habilidades

Sam Altman, CEO da OpenAI, fala sobre inteligência artificial no Fórum Econômico Mundial desse ano, em Davos - Foto: reprodução

Enquanto a IA melhora a produtividade de alguns, torna outros “inempregáveis”

By | Tecnologia | No Comments

No dia 14, o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou um estudo que indica que cerca de 40% dos trabalhos do mundo serão impactados pela inteligência artificial. Isso não se dará de maneira homogênea: enquanto ela trará grande produtividade a alguns, pode eliminar postos de trabalho e até deixar muitas pessoas “inempregáveis”, ou seja, sem capacidade de assumir qualquer ocupação com o que sabem fazer.

Por que uma mesma tecnologia provoca consequências tão opostas no mercado de trabalho de um mesmo país, ao mesmo tempo? A resposta passa pelas capacidades dos profissionais de se adaptar para tirar proveito do que ela oferece.

Enquanto isso, o Brasil comemora mais uma queda na taxa de desemprego, que terminou novembro em 7,5%, a menor desde fevereiro de 2015. Ainda assim, o país continua tendo 8,2 milhões de desempregados. Apesar de muito bem-vinda essa retração, é preciso estar atento à qualidade desses empregos. Afinal, com o avanço da IA, muitos deles podem desaparecer em breve por falta de capacitação. A sociedade brasileira precisa se mobilizar para que isso não aconteça com força.

A IA escancara, portanto, algo que já se observa há anos: o futuro do trabalho passa pelo futuro da educação. Os robôs estão se tornando auxiliares valiosos, mas as pessoas precisam de uma melhor formação para não serem substituídas por eles.


Veja esse artigo em vídeo:


Segundo o estudo do FMI, nos países mais ricos, a IA afetará 60% dos postos de trabalho: metade será beneficiada, enquanto a outra pode experimentar desemprego, queda de salários e até extinção de profissões inteiras. Já nos emergentes, o impacto deve atingir 40% dos trabalhadores, mas apenas 26% devem ser beneficiados.

Segundo os autores, essa diferença entre países se dá pela falta de infraestrutura e de mão de obra qualificada para aproveitar bem a IA nos emergentes. Por isso, com o tempo, a inteligência artificial pode aumentar a desigualdade entre nações, e o mesmo se pode esperar entre ricos e pobres de um mesmo país.

A IA vem despertando tanto deslumbramento quanto medo. Não devemos sentir nenhum deles: precisamos entendê-la para nos apropriarmos do que els oferece de bom e nos esquivarmos de eventuais armadilhas, inclusive no mundo do trabalho.

Novas tecnologias extinguem profissões e criam oportunidades desde o início da Revolução Industrial, no século XVIII. A sociedade se ajusta e faz as mudanças para o novo. A diferença é que agora a adaptação precisa ser muito mais rápida, exigindo habilidades básicas que muitos não têm e que não conseguem adquirir a tempo. Por isso, pessoas no seu auge profissional estão vendo sua empregabilidade derreter, de uma maneira que elas não conseguem controlar, algo desesperador a qualquer um.

Ao contrário do que se via há alguns anos, quando apenas as pessoas menos qualificadas eram impactadas pela automação, a inteligência artificial também atinge carreiras mais nobres e criativas. Portanto, apesar de uma boa educação continuar sendo absolutamente fundamental, é preciso saber o que e como estudar.

Um estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV) divulgado em setembro demonstrou que os brasileiros que estudaram mais foram os que perderam mais renda na última década, com um aumento abrupto na informalidade. Isso obviamente não está associado à explosão da IA, que ainda é muito recente, mas demonstra que ninguém mais está “seguro”.

Na semana passada, o LinkedIn divulgou quais são as profissões em alta em vários países. No Brasil, várias estão intimamente ligadas ao mundo digital e à própria IA, como analista de privacidade, de cibersegurança e de dados. Outro estudo, da Universidade da Pensilvânia (EUA) e da OpenAI, concluiu que 80% dos trabalhadores americanos podem ter pelo menos 10% de suas tarefas afetadas pela IA.

Isso fica dramático no Brasil, com sua educação tecnológica ruim e um acesso limitado ao mundo digital. Segundo a mais recente pesquisa TIC Domicílios, feita pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, 20% dos domicílios (15 milhões) e 14% dos brasileiros com 10 anos ou mais (27 milhões) nem têm acesso à Internet.

 

Futuros do trabalho e da educação juntos

Muitas das “profissões do futuro” paradoxalmente existem desde a Antiguidade, como professores e médicos. Elas assim se classificam porque continuarão existindo e sendo muito importantes para a sociedade. Mas mesmo elas já sofrem e continuarão sofrendo grande mudanças pela digitalização. Querer continuar as exercendo como se fazia há alguns anos é um convite para ser colocado para fora do mercado. Por outro lado, profissionais que se atualizem com as novas tecnologias, como a inteligência artificial, se tornarão ainda mais relevantes.

O avanço galopante da IA atropela uma sociedade que não consegue medir as transformações que ela trará em pouco tempo. Em dezembro, o fundador da Microsoft Bill Gates disse que o avanço dessa tecnologia em breve permitirá semanas de trabalho de três dias, com as pessoas ganhando o mesmo. Tecnicamente pode ser verdade, mas, para que isso aconteça, os gestores teriam que fazer esse movimento magnânimo, ao invés de simplesmente demitir metade de sua força de trabalho para aumentar muito seus lucros. Não se trata, portanto, só de uma mudança tecnológica.

No Fórum Econômico Mundial em Davos (Suíça) do ano passado, os líderes mundiais estavam deslumbrados com as oportunidades da IA. Na edição desse ano, que terminou na sexta, a euforia foi substituída por uma busca de como usá-la de forma responsável e segura, e qual o papel de cada um nisso.

Toda tecnologia deve ser usada para o bem de todos, e não apenas para o benefício de alguns. Um dos temores sobre a IA, que indubitavelmente fará a humanidade dar vários saltos, é que ela também seja usada para o mal. O mundo do trabalho é apenas um dos elementos mais críticos disso na vida das pessoas.

Governos, empresas e demais atores da sociedade civil devem fazer os ajustes necessários antes que essa bomba exploda, pois seu efeito pode ser devastador. Aqueles que estão na parte beneficiada pela IA não podem se acomodar e fingir que esse problema não lhes pertence, pois acabarão impactados de uma ou outra forma.

Precisamos de uma revolução educacional que ensine as pessoas a usarem melhor as tecnologias, não como meros apertadores de botões ou criadores de comando para o ChatGPT. Elas precisam entender o porquê de tudo isso para fazer escolhas conscientes, sem se tornar consumidores com senso crítico achatado pela máquina. De uma maneira um tanto paradoxal, isso acontecerá apenas com uma educação que também fortaleça seus aspectos humanos.

E precisamos disso já, pois a inteligência artificial não esperará pela lerdeza natural.