burnout

As redes metem o dedo em nossas “feridas morais”

By | Tecnologia | No Comments

Com os números da vacinação crescendo e os de casos e mortes por Covid-19 diminuindo, a sociedade tenta reencontrar seu caminho para uma vida que se poderia chamar de “normal”. Mas, para algumas pessoas, isso pode ser bem difícil, pois foram “feridas em sua alma”, uma ferida moral, por motivos que vão muito além da pandemia. E o meio digital agrava esse quadro.

Não se trata de depressão (apesar de poderem estar associadas), nem de burnout, um esgotamento causado por trabalhar sem limites. Esses dois problemas de saúde mental explodiram durante os últimos anos, e muito se fala deles. Já as feridas morais são menos debatidas e, por isso mesmo, menos compreendidas. Mas seus efeitos podem ser igualmente perigosos.

As feridas morais surgem quando algo em que a pessoa acredita profundamente, seus valores ou sua visão de mundo são violentados em um nível ou com uma frequência que ela não consegue assimilar. Isso produz sentimentos negativos dolorosos, como impotência, culpa, vergonha, e, em casos mais graves, raiva e desorientação.

Isso pode acontecer quando o indivíduo faz ou deixa de fazer algo muito sério e que considera correto por imposição de regras ou de superiores. Esse dano também pode surgir quando a pessoa convive em um ambiente em que seus valores são atacados continuamente, sem que possa os defender. Justamente nesse segundo caso, as redes sociais podem funcionar como um agravante.

Não se trata de uma psicopatologia, pois a ferida moral vem de uma resposta humana normal a um evento traumático anormal. Em outras palavras, o problema vem de fora, não de dentro.

O termo foi cunhado na década de 1990 pelo psiquiatra americano Jonathan Shay a partir de narrativas apresentadas por veteranos de guerra com percepção de injustiça por negligência de suas lideranças militares. Em 2002, ele definiu “ferida moral” como decorrente da “traição do ‘que é certo’ em uma situação de risco por alguém que detém o poder.” Em 2009, o conceito foi ampliado por outro psiquiatra americano, Brett Litz, que o definiu como “perpetrar, deixar de prevenir ou testemunhar atos que transgridam crenças e expectativas morais profundamente arraigadas, que podem ser deletérios a longo prazo”.

Não é de se estranhar que essas pesquisas tenham surgido entre militares e, posteriormente, entre profissionais da saúde. Afinal, eles precisam lidar continuamente com decisões morais profundas.

Mas vivemos em um mundo polarizado moralmente. Ele é inundado por pessoas com um enorme poder concedido pelas redes para destruir valores sociais sob o falso pretexto da liberdade de expressão. E essas mesmas plataformas lhes permitem angariar multidões barulhentas em torno dessas ideias, tornando a situação de suas vítimas às vezes intolerável.

Sobre isso tudo, vem a pandemia de Covid-19. Literalmente centenas de milhares de famílias precisam enfrentar a dor das mortes de entes queridos por uma doença que “veio do nada” e levou, até agora, mais de 5 milhões de vidas. Há também aqueles que viram seus negócios ou empregos arruinados. Outros tantos desenvolveram depressão ou quadros de burnout.

O mundo que conheciam e sobre o qual construíram suas vidas pareceu ruir sob seus pés. Para agravar o quadro, alguns grupos de poder deflagraram uma guerra ideológica para lucrar com a desinformação. Como resultado, muitos sucumbiram diante da pressão das próprias dores que tinham que enfrentar, combinadas com um grande senso de desorientação moral.

Os especialistas afirmam que uma boa autoestima, resiliência e a crença na hipótese de um mundo justo ajudam a proteger alguém de feridas morais. Mas haja resiliência para enfrentar isso tudo!

 

Uma ferida de todos

Diante desse quadro, as feridas morais extrapolaram os grupos sociais que normalmente afetavam. Hoje virtualmente qualquer pessoa pode desenvolver esse quadro em algum grau. Mas alguns profissionais ficam ainda mais suscetíveis a ele.

A característica do mundo atual de apresentar velozmente às pessoas grande quantidade de informações, muitas vezes sem filtros, além de expor o trabalho desses mesmos indivíduos, torna sua situação bem mais dramática. Muitos desses profissionais vêm desempenhando suas funções sem qualquer rede de proteção e sob ataques crescentes desses mesmos grupos de poder, que inflamam as massas contra eles. É o caso, por exemplo, de profissionais de saúde, jornalistas e professores.

Já mencionei aqui, nesse espaço, quando Pedro Bial entrevistou William Bonner para seu programa. À determinada altura da conversa, que foi ao ar no dia 26 de maio do ano passado, o editor-chefe do Jornal Nacional explicou como tem dificuldade de ir até a uma padaria, não pelo assédio dos fãs, mas pela hostilidade de haters. Morador do Rio de Janeiro, em um passado recente, teve que viajar de carro todos os finais de semana para visitar o pai doente em São Paulo, porque não conseguia mais pegar um avião. E isso tudo é resultado de uma sistemática campanha do governo para atacar o jornalismo profissional.

Isso aparece com mais força no documentário “Cercados”, produzido pelo Globoplay. Ele mostra o cotidiano do trabalho jornalístico (e, em alguns momentos, também o de profissionais de saúde) no auge da pandemia e como, apesar de estarem buscando fazer o certo, eram continuamente atacados por parte das autoridades e da população.

Muitos desses profissionais desenvolveram severas feridas morais. Eles lidavam com a morte cotidianamente, de uma maneira para a qual não haviam sido preparados. E faziam isso justamente para proteger a vida da população. Entretanto, em troca por essa função mais que louvável, recebiam todo tipo de hostilidade, até mesmo vindas da autoridade máxima do país ou em seu nome.

O mesmo se dá com os educadores. Assim como os jornalistas, os professores já vinham sob forte ataque em suas funções muito antes da pandemia. Mas a crise sanitária fez com que eles aumentassem exponencialmente, mesmo tendo que se desdobrar para continuar oferecendo o melhor a seus alunos, normalmente sem qualquer apoio.

As redes sociais têm um papel central nessa crise, pois elas oferecem todas as ferramentas usadas por esses detratores para ampliar a sua voz e os ataques. E, como sugerem os “Facebook Papers”, os milhares de documentos vazados pela ex-gerente do Facebook Frances Haugen, a empresa faz muito menos que pode ou deve.

Muitos profissionais poderiam simplesmente mandar tudo às favas, diante de tamanha ingratidão, e muitos fizeram exatamente isso. Jamais os julgaria por essa decisão, pois a pressão pode se tornar insuportável. Por outro lado, tantos outros persistem heroicamente, pois não conseguem abandonar aquilo que é certo e que pode resgatar seu bairro, o país e o mundo desse período de trevas, mesmo que isso lhes custe muito.

Especialistas afirmam que as feridas morais são curadas quando o indivíduo é ouvido e aceito, reencontrando seu lugar na sociedade. Apesar de a maior parte da literatura se aplicar a ex-combatentes, isso vale para qualquer profissional no atual cenário. Os feridos precisam ser aceitos pelo que fazem, valorizados e respeitado por isso.

No final das contas, um dos melhores tratamentos contra feridas morais consiste em enfrentar persistentemente o pior que a humanidade tem para oferecer. Mas essa tarefa é muito pesada. Empresas, famílias e toda a sociedade precisam se empenhar nisso.

Se profissionais de saúde, jornalistas e professores ficarem demasiadamente feridos, todo a sociedade perecerá, e não por Covid-19, mas de uma dor imobilizante na alma. Não é coincidência que as nações mais desenvolvidas sejam aquelas em que essas carreiras são muito valorizadas e admiradas por todos.