fake news

O meio digital pode lhe deprimir ou curar: depende de você

By | Educação | No Comments

Vivemos uma corrida para nos destacar nas redes sociais. Alguns fazem isso por trabalho, outros para satisfazer o ego, e há ainda aqueles que simplesmente querem aceitação do seu grupo social, ainda que inconscientemente. Nem sempre as coisas saem como queremos. Em uma sociedade já bastante digitalizada, esse “fracasso” pode gerar tristeza, angústia, ansiedade e até depressão.

Nesse cenário, uma das principais ferramentas para construirmos nossa imagem digital é o que publicamos nas redes. Isso gera uma avalanche de conteúdo, com a qual não conseguimos lidar, aumentando ainda mais os sentimentos acima. Para piorar, as “fake news” aparecem como alternativa, pois, como normalmente têm grande apelo, acabam seduzindo aqueles que não conseguem aparecer com seu próprio conteúdo e, por isso, as espalham.


Saiba mais sobre esse assunto no vídeo abaixo:


Em uma aula em 2018 com a professor Lucia Santaella, que foi a orientadora do meu mestrado e é uma autoridade internacional em semiótica, ela disse uma coisa que me marcou muito: “As redes sociais não criam nada novo, mas fazem tudo acontecer de maneira mais intensa e em um tempo menor.”

Ou seja, os fatos acontecem no seu ritmo. Mas, com o meio digital, somos bombardeados com uma quantidade enorme e crescente de informações. Antes de assimilarmos uma notícia, já temos que lidar com outras três. E esse volume cresce assim exponencialmente.

Daí vem a ansiedade.

A crise do coronavírus é um ótimo exemplo. Trata-se de uma doença perigosa e precisa ser observada com seriedade. Mas não é o apocalipse zumbi! A crise da SARS, em 2002, por exemplo, foi mais grave e a humanidade não pereceu.

O problema é como isso chega nas redes sociais. Tenho observado muita gente acreditando e espalhando todo tipo de notícia falsa, especialmente no Facebook e no WhatsApp. Nessas horas, aparecem os vivaldinos que querem ter ganhos econômicos ou políticos, distorcendo os fatos a seu favor. E há aqueles que simplesmente passam informações erradas ou inócuas, por ignorância ou má fé mesmo.

Vi gente conclamando a população a aumentar o consumo de vitaminas, para evitar a contaminação. E alguns “figurões” (estão mais para figurinhas mesmo) espalharam até que a Fundação Bill e Melinda Gates, do fundador da Microsoft, teria patenteado o coronavírus em 2014, com o objetivo de redução populacional!

Sério mesmo?

Crescimento da intolerância

Vivemos um momento triste da história, de polarização extrema, de violência, de intolerância e de donos da verdade pipocando de todos os lados. E todos esses sentimentos e essa percepção são alimentados por nós mesmos nas redes sociais!

A sensação que dá é que o mundo está piorando ao longo do tempo. Mas, na verdade, está melhorando! Não me refiro a esse ano, ao ano passado, aos últimos cinco anos: estamos em um momento de crise, de piora mesmo. E isso contamina a nossa percepção, porque estamos literalmente vivendo todos esses problemas na nossa pele, todos os dias.

Eu quero dizer que está melhorando ao longo de décadas!

Por exemplo, segundo o IBGE, a expectativa de vida do brasileiro ao nascer chegou a 76,3 anos em 2018. Em 1900, esse indicador era de míseros 33,4 anos! Isso acontecia porque a medicina era muito pior, não havia remédios e vacinas como hoje (nem antibióticos), as pessoas não se alimentavam tão bem, e as condições de trabalho também eram muito piores.

Mas essa melhora não foi exatamente linear. Teve altos e baixos. Se olharmos de longe o gráfico, eles não aparecem tanto. Mas, se aproximamos com uma lupa, vemos que existiram anos de mais sofrimento e outros de mais bonança. A diferença é que essa percepção, no passado, era menos intensa, inclusive porque não havia tantos veículos de comunicação. Hoje vivemos tudo isso com muito mais intensidade.

Por isso, digo que os jornais hoje contam os fatos do dia, mas, quando olhamos um noticiário consolidado do passado, eles se tornam “livros de história” incrivelmente detalhados. Isso ficou muito claro quando eu tive o prazer de ser o gerente do projeto que criou o Acervo Estadão, digitalizando todas as páginas do jornal, fundado em 1875.

Então, para que todos vivam melhor, precisamos cuidar de como usamos o meio digital. Sem falar que o que publicamos, mesmo que seja uma singela foto, constrói a nossa imagem digital. E, em uma sociedade permanentemente online, a nossa imagem digital é a nossa principal imagem!

Portanto, “não alimente os trolls”! Não acredite em qualquer coisa, especialmente se vier de pessoas que vivem de atitudes extremas e radicais, de “fake news” e cortinas de fumaça. Não se informe pelo WhatsApp!

Precisamos usar esse incrível poder que todos nós temos, nas redes sociais, para construir algo que não seja bom só para nós mesmos. Quando aproveitamos o meio digital para construir algo que ajude muita gente, que busque uma sociedade mais justa, equilibrada e verdadeira para todo mundo, nós não apenas melhoramos a nossa imagem, como também diminuímos essa ansiedade imensa em que vivemos.

E aí, prontos para isso?

A busca pela verdade

By | Jornalismo | No Comments

Como você se informa? Será que a fonte é confiável ou você está sendo enrolado?

A verdade é essencial para a manutenção da vida e para que possamos nos desenvolver como pessoas e como profissionais. Entretanto, muitas pessoas preferem encontrar mentiras confortáveis para pautar suas decisões.

A busca pela verdade passa pela escolha de nossas fontes de informação. Estudo da Universidade de Oxford (Reino Unido) e do Reuters Institute for the Study of Journalism indica que o brasileiro é o povo que mais se preocupa com as “fake news” no mundo (85%). Paradoxalmente, é um dos que mais se “informa” com fontes pouco confiáveis, como WhatsApp e Facebook (53%). O estudo também indica que a imprensa é a fonte preferida por pessoas com mais escolaridade e em ambientes menos polarizados política ou ideologicamente.

E isso faz todo o sentido! Em países com governos autoritários, como os Estados Unidos, a Venezuela e o Brasil, a imprensa vem sendo fortemente combatida e desacreditada pelos governantes, que querem terreno livre para fazer o que bem entenderem. Claro: uma das principais funções da imprensa é justamente fiscalizar desmandos dos poderosos.

Muitos podem argumentar que a imprensa não é confiável, por ser falha e até “vendida”. Não se pode generalizar! É verdade que algumas empresas de comunicação fazem um mau trabalho, deixando de servir o público. Mas essas estão quebrando! Em contrapartida, há muitos veículos que buscam a verdade com apurações bem feitas, com ética e com seriedade. Esses representam ótimos caminhos para quem busca a verdade.

Veja no meu vídeo abaixo como identificar fontes confiáveis que podem ajudar você a também buscar a verdade. E depois compartilhe conosco nos comentários suas percepções sobre esse cenário em que vivemos.



Assista ao meu vídeo da semana passada, que explica tudo sobre “deep fake” a tecnologia que está se popularizando e permite a criação de vídeos absolutamente convincentes com pessoas fazendo e falando coisas que nunca fizeram. A tecnologia é impressionante, mas cria uma série de preocupações éticas: https://www.linkedin.com/posts/paulosilvestre_deepfake-fakenews-fraude-activity-6619912426118750209-Qg6Y

Veja o resumo do “Digital News Report 2019”, feito pelo Media Lab Estadão. O estudo é realizado anualmente pela Universidade de Oxford e pelo Reuters Institute for the Study of Journalism, sobre o consumo de notícias digitais nos principais países: https://on24static.akamaized.net/event/20/39/69/5/rt/1/documents/resourceList1562351951904/ebookv61562351865480.pdf

Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Você pode me encontrar no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Basta procurar no seu player preferido por “Macaco Elétrico” e clicar no botão “seguir” ou clicar no ícone do coração. Se preferir, clique nos links a seguir:

O ano do “deep fake”

By | Tecnologia | No Comments

Hoje o ano se inicia para valer! E faz isso com o alerta de algo que pode “bagunçar o coreto”, especialmente em um ano eleitoral: o “deep fake”. Trata-se de uma tecnologia capaz de criar vídeos absolutamente convincentes com pessoas agindo ou dizendo coisas que nunca fizeram.

Viabilizada pela inteligência artificial e pelas milhões de imagens nas redes sociais, ela chegou a uma tal sofisticação, que nem especialistas conseguem identificar um vídeo verdadeiro de um falso.

Quer entender como ela é feita e ver alguns exemplos? É só assistir ao meu vídeo abaixo:



As fotos e vídeos nas redes sociais são importantes porque servem como base para “calibrar” o sistema de reconhecimento fácil. Todos os rostos têm pontos específicos que servem para os identificar, quase como se fosse uma impressão digital. É assim que, por exemplo, o Facebook consegue saber instantaneamente quem está conosco nas fotos que subimos na rede social.

A inteligência artificial usa essa informação para que o computador aprenda como o rosto de uma pessoa se comporta, como ele fica em cada pose possível. A partir daí, ele consegue sintetizar, com incrível precisão, a imagem de qualquer pessoa realizando movimentos e falando coisas que outra pessoa -um “modelo”- executou em outro vídeo.

Essa tecnologia já é usada há anos por Hollywood em filmes como “Star Wars”, “O Senhor dos Aneis” ou “King Kong”. Mas lá são sistemas caríssimos e extremamente complexos. A diferença é que o “deep fake” pode ser realizado em um computador doméstico, com software gratuito. E qualquer um pode se tornar vítima disso hoje.

Surge a pergunta: como evitar que isso aconteça?

Tudo isso ganha ainda mais relevância se considerarmos que estamos em um ano eleitoral. É só pensar no estrago que as “fake news” vêm fazendo desde antes das eleições anteriores. E, diante do “deep fake”, as infames notícias falsas parecem brinquedo de criança.

O problema é mais grave que muitos podem perceber a princípio. Várias tentativas estão sendo feitas para “separar o joio do trigo”, mas infelizmente elas têm falhado na tarefa. A própria inteligência artificial que viabiliza o “deep fake” virou ferramenta, mas os resultados são frustrantes. Há ainda iniciativas “malucas”, como obrigar que todas as câmeras criem um “selo de autenticidade digital” nas imagens que produzirem ou que ainda as pessoas registrem continuamente o que fizerem, onde e com quem estiverem.

No final das contas, a solução mais razoável é a mesma que a das “fake news”: educar a população. O problema é que, se falhamos miseravelmente nessa tarefa, que dizer agora com o “deep fake”, muito mais convincente que escandalosos postagens falsas distribuídas pelo Facebook e pelo WhatsApp?

Uma vez mais, a responsabilidade para encontrar a verdade no meio de um mar de mentiras recai sobre a boa imprensa. Somente ela, tem esse poder, fazendo investigações reais, no mundo real, indo atrás da informação real.

Muitos podem dizer: “mas a imprensa é vendida e falha!” Há empresas e veículos que infelizmente são mesmo. Mas há também aqueles -e não são poucos- que, se não são infalíveis (pois isso não existe) buscam fazer um trabalho sério.

Quer saber quem está trabalhando bem? Veja quem é mais vítima dos ataques de governantes. Quanto mais atacados, provavelmente melhor o trabalho jornalístico. E, se o mesmo veículo for atacado por adversários políticos, então o trabalho deve estar sendo bem feito mesmo!

Só assim, teremos mais chance de não sermos feitos de bobo!


Siga-me também no Instagram: @paulosilvestre (ou visite https://www.instagram.com/paulosilvestre/ )


Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Você pode me encontrar no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Basta procurar no seu player preferido por “Macaco Elétrico” e clicar no botão “seguir” ou clicar no ícone do coração. Se preferir, clique nos links a seguir:

Spotify: https://open.spotify.com/show/5qusvjLXpXtkV0urqvWaKA

Deezer: https://www.deezer.com/br/show/383802

Soundcloud: https://soundcloud.com/macacoeletrico

Se quiser usar seu aplicativo de podcast preferido, cadastre nele o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Ataques a reputações nas redes sociais colocam toda a sociedade em risco

By | Tecnologia | No Comments

O uso crescente das redes sociais para destruir reputações de adversários começa a colocar em risco a própria sociedade. Isso acontece porque tais ataques se baseiam em uma eficiente manipulação dos algoritmos e em uma avalanche orquestrada de “fake news”.

Como resultado, a população começa a perder as referências para construção de confiança em pessoas, instituições e empresas. O risco para a comunidade existe porque, pela nossa natureza humana, só conseguimos construir algo com pessoas em quem acreditamos.

Oras, se não confiamos em mais nada e em mais ninguém, nos afastamos da nossa própria evolução! O mais triste é que isso acontece porque somos alegremente manipulados por grupos que promovem esse movimento para ampliar seus privilégios e aumentar seu poder.

Como exemplo, na semana passada, assistimos a tentativas nefastas de desmoralizar a ativista sueca Greta Thunberg, de 16 anos, após sua participação na cúpula do clima da Organização das Nações Unidas.

Precisamos reforçar nosso senso crítico, para que não sejamos mais peões nesse xadrez político e econômico! Veja como no meu vídeo abaixo. E depois conte a todos o que faz para escapar das “fake news” e das manipulações.



Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo de podcast preferido. É só cadastrar nele o seguinte endereço: http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Reflexão: como destruir a verdade confundindo a mente das pessoas

By | Educação | No Comments

Guerra é paz.

Liberdade é escravidão.

Ignorância é força.

Acha que tem algo de errado nessas frases?

Elas decoram o Ministério da Verdade, um dos quatro do governo totalitário do Grande Irmão, presente no livro “1984”, de George Orwell (lançado em 1949), que aparece acima. Usei a imagem no meu vídeo dessa segunda, em que fiz uma análise sobre as novas formas de controle do cidadão por governos (veja em http://paulosilvestre.com.br/videodebate-o-governo-esta-de-olho-em-voce/).

Desde então, ela não sai da minha cabeça! O Big Brother manipulava todos pelo uso intenso de câmera, distorção do que as pessoas liam e do que elas aprendiam. O recurso da contradição, presente naquelas frases, é usado por Orwell em várias partes da obra para demonstrar como a própria percepção de realidade pode ser destruída nas pessoas.

Assim, o Ministério da Verdade manipulava as informações (fake news?), o Ministério da Paz cuidava da guerra, o Ministério da Fartura dizia que a economia ia bem, enquanto gerenciava a fome do povo, e o Ministério do Amor espionava e torturava a população.

Maquiavel lançou “O Príncipe” em 1532 como um guia para se chegar e se manter no poder. Você acha que “1984” está se tornando o livro de cabeceira de cada vez mais governantes atuais?

Videodebate: como calar um jornalista no Brasil

By | Jornalismo | No Comments

Quer saber como destruir um país? Destrua sua imprensa primeiro!

Ou você acha que ela não passa de um bando de “vendidos”, que só pensam em seus interesses?

Nesses tempos sombrios, em que a intolerância destrói relacionamentos de longa data e a verdade foi trocada pela versão, a imprensa nunca foi tão importante! Ironicamente, nunca esteve tão ameaçada! E isso afeta todos nós!

Na semana passada, por exemplo, dois veículos foram censurados pelo STF. Na mesma semana, a organização Repórteres sem Fronteiras publicou seu Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa. O Brasil amarga uma vergonhosa 105ª posição, entre 180 países.

Noruega, Finlândia e Suécia são os com mais liberdade de imprensa. Sugestivamente, também encabeçam as listas dos países com melhor qualidade de vida, melhor educação e com as pessoas mais felizes do mundo.

Não é coincidência! Tudo está intimamente ligado!

Todos nós temos um papel essencial para melhorar a péssima situação em que o Brasil se encontra nesses indicadores. Sabe como? Veja no meu vídeo abaixo. E depois vamos debater aqui nos comentários.



Você protege seus filhos da Momo, mas quem protege você?

By | Educação | No Comments
Vídeo da Momo que vem circulando no WhatsApp – Foto: reprodução

De uns 10 dias pra cá, várias pessoas vieram me perguntar se eu conhecia a Momo, e como poderiam proteger seus filhos dela. Mais que uma nova praga digital, que estaria assustando as crianças, o ressurgimento da Momo traz um importante ensinamento: qual é o nosso papel em espalhar boatos potencialmente perigosos pelas redes sociais?

Para quem não sabe do que se trata, a Momo é uma boneca de aspecto fantasmagórico que estaria invadindo vídeos do YouTube Kids para assustar e convencer crianças a fazer coisas terríveis, como se cortar e até mesmo matar os próprios pais.

Escultura original da Momo

Acontece que a Momo não é nova. Ela surgiu no primeiro semestre do ano passado, como um meme criado a partir de uma escultura japonesa, que representava um personagem folclórico local (foto ao lado). De fato, logo surgiram animações e até aplicativos com o objetivo de assustar crianças.

A mania não durou muito tempo e já havia caído no esquecimento. Mas, como acontece de vez em quando nas redes sociais, ela reapareceu no começo desse ano, dessa vez no WhatsApp. A ironia é que agora o principal agente disseminador das animações macabras e do consequente pânico são os grupos de mães no aplicativo.

Essa segunda onda da Momo ganhou um novo componente. Dessa vez, a assombração digital estaria invadindo vídeos do YouTube Kids, dizendo para as crianças fazer os desafios macabros. Os vídeos que estão circulando no WhatsApp trazem trechos de programas infantis, como Peppa Pig, que são subitamente interrompidos pela Momo, para passar seus recados doentios.

Para piorar, alguns veículos da imprensa começaram a espalhar a “notícia”. Isso foi suficiente para criar um pânico que vem crescendo desde então, especialmente entre as mães.

Só que isso não passa de uma combinação de “fake news” com efeito manada. O problema é que o medo que se criou chegou a tal ponto, que começaram a pipocar casos de crianças que estão realmente se cortando por conta disso.

Como resolver esse problema?

O que você deve fazer

Primeiramente, vamos aos fatos. Sim, Momo existe mesmo, e aterroriza as crianças. Mas isso está muito mais associado à primeira onda, que aconteceu no ano passado.

Como ouvi de uma criança que entrevistei, “Momo é velha, e as mães estão atrasadas”. Tampouco há qualquer registro dos vídeos da Momo invadindo programas infantis no YouTube Kids. Esses vídeos que estão circulando em grupos do WhatsApp aparentemente foram criados exatamente para essa finalidade, e estão disseminando confusão nos grupos maternos.

Não quero dizer que vídeos da Momo, inclusive os que estão rondando pelo comunicador, não sejam encontrados no YouTube convencional. Mas as crianças não deveriam usar essa versão do produto.

E aqui chegamos no ponto do que cada um de nós pode fazer para melhorar essa situação.

Primeiramente devemos orientar nossos filhos sobre como consumir conteúdo online. Essa orientação envolve também monitorar as atividades das crianças nas redes sociais.

Alguns pais dizem não fazer isso, pois estariam invadindo a privacidade de seus filhos. Isso é muito bonito na teoria, mas não faz o menor sentido na prática, pois os pequenos ainda não têm desenvolvido o necessário discernimento para navegar livremente pela rede. Portanto, os adultos devem acompanhar, sim, tudo o que os pequenos fazem, inclusive conhecer todas as suas senhas e instalar programas de monitoramento.

Os pais também devem explicar, de uma maneira franca, os perigos que existem nas redes. E deixar sempre aberto o canal de comunicação com seus filhos, de uma maneira que eles se sintam protegidos, sem julgamentos e com confiança.

Mas o que nós, adultos, precisamos definitivamente aprender é parar de acreditar em qualquer coisa que vemos nas redes, e ficar espalhando isso por canais como o WhatsApp.

Essa nova onda da Momo me fez lembrar de outro jogo macabro que circulou pela Internet, em 2017: a Baleia Azul. Ele consistia de 50 tarefas que adolescentes recebiam de “curadores”, envolvendo coisas como automutilação, culminando no suicídio. Até hoje, há controvérsias sobre o jogo. Aparentemente, no início, não passava de um boato. Entretanto, diante da exposição que teve nas redes sociais e na mídia, ele acabou se “concretizando”, e vários casos de suicídio pelo mundo estariam associados à Baleia Azul.

Portanto, um canal aberto, franco e seguro com nossos filhos é essencial. Da mesma forma, devemos oferecer a eles todo o apoio e carinho que lhes pudermos brindar. E isso não tem nada a ver com a Momo ou a Baleia Azul: deve acontecer sempre!

Tão importante quanto tudo isso é aprendermos a desconfiar do que nos chega pelas redes sociais, especialmente o WhatsApp. Não podemos dar crédito a todo “hoax” e “fake news” que chega até nós, e muito menos passar isso adiante.

Caso contrário, as maiores vítimas da Momo não serão as crianças, e sim seus pais.

E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

“O videogame causou o massacre de Suzano”: #SQN

By | Educação | No Comments
Flores são deixadas sob o nome dos alunos mortos, no muro da escola Professor Raul Brasil – Foto: reprodução

A quarta, 13 de março, foi dia de mais uma tragédia no país: o massacre na escola estadual Professor Raul Brasil, na cidade de Suzano, na Grande São Paulo. O que levaria dois jovens, ex-alunos da escola, a matar indiscriminadamente estudantes e funcionários, e depois se suicidar? Diante da dor que abalou o país, da perplexidade e da incompreensão, autoridades, ainda no local do atentado, sugeriram que a culpa poderia ser do videogame que os assassinos gostavam de jogar.

Mais que um comentário inconsequente e sem qualquer embasamento, essa afirmação pode desviar o olhar da população das reais causas, turvar as investigações e deixar o caminho aberto para que novos incidentes como esse aconteçam no futuro.

Não estou aqui defendendo o jogo, mesmo porque game não vai preso e é totalmente improvável que o fabricante seja, de alguma forma, responsabilizado por esse ou qualquer outro crime dessa natureza. Tampouco isso provocará queda nas suas vendas. Entretanto, em tempos de redes sociais e algoritmos de relevância, de “fake news”, de radicalização política e polarização ideológica, uma declaração como essa, ainda mais vinda de alguém com qualquer poder instituído, tem a capacidade de acender um rastilho de pólvora que não se sabe onde vai parar.

E o buraco é muito mais embaixo!

Pode ser, sim, que os dois assassinos jogassem um ou mais videogames violentos, inclusive os chamados “tiro em primeira pessoa”, em que o jogador incorpora um personagem que carrega um arsenal e, por diferentes motivos, atira em muita gente. Mas estudos científicos sérios demonstram que esses jogos não causam ou sequer incentivam assassinatos reais. Caso contrário, dada a popularidade desse tipo de jogo, viveríamos em uma sociedade de psicopatas, sendo impossível sair à rua. Pelo contrário, profissionais de psicologia explicam que esse tipo de criminoso é movido por outros problemas, muito mais profundos, que ele já carrega dentro de si, dissociados, portanto, dos games.

Por isso, quando uma autoridade sugere -e mais de uma fez isso ao longo do dia- que existe uma relação entre um videogame e o crime, cria-se, ainda que de maneira totalmente não-intencional, uma cortina de fumaça sobre o problema.

Voz oficial e voz das redes

Também ouvi, aqui e ali, que as redes sociais e a mídia teriam sua parcela de culpa, pois os assassinos teriam se inspirado em outros crimes do tipo, especialmente nos EUA.

Trata-se de um caso clássico de ignorar o problema e matar o mensageiro!

Mas as redes sociais têm um papel nefasto nessa história, sim: o de propagar as versões equivocadas acima. Esse tipo de coisa existe desde que a imprensa foi criada, com o “Acta Diurna”, o primeiro jornal conhecido, ideia do general romano Júlio César, em 69 a.C. Entretanto, se antes o poder de espalhar equívocos se resumia aos veículos de comunicação, hoje o Facebook sozinho tem 2,3 bilhões de potenciais propagadores de “fake news”, auxiliados pelo algoritmo de relevância, que joga na cara de cada um aquilo em que desejam acreditar, mesmo que seja a mais completa porcaria.

Um caso que é estudado até hoje em faculdades de Jornalismo e que ajuda a entender a gravidade desse problema é o da Escola Base, que ficava no bairro da Aclimação, em São Paulo. Em 1994, os donos da escola, uma professora e o motorista do transporte escolar foram acusados de abusar sexualmente de alunos de quatro anos. O delegado Edélcio Lemos, responsável pelo caso, antes de ter em mãos o laudo do IML, corroborou a hipótese para a imprensa, que deu amplo destaque a essa versão (justiça seja feita, exceto a TV Cultura e o finado Diário Popular, cujos editores não “engoliram” a história).

Resultado: a escola foi depredada, os acusados, apesar de posteriormente inocentados na Justiça, foram perseguidos e ameaçados de morte, desenvolveram uma série de doenças, foram obrigados a se mudar de cidade e morreram na miséria. Em resumo, tiveram sua vida destruída instantaneamente pela combinação da fala de uma autoridade e o poder da mídia de ampliar fatos. E tudo isso gratuitamente: ao sair o resultado das análises, conclui-se que as crianças nunca sofreram qualquer tipo de violência.

Tinham tido apenas diarreia.

Risco de explosão e de falta de solução

Isso foi em 1994! Portanto, quando não havia redes sociais ou smartphones.

Hoje a coisa pode ficar muito pior. Em maio de 2014, a dona de casa Fabiane Maria de Jesus foi espancada até a morte por dezenas de moradores do Guarujá, no litoral paulista. Ela havia sido confundida como alguém que supostamente sequestrava crianças para rituais de magia negra, a partir de um boato espalhado em uma página no Facebook, que trazia um retrato falado de uma mulher feito pela polícia no Rio de Janeiro 21 meses antes. Fabiane era totalmente inocente. Em 2017, quatro pessoas foram condenadas pelo crime.

É claro que queremos uma explicação para a barbárie cometida na escola Professor Raul Brasil, em Suzano. Não apenas para que os familiares e amigos das vítimas e a própria sociedade tenham alguma sensação de justiça, apesar de os assassinos terem se suicidado assim que a polícia chegou ao local. Mas também porque, caso as autoridades descubram os verdadeiros motivos que levaram os dois ex-alunos a cometerem esse ato tão hediondo, talvez a comunidade possa reunir esforços para evitar que outros casos semelhantes voltem a ocorrer, e não apenas em escolas. E fazendo isso de maneira preventiva, educativa e, se necessário, usando recursos de saúde pública.

O que não precisamos agora é de nos apressarmos para dizer qualquer coisa para satisfazer a sanha de alguns ou a busca de um motivo de outros. Os inocentes vitimados por essa tragédia não voltarão. Busquemos a serenidade para os corações de todos e para encontrar respostas corretas e soluções verdadeiras e duradouras.

E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.

Artigos relacionados:

Reflexão: quem compartilha mais “fake news”?

By | Tecnologia | No Comments

Segundo estudo das universidades de Princeton e Nova York, são os idosos. Ele avaliou 3.500 usuários do Facebook, e concluiu que quem tem mais de 65 anos compartilha notícias falsas sete vezes mais que os que tem entre 18 e 29 anos. Os canais preferidos para isso são o próprio Facebook e o WhatsApp.

Isso tem a ver com o principal motivo desse grupo espalhar mais as bobagens: fazem isso porque, muitas vezes, a porcaria chega de pessoas em quem confiam.

Outra coisa é o próprio funcionamento e a linguagem nessas plataformas, além da grande quantidade de informação, difícil a eles. Por isso, tendem a cair mais em outros golpes.

O Estadão publicou uma entrevista interessante sobre o tema. Leia em https://tinyurl.com/est4mar19

E, no meu artigo mais recente, tratei de um assunto correlato: como as pessoas estão perdendo sua capacidade de lidar com ideias diferentes, trocando a verdade por versões. Confira em http://tinyurl.com/paulo21fev19

Mas não pense que só os idosos passam “fake news”. Essa praga se espalhou por todas as faixas etárias. Precisamos ajudar as pessoas a nossa volta a escapar disso! Desconfie daquilo que lhe pareça bom demais. E não repasse adiante se não tiver checado em outros sites.

Reflexão: como era difícil fazer jornalismo! E hoje?

By | Jornalismo, Tecnologia | No Comments

Recebi esse vídeo da amiga Solange Villela. É, no mínimo, muito curioso! Mostra como o Estadão era produzido em 1935, um processo industrial intrincadamente fascinante, de um mundo que não existe mais. Vale a pena assistir!

O Estadão era o maior jornal do país, com a tecnologia mais moderna. O papel era o jeito mais eficiente de distribuir muita informação, uma verdade que perdurou até a virada do século.

O jornalismo digital surgiu em 1994 (eu estava lá, “cortando o cybermato”). De repetente, tudo podia ser feito melhor, mais barato e mais rápido. E a coisa explodiu com a popularização dos smartphones: além de ficar muito mais fácil qualquer um consumir conteúdo, também ficou para produzir.

Em 2011, quanto era gerente de produtos digitais do mesmo Estadão, calculei, de todos os gastos do jornal, quanto se referia à produção de notícia. Resultado: apenas 21%! Os outros 79% se referiam à gráfica, à infraestrutura predial e ao transporte.

Hoje o impresso ainda existe, muito mais barato e automatizado. Mas continua caro e ineficiente. O único problema do digital é que, por ser muito simples e muito barato, qualquer um pode publicar uma grande barbaridade e uma multidão acreditar. As “fake news” estão asfixiando o bom jornalismo. E, com ele, a democracia.

 

Videodebate: imprensa e verdade

By | Jornalismo | No Comments

O novo governo nos manipula?
A imprensa é vendida?
Muita calma nessa hora! Cuidado com os julgamentos apressados.
Como diria Shakespeare, “há mais coisas entre o céu e a terra que pode imaginar nossa vã filosofia”.
Nessa hora, a melhor coisa é escolher bem os aliados para buscar a verdade. Ou o que mais se aproxima dela.
Vem debater isso comigo, depois de ver meu primeiro vídeo de 2019.


Conteúdos mencionados no vídeo:

 

Videodebate: esse é o fim da verdade?

By | Jornalismo | No Comments

Você já teve a sensação de não saber mais se o que acabou de ver nas redes sociais é verdadeiro ou falso?
Vivemos um momento em que todos querem ter opinião sobre tudo, não importa quão descolada da realidade ela seja. E “ai” de quem discordar dela! Desse jeito, fica difícil…
Há três anos, o filósofo italiano Umberto Eco chegou a dizer que “as redes sociais deram voz a uma legião de imbecis”. Será que ele estava certo?
O problema é que não conseguimos viver em um ambiente no qual não podemos confiar em nada ou ninguém. Como resolver isso então? Veja minhas sugestões abaixo, no meu vídeo mais recente  E depois compartilhe suas impressões aqui nos comentários.



 

Você força a barra pelos seus interesses comerciais?

By | Educação, Jornalismo | No Comments
Comercial do KFC satiriza Neymar, um movimento muito visto na mídia internacional - Foto: reprodução

Comercial do KFC satiriza Neymar, um movimento muito visto na mídia internacional

A pergunta desse título não é uma provocação barata. Quem nunca passou dos limites, ficou com vontade de passar dos limites ou pelo menos viu alguém passando dos limites para atingir um objetivo comercial? Em um país assolado pela corrupção e com a moral destruída pelo nefasto “jeitinho brasileiro”, provavelmente todos já se enquadraram em pelo menos um desses casos. Isso é terrível para a evolução de toda a sociedade e, ao fazer isso, pode-se ter uma vantagem comercial imediata, mas, a longo prazo, todos –todos mesmo– saem perdendo. Mas, se está tão arraigado em nossa cultura, como escapar disso?

Uma coisa que venho discutindo nos últimos dias em casa, com os amigos, com os alunos, com colegas, com clientes (é, o assunto esteve em toda parte mesmo!) representa bem isso: as encenações de Neymar nos jogos da Copa do Mundo, especialmente nos dois primeiros. A competição está chegando ao fim, o Brasil já voltou para casa, mas o assunto continua rendendo.

Que fique claro: esse não é um artigo sobre futebol, nem sobre o Neymar, apesar de eu achar que a “catimba” é um jeito (bem) velho e abominável de se “jogar” futebol (afinal, isso não passa de “jeitinho sobre o gramado”). Mas o caso é perfeito para discutirmos a questão do título usando o comportamento da mídia sobre o tema como exemplo.


Vídeo relacionado:


Enquanto o mundo criticava pesadamente o comportamento da estrela máxima da Seleção Brasileira (com direito a ser satirizado em comerciais, como o visto acima, da cadeia de fast food KFC), parte da mídia brasileira, especialmente alguns canais de TV detentores dos direitos de transmissão “blindavam” o jogador. Se, para o resto do mundo, os adjetivos associados a ele giravam em torno de “grotesco”, “infantil” e “vergonhoso”, por aqui esses veículos o classificavam como “caçado”, “dedicado” e “brilhante”.

Oras, não se trata de uma diferença sutil de percepção: é diametralmente oposta! Como justificar isso?

É aí que a porca torce o rabo!

 

Garantindo o investimento

No Brasil, Globo (TV aberta), SporTV e Fox Sports (TV por assinatura) pagaram pelo direito de transmitir a Copa da Rússia. A Globo também assegurou direito de transmitir pela Internet (exclusiva) e pelo rádio. Ou seja, a Vênus Platinada estava com a Copa em todos os meios. Não foi divulgado quanto pagou à FIFA por isso, mas as seis cotas de patrocínio da Globo giraram em torno de R$ 180 milhões.

Não precisa ser gênio para entender que era fundamental para a empresa que a Copa fosse um sucesso de público e de crítica. Sim, as cotas já estavam vendidas, mas, como os direitos da próxima já estão assegurados, eles precisarão vender novamente daqui a quatro anos. E, se a principal estrela do time não brilhasse, isso seria ruim para os negócios. Pior ainda se fosse visto como um mau exemplo, pois levantaria críticas ao time, diminuindo o interesse pelo evento como um todo.

Era preciso, portanto, transformar tudo aquilo em um espetáculo ainda maior! O resultado disso foi ver toda a equipe de entretenimento e de jornalismo se contorcendo para tentar defender o indefensável.

Pode-se argumentar que futebol é espetáculo mesmo, e que, portanto, não precisa ter compromisso com a verdade.

Permita-me discordar.

 

“Fake entertainment”

Para o bem e para o mal, poucas coisas movimentam o brasileiro tanto quanto o futebol. E em tempos de Copa do Mundo, em que tudo parece estar (às vezes literalmente) vestido de verde e amarelo, se os principais veículos de comunicação (ou pelo menos os mais massificados) vão juntos para um único lado, as versões acabam se tornando “verdades”.

Portanto, distorções como essas são equiparáveis às infames “fake news”, as notícias falsas que tanto combato aqui, em minhas palestras e em minhas aulas. Senão vejamos: criaram mentiras usando elementos reais para manipular a opinião pública, com objetivos econômicos (ou políticos ou ideológicos).

Oras, essa é a definição de “fake news”.

Se os jornalistas e a turma do entretenimento da Globo falassem as coisas como são, qual seria o impacto para os negócios?

Provavelmente a audiência cairia, o que desagradaria os anunciantes, diminuindo a sua disposição para futuros investimentos. Isso se sustenta pelo fato de que o interesse do brasileiro pela Copa na Rússia foi o mais baixo já registrado em qualquer Copa. Para piorar, isso é ainda mais verdadeiro nas regiões mais ricas do país, exatamente onde os anunciantes mais querem aparecer bem.

Então dá-lhe mais brilho ainda no Canarinho Pistola!

 

Sociedade contaminada

Como disse acima, a mídia na Copa é só um exemplo bem vivo na cabeça de todos.  Mas infelizmente esse “vale tudo” nos negócios está bastante disseminado no nosso jeito de fazer negócios.

Lembro-me de certa empresa gigantesca em que trabalhei, onde todos os profissionais eram obrigados a passar por um treinamento de “compliance” em todos os semestres. E o treinamento era sempre o mesmo, com as mesmas regras, normas, diretrizes de como o negócio deveria ser conduzido. Em determinado momento, comecei a achar aquela repetição estranha e um tanto exagerada. Até que ouvi de outros colegas, durante o próprio treinamento, a seguinte frase: “se eu seguir isso, a concorrência me come!”

Em outras palavras, aqueles profissionais deliberadamente não seguiriam as regras, pois sabiam que a concorrência não faria isso. Então partia-se para o “vale-tudo’: às favas com os limites morais e legais.  O fim justificava os meios!

Apesar de chocante, aquilo não me surpreendeu. Pois vejo esse tipo de coisa todos os dias, desde os desvios bilionários noticiados em horário nobre, até pequenas corrupções, como furar uma fila ou “molhar a mão do guarda”;

Sim, pois “jeitinho” e corrupção são dois nomes para o mesmo desvio ético.

Ele infesta a nossa sociedade devido a nossa falência educacional e a cinco séculos de “querer se dar bem em cima do outro”, desde a troca de toras de pau-brasil por espelhinhos. Nossa história criou uma sociedade em que, para se ter muito, vale ferir todos os limites morais e legais, desde que não seja descoberto.

É uma pena, pois o resultado disso é um círculo vicioso em que se continua errando para continuar nos negócios. Pior: quem deseja fazer a coisa certa, sofre grandes dificuldades (isso quando não é simplesmente taxado de “otário”). Com consequência maior, temos uma sociedade que não consegue progredir, cujos valores são cada vez piores. Que acha lindo como “as coisas funcionam no Primeiro Mundo”, mas que não percebe que isso é tão mais verdade, quanto menos corrupto é a população do país.

Para escaparmos disso, todos temos que nos envolver. Não há ética pela metade!

Calculo que o tempo para revertermos essa situação é de uma geração inteiro, se o trabalho for muito bem feito desde o começo. No mínimo! E os dois principais instrumentos são a mídia (jornalismo e entretenimento) e a educação (no sentido amplo da palavra).

A primeira porque tem o papel de informar e de formar o cidadão. Qualquer jornalista estuda (ou deveria estudar) isso no primeiro ano da faculdade. Ela é o farol da sociedade, ajudando a moldar nossos valores. Por isso, é muito fácil comprovar que as sociedades mais desenvolvidas têm mídias mais desenvolvidas.

A educação, por sua vez, é o que nos dará instrumentos para sermos cidadãos mais críticos, mais completos e mais íntegros. Precisamos de uma educação de alta qualidade e para todos (todos mesmo, sem demagogia), um sistema que ensine bem os conteúdos acadêmicos necessários, mas que também seja inclusivo, igualitário, democrático. E desgraçadamente estamos bem longe disso tudo.

É possível construirmos tanto uma quanto outra ferramenta. Basta querermos. E começar combatendo as malandragens cotidianas.

Quando conseguirmos atingir esse objetivo, não precisaremos de “catimba” para ganharmos o jogo. Nem no futebol, nem nos negócios, nem na nossa vida em sociedade.


Artigos relacionados:


A minha “verdade” vale mais que a sua “verdade”?

By | Jornalismo | No Comments

Foto: Creative Commons

No dia 10 de maio, a operação brasileira do Facebook anunciou a associação a agências de checagem de fatos para combater as “fake news”, as infames notícias falsas que inundam as redes sociais. Apesar de positivo, isso vem sendo combatido por organizações conservadoras. Elas acusam a iniciativa de ser, na verdade, uma ferramenta que a rede social teria criado para censurar seus conteúdos e “asfixiar a direita”, com “agências de esquerda decidindo o que é verdade”. Bem, essa campanha difamatória, por si só, já tem muitas características de “fake news”. Entretanto, como vivemos um perigoso momento em que versões valem mais que fatos, as pessoas estão extremamente intolerantes e ansiosas. Você já parou para pensar como anda a sua capacidade de conviver com ideias divergentes da sua?

Para entender melhor o caso, de agora em diante, os usuários do Facebook poderão marcar, na própria rede social, notícias que eles acreditem ser falsas. Esse material será então verificado pelas agências selecionadas no Brasil: a Lupa e a Aos Fatos, integrantes da International Fact-Checking Network (IFCN). Caso se confirme que a notícia postada é mesmo falsa, ela não será retirada da plataforma, mas sua exibição diminuirá consideravelmente no feed de notícias dos usuários, além de não poder mais ser promovida mediante pagamento. Páginas e usuários que publicarem muitas notícias falsas serão proibidos de usar anúncios para aumentar suas audiências.

Essa iniciativa já acontece nos EUA desde dezembro. Segundo o próprio Facebook, na terra do Tio Sam, foi verificada uma redução de 80% das “fake news” na plataforma. Apenas no primeiro trimestre, foram identificadas e removidas 583 milhões de contas falsas! E vale lembrar que, no material penalizado, havia igualmente conteúdos conservadores e liberais.


Vídeo relacionado:


Assim como está acontecendo aqui, grupos conservadores também torceram o nariz lá. Entretanto, o apedrejamento moral aqui tem sido pior, com profissionais das agências sendo pesadamente achincalhados. Trata-se de um comportamento inadmissível em uma sociedade civilizada, digno de quem não consegue conviver e aprender com diferenças, criando um ambiente hostil de “ou está comigo ou está contra mim”.

Até bem pouco tempo atrás, essa gritaria jamais seria levada a sério. Entretanto, hoje ela está aí, sendo disseminada por muita gente e embolando o meio de campo. E a culpa disso é, pelo menos em parte, das próprias redes sociais e seus algoritmos de relevância, que nos apresentam conteúdos com os quais já concordamos, criando uma “bolha de conformismo”.

Resultado: pessoas cada vez mais intolerantes a quem pensa diferentemente delas.

 

O que são as “fake news”?

As malfadadas notícias falsas, que estão no centro desse imbróglio, existem desde que o jornalismo surgiu, com a “Acta Diurna”, criada por Júlio César, em 69 aC. Como pode ser visto no vídeo abaixo, uma compilação das aparições do “leitor de notícias romano” na série “Roma”, da HBO, o teor do noticiário variava de acordo com os interesses de quem era o governante da vez.

O que diferencia uma “fake news” de um simples boato é que as primeiras têm um objetivo –político, econômico, ideológico– bem definido, apesar de que, na maioria das vezes, ele não apareça. Além disso, as “boas fake news” –se me permitem o abuso de linguagem– são construídas misturando fatos verdadeiros com outros mentirosos ou distorcidos, para aumentar a sua credibilidade. Por fim, para que elas prosperem, precisam ser “plantadas” –ou seja, apresentadas diretamente– em pessoas que gostariam que aquela informação fosse de fato verdadeira, para que comecem a se espalhar com força pela rede, graças aos algoritmos.

Elas também são bastante “democráticas”, atendendo a interesses conservadores ou liberais indistintamente. Basta ver o estudo do BuzzFeed do final de 2016 que demonstrou que as notícias falsas sobre a Operação Lava-Jato, conservadoras ou liberais, geraram mais engajamento que as verdadeiras. Nos EUA, aconteceu o mesmo, com as ”fake news” engajando mais que o jornalismo na reta final da campanha presidencial.

De fato, o termo “fake news” explodiu justamente com as suspeitas de que elas teriam ajudado Donald Trump a se eleger presidente dos EUA, especialmente as publicadas no Facebook. Mesmo assim, por bastante tempo, Mark Zuckerberg tentou se eximir de qualquer culpa nisso, argumentando que sua empresa é apenas uma plataforma, não podendo ser responsabilizada pelo que as pessoas publicam ali, e que as tais notícias falsas não teriam poder de impactar uma eleição.

Que me desculpe o Mark, mas qualquer empresa que tenha 2,2 bilhões de usuários ativos, ainda mais nesse ramo, não pode se eximir de uma responsabilidade como essa. E, de fato, isso foi escancarado pelo escândalo que explodiu em março, que comprovou que a empresa Cambridge Analytica usou recursos oferecidos do Facebook para roubar dados de 87 milhões de seus usuários para justamente disseminar “fake news” para ajudar na eleição de Trump.

Algo precisava ser feito para conter esse incêndio florestal.

 

Se não é pelo amor, é pela dor

Justiça seja feita, o Facebook já vinha tomando algumas atitudes antes do escândalo da Cambride Analytica para tentar conter as “fake news”. A mudança de seu algoritmo no dia 11 de janeiro, que enfureceu empresas (inclusive de comunicação), foi uma delas. Outra coisa é justamente essa parceria com as agências de checagem de fatos.

Fico feliz de ver que o Facebook esteja, de alguma forma, assumindo a sua responsabilidade nesse cenário. Arrisco a dizer que as “fake news” são uma das maiores ameaças a democracias de todo mundo no momento. O ministro Luiz Fux, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, chegou a dizer que as eleições brasileiras poderiam chegar ao extremo de ser anuladas se fosse comprovado que “fake news” foram decisivas para a vitória de qualquer candidato.

Além desses macroefeitos, essa praga está nos transformando em uma sociedade que não acredita em mais nada e mais ninguém. Isso é perigosíssimo! Se essa tendência de descrença se consolidar, perderemos a nossa capacidade de inovar pelo trabalho em equipe e pela construção coletiva de ideias. Estagnaremos nossa evolução como comunidade e como indivíduos! E, para piorar, seremos cada vez mais usados como massa de manobra de vivaldinos políticos e ideológicos.

Bom para eles! Péssimo para nós!

Nosso crescimento depende da contraposição de ideias, especialmente de ideias complementares e até mesmo antagônicas! Isso vale para nossa formação escolar, para nosso desemprenho profissional, para nossas atitudes como cidadão, para nosso papel familiar. Disse certa vez o grande Nelson Rodrigues: “Toda unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar”.

Portanto, ainda bem que o Facebook firmou esse acordo com essas agências. A sociedade precisa disso! Talvez não seja ainda uma ação perfeita, mas já é algo. Devemos não apenas apoiar iniciativas como essa, como também disseminar o seu uso. Afinal, apenas o conteúdo mentiroso será impactado por essa ela, qualquer que seja o seu alinhamento.

E quem não deve não teme


Artigos relacionados:


Nesse ano, elegeremos o presidente em um videogame

By | Tecnologia | No Comments
Mario Bros para presidente do Brasil? Muita calma nessa hora! Imagem: composição com imagens de divulgação

Mario Bros para presidente do Brasil? Muita calma nessa hora!

Esse será o ano da eleição-videogame! Ganhará o pleito o candidato que souber as regras de jogo e como usar os recursos digitais das diferentes plataformas para “coletar moedas”, “vencer os chefes” e “passar as fases”. Não estou brincando, não! Os votos serão conquistados principalmente no meio digital, usando conceitos de jogabilidade. A parte chata é que nós teremos a ilusão de ter algum controle dessa narrativa, mas é grande a chance de acabarmos apenas como personagens secundários desse enredo. Como não sermos então manipulados nesse game?

Não se engane: a campanha já começou para valer, e há bastante tempo! Pré-candidatos de todo o espectro político já estão nas redes sociais coletando os nossos dados, analisando comportamentos de grupos, categorizando os eleitores e fazendo movimentos muito bem calculados, plantando informações de seu interesse nos lugares certos para mover as peças desse tabuleiro.

O mais incrível é que as pessoas não percebem isso, e participam alegremente do jogo. Em grande parte, isso acontece pela disseminação dos smartphones e pelo nosso uso permanente das redes sociais. A combinação desses fatores cria o ambiente perfeito para essa eleição feita de bits em três frentes principais.

A primeira é que o conceito de jogabilidade já foi totalmente assimilado por grande parte da população, mesmo entre pessoas que nunca ouviram esse termo. Graças aos joguinhos casuais nos smartphones e principalmente nas redes sociais –com destaque especial aos infames “brinquedinhos” do tipo “com qual celebridade você se parece” que inundam o Facebook– as pessoas já se acostumaram a ter algum benefício imediato se conseguirem cumprir alguma tarefa proposta pelo sistema. E as tarefas mais comuns consistem em prosaicamente entregar seus dados pessoais e depois compartilhar o resultado do jogo nas redes sociais.

Além disso, por carregarmos os smartphones conosco o tempo todo e aos aplicativos das redes sociais, nós estamos constantemente online. Não saímos nunca da Internet (ou é a Internet que não sai de nós?).

O que nos leva à terceira frente: somos permanentemente rastreados, seja o lugar onde estamos nas 24 horas do dia (e com quem estamos), nossos interesses em todos os campos, nossas ações e qualquer outra coisa que as marcas vejam valor. E muitas dessas informações são coletadas sem que tenhamos que tomar qualquer ação: o sistema se encarrega de tudo, muitas vezes (muitas mesmo!) sem que sequer tenhamos consciência disso.

O “Big Brother”, aquele Grande Irmão do livro “1984”, de George Orwell, era um amador com seu tosco controle da sociedade a partir de câmeras.

 

Criando cabos eleitorais superengajados

Você também sente que, nos últimos anos, as discussões políticas ficaram muito polarizadas e até mesmo radicais? É um tal de “se não estiver comigo, está contra mim”, amizades de muitos anos sendo desfeitas.

Isso é reflexo do game!

Os candidatos mais espertos já perceberam como ajustar o seu discurso para atender aos formadores de opinião nas redes. Transformam-se em personagens que vão de encontro aos anseios desses grupos e, dessa forma, cooptam esses usuários para espalhar suas mensagens, às vezes com grande virulência, radicalização e até agressividade. Graças às dinâmicas das redes sociais, esse comportamento agrupa uma grande quantidade de pessoas que pensam no mesmo, e o sistema vai se retroalimentando. Com isso, a visão do candidato sobre qualquer assunto rapidamente ganha ares de verdade incontestável, mesmo que seja a mais rotunda porcaria.

Uma versão mais sofisticada disso usa sistemas e algoritmos para coletar dados dos incautos usuários para classificá-los em grupos seguindo preferências nos mais diferentes campos. Com isso, a tarefa acima fica ainda mais eficiente!

É exatamente o que a empresa Cambridge Analytica fez para ajudar na eleição de Donald Trump, no escândalo que foi exposto em março. Em primeiro lugar, criou o “joguinho” “This Is Your Digital Life”, que foi baixado por cerca de 270 mil usuários, que compartilharam alegremente, via Facebook, não apenas os seus dados, mas também os de seus amigos. Como resultado, a Cambridge Analytica colocou as mãos em informações pessoais de 87 milhões de pessoas, que foram usadas para conhecer profundamente alguns desejos dessas pessoas. A partir disso, a campanha de Trump conseguiu ajustar seu discurso para se tornar mais convincente, fazendo uso até mesmo de “fake news”, habilmente plantadas seguindo as conclusões do sistema.

Pode-se argumentar que a política sempre foi um jogo, e sempre ganhou quem conseguiu construir uma mensagem mais adequada aos anseios do eleitorado. Mas nunca os candidatos tiveram recursos nem de longe tão poderosos para isso. O ganho de escala, de inteligência e de capacidade de processamento nos últimos anos são quase inacreditáveis!

E tem ainda quem distribua “santinhos”. Coitados!

 

“Política não se discute”

Lembra daquele velho ditado: “política, futebol e religião não se discute”? A sabedoria dos “antigos” estava certa: são temas que naturalmente causam polêmica.

Mas sempre discutimos tudo isso nas mesas de bar, em casa, no trabalho. E, por mais que um fosse Corinthians e o outro fosse Palmeiras, por mais que piadinhas infames fossem comuns, as pessoas não deixavam de ser amigas umas das outras por terem opiniões diferentes. Pelo contrário: as divergências eram construtivas, até aprendíamos com o pensamento do outro, por mais que continuássemos discordando dele.

Entretanto, graças aos algoritmos das redes sociais, às “fake news”, aos “candidatos player 1”, a radicalização está matando essa convivência pacífica. E, com isso, levando embora, a inestimável habilidade de aprender com o outro.

Portanto, deixo aqui um apelo: todos têm o direito de ter sua opinião, sua ideologia, seu alinhamento político, seu candidato preferido. Mas não se radicalize! Além disso, por mais que o seu candidato lhe pareça perfeito (e isso não existe em lugar nenhum), não acredite piamente em tudo que ele disser. Busque informações em diferentes fontes, especialmente em fontes com opiniões divergentes.

Em 11 de novembro de 1947, Winston Churchill, ex-primeiro-ministro do Reino Unido e considerado um dos maiores estadistas da história, proferiu uma de suas célebres frases: “Ninguém espera que a democracia seja perfeita ou infalível. Na verdade, tem sido dito que a democracia é a pior forma de governo, excetuando-se todas as demais formas.”

Entre muitas outras coisas sobre a democracia, Churchill sabia que ela só funciona bem pela contraposição de ideias. Pois não existe verdade absoluta. O que mais se aproxima disso está no meio das opiniões divergentes.  Quanto mais nos afastarmos do diálogo pluralista, mais nos enfiaremos na escuridão.

Portanto, nesse ano de eleição-videogame, agarre o joystick e seja o “jogador 1” da sua vida. Não se deixe enganar pelo canto da sereia nem dos candidatos, nem dos algoritmos. É o futuro de todos que está em jogo.


Artigos relacionados: