All posts by Paulo Silvestre

Você protege seus filhos da Momo, mas quem protege você?

By | Educação | No Comments
Vídeo da Momo que vem circulando no WhatsApp – Foto: reprodução

De uns 10 dias pra cá, várias pessoas vieram me perguntar se eu conhecia a Momo, e como poderiam proteger seus filhos dela. Mais que uma nova praga digital, que estaria assustando as crianças, o ressurgimento da Momo traz um importante ensinamento: qual é o nosso papel em espalhar boatos potencialmente perigosos pelas redes sociais?

Para quem não sabe do que se trata, a Momo é uma boneca de aspecto fantasmagórico que estaria invadindo vídeos do YouTube Kids para assustar e convencer crianças a fazer coisas terríveis, como se cortar e até mesmo matar os próprios pais.

Escultura original da Momo

Acontece que a Momo não é nova. Ela surgiu no primeiro semestre do ano passado, como um meme criado a partir de uma escultura japonesa, que representava um personagem folclórico local (foto ao lado). De fato, logo surgiram animações e até aplicativos com o objetivo de assustar crianças.

A mania não durou muito tempo e já havia caído no esquecimento. Mas, como acontece de vez em quando nas redes sociais, ela reapareceu no começo desse ano, dessa vez no WhatsApp. A ironia é que agora o principal agente disseminador das animações macabras e do consequente pânico são os grupos de mães no aplicativo.

Essa segunda onda da Momo ganhou um novo componente. Dessa vez, a assombração digital estaria invadindo vídeos do YouTube Kids, dizendo para as crianças fazer os desafios macabros. Os vídeos que estão circulando no WhatsApp trazem trechos de programas infantis, como Peppa Pig, que são subitamente interrompidos pela Momo, para passar seus recados doentios.

Para piorar, alguns veículos da imprensa começaram a espalhar a “notícia”. Isso foi suficiente para criar um pânico que vem crescendo desde então, especialmente entre as mães.

Só que isso não passa de uma combinação de “fake news” com efeito manada. O problema é que o medo que se criou chegou a tal ponto, que começaram a pipocar casos de crianças que estão realmente se cortando por conta disso.

Como resolver esse problema?

O que você deve fazer

Primeiramente, vamos aos fatos. Sim, Momo existe mesmo, e aterroriza as crianças. Mas isso está muito mais associado à primeira onda, que aconteceu no ano passado.

Como ouvi de uma criança que entrevistei, “Momo é velha, e as mães estão atrasadas”. Tampouco há qualquer registro dos vídeos da Momo invadindo programas infantis no YouTube Kids. Esses vídeos que estão circulando em grupos do WhatsApp aparentemente foram criados exatamente para essa finalidade, e estão disseminando confusão nos grupos maternos.

Não quero dizer que vídeos da Momo, inclusive os que estão rondando pelo comunicador, não sejam encontrados no YouTube convencional. Mas as crianças não deveriam usar essa versão do produto.

E aqui chegamos no ponto do que cada um de nós pode fazer para melhorar essa situação.

Primeiramente devemos orientar nossos filhos sobre como consumir conteúdo online. Essa orientação envolve também monitorar as atividades das crianças nas redes sociais.

Alguns pais dizem não fazer isso, pois estariam invadindo a privacidade de seus filhos. Isso é muito bonito na teoria, mas não faz o menor sentido na prática, pois os pequenos ainda não têm desenvolvido o necessário discernimento para navegar livremente pela rede. Portanto, os adultos devem acompanhar, sim, tudo o que os pequenos fazem, inclusive conhecer todas as suas senhas e instalar programas de monitoramento.

Os pais também devem explicar, de uma maneira franca, os perigos que existem nas redes. E deixar sempre aberto o canal de comunicação com seus filhos, de uma maneira que eles se sintam protegidos, sem julgamentos e com confiança.

Mas o que nós, adultos, precisamos definitivamente aprender é parar de acreditar em qualquer coisa que vemos nas redes, e ficar espalhando isso por canais como o WhatsApp.

Essa nova onda da Momo me fez lembrar de outro jogo macabro que circulou pela Internet, em 2017: a Baleia Azul. Ele consistia de 50 tarefas que adolescentes recebiam de “curadores”, envolvendo coisas como automutilação, culminando no suicídio. Até hoje, há controvérsias sobre o jogo. Aparentemente, no início, não passava de um boato. Entretanto, diante da exposição que teve nas redes sociais e na mídia, ele acabou se “concretizando”, e vários casos de suicídio pelo mundo estariam associados à Baleia Azul.

Portanto, um canal aberto, franco e seguro com nossos filhos é essencial. Da mesma forma, devemos oferecer a eles todo o apoio e carinho que lhes pudermos brindar. E isso não tem nada a ver com a Momo ou a Baleia Azul: deve acontecer sempre!

Tão importante quanto tudo isso é aprendermos a desconfiar do que nos chega pelas redes sociais, especialmente o WhatsApp. Não podemos dar crédito a todo “hoax” e “fake news” que chega até nós, e muito menos passar isso adiante.

Caso contrário, as maiores vítimas da Momo não serão as crianças, e sim seus pais.

E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Videodebate: quem fala o que quer ouve o que não quer!

By | Tecnologia | No Comments

Está ficando cansado das bobagens e das brigas nas redes sociais?

Calma, tudo tem solução!

A sequência de falas infundadas e inconsequentes parece não ter fim no meio digital. Pior que isso é o bate-boca insano que, muitas vezes, vem na sequência.

Na semana passada, tivemos três exemplos emblemáticos: a Bettina, que teria feito seu primeiro milhão em três anos a partir de R$ 1.500, os pedidos de fechamento do Supremo Tribunal Federal e a “culpa dos videogames” pelo massacre na escola em Suzano.

Tudo isso na semana em que a Web completou 30 anos! Um dos maiores inventos da humanidade, criada para facilitar o compartilhamento de informações, tem aberto as portas para o lado sombrio das pessoas.

Muito chato isso, né? A parte boa da história é que a solução está em nossas mãos! Como? Veja no meu vídeo abaixo.



O artigo sobre o massacre na escola Professor Raul Brasil, mencionado no vídeo, pode ser encontrado em https://www.linkedin.com/pulse/o-videogame-causou-massacre-de-suzano-sqn-silvestre-jr-/

Reflexão: não podemos matar nossa integridade

By | Educação | No Comments

Existem filmes que ficam melhores a cada vez que vemos. “Perfume de Mulher” é um deles. Vi no cinema em 1992 e vibrei quando levou o Oscar de Melhor Ator (Al Pacino).

No sábado, eu o vi de novo. Continua incrível e hoje é mais que isso: ficou necessário!

Vejo as redes sociais crescentemente tomadas de pessoas vociferando conta tudo e contra todos, “protegidas” por um véu mágico do meu digital.

Bem, isso não existe! Seus nomes estão expostos, mas isso parece não importar. Porque ficou muito fácil destruir uma reputação, sem pensar nas consequências ou sequer que há uma pessoa sendo atacada. Os algoritmos lhes dão forças, ao agrupá-los em “bandos”. E, se algo der errado, sempre podem culpar os videogames…

O caminho fácil normalmente não é o certo. A comodidade oferecida pelos meios digitais não pode servir de pretexto para matar a integridade. Antes de agredir alguém, antes de prometer atalhos para “se dar bem”, antes de mentir, pense!

Se você não viu “Perfume de Mulher”, não assista o trecho abaixo: assista o filme todo agora! Tem na Netflix. Se você viu, veja o trecho e reveja o filme.

Todos nós queremos um Brasil melhor, certo? Vamos começar com integridade. Não só exigindo de nossos líderes, mas buscando isso em cada um de nós.



“O videogame causou o massacre de Suzano”: #SQN

By | Educação | No Comments
Flores são deixadas sob o nome dos alunos mortos, no muro da escola Professor Raul Brasil – Foto: reprodução

A quarta, 13 de março, foi dia de mais uma tragédia no país: o massacre na escola estadual Professor Raul Brasil, na cidade de Suzano, na Grande São Paulo. O que levaria dois jovens, ex-alunos da escola, a matar indiscriminadamente estudantes e funcionários, e depois se suicidar? Diante da dor que abalou o país, da perplexidade e da incompreensão, autoridades, ainda no local do atentado, sugeriram que a culpa poderia ser do videogame que os assassinos gostavam de jogar.

Mais que um comentário inconsequente e sem qualquer embasamento, essa afirmação pode desviar o olhar da população das reais causas, turvar as investigações e deixar o caminho aberto para que novos incidentes como esse aconteçam no futuro.

Não estou aqui defendendo o jogo, mesmo porque game não vai preso e é totalmente improvável que o fabricante seja, de alguma forma, responsabilizado por esse ou qualquer outro crime dessa natureza. Tampouco isso provocará queda nas suas vendas. Entretanto, em tempos de redes sociais e algoritmos de relevância, de “fake news”, de radicalização política e polarização ideológica, uma declaração como essa, ainda mais vinda de alguém com qualquer poder instituído, tem a capacidade de acender um rastilho de pólvora que não se sabe onde vai parar.

E o buraco é muito mais embaixo!

Pode ser, sim, que os dois assassinos jogassem um ou mais videogames violentos, inclusive os chamados “tiro em primeira pessoa”, em que o jogador incorpora um personagem que carrega um arsenal e, por diferentes motivos, atira em muita gente. Mas estudos científicos sérios demonstram que esses jogos não causam ou sequer incentivam assassinatos reais. Caso contrário, dada a popularidade desse tipo de jogo, viveríamos em uma sociedade de psicopatas, sendo impossível sair à rua. Pelo contrário, profissionais de psicologia explicam que esse tipo de criminoso é movido por outros problemas, muito mais profundos, que ele já carrega dentro de si, dissociados, portanto, dos games.

Por isso, quando uma autoridade sugere -e mais de uma fez isso ao longo do dia- que existe uma relação entre um videogame e o crime, cria-se, ainda que de maneira totalmente não-intencional, uma cortina de fumaça sobre o problema.

Voz oficial e voz das redes

Também ouvi, aqui e ali, que as redes sociais e a mídia teriam sua parcela de culpa, pois os assassinos teriam se inspirado em outros crimes do tipo, especialmente nos EUA.

Trata-se de um caso clássico de ignorar o problema e matar o mensageiro!

Mas as redes sociais têm um papel nefasto nessa história, sim: o de propagar as versões equivocadas acima. Esse tipo de coisa existe desde que a imprensa foi criada, com o “Acta Diurna”, o primeiro jornal conhecido, ideia do general romano Júlio César, em 69 a.C. Entretanto, se antes o poder de espalhar equívocos se resumia aos veículos de comunicação, hoje o Facebook sozinho tem 2,3 bilhões de potenciais propagadores de “fake news”, auxiliados pelo algoritmo de relevância, que joga na cara de cada um aquilo em que desejam acreditar, mesmo que seja a mais completa porcaria.

Um caso que é estudado até hoje em faculdades de Jornalismo e que ajuda a entender a gravidade desse problema é o da Escola Base, que ficava no bairro da Aclimação, em São Paulo. Em 1994, os donos da escola, uma professora e o motorista do transporte escolar foram acusados de abusar sexualmente de alunos de quatro anos. O delegado Edélcio Lemos, responsável pelo caso, antes de ter em mãos o laudo do IML, corroborou a hipótese para a imprensa, que deu amplo destaque a essa versão (justiça seja feita, exceto a TV Cultura e o finado Diário Popular, cujos editores não “engoliram” a história).

Resultado: a escola foi depredada, os acusados, apesar de posteriormente inocentados na Justiça, foram perseguidos e ameaçados de morte, desenvolveram uma série de doenças, foram obrigados a se mudar de cidade e morreram na miséria. Em resumo, tiveram sua vida destruída instantaneamente pela combinação da fala de uma autoridade e o poder da mídia de ampliar fatos. E tudo isso gratuitamente: ao sair o resultado das análises, conclui-se que as crianças nunca sofreram qualquer tipo de violência.

Tinham tido apenas diarreia.

Risco de explosão e de falta de solução

Isso foi em 1994! Portanto, quando não havia redes sociais ou smartphones.

Hoje a coisa pode ficar muito pior. Em maio de 2014, a dona de casa Fabiane Maria de Jesus foi espancada até a morte por dezenas de moradores do Guarujá, no litoral paulista. Ela havia sido confundida como alguém que supostamente sequestrava crianças para rituais de magia negra, a partir de um boato espalhado em uma página no Facebook, que trazia um retrato falado de uma mulher feito pela polícia no Rio de Janeiro 21 meses antes. Fabiane era totalmente inocente. Em 2017, quatro pessoas foram condenadas pelo crime.

É claro que queremos uma explicação para a barbárie cometida na escola Professor Raul Brasil, em Suzano. Não apenas para que os familiares e amigos das vítimas e a própria sociedade tenham alguma sensação de justiça, apesar de os assassinos terem se suicidado assim que a polícia chegou ao local. Mas também porque, caso as autoridades descubram os verdadeiros motivos que levaram os dois ex-alunos a cometerem esse ato tão hediondo, talvez a comunidade possa reunir esforços para evitar que outros casos semelhantes voltem a ocorrer, e não apenas em escolas. E fazendo isso de maneira preventiva, educativa e, se necessário, usando recursos de saúde pública.

O que não precisamos agora é de nos apressarmos para dizer qualquer coisa para satisfazer a sanha de alguns ou a busca de um motivo de outros. Os inocentes vitimados por essa tragédia não voltarão. Busquemos a serenidade para os corações de todos e para encontrar respostas corretas e soluções verdadeiras e duradouras.

E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.

Artigos relacionados:

Reflexão: você já magoou alguém online? De propósito ou sem querer?

By | Tecnologia | No Comments

A maior parte da nossa comunicação é feita pelos meios digitais. E, apesar do avanço das mensagens de voz, a comunicação escrita ainda domina: mensagens, e-mails, posts, comentários.

Surge então um problema: não sei o que você acha, mas eu tenho a sensação de que as pessoas estão escrevendo cada vez pior! Observo erros grosseiros de ortografia e de gramática, e a pontuação está virando artigo de luxo.

Sei que o meio digital pede uma comunicação mais dinâmica e mais rápida. E eu sou um defensor da língua viva. Mas não podemos simplesmente jogar no lixo algumas regras.

Para tornar a situação mais dramática, escreve-se na língua falada, que exige elementos não-verbais para ser totalmente compreendida, como variações no tom de voz e linguagem corporal. Emojis (que gosto muito) são ótimos para minimizar essa falta, mas não fazem milagre 😉

Por tudo isso, vejo um monte de mal-entendidos, saias justas e mágoas, simplesmente porque o emissor manda sua mensagem sem o mínimo cuidado. Resultado: rusgas entre colegas, amigos e familiares, imagem manchada e até negócios em risco!

Então, fica minha dica: antes de escrever qualquer coisa, trate bem a língua. As pessoas com quem você conversa agradecem!

Videodebate: cara, a Terra é PLANA!

By | Tecnologia | No Comments

Você possivelmente já ouviu falar dos terraplanistas, um grupo que acredita, em 2019, que a Terra é plana.

Antes de fazer piada com eles, é melhor entender o mecanismo por trás disso, pois todos nós também somos afetados por ele.

Como alguém pode afirmar categoricamente isso, diante de todas as confirmações da ciência? E eles são pessoas com boa educação e explicações complexas para justificar sua crença.

Mas não se trata de algo religioso ou místico. A origem do terraplanismo está intimamente ligado aos algoritmos de relevância das redes sociais, especialmente do YouTube.

Estudos demonstram que eles desencadeiam mecanismos em nossas mentes que nos servem de subsídios para justificar qualquer coisa em que queiramos acreditar, desde a Terra ser plana, até pequenas coisas cotidianas. Pior: tudo que diga o contrário, é automaticamente rechaçado pela nossa psique como “conspiração”, “manipulação” e afins.

Portanto, não é uma piada, nem de mau gosto. Essas “bolhas” podem comprometer a nossa capacidade de acreditar no nosso semelhante.

Sabe como sair disso? Veja no meu vídeo! E você se sente afetado pelos algoritmos das redes?



 

Reflexão: o “vilão” é sempre um vilão?

By | Tecnologia | No Comments

Ontem assisti a “Capitã Marvel”, a mais nova aventura da Marvel. Gostei, especialmente dos diálogos espirituosos entre ela e Nick Fury. Não é o melhor do estúdio, mas diversão está garantida (para quem gosta do estilo). Mas algo me chamou bastante a atenção.

No início, os vilões são da raça alienígena skrull, velha conhecida dos fãs de quadrinhos. Mas -surpresa- eles talvez não sejam caras maus de verdade! São apenas o outro lado de uma guerra. E, quando colocados dessa maneira, tudo ganha nova perspectiva.

Lembrei do seriado da HBO “Band of Brothers” (2001), uma obra-prima sobre a Segunda Guerra Mundial. Em uma cena, após feroz batalha, um soldado americano se aproxima de um alemão que havia matado antes. Ao ver de perto o corpo, ele questiona o que afinal fazia dele um “inimigo”. Em outra circunstância, poderiam ser amigos e estar tomando uma cerveja. Mas, pela guerra, havia acabado com ele, sem saber bem por que.

Muito se esperava do feminismo em “Capitã Marvel” (até foi lançado no Dia Internacional da Mulher). Esse tema foi abordado de uma boa maneira. Mas o aspecto político acabou sendo mais interessante.

Para se pensar, ainda mais em tempos de tanta intolerância nas redes sociais.



 

Reflexão: “Bons artistas copiam; grandes artistas roubam!”

By | Tecnologia | No Comments

A frase acima, atribuída a Steve Jobs, não é muito inspiradora, mas abre a cena abaixo de “Piratas da Informática” (“Pirates of Silicon Valley”, 1999), talvez a mais memorável do filme. Em apenas três minutos, o filme demonstra como a Apple “roubou” a ideia da interface gráfica e do mouse da Xerox e, ao lançar o Lisa e principalmente o Macintosh, passou ao mundo a ideia de que que foram eles que inventaram tudo aquilo.

A sequência, com narração em off de Steve Wozniak (co-fundador da Apple) é memorável e merece ser vista. Mesmo por que ela traz vários ensinamentos para qualquer negócio:

  • valorize a “prata da casa”;
  • não despreze o que não entende;
  • esteja aberto a oportunidades e ao novo;
  • fique atento à concorrência;
  • surpreenda sempre o consumidor;
  • a galinha que cacareja mais alto nem sempre é a dona dos ovos, mas leva a fama.

Esse filme de baixo orçamento é brilhante! Nada daqueles filmes “chapa branca” sobre o Jobs que saíram nos últimos anos. Mostra o surgimento da microinformática contando os primeiros anos da Apple e da Microsoft. Infelizmente está meio difícil de encontrá-lo online ou em DVD. Mas, se tiver chance, assista!

E você, já passou por experiências com as dos itens acima na sua carreira? Compartilhe aqui com a gente 😊


Reflexão: quem compartilha mais “fake news”?

By | Tecnologia | No Comments

Segundo estudo das universidades de Princeton e Nova York, são os idosos. Ele avaliou 3.500 usuários do Facebook, e concluiu que quem tem mais de 65 anos compartilha notícias falsas sete vezes mais que os que tem entre 18 e 29 anos. Os canais preferidos para isso são o próprio Facebook e o WhatsApp.

Isso tem a ver com o principal motivo desse grupo espalhar mais as bobagens: fazem isso porque, muitas vezes, a porcaria chega de pessoas em quem confiam.

Outra coisa é o próprio funcionamento e a linguagem nessas plataformas, além da grande quantidade de informação, difícil a eles. Por isso, tendem a cair mais em outros golpes.

O Estadão publicou uma entrevista interessante sobre o tema. Leia em https://tinyurl.com/est4mar19

E, no meu artigo mais recente, tratei de um assunto correlato: como as pessoas estão perdendo sua capacidade de lidar com ideias diferentes, trocando a verdade por versões. Confira em http://tinyurl.com/paulo21fev19

Mas não pense que só os idosos passam “fake news”. Essa praga se espalhou por todas as faixas etárias. Precisamos ajudar as pessoas a nossa volta a escapar disso! Desconfie daquilo que lhe pareça bom demais. E não repasse adiante se não tiver checado em outros sites.

Reflexão: a escola ensina o que o seu filho PRECISA?

By | Educação | No Comments
Essa pergunta é crítica, mas é retórica.
O conteúdo e a maneira de ensinar devem evoluir sempre, adequando-se à sociedade, assimilando novos conhecimentos, tecnologias e questões culturais.
Mas o que é o melhor, se o mundo está mudando o tempo todo? O jeito que eu aprendi não serve aos meus filhos, e muito menos servirá aos meus netos.
A escola desenvolve as capacidades acadêmicas, cognitivas, sociais, físicas e afetivas. Também forma o indivíduo para o mercado de trabalho. Mas preparamos crianças para lidar com problemas que ainda nem existem!
Assim, concluímos que o melhor a fazer é ensinar muito bem português e matemática, essenciais para um bom desempenho em qualquer área, e inglês, (ainda) o “idioma universal”. Mais: é essencial preparar o indivíduo para pensar de maneira livre e crítica, trabalhar em grupo, respeitar e aprender com as diferenças. Essas são as verdadeiras ferramentas para se dar bem nesse futuro desconhecido.

Videodebate: tem gente roubando seu lugar!

By | Tecnologia | No Comments

Não olhe agora, mas tem um monte de “picaretas” roubando os seus clientes ou o seu trabalho!

É isso mesmo! Uns caras que sabem muito menos que você estão lhe dando uma rasteira! E, se duvidar, eles sabem tão pouco, que até colocam a vida das pessoas em risco!

E você fica aí, praguejando da “sorte” que os danados têm…

Muita calma nessa hora! Pela minha experiência, não existe essa tal de “sorte” no trabalho.

Sim, é verdade que essas criaturas existem mesmo, e estão ocupando um espaço indevido. Mas não é por acaso, e muito menos por sorte. Eles sabem muito bem como atingir seus resultados. De um jeito torto, mas sabem.

Digo mais: você também tem culpa nisso tudo! E não adianta ficar bravo.

Veja meu vídeo abaixo, e depois vamos debater aqui nos comentários: o que fazer para ocupar o espaço que é SEU?



 

Reflexão: o Facebook deprime você!

By | Tecnologia | No Comments
Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook

Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook

Pelo menos é o que concluiu duas pesquisas mencionadas nessa reportagem do El País: https://bit.ly/2X0QdN5

A primeira é da Universidade de Nova York e de Stanford; a segunda, da Universidade A&M do Texas. Compararam usuários que deixaram a rede por um mês e por uma semana, respectivamente, com grupos que continuaram se conectando.

As duas confirmaram que não usar mais o Facebook, mesmo por curtos períodos de tempo, reduziu depressão e ansiedade nas pessoas. Outra coisa que achei particularmente interessante: as pessoas ficaram menos intolerantes! E ainda passaram a realizar outras atividades sociais.

Sempre trago para o debate a importância de não nos rendermos à manipulação dos algoritmos e do mau uso que algumas pessoas fazem deles, como no meu artigo mais recente (leia: https://tinyurl.com/paulo21fev19). As redes sociais são ferramentas incríveis de comunicação interpessoal, de informação e de aprendizado. Mas não podemos acreditar candidamente em tudo que nos é exposta ali. Além disso, não dá para achar que todo mundo é melhor que nós, pois normalmente as pessoas colocam só seus melhores momentos na rede.

E você, toparia ficar um mês sem usar o Facebook? Ou já saiu de vez dessa rede?

Por que você não pode deixar a verdade ser apenas um ponto de vista

By | Jornalismo | No Comments
Darth Sidious, o imperador da saga Star Wars, que chegou ao poder após enganar e manipular aliados e inimigos – Foto: reprodução

Darth Sidious, o imperador da saga Star Wars, que chegou ao poder após enganar e manipular aliados e inimigos

Não sei quanto a você, mas ando muito preocupado com o comportamento das pessoas nas redes sociais, mesmo no LinkedIn, onde o nível médio das discussões sempre foi mais alto! Vejo agressões mútuas por divergências de qualquer natureza, muitas vezes gratuitamente e de maneira desproporcional. Além do ódio injustificado, o grande problema disso é que um espaço que deveria servir para melhorar relacionamentos, fazer negócios e realizar trocas de qualidade vira uma arena destrutiva.

Temos que sair dessa irracionalidade, pelo bem de cada um e de toda a sociedade. Mas como para fazer isso?

Antes de responder, gostaria de esclarecer antecipadamente, até mesmo pelo exposto acima, que esse não é um artigo de cunho político, que não pretendo defender ou atacar qualquer lado de qualquer assunto. Mesmo porque entendo que, quando a discussão chega a esse nível rasteiro, não há mais lado “certo” ou “errado”.

A essência dessa enorme confusão é que ultimamente qualquer versão vale mais que a verdade. É assustador, mas observo, cada vez mais, as pessoas tapando completamente os olhos diante de fatos inegáveis, documentados, escancarados, para continuar acreditando no que lhe convém. O fanatismo das torcidas organizadas de futebol parece ter se espalhado para outras paixões, particularmente a política, carregando suas piores características: a cegueira ideológica e o efeito manada. Por isso, estão dispostos a matar em nome do time (que nunca pediu isso)!

Esse incômodo vem crescendo em mim há mais de um ano. Mas nesta terça, resolvi escrever esse artigo, enquanto assistia pela enésima vez o Episósio III de Star Wars, o sombrio “A Vingança dos Sith”. Percebi que nossa realidade se assemelha muito à trama conduzida pelo personagem Palpatine/Darth Sidious. O senador do planeta Naboo avança politicamente pelos anos, enganado e matando, sempre com um véu de legalidade, até o ponto de criar uma guerra interplanetária para seu benefício. Com sua habilidade de sedução e engodo, consegue apoio de todos até atingir seu objetivo de eliminar (literalmente) seus inimigos e se tornar imperador.

Vale aqui uma nota pessoal: sou fã da saga espacial criada por George Lucas, que é carregada de simbolismos. Costumo usar muitos deles como aprendizado para o cotidiano.

No momento preciso, Palpatine se autoproclama imperador da galáxia, ovacionado pelos senadores. Poucos perceberam a obviedade de que algo ali estava muito errado, entre eles a senadora Padmé Amidala, sentenciando: “então é assim que a liberdade morre, com um aplauso ensurdecedor”.

Qual a semelhança com o que vivemos hoje?

 

Precisamos acreditar em algo

Políticos e outras grandes lideranças manipulam as massas desde sempre para atingir seus objetivos. Já tivemos vários casos na história que, assim como Palpatine, criaram guerras, ao custo de milhões de vidas, apenas para ampliar seu poder.

Mas é a primeira vez que as redes sociais são usadas como instrumento de manipulação. E o resultado tem sido devastadoramente eficiente. Nelas, tudo acontece de maneira mais intensa e mais rapidamente, mesmo a transformação de mentiras em verdades. Isso ganhou até um nome bonito: “fake news”.

A ironia é que nós precisamos acreditar em algo. Faz parte da nossa natureza humana. O aclamado historiador israelense Yuval Noah Harari disse, em seu livro “21 Lições para o Século 21”, lançado no ano passado, que “desde a era da pedra, mitos foram reforçados a serviço da união da coletividade humana. Realmente o Homo sapiens conquistou esse planeta graças, sobretudo à habilidade humana única de criar e disseminar ficções.”

Mas tudo tem limite! Se houver um “desequilíbrio na Força”, essa habilidade essencial passa a fazer com que as pessoas deixem de colaborar entre si, para reforçar seus preconceitos. E é exatamente isso que temos agora.

Não podemos perder a capacidade de dialogar, e isso inclui com as pessoas que não pensam como nós. Aliás, de certa forma, quando nos confrontamos com as diferenças, é quando mais crescemos, pois nos permitimos ver o mundo por outra ótica.

A imprensa desempenha um papel essencial no processo do diálogo, por isso se busca domesticá-la ultimamente. Nenhum espanto até aí: quanto mais totalitário um regime, mais os veículos de comunicação sofrem, até o ponto de serem controlados e colocados em favor da “causa”.

Uma das principais funções da imprensa, crítica para o desenvolvimento de qualquer sociedade, é justamente fiscalizar um governo. Isso não quer dizer persegui-lo, mas certamente inclui apontar tudo que estiver errado ou for suspeito. Por isso, vejo aterrorizado uma quantidade imensa e barulhenta de pessoas, influenciadas por grupos ideológicos de todos os matizes, desqualificando os veículos e agredindo (até mesmo fisicamente) jornalistas.

É verdade que há casos inaceitáveis de notícias propositalmente enviesadas, e veículos e profissionais que se prestam deliberadamente a esse antijornalismo. Isso é lamentável, até mesmo porque oferecem munição para os que querem alvejar a imprensa toda. Portanto, se a seriedade e o equilíbrio sempre foram essenciais para essa profissão, agora ficaram ainda mais indispensáveis, para a manutenção da credibilidade, seu valor mais precioso. Precisamos de jornalismo de alta qualidade!

O mais absurdo dessa história é que o mesmo veículo ou profissional é “acusado” de ser “de direita” ou “de esquerda” (como se posicionamento político fosse um crime), de acordo com o que noticia e do agressor. Ou seja, se o fato desagrada grupos conservadores, são taxados “mentirosos de esquerda”; se forem problemas de grupos liberais, são “mentirosos da direita”.

Obviamente essa equação não fecha.

 

Como escapar dessa armadilha

Se antes a construção dessas mentiras levava anos, graças à manipulação das pessoas pelas redes sociais, isso agora pode ser feito em poucas semanas. De fato, escrevi, em maio do ano passado (portanto muito antes de o resultados das eleições se delinear), que o presidente atual seria eleito em um “videogame”. E foi exatamente isso que aconteceu.

As “fake news profissionais” estão longe de se apenas boataria. Seus produtores sabem como usar as redes sociais para coletar dados dos usuários e identificar seus desejos e seus medos. Dessa forma, não apenas produzem seu material para atender a isso tudo, como “plantam” esse material diretamente naqueles que gostariam que aquilo fosse verdade. E, diante disso, essas pessoas “compram a ideia” facilmente, espalhando-a com força. A partir daí, as infames “bolhas” das rede sociais fazem o trabalho sujo. Exatamente como aconteceu no escândalo Facebook – Cambridge Analytica.

Ou seja, o elo fraco dessa nefasta corrente manipuladora somos nós mesmo, que queremos acreditar na mentira, porque ela nos convém de alguma maneira. E, graças às “bolhas”, que nos colocam em contato com uma multidão de pessoas que pensam da mesma forma, a mentira parece cada vez mais verdadeira.

Esse é o ponto onde estamos.

Portanto, a única maneira de tirarmos essas vendas que nos cegam e colocam familiares, amigos, colegas e desconhecidos em rota de colisão frontal é desconfiar até daquilo que queremos. Como diz o ditado, “quando a esmola é grande, até o santo duvida”. E os santos têm andado muito, muito generosos ultimamente.

Outro personagem-chave de Star Wars, o mestre jedi Obi-Wan Kenobi, disse ao então aprendiz Luke Skywalker que “muitas das verdades a que nos apegamos dependem muito do nosso próprio ponto de vista.” Esse ensinamento aparece no filme “O Retorno de Jedi”, de 1983. Hoje, 36 anos depois, ele nunca foi tão verdadeiro.

Saia de sua zona de conforto! Aprenda com o outro! Não acredite nas obviedades que lhe dizem! Isso pode salvar você do Lado Negro da Força. E torná-lo um cidadão melhor.


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Videodebate: a maneira de fazer negócios mudou!

By | Tecnologia | No Comments

Tenho ouvido de muita gente que, como professor e consultor, eu crio concorrentes que depois disputarão o mercado comigo. Essa afirmação me parece descabida, a começar porque o amor pela educação jamais deixaria espaço para esse sentimento. Mas há algo muito mais incrível nessa história, reflexo de mudanças culturais trazidas pelo meio digital.

Mais que criar concorrentes, hoje eu crio potenciais parceiros! Sim! Ao ensinar outras pessoas o que eu faço, podemos depois, juntos, trabalharmos e desenvolvermos ideias que isoladamente nem eu e nem eles conseguiríamos executar.

Essa máxima não serve apenas para profissionais: grandes empresas já vêm experimentando o conceito, cortando custos, diminuindo tempo de desenvolvimento e entregando produtos melhores ao público.

Sentar em cima de ideias, com medo que elas sejam copiadas, não funciona mais. Nessa nova realidade, isso é o caminho para morrer com a ideia.

Daí pergunto: você e sua empresa já estão prontos para abraçar esse novo jeito de fazer negócios? Entenda isso melhor no meu vídeo abaixo. E depois vamos debater aqui nos comentários.



 

Reflexão: quanto vale a sua privacidade?

By | Tecnologia | No Comments

Para o Facebook, constantes violações na privacidade de seus usuários podem lhe custar muitos milhões de dólares!

Reportagem de The Washington Post (https://lnkd.in/dUTz7Rk) indica que a empresa está negociando com a FTC (sigla em inglês para Comissão Federal de Comércio) pelo fim de uma investigação sobre isso. Começou em março, com o escândalo da Cambridge Analytica, que usou a rede para roubar dados de 87 milhões de usuários. De lá para cá, mais problemas, incluindo novos vazamentos e o crescimento das “fake news”, apoiadas pelos algoritmos.

A agência americana, que regula práticas comerciais, pode aplicar uma multa que supere o recorde para uma empresa de tecnologia: US$ 22,5 milhões pagos pelo Google em 2012, também por questões de privacidade. Uma eventual briga na Justiça pode corroer ainda mais a imagem do Facebook junto a seus usuários, que já não anda muito boa.

Nessa questão, o elo fraco continua sendo o usuário, vítima por não ser bem informado que seus dados estão sendo coletados, e muito menos para que serão usados.

Que cuidados você toma para proteger seus dados ao usar redes sociais ou seu celular?