dizia: “Permaneça faminto. Permaneça tolo.”

Em um mundo que parece que se perdeu de valores que realmente importam, em que o egoísmo está em alta e onde as pessoas não sabem para onde seguir, essas palavras que conclamam a continuar buscando insaciavelmente pelo novo, mesmo quando parece tolice, se tornam ainda mais importantes.

Ainda há o que aprender com Steve Jobs.

 

Marissa Meizz (em primeiro plano), figurinista americana que usou uma decepção online para criar vários encontros presenciais para pessoas se conhecerem

Fuja do limbo entre sua “vida real” e o mundo online

By | Tecnologia | No Comments

Sou um apaixonado pela alma humana. Ela se manifesta de maneiras inesperadas e até inusitadas. Já há um bom tempo, isso se dá de forma crescente no meio online. Às vezes, temo que isso esteja indo longe demais e estejamos nos perdendo nessa virtualidade, embebidos por esse “éter digital” e desprezando o valor de atividades presenciais.

A pandemia acelerou esse processo. O distanciamento social por meses mudou algo na cabeça de muita gente. Por exemplo, mesmo com os escritórios autorizados a funcionar a plena capacidade, cresce o número de brasileiros que querem continuar no home office.

Somos seres gregários: precisamos do contato com o outro! Não podemos ir contra nossa natureza. O digital pode nos ajudar nisso, mas não pode nos sugar para dentro das telas.


Veja esse artigo em vídeo:


No mês passado, uma pesquisa da FIA (Fundação Instituto de Administração) e da FEA (Faculdade de Economia e Administração) da USP indicou que 78% dos trabalhadores brasileiros querem manter o home office, ainda que parcialmente. Já o número dos que querem voltar aos escritórios diariamente caiu de 19% para 14% desde o ano passado. Para completar, 81% dos entrevistados afirmaram que a produtividade em casa é maior ou igual à conseguida na empresa.

O que torna esse número mais emblemático é surgir nesse momento de escritórios reabertos, e tendo crescido oito pontos percentuais em um ano. Há colegas que interagem diariamente e nunca se encontraram, pois foram contratados durante a pandemia.

A audiência de plataformas digitais para conhecer outras pessoas também explodiu nesse período. No auge do distanciamento social, muitos desses encontros aconteciam apenas online. Com o relaxamento dessas regras, as pessoas estão “tirando o atraso”.

Isso me faz pensar no “Amor Líquido”, de Zygmunt Bauman (editora Zahar, 2004). Para o filósofo e sociólogo polonês, falecido em 2017, quando a qualidade das relações diminui demais, isso é compensado por uma quantidade enorme de parceiros. “Assim, a tentação de apaixonar-se é grande e poderosa, mas também o é a atração de escapar”, escreveu.

Dessa forma, a relação social construída com uma responsabilidade mútua é trocada pelo que Bauman chama de “conexão”. Ele explica que o grande apelo dessas plataformas digitais está na facilidade de se esquecer o outro, de se “desconectar”. Essa seria a forma de se relacionar na “modernidade líquida”: troca-se, sem qualquer remorso, os parceiros por outros “melhores”.

Isso nunca foi tão verdadeiro!

 

“Desvirtualizando”

Nesses 20 meses de pandemia, já propus a várias pessoas e grupos que, assim que possível, “desvirtualizemos”. Em outras palavras, devemos nos encontrar para levar nosso relacionamento a um novo patamar, especialmente para aqueles com quem me encontrei apenas digitalmente.

Esse processo acontece também de maneiras imprevisíveis. Foi o caso da figurinista Marissa Meizz. Em maio, ela soube que o vídeo de um desconhecido que a procurava já tinha alcançado 14 milhões de visualizações no TikTok. O homem havia descoberto que amigos dela dariam uma festa em um fim de semana em que viajaria, para que ela não participasse.

Obviamente isso magoou Meizz. Entretanto, ao invés de “curtir uma fossa” sozinha, essa americana de 23 anos decidiu contar sua história na mesma rede social, e se tornou uma celebridade instantânea. Graças a isso, passou a organizar eventos ao ar livre para que pessoas se tornassem amigas. E eles têm reunido centenas delas em várias cidades dos EUA.

Essa história traz duas das características essenciais dos relacionamentos online: instantaneidade e abrangência. Qualquer coisa que fizermos pode impactar grande quantidade de pessoas, de uma maneira inexplicável pelo senso comum. Mas a esmagadora maioria desses “amigos de Facebook” é, na melhor das hipóteses, as “conexões” descritas por Bauman.

Ironicamente esse tipo de relacionamento pode trazer muitos benefícios comerciais. Afinal, uma boa exposição pode ser excelente para, por exemplo, vender qualquer tipo de produto ou serviço.

O problema é que a fugacidade e a descartabilidade desses “relacionamentos líquidos” tiram de nossas mãos qualquer forma de controle sobre eles. Ficamos à mercê dos algoritmos das redes sociais, que, da mesma forma que podem levar alguém ao estrelato digital, pode reduzir o indivíduo a uma posição obscura com a mesma velocidade. Isso exige muita maturidade emocional, tanto para lidar com o sucesso, quanto com o fracasso repentinos.

Sherry Turkle, professora de Estudos Sociais de Ciência e Tecnologia no MIT (Massachusetts Institute of Technology) e autora dos livros “Alone Together” (“Sozinhos Juntos”, em uma tradução livre, Basic Books, 2017) e “Life On The Screen” (ou “A Vida na Tela”, Simon & Schuster, 2011), afirma que, à medida que a conexão digital com as pessoas aumenta, nossas vidas emocionais diminuem. Seu argumento é que, apesar de estarmos constantemente nos comunicando com outras pessoas pelas redes sociais, essas trocas acabam não sendo autênticas e nos levam à solidão.

Segundo ela, com a imposição do distanciamento social, percebemos quanto os contatos presenciais são importantes. Por isso, quando finalmente conseguem se reencontrar, as pessoas apreciam muito mais a presença do outro.

Em “Amor Líquido”, Bauman escreveu que “amar é contribuir para o mundo, cada contribuição sendo o traço vivo do eu que ama.” E continuou: “no amor, o eu é, pedaço por pedaço, transplantado para o mundo.”

Dessa forma, temos que naturalmente aproveitar todos os recursos que o meio digital nos oferece. Os aprendizados da pandemia, adquiridos a um custo tão alto, permanecerão, trazendo ganhos a tudo que fizermos e nos colocando em contato com pessoas antes inimagináveis.

Mas não podemos deixar que isso subjugue a importância do contato físico e de relacionamentos mais profundos e verdadeiros. Ainda segundo Bauman, apenas quando nos damos conta de que nossa voz é ouvida e de que nossa presença é sentida, entendemos que somos únicos e dignos de amor.

Precisamos do outro em um contato de qualidade para nos fazer perceber isso. Usemos, então, os recursos digitais com inteligência!

O Palácio do Planalto, sede do Executivo federal, em tempos de tempestade

Os reis de seus pequenos castelos digitais

By | Tecnologia | No Comments

Na última quarta, dia 15, foi o Dia da Democracia. Mas infelizmente não houve muito a se comemorar. Desde o fim da ditadura, a democracia brasileira nunca esteve sob ataque tão cerrado. Ironicamente, quem perpetra esses ataques não são aqueles que querem chegar ao poder, e sim os grupos que já estão nele. E esse campo de batalha se dá nas redes sociais.

Goste-se ou não do atual governo, é inegável que se trata de um case de sucesso global no uso dessas plataformas para atingir seus objetivos. Pela primeira vez desde a redemocratização, um grupo chegou ao poder sem depender do Horário Eleitoral Gratuito. Até então, quem tinha mais tempo na TV e no rádio ia pelo menos ao segundo turno, o que não aconteceu na última eleição presidencial.

O governo nada de braçada em algo que quase todas as pessoas e empresas apenas molham os pés: o uso do meio digital para apresentar suas ideias e conseguir clientes (no caso, eleitores). De fato, os algoritmos dessas redes têm o poder supremo de decidir quem vai se tornar o rei de um pequeno castelo digital e quem vai se afogar no raso. Dominá-los se tornou essencial!

Mas há um outro fator normalmente negligenciado pela maioria. Pode-se usar uma grande quantidade de robôs ou as técnicas mais eficientes para se colocar os algoritmos de joelhos. Mas de nada adiantarão se não se oferece algo que agrade uma massa crítica de pessoas.

No final das contas, nenhum rei se mantém no trono sem súditos.


Veja esse artigo em vídeo:


O atual governo executa as duas coisas muito bem, daí seu sucesso. Aprendeu, desde antes da eleição, como usar a seu favor algoritmos criados pelas redes sociais para vender todo tipo de quinquilharia. Assumiu, sem pudor, que é um “produto” e que, como tal, deve ser embalado seguindo os desejos de seus “consumidores”.

Bastava identificar uma demanda fortíssima de uma grande quantidade de pessoas. No caso, foi o repúdio ao governo anterior. Massacrou então os algoritmos com a ideia do “salvador do antipetismo”, usando robôs, muito dinheiro e um uso eficiente dessas plataformas. A partir daí, os algoritmos fizeram o trabalho sujo de impregnar as mentes da massa crítica popular suficiente para vencer a eleição. Uma vez eleito, a mesma tática é usada para se manter no seu castelo.

Em janeiro, a Universidade de Oxford (Reino Unido) divulgou o estudo “Desinformação industrializada: inventário global de manipulação de mídia social organizada”. A partir de dados de 2020, concluiu que essas táticas vêm sendo usadas por cada vez mais governos: em 2019, foram 70 países; no ano seguinte, já eram 81.

O Brasil ocupa o grupo intermediário na desinformação, segundo o estudo. No país, as “tropas cibernéticas” (como os autores chamam os apoiadores dos grupos de poder nas redes) se dedicam principalmente a atacar opositores do governo e aumentar a polarização na sociedade. E seu principal recurso são as fake news.

Esse grupo intermediário é formado por 37 países. Conosco também estão, por exemplo, Austrália, Bolívia, Cuba, Hungria, Polônia, México, Síria e Turquia. No grupo de 17 países com “alta capacidade de desinformar”, estão grandes potências, como Estados Unidos, China, Reino Unido e Rússia, ao lado de nações que tradicionalmente combatem a democracia, como Venezuela, Irã e Iraque.

Vale notar que os países onde a democracia aparece mais atacada pelas “tropas cibernéticas” no estudo de Oxford são os mesmos em que a população acredita pouco na imprensa, apontados no relatório “Trust Barometer”, divulgado em março pela consultoria Edelman. A única exceção é a China, em que 70% da população acredita na mídia, mas ela é fortemente controlada pelo governo, o que reforça a tese de Oxford que os governos autoritários combatem a imprensa livre.

 

Empresas e profissionais

Os algoritmos das redes sociais não são necessariamente maquiavélicos, a serviço do mau. Apesar de serem frequentemente associados à manipulação política e comercial, como qualquer ferramenta, dependem do uso que se faz deles.

Como expliquei nesse mesmo espaço há duas semanas, cabe às empresas que são donas dessas plataformas criarem mecanismos para evitar que esses recursos sejam usados como aparecem no estudo de Oxford. Elas vêm investindo bastante nisso, mas ainda falham, em parte porque a essência do seu negócio passa por essa manipulação para se vender anúncios assertivos.

Qualquer profissional ou empresa pode se beneficiar desses sistemas se entender seu funcionamento e, a partir disso, oferecer um conteúdo que atenda a demandas do seu público. E isso passa pelo alinhamento dos valores da empresa com os dos seus clientes. Quem fizer isso pode subitamente experimentar uma grande exposição nas redes sociais, positivas para qualquer negócio.

O risco de se conseguir esse sucesso repentino é ficar muito dependente dele. Da mesma maneira que ele vem “do nada”, pode desaparecer sem explicação aparente.

Isso acontece porque as plataformas digitais estão continuamente alterando as regras do que privilegiam em seus algoritmos de relevância. Por isso, uma atuação nas redes sociais que funciona muito bem hoje pode falhar amanhã.

Foi o caso de um grande grupo editorial brasileiro que viu, em 2018, sua audiência desabar 70% literalmente da noite para o dia! Eles tinham uma grande visitação por terem “dominado” o algoritmo do Google. No dia em que o buscador fez uma mudança em seus códigos, toda aquela “mágica” se perdeu, e a empresa precisou reaprender como aparecer bem nas respostas.

No final das contas, buscar uma grande exposição digital é mais que bem-vinda: tornou-se necessária nesse mundo em que negócios se constroem de maneira cada vez mais digital. Mas não se pode apostar todas as fichas nesse meio. Da mesma forma que as plataformas colocam um rei no seu pequeno castelo, elas podem derrubá-lo do trono!

 

Cortina de fumaça

Cada um de nós, como eleitores e como consumidores, precisa aprender a identificar e compreender o que as redes sociais nos jogam na cara. Em parte, a eficiência do controle dos algoritmos sobre nós se dá por não percebermos o que acontece.

“Como essas medidas são levadas a cabo gradativamente e com aparência de legalidade, a deriva para o autoritarismo nem sempre dispara as sirenes de alarme”, explica o professor de Harvard Steven Levitsky, em seu best-seller “Como as Democracias Morrem”. Segundo ele, “os cidadãos muitas vezes demoram a compreender que sua democracia está sendo desmantelada, mesmo que isso esteja acontecendo bem debaixo do seu nariz.”

É isso que não podemos deixar acontecer! Os algoritmos nos controlam apenas se permitirmos isso. Precisamos exercitar nosso senso crítico para não comprarmos qualquer coisa, seja um produto, seja um político, só porque a embalagem nos agrada e porque o mundo inteiro parece dizer que aquilo é bom.

Não é! E, ao contrário do que parece, só uma parte das pessoas afirma aquilo.

 

Tecnologia melhora a experiência do cliente, mas planejamento e empatia são críticos

By | Tecnologia | No Comments

Qualquer empresa pode –e deve– oferecer uma boa experiência ao cliente, e esse é o diferencial no mercado de hipercompetição em que vivemos. Elizabeth Almeida, vice-presidente de experiência do cliente da Abrarec (Associação Brasileira das Relações Empresa-Cliente) é categórica ao afirmar isso. “A experiência do cliente é simples, se você olhar para ele com a empatia que precisa.”

Para ela, a tecnologia dá o suporte necessário para se fazer isso mais e melhor, ideia corroborada por Paulo Manzato, vice-presidente de Vendas da empresa portuguesa Talkdesk, desenvolvedora de software para atendimento a clientes. “Sem dúvida, a tecnologia democratiza, existem produtos para todo tipo de empresa”, diz o executivo, que explica que mesmo pequenos negócios podem se beneficiar de plataformas adequadas a suas necessidades.

“O digital traz escala, para sabermos, em tempo real, o que está acontecendo com o público”, destaca Cristiane Almeida Machado, gerente de experiência do parceiro no iFood. “Assim, conseguimos vencer a barreira que o consumidor tinha sobre segurança, demonstrando muita confiabilidade nos dados e na entrega de uma compra pela Internet”.

Os três executivos participarão, na próxima terça, do debate internacional “Customer Experience Brasil-Portugal”, cuja inscrição é gratuita. O evento, organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira e pela LabStarts, buscará demonstrar as diferenças e as semelhanças nas práticas de customer experience (ou simplesmente CX) em diferentes países. Tanto que Manzato falará dos EUA, Almeida estará em Portugal e Machado participará do Brasil. O debate contará ainda com André Trancoso Rodrigues, coordenador da Sonae, maior grupo empresarial português.

Almeida explica que CX deve fazer parte do plano de negócios da empresa: “não dá para deixar isso para a sorte”. Caso contrário, mesmo com um bom produto, e experiência geral pode ser prejudicada.

Isso se tornou essencial para qualquer empresa. “Claramente existe uma correlação entre CX e receita”, afirma Manzato. O executivo da Talkedsk explica que cada cliente conquistado tem um custo, mas seu ganho se perde se ele for embora. Ele faz uma analogia: “não adianta ter a torneira enchendo seu pote se ele tiver muitos furos.”

 

Não é tão fácil

A experiência do cliente sempre foi importante, mas vem ganhando destaque nos últimos. Isso não se faz com “achismos”: informação e inteligência são essenciais, assim como querer resolver as necessidades do cliente.

“Todo mundo quer prestar um bom serviço”, afirma Manzato. “Daí você entra em decisões de budget, concorrência com outras prioridades, que vão competir com a maneira como você implementa sua CX”.

“Por muito tempo, isso foi visto como uma área de custo, focada nos interesses da própria empresa”, diz Machado. Agora a coisa mudou. Segundo ela, “estamos em uma outra era, focados no consumidor, para oferecer melhores serviços e não ‘empurrar serviços’.” Todos ganham com isso! “Se for bom, não apenas o cliente compra mais, como recomenda”, justifica Almeida.

Quando se pensa em canais de atendimento, a tecnologia digital se torna crítica, seja como ferramenta para um atendimento de excelência em canais tradicionais, seja como o canal em si. Manzato e Almeida afirmam que o telefone ainda é o canal preferido, especialmente quando o cliente quer resolver um problema. Já o e-mail funciona bem como canal informativo. Em todos os casos, o digital ajuda a tomar as decisões mais assertivas e de maneira mais rápida, inclusiva com o apoio crescente da inteligência artificial.

No caso do iFood, a interação se dá toda pelo próprio aplicativo, tanto do cliente com a plataforma ou com o restaurante, quanto do iFood com os restaurantes e entregadores. Mesmo quando o cliente decide ligar ao restaurante durante a execução de um pedido, isso se dá pelo app.

Um serviço se destaca nesse cenário: o WhatsApp, especialmente no Brasil, se tornou um canal de atendimento e de vendas, e isso ficou ainda mais forte durante a pandemia. “É uma ferramenta que não pode ser comparada com nenhuma outra”, afirma Almeida. Para Machado, ele viabilizou o surgimento de vários empreendedores, e até grandes lojas, construíram um novo tipo de relacionamento com seus clientes a partir dele.

Curiosamente, nos EUA, onde o aplicativo foi criado, ele não é o líder. “O SMS é o principal canal, depois o Facebook Messenger e só então o WhatsApp”, explica Manzato. Cada mercado tem suas particularidades.

 

Diferenças entre os países

A pandemia mudou os comportamentos do consumidor dos dois lados do Atlântico. Por exemplo, o brasileiro sempre pediu muito comida por delivery; já os portugueses, nem tanto. Esses, por sua vez, eram mais adeptos ao supermercado remoto que os brasileiros. Com a pandemia, as duas coisas mais ou menos se nivelaram nos dois países.

Segundo Machado, em março, o iFood registrou 60 milhões de pedidos. “Tem a questão da mudança de hábito do consumidor”, afirma. E a diversidade de negócios que entraram na plataforma, como mercados, farmácias e pet shops justifica esse aumento.

O nível de exigência dos clientes com as empresas também varia de acordo com o país. Manzato acredita que o americano seja mais exigente, porém mais paciente dentro do combinado: “mas, se passar do dia, aí você vê a exigência do americano”. Já o latino-americano é mais flexível, segundo ele.

Almeida traz uma particularidade interessante sobre os europeus. “Eles são menos exigentes que o brasileiro quanto à qualidade de serviço, mas, quando é bem atendido, sabe reconhecer”. Para ela, o brasileiro acha que isso é “obrigação da empresa”.

Machado concorda. “Pesquisas mostram que o brasileiro é um dos mais exigentes do mundo, em serviços de qualidade, bom atendimento, facilidade e plataformas mais intuitivas”.

As empresas precisam estar atentas a essas particularidades de cada mercado, ajustando-se aos públicos locais. “Há muita oportunidade de avançar na experiencia do cliente”, afirma Almeida. “Existem empresas que fazem isso brilhantemente e precisam ser vistas como referência.”

“Ou você faz ou deixará de existir em pouco tempo”, crava Machado. Segundo ela, isso pode ser sentido em um mercado de trabalho extremamente aquecido. “O profissional de customer experience está ajudando a empresa a crescer, a se manter competitiva”, conclui.


SERVIÇO: As inscrições gratuitas para o debate “Customer Experience Brasil-Portugal” podem ser feitas em https://bit.ly/38oLyeo

 

Tim Cook, CEO da Apple: a empresa terá que enfrentar mais uma ação por possível quebra de privacidade de usuários

Privacidade virou artigo de luxo

By | Tecnologia | No Comments

Quem nunca teve uma conversa interrompida quando a assistente virtual do celular se intrometeu sem ser chamada, falando qualquer coisa fora de contexto? Ou começou a ser bombardeado por anúncios de um produto sobre o qual falou diante do smartphone com alguém? Até parece que o aparelho estivesse nos escutando o tempo todo.

É claro que está!

As principais assistentes virtuais do mercado são a Siri (dos iPhones), o Google Assistente (dos Androids) e a Alexa (de dispositivos da Amazon), que estão sempre à espreita para atender nossos comandos de voz. Para isso, os microfones estão continuamente monitorando todos os sons do ambiente. Caso contrário, não conseguiriam saber quando são chamadas.

O problema é que elas se confundem às vezes com o que escutam. Todas possuem “palavras de ativação” (“e aí, Siri?”, “Ok, Google” e “Alexa”), mas acabam se manifestando quando ninguém disse nenhuma delas (mas o sistema acha que sim). A partir daí, começam a captar e registrar tudo que é falado para tentar atender um pedido ou executar um comando.

A situação fica ainda mais grave quando essas informações parecem ser acessadas por outras empresas, normalmente para nos vender algo. Apple, Google e Amazon negam veementemente que compartilhem esses áudios com terceiros.

Mas então por que tanta gente reclama exatamente disso?


Veja esse artigo em vídeo:


Há muito mais coisa acontecendo nos bastidores de nossos smartphones que podemos imaginar. E, com a crescente digitalização de nossas vidas, isso acontece também com muitos outros aparelhos de nossos cotidianos, como TVs.

Elas deixaram de ser meros reprodutores de imagens captadas pela antena, enviadas de maneira indiferenciada para todos os telespectadores. Tornaram-se computadores poderosos, continuamente conectados à Internet, muitas delas com microfone e câmeras embutidos, podendo ser controladas por essas mesmas assistentes virtuais. E, em muitos casos, quando o usuário desliga a TV, isso acontece apenas com a tela: o sistema continua ativo, monitorando o ambiente à espera de um comando.

Sem falar nos cada vez mais comuns alto-falantes inteligentes, como o Amazon Echo e o Google Home. Esses dispositivos também estão sempre alertas para captar comandos de seus usuários.

Seria ótimo se pudéssemos dar um comando como “ei, Siri, tape os ouvidos pelas próximas duas horas”.

 

Violações de privacidade

Essas empresas negam categoricamente que usem o áudio captado dos usuários para qualquer fim que não seja executar os comandos previstos, afirmando que respeitam profundamente a privacidade de seus usuários. Mas todas enfrentam processos ou estão sendo escrutinadas por diferentes governos por violações de privacidade ou práticas anticompetitivas.

No começo do mês, o juiz Jeffrey White, do tribunal de Oakland, na Califórnia, deu prosseguimento a uma ação coletiva que acusa a Apple de gravar conversas captadas pela Siri sem ser chamada e repassar informações para outras empresas, violando a privacidade dos usuários. Em outros processos, Google e Amazon são acusados de armazenar e registrar áudios capturados, mesmo quando as assistentes são acionadas por engano.

Em nome do benefício da dúvida, suponhamos que as empresas realmente não estejam violando a privacidade de seus usuários, ao armazenar indevidamente áudios captados ou repassando informações a terceiros. Mas, mesmo nesse caso, fica claro que todos precisam melhorar o reconhecimento das suas palavras de ativação, para diminuir invocações indevidas.

Não há como negar que isso acontece. Algumas falhas se tornam famosas, algumas por serem engraçadas, outras por serem emblemáticas. É o caso de quando uma Amazon Echo ligou para a polícia enquanto um homem espancava e ameaçava de morte sua namorada no estado americano do Novo México, em 2017. No meio das agressões, ele perguntou a ela se ela tinha “chamado o xerife”, o que foi entendido pelo aparelho como um comando para ligar para a polícia. O atendente do outro lado da linha ouviu o que estava acontecendo pela Echo e mandou uma equipe para o local.

O homem acabou preso e a mulher foi salva.

 

Será que vale a pena?

É preciso lembrar que as assistentes virtuais não são as únicas coisas que nos ouvem a partir de nossos smartphones e outros dispositivos.

É comum termos dezenas de aplicativos instalados nesses aparelhos, muitos deles com acesso ao microfone e, portanto, habilitados a captar áudios do ambiente. Alguns deles são aplicações legítimas e que fazem um bom uso desse recurso. Outros tem uma “moral mais frouxa”, digamos assim.

Tanto iPhones quanto celulares Android permitem que o usuário desabilite a palavra de ativação, o que evitaria, por exemplo, que as assistentes surgissem sem serem chamadas. Mas além disso, é possível o usuário ver todos os aplicativos que usam o microfone, revogando o acesso daqueles com que não concorde.

É preciso ficar claro que, ao fazer isso, alguns recursos podem parar de funcionar, como a chance de gravar lives no Facebook ou no Instagram, por exemplo. Então essa configuração deve ser usada com cuidado.

Por outro lado, esse exercício pode trazer algumas surpresas, como descobrir que aplicativos que simplesmente não deveriam captar áudios para seu funcionamento têm acesso irrestrito ao microfone. Nesse caso, isso deve ser revogado ou até –quem sabe?– o aplicativo ser desinstalado, pois captar áudios sem que isso traga benefícios ao usuário é, no mínimo questionável.

Qualquer que seja a decisão, uma coisa é certa: a nossa privacidade, pelo menos como a conhecíamos até há alguns anos, já era! Vivemos em um mundo de permanente arapongagem, em que somos monitorados de todas as formas possíveis, muitas delas sem que tenhamos o menor conhecimento. Não há como escapar disso completamente, a menos que passe a viver em uma caverna, sem qualquer dispositivo eletrônico.

Isso não quer dizer que vivamos no meio de uma bagunça. Legislações como a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados brasileira) ajudam a nos proteger de abusos de empresas. Mas muitas delas simplesmente passam por cima da lei, na expectativa de nunca serem pegas.

Cabe a nós, como usuários, estarmos atentos ao que está a nossa volta e fazer valer nossos direitos. A tecnologia tem que trabalhar a nosso favor, e não o contrário.

Aprendemos muito com 11 de Setembro, mas não o suficiente

By | Jornalismo | No Comments

Onde você estava quando aconteceram os ataques de 11 de setembro de 2001?

Eu me lembro em detalhes daquele dia.

Há exatos 20 anos, eu chegava para mais um dia de trabalho na America Online. Quando a porta do elevador se abriu, uma grande amiga saiu consternada e me disse: “um avião bateu no World Trade Center”.

Enquanto subia os andares, eu pensava: “como o piloto de um avião pequeno pode ser tão ruim a ponto de bater em um prédio daquele tamanho?”

Quando eu cheguei na redação, vi todas as TVs ligadas com a imagem da Torre Norte em chamas. Foi quando me dei conta que não era um avião pequeno de um piloto descuidado: aquilo só poderia ser um avião de grande porte.

A essa altura, ninguém cogitava minimamente um atentado terrorista. Foi quando, 17 minutos depois do primeiro impacto, um segundo Boeing 767 acertou em cheio a Torre Sul. A situação era tão improvável que me lembro da repórter da CNN dizendo: “meu deus, os destroços do avião caíram de uma torre na outra!”

Pensei: “mas isso não é possível de acontecer, não depois de tanto tempo.” Foi quando começamos a perceber que aquilo não era um acidente: era um ataque. E, para não sobrar nenhuma dúvida, 34 minutos depois, um Boeing 757 atingiu o Pentágono. Um segundo 757, destinado a atingir o Capitólio, caiu em um campo da Pensilvânia 24 minutos depois, pois os passageiros e a tripulação tentaram recuperar o controle da aeronave dos terroristas.

Estávamos incrédulos e desnorteados. Apesar de estar no escritório brasileiro, eu visitava a sede da AOL em Washington DC. Tinha muitos amigos lá, que estavam em pânico. Os brasileiros queriam voltar para cá de qualquer jeito, mas não podiam pois nenhum avião decolaria do território americano por muitos dias.

Em meio a tanta dor, nós tínhamos que cobrir tudo aquilo. A audiência em todos os portais bateu qualquer recorde imaginável. O serviço da AOL foi o único que não caiu entre todos os grandes portais brasileiros.

Apurávamos e escrevíamos com um nó na garganta. Vários choraram. Na época, eu atuava como gerente de projetos, não como jornalista. Mas, naquele momento, estávamos todos unidos por aquela dor dilacerante.

O século XXI só começou mesmo naquele dia. Foi o fim da época da inocência. O mundo nunca mais seria o mesmo e o terrorismo chegaria às cidades do Ocidente com força.

Os EUA fizeram várias guerras, caçaram terroristas e derrubaram tiranos. Mas hoje, 20 anos depois, vemos sua retirada desastrosa do Afeganistão, com a volta do Talibã ao poder local.

O que aprendemos nessas duas décadas? Muito! Muito mesmo! Mas, quando vejo o acirramento dos ânimos, o egoísmo, a polarização do povo, o ódio desmedido contra os iguais… sinto que não aprendemos o suficiente.

Fico feliz de ter contribuído com informação naquele tempo sombrio e por continuar a fazer o mesmo hoje. Apenas assim podemos sair disso.

 

O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, durante depoimento no Congresso americano, em 2018

Redes sociais fogem do seu papel nos ataques à democracia

By | Tecnologia | No Comments

O Brasil chegou à semana do Dia da Independência com um clima tão denso, que dá para ser cortado com uma faca, feito doce de leite cozido além do ponto. Ainda que tudo leve a crer que isso não passe de uma fumaça espessa, diz o ditado que onde ela existe, também há fogo. E o combustível para essas labaredas são as redes sociais, particularmente o pouco que elas vêm fazendo para tentar corrigir seu papel decisivo no ataque crescente à sociedade organizada.

Para quem viveu praticamente toda sua vida em um Brasil redemocratizado com o fim da ditadura militar, é inacreditável e assustador ver essa escalada da insanidade e da violência. Ela acontece porque grupos políticos usam essas plataformas digitais e o incrível poder de convencimento de seus algoritmos para incutir, em uma parcela considerável da população, a falsa ideia de que podem pensar, dizer e fazer o que bem entenderem em nome da liberdade de expressão.

Isso é uma falácia! Quando todos têm razão, ninguém tem razão! Mas o fato de as redes sociais nos colocarem em contato apenas com quem pensa como nós acaba legitimando mesmo a mais absurda porcaria.


Veja esse artigo em vídeo:


Possivelmente o exemplo mais emblemático desse momento é o motim de grupos expressivos de polícias militares pelo Brasil, abarcando de soldados a coronéis. Em nome desse suposto direito de se expressar, vêm transgredindo, de forma despudorada, seu próprio regulamento e atacando explicitamente instituições democráticas. A insubordinação é alimentada pelos grupos de poder nas redes sociais, transformando os militares em marionetes.

A gênese desse comportamento são diversas insatisfações das tropas, especialmente quanto a salários. Mas a prolongada e aguda crise política e econômica do Brasil atinge todas as categorias da sociedade. Os policiais não podem se atribuir mais direitos que qualquer outra categoria, e muito menos, para conseguir o que querem, usar a força que a sociedade lhes confere para ameaçar a mesma sociedade. Caso contrário, quem nos protegerá de quem deve nos proteger?

Winston Churchill disse em 1947 uma de suas célebres frases: “Ninguém espera que a democracia seja perfeita ou infalível. Na verdade, tem sido dito que a democracia é a pior forma de governo, excetuando-se todas as demais formas.” O ex-primeiro-ministro do Reino Unido, considerado um dos maiores estadistas da história, sabia que a democracia só funciona bem pela contraposição de ideias.

Ele deve estar se revirando no túmulo agora ao ver o que oportunistas fizeram da democracia com a ajuda das redes sociais, ao eliminar tal contraposição.

 

Poder desmedido

Não seria absurdo afirmar que nunca existiram empresas tão poderosas no sentido de transformar a sociedade, para o bem ou para o mal. As redes sociais, que surgiram como espaço lúdico para encontrar amigos e compartilhar trivialidades, se transformaram em plataformas que definem o que compramos (seu grande negócio), com quem andamos e até o que pensamos.

Suas equipes conscientemente constroem sistemas que atuam nas camadas mais primitivas de nosso cérebro. Isso é fartamente explicado no documentário “O Dilema das Redes”, disponível na Netflix. Também foi descrito cientificamente em um estudo liderado por Adam Kramer, então cientista de dados do Facebook, publicado em 2014 na prestigiosa revista Proceedings of the National Academy of Sciences, assim como em outra pesquisa, que ganhou a capa da Science, a mais importante revista científica do mundo, em 2018.

Nunca nada ou ninguém sequer rivalizou com essa capacidade de persuadir as pessoas. Trata-se de uma virtual onipotência, que é usada o tempo todo. Assim como a indústria tabagista sabia que o cigarro fazia mal e viciava os consumidores e, mesmo assim, investia em ingredientes que ampliavam a dependência, as redes sociais persistem nesse seu caminho.

Justiça seja feita, algumas dessas plataformas, inclusive o Facebook, vêm tomando ações para minimizar os pesados efeitos colaterais provocados por suas atividades. Mas isso está longe de ser eficaz, principalmente porque essas companhias ainda não assumem a verdadeira extensão desse dano.

Além disso, as ações acontecem principalmente porque elas vêm sendo pressionadas por governos ao redor do mundo, especialmente depois que explodiu o escândalo da Cambridge Analytica em 2018. Como explica outro documentário da Netflix, “Privacidade Hackeada”, essa empresa britânica de marketing político usou o Facebook para manipular milhões de pessoas favorecendo a eleição de Donald Trump para presidente dos EUA em 2016, e o Brexit, que tirou o Reino Unido da União Europeia.

E pensar que tudo isso começou com conversas inocentes de amigos.

 

A alegria na ignorância

A maioria das pessoas gostaria apenas de seguir sua vida de maneira produtiva e em paz. Mas a onipresença das plataformas digitais acaba nos arrastando para esse turbilhão.

Governos totalitários adoram isso: o pensamento único lhes favorece. Por isso, investem tanto nas redes sociais.

Isso me faz lembrar do filme “O Doador de Memórias” (2014), que retrata uma sociedade em que não há tristeza, doença ou pobreza. Mas o custo dessa harmonia é a eliminação de todas as emoções (mesmo do amor) e da liberdade. As pessoas sequer têm memórias do seu passado e veem o mundo sem cores (literalmente).

Para a governante vivida por Meryl Streep, “quando as pessoas têm a liberdade de escolher, elas escolhem errado”. Assim o governo determina até o que cada pessoa deve fazer e como deve pensar. E, para conter qualquer rebelião, todos devem tomar diariamente uma espécie de droga.

Começo a achar que as redes sociais são essa droga em nossa realidade. Muita gente topa aparentemente eliminar toda a dor e a discordância, mesmo que o custo disso seja sua liberdade, sua autonomia e seu senso crítico. Precisam apenas de alguém que os guie para esse mundo do pensamento único.

Bem, isso agora existe e está sendo implantado. Mas não dá para viver assim!

Precisamos de paz e de liberdade! Ninguém se desenvolve em um uma vida de constante incerteza e conflito, ou sendo dominado socialmente (ainda que não perceba essa dominação).

Sou progressista e liberal (ao contrário do que muitos pensam, esses conceitos não são antagônicos). Entendo que empresas não podem atuar livremente apenas para garantir seus próprios interesses. Como integrantes de uma sociedade, suas ações têm impacto na vida das pessoas e devem ser responsabilizadas quando algo que fizerem prejudicar a população.

Por isso, devemos usar as redes sociais no que elas têm de bom –e são muitas coisas! Mas não podemos deixar que elas se prestem aos objetivos nefastos de alguns grupos. O espaço que elas já ocuparam em nossas vidas não pode colocar em risco a democracia e nosso bem-estar.

Nós também somos responsáveis por tudo isso!

Enquanto alguns choram, outros vendem lenços online

By | Jornalismo | No Comments

Depois de um ano e meio de pandemia, há um consenso entre empresários de que as adversidades que ela trouxe impulsionaram um incrível avanço na transformação digital: o que aconteceria em cinco anos aconteceu em cinco semanas! Isso explica por que algumas empresas quebraram no período, enquanto concorrentes diretos não apenas sobreviveram às provações, como ainda cresceram. Mas esse não é um processo apenas tecnológico: as empresas vencedoras são aquelas que captaram as mudanças no consumidor.

Do ponto de vista do e-commerce, a recém-lançada edição 44 do relatório Webshoppers, da consultoria Ebit|Nielsen em parceria com o Bexs Banco, demonstra que o enorme crescimento do varejo digital, observado nos primeiros meses da pandemia, se consolidou em um novo patamar de consumo. Além disso, evidencia como o celular se torna, cada vez mais, o canal preferido de compra.

O consumidor quer mais e iniciativas das empresas mais agressivas permitem esse comportamento. Entregas em poucas horas, ofertas mais diversificadas de produtos vindos do mundo todo e até lives com vendedores fazem parte da atual experiência de compra.


Veja esse artigo em vídeo:


O Webshoppers 44 não deixa dúvida sobre a força do e-commerce brasileiro. Apesar do faturamento do varejo online sempre aumentar ano após ano, no primeiro semestre de 2021, ele chegou a R$ 53,4 bilhões, um crescimento de 31% sobre o mesmo período de 2020, que tinha crescido 55% sobre o primeiro semestre de 2019. Foi um recorde impulsionado pelo período mais severo do distanciamento social. Isso é muito mais que o observado nos anos anteriores, mesmo aqueles antes da crise econômica iniciada em 2015.

A quantidade de consumidores online se manteve praticamente a mesma, chegando a 42 milhões. Isso se deve ao grande crescimento no início da pandemia, quando os compradores digitais saltaram de 29,4 milhões no primeiro semestre de 2019 para 41 milhões no mesmo período de 2020. As principais portas de entrada usadas pelos clientes foram os buscadores e as redes sociais.

Para os brasileiros, as fronteiras não representam um problema. Os sites internacionais (com um especial destaque no crescimento de sites chineses) tiveram 15% a mais de pedidos.

E, por falar em China, um fenômeno que já existe lá desde 2014 se tornou mais importante para os consumidores aqui com a pandemia: o live commerce, também conhecido como shopstreaming. Trata-se de uma live em que um vendedor, uma celebridade ou um influenciador apresenta produtos ao vivo para o público, que pode tirar dúvidas e fazer a compra na hora.

Mas, ao contrário do que já se vê há décadas em programas comerciais de TV, no live commerce o apresentador efetivamente interage com o público. Além disso, ele não tem a função apenas de vender, dedicando-se também a explicar seu uso e até divertir quem está assistindo.

No ano passado, as lojas chinesas venderam US$ 200 bilhões em produtos assim. Nesse ano, devem chegar a US$ 300 bilhões! No Brasil, o Webshoppers informa que as vendas concretizadas pelo live commerce foram de 10% em média de quem assistiu aos programas.

Como se pode ver, assim como o marketing deixou de ser apenas uma ferramenta promocional há muitos anos, passando também a divertir, inspirar e educar interativamente o público, as vendas agora seguem por esse caminho.

 

Compra e entrega em qualquer lugar

O consumidor tem hoje muito poder na palma de sua mão. Literalmente!

O Webshoppers 44 mostrou que o celular continua sendo um canal cada vez mais importante para o e-commerce, com 53% do total das vendas, chegando a R$ 28,2 bilhões no primeiro semestre. Isso é um aumento de 28,4% frente ao mesmo período de 2020.

Isso não chega a surpreender. Segundo o relatório PNAD Contínua do IBGE, apenas 48,1% dos domicílios brasileiros com Internet tinham computador em 2018. Essa porcentagem vem caindo: em 2017, eram 52,4%. Já os smartphones crescem, passando de 98,7% em 2017 para 99,2% dos domicílios em 2018. Praticamente todos os domicílios brasileiros com Internet têm celulares, sendo que, em 45,5% dos casos, é a única forma de conexão.

Já não é de hoje que a experiência de compra precisa ser ótima na telinha dos smartphones, mais importante até que nos computadores. Por isso, é incrível ver que muitos varejistas –inclusive alguns grandes– continuem fazendo de seus aplicativos apenas uma versão do site ajustada para o celular. Para piorar, usam muito pouco os recursos incríveis que os smartphones têm, como sensores, localização ou a própria câmera.

Isso é dinheiro que fica na mesa: estão perdendo vendas e clientes! Precisam mudar essa cabeça!

Esse poder do usuário e a concorrência acirrada estão redefinindo também o prazo de entrega. Serviços de compra programadas, como Amazon, Magazine Luiza ou Americanas.com, que antes da pandemia demoravam dias para entregar produtos, agora fazem isso em horas, em alguns casos.

De certa forma, essas operações se sobrepõem agora a aplicativos como Rappi e iFood, acostumados a entregas em minutos. Esses, por sua vez, ampliam o tipo de produtos atendidos, não se restringindo mais a comida por motos ou bicicletas. Eles cresceram muito em pedidos de mercado, que muitas vezes precisam ser entregues por carros.

Essa entrega rápida segue outra tendência importada da China: o same hour delivery, ou seja, e-commerces que prometem fazer suas entregas dentro da mesma hora. Isso ficou tão importante lá, que bairros de grandes cidades atendidos por essa modalidade experimentaram um aumento nos valores dos imóveis.

Para cumprir essa meta, vale tudo! Reportagem de Elisa Calmon e Talita Nascimento, publicada no Estadão no sábado, mostra como o Mercado Livre se vale de barcos e até de cavalos para chegar a locais remotos do Brasil.

Como se pode ver, não dá para continuar se relacionando com o público como se fazia até antes da Covid-19. O consumidor se transformou profundamente no período de distanciamento social. Agora, com o fim das restrições, quem continuar atendendo do jeito velho poderá ficar para trás, chorando. E talvez ainda tenha que comprar lenços online.

De que lado dessa transação você quer ficar?

 

O premiado cineasta espanhol Pedro Almodóvar, que teve o cartaz de seu novo filme, “Madres Paralelas”, censurado pelo Instagram

As pessoas podem emburrecer a inteligência artificial

By | Tecnologia | No Comments

Nesse exato momento, um sistema de inteligência artificial pode estar tomando uma decisão em seu nome! Mas, apesar de sua incrível capacidade computacional, não há garantia de que esteja fazendo a melhor escolha. E, em muitos casos, os responsáveis pela falha são outros usuários.

Vivemos isso diariamente e o exemplo mais emblemático são as redes sociais. Essas plataformas decidem o que devemos saber, com quem devemos falar e sugerem o que devemos consumir. E são extremamente eficientes nesse propósito, ao exibir sem parar, em um ambiente em que passamos várias horas todos os dias, o que consideram bom e ao esconder o que acham menos adequado.

Alguns acontecimentos recentes reforçam isso, demonstrando que esses sistemas podem tirar de nós coisas que, na verdade, seriam muito úteis para nosso crescimento. Não fazem isso porque são “maus”, e sim por seguirem regras rígidas ou por estarem sendo influenciados por uma minoria de usuários intolerantes. E pessoas assim podem ser incrivelmente persistentes ao tentar impor suas visões de mundo, algo a que esses sistemas são particularmente suscetíveis.

No final das contas, apesar de a inteligência artificial não ter índole, ela pode desenvolver vieses, que refletem a visão de mundo das pessoas a sua volta.


Veja esse artigo em vídeo:


Um exemplo recente disso foi a censura pelo Instagram do cartaz do novo filme do premiado diretor espanhol Pedro Almodóvar. O pôster de “Madres Paralelas” traz um mamilo escorrendo uma gota de leite dentro de um contorno amendoado, dando ao conjunto a aparência de um olho derramando uma lágrima. O autor da peça é o designer espanhol Javier Jaén.

O algoritmo do Instagram identificou o mamilo, mas não foi capaz de interpretar a nuance artística envolvida. Como há uma regra nessa rede que proíbe fotos em que apareçam mamilos, para combater pornografia, a imagem foi sumariamente banida da plataforma. Depois de muitos protestos, incluindo de Almodóvar e de Jaén, o Facebook (que é dono do Instagram) se desculpou e restaurou os posts com o cartaz, explicando que, apesar das regras contra a nudez, ela é permitida “em certas circunstâncias, incluindo quando há um contexto artístico claro”.

Não é de hoje que o Instagram cria polêmicas ao bloquear imagens e até suspender usuários por decisões equivocadas de seus algoritmos. Um caso recorrente há anos são fotos de mulheres amamentando. Oras, amamentação só é pornografia na cabeça de pervertidos… e de alguns algoritmos.

O sistema é bastante inteligente para identificar um mamilo entre milhões de fotos, mas muito burro para interpretar os contextos. Ironicamente vemos baldes de fotos com proposta altamente sexualizada no mesmo Instagram, que “passam” porque os mesmos mamilos são cobertos, às vezes com rabiscos grosseiros sobre a foto.

Ou seja, quem age naturalmente, com algo que está dentro do que a humanidade considera normal e até positivo pode ser punido. Por outro lado, quem “joga com o regulamento debaixo do braço” (como se diz nos torneios esportivos) pode driblar o sistema para atingir seus objetivos impunemente.

 

Ferramenta de intolerância

Em um programa de computador convencional, o desenvolvedor determina que, se uma condição A acontecer, o sistema deve executar a ação B. Nesse modelo, o profissional deve parametrizar todas as possibilidades, para que a máquina opere normalmente.

Na inteligência artificial, não se sabe de antemão quais condições podem acontecer. O sistema é instruído a tomar ações seguindo regras mais amplas, que são ajustadas com o uso.

A máquina efetivamente é capaz de aprender o que seus usuários consideram melhor para si. Com isso, suas ações tenderiam a ser mais eficientes segundo o que cada pessoa aprova e também pela influência do grupo social que atende.

O problema surge quando muitas pessoas que usam um dado sistema são intolerantes ou têm valores questionáveis. Nesse caso, elas podem, intencionalmente ou não, corromper a plataforma, que se transforma em uma caixa de ressonância de suas ideias.

Um dos exemplos mais emblemáticos disso foi a ferramenta Tay, lançada pela Microsoft em março de 2016. Ela dava vida a uma conta no Twitter para conversar e aprender com os usuários, mas ficou apenas 24 horas no ar.

Tay “nasceu” como uma “adolescente descolada”, mas, depois de conversar com milhares de pessoas (muitas delas mal-intencionadas) rapidamente desenvolveu uma personalidade racista, xenófoba e sexista. Por exemplo, ela começou a defender Adolf Hitler e seus ideais nazistas, atacar feministas, apoiar propostas do então candidato à presidência americana Donald Trump e se declarar viciada em sexo.

A Microsoft tirou o sistema do ar, mas o perfil no Twitter ainda existe, apesar de ser agora restrito a convidados, não ter mais atualizações e de os piores tuítes terem sido excluídos. A ideia é promover a reflexão de como sistemas de inteligência artificial podem influenciar pessoas, mas também ser influenciados por elas.

 

Tomando decisões comerciais

Em maio de 2018, o Google deixou muita gente de boca aberta com o anúncio de seu Duplex, um sistema de inteligência artificial capaz de fazer ligações para, por exemplo, fazer reservas em um restaurante. Na apresentação feita no evento Google I/O pelo CEO, Sundar Pichai, a plataforma simulava com perfeição a fala de um ser humano e era capaz de lidar, em tempo real, como imprevistos da conversa.

O produto já foi integrado ao Google Assistente na Austrália, no Canadá, nos Estados Unidos, na Nova Zelândia e no Reino Unido. Mas, diante da polêmica em que muita gente disse que se sentiria desconfortável de falar com um sistema pensando que fosse outra pessoa, agora as ligações do Duplex informam ao interlocutor, logo no começo, que está falando com uma máquina.

No final de 2019, fui convidado pela Microsoft para conhecer o protótipo de um assistente virtual que ia ainda mais longe, sendo capaz até de tomar decisões comerciais em nome do usuário. Muito impressionante, mas questionei ao executivo que a apresentou qual a certeza que eu teria de que a escolha feita pelo sistema seria realmente a melhor para mim, sem nenhum viés criado por interesses comerciais da empresa.

Segundo ele, o uso de uma plataforma como essa implicaria em uma relação de confiança entre o usuário e ela. O sistema precisa efetivamente se esforçar para trazer as melhores opções. Caso contrário, se tomar muitas decisões erradas, ele tende a ser abandonado pelo usuário.

Essa é uma resposta legítima, e espero que realmente aconteça assim, pois o que vi ali parecia bom demais para ser verdade, apesar da promessa de que estaria disponível no mercado em um horizonte de cinco anos. Mas infelizmente o que vemos hoje nas redes sociais, que nos empurram goela abaixo o que os anunciantes determinam, coloca em xeque a capacidade de as empresas cumprirem essa promessa.

O fato é que a inteligência artificial está totalmente integrada ao nosso cotidiano, e isso só aumentará. Com seu crescente poder de influência sobre nós, os desenvolvedores precisam criar mecanismos para garantir que esses sistemas não abandonem valores inegociáveis, como o direito à vida, à liberdade e o respeito ao próximo, por mais que existam interesses comerciais ou influências nefastas de alguns usuários.

Quanto a nós, os humanos que se beneficiam de todos esses recursos e que têm o poder de calibrá-los para que nos atendam cada vez melhor, precisamos ajustar nossos próprios valores, para que não caiamos nesse mesmo buraco moral.

Assis Chateaubriand, o “rei do Brasil”, que construiu um império de mídia na primeira metade do século XX só porque “queria ter opinião”

A verdade e os limites de cada um

By | Educação | No Comments

Segundo consta, o paraibano Assis Chateaubriand (que aparece na foto acima) começou a construir seu império de comunicação dos Diários Associados porque queria “ter opinião”. No início de sua carreira, ouviu do patrão que, para falar o que bem entendesse, tinha que comprar um jornal. E foi o que fez! Depois outro, outro e mais outro, até ser dono do maior conglomerado de mídia da América Latina na primeira metade do século XX, que chegou a contar com mais de cem jornais, emissoras de rádio e TV, revistas e agências.

Nada mal para quem só queria publicar suas ideias sem pedir permissão ao outro!

Passados cem anos, a coisa ficou bem mais simples. Não é preciso ter jornal, nem rádio, nem TV para expressar sua opinião. Basta uma conta nas redes sociais.

O problema é que, como diz o ditado, “quem nunca comeu melado, quando come, se lambuza”. Opinião todo mundo pode ter sobre tudo, inclusive religião, futebol e, mais recentemente, política. Mas ter opinião embasada e saber expor isso de forma respeitosa e construtiva exige habilidades que poucos carregam. E, nesse emaranhado de ideias sem limite, pessoas e empresas tentam se encontrar.


Veja esse artigo em vídeo:


Chatô, como era conhecido Chateubriand, virou o “rei do Brasil” pelo poder que construiu na mídia. Acabou incorporando a bravata do antigo chefe, que repetia a seus subordinados: “se você quiser ter opinião, compre um jornal (ou uma revista)!” Defendia seu direito de se expressar, mas não que outros promovessem suas “verdades”, especialmente as contrárias às suas.

Esse comportamento condenável combinava com a personalidade autoritária e egocêntrica de Chatô. Apesar do poder acumulado, estava longe de ser um exemplo a ser seguido. Infelizmente agora a Internet permite que isso se multiplique indefinidamente por pessoas de todo tipo e todo lugar, donos de seus “pequenos castelos”.

Esse diálogo de surdos nas redes sociais se construiu porque as pessoas confundem sua opinião com fatos. É possível acreditar em algo, é possível repetir isso mil vezes, mas não é possível ser dono dos acontecimentos.

A intensa virtualidade em que vivemos, reforçada pelas várias horas que passamos metidos nas redes sociais todos os dias, favorece essa sensação de poder se controlar a verdade: qualquer coisa que dissermos nessas plataformas ecoará em muitas pessoas, graças aos algoritmos que criam bolhas de pensamento único a nossa volta.

Não podemos perder as referências do real e de nossa humanidade por essa sensação de falso poder. E isso nos traz outro desafio de nosso tempo, que é o de se posicionar, de promover a proximidade com o outro sem parecer oportunista ou piegas. Pelo contrário, como fazer isso de maneira construtiva e genuína?

 

Coragem e vulnerabilidade

O cenário de insana polaridade que vivemos decorre disso. Quando todos têm razão, ninguém tem razão. É como se, de repente, o Brasil fosse tomado por milhões de Chatôs.

Essa intolerância pode calar muitas boas vozes: pessoas não apenas com opinião, mas também com embasamento, só que sem interesse em entrar nos intermináveis e infrutíferos debates online. Daí, para se proteger, criam “couraças” sobre a pele.

Mas –suprema ironia– as redes sociais justamente premiam quem se mostra. Considerando que a presença nessas plataformas se tornou essencial para se posicionar, fica o dilema de como fazer isso sem se machucar.

Um dos caminhos é se demonstrar autêntico, despir-se da defesa da couraça. Para isso, é preciso coletar excelentes argumentos e fatos de fontes fidedignas antes de se pronunciar. E, nesse processo, temos um ganho secundário importantíssimo, que é separar aqueles que “falam apenas porque têm boca” dos que realmente têm algo útil a se dizer.

Não é uma tarefa simples. Em nossa sociedade competitiva e guiada pela tal meritocracia, mostrar-se genuinamente virou algo de certa forma indesejado. Ao tirarmos as “máscaras”, mostramos nossas imperfeições, e isso é visto como sinal de fraqueza, de alguém que não deve ser, por exemplo, contratado para um trabalho.

Esse pensamento é um grande erro, pelo simples fato de que ninguém é perfeito. Segundo Brené Brown, pesquisadora em serviço social da Universidade de Houston (EUA), “imperfeições não são inadequações: são um lembrete de que estamos nisso todos juntos.”

Brown é uma referência internacional quando se trata de vulnerabilidade. Para ela, demonstrar-se vulnerável pode ser uma poderosa ferramenta de autoconhecimento, que nos permite identificar e melhorar nossas deficiências e reforçar nossas habilidades. Esse é um passo essencial para demonstrarmos empatia por nós mesmos. Sem isso, não seremos eficientes em ser empáticos com o outro.

Não precisamos ter respostas para tudo na ponta da língua. Ninguém sabe tudo sobre algo e nem algo sobre tudo. Sempre teremos o que aprender. Dessa forma, o antídoto para a intolerância das redes passa pela coragem de se demonstrar vulnerável e construir algo com isso.

 

“Meta as caras”

Muito antes de saber dessas histórias de Chateubriand, eu criei um jornal, um tabloide mensal que chegou a ter 52 páginas coloridas e 50 mil exemplares por edição, que durou de 1991 a 1998.

O que me motivava era compartilhar um pouco do que eu sabia com muita gente, em um tempo em que a Internet comercial ainda não existia (só foi liberada no Brasil no fim de 1994) ou era muito restrita.

Era o começo da minha carreira. Ainda havia muito a se lapidar em mim, mas acreditava que podia contribuir com as pessoas. E fazia isso cuidadosamente, da melhor maneira que podia. Quando o impresso acabou, eu já tinha o digital para ampliar minha voz.

Hoje, só no LinkedIn, tenho mais de 750 mil seguidores. Naturalmente nem todos veem o que publico, e, dos que veem, nem todos gostam. E está tudo bem! Eu não quero ter uma opinião para impor aos outros e não sinto que sou dono da verdade. Entretanto, ao escrever um artigo, gravar um vídeo, fazer um simples post, procuro saber muito bem do que estou falando e me apresentar com autenticidade.

Em um mundo tão complexo como o atual, precisamos de menos Chatôs e de mais Brené Browns. Portanto, convido você a trilhar esse caminho da vulnerabilidade, da empatia e do compartilhamento de ideias construtivas. Ganhará você e quem você tocar.

 

O filósofo austríaco Karl Popper, criador do "paradoxo da tolerância"

O dilema do bom produtor de conteúdo

By | Tecnologia | No Comments

Em um mundo dominado pelo meio digital, em que as redes sociais ajudam a construir impérios e a vender de tudo, produzir conteúdo deixou de ser prerrogativa de empresas de comunicação e de jornalistas. Pessoas e negócios de todo tipo se aventuram nessa tarefa para se posicionar. Mas o que poderia ser algo benéfico e até divertido pode ganhar contornos sinistros, graças à intolerância nessas plataformas. E isso faz muita gente boa sofrer com suas publicações ou duvidar se deve se expor assim.

Na semana passada, o filho de 16 anos da cantora de forró Walkyria Santos se suicidou depois de receber uma enorme quantidade de comentários homofóbicos. Tudo porque ele havia publicado um vídeo que viralizou no TikTok, em que simulava um beijo em um amigo.

Esse é um caso extremo, mas infelizmente não é único. Além disso, vemos todos os dias uma enxurrada de ataques gratuitos, pesados e extremamente virulentos contra pessoas que fizeram publicações inofensivas e às vezes até positivas para a sociedade. Entretanto, por não concordarem com algo que foi dito, os “valentões digitais” não têm limites na sua fúria para desqualificar as ideias e destruir o autor.

Chegamos a um ponto irracional em que se produz conteúdo o tempo todo, mas isso pode subitamente destruir uma reputação e provocar grande sofrimento.


Veja esse artigo em vídeo:


É absolutamente injustificável um ataque desumano como o sofrido pelo filho de Walkyria Santos. A maioria desses agressores possivelmente não faria o mesmo olhando nos olhos da vítima, mas protegidos pela ilusão da “manada digital”, que justifica e incentiva o ódio e a intolerância, cada um deles agora carrega uma parcela da culpa pelo suicídio do jovem. O problema é que eles nem devem estar se importando com isso, seguros do outro lado da tela.

É praticamente impossível agradar todo mundo, ainda mais quando todos parecem ter opinião sobre qualquer assunto. Os algoritmos das redes sociais, que nos colocam em contato apenas com quem pensa como nós, estão destruindo a empatia e a capacidade de se construir com as diferenças.

O ativista político e pesquisador do meio digital Eli Pariser descreveu isso há uma década, com o conceito de “filtros-bolha”. Segundo ele, os algoritmos não são éticos ao tentar nos mostrar apenas o que nos agrada, barrando qualquer pensamento dissonante, tudo para aumentar a audiência das plataformas digitais.

Longe de ser um exagero, o conceito de Pariser é um fato que nos embrutece e nos torna menos tolerantes, resultando nesse cenário insustentável em que vivemos. A sociedade entrou em uma desnecessária autofagia.

 

O paradoxo da tolerância

É triste observar tudo isso!

A Internet comercial nasceu em 1994 como um espaço muito democrático, em que todos podiam se expressar livremente. Ninguém a imaginava como a máquina política de manipulação que se tornou nos últimos anos. Era um cenário idílico, em que todos falavam e ninguém se agredia (sim, a Internet já foi assim!).

Como pesquisador do meio digital e jornalista que atua nele desde seu primeiríssimo momento, defendo essa liberdade e combato os intolerantes, o que pode parecer uma contradição. Mas ela foi perfeitamente descrita em 1945 pelo filósofo austríaco Karl Popper (que aparece na foto no alto deste artigo) com seu “paradoxo da tolerância”, no best-seller “A Sociedade Aberta e Seus Inimigos”.

Segundo ele “a tolerância ilimitada leva ao desaparecimento da tolerância”. O filósofo explica que “se não estivermos preparados para defender a sociedade do assalto da intolerância, então os tolerantes serão destruídos e a tolerância com eles”. Ele afirma que não é necessário calar as filosofias intolerantes, desde que possam ser combatidas com argumentos racionais e mantidas em xeque frente à opinião pública.

Popper alerta, entretanto, que os intolerantes podem não estar preparados para lidar com a razão, “a começar por criticar todos os argumentos e proibindo seus seguidores de ouvir argumentos racionais, porque são enganadores e os ensinam a responder aos argumentos com punhos ou pistolas”.

Alguma semelhança com o mundo atual?

Popper sugere que devemos então, em nome da tolerância, não tolerar o intolerante. E conclui que “devemos exigir que qualquer movimento que pregue a intolerância fique fora da lei e que qualquer incitação à intolerância e perseguição seja considerada criminosa”.

 

O raso combatendo o profundo

Cada um dá aquilo que tem! Infelizmente, as pessoas estão com cada vez menos recursos intelectuais, então se valem da agressividade e da divisão para combater quem tem a profundidade da qual não dispõem.

O problema é que essa violência dói em quem está querendo se posicionar de maneira construtiva. Por isso, vejo muita gente que poderia contribuir brilhantemente com a sociedade nas redes se calando para evitar ser envolvido em algum turbilhão insano, que prejudique sua imagem e até sua saúde mental.

Em resumo, os únicos que ganham com isso são os rasos, os intolerantes, aqueles que querem achatar toda a sociedade a seu nível.

Àqueles que querem usar as redes sociais para se posicionar, eu sempre digo que façam isso com um bom conteúdo. E, por “bom conteúdo”, entenda-se algo que apresente suas qualidades, contribua com o crescimento de quem verá aquilo, e não ofenda ou diminua ninguém. Quem tem a pretensão de criar uma boa imagem no meio digital deve entender que isso deve ser feito de maneira construtiva, e não praticando a intolerância ou cometendo crimes.

Claro –como já expliquei– sempre haverá o risco de “receber pedradas” mesmo quando se fizer tudo corretamente. Por isso, a sugestão é publicar sempre com segurança do que se está fazendo ou dizendo. No caso de ataques, haverá argumentos para se apresentar.

É verdade que eles podem ser muito agressivos, e acabam abalando o autor. Alguns ainda fazem isso para tentar crescer um pouco ao criticar alguém de mais envergadura moral e intelectual. Mas não se deve deixar abater por isso. O “idiota da aldeia”, como o filósofo italiano Umberto Eco descreveu em 2015 esses tipos que florescem no pus do ódio das redes sociais, sempre podem ser ignorados ou até mesmo bloqueados.

Ou resgatamos a nossa capacidade de conviver em harmonia com as diferenças, construindo com elas ao invés de silenciá-las, ou corremos o risco de deixar de sermos uma espécie viável no futuro. Não podemos nos tornar uma sociedade medíocre pela agressividade dos intolerantes.

Portanto, para esses, o conselho é: cuidado ao atacar alguém só porque a “manada” justifica. Isso pode ferir uma pessoa profundamente. Se esse comportamento não for combatido, o agressor pode ser a próxima vítima.

A mentira dita mil vezes

By | Educação | No Comments

O governo federal parece ter agora apenas um único objetivo: desacreditar as urnas eletrônicas e instituir o voto impresso. A pandemia, o desemprego e tantas outras mazelas do Brasil parecem ter sumido, pois o ataque ao sistema eleitoral brasileiro se tornou um assunto onipresente nas falas de Bolsonaro. É de se perguntar o porquê dessa insistência insana.

Para quem conhece um pouco da história e da política, esse movimento é facilmente explicável. Ele segue um padrão de convencimento popular formalizado há cerca de 90 anos, mas que foi reforçado pelo advento das redes sociais.

Na quinta, o mandatário não cumpriu a promessa de demonstrar as falhas da urna eletrônica, em uma transmissão recheada de vídeos antigos e argumentos falsos, todos largamente desmentidos por autoridades e especialistas. Ainda assim, insiste na tese e convoca seus apoiadores para lutar por ela.

Essa linha de ação segue o conceito de que “uma mentira dita uma vez é apenas uma mentira; já uma mentira dita mil vezes se torna verdade”.


Veja esse artigo em vídeo:


Essa tese foi organizada por Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Adolph Hitler, para legitimar suas atrocidades. Foi dessa maneira que os alemães na década de 1930 apoiaram a política do seu Fürher contra os “inimigos do povo”, com a qual se consolidou no poder, tornou-se ditador, promoveu a Segunda Guerra Mundial e realizou o Holocausto. As ações dos apoiadores do líder nazista podem ser vistas no premiado documentário “Arquitetura da Destruição” (disponível gratuitamente e legendado no YouTube).

Aquilo parece monstruoso a nossos olhos, mas, guardadas as proporções, é exatamente o mecanismo atual, com o agravante de que se espalha mais rapidamente pelas redes sociais. Agora, para se tornar “verdade”, uma mentira não se repete mais mil vezes, e sim um milhão de vezes, o que torna o processo mais eficiente.

Esse modus operandi não tem nada a ver com um governo ser progressista ou conservador, de esquerda ou de direita. Tem a ver com um governo ser autoritário e querer se perpetuar no poder a qualquer custo.

A história é pródiga em demonstrar isso, sendo que alguns de seus mais perfeitos expoentes foram legitimamente eleitos em um primeiro momento, como Donald Trump, Hugo Chávez e Adolph Hitler. Dos três, o único que fracassou em seus objetivos foi o primeiro, mas não sem deixar um grande custo, com os Estados Unidos rachado ao meio, culminando com a grotesca invasão do Capitólio, em que seus apoiadores invadiram violentamente o Congresso para tentar impedir o anúncio da vitória de seu opositor, Joe Biden.

 

“Engana que eu gosto”

Não se trata de uma loucura coletiva. Por uma característica evolutiva de autopreservação da espécie, as pessoas acreditam naquilo que lhes for mais conveniente, mesmo que a manutenção de alguns de seus privilégios prejudique muitas pessoas ou até coloque a democracia em risco.

Quando são expostas a apenas uma narrativa, baseada em fatos, na ciência ou em instituições de grande reputação, acatam mesmo o que não gostam, resignando-se. Mas, na primeira oportunidade de alguém lhes apresentar uma versão contrária e mais palatável, abraçam cegamente o mentiroso, como uma tábua de salvação.

Esse mecanismo de interesse de manada contra a verdade foi descrito em 2016 pelo renomado Dicionário Oxford. Naquele ano, seus organizadores elegeram “pós-verdade” como a “palavra do ano”. Na sua definição, ela é “relativa ou referente a circunstâncias nas quais os fatos objetivos são menos influentes na opinião pública do que as emoções e as crenças pessoais.”

Mas isso precisa ser construído! A narrativa mentirosa, que interessa a esses grupos específicos, precisa fazer frente à realidade, sufocando os fatos e expondo incansavelmente a alternativa por todos os métodos disponíveis.

Por isso, a boa imprensa sempre é uma pedra no sapato de governantes, especialmente dos autoritários. A despeito de suas imperfeições, ela tem a função essencial de fiscalizar todo governo, impedindo-o de extrapolar suas prerrogativas. Se um veículo não fizer isso, não está fazendo bom jornalismo.

Goebbels sabia e censurou a imprensa, classificando as vozes dissonantes de “inimigos do povo”. Os nazistas não viam problema em desqualificar, censurar, prender e até matar quem se opusesse a eles. Por outro lado, como se vê em “Arquitetura da Destruição”, todos os recursos eram usados para reforçar sua visão, como eventos populares, o esporte, a cultura, as artes e até a arquitetura.

 

As redes sociais e a mentira

Em democracias consolidadas, calar a imprensa não é tarefa simples. Como os veículos de comunicação alcançam milhões de pessoas, sua voz tem enorme poder.

Mas ela ganhou um contraponto há cerca de 20 anos, com o surgimento das redes sociais. Pela primeira vez, as ideias de qualquer pessoa poderiam potencialmente atingir uma enorme quantidade de indivíduos, até mesmo em outros países.

Em um primeiro momento, foi incrível, pois a informação parecia ser mais democrática. Mas, de uma década para cá, grupos de poder aprenderam a usar esse recurso para impor a sua “pós-verdade”, travestindo-a de “voz do povo”. Obviamente trata-se de um engodo! Mas, como os algoritmos não têm ética e nem moral, é o suficiente para convencer milhões de pessoas.

Os “robôs” são essenciais nesse cenário para dar o primeiro empurrão e apresentar as mentiras nas redes sociais para quem deseja que aquilo seja verdade. A partir daí, essas pessoas espalharão essas fake news. Mas ainda não é suficiente. É preciso criar um discurso uníssono para consolidar a falcatrua. Exatamente como se faz agora contra as urnas eletrônicas.

Elas são perfeitamente auditáveis, enquanto os votos impressos (mesmo impressos automaticamente) são facilmente fraudáveis. E não é preciso adulterar uma enorme quantidade de votos impressos: apenas o suficiente para criar uma diferença entre essa contagem e o das urnas eletrônicas, para se criar uma insegurança jurídica em torno dos resultados da eleição. A partir daí, pode-se querer impugnar o resultado com o respaldo de uma parcela considerável da população, que acredita na farsa.

As circunstâncias nunca foram tão favoráveis para que uma mentira dita mil vezes se torne verdade. Para que uma democracia sobreviva, as pessoas devem ter acesso a fontes de informação diversas e confiáveis.  Precisam também ser convidadas a pensar e a contestar o que chega para elas, especialmente quando parece ser incrivelmente suculento para os seus valores e os seus desejos.

E isso é bem difícil. Mas é exatamente aí que reside a mentira que quer se tornar verdade!