Daily Archives: 3 de maio de 2021

O segredo do meme de R$ 2,5 milhões

By | Tecnologia | No Comments

Quem pagaria R$ 2,5 milhões por um meme que pode ser baixado gratuitamente da Internet? Isso pode parecer completamente estúpido, mas aconteceu há poucos dias. E acredite: faz sentido!

Memes são imagens que se tornam muito populares nas redes sociais e são usadas fora do seu contexto original para passar mensagens ou fazer piadas. Ninguém pede autorização ao criador da imagem ou a quem aparece nela para usá-las, e nem por isso alguém é processado por violação de direitos autorais.

É natural, portanto, perguntar por que alguém faria essa aparente extravagância de pagar uma fortuna por uma foto que está disponível na rede, e continuará assim. Mais que isso: como alguém pode garantir ser o legítimo dono após comprar uma imagem reproduzida digitalmente milhões de vezes?

A explicação é o NFT, sigla em inglês para “tokens não fungíveis”, uma modalidade de comercialização de arte digital viabilizada por uma interessante combinação de tecnologia e mudança cultural. Ainda que isso garanta a propriedade da obra, é de se pensar como um meme pode chegar a valer R$ 2,5 milhões.


Veja esse artigo em vídeo:


A obra em questão foi batizada de “Disaster Girl”, e possivelmente você já a viu em alguma rede social. Ele traz a foto de uma menina com um sorriso maroto diante de uma casa um chamas ao fundo.

Disaster Girl

“Disaster Girl”, meme que foi vendido por R$ 2,5 milhões

Não se trata de uma montagem: a foto é legítima, tirada em 2005. A menina tem nome: Zoe Roth, que agora está com 21 anos. Ela descobriu o conceito de NFT e, por ser ela a criança retratada em um meme extremamente popular, conseguiu dar a ele o status de obra de arte, e comercializá-lo em um leilão no dia 16 de abril, que lhe rendeu cerca de US$ 473 mil. Na verdade, o pagamento foi feito com uma criptomoeda chamada ether: a obra foi arrematada pelo usuário 3FMusic por 180 ethers.

Tudo isso pode parecer virtualidade demais para muita gente. Mas acredite: é bem real, por mais que tudo aconteça em um espaço digital. E isso começa pela criptomoeda, que, apesar de não ser garantida pelo banco central de nenhum país, tem alta liquidez e pode ser facilmente convertida em praticamente qualquer moeda “convencional” do mundo, inclusive dólares e reais.

A tecnologia que garante quem é o dono de uma obra comercializada como NFT é o blockchain, que ganhou força na última década. Funciona como se fosse um livro-razão digital replicado em milhares de computadores no mundo. Ou seja, é uma maneira bastante confiável de armazenar qualquer informação, pois o blockchain não permite que um dado seja apagado ou alterado, e qualquer mudança em uma informação precisa ser autenticada em todos esses servidores pelo dono dos dados. Aliás, o mesmo blockchain é o que garante as transações com as criptomoedas, que têm no Bitcoin sua maior estrela.

 

“Ninguém é de ninguém?”

Mas nada disso ainda explica como alguém pode ser dono de algo que continua disponível para ser copiado e modificado livremente nas redes. Mais ainda: por que alguém pagaria essa dinheirama toda por algo que qualquer um poderá continuar usando sem pagar.

Essa é a grande mudança de paradigma do NFT. Ao comprar uma obra de arte digital, a pessoa passa a ser reconhecida como sua legítima dona, mas isso não lhe garante nenhum controle ou remuneração por qualquer reprodução do material. Além disso, os direitos autorais continuam sendo do autor da obra.

A melhor maneira de entender isso é mudando o foco da arte digital –que pode ser facilmente reproduzida pela Internet– para uma obra de arte física, como um quadro ou uma escultura. Por mais que ela exista, tenha um dono e esteja exposta em algum lugar, nada impede que ela seja reproduzida, por exemplo, em fotografias.

Pense no caso de um quadro famoso em um museu, como “O Grito”, obra-prima do movimento expressionista. Esse caso é interessante, porque o norueguês Edvard Munch pintou quatro quadros semelhantes com esse título: dois estão no Museu Munch, em Oslo (Noruega), outro na Galeria Nacional de Oslo e o quarto faz parte de uma coleção particular. Aliás, em 2012, esta última tornou-se a pintura mais cara da história, arrematada em um leilão por US$ 119,9 milhões.

Ainda assim, essa obra é reproduzida em pôsteres (que são vendidos), em publicações de todo tipo, em fotos de turistas e até na Internet, incluindo aí (ironicamente) como memes. Os proprietários dos quadros originais não recebem nada por isso, sequer têm qualquer controle sobre essas reproduções. Mas ninguém duvida que eles são os donos dos originais e, se algum dia resolverem vendê-los, serão remunerados por isso.

Com o NFT, a obra de arte digital ganha esse mesmo status. Talvez o que cause mais estranheza é que, nesse caso, as reproduções são cópias fiéis do original, mas elas continuam com o status de “cópia”.

Everydays: The First 5000 Days

“Everydays: The First 5000 Days”, NFT mais caro até agora, leiloado por US$ 69,3 milhões

O recorde de valor de um NFT aconteceu em março. O artista Beeple entrou para a história com sua obra “Everydays: The First 5000 Days” (algo como “Todos os dias: Os Primeiros 5000 Dias”), uma colagem de 5.000 imagens do seu cotidiano. Ela foi leiloada por US$ 69,3 milhões (cerca de R$ 13 milhões), tornando-se a terceira obra mais cara de qualquer artista vivo.

 

A cultura remix

Todo esse movimento, incluindo aí os memes, tangencia outro importante movimento cultural, surgido nos anos 1970, mas amplamente difundido pela tecnologia digital: a cultura remix.

Trata-se da criação de novas obras de arte pela mistura ou mudança de obras de outros autores. Muitas vezes feitas como homenagens de fãs, essas produções são criadas sem autorização prévia (e, às vezes, sem conhecimento) dos criadores dos originais.

Possivelmente o melhor exemplo da cultura remix seja Star Wars, que dá origem a incontáveis filmes, livros, quadrinhos, imagens, eventos e uma infinidade de outras coisas que os fãs da saga espacial criam.

De certa forma, o próprio Star Wars, a obra original, é cultura remix! George Lucas construiu toda a história em cima do conceito da Jornada do Herói, criada pelo grande mitólogo americano Joseph Campbell, em 1949. Ele também usou fortemente cenas de filmes de combates aéreos e tem estruturas de obras do cineasta japonês Akira Kurosawa.

Vale dizer que, quando os fãs começaram a criar tudo isso, a Lucasfilm não gostava da ideia, e chegou a processar vários deles. Mas acabaram percebendo que isso era contraditório, pois todo aquele trabalho acabava alimentando ainda mais a devoção das multidões pelo seu produto. Por isso, a empresa não apenas parou com os processos, como, de certa forma, incentiva essas expressões artísticas.

 

O valor das coisas

Ainda fica a questão: como um simples meme pode valer R$ 2,5 milhões?

Temos que entender que qualquer coisa têm o valor que as pessoas atribuem a ela. Não se pode pensar que Edvard Munch teve muito mais trabalho para pintar seus quadros que Zoe Roth ao ser fotografada no meme: essa não é a medida do valor.

A menina jamais imaginaria que sua foto se tornaria tão conhecida. Da mesma forma, existem muitíssimo mais artistas que permanecem anônimos que aqueles que fazem sucesso.

O valor de qualquer obra, física ou digital, está associada a sua popularidade. É por isso que não se pode achar que qualquer imagem feita no computador vá se tornar uma obra de arte.

Pelo mesmo raciocínio, na Idade Média, as obras sequer eram assinadas pelos seus autores. Elas não eram vistas como um produto. Hoje, muitas tem algum valor, por aspecto histórico. Mas nenhuma vale tanto quanto trabalhos dos grandes nomes do Renascimento, que veio logo depois.

Por isso, antes de procurar qual arquivo no seu computador pode ser vendido como NFT, pense no valor que outras pessoas já atribuem a ele.