Category Archives: Educação

Congresso Nacional ao amanhecer

Como diminuir o discurso de ódio

By | Educação | No Comments

A eleição passou, a apuração foi concluída e todas as autoridades (cada uma a sua maneira) reconheceram os resultados. Isso seria mais que suficiente para que o processo democrático prosseguisse normalmente. Mas, em um cenário inédito desde a redemocratização do país, parcelas da população se recusam a aceitar os vencedores e ocupam espaços públicos e as redes sociais, exaltados em um ódio que não pode ser ignorado como se fosse birra infantil.

Esse descontentamento tem um considerável potencial de destruição da sociedade. Ele está instalado nesses corações, que entendem que, em nome de sua liberdade e de seus valores, podem, por exemplo, obstruir estradas ou fazer uma perseguição na rua empunhando uma arma. Submete-se, assim, a ordem pública ao que consideram “certo”.

Leis existem para manter a sociedade funcionando, por isso não podem ser ignoradas por conveniência pessoal. O discurso de ódio, disseminado pelo meio digital, é o combustível dessa anarquia. E isso se agrava porque aqueles que se indignam com essas ações inconscientemente aumentam a fervura desse caldeirão, ao usar as mesmas plataformas digitais para distribuir muita ironia e mais ódio.

As redes sociais servem assim a uma “espiral da morte” que traga o Brasil para um caos que só beneficia uns poucos, que vivem dessa desunião. Por isso, se desejamos reencontrar o crescimento, temos que desarmar todos os lados desse conflito.


Veja esse artigo em vídeo:


Nada disso aconteceu de uma hora para a outra. Tudo é resultado de um processo consistentemente construído ao longo de anos, um storytelling político eficiente que criou uma conexão genuína entre essa parcela da população e diferentes grupos de poder. Os valores e crenças dessas pessoas foram usados para que, sem se darem conta, fossem transformadas em soldados que defendem cegamente seus líderes.

O storytelling é um recurso amplamente usado no marketing e na construção de roteiros de filmes, séries e livros. Essa técnica cria estruturas narrativas com elementos intrínsecos da cultura de um grupo social para construir um vínculo tão forte, que as pessoas compram essas ideias como se fossem suas.

Uma campanha de marketing pontual não tem tempo para criar uma conexão muito forte. Mas, quando o público é bombardeado continuamente por uma mensagem consistente ao longo de anos, essa ligação pode se tornar inquebrantável, manifestando-se nos mais diferentes aspectos da vida do indivíduo.

Além dos casos já citados, ao longo da semana passada assistimos a muitas outras atitudes que beiram o bizarro, até mesmo na educação, onde deveria primar o debate sadio e o domínio da ciência. Por exemplo, um dia após a eleição, uma professora doutora em química da Unifap (Universidade Federal do Amapá) enviou mensagens a dois alunos dizendo que eles deveriam buscar outro orientador, pois ela “não queria esquerdistas no laboratório”, concluindo que “ou estão comigo ou contra mim”. Depois de a reitoria da instituição repudiar a postura da professora, ela pediu desculpas publicamente, dizendo que “no calor das eleições, se excedeu nas palavras”.

Isso afeta também adolescentes e até crianças. Vários casos de agressões verbais e físicas, assédio e racismo foram relatados nessa semana. Os jovens replicam o posicionamento de seus pais, muitas vezes sem compreender o que estão fazendo.

Em um caso de grande repercussão, na noite de domingo, alunos do Colégio Porto Seguro de Valinhos (SP) criaram um grupo de WhatsApp chamado “Fundação Anti Petismo”, que chegou a reunir 30 adolescentes. Nele compartilharam mensagens de ódio contra petistas, nordestinos, negros e mulheres, além de fazer apologia ao nazismo. Ainda propuseram uma “reescravização do Nordeste”, e fizeram ofensas racistas e ameaçaram um colega negro que havia declarado apoio ao candidato Lula. A escola acabou expulsando oito alunos envolvidos no caso.

Que país podemos esperar no futuro, quando suas crianças são criadas com ódio já na mamadeira?

 

A Jornada do “Herói”

Outro recurso amplamente usado por roteiristas também foi adaptado pela política: a “Jornada do Herói”. Trata-se de um conceito apresentado pelo mitólogo americano Joseph Campbell em 1949, em seu livro “O Herói de Mil Faces”. Após estudar diversas culturas em diferentes regiões e épocas, ele concluiu que existem elementos comuns a todas elas na maneira como as pessoas contam histórias. Logo, conteúdos construídos dessa forma têm muito mais chance de convencer o público, pois aquilo faz parte de um inconsciente coletivo.

Mas nem sempre o “herói” da jornada é mesmo um herói. Políticos e seus marketeiros descobriram como usar esse recurso, extremamente amplificado pelas redes sociais, para convencer grande parte da população de que eles são aqueles que os “salvarão”.

Nessa “Jornada do Herói” distorcida, em um mudo dominado pelo conflito, quando nos deparamos com alguém que pense diferentemente de nós e daqueles em quem acreditamos, ela serve para reforçar como “estamos no caminho certo”. E o resultado disso é ainda mais conflito, retroalimentando o processo.

Cria-se um “vilão” a ser destruído, em uma eterna narrativa de “luta do bem contra o mal”. Elementos masculinos, como a força, a virilidade e a violência se sobrepõem aos femininos, como a empatia, o cuidado e a visão do todo. Não há espaço para informações que contradigam o “herói”, e vozes dissonantes devem ser silenciadas.

Não adianta substituir um desses “heróis” por outro. Temos que tirar esse caldeirão do fogo, e isso implica em todos pararem de atacar, ironizar ou desprezar os demais. Entendo que seja isso complicado, pois pode ser entendido como “baixar a guarda” para novos ataques e crescimento dos oponentes. Além disso, os diferentes grupos políticos precisam criar líderes com propostas construtivas, afastando os “salvadores da pátria”. Esses são desafios que a sociedade precisa abraçar, sob o risco de nunca conseguir romper esse ciclo destrutivo.

As redes sociais, como via de disseminação do discurso de ódio, têm um papel central nesse processo. Elas precisam se engajar efetivamente nele, encontrando maneiras automáticas ou manuais de eliminar de suas páginas ataques e fake news. Por isso, preocupa a aquisição do Twitter por Elon Musk, que disse que afrouxará esses controles na plataforma, em nome de uma “liberdade de expressão” liberticida.

A escola também é peça fundamental nesse renascimento da nação. É um grande equívoco dizer que o ambiente escolar não deve falar de política. Pelo contrário: o debate construtivo e com ideias diversas deve fazer parte do currículo. Países europeus que fazem isso estão criando jovens mais conscientes de deveres e diretos, tolerantes e autônomos. Exatamente o contrário do que vemos hoje no Brasil, especialmente em escolas particulares que bloqueiam a política por medo de perder alunos.

Se quisermos resgatar um país digno para todos, precisamos reaprender a conviver com o outro em todas as esferas da sociedade. Não há espaço para essas agressões mútuas.

 

Tomamos decisões racionais o tempo todo, mas elas são fortemente influenciadas por emoções, como sugere a animação “Divertida Mente”

Somos escravos de nossos desejos e medos

By | Educação | No Comments

Passamos pela eleição mais tensa de nossa história, com uma polarização radical que fraturou a sociedade brasileira. Apoiadores de ambos os lados ainda se perguntam como alguns de seus familiares, amigos e colegas, que “consideravam razoáveis”, defendem ideias “do outro lado”. Mas tentar entender isso com argumentos racionais é uma tarefa inglória, pois esses alinhamentos são emocionais, por mais que os próprios indivíduos não tenham consciência disso.

Somos guiados pelos nossos sentimentos! Estudo da Faculdade de Psicologia da Universidade da California em Berkeley (EUA) sugere que temos 27 tipos deles. Entre emoções dessa lista, como alegria, ansiedade, empatia, tédio e excitação, duas são fundamentais para compreender esses tempos complexos: o desejo e o medo.

Desejar não é apenas querer algo ou alguém. É algo muito mais intenso e visceral! É um sentimento extremamente poderoso, que nos impulsiona e nos faz tomar decisões. Já o medo funciona em sentido contrário. Ele nos paralisa e impede de fazer escolhas.

Políticos sempre tentaram manipular as populações para conseguir votos. Entretanto, de uns anos para cá, descobriram que, se conseguissem se concentrar nesses dois sentimentos, trocariam eleitores por soldados dispostos a defender seus ideais contra tudo e todos. Essa é uma prática extremamente perigosa, pois pode estraçalhar o tecido social. Ainda assim, fizeram isso sem pestanejar! E o resultado é o que vivemos hoje e ainda viveremos por muitos anos.


Veja esse artigo em vídeo:


Em 2015, a Pixar lançou sua memorável animação “Divertida Mente”, construída sobre esse conceito. Na história, todos os seres vivos teriam, em seus cérebros, cinco “pequenos indivíduos”, cada um deles representando uma emoção: a Alegria, a Tristeza, o Medo, a Raiva e o Nojo. Lá, teriam acesso a um “painel de comando”, que determinava como cada pessoa agia.

Nosso cérebro é fabuloso! Com ele, tomamos nossas decisões. Entretanto, por mais racional que uma escolha seja, ela pode ser profundamente influenciada por emoções, como se os sentimentos fossem ingredientes dela. Esse é, aliás, o princípio dos “gatilhos mentais”, recursos dos quais equipes de marketing vêm abusando nos últimos anos, para que consumidores “escolham racionalmente” produtos a partir de emoções “plantadas” em suas cabeças pelas campanhas publicitárias.

De volta à realidade um tanto distópica em que estamos imersos, as redes sociais desempenham papéis fundamentais para que os políticos manipulem as massas. O primeiro deles é ajudá-los a descobrir o que as pessoas desejam e do que elas têm medo em dado momento. Afinal, não é possível construir qualquer narrativa visando o controle de mentes se não souberem isso.

A outra função dessas plataformas é servir de veículo para disseminar, em gigantesca quantidade, suas mensagens. Elas são cuidadosamente produzidas para que as pessoas vejam, em determinado candidato, aquele que viabilizará seus desejos e os protegerá de seus medos. E seus algoritmos de relevância se prestam cinicamente a esse serviço sujo, pois as redes sociais lucram com a polarização.

Logo, quem domina o meio digital tem mais chance de transformar suas ideias em “verdades”.

 

O campo de batalha online

Faz todo sentido, portanto, que “pós-verdade” tenha sido escolhida como a palavra do ano de 2016 pelo renomado Dicionário Oxford. Pela sua definição, o termo é “relativo ou referente a circunstâncias nas quais os fatos objetivos são menos influentes na opinião pública do que as emoções e as crenças pessoais”. Ou seja, as pessoas hoje preferem acreditar naquilo que esteja em linha com seus desejos, por mais que seja uma invenção escandalosa.

Disso vêm as fake news. Elas deliberadamente mentem para que determinado grupo atinja seus objetivos, manipulando as emoções da população. E não se trata de simples boatos, pois são produzidas com método, impactando primeiro aqueles que gostariam que aquilo fosse verdade: isso aumenta seu engajamento inicial, o que leva os algoritmos das redes sociais a distribuir a mentira em grande quantidade.

A série “The Boys”, da Amazon Prime Video, ilustra isso muito bem. Nessa paródia das histórias de super-heróis, superseres fazem ações heroicas midiáticas nas redes sociais apenas para que a população os ame e, assim, compre todo tipo de produtos com suas marcas. Mas, em sua segunda temporada, surge uma personagem que percebe que obter o amor das massas é cada vez mais difícil e pouco produtivo. Ao invés disso, descobre que é mais eficiente manipular o ódio da sociedade. Para ela, é muito melhor ter soldados que fãs, e que cinco milhões de pessoas movidas pelo ódio são mais efetivas que cinquenta milhões com amor. Ela entendeu que não vivemos mais no mundo da cultura de massas, e sim da “viralização”.

Políticos que usam esse método trabalham com o medo da população, pois ele é capaz de travar as pessoas e deixá-las cegas. E, uma vez que elas ultrapassem determinado limiar de ódio e de medo, são facilmente controláveis, até mesmo pelo mecanismo do “apito do cachorro”: comandos que as demais pessoas não percebem, mas que são eficientes para agitar os “comandados” para executar as ordens de seus líderes. Basta observar como costumam seguir ações de maneira coordenada.

Dessa forma, chegamos ao atual cenário de uma nação devastada pelo ódio. Mas há esperança, e ela vem dos mais jovens. O estudo internacional “A nova dinâmica da influência”, divulgado em 22 de setembro pela consultoria americana Edelman, mostra que a Geração Z (pessoas hoje entre 14 e 26 anos de idade) é movida –e não paralisada– pelo medo. Isso demonstra uma percepção mais madura sobre essa poderosa emoção, que existe para nossa autopreservação. Por isso, 70% deles estão envolvidos em causas sociais ou políticas.

Os mais jovens querem resgatar a política como uma ferramenta de transformação social para um mundo mais justo e igualitário, com relações mais transparentes e honestas. Segundo o estudo, eles se preocupam com temas ligados à natureza, saúde, direitos humanos, justiça racial e igualdade de gênero. Esperam ainda que as empresas atuem como parceiras para que esses objetivos sejam atingidos.

Costumo dizer que a melhor maneira de anteciparmos o futuro é olhando para os jovens. Nesse sentido, é reconfortante observar esse comportamento da Geração Z.

Nossas emoções nos definem! Precisamos ter consciência de nossos sentimentos para aprender e crescer com eles, e não ser dominados a partir deles. Os mais jovens já estão fazendo isso. Você consegue também?

 

Na Semana da Criança, perderam os professores e ganharam as armas

By | Educação | No Comments

Na quarta passada, Dia da Criança, fiquei abismado quando a prefeitura de Uberaba (MG) montou com a polícia e com o exército, em um evento dedicado aos pequenos, um estande para lhes explicar como funcionam diferentes tipos de armas e bombas. As crianças até mesmo tocavam nos equipamentos.

Já no sábado, Dia do Professor, o Instituto Semesp fez um alerta de que essa profissão, historicamente tão maltratada em nosso país, passa por um momento dramático, com grave insuficiência de profissionais. A carreira há muito deixou de ser atraente pelos baixos salários, por condições deploráveis de trabalho e, de uns anos para cá, por uma abominável perseguição dos professores pelo governo, por pais e até por alunos.

Crianças são fortemente influenciadas pelos adultos, especialmente “autoridades”, como os pais, os professores e até a polícia. Se crescerem vendo que o contato com armas no cotidiano é corriqueiro, aceitarão uma sociedade mais violenta, onde desavenças podem ser resolvidas pela força.

Por outro lado, assistimos a pessoas desqualificadas e sem vocação assumindo o fundamental papel do professor, no espaço deixado por aqueles que seriam bons mestres, mas que foram afugentadas por um ambiente hostil e sem perspectivas. Um bom docente não ensina apenas a parte acadêmica: ele forma melhores cidadãos, mais humanos, empáticos, tolerantes, colaborativos e resilientes.

Diante disso, essa semana nos convida a refletir sobre quais são os exemplos que realmente interessam às crianças, para que cresçam de uma maneira saudável. E, em muitos casos, o que elas precisam difere daquilo que alguns adultos defendem, inflamados por temas do momento ou por uma visão limitada do mundo.


Veja esse artigo em vídeo:


Segundo a prefeitura de Uberaba, o objetivo do estande da polícia e do exército era “afastar o medo culturalmente imposto nas crianças sobre as forças de segurança”. Achei a justificativa estranha: por que a população teria medo de quem a deveria proteger? Mas infelizmente isso acontece, especialmente entre os mais pobres.

A iniciativa contraria o que educadores defendem há anos. Eles tentam até mesmo tirar armas de brinquedo das mãos das crianças, para construir uma sociedade menos violenta.

E, por falar em educadores, o alerta do Instituto Semesp se baseia em estudo divulgado na última semana de setembro, que indica que o Brasil enfrentará um déficit de 235 mil professores em 2040. Vale notar que, entre 2010 e 2020, os ingressantes nos cursos de Licenciatura aumentaram 61%, mas os formandos cresceram só 4%, indicando uma enorme desistência da carreira antes de se formar.

Outro ponto importante demonstra que a imensa maioria desses estudantes estão em cursos a distância (EAD), o que é temerário, pois professores que terão que lidar com crianças em salas de aula estão sendo formados fora de uma sala de aula. Além disso, boa parte dos formandos já atuam como professores, o que indica uma baixa qualificação de muitos docentes atuais.

Com isso, o Brasil corre sério risco de ficar sem professores, à medida que os existentes abandonam a sala de aula ou se aposentam, sem que haja reposição suficiente. Isso já está acontecendo: a rede estadual de São Paulo não conseguiu preencher todas as vagas de professores temporários para o Novo Ensino Médio.

Isso implicará em salas mais lotadas e professores ainda mais sobrecarregados, com evidente piora na qualidade do ensino.

 

Todos perdem

Não é possível conceber um futuro para o país sem mais e melhores professores, e que eles tenham liberdade para exercer sua carreira em paz e com apoio. Tal liberdade pode chocar alguns pais, pois os professores trazem visões diversas do mundo, o que não tem sido bem aceito por algumas famílias, um sinal de nossos tempos que está na raiz da perseguição sofrida pelos docentes.

Mas as crianças precisam dessa oxigenação nas ideias, e os professores são perfeitos para isso, pois conseguem ver seus alunos de uma maneira diferente e menos idealizada que seus pais. Dessa maneira, as crianças se desenvolvem melhor, com uma visão menos enviesada da vida.

Quando eu tinha 17 anos, entrei na Escola Politécnica da USP, no curso de Engenharia Elétrica. Era o que curso e a escola que eu havia escolhido, enchendo meus pais de orgulho. Mas sentia que algo me faltava.

Lembrei da minha professora de Língua Portuguesa do Ensino Médio, que dizia que eu não deveria ir para a engenharia, e sim para algo na área de Humanas. Então, quando eu estava no segundo ano na Poli, conversando com ela, incentivou-me a tentar uma vaga de trainee na Folha de S.Paulo, apesar de não ter nada que sugerisse que conseguiria. Mas o fato é que deu certo, e aquilo mudou minha vida profundamente!

Se tivesse continuado na engenharia, possivelmente teria progredido bem na carreira. Mas a mudança para o jornalismo foi um dos meus maiores acertos! Em um primeiro momento, aquilo desagradou meus pais, mas sou feliz e grato à minha professora por ter percebido minha vocação e me incentivado a persegui-la.

Coincidentemente na semana passada, assisti ao episódio “O flautista”, da série coreana “Uma advogada extraordinária”, da Netflix. Ele aborda o caso de um jovem que “sequestra” um grupo de crianças da escola de sua mãe para levá-las a brincar durante uma tarde, devolvendo-as felizes e saudáveis no fim do período.

O jovem apenas brincou com elas, sem nenhuma intenção obscura. Para ele, as crianças precisam brincar, ser saudáveis e felizes. Sua ação se deve a uma revolta com o estilo educacional da escola da mãe, em que as crianças precisam estudar diariamente por 12 horas, mal têm tempo para comer e podem ir ao banheiro apenas uma vez por dia. Ainda assim, acabou preso. Afinal, as atividades recreativas foram dadas sem a autorização dos pais, quando seus filhos deveriam estar estudando.

Claro que essa foi uma atitude extrema, ainda que bem-intencionada. Mas serve para a reflexão: afinal, do que as crianças precisam para se desenvolver? Estudar 12 horas por dia? Aprender como funcionam armamentos pesados?

Há o momento de estudar e o de brincar! Sem isso, seu desenvolvimento ficará prejudicado. O brincar é um treino para a vida adulta, por isso educadores defendem que as armas fiquem de fora.

Pais devem se aliar a professores, apoiando esses profissionais, para reforçar o respeito de seus filhos aos mestres. Isso não quer dizer que precisem concordar em tudo! Mas, no caso de divergências ideológicas, culturais ou acadêmicas com algo dito em sala de aula, os pais não devem simplesmente tentar cesurar ou ameaçar os professores. Pelo contrário, devem conversar com eles, entender seu ponto de vista e tentar encontrar um consenso. Além disso, os pais sempre podem apresentar seu ponto de vista aos filhos em casa.

Essa é uma maneira madura e positiva de colaboração entre pais e professores. E assim essas crianças crescerão com uma visão mais real e ampla do que é o mundo.

Crianças precisam ser crianças, e a educação deve sempre permitir isso.

 

Jovens esperam que empresas resolvam problemas da sociedade

By | Educação | No Comments

Costumo dizer que a melhor maneira de se “prever o futuro” é observando os mais jovens, em suas crenças e atitudes. Afinal, daqui a poucos anos, serão eles que conduzirão a sociedade. E esses jovens –representados agora pela Geração Z– desejam uma sociedade mais igualitária, diversa, preocupada com a natureza, e com relações mais transparentes entre pessoas e entre pessoas e empresas.

É um prognóstico animador. Esse pessoal, hoje entre seus 14 e 26 anos, traz também uma visão interessante sobre como chegar a isso: eles esperam que as empresas assumam um protagonismo na solução de problemas sociais, e estão dispostos a premiar com compras e fidelidade aquelas que adotem esse posicionamento.

Não se trata de um modismo e não é pouca coisa. O estudo internacional “A nova dinâmica da influência”, recém-divulgado pela consultoria americana Edelman, mostra que as pessoas estão tão preocupadas com seu país quanto com seu futuro pessoal, e os brasileiros lideram esse ranking, muito à frente da média global.

Além disso, na era da “economia da experiência”, em que estamos permanentemente online e com um acesso sem precedentes à informação, influenciamos e somos influenciados até por quem não conhecemos. E ninguém hoje tem um poder de influência sobre o que compramos e como nos posicionamos tão poderoso quanto a Geração Z.


Veja esse artigo em vídeo:


As empresas simplesmente não podem se dar ao luxo de ignorar isso!

No Brasil, 72% dos entrevistados afirmaram que compram de marcas em que confiam, mesmo se não forem as mais baratas, e 78% se disseram fiéis a essas marcas, até se algo der errado. Por outro lado, 59% dos brasileiros deixam de comprar de empresas em quem não confiam. Além disso, por aqui, 77% são mais propensos a comprar de marcas que se posicionam em temas ligados à saúde, 76% a direitos humanos e a justiça racial, 75% a mudanças climáticas e 64% a igualdade de gênero.

Na Geração Z, esses índices de compra e fidelidade são ainda maiores: 78% e 83% respectivamente. E os brasileiros premiam muito mais as marcas em quem confiam que os cidadãos dos outros países: essas médias globais são de apenas 58% e 67%.

O estudo da Edelman entrevistou pessoas de 14 países, incluindo o Brasil. Foram mais de 13.700 adultos com mais de 18 anos e mais de 6.700 adolescentes entre 14 e 17 anos, ouvidos entre maio e junho.

Outro aspecto apresentado pelo estudo é que os mais jovens influenciam fortemente como as famílias compram, como geram mudanças, sua cultura de trabalho e até suas finanças. Mas é interessante notar que essa influência também é muito grande sobre aqueles que não tem filhos.

De cada 10 brasileiros, 6 praticam ativismo ao escolher as marcas, chegando a 67% entre os membros da Geração Z. Por isso, 63% afirmam que as empresas devem facilitar que suas posições sobre esses temas relevantes sejam identificadas.

No final das contas, 6 em cada 10 brasileiros, especialmente entre 14 e 41 anos, veem as empresas como mais eficientes que o próprio governo para solucionar os problemas da sociedade.

 

Posicionamento nas redes

Quando uma parcela considerável da população passa horas nas redes sociais todos os dias, era de se esperar um papel crítico dessas plataformas em como as pessoas se posicionam. Assim, 74% dos brasileiros entendem que suas publicações podem mudar o mundo. E nós postamos muito! No Brasil, 74% dos integrantes da Geração Z fazem isso uma ou mais vezes por semana; 40%, uma ou mais vezes por dia!

Em seu livro “Marketing 4.0” (2017), Philip Kotler referiu-se a essas pessoas como netizens, um neologismo formado pelas palavras em inglês “net” (rede) e “citizen” (cidadão). O guru do marketing moderno os considera como “conectores sociais” e, segundo ele, “como netizens são mais visíveis do que outros usuários da Internet, exercem uma influência enorme”.

Atrair esse público torna-se, portanto, essencial para as empresas. A dificuldade é chamar sua atenção em um mundo inundado de informações que competem pelo nosso tempo. Para isso, muitas companhias já descobriram o papel dos influenciadores digitais e criadores de conteúdo. Mas a Geração Z está demonstrando que o que menos interessa nisso é a quantidade de seguidores ou de curtidas: o que lhes importa é a transparência, a sinceridade e o domínio do assunto.

Esses jovens podem até ser fãs, mas não colocam seus ídolos em pedestais. Pelo contrário, como conhecem o cotidiano desses criadores de conteúdo, percebem facilmente quando a mensagem tenta apenas promover um produto. Eles esperam que os influenciadores sejam especialistas no assunto e alguém que efetivamente use o produto. Por isso, esperam que suas recomendações sejam baseadas em experiências reais e que esses criadores de conteúdo lhes ensinem algo novo.

As marcas devem, portanto, escolher muito bem quem contratarão como influenciadores, pois a pressão aumenta à medida que se tornam mais transparentes na sua comunicação. Pode parecer contraditório, mas isso faz todo sentido quando se está querendo construir uma relação de mais qualidade. Os negócios bem-sucedidos nisso avançam na inovação e estabelecem a cada vez mais necessária confiança.

Os consumidores, com destaque aos da Geração Z, devem ser convidados a participar da criação de sua experiência com as marcas. Isso não quer dizer necessariamente trazê-los para o processo de produção: basta ouvir genuinamente o que têm a dizer. E, a partir dessa informação, os gestores devem ajustar seus produtos, seus modelos de negócios, sua comunicação e seu posicionamento social, indo muito além das próprias entregas, cuidando da sociedade.

No mesmo dia em que o estudo da Edelman foi publicado, o historiador israelense Yuval Noah Harari concedeu uma entrevista ao Estadão, por causa de seu mais recente livro, “Implacáveis: Como Nós Dominamos o Mundo”, curiosamente voltado para leitores a partir dos 9 anos. Em determinado momento, ele afirma que “se alguém realmente vai mudar o mundo, não são as pessoas que agora têm 50 anos, são as que agora têm 10”.

Ele está certíssimo! Os mais velhos estão “batendo cabeça” com temas desgastados, muitas vezes egoistamente manipulando as massas pelas redes sociais, apenas para ampliar seu poder, sem querer verdadeiramente melhorar a sociedade. Basta olhar a nossa volta no Brasil e no mundo.

Enquanto isso, os mais jovens querem propor mudanças tangíveis para problemas que realmente impactam nosso cotidiano e o futuro. E, como os governos (de qualquer ideologia) andam falhando miseravelmente nesses seus papeis, a Geração Z está dando às empresas a oportunidade de ocuparem um novo e valioso espaço.

Há esperança para um futuro melhor, afinal!

 

Escolas e mídia precisam se unir na busca pela verdade

By | Educação | No Comments

A menos de três semanas do primeiro turno das eleições, as pesquisas indicam que a imensa maioria dos eleitores já escolheu em quem votará para presidente. Isso explica por que, a despeito dos esforços dos candidatos, os índices de intenção de voto se mantêm relativamente estáveis semana após semana. Mas vale questionar o quanto de tanta convicção vem de informações confiáveis e análises conscientes, e o que se deve ao processo de desinformação ou simplesmente da raiva de um ou outro nome.

O questionamento é pertinente, pois se observa que os candidatos que lideram todas as pesquisas se dedicam mais a atacar um ao outro, inflamando a polarização social. Enquanto isso, aqueles preocupados em apresentar ideias mais consistentes para os problemas do país não decolam na preferência dos eleitores.

Esse não é um fenômeno recente, mas se tornou determinante nesse pleito. Isso se explica pelo ápice (pelo menos até o momento) da influência das redes sociais em nossas decisões e pela histórica baixa educação midiática do brasileiro.

A solução do problema é tão mais eficiente quanto mais cedo começar. A escola e a mídia são os principais responsáveis por reverter esse quadro. Não é de se estranhar, portanto, que esses políticos combatam ostensivamente esse trabalho de professores e de jornalistas, desacreditando-os e até os agredindo.


Veja esse artigo em vídeo:


O recém-divulgado “Estudo global sobre alfabetização da informação” indicou que 55% dos entrevistados dizem que já compartilharam informações falsas porque achavam ser verdadeiras, sendo que um terço fez isso impulsivamente. Ainda assim, muitos disseram que “estavam ocupados demais” para verificar se o que passavam adiante era verdade.

A pesquisa foi realizada pelo Instituto Poynter para Estudos da Mídia, o projeto MediaWise e a consultoria YouGov, com apoio do Google. Foram ouvidas 8.585 pessoas na Alemanha, Brasil, Estados Unidos, Índia, Japão, Nigéria e Reino Unido.

O levantamento indica ainda que 62% dos entrevistados dizem ser impactados por informações falsas online toda semana, mas a maioria, especialmente os mais velhos, relutam em corrigir pessoas que publicam informações falsas.

Outro estudo, publicado no ano passado por pesquisadores da Universidade de Stanford (EUA) a partir de entrevistas com estudantes do ensino médio americano, indicou que eles têm enorme dificuldade em identificar notícias falsas, sendo facilmente enganados por dados mentirosos ou maquiados. Em um exemplo gritante, 97% deles acreditaram em um site que alegava trazer fatos sobre estudos do clima. Na verdade, ele defendia a indústria de combustíveis fósseis, que o patrocinava.

Os autores do estudo afirmam ser crítico que a educação midiática seja incluída nas escolas, e que os estudantes aprendam como jornalistas e agências de verificação trabalham. Segundo eles, isso deve integrar, de maneira transversal, todas as disciplinas, “de História a Matemática”.

Felizmente, há esperança, mesmo em uma sociedade fortemente polarizada e vítima da desinformação, como a brasileira. No sábado, o Datafolha divulgou pesquisa que aponta que mais brasileiros buscam informações jornalísticas para decidir em quem votar. Foram avaliados o impacto das notícias na TV, nas redes sociais e no rádio.

O índice dos que consideram as notícias muito importantes para o voto para presidente cresceu em todas elas, frente ao que se observava na eleição anterior, em 2018. No caso da TV, isso subiu de 43% para 48% dos entrevistados, indo de 38% para 44% de notícias nas redes sociais, e de 39% para 42% no rádio.

 

Desde pequeno

Educadores afirmam que a educação midiática deve começar com as crianças, especialmente porque elas ficam online cada vez mais cedo. Assim como pessoas que começam a fumar muito jovens desenvolvem um vício mais resistente, a polarização pelas fake news é mais poderosa e nociva se começa já com adolescentes.

A escola é o melhor lugar para isso, até pela diversidade do ambiente. Educadores precisam usar os recursos do mundo digital na tarefa, ensinando os alunos a verificar diferentes fontes, a fazer pesquisas eficientes em buscadores, a usar as agências de checagem de fatos, a desconfiar do que lhes chega por redes sociais e comunicadores, e a entender que mesmo um conteúdo “viralizado” pode ser falso.

A mídia vem realizando campanhas de esclarecimento da população, mas ainda está distante de uma colaboração ativa com as escolas. Isso precisa mudar! Afinal devem desenvolver um senso crítico apurado, mas não apenas nos adultos.

A escola não pode ser apenas um lugar para se aprender as disciplinas tradicionais, como linguagem e matemática. Deve ser um espaço de desenvolvimento de cidadania, diversidade, inclusão e tolerância. Por isso, erra quem diz que não devam debater política de maneira construtiva com seus alunos.

Os estudantes devem ser auxiliados a entender não apenas como funcionam as instituições democráticas, mas também como a política influencia nossas vidas de maneira determinante, e o papel ativo de cada um de nós no processo democrático.  Isso não tem nada a ver com partidarização da escola, e sim de consciência cívica, para que as crianças cresçam com menos chance de ser tornarem adultos manipuláveis pelos diferentes grupos de poder.

Nesse esforço essencial para a democracia, educadores e jornalistas precisam cuidar apenas para inadvertidamente não criar um efeito indesejado de as pessoas ficarem tão críticas a ponto de achar que todas as fontes de informação são igualmente suspeitas. Risco maior seria desenvolver um tipo de niilismo sugerindo que todas teriam algum tipo de motivo oculto para querer manipular a população. Esse, aliás, é uma tese difundida por aqueles que se beneficiam da desinformação.

Quando eu era adolescente, tive a felicidade de contar com essa orientação de meus professores, que contrapunham ideias progressistas e conservadores, ajudando-me a elaborar uma compreensão ampla do mundo, que é necessariamente diverso. Educadores devem ser ajudados e orientados, nunca censurados ou constrangidos.

Também tive a felicidade de ter uma robusta educação midiática desde pequeno, aprendendo o papel essencial do jornalismo na manutenção da democracia. E assim aprendi a “separar o joio do trigo” desde cedo.

Temos que parar de acreditar que “política, religião e futebol não se põem à mesa”. Isso só serve para criar cidadãos mais “dóceis”, que não se envolvem com temas delicados, aqueles que convidam a pensar e a melhorar a sociedade. Com isso, tornam-se mais suscetíveis a comandos de líderes em quem acreditam.

Em um mundo em que a desinformação conseguiu levar a sociedade à beira de um precipício fatal, aqueles que trabalham com a verdade, com a ciência, com a cidadania e com o bem comum precisam se unir para ajudar jovens e adultos e escapar do sedutor mecanismo da desinformação. A democracia não pode continuar sendo usada para destruir a própria democracia.

 

Cursos de curta duração podem ensinar habilidades pontuais, mas não oferecem todo o necessário para um mercado cada vez mais exigente

Os desafios na formação de um profissional moderno

By | Educação | No Comments

Com a busca pelo emprego cada vez mais competitiva e a educação se tornando um negócio milionário, a formação profissional do brasileiro vem se transformando, com muitos solavancos nos últimos anos. A graduação se tornou condição básica de acesso ao mercado de trabalho, restando à pós-graduação a tarefa de qualificar a mão de obra. E aí muita gente coloca tudo a perder.

Se agora essa etapa cria a diferenciação profissional, poderíamos supor que cursos mais longos, como especializações ou mestrados, em instituições consagradas, seriam os mais procurados. Entretanto, essas turmas estão cada vez mais vazias, dando lugar a cursos de curta duração, muitas vezes ministrados por escolas ou pessoas desconhecidas, e ofertados nas redes sociais a preços módicos.

Isso se deve a duas coisas em falta por aqui: tempo e dinheiro. Por isso, são raros os que conseguem estender seus estudos por mais alguns anos. As pessoas preferem aprender qualquer coisa para usar imediatamente, conseguir um emprego e colocar comida no prato.

Fica difícil criticar alguém por isso. Mas, a longo prazo, o Brasil corre o risco de se deparar com um enorme contingente de profissionais com habilidades limitadas, incapazes de enfrentar os desafios de um mercado cada vez mais exigente.


Veja esse artigo em vídeo:


Nesse país que parece ter perdido o direito de pensar a longo prazo e busca soluções instantâneas, a educação não foge da regra. “Eu sinto, nessa busca por cursos curtos, o imediatismo de resultado, uma falta de visão de se conectar a repertórios distintos, a vivências, a pensamentos diversos”, adverte Cátia Lassalvia, consultora e doutora na área de linguagens e tecnologias. Ela acrescenta que “os estudantes têm essa necessidade de ‘aprender urgentemente’, aquela coisa da sociedade da rapidez, da fluidez, do mundo líquido, junto com uma crise econômica.”

Celso Kiperman, CEO da +A Educação, concorda. Segundo o executivo, “a geração atual tem uma necessidade de soluções mais imediatas, tem menos paciência e menos tolerância, por isso procuram as que deem respostas mais rápidas e mais efetivas.”

Cursos de curta duração têm naturalmente grande valor. Eles são um caminho eficiente para corrigir falhas na formação profissional ou para adquirir novas habilidades. Mas, por serem muito mais fáceis de serem oferecidos, exigem cuidados adicionais do estudante. É preciso verificar as credenciais da instituição de ensino e dos professores, para evitar cair em verdadeiras arapucas, que proliferam se aproveitando da necessidade e inocência dos candidatos. “Para quem estiver querendo um diploma rápido, vai ter cada vez mais faculdades ofertando”, afirma Lassalvia.

A consultora vê uma precarização de políticas públicas educacionais, com a gestão da carreira deixada maquiavelicamente para uma pessoa às vezes mal preparada e desassistida. “Se ela estudou e se deu bem, é empreendedora de si mesma, mas, se não se deu bem, é problema dela”, explica.

“Pode até ter havido uma diminuição da qualidade, mas houve uma democratização”, contrapõe Kiperman. De fato, esse cenário facilita que mais pessoas adquiram novas habilidades rapidamente e sem gastar muito. “É então algo pontual, pragmático, para preencher lacunas, o que não é formação, mas informação”, afirma Lassalvia.

O problema de se fazer apenas esses cursos é justamente sua proposta de ensinar algo pontual. Isso não confere ao estudante a capacidade de conectar conteúdos complexos e diferentes, dando grandes saltos na carreira. “Essa busca por cursos em formato de pílula é muito bacana como algo complementar, mas não pode ser a formação principal”, explica a consultora. “Se o sujeito estiver fazendo algo e aparecer uma exigência maior, aquele aprendizado não comportará mais.”

 

Aprendendo a aprender

Talvez essa seja a grande diferença entre cursos pontuais e os mais longos, especialmente mestrados e doutorados: a capacidade de desenvolver conhecimento por conta própria, diante de novos desafios. É como ser capaz de misturar ingredientes para criar um novo prato, ao invés de ser restrito a seguir receitas sem questionamentos.

Isso só é possível graças a professores muito capacitados e que não se restringem a atender demandas imediatas, podendo se debruçar na pesquisa. Mas ironicamente uma crítica contundente de muitos profissionais tangencia justamente isso: a distância entre a universidade e o que mercado precisa.

“A academia é muito conservadora, reagindo lentamente às demandas da sociedade, às vezes a reboque delas”, afirma Kiperman. “O desenvolvimento tecnológico, antes capitaneado pela academia, hoje está dentro das empresas: de uma Amazon, de um Google, de um Facebook”.

Lassalvia acrescenta que as instituições de ensino precisam acompanhar a modernização do mundo. E isso não significa apenas investir em tecnologia. “É preciso trabalhar com metodologias ativas, é tentar inserir um pouco da vida fora da escola dentro dela”, sugere. “Não pode ser mais somente ensino baseado em conteúdo, que eu encontro no Google, no livro.”

Kiperman explica que, até 1998, as universidades brasileiras não podiam ter fins lucrativos. Isso fazia com que as poucas universidades então existentes se concentrassem na excelência acadêmica, deixando em segundo plano as necessidades do mercado. Por isso, as empresas pouco colaboravam financeiramente com as instituições. Isso criou um afastamento que permanece, em alguma escala, até hoje, apesar de ser desinteressante para todos.

O Brasil nunca demonstrou apreço pela educação, o que explica em parte a nossa dificuldade de nos consolidarmos como uma nação desenvolvida. Isso aparece, por exemplo, no desprestígio e nas condições de trabalho ruins dos professores, que chegaram a seu nível mais baixo nos últimos anos, com demissões em massa, perseguições e até agressões verbais e físicas.

Acompanho todos esses movimentos com apreensão. O surgimento de novos trabalhos muito bem remunerados e que exigem pouco estudo, como influenciadores digitais, pode diminuir ainda mais o apreço pela educação. Mas não podemos achar que basta ligar uma câmera para ficar rico. “Assim a gente vai ter um abismo de formação maior do que a gente teve nessas últimas décadas”, afirma Lassalvia.

Cursos rápidos são ferramentas modernas e eficientes para a formação profissional, desde que ministrados por professores qualificados, em instituições que se preocupem com a qualidade do ensino. Mas eles não podem levar à extinção de formações mais sofisticadas que, em última instância, são as que impulsionam toda a sociedade a patamares superiores de qualidade de vida e desenvolvimento.

Todos nós temos um papel nisso, ao valorizar a escola como espaço de aquisição de conhecimento e de valores de colaboração, tolerância, inclusão e respeito. As instituições de ensino, por sua vez, precisam se aproximar da sociedade e se modernizar no conteúdo e na forma. Enquanto tudo isso não acontecer, o Brasil continuará andando de lado no seu desenvolvimento.

 

As belezas e as dores do ensino a distância

By | Educação | No Comments

Dizem que, nos últimos anos, a grande agente da transformação digital foi a Covid-19. Infâmias à parte, é um fato que a pandemia nos ensinou a fazer muitas coisas novas ou a usar a tecnologia para recriar atividades cotidianas. Uma das mais impactadas foi a maneira como estudamos. E isso trouxe benefícios, mas também problemas.

Como professor, vi alunos irados em março de 2020, quando seus cursos passaram a ser oferecidos online, por causa da doença. Mas o movimento foi inevitável, atingindo do Ensino Infantil à pós-graduação. Hoje, mesmo com as escolas reabertas há mais de um ano, observo uma crescente preferência por cursos a distância, até mesmo superando os presenciais.

Esse é um movimento sem volta! São inegáveis as vantagens, como comodidade e economia, ao se estudar em casa. Mas o uso inadequado da tecnologia na educação pode piorar muito a qualidade do ensino.


Veja esse artigo em vídeo:


Não se pode olhar de maneira homogênea para todos cursos e momentos da formação de uma pessoa. “Isso é o futuro para a parte da população que quer se qualificar”, afirma Yuri Lima, pesquisador do Laboratório do Futuro da COPPE/UFRJ. “Mas há uma perda de qualidade do ensino, principalmente para quem está em uma primeira graduação”, explica. Para ele, “existe incoerência se eu disser que o futuro do trabalho virá de trabalho em equipe, empatia, negociação, criatividade ou qualquer outra soft skill, e concordar que um curso online conteudista suprirá tudo isso”.

A opinião é compartilhada por David de Oliveira Lemes, diretor da Faculdade de Estudos Interdisciplinares da PUC-SP. “Na graduação, faz muito mais sentido o presencial, pela convivência universitária, pela troca de experiências, porque é uma idade de transição para a vida adulta”. Ele explica que há habilidades exigidas pelo mercado que o aluno precisa do ensino presencial para desenvolver. “Mas, mesmo para as especializações, alguns momentos presenciais, nem que seja para networking, são fundamentais”, acrescenta.

Essa mudança no público se deve, em parte, às universidades, que ofereceram diversos cursos online gratuitos no começo da pandemia. Isso fez com que muita gente descobrisse que é possível aprender de casa, economizando dinheiro e tempo. Em contrapartida, vimos uma explosão de cursos de qualidade duvidosa, até mesmo de instituições conhecidas. Elas viram no ensino a distância uma maneira de aumentar exponencialmente seus lucros em detrimento da qualidade pedagógica.

O desafio para os alunos é descobrir quais cursos lhes garantirão um aprendizado satisfatório. Já as instituições de ensino precisam se apropriar desses recursos com ética, para levar a educação a um novo patamar de excelência.

A educação não é só erudição, especialmente para os mais pobres. Para essas pessoas, é um caminho para mudar de vida, especialmente –mas não exclusivamente– em um país com grandes desafios sociais, como o nosso.

Segundo o estudo “O Estado da Educação Superior 2022”, produzido pelo Instituo Gallup e pela Fundação Lumina, dos dez motivos para se cursar o ensino superior, seis se relacionam a melhorias no trabalho. De fato, de acordo com a consultoria LABORe, o salário médio no Brasil em dezembro de 2018 saltava de R$ 2.147, pago a quem estudava até o Ensino Médio, para R$ 5.869, para quem concluía a faculdade.

 

A busca pela comodidade

Há alguns dias, realizei uma pesquisa informal no LinkedIn para saber como as pessoas preferem estudar hoje. Com 1.763 votos, o ensino presencial apareceu na frente com 38% das preferências, seguido de perto pelo ensino a distância com aulas ao vivo (33%) e pelo ensino a distância com aulas gravadas (28%).

Isso está em linha com o Censo da Educação Superior 2020, divulgado em fevereiro pelo MEC (Ministério da Educação). Naquele ano, o país registrou, pela primeira vez, mais matrículas em graduações a distância que nas presenciais. Se considerarmos apenas instituições privadas, isso já acontece dede 2019.

“Se for apenas para conteúdo expositivo, o EAD é muito melhor”, afirma Lemes. O professor explica que o tempo em uma sala da aula presencial deve ser aproveitado com metodologias que ajudem na formação do aluno, como debates e projetos.

O alerta acende quando os cursos presenciais são substituídos pelo EAD apenas para aumentar os lucros. “O online ao vivo já passa por uma precarização quando coloca um professor para dar aula para até mil alunos”, afirma Lima, sobre instituições que substituem várias turmas presenciais por uma enorme turma online. Mas a situação fica dramática quando o curso se resume a aulas gravadas, com um tutor (que muitas vezes nem tem a formação acadêmica adequada) “gerenciando” até 5.000 alunos!

Lima explica que, quando se olham listas de profissões do futuro, o professor aparece, pois suas tarefas estão entre as “menos automatizáveis”. Entretanto, esse uso inconsequente do ensino a distância vem provocando uma onda de demissões de professores no Brasil. “A gente está substituindo a educação presencial como um todo por um modelo de negócios que dispensa a existência do professor”, afirma Lima.

Isso aparece claramente no Censo da Educação Superior. A quantidade de professores no Ensino Superior privado vinha estável por volta de 210 mil. Em 2020, houve uma grande queda, para 195 mil. Já o Ministério do Trabalho aponta 30 mil professores demitidos no Ensino Superior entre março de 2020 e dezembro de 2021.

Lima explica que menos turmas presenciais exigem menos professores, sem diminuir a quantidade de alunos nas enormes turmas online, aumentando os lucros das instituições. “Para que eu vou investir no presencial, que me traz a metade da minha margem do online?”

A própria formação de novos professores vem sendo impactada. Levantamento divulgado no dia 18 pelo movimento Todos pela Educação mostra que 61% dos formandos de cursos de Pedagogia e Licenciatura em 2020 no país estudaram a distância. Nos demais cursos superiores, o índice foi de 24,6%. A instituição considera isso “extremamente grave”, pois essa formação seria de baixa qualidade.

“Quando a gente pensa na degradação do trabalho docente, na verdade é porque isso está degradando a qualidade do ensino”, afirma Lima. Mas ele relembra que a culpa não é do ensino a distância, e sim de seu mau uso. “Eu não acho que ele seja uma panaceia e também não acho que seja o fim do mundo.”

Lemes aponta que o professor está tendo que se reinventar o tempo todo. “Sempre vai ter espaço para professor, talvez não aquele que ele tinha antes”, explica, dizendo que não sabe se há uma precarização, mas que há transformação das suas funções.

Sou um defensor da transformação digital nos mais diversos segmentos. A educação obviamente também melhora com a tecnologia. Mas, como em todos os casos, isso precisa ser feito com responsabilidade. O EAD não é vilão, nem tampouco algo a ser abraçado inconsequentemente.

Empresas de educação são negócios muito particulares, pois todos os demais segmentos dependem da qualidade de sua entrega. Naturalmente devem ter lucro, mas elas não podem sacrificar seu crítico papel social por ele.

O Brasil já padece de uma educação de qualidade muito baixa há anos, e que só vem piorando. Não é de se estranhar que soframos com um severo déficit profissional, em quantidade e principalmente em qualidade. Não podemos nos dar ao luxo de isso ficar ainda pior!

 

Pais que ficam online demais criam filhos com o mesmo problema

By | Educação | No Comments

Em nosso mundo hiperconectado, uma queixa comum de muitos pais é que seus filhos ficam tempo demais nos seus celulares e videogames, que estariam “viciados” no digital. Mas pelo menos parte desse problema se deve ao fato de que esses mesmos pais usam a tecnologia de maneira excessiva.

Pesquisa recente da empresa de cibersegurança Kaspersky deixa clara a relação direta entre o tempo de uso de aparelhos digitais pelos pais e por seus filhos. O levantamento ainda aponta que os primeiros têm dificuldade de seguir os limites que eles mesmos determinam aos pequenos.

Mas atire a primeira pedra quem nunca ficou nas redes sociais mais tempo que deveria! O que deve ser entendido é que isso pode causar prejuízos a adultos e crianças, mas que é possível usar o mundo digital sem extrapolar os limites.


Veja esse artigo em vídeo:


A pesquisa foi realizada no segundo semestre do ano passado, com mais de 11 mil adultos que moram com crianças de 7 a 12 anos. Foram entrevistadas pessoas de 19 países, inclusive do Brasil. O objetivo foi verificar como hábitos digitais dos adultos podem influenciar as crianças e vice-versa.

Dos entrevistados, 60% temem que seus filhos fiquem viciados em jogos, mesma porcentagem dos que se preocupam com privacidade e segurança e como esses equipamentos afetarão mental, física e socialmente os pequenos. Mas contraditoriamente 61% das crianças ganham seus primeiros dispositivos digitais entre 8 e 12 anos, sendo que 11% têm acesso antes de completar 5 anos.

“Muitos pais dão esses aparelhos a seus filhos, mesmo em tenra idade, para que eles ‘fiquem quietos’”, explica Katty Zúñiga, psicóloga integrante do Janus, o Laboratório de Estudos de Psicologia e Tecnologias da Informação e Comunicação da PUC-SP, que explica que, mais importante que palavras, são os comportamentos dos próprios pais. “Não adianta os pais reclamarem que as crianças usam aparelhos eletrônicos durante as refeições, se eles mesmos fazem isso.”

De fato, a pesquisa mostra que, nas famílias cujos pais usam seus celulares enquanto estão à mesa, os filhos ficam 39 minutos online a mais que a média. Em nota, Fabiano Tricarico, diretor de consumo da Kaspersky na América Latina, explica que “a educação infantil deve começar com uma autoavaliação e uma reflexão sobre que tipo de ser humano nós, como pais, queremos formar e o que nós mesmos fazemos para sermos desta forma”. Segundo o executivo, os adultos precisam ver o ambiente digital como uma extensão de nossas vidas, e não como um espaço à parte.

Pelo levantamento global, 61% dos pais acham que nem sempre são um bom modelo em hábitos digitais. Entre os brasileiros, 58% acham difícil serem a inspiração para as crianças. Por exemplo, 72% dos pais de todo mundo relatam que enviam mensagens de texto durante as conversas, mas só 10% aceitam isso em seus filhos. Ainda assim, 95% dos pais dizem pelo menos incentivar comportamentos positivos em sua casa, como não permitir que equipamentos digitais sejam levados para a cama, adotado por 55%. Além disso, 54% dizem estabelecer regras que se aplicam não apenas às crianças, mas a toda a família (47% no Brasil).

Uma de suas conclusões mais importantes é a correlação entre o tempo de uso de dispositivos digitais entre pais e filhos. Os 18% dos pais que usam os aparelhos menos de duas horas por dia inspiram 29% dos filhos a fazer o mesmo. O grupo mais numeroso é o das pessoas que os usam de três a cinco horas por dia, respondendo por 48% dos pais e também dos filhos. Entre os que usam entre seis e oito horas diárias, estão 23% dos pais e 17% dos filhos.

Nada disso chega a ser uma surpresa. Crianças aprendem por imitação e os pais são seus principais modelos. Logo, o comportamento online das crianças deriva do dos adultos.

 

A sedução das redes sociais

Um ponto crucial é, portanto, entender por que os adultos estão ficando tanto online. Mesmo quem trabalha com o meio digital e entende os mecanismos dos algoritmos acaba às vezes “passando do ponto”.

“Quando não controlo racionalmente o que estou fazendo, no impulso eu vou para a rede, e isso me assusta um pouco”, explica Fernanda Nascimento, diretora da agência Stratlab Inteligência Digital. Ela sente que as redes estão ocupando seu tempo livre mais do que gostaria. “Quanto mais a gente consome, mais a gente quer consumir.”

Segundo a edição 2022 da pesquisa Global Digital Report, organizada pelas consultorias Hootsuite e We Are Social, o brasileiro é um dos povos que fica mais tempo em redes sociais no mundo. São 3 horas e 41 minutos todos os dias, contra uma média global de 2 horas e 27 minutos.

Zúñiga explica que a medida do “excesso” se dá quando estar nas redes sociais começa a atrapalhar outras atividades do cotidiano. Segundo ela, a Internet é sedutora. “As redes sociais foram feitas para estimular a produção de dopamina pelas pessoas, para nos dar prazer”, explica. “É por isso que a gente usa cada vez mais, e pode causar uma dependência se a pessoa não se policiar.”

Nascimento concorda: “Ali eu estou dentro de um espaço que eu conheço. Talvez ele faça sentir algum tipo de segurança que eu não reconheça racionalmente, mas que emocionalmente está instalado.”

Se esse uso excessivo pode ser angustiante para um adulto, nas crianças pode até impactar o seu rendimento escolar. Zúñiga diz que elas podem ainda se tornar irritadas, impacientes e até querer sair menos de casa e interagir com outras crianças de maneira presencial, preferindo fazer isso online.

Ela explica que não adianta simplesmente proibir o uso de recursos digitais pelas crianças, pois elas encontrarão uma maneira de burlar restrições muito estritas. Ao invés disso, os pais devem passar mais tempo com os pequenos, também acompanhando o que eles fazem no mundo digital e mostrando que há opções interessantes fora dele. “Eles devem convidar seus filhos a fazer atividades ao ar livre, ler um livro juntos, coisas que os estimulem a perceber que isso também dá prazer”, explica.

Os próprios adultos devem fazer mais atividades concretas para não perder o controle diante das redes digitais. Zúñiga diz que não adianta simplesmente desligar os aparelhos, pois isso pode resultar em uma sensação de se estar deixando de saber “algo importante”, uma síndrome conhecida pela sigla em inglês FOMO (em português, o “medo de estar perdendo algo”).

Contra isso, a pessoa deve resgatar aquilo que gosta, como trabalhos manuais, caminhar, cozinhar ou praticar esportes, “algo que ela goste de fazer e se sinta imersa naquilo”, explica a psicóloga. “Quando a gente está focado no que gosta, deixa de lado outras coisas, até mesmo a necessidade premente de estar nas redes sociais.”

Nessa semana, Nascimento prestou mais atenção para ficar menos nas redes sociais e conseguiu. “E eu fiquei bem melhor, menos estressada, menos nervosa, menos cansada”, conclui.

 

Guarda da série “Round 6”, que se tornou a mais vista na Netflix, cujos jogos violentos estão sendo simulados em escolas

O que pode haver de mortal em brincadeiras infantis

By | Educação | No Comments

Na semana passada, “Round 6” se tornou a série mais vista da história da Netflix. Mais de 111 milhões de pessoas assistiram à produção sul-coreana nas primeiras quatro semanas no ar. Ela retrata uma macabra competição entre 456 endividados, que se dispõem a participar de versões de seis jogos infantis. O vencedor leva um prêmio equivalente a R$ 213 milhões. Todos os demais morrem ao longo dos jogos.

Mas algo sinistro se formou em torno da série, indicada para maiores de 16 anos. Crianças de vários países, inclusive do Brasil, estão simulando a competição nas escolas. No caso, os perdedores são surrados pelos vencedores.

Esse comportamento não chega a ser surpreendente, e é um reflexo do mundo em que vivemos. E, ao contrário do que alguns estão se apressando a dizer, a culpa não é da Netflix, nem dos produtores da série. Mas temos que entender o problema para resolvê-lo.


Veja esse artigo em vídeo:


Originalmente escrito em 2008, “Round 6” se tornou um fenômeno de mídia. Além da enorme audiência na plataforma de streaming, seus atores, até então desconhecidos fora da Coreia do Sul, ganham milhões de seguidores nas redes sociais.

Também é um fenômeno comercial. Os tênis brancos Slip-On, da marca Vans, usados pelos jogadores, viram suas vendas aumentarem em incríveis 7.800%. Além disso, o uniforme dos guardas da série se tornou a fantasia mais buscada. Isso lembra o que aconteceu com o macacão vermelho e a máscara de Salvador Dali usados pelos assaltantes de “La Casa de Papel”, outra série da Netflix, há quatro anos.

Diante desse frenesi, seria, portanto, inocência assumir que crianças e adolescentes não assistiriam à série apenas pela sua classificação etária. Muitos fazem isso até junto com seus pais, o que, dentro das circunstâncias, pode até uma alternativa menos pior, se bem aproveitado esse convívio em torno da história.

Todos nós nascemos com capacidades para discernir o certo do errado e o verdadeiro da fantasia. Mas essa habilidade só amadurece ao longo dos anos, precisa ser “treinada” com estímulos, com exemplos e com explicações de pessoas e de instituições que os pequenos têm como referência, como seus pais e a escola.

“Round 6” (que no resto do mundo é chamado de “Squid Game”, ou “Jogo da Lula”) obviamente é uma fantasia perturbadora. Traz uma feroz crítica social sobre a diferença entre as classes sociais e a dependência que as pessoas desenvolvem do dinheiro, até o ponto de algumas morrerem por ele em situações extremas.

Fica a pergunta: isso poderia acontecer de verdade em algum lugar do mundo?

 

Violência relativizada e normalizada

Às vezes, tenho a impressão de que o mundo ando louco demais.

Acho pouco provável que alguém se dispusesse a criar uma “brincadeira” tão distópica, em que pessoas morressem para sua diversão. Se bem que já tivemos algo assim em vários lugares do mundo ao longo da história, como nas arenas romanas.

Por outro lado, não me espantaria se, caso isso se concretizasse, um bando de malucos topasse arriscar a própria vida pela adrenalina e pelo dinheiro. Como sempre abordo nesse espaço, a dinâmica das redes sociais vem criando uma geração de pessoas “viciadas” em dopamina e com uma percepção fugaz da própria realidade, sempre a busca de novos estímulos.

Se isso impacta decisivamente até os adultos, adolescente e crianças se tornam presas fáceis desse ambiente. Seu senso crítico ainda não está desenvolvido para digerir tantos estímulos. Eles não têm as experiências de vida para colocar tudo na sua devida perspectiva.

No caso de “Round 6”, a profundidade da crítica social desaparece, permanecendo apenas o jogo puro. E a própria violência, que culmina na morte de pessoas, fica relativizada e perde força. Corre-se o risco de achar que tudo aquilo é normal.

O criador de “Round 6”, Hwang Dong-hyuk, disse que estava perplexo que crianças estivessem assistindo à série. Em entrevista a uma emissora sul-coreana, ele disse que espera que os pais e os professores ao redor do mundo sejam prudentes, para que os pequenos não sejam expostos a esse tipo de conteúdo.

 

Como proteger as crianças

“Round 6” é a bola da vez, mas, nos últimos anos, as crianças vêm sendo impactadas por diferentes conteúdos que levam muitas delas a dor, violência e até morte.

Em 2017, a “Baleia Azul” teve grande repercussão. Consistia de 50 tarefas que adolescentes recebiam de “curadores”, envolvendo automutilação e culminando no suicídio. Até hoje, há controvérsias sobre sua origem. Aparentemente, no início, não passava de um boato. Entretanto, diante da exposição que teve, acabou se “concretizando”, e várias mortes estariam associadas à Baleia Azul.

Dois anos depois, surgiu a Momo, uma boneca fantasmagórica que estaria invadindo o YouTube Kids para convencer crianças a fazer coisas como se cortar e até mesmo matar os próprios pais. Não passava de uma combinação de “fake news” com “efeito manada”, mas o movimento criado levou algumas crianças a realmente se automutilar.

Não podemos deixar de mencionar a suposta influência maligna dos games. Ela ressurge em casos de adolescentes que matam colegas, como aconteceu em 2019 na escola estadual Professor Raul Brasil, na cidade de Suzano, na Grande São Paulo. Mas estudos sérios demonstram que esses jogos não incentivam assassinatos reais. Pelo contrário, profissionais de psicologia explicam que esse tipo de criminoso é movido por outros problemas, muito mais profundos, que ele já carrega dentro de si.

Muitos propõem que “Round 6” seja sumariamente retirada do ar. Isso é algo totalmente inócuo: o buraco é muito mais embaixo!

Especialistas da área de saúde mental e de educação afirmam que a solução desses problemas passa por pais mais presentes na vida de seus filhos, para lhes oferecer carinho e orientação diante de tantos estímulos. Além disso, devem se unir a professores para ajudar a escola na tarefa de educar crianças e adolescentes.

Proibir o acesso raramente é eficiente. As crianças sempre darão um jeito, especialmente aquelas que têm acesso a smartphones e computadores. Mesmo que não vejam a série na Netflix, algumas cenas aparecem fora do contexto, no YouTube e até no TikTok. Além do mais, tudo que proibido desperta ainda mais o interesse.

Pais e educadores devem abordar esses temas com sinceridade e paciência, para explicar às crianças o que tudo aquilo significa e por que não devem fazer algumas coisas. Crianças, mesmo as pequenas, têm uma capacidade de compreensão que pode surpreender os próprios pais, quando eles se dispõem a oferecer essa orientação.

Elas devem se sentir acolhidas pelos seus pais. E esses devem criar, desde pequenos, um canal sincero de confiança com seus filhos, para que se sintam à vontade para compartilhar suas dúvidas e seus medos. Mas é importante entender que a confiança é uma via de mão-dupla: os pais também devem oferecer confiança e ser confiáveis.

A educação midiática se torna cada vez mais crítica em nosso mundo. Pais e educadores têm um papel central nisso. E devem sempre pedir ajuda a profissionais, como psicólogos, quando necessário.

Mas nada substitui o carinho, a presença e a confiança entre pais e filhos.

 

Assis Chateaubriand, o “rei do Brasil”, que construiu um império de mídia na primeira metade do século XX só porque “queria ter opinião”

A verdade e os limites de cada um

By | Educação | No Comments

Segundo consta, o paraibano Assis Chateaubriand (que aparece na foto acima) começou a construir seu império de comunicação dos Diários Associados porque queria “ter opinião”. No início de sua carreira, ouviu do patrão que, para falar o que bem entendesse, tinha que comprar um jornal. E foi o que fez! Depois outro, outro e mais outro, até ser dono do maior conglomerado de mídia da América Latina na primeira metade do século XX, que chegou a contar com mais de cem jornais, emissoras de rádio e TV, revistas e agências.

Nada mal para quem só queria publicar suas ideias sem pedir permissão ao outro!

Passados cem anos, a coisa ficou bem mais simples. Não é preciso ter jornal, nem rádio, nem TV para expressar sua opinião. Basta uma conta nas redes sociais.

O problema é que, como diz o ditado, “quem nunca comeu melado, quando come, se lambuza”. Opinião todo mundo pode ter sobre tudo, inclusive religião, futebol e, mais recentemente, política. Mas ter opinião embasada e saber expor isso de forma respeitosa e construtiva exige habilidades que poucos carregam. E, nesse emaranhado de ideias sem limite, pessoas e empresas tentam se encontrar.


Veja esse artigo em vídeo:


Chatô, como era conhecido Chateubriand, virou o “rei do Brasil” pelo poder que construiu na mídia. Acabou incorporando a bravata do antigo chefe, que repetia a seus subordinados: “se você quiser ter opinião, compre um jornal (ou uma revista)!” Defendia seu direito de se expressar, mas não que outros promovessem suas “verdades”, especialmente as contrárias às suas.

Esse comportamento condenável combinava com a personalidade autoritária e egocêntrica de Chatô. Apesar do poder acumulado, estava longe de ser um exemplo a ser seguido. Infelizmente agora a Internet permite que isso se multiplique indefinidamente por pessoas de todo tipo e todo lugar, donos de seus “pequenos castelos”.

Esse diálogo de surdos nas redes sociais se construiu porque as pessoas confundem sua opinião com fatos. É possível acreditar em algo, é possível repetir isso mil vezes, mas não é possível ser dono dos acontecimentos.

A intensa virtualidade em que vivemos, reforçada pelas várias horas que passamos metidos nas redes sociais todos os dias, favorece essa sensação de poder se controlar a verdade: qualquer coisa que dissermos nessas plataformas ecoará em muitas pessoas, graças aos algoritmos que criam bolhas de pensamento único a nossa volta.

Não podemos perder as referências do real e de nossa humanidade por essa sensação de falso poder. E isso nos traz outro desafio de nosso tempo, que é o de se posicionar, de promover a proximidade com o outro sem parecer oportunista ou piegas. Pelo contrário, como fazer isso de maneira construtiva e genuína?

 

Coragem e vulnerabilidade

O cenário de insana polaridade que vivemos decorre disso. Quando todos têm razão, ninguém tem razão. É como se, de repente, o Brasil fosse tomado por milhões de Chatôs.

Essa intolerância pode calar muitas boas vozes: pessoas não apenas com opinião, mas também com embasamento, só que sem interesse em entrar nos intermináveis e infrutíferos debates online. Daí, para se proteger, criam “couraças” sobre a pele.

Mas –suprema ironia– as redes sociais justamente premiam quem se mostra. Considerando que a presença nessas plataformas se tornou essencial para se posicionar, fica o dilema de como fazer isso sem se machucar.

Um dos caminhos é se demonstrar autêntico, despir-se da defesa da couraça. Para isso, é preciso coletar excelentes argumentos e fatos de fontes fidedignas antes de se pronunciar. E, nesse processo, temos um ganho secundário importantíssimo, que é separar aqueles que “falam apenas porque têm boca” dos que realmente têm algo útil a se dizer.

Não é uma tarefa simples. Em nossa sociedade competitiva e guiada pela tal meritocracia, mostrar-se genuinamente virou algo de certa forma indesejado. Ao tirarmos as “máscaras”, mostramos nossas imperfeições, e isso é visto como sinal de fraqueza, de alguém que não deve ser, por exemplo, contratado para um trabalho.

Esse pensamento é um grande erro, pelo simples fato de que ninguém é perfeito. Segundo Brené Brown, pesquisadora em serviço social da Universidade de Houston (EUA), “imperfeições não são inadequações: são um lembrete de que estamos nisso todos juntos.”

Brown é uma referência internacional quando se trata de vulnerabilidade. Para ela, demonstrar-se vulnerável pode ser uma poderosa ferramenta de autoconhecimento, que nos permite identificar e melhorar nossas deficiências e reforçar nossas habilidades. Esse é um passo essencial para demonstrarmos empatia por nós mesmos. Sem isso, não seremos eficientes em ser empáticos com o outro.

Não precisamos ter respostas para tudo na ponta da língua. Ninguém sabe tudo sobre algo e nem algo sobre tudo. Sempre teremos o que aprender. Dessa forma, o antídoto para a intolerância das redes passa pela coragem de se demonstrar vulnerável e construir algo com isso.

 

“Meta as caras”

Muito antes de saber dessas histórias de Chateubriand, eu criei um jornal, um tabloide mensal que chegou a ter 52 páginas coloridas e 50 mil exemplares por edição, que durou de 1991 a 1998.

O que me motivava era compartilhar um pouco do que eu sabia com muita gente, em um tempo em que a Internet comercial ainda não existia (só foi liberada no Brasil no fim de 1994) ou era muito restrita.

Era o começo da minha carreira. Ainda havia muito a se lapidar em mim, mas acreditava que podia contribuir com as pessoas. E fazia isso cuidadosamente, da melhor maneira que podia. Quando o impresso acabou, eu já tinha o digital para ampliar minha voz.

Hoje, só no LinkedIn, tenho mais de 750 mil seguidores. Naturalmente nem todos veem o que publico, e, dos que veem, nem todos gostam. E está tudo bem! Eu não quero ter uma opinião para impor aos outros e não sinto que sou dono da verdade. Entretanto, ao escrever um artigo, gravar um vídeo, fazer um simples post, procuro saber muito bem do que estou falando e me apresentar com autenticidade.

Em um mundo tão complexo como o atual, precisamos de menos Chatôs e de mais Brené Browns. Portanto, convido você a trilhar esse caminho da vulnerabilidade, da empatia e do compartilhamento de ideias construtivas. Ganhará você e quem você tocar.

 

A mentira dita mil vezes

By | Educação | No Comments

O governo federal parece ter agora apenas um único objetivo: desacreditar as urnas eletrônicas e instituir o voto impresso. A pandemia, o desemprego e tantas outras mazelas do Brasil parecem ter sumido, pois o ataque ao sistema eleitoral brasileiro se tornou um assunto onipresente nas falas de Bolsonaro. É de se perguntar o porquê dessa insistência insana.

Para quem conhece um pouco da história e da política, esse movimento é facilmente explicável. Ele segue um padrão de convencimento popular formalizado há cerca de 90 anos, mas que foi reforçado pelo advento das redes sociais.

Na quinta, o mandatário não cumpriu a promessa de demonstrar as falhas da urna eletrônica, em uma transmissão recheada de vídeos antigos e argumentos falsos, todos largamente desmentidos por autoridades e especialistas. Ainda assim, insiste na tese e convoca seus apoiadores para lutar por ela.

Essa linha de ação segue o conceito de que “uma mentira dita uma vez é apenas uma mentira; já uma mentira dita mil vezes se torna verdade”.


Veja esse artigo em vídeo:


Essa tese foi organizada por Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Adolph Hitler, para legitimar suas atrocidades. Foi dessa maneira que os alemães na década de 1930 apoiaram a política do seu Fürher contra os “inimigos do povo”, com a qual se consolidou no poder, tornou-se ditador, promoveu a Segunda Guerra Mundial e realizou o Holocausto. As ações dos apoiadores do líder nazista podem ser vistas no premiado documentário “Arquitetura da Destruição” (disponível gratuitamente e legendado no YouTube).

Aquilo parece monstruoso a nossos olhos, mas, guardadas as proporções, é exatamente o mecanismo atual, com o agravante de que se espalha mais rapidamente pelas redes sociais. Agora, para se tornar “verdade”, uma mentira não se repete mais mil vezes, e sim um milhão de vezes, o que torna o processo mais eficiente.

Esse modus operandi não tem nada a ver com um governo ser progressista ou conservador, de esquerda ou de direita. Tem a ver com um governo ser autoritário e querer se perpetuar no poder a qualquer custo.

A história é pródiga em demonstrar isso, sendo que alguns de seus mais perfeitos expoentes foram legitimamente eleitos em um primeiro momento, como Donald Trump, Hugo Chávez e Adolph Hitler. Dos três, o único que fracassou em seus objetivos foi o primeiro, mas não sem deixar um grande custo, com os Estados Unidos rachado ao meio, culminando com a grotesca invasão do Capitólio, em que seus apoiadores invadiram violentamente o Congresso para tentar impedir o anúncio da vitória de seu opositor, Joe Biden.

 

“Engana que eu gosto”

Não se trata de uma loucura coletiva. Por uma característica evolutiva de autopreservação da espécie, as pessoas acreditam naquilo que lhes for mais conveniente, mesmo que a manutenção de alguns de seus privilégios prejudique muitas pessoas ou até coloque a democracia em risco.

Quando são expostas a apenas uma narrativa, baseada em fatos, na ciência ou em instituições de grande reputação, acatam mesmo o que não gostam, resignando-se. Mas, na primeira oportunidade de alguém lhes apresentar uma versão contrária e mais palatável, abraçam cegamente o mentiroso, como uma tábua de salvação.

Esse mecanismo de interesse de manada contra a verdade foi descrito em 2016 pelo renomado Dicionário Oxford. Naquele ano, seus organizadores elegeram “pós-verdade” como a “palavra do ano”. Na sua definição, ela é “relativa ou referente a circunstâncias nas quais os fatos objetivos são menos influentes na opinião pública do que as emoções e as crenças pessoais.”

Mas isso precisa ser construído! A narrativa mentirosa, que interessa a esses grupos específicos, precisa fazer frente à realidade, sufocando os fatos e expondo incansavelmente a alternativa por todos os métodos disponíveis.

Por isso, a boa imprensa sempre é uma pedra no sapato de governantes, especialmente dos autoritários. A despeito de suas imperfeições, ela tem a função essencial de fiscalizar todo governo, impedindo-o de extrapolar suas prerrogativas. Se um veículo não fizer isso, não está fazendo bom jornalismo.

Goebbels sabia e censurou a imprensa, classificando as vozes dissonantes de “inimigos do povo”. Os nazistas não viam problema em desqualificar, censurar, prender e até matar quem se opusesse a eles. Por outro lado, como se vê em “Arquitetura da Destruição”, todos os recursos eram usados para reforçar sua visão, como eventos populares, o esporte, a cultura, as artes e até a arquitetura.

 

As redes sociais e a mentira

Em democracias consolidadas, calar a imprensa não é tarefa simples. Como os veículos de comunicação alcançam milhões de pessoas, sua voz tem enorme poder.

Mas ela ganhou um contraponto há cerca de 20 anos, com o surgimento das redes sociais. Pela primeira vez, as ideias de qualquer pessoa poderiam potencialmente atingir uma enorme quantidade de indivíduos, até mesmo em outros países.

Em um primeiro momento, foi incrível, pois a informação parecia ser mais democrática. Mas, de uma década para cá, grupos de poder aprenderam a usar esse recurso para impor a sua “pós-verdade”, travestindo-a de “voz do povo”. Obviamente trata-se de um engodo! Mas, como os algoritmos não têm ética e nem moral, é o suficiente para convencer milhões de pessoas.

Os “robôs” são essenciais nesse cenário para dar o primeiro empurrão e apresentar as mentiras nas redes sociais para quem deseja que aquilo seja verdade. A partir daí, essas pessoas espalharão essas fake news. Mas ainda não é suficiente. É preciso criar um discurso uníssono para consolidar a falcatrua. Exatamente como se faz agora contra as urnas eletrônicas.

Elas são perfeitamente auditáveis, enquanto os votos impressos (mesmo impressos automaticamente) são facilmente fraudáveis. E não é preciso adulterar uma enorme quantidade de votos impressos: apenas o suficiente para criar uma diferença entre essa contagem e o das urnas eletrônicas, para se criar uma insegurança jurídica em torno dos resultados da eleição. A partir daí, pode-se querer impugnar o resultado com o respaldo de uma parcela considerável da população, que acredita na farsa.

As circunstâncias nunca foram tão favoráveis para que uma mentira dita mil vezes se torne verdade. Para que uma democracia sobreviva, as pessoas devem ter acesso a fontes de informação diversas e confiáveis.  Precisam também ser convidadas a pensar e a contestar o que chega para elas, especialmente quando parece ser incrivelmente suculento para os seus valores e os seus desejos.

E isso é bem difícil. Mas é exatamente aí que reside a mentira que quer se tornar verdade!

Limites melhoram a experiência digital de crianças

By | Educação | No Comments

No início do mês, o post de uma médica paulistana “viralizou” no Instagram. Ela explicava por que excluiu as contas no Instagram e no TikTok de sua filha de 14 anos, que já tinha cerca de 2 milhões de seguidores. Segundo a mãe, fez isso para proteger a filha dos efeitos da exposição desmedida nas redes.

Como já se tornou praxe em nossa sociedade polarizada, ela recebeu muitos apoios pela iniciativa, mas também foi pesadamente criticada. Mas, afinal, ela extrapolou com seus cuidados maternais?

O fato é que o mundo digital está profundamente integrado à vida de adolescentes e até de crianças. Segundo a versão mais recente da pesquisa “TIC Kids Online Brasil”, realizado anualmente pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, 89% dos brasileiros entre 9 e 17 anos estão online. No Sudeste, esse percentual chega a 96%!

Nesse cenário, fica muito difícil impedir o acesso dos filhos ao meio digital. Por isso, especialistas afirmam que a supervisão dos pais é essencial para que os pequenos aproveitem ao máximo essa experiência.


Veja esse artigo em vídeo:


O pesquisador americano Philip Kotler, cunhou, em seu best-seller “Marketing 4.0” (2017), o neologismo netizen, combinando as palavras em inglês net e citizen, ou seja, os “cidadãos da Internet”. Segundo ele, “à semelhança de bons cidadãos, que contribuem para seu país, eles contribuem para o desenvolvimento da Internet.”

O papa do marketing moderno explica que “o papel deles de influenciar os outros está ligado ao desejo de estar sempre conectado e contribuir.” Não se limitam, portanto, a “consumir a Internet”.

Não seria diferente com as crianças. Katty Zúñiga, psicóloga integrante do Janus Leptic (Laboratório de Estudos de Psicologia e Tecnologias da Informação e Comunicação) da PUC-SP, explica que, como computadores e celulares fazem parte do cotidiano das famílias, isso se torna natural às crianças. Para ela, “é um campo novo de diversão, de aprendizado e comunicação”.

Entre as atividades que muitas realizam, está se tornar influenciador digital. A psicóloga explica que isso pode ajudar a desenvolver a criatividade e várias habilidades das crianças, como pensamento mais rápido, comunicação, espontaneidade e a autoconfiança. Ela alerta, entretanto, que os pais precisam ser um fio condutor, para que os filhos não percam os limites. Caso contrário, os benefícios podem dar lugar a problemas como ansiedade, perfeccionismo e cobranças desmedidas para “entregar conteúdo”.

 

Pequenas estrelas, grandes vendedores

Os primeiros influenciadores-mirins surgiram em 2005. Começaram como brincadeiras, mas muitos ganharam legiões de seguidores no YouTube e posteriormente em outras redes, chegando a milhões de fãs.

Especialistas explicam que crianças e adolescentes que se tornam influenciadores devem continuar encarando isso como diversão, e não como um trabalho. Mas muitas empresas e alguns pais descobriram que estavam diante de uma mina de ouro: os vídeos das crianças brincando são uma poderosa ferramenta para vender qualquer produto para seus pequenos seguidores.

Bruno Studer, professor, pesquisador e deputado francês, abordou o tema no 10º RightsCon, evento mundial sobre direitos humanos no ambiente digital, realizado em junho. Para ele, “quando se fala de influenciadores mirins, há um natural conflito de interesses para os familiares: ao mesmo tempo que procuram o bem-estar das crianças, também precisam administrar suas carreiras.”

Essa forma dissimulada ou às vezes escancarada de publicidade infantil afeta os influenciadores e seus fãs. Os primeiros recebem dezenas de brinquedos todas as semanas, o que é uma distorção da realidade, e precisam “brincar” com todos eles diante de câmeras. Já os seguidores, que tampouco têm maturidade para entender isso, são bombardeados com uma mensagem publicitária extremamente eficiente.

As plataformas digitais também precisam fazer mais para solucionar esse problema. Afinal, elas lucram muito com essa superexposição. Não basta, portanto, ter apenas um comportamento reativo de remover vídeos denunciados.

A edição de 2016 da mesma “TIC Kids Online Brasil” identificou que 69% das crianças e adolescentes foram impactadas naquele ano por publicidade em sites de vídeo, e 62% em redes sociais. A pesquisa mostrou também que 43% deles pediram produtos anunciados aos pais.

 

Controle parental

Eles, por sua vez, precisam de apoio. Muitos, mesmo bem intencionados, podem expor seus filhos demasiadamente, por falta de informação.

Não há legislação no Brasil que discipline as profissões de youtuber ou influenciador, mas a Constituição proíbe o trabalho noturno, perigoso ou insalubre aos menores de 18 anos, e qualquer trabalho a menores de 16, exceto o de aprendiz, permitido a partir de 14 anos. Pais que queiram regularizar a atividade de filhos influenciadores podem, entretanto, buscar um alvará judicial que classifique a atividade como trabalho artístico.

Mais importante que isso é os pais terem apoio psicológico para a iniciativa. Eles não podem ver seus filhos como “a galinha dos ovos de ouro”, e precisam ajudar crianças e adolescentes a não se sentirem pressionados por entregas, ou ansiosos por aprovações virtuais, como curtidas. A falta de materialidade disso pode causar uma dependência que pode evoluir até para a depressão.

Além disso, celulares não podem ser usado como as “novas chupetas”. “Há pais que aproveitam dessas ferramentas para se livrar do choro das crianças, e acabam as entregando para elas sem limite”, explica Zúñiga.

Especialistas indicam que a exposição a qualquer tipo de tela não deve passar de uma hora por dia até os 6 anos de idade, subindo para duas horas até os 12 anos e no máximo quatro horas por dia após isso. “É importante ter um tempo, pois a criança precisa se desenvolver em todos os aspectos”, explica ela, reforçando que a criança precisa também ter necessariamente experiências concretas.

Portanto, não dá para simplesmente alijar crianças e adolescentes do mundo digital, pois isso faz parte da sociedade em que todos nós vivemos. Fazer isso os privaria do desenvolvimento de habilidades importantes.

O que deve ser feito é orientá-las, supervisioná-las, estar junto a elas. Precisamos nos interessar genuinamente pelo que nossos filhos estão fazendo, e não apenas nas redes.

Violência se faz com armas e palavras

By | Educação | No Comments

A violência é um problema crônico do Brasil, uma de nossas maiores chagas. E, como em muitas de nossas mazelas, tenta-se maquiar o sintoma, enquanto se deixa as causas intocadas.

Por exemplo, o governo federal acha que sua solução passa por armar as pessoas, mais especificamente o chamado “cidadão de bem”. O Fórum Brasileiro de Segurança Pública discorda, indicando que isso só faz piorar a situação.

Apesar de os mais pobres serem, de longe, as vítimas principais da violência, ninguém está totalmente a salvo dela. Por mais que se armem e se protejam em redomas, os ricos também são impactados, até mesmo porque a violência pode brotar dentro de suas casas.

Nesse cenário em que as consequências ganham mais atenção que as motivações, as palavras podem ser tão perigosas quanto as balas. Isso acontece com ataques verbais de toda natureza, também contra quem propõe o debate para a busca de uma solução real. É o que está acontecendo nas redes sociais contra a série documental “Elize Matsunaga: Era Uma Vez um Crime”, que estrou no dia 8, na Netflix.


Veja esse artigo em vídeo:


Divulgado nesta quinta, o Anuário Brasileiro de Segurança Pública contabiliza um assassinato no país a cada dez minutos em 2020, 4,8% a mais que em 2019. No mesmo ano, 186.071 novas armas particulares foram registradas, o dobro de 2019. São agora mais de dois milhões de armas particulares registradas no Brasil. O Fórum Brasileiro de Segurança Pública afirma que há correlação entre as duas coisas.

No outro ponto dessa análise, a série da Netflix, dirigida por Eliza Capai, conta, com riqueza de detalhes, o brutal crime praticado por Elize Matsunaga em 2012, quando ela matou e esquartejou o marido, o milionário Marcos Matsunaga. Apesar de ser um trabalho jornalístico de alta qualidade, que ouviu, de maneira bastante equilibrada todos os lados do caso, vem sendo alvo de fúria de muita gente nas redes sociais.

A ideia aqui não é debater o crime, indubitavelmente hediondo, ou os pontos levantados pela promotoria e pela defesa da condenada. Para isso, recomendo que assista à série para tirar suas próprias conclusões.

A proposta é tentar entender por que uma parcela considerável da população ataca um trabalho que traz elementos para conhecer a gênese da violência. Aquela tenebrosa noite de 2012 foi o desfecho de problemas variados que se arrastaram por anos. Muitos deles permeiam nossa cultura e nossa sociedade.

Por isso mesmo, tanta gente se recusa a olhar para isso, pois exige energia para reconhecer em si elementos desse sistema. Resolver as causas da violência exigiria mudar isso, o que é doloroso. Muito mais confortável é manter enjaulados a criminosa e o monstro dentro de cada um de nós. Isso nos poupa de responder perguntas incômodas, porém necessárias. Por que esse caso ficou tão famoso? Seria a mesma coisa se a vítima fosse a mulher ou se fossem pessoas pobres?

 

“Defensor de bandido”

As pessoas querem apenas que o seu lado seja o vencedor. Quem for diferente deve ser calado, varrido para debaixo do tapete, jogado em um buraco ou trancafiado para sempre. E qualquer um que tente resgatar essas pessoas deve ter tratamento semelhante.

Os ataques a esse documentário me fizeram lembrar casos em torno do médico Drauzio Varella. Desde que escreveu o livro “Estação Carandiru” (1999), posteriormente adaptado para o filme “Carandiru: O Filme” (2003), ele, que é um profissional respeitadíssimo, é rotulado de “defensor de bandido” por alguns.

Na obra e em diversas outras ocasiões, Varella apenas busca humanizar os detentos, algo necessário se consideramos que nossa legislação prevê que todo condenado, após cumprir sua pena, deve ser reintegrado à sociedade. Mas, para quem encara essas pessoas como monstros, essa proposta afronta seus valores.

Todos nós temos um sentimento de autopreservação. É uma necessidade atávica, ancestral. Na pré-história, quando o ser humano não tinha essa posição de dominância absoluta, éramos caçadores, mas podíamos ser também caça.

Agora dominamos o mundo e a nossa autopreservação mudou. Nenhum animal nos atacará. Somos nós mesmo que fazemos isso, para proteger o que já temos ou para conseguir o que queremos.

Ironicamente, nas rodas de profissionais “descolados”, muito se fala de empatia. Mas as pessoas têm isso? Elas sabem o que isso significa, afinal?

A empatia é um sentimento que nasce conosco. Basta observar as crianças, que compartilham e tentam ajudar seus amigos em dificuldade, muito mais que os adultos. Mas algo acontece ao longo da vida, que a mata aos poucos.

 

O lobo do homem

O filósofo inglês Thomas Hobbes (1588 – 1679) disse, em sua obra mais famosa, Leviatã (1651), que “o homem é o lobo do homem”. Ele acreditava que o ser humano precisa viver em uma sociedade regida por regras e normas, que chamou de “contratos sociais”. Sem elas, esse “lobo” surgiria em todos, e rumaríamos à barbárie.

O que vejo hoje é que esses contratos estão sendo rasgados por aqueles que têm poder político, econômico ou simplesmente uma arma na mão. O outro e suas necessidades deixam de ser importantes a partir do momento em que um indivíduo tem a força de impor suas vontades.

Quem não tem uma arma de fogo tem a arma das palavras. Se antes elas eram restritas a quem estava ao alcance da influência desse agressor, com as redes sociais seus despautérios atingem potencialmente o mundo inteiro. E os algoritmos de relevância das redes catalisam o fator destrutivo dos ataques verbais, ao agrupar pessoas que pensam da mesma forma, criando uma poderosa caixa de ressonância.

Para Eliza, a diretora desse documentário na Netflix, “ninguém que comete crimes é apenas o crime que cometeu”. Todo crime, assim como tudo na vida, resulta de uma sequência de ações que nós e as pessoas a nossa volta tomam. Algumas são boas, outras são ruins. Às vezes, muito boas; às vezes muito ruins.

De forma alguma, defendo o crime de Elize Matsunaga. Por ele, foi julgada e condenada a quase 20 anos de prisão. A família do ex-marido não quis que os advogados entrassem com recurso para aumentar a pena (como eles queriam): acharam que a Justiça já tinha sido feita.

Uma sociedade só pode se dizer evoluída quando ela se torna muito mais eficiente na prevenção de crimes que na punição de criminosos. E, para isso, casos como esse devem ser debatidos e analisados com uma visão desapaixonada e verdadeiramente querendo entender todos os lados que levaram a um delito. Não podemos impedir que ele ocorra quando se chega ao ápice da loucura. Mas podemos trabalhar para que a enorme cadeia de fatores que levaram àquilo, quase sempre contornáveis, seja quebrada.

Por isso, o documentário é um serviço à sociedade por apresentar amplamente todos os lados do caso (que são muitos), com suas versões, seus sentimentos e seus interesses. Já aqueles que querem desqualificar a obra, com seus argumentos raivosos e limitados, não apenas deixam de contribuir para o combate à violência, como ainda a aumentam desmedidamente a cada post.

Eles são os lobos de Hobbes, que destroem seu semelhante para satisfazer unicamente suas necessidades.

Um país que nem sabe o que não sabe

By | Educação | No Comments

A educação brasileira ter, na média, uma qualidade sofrível e estar ladeira abaixo há anos infelizmente não é nenhuma novidade. Isso criou uma geração de cidadãos menos conscientes e de profissionais menos competitivos. Mas, além disso, tenho observado com assombro uma certa acomodação na mediocridade, que glorifica a estupidez nas redes sociais e cria solo fértil para o amadurecimento de uma ditadura da ignorância.

Isso nos empurra ainda mais fundo nesse lodo social em que nos encontramos. Uma sociedade bem educada, com universalização de bom conhecimento e cultura, não apenas cumpre seus deveres e faz valer seus direitos, como trabalha para a evolução de cada indivíduo e da comunidade. Sem isso, emperra onde está, pois nem sabe o que não sabe. E assim segue seus dias guiada pelo que vê nas redes sociais.

Isso parece –e é mesmo– um contrassenso. Por que alguém abriria mão da busca pelo conhecimento, que lhe daria o mundo, para se limitar a uma vida bovina, aquela em que, se houver um bom pasto, o gado ficará satisfeito sem tem que se movimentar muito?


Veja esse artigo em vídeo:


Quando eu era criança, havia uma frase dita pelos colegas como um misto de insulto e desprezo por algo que não dominavam: “não sei, não quero saber e tenho raiva de quem sabe”. Aquela bravata pueril tinha um quê de autoafirmação no grupo, por uma suposta superioridade que daria ao valentão o direito de desprezar o conhecimento, mas era restrito ao grupo de amigos e tentava esconder a ignorância por desconhecer o tema.

Hoje o “direito de ser ignorante” também serve para fazer parte de alguns círculos sociais. Mas, nesse caso, essas pessoas realmente se sentem de alguma maneira especiais, por não se curvarem ao que dita a ciência, as regras de convivência e até o bom senso. Ao afrontar o saber, o ignorante tem a falsa sensação de se posicionar acima de quem estudou muito para chegar onde chegou, em uma espécie de “esperteza torta”.

Aí reside uma das explicações desse fenômeno. O conhecimento não vem de graça: é necessário esforço e concentração. Em outras palavras, adquirir conhecimento dá trabalho, mas poucas coisas trazem retorno melhor.

Isso costumava ser um senso comum. Tanto que um dos maiores feitos para uma família de classe média era ver seus filhos concluindo uma faculdade, sinal de vitória, maior até que a compra da casa própria. Ninguém questionava isso.

Com as redes sociais, esse cenário mudou. A proliferação nelas de “gurus de meia pataca”, com suas “fórmulas mágicas de sucesso”, criou uma sensação de que basta seguir alguns passos básicos para se adquirir fama e fortuna.

Mas o que se observa é que os únicos que adquirem fama e principalmente fortuna com isso são os próprios “gurus”.

 

Evasão escolar

A pandemia agravou ainda mais esse quadro. Com as escolas fechadas pelas medidas do distanciamento social, o desemprego recorde e até a depressão, parte da população perdeu interesse em aprender. O quadro é ainda mais dramático entre os jovens, que abandonaram ou pensam em abandonar a escola.

Segundo pesquisa do Conselho Nacional da Juventude, que ouviu 68 mil pessoas com idades entre 15 e 29 anos, se tiverem que escolher entre trabalho e escola, 43% dos jovens brasileiros pensam em parar de estudar. Em 2020, esse índice era de 28%, que já era alto. Os principais motivos são necessidade de complementar a renda e não conseguir estudar remotamente.

Outro estudo, esse da Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária), aponta que 5,1 milhões de crianças e adolescentes desistiram de estudar no Brasil por causa da pandemia. Ele foi feito a partir de dados do último relatório PNAD Contínua, concluído em novembro pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Desse total, mais de 40% tinham entre 6 e 10 anos, uma faixa etária em que a escolarização estava quase universalizada antes da pandemia. O principal motivo foi a falta de acesso a equipamentos e Internet para fazer as aulas remotamente. Isso fez com que o Brasil regredisse duas décadas no acesso ao ensino básico.

Resgatar esses jovens para a escola é um desafio que toda a sociedade deve abraçar. Se fracassarmos nessa tarefa, a ditadura da ignorância ganhará força e o país ficará ainda mais imobilizado, em um círculo vicioso.

 

A vida que só existe nas redes

Não desdenho o conhecimento empírico, o aprendizado na “escola da vida”. Mas, apesar de isso ser importante para desenvolvermos pessoas criativas e flexíveis, há um limite até onde se pode chegar com ele. Isso explica por que o profissional brasileiro é considerado internacionalmente como alguém inventivo, porém sua produtividade fica muito abaixo dos trabalhadores de países que investem em boa educação e valorizam o conhecimento.

Para realmente alcançarmos um destaque consistente na sociedade e na profissão, temos que abandonar as fórmulas fáceis. Não podemos ter uma vida que brilha apenas nas redes sociais, com as fotos e vídeos que padecem de uma grosseira mesmice no Instagram e no TikTok, ou historinhas de inspiração fácil no LinkedIn.

Por isso, não chega a ser uma surpresa o novo recurso TikTok Resumés, em que pessoas poderão se candidatar a vagas de trabalho com vídeos curtos nessa plataforma. A novidade está em teste no mercado americano.

Temos que romper essa narrativa do “bom ignorante”, em que “ser espontâneo” passou a ser uma virtude, quando, na verdade, apenas mal disfarça indivíduos que, nas redes sociais, insultam desafetos e falam bobagens a partir de raciocínios mal construídos e de mentes sem conteúdo, despreparadas.

Eu gosto muito das redes sociais, mas elas não podem ser ferramentas de ascensão social. As pessoas precisam crescer de verdade, fora delas.

Precisamos resgatar o valor do aprendizado verdadeiro, da educação ampla, da cordialidade e do conhecimento. Por mais que as redes sociais nos mostrem uma vida que parece ser fácil em posts e em stories, apenas nos desenvolvemos como indivíduos e como nação quando arregaçamos as mangas e saímos da superficialidade em nosso cotidiano.

Por isso, o “bom ignorante” não passa de uma ilusão criada por aqueles que preferem manter o povo no escuro, para sua manipulação. É uma narrativa alimentada por quem prefere o caminho fácil, desancando quem valoriza o saber. Essa ditadura da ignorância precisa acabar!

 

O vírus acelerou a morte de profissões

By | Educação | No Comments

Com o incremento no passo da vacinação, muitas empresas que ainda têm funcionários trabalhando em home office acalentam o sonho de voltar aos escritórios, mesmo sabendo que as coisas não serão como antes. Nesse cenário, o trabalho híbrido ganha espaço e a digitalização de tarefas não deve retroceder. Mas alguns profissionais não voltarão aos seus postos, pois suas funções foram extintas.

Depois de um ano e meio de pandemia, já se sabe que ela atuou como um poderoso catalizador da transformação digital. Mudanças nesse sentido que antes eram esperadas para ser implantas em cinco anos aconteceram em cinco meses. Empresas e profissionais que se deram bem nesse período foram os que conseguiram fazer os movimentos necessários.

A Covid-19 acelerou a derrocada de profissões inteiras. Esse processo, impulsionado pela automação e por mudanças culturais, já vinha de antes da crise sanitária, mas aumentou com ela.

Não há vacina para isso! Entretanto, quem está chegando no mercado agora e quem já está consolidado na profissão há muitos anos podem ainda tomar as ações que salvarão seu futuro profissional.


Veja esse artigo em vídeo:


Na semana passada, soube do caso de Salvador Neves, autointitulado “o jornaleiro mais antigo de São Paulo”. Dono da banca Estadão, que fica no viaduto Nove de Julho, no centro da cidade, ele está se aposentando aos 85 anos, 64 dos quais dedicados ao ofício. Ele, que se orgulha de já ter sido o maior vendedor de jornais da capital, chegando a comercializar cem exemplares por minuto, hoje vende pouco mais de um por hora, na média.

A banca, que está sendo tocada pelo seu filho, foi transformada em uma pequena loja de conveniência, a exemplo do que aconteceu com todos esses pequenos pontos de venda de rua. Mas isso não é suficiente. Salvador deixa a profissão menos pela idade e mais pela falta de perspectiva.

Acontece que, por mais que as pessoas continuem se informando pelo noticiário das mesmas empresas de comunicação que faziam (e ainda fazem) os jornais que Salvador antes vendia aos montes, hoje fazem isso pelo meio digital. Portanto, de certa forma, não foi a Internet que matou as bancas de jornal, e sim uma mudança no padrão de consumo de seus clientes, que encontraram um modelo que lhes é mais interessante.

A dificuldade dos donos das bancas de se reinventarem e o próprio debate do futuro do trabalho passa pelo do futuro da educação. Precisamos rever o que ensinamos em nossas escolas, privilegiando habilidades técnicas e sociais necessárias para as profissões do futuro, como trabalho em equipe, inteligência emocional, resiliência, empatia e tolerância.

Em outras palavras, para escapar do processo de automação, a sociedade precisa rever a maneira como educa seus jovens, e os profissionais precisam continuamente se reciclar. Mesmo para quem tem nível superior, não se pode mais depender apenas do que se aprende na graduação.

O que puder ser automatizado será! Portanto, aqueles cujas funções forem muito repetitivas e que exijam pouca inovação e criatividade devem mesmo se preocupar.

Um estudo realizado na Universidade de Oxford sugere que profissões que exigem habilidades que ressaltem nossa humanidade têm menos chance de serem automatizadas. Entre elas, estão percepção social, negociação, persuasão, cuidado com o outro, originalidade, gosto artístico e destreza manual.

Nesse sentido, algumas das profissões mais bem posicionadas seriam as ligadas a hotelaria, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais e professores. Na outra ponta, entre as profissões mais ameaçadas, estão telemarketing, digitadores e caixas de banco.

O grande risco desse processo é tirar o ser humano da equação.

 

“Inempregáveis”

As mudanças são inevitáveis!

Se, por um lado, o avanço tecnológico deve trazer grandes benefícios para nossa vida, por outro ele pode gerar um excedente de mão de obra cujas qualificações não sirvam mais para essa nova realidade. E isso é algo que deve acontecer em um horizonte de poucos anos.

O Brasil já passa uma situação dramática no nível de emprego. Temos hoje cerca de 15 milhões de desempregados e mais de 6 milhões de desalentados, que são aqueles que já desistiram de procurar emprego. Além disso, há 33 milhões de pessoas que, apesar de estarem trabalhando, se sentem subaproveitadas, ou seja, poderiam e gostariam de produzir mais e melhor.

O grande problema é que começaremos a ver pessoas de uma nova categoria, a dos “inempregáveis”, aquelas cujas habilidades, mesmo aprendidas em uma faculdade, já não servem para nenhuma profissão. Cursos ultrapassados e falta de reciclagem profissional aumentam o risco de criar uma grande massa que não será capaz de exercitar qualquer trabalho.

Os otimistas afirmam que profissionais que perderem seu trabalho para a automação serão reaproveitados em outras funções. O problema é que essas tarefas tendem a ser pouco qualificadas, o que amplia a chance de serem novamente substituídos por outros sistemas depois de algum tempo.

As chamadas “profissões do futuro”, que estimulam nossa imaginação, exigem, por outro lado, pessoas que estejam continuamente aprendendo, que inovem e corram riscos, prontas para transformar o próprio trabalho em algo novo.

Nesse sentido, paradoxalmente algumas dessas atividades futuristas já existem há muito, muito tempo, como professores e médicos. Mas obviamente elas só poderão ser exercidas por profissionais que abracem maneiras totalmente inovadoras de fazer o que sempre fizeram. Quem insistir em métodos consagrados será lentamente colocado para fora do mercado.

Outra coisa que todos nós temos que ter em mente é que precisamos incorporar habilidades de outras áreas. Os profissionais mais valorizados precisam, cada ver mais, dominar habilidades da área de Exatas, como raciocínio lógico, análise de dados, entendimento de sistemas e estatística, assim como de Humanidades, como comunicação, pensamento crítico, trabalho em equipe e empatia.

As empresas devem entender que têm uma função essencial nisso, até mesmo para ensinar e reciclar seus profissionais, especialmente quando as escolas demoram a reagir e criar cursos que atendam a essas demandas.

O retorno é óbvio! Em janeiro, o relatório Brand Finance indicou as marcas mais valiosa do mundo: Apple, Amazon, Google, Microsoft, Samsung, Walmart, Facebook, ICBC, Verizon e WeChat. Apenas duas não são da área de tecnologia. E, nas 500 maiores, há só duas brasileiras: o Itaú, que ocupar o 387º lugar, e o Banco do Brasil, na posição 492. Nossas marcas mais valiosas são de setores muito conservadores ou estão ligadas a commodities, o que é emblemático.

Precisamos investir em profissões cujas tarefas não possam ser descritas e controladas por algum tipo de programa de computador. E devemos entender que o conhecimento envelhece. Por isso, temos que estar sempre estudando: essa ação é inegociável!

Vivemos em tempos exponenciais, e isso é ótimo para o desenvolvimento de toda a sociedade. Mas eles nos desafiam a fazer de um jeito diferente o que já existe ou criar algo completamente novo.

Não dá mais para se agarrar a fórmulas consagradas. Temos que nos preparar profissionalmente para algo que ainda não existe.