polarização

Algoritmos criam novas tribos urbanas (às vezes perigosas)

By | Tecnologia | No Comments

Hoje muita gente é membro de alguma tribo urbana e nem se dá conta. Não me refiro necessariamente às “clássicas”, como os punks ou os nerds, mas mesmo quem não faz parte dessas grandes turmas pode ser bastante ativo. E essa pulverização se dá por conta das redes sociais.

As tribos urbanas surgiram como uma maneira de as pessoas integrarem um grupo de amigos com interesses em comum. Elas existem há décadas e são parte indelével da nossa cultura.

Fazer parte de uma dessas tribos sempre exigiu iniciativa do integrante, tanto para entrar, quanto para se manter nela. Ninguém se tornava metaleiro sem querer! Mas, de uns anos para cá, algo mudou.

Vivemos em um tempo em que entramos em tribos praticamente sem perceber, graças aos algoritmos. E isso pode ser bem ruim para nossa vida, pois somos membros inconscientemente ativos, praticamente teleguiados!


Veja esse artigo em vídeo:


Os algoritmos de relevância das redes sociais identificam nossas características e nossos gostos para filtrar a realidade. A partir disso, destacam, a cada um dos bilhões de internautas, fatias do mundo que reforçam seus pontos de vista e lhes apresentam uma enormidade de pessoas que pensam da mesma forma.

Como de costume, as redes sociais não criam nada, apenas fazem o que já existe acontecer de forma mais intensa e mais rápida. Por isso, essas novas tribos que criam –essas tribos digitais– são ótimas para nos manter felizes e confortáveis, anestesiados até!

Mas elas também podem reforçar o que temos de pior, a um ponto de colocar a própria sociedade em risco. Basta ver o número incrivelmente alto de pessoas que insistem em não se vacinar, mesmo diante do recrudescimento da pandemia de Covid-19.

Sim, os “antivacinas” são uma nova tribo urbana bem definida! E eles têm força mesmo diante do consenso de que, enquanto a maior parte da população não estiver imunizada, não conseguiremos retomar uma vida que se aproxime da normalidade.

As tribos urbanas se consolidaram ao longo do século 20. Seus membros apresentam uma grande uniformidade de pensamentos, gostos, comportamentos, linguagem e até maneira de se vestir.

Não são organizações formais ou com uma liderança, estando muitas vezes associadas a fenômenos culturais. Tampouco surgem para ativismo político, o que não quer dizer que sejam sempre alienadas com o mundo a sua volta. Pelo contrário, muitas tribos, como os punks, têm posições sociais bastante críticas, que manifestam em músicas, por exemplo.

O termo “tribo urbana” foi cunhado pelo sociólogo francês Michel Maffesoli, que começou a usá-lo em seus artigos a partir de 1985, mas o conceito já existia há décadas. Outras tribos famosas são os hippies, os geeks, os roqueiros, os skinheads, as patricinhas, os góticos… e por aí vai.

 

Necessidade de pertencimento

Normalmente, as pessoas entram em tribos quando são mais jovens, justamente pela necessidade natural de fazer parte de um grupo. Em muitos casos, as pessoas migram de uma tribo para outra.

É essa mesma característica de querer se associar a pessoas que têm pensamentos semelhantes que permitem que os algoritmos criem essas novas tribos. Porém, ao contrário das tribos urbanas, que não são criadas com objetivo político, muitas tribos digitais surgem exatamente para isso, ou acabam sendo usurpadas para esse fim por grupos de poder.

O próprio movimento contra vacinas é um exemplo.

Quando começou a levar mais a sério a ideia de concorrer à cadeira de presidente dos Estados Unidos, lá pelos idos de 2012, Donald Trump percebeu que uma parcela considerável do público conservador americano tinha dúvidas sobre a eficiência das vacinas. Por isso, começou a fazer uma campanha feroz contra elas nas redes sociais, associando os imunizantes a diferentes doenças e ao autismo.

Muita gente acreditou nisso, e as teorias contra vacinas se espalharam pelo mundo. Como resultado, doenças que estavam praticamente erradicadas em muitos países, como o sarampo, voltaram com força, matando muita gente.

Mas nem Trump podia prever o surgimento da pandemia de Covid-19, cuja saída passa necessariamente pela vacinação em massa. Tanto que o presidente negacionista americano se rendeu aos fatos e comprou todas as vacinas que pôde.

É uma pena que Bolsonaro não tenha feito o mesmo. Pelo contrário, fez campanha aberta contra as vacinas o quanto pôde. O resultado desse negacionismo é que, em dezembro, 22% dos brasileiros diziam categoricamente que não se vacinariam, contra 73% que o fariam. Já no final de fevereiro, com o negacionismo perdendo força diante da doença, 89% já diziam querer se vacinar.

 

Negação como resistência

Os antivacinas não são a única tribo fortemente alimentada pelas redes sociais. Os terraplanistas, as pessoas que afirmam que a Terra é plana e não esférica, se fortaleceram graças principalmente ao YouTube.

Apesar de negarem uma verdade científica amplamente demonstrada, esse grupo tampouco é desprezível. Estima-se que 7% dos brasileiros afirmem que a Terra é um disco e não uma bola, enquanto 3% não têm certeza. Nos Estados Unidos, esses índices são, respectivamente, 2% e 5%. E pesquisas mostram que terraplanistas são mais numerosos entre pessoas mais jovens e entre os menos escolarizados.

Vistos de fora, esses grupos podem parecer um bando de malucos, mas seu crescimento consistente graças às redes sociais não pode ser simplesmente desprezado.

A negação a se vacinar por 10% da população, mesmo diante da maior crise sanitária da história, demonstra o risco que eles representam à sociedade como um todo. E há provavelmente mais antvacinas que hippies, nerds, punks ou qualquer outra tribo urbana “clássica”.

Essas tribos digitais e seu negacionismo à ciência e à cultura podem ser considerados resultado de um movimento de resistência a ideias que vinham guiando a sociedade. Grupos cujos valores eram vistos como inadequados ou ultrapassados –como homofobia, machismo, autoritarismo, xenofobia– ganharam voz, principalmente com a ascensão de políticos de ultradireita nas redes sociais.

Isso explica também a polarização irracional em que o mundo foi jogado. As tribos urbanas, da mesma forma que acolhem seus integrantes, por vezes rejeitam quem é diferente. As tribos digitais, com seus sentimentos exacerbados pelos algoritmos, fazem isso ainda mais, criando divisões que podem descambar em um insano “se você não está comigo, está contra mim”.

De certa forma, isso me lembra as teorias de Zygmunt Bauman (1925 – 2017) e seu “mundo líquido”. Segundo o sociólogo e filósofo polonês, os relacionamentos passaram a ser menos estáveis e definidos mais pelo acúmulo de experiências.

Nas tribos digitais, as pessoas se unem àqueles que podem lhe proporcionar algum benefício imediato, mesmo o simples acolhimento de suas ideias. Mas se aparecer alguém que ofereça mais vantagens ou que saiba manipular os algoritmos melhor, leva todo o rebanho embora.

As pessoas precisam resgatar o controle de seu cotidiano e o apreço por valores inegociáveis, como o direito à vida. Também precisam aguçar seu seno crítico, para que não sejam manipuladas por distorções de outros valores, como o direito á liberdade na boca de vivaldinos.

Fico feliz em ver o crescimento de uma conscientização frente a esses males. Mesmo companhias e lideranças empresariais estão se engajando nisso, até mesmo porque o alinhamento da valores entre marcas e seu público é ótimo para os negócios!

As redes sociais também estão trabalhando nisso, se não pelo amor, pela dor da ameaça de governos conscientes que as responsabilizam pela disseminação de fake news e da criação dessas tribos digitais negacionistas.

Quanto a nós, temos um papel fundamental nessa história. Não há nenhum problema em ser geek, punk ou hippie. Apenas não seja coisas como terraplanista ou antivacina. Precisamos nos unir em torno de ideias que valham a pena e melhorem o mundo.

 

Se a imprensa é crítica para a sociedade, por que tanta gente mete o pau?

By | Jornalismo | No Comments

Foto: reprodução

Há alguns dias, vi uma reportagem que me deixou apreensivo. Tratava de um grupo conservador nos EUA cujo objetivo é criar armadilhas para jornalistas, para que sejam gravados dando depoimentos que possam lhes causar transtornos, desqualificando o profissional e seu veículo. Porém o mais perturbador é saber que essa não é uma atitude contra a imprensa isolada, nem a mais pesada, e que observo tal coisa também no Brasil. Isso me leva à pergunta do título desse artigo. Aliás, cá entre nós, o que você acha da imprensa, especialmente da “grande imprensa”?

Apesar de o Projeto Veritas, retratado na reportagem acima, afirmar que não faz política, claramente é o contrário disso, pois todas as vítimas são veículos que fazem oposição à administração Trump. Não foi esse governo que inventou essa metodologia de desacreditar os veículos contrários a ele. Na verdade, quanto mais autoritário é um governo, mais a imprensa é apresentada como uma inimiga a ser combatida, e mais as pessoas que apoiam o regime se engajam nessa cruzada contra ela. Entretanto, não se engane: no final, invariavelmente quem perde é a sociedade.


Vídeo relacionado:


Isso sempre foi assim, e provavelmente sempre será. Mas quem elevou esse processo a um novo patamar de eficiência foi Hugo Chávez, quando assumiu o poder em 1999. O finado ditador venezuelano difundiu o conceito de que a imprensa contrária a ele era, no final, contrária ao “povo venezuelano”, legitimando assim todo tipo de censura e perseguição. Essa ideia nefasta se espalhou pela América Latina, chegando agora aos EUA, com Trump.

Já viajei por vários países e pude comprovar inequivocamente como o desenvolvimento de uma sociedade está sempre relacionado de perto à qualidade de sua imprensa. Isso acontece porque uma boa mídia possui não apenas o papel de informar, mas também o de formar o cidadão. E os veículos de comunicação têm o dever de continuamente investigar o governo, para que as falcatruas não prosperem, qualquer que seja o alinhamento político da situação.

Então por que cresce esse fenômeno de agressão moral e até física contra jornalistas?

 

Polarização e “fake news”

Vivemos uma polarização política sem precedentes no cidadão comum. Em grande parte, isso se deve aos algoritmos de relevância das redes sociais, que insistem em nos mostrar apenas aquilo que gostamos, com que concordamos, que nos mantém em nossa zona de conforto. Pode parece muito bacana a princípio -afinal, dessa maneira, usamos cada vez mais a rede social. Só que isso pode ter um resultado perverso: como não somos expostos a posições contrárias, a tendência é que nossos preconceitos sejam cada vez mais reforçados.

Daí para a intolerância política é um pulo! Mesmo que tenhamos uma pequena inclinação para certa ideologia, podemos, em pouco tempo, nos pegar gritando palavras de ordem, insultando opositores e bloqueando antigos amigos que pensem de maneira diferente.

Nesse cenário, não há imprensa boa! Pois a função de um veículo de comunicação não é agradar ninguém. Muito pelo contrário: ele incomoda muita gente! Ou não seria jornalismo: seria relações públicas!

O mais inusitado dessa história é que vejo empresas de comunicação cada vez mais sendo atacadas por conservadores e liberais ao mesmo tempo. E o argumento é sempre que os veículos estão “vendidos” ao outro lado. Até a Rede Globo, tradicionalmente associada a alas mais conservadoras, vem sendo acusada de “ficar vermelha”.

Esse mundo está ficando muito louco!

 

Afinal, os veículos se vendem?

Nessa hora, é preciso diferenciar entre ter opinião e ser vendido.

Pela nossa natureza humana, não podemos ser totalmente isentos. O que não quer dizer que não possamos ou não devamos ser profissionais. E isso vale para jornalistas e veículos de comunicação. Não há nenhum problema se qualquer um deles escolher um lado, inclusive político. Na verdade, deveriam escolher e divulgar ao público sua decisão!

Entretanto adotar um lado não significa ignorar o outro. E definitivamente não significa calar ou maquiar o noticiário para que o seu lado sempre pareça melhor e o outro pior. Ter um lado significa que se torce por ele, mas que o jornalista continuará realizando seu trabalho seguindo os preceitos éticos, que incluem ouvir sempre o outro lado, e noticiar sua opinião adequadamente, por mais que a odeie.

Infelizmente temos visto muito exemplos na imprensa que parecem ter esquecido os pilares do bom jornalismo. Peguemos os exemplos abaixo, da Veja e da Carta Capital. São dois lados extremos da mesma moeda. Comparar o conteúdo de uma com o da outra dá a impressão que estão noticiando a mesma coisa em realidades alternativas.

Mas não, não estão. Estão no mesmo país, na mesma época. E nenhuma delas fala totalmente a verdade, nem totalmente a mentira. Mas, ao carregar nas tintas tão pesadamente, o público não consegue mais sequer formar uma opinião bem embasada.

Esse tipo de obra de ficção serve muito bem para alimentar os ânimos irracionais e aos interesses de grupos políticos, econômicos e ideológicos. Plantam essas informações enviesadas, que depois alimentarão a sede dos que querem fazer valer suas teses a qualquer custo em todo lugar, de redes sociais a mesas de bar. De quebra, favorecem o surgimento de grupos patéticos como o Projeto Veritas, que, para atingir seus objetivos, chegam a usar métodos que dizem combater, como notícias falsas, distorções de fatos e falsidade deliberada.

Esse constante chute na boca da verdade abriu caminho para uma das maiores pragas modernas: o “fake news”, “notícias falsas” ou “desinformação”. Não o “fake news” que Trump vive trombeteando, que são notícias verdadeiras que o desagradam. Eu me refiro a um material cuidadosamente produzido para parecer jornalístico e verídico, mas que enviesa os fatos (ou deliberadamente traz mentiras deslavadas) para fazer com que as pessoas comprem uma ideia. E -pior que isso- que a distribuam.

Como diz o ditado: se contarmos uma mentira mil vezes, ela pode virar uma verdade.

 

Dá um tiro na cabeça, que dói menos

O “fake news” é um perigosíssimo risco à democracia. Pois ele põe a própria imprensa em risco! Diante de tanta mentira em todas as mídias e em todas as redes sociais, as pessoas estão começando em perder a fé no noticiário. E quem pode culpá-las? Ou o conteúdo que lhes é oferecido é mentiroso mesmo, ou é verdadeiro, mas, de tão enviesado, acaba passando uma mensagem falsa.

Resultado: as pessoas estão abandonando os veículos tradicionais! E, sem público, não há anúncios. Como essas empresas também têm uma dificuldade crônica em aceitar que seu modelo de negócios histórico baseado em assinatura e publicidade não tem mais lugar no mundo, não é de se estranhar que vemos título após título morrendo! Ficam então naquele chororô ridículo, tentando jogar sua culpa em outra coisa, como o meio digital.

Ah, mas que preguiça dessa gente! Os veículos tradicionais estão com sua reputação completamente carcomida -e, por consequência, também suas finanças- porque as pessoas não são trouxas! Querem se salvar? Melhorem seu produto! E isso significa parar de praticar esse antijornalismo, mudar seu modelo de negócios e reformatar seu produto para atender às novas exigências do consumidor. Isso significar mudar basicamente tudo? Sim! Mas, já que não fizeram isso aos poucos, ao longo dos últimos 20 anos, terão que fazer agora de uma vez.

Caso contrário, veremos cada vez mais surgir esses movimentos radicais (conservadores e liberais!) apontando o dedo para a imprensa, acusando-a pelos males do país. Quando, na realidade, é a mesma imprensa que cuida (ou deveria cuidar) para que os verdadeiros males e malfeitores não prosperem na sociedade.

Sem uma imprensa livre e forte, nunca sairemos desse buraco. Mas ela tem que fazer a sua parte.


Artigos relacionados:


16 de dezembro: Inclusão, qualidade de vida e diversão na Melhor Idade – Conexão Melhor Idade – Workshop (3 horas)