Category Archives: Jornalismo

Aprendemos muito com 11 de Setembro, mas não o suficiente

By | Jornalismo | No Comments

Onde você estava quando aconteceram os ataques de 11 de setembro de 2001?

Eu me lembro em detalhes daquele dia.

Há exatos 20 anos, eu chegava para mais um dia de trabalho na America Online. Quando a porta do elevador se abriu, uma grande amiga saiu consternada e me disse: “um avião bateu no World Trade Center”.

Enquanto subia os andares, eu pensava: “como o piloto de um avião pequeno pode ser tão ruim a ponto de bater em um prédio daquele tamanho?”

Quando eu cheguei na redação, vi todas as TVs ligadas com a imagem da Torre Norte em chamas. Foi quando me dei conta que não era um avião pequeno de um piloto descuidado: aquilo só poderia ser um avião de grande porte.

A essa altura, ninguém cogitava minimamente um atentado terrorista. Foi quando, 17 minutos depois do primeiro impacto, um segundo Boeing 767 acertou em cheio a Torre Sul. A situação era tão improvável que me lembro da repórter da CNN dizendo: “meu deus, os destroços do avião caíram de uma torre na outra!”

Pensei: “mas isso não é possível de acontecer, não depois de tanto tempo.” Foi quando começamos a perceber que aquilo não era um acidente: era um ataque. E, para não sobrar nenhuma dúvida, 34 minutos depois, um Boeing 757 atingiu o Pentágono. Um segundo 757, destinado a atingir o Capitólio, caiu em um campo da Pensilvânia 24 minutos depois, pois os passageiros e a tripulação tentaram recuperar o controle da aeronave dos terroristas.

Estávamos incrédulos e desnorteados. Apesar de estar no escritório brasileiro, eu visitava a sede da AOL em Washington DC. Tinha muitos amigos lá, que estavam em pânico. Os brasileiros queriam voltar para cá de qualquer jeito, mas não podiam pois nenhum avião decolaria do território americano por muitos dias.

Em meio a tanta dor, nós tínhamos que cobrir tudo aquilo. A audiência em todos os portais bateu qualquer recorde imaginável. O serviço da AOL foi o único que não caiu entre todos os grandes portais brasileiros.

Apurávamos e escrevíamos com um nó na garganta. Vários choraram. Na época, eu atuava como gerente de projetos, não como jornalista. Mas, naquele momento, estávamos todos unidos por aquela dor dilacerante.

O século XXI só começou mesmo naquele dia. Foi o fim da época da inocência. O mundo nunca mais seria o mesmo e o terrorismo chegaria às cidades do Ocidente com força.

Os EUA fizeram várias guerras, caçaram terroristas e derrubaram tiranos. Mas hoje, 20 anos depois, vemos sua retirada desastrosa do Afeganistão, com a volta do Talibã ao poder local.

O que aprendemos nessas duas décadas? Muito! Muito mesmo! Mas, quando vejo o acirramento dos ânimos, o egoísmo, a polarização do povo, o ódio desmedido contra os iguais… sinto que não aprendemos o suficiente.

Fico feliz de ter contribuído com informação naquele tempo sombrio e por continuar a fazer o mesmo hoje. Apenas assim podemos sair disso.

 

Enquanto alguns choram, outros vendem lenços online

By | Jornalismo | No Comments

Depois de um ano e meio de pandemia, há um consenso entre empresários de que as adversidades que ela trouxe impulsionaram um incrível avanço na transformação digital: o que aconteceria em cinco anos aconteceu em cinco semanas! Isso explica por que algumas empresas quebraram no período, enquanto concorrentes diretos não apenas sobreviveram às provações, como ainda cresceram. Mas esse não é um processo apenas tecnológico: as empresas vencedoras são aquelas que captaram as mudanças no consumidor.

Do ponto de vista do e-commerce, a recém-lançada edição 44 do relatório Webshoppers, da consultoria Ebit|Nielsen em parceria com o Bexs Banco, demonstra que o enorme crescimento do varejo digital, observado nos primeiros meses da pandemia, se consolidou em um novo patamar de consumo. Além disso, evidencia como o celular se torna, cada vez mais, o canal preferido de compra.

O consumidor quer mais e iniciativas das empresas mais agressivas permitem esse comportamento. Entregas em poucas horas, ofertas mais diversificadas de produtos vindos do mundo todo e até lives com vendedores fazem parte da atual experiência de compra.


Veja esse artigo em vídeo:


O Webshoppers 44 não deixa dúvida sobre a força do e-commerce brasileiro. Apesar do faturamento do varejo online sempre aumentar ano após ano, no primeiro semestre de 2021, ele chegou a R$ 53,4 bilhões, um crescimento de 31% sobre o mesmo período de 2020, que tinha crescido 55% sobre o primeiro semestre de 2019. Foi um recorde impulsionado pelo período mais severo do distanciamento social. Isso é muito mais que o observado nos anos anteriores, mesmo aqueles antes da crise econômica iniciada em 2015.

A quantidade de consumidores online se manteve praticamente a mesma, chegando a 42 milhões. Isso se deve ao grande crescimento no início da pandemia, quando os compradores digitais saltaram de 29,4 milhões no primeiro semestre de 2019 para 41 milhões no mesmo período de 2020. As principais portas de entrada usadas pelos clientes foram os buscadores e as redes sociais.

Para os brasileiros, as fronteiras não representam um problema. Os sites internacionais (com um especial destaque no crescimento de sites chineses) tiveram 15% a mais de pedidos.

E, por falar em China, um fenômeno que já existe lá desde 2014 se tornou mais importante para os consumidores aqui com a pandemia: o live commerce, também conhecido como shopstreaming. Trata-se de uma live em que um vendedor, uma celebridade ou um influenciador apresenta produtos ao vivo para o público, que pode tirar dúvidas e fazer a compra na hora.

Mas, ao contrário do que já se vê há décadas em programas comerciais de TV, no live commerce o apresentador efetivamente interage com o público. Além disso, ele não tem a função apenas de vender, dedicando-se também a explicar seu uso e até divertir quem está assistindo.

No ano passado, as lojas chinesas venderam US$ 200 bilhões em produtos assim. Nesse ano, devem chegar a US$ 300 bilhões! No Brasil, o Webshoppers informa que as vendas concretizadas pelo live commerce foram de 10% em média de quem assistiu aos programas.

Como se pode ver, assim como o marketing deixou de ser apenas uma ferramenta promocional há muitos anos, passando também a divertir, inspirar e educar interativamente o público, as vendas agora seguem por esse caminho.

 

Compra e entrega em qualquer lugar

O consumidor tem hoje muito poder na palma de sua mão. Literalmente!

O Webshoppers 44 mostrou que o celular continua sendo um canal cada vez mais importante para o e-commerce, com 53% do total das vendas, chegando a R$ 28,2 bilhões no primeiro semestre. Isso é um aumento de 28,4% frente ao mesmo período de 2020.

Isso não chega a surpreender. Segundo o relatório PNAD Contínua do IBGE, apenas 48,1% dos domicílios brasileiros com Internet tinham computador em 2018. Essa porcentagem vem caindo: em 2017, eram 52,4%. Já os smartphones crescem, passando de 98,7% em 2017 para 99,2% dos domicílios em 2018. Praticamente todos os domicílios brasileiros com Internet têm celulares, sendo que, em 45,5% dos casos, é a única forma de conexão.

Já não é de hoje que a experiência de compra precisa ser ótima na telinha dos smartphones, mais importante até que nos computadores. Por isso, é incrível ver que muitos varejistas –inclusive alguns grandes– continuem fazendo de seus aplicativos apenas uma versão do site ajustada para o celular. Para piorar, usam muito pouco os recursos incríveis que os smartphones têm, como sensores, localização ou a própria câmera.

Isso é dinheiro que fica na mesa: estão perdendo vendas e clientes! Precisam mudar essa cabeça!

Esse poder do usuário e a concorrência acirrada estão redefinindo também o prazo de entrega. Serviços de compra programadas, como Amazon, Magazine Luiza ou Americanas.com, que antes da pandemia demoravam dias para entregar produtos, agora fazem isso em horas, em alguns casos.

De certa forma, essas operações se sobrepõem agora a aplicativos como Rappi e iFood, acostumados a entregas em minutos. Esses, por sua vez, ampliam o tipo de produtos atendidos, não se restringindo mais a comida por motos ou bicicletas. Eles cresceram muito em pedidos de mercado, que muitas vezes precisam ser entregues por carros.

Essa entrega rápida segue outra tendência importada da China: o same hour delivery, ou seja, e-commerces que prometem fazer suas entregas dentro da mesma hora. Isso ficou tão importante lá, que bairros de grandes cidades atendidos por essa modalidade experimentaram um aumento nos valores dos imóveis.

Para cumprir essa meta, vale tudo! Reportagem de Elisa Calmon e Talita Nascimento, publicada no Estadão no sábado, mostra como o Mercado Livre se vale de barcos e até de cavalos para chegar a locais remotos do Brasil.

Como se pode ver, não dá para continuar se relacionando com o público como se fazia até antes da Covid-19. O consumidor se transformou profundamente no período de distanciamento social. Agora, com o fim das restrições, quem continuar atendendo do jeito velho poderá ficar para trás, chorando. E talvez ainda tenha que comprar lenços online.

De que lado dessa transação você quer ficar?

 

Para a sociedade dar certo, precisamos acreditar em algo

By | Jornalismo | No Comments

A vida tem um jeito especial de eventualmente nos jogar em um turbilhão de fatos e tarefas que nos tiram a perspectiva de qual é nosso lugar no mundo. Passamos a viver um dia após o outro sem refletir sobre o que poderíamos fazer para melhorar. Quando isso acontece, para reconstruirmos nosso caminho, às vezes temos que primeiramente chegar ao fundo do poço.

É o caso da falta de confiança generalizada em nossa sociedade. Ela deriva de uma crise política e econômica que já dura sete anos, e que só vem piorando. A pandemia, que nos apresentou desafios nunca antes enfrentados, nos tirou ainda mais do nosso eixo. É o que demonstram os recentes estudos globais Digital News Report, do Instituto Reuters e da Universidade de Oxford, e o Trust Barometer, da consultoria Edelman.

O fato é que, se não confiamos em mais nada, ou quando apenas as nossas convicções pessoais guiam nossos atos, a sociedade se dissolve. Passamos a viver dentro de um eterno “diálogo de surdos”, em que ninguém mais constrói nada com o outro, indo cada vez mais para o fundo.

Temos que romper esse círculo vicioso!


Veja esse artigo em vídeo:


A desconfiança é um sentimento natural diante do desconhecido ou de alguém que dá mostras de praticar atos questionáveis. É um sentimento de autopreservação legítimo contra quem potencialmente pode nos fazer algum mal. Mas ela não pode crescer sem limites. Caso contrário, chegamos no ponto em que estamos, com uma polarização irracional, o que afeta nosso próprio desenvolvimento ao excluirmos possibilidades sociais.

Por exemplo, será que só podemos comprar de quem pensa igual a nós? Se a pessoa tiver outras ideias, será que tudo que ela faz é necessariamente ruim? Por outro lado, será que tudo feito por quem pensa como nós é bom? Contratar pessoas que são diferentes de nós seria uma ameaça ao nosso estilo de vida?

Claro que nenhuma dessas ideias extremistas é verdadeira! Mas pensamentos como esses estão guiando a nossa vida.

As pessoas acreditam no que elas quiserem, no que lhes for mais conveniente. Sempre foi assim! Mas algo mudou em nossos cérebros há alguns anos, com o apoio das redes sociais.

Para nos vender todo tipo de coisa, seus algoritmos nos mantêm enjaulados em uma zona de conforto de pensamento único. Qualquer ideia que tivermos parece ser corroborada pelo mundo, quando, na verdade, é apenas um recorte da sociedade filtrado pelo sistema, escondendo de nós pensamentos divergentes. Trata-se do que o ativista digital americano Eli Pariser chamou, há uma década, de “filtro bolha”.

Tanto é assim que, em 2016, o renomado Dicionário Oxford elegeu “pós-verdade” como a “palavra do ano”. Na sua definição, ela é “relativa ou referente a circunstâncias nas quais os fatos objetivos são menos influentes na opinião pública do que as emoções e as crenças pessoais.”

Eu me pergunto se os organizadores da obra imaginavam quão proféticos estavam sendo ao escolher essa palavra.

 

O papel do jornalismo

Os veículos de informação têm um papel decisivo nesse resgate da verdade e da confiança. E, se alguém tinha alguma dúvida, isso ficou claro durante a pandemia: quando a situação ficou realmente crítica, a população correu para eles em busca de notícias confiáveis. Ou seja, apesar de toda a campanha de difamação que sofrem, eles conseguem manter uma boa reputação, especialmente quando as fontes “alternativas” de conteúdo carregam demais na pós-verdade.

O Digital News Report demostrou que a confiança aumentou em plena pandemia. Com informações de 46 países, que representam metade da população global, o relatório indica que a confiança no jornalismo cresceu seis pontos percentuais em 2021, chegando a 44%, mesmo índice de 2018. Além disso, aumenta a distância entre a confiança em veículos jornalísticos e em conteúdos nas redes sociais, que estacionaram em 24%.

O Brasil ficou em sétimo lugar entre esses países na confiança da população na imprensa, com 54%, empatado com Bélgica e Nigéria. O país em que a população mais acredita no jornalismo é a Finlândia, com 65%. Já nos Estados Unidos, que têm uma das melhores imprensas do mundo, apenas 29% da população acredita nos veículos de comunicação.

Isso é explicado pelos dados do Trust Barometer, que indica que eleitores de políticos conservadores e que abusam da pós-verdade confiam pouco na imprensa. A péssima colocação dos EUA deriva, portanto, da cruzada do ex-presidente Donald Trump contra o jornalismo.

Pela metodologia desse relatório, a confiança global na imprensa chegou a 51%, 2% a mais que em 2020. No Brasil, a confiança é de 48%, 4% a mais que no ano anterior.

 

Linguagem e formato

O levantamento do Instituto Reuters e da Universidade de Oxford traz duas coisas importantes. A primeira é que alguns grupos sociais não se sentem bem representados pelos veículos jornalísticos, como negros, mulheres e eleitores conservadores. A outra é que apenas 18% dos jovens se informam assim, enquanto 60% fazem isso nas redes sociais, sendo cada vez mais atraídos por redes visuais, como Instagram e TikTok.

Muitos veículos tradicionais ensaiam distribuir seus conteúdos nessas plataformas, até mesmo no TikTok. Mas como passar a informação necessária e não perder sua credibilidade nesses formatos? O tradicional Washington Post, com 143 anos, contratou Dave Jorgenson como editor dedicado ao TikTok. Ele consegue um bom engajamento, mas não dá notícias na plataforma.

Os veículos precisam encontrar o caminho para se reconectar com o público. Eles não podem esquecer seus valores, que os tornaram respeitados, mas talvez tenham que abandonar boa parte do seu formato e da sua linguagem.

O jornalismo só é viável se estiver representando o público! Caso contrário, a pós-verdade de políticos mequetrefes manipulará ainda mais as massas, destruindo a confiança das pessoas em todas as instituições, o que, a médio prazo, colocará em risco a própria existência da democracia.

O historiador israelense Yuval Noah Harari afirma que o ser humano só alcançou a dominância do planeta por ser o único ser vivo com a capacidade de acreditar em desconhecidos para construir algo com eles. A isso, damos o nome de “sociedade”. Não podemos perder esse recurso essencial de construir algo em grupo.

Será que chegamos ao fundo do poço da confiança para começar a reconstruí-la? Eu espero que sim, ou o que será do Brasil e do mundo daqui a 20 anos? Os que hoje são jovens precisam aprender o valor do bom jornalismo, tornando-se melhores cidadãos. Já os veículos de informação precisam reassumir seu protagonismo. Para isso, devem lembrar para quem trabalham, que é o público, e não seus acionistas, nem os anunciantes e muito menos os grupos de poder.

Como disse certa vez o jornalista e artista Millôr Fernandes, “jornalismo é oposição; o resto é armazém de secos e molhados.”

Quanto a nós, todos nós, temos que reaprender a confiar no outro, mesmo em quem pensa diferentemente de nós. Só assim tiraremos nossa sociedade desse atoleiro em que está metida.

 

O poder do gado pode massacrar nossas convicções

By | Jornalismo | No Comments

Somos seres únicos e, como tal, temos a capacidade de ter ideias próprias. Combinamos conhecimento para criar conclusões que nos ajudam a crescer como pessoas e a desenvolver a sociedade. Mas a digitalização de nossas vidas vem tornando essa tarefa mais complicada. Ter autonomia e manter convicções exige cada vez mais energia.

Acontece que também somos seres gregários. Precisamos conviver com outras pessoas para benefício mútuo. Precisamos nos sentir aceitos! O custo disso é ajustar eventualmente o que pensamos ao grupo, para uma convivência harmoniosa e construtiva. No final, esse confronto com pensamentos diferentes acaba nos ajudando a refinar nossa visão de mundo.

O problema é que a pressão do grupo cresce exponencialmente com a exposição às onipresentes redes sociais. Para integrarmos a manada, o gado nos impõe sua visão de mundo, que, em muitos casos, contraria o bom senso, a ciência e pode ameaçar a vida dos membros do rebanho. E, como seus algoritmos insistem em nos manter dentro de “bolhas”, perdemos as referências com a realidade.


Veja esse artigo em vídeo:


Isso pode parecer exagero, mas não é!

Entre os dias 20 e 27 de abril, o Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação entrevistou 2.031 pessoas para a sua pesquisa “A Cara da Democracia”. Além de conclusões políticas muito interessantes, o estudo demonstrou que 22,2% dos brasileiros acreditam que a Terra é plana. Isso dá quase 50 milhões de pessoas que deliberadamente rejeitam um fato científico largamente explicado e observado.

Anteriormente, em julho de 2019, outro levantamento indicava que “apenas” 7% dos brasileiros então acreditavam nessa barbaridade e outros 3% diziam não saber qual era a forma do mundo. Ou seja, em quase dois anos, a quantidade de brasileiros que cometem esse atentado científico, que já era gigantesco, triplicou!

A pesquisa “A Cara da Democracia” traz ainda outras informações muito preocupantes, e que impactam de maneira mais decisiva nossa vida. Por exemplo, 50,7% dos brasileiros acreditam que o novo coronavírus foi criado pelo governo chinês e 56,4% acreditam que os hospitais são pagos para inflar o número de pacientes mortos pela Covid-19.

Esses últimos dados são gravíssimos pois estão associados à crença em notícias falsas que efetivamente colocam a vida das pessoas em risco, como se recusar a se vacinar, usar máscaras, praticar o distanciamento social, ou acreditar que drogas como cloroquina e ivermectina combatem a Covid-19.

Segundo o instituto, isso escancara como a desinformação cresce de forma galopante no Brasil, especialmente entre aqueles que se informam por redes sociais, mais notadamente Facebook, WhatsApp, Instagram e YouTube. A situação é ainda mais grave entre eleitores de Bolsonaro, pois o presidente é um notório detrator da ciência e de fontes confiáveis de informação, fazendo uso das redes sociais para disseminar todo tipo de notícia errada e teorias da conspiração.

 

A desinformação não escolhe vítimas

Muitos podem argumentar que apenas pessoas ignorantes, com baixa escolaridade acreditam e vivem de acordo com essas coisas estúpidas. Mas não é o caso: entre os negacionistas e os conspiradores contra a ciência, há de tudo, inclusive gente muito estudada. E é por isso que a situação é dramática!

Conheço profissionais da saúde que, a despeito de todas as indicações da comunidade científica e até de fabricantes, continuam acreditando na cloroquina como remédio contra a Covid-19. Outros se negam a se vacinar, afirmando que os imunizantes não funcionam ou até são perigosos! Por outro lado, médicos contrários a esse uso da droga entram na Justiça contra colegas e associações de classe.

Esse “racha” entre os profissionais da saúde piora ainda mais a situação das pessoas, que não sabem em quem acreditar. Nessa semana mesmo, uma amiga, que trabalha em um hospital, me disse que se recusou a tomar a vacina a que tinha direito. Outra, que contraiu a doença, me perguntou se deveria tomar cloroquina ou ivermectina.

É de se perguntar como profissionais da saúde, que deveriam ser os primeiros a abraçar o que a ciência diz, se deixam levar por essas aberrações que apenas atendem a interesses políticos. Não são culpados: é aí que entram as redes sociais, que dão voz tanto a quem constrói o discurso negacionista, quanto ao “gado” que o distribui.

Joseph Goebbels, ministro da Propaganda na Alemanha Nazista de Hitler, dizia que uma mentira dita uma vez é apenas uma mentira; já uma mentira dita mil vezes se torna verdade. Mas hoje, com as redes sociais, as mentiras são ditas não mil, mas milhões de vezes!

 

O risco da conformidade

Em uma das cenas mais emblemática do filme “Sociedade dos Poetas Mortos” (1989), o professor Keating, vivido por Robin Williams, faz um interessante exercício com seus alunos para ilustrar os perigos da conformidade, ou seja, os riscos envolvidos quando abandonamos nossas convicções ou até a ciência para fazer parte do grupo.

Ele fez três alunos darem voltas ao redor do pátio. No começo, cada um andava à sua maneira, mas rapidamente todos alinharam seus passos e o estilo. Mais que isso: os demais alunos, que assistiam, começaram a espontaneamente bater palmas, marcando o ritmo das passadas. Ninguém determinou aquilo: aconteceu naturalmente.

Apesar de ser um exercício singelo, ele explica muito bem o que vivemos hoje. Todos querem voltar a ter uma vida “normal”, a trabalhar ou estudar sem medo, a se encontrar com os amigos e a família, a se divertir. Mas a pandemia continua a todo vapor, com números de novos casos e óbitos altíssimos!

Como não temos como controlar o incontrolável, abraçamos qualquer coisa que nos aqueça o coração e justifique fazermos o que quisermos. Infelizmente essa fórmula mágica não virá de cientistas, de profissionais da saúde ou de professores sérios, pois simplesmente não existe. Mas virá de um presidente ou de um tio negacionista no grupo da família no WhatsApp, o que já basta, porque as pessoas acreditam no que elas quiserem ou no que lhes convier.

Elas querem uma saída rápida para seus problemas. Abraçarão tudo e todos que lhes acenarem um caminho e combaterão qualquer um que irritantemente insista na verdade. O problema é que, como vemos diariamente, a saída mágica pode levar o indivíduo ao caixão.

Quando vejo que 50 milhões de brasileiros acreditam que a Terra é plana, temo que estejamos rumando para uma nova Idade das Trevas, em que a verdade será combatida sistematicamente por grupos que se alimentam de mentiras e por uma massa controlada, cuja única preocupação é um ‘”lugar no céu quando morrer”.

Temos que ser “renascentistas” que lutam contra esse mal supremo! Não podemos render nossas convicções, nossa inteligência e nosso senso crítico a quem nega os fatos, a ciência, a vida para garantir seus interesses. E devemos ajudar quem estiver a nossa volta a não cair nesse poço sem fundo.

Caso contrário, se os negacionistas vencerem, jogarão a humanidade para um novo período de obscurantismo e de retrocesso. E já tivemos mil anos disso na Idade Média.

 

Estamos nos aproximando de “The Walking Dead”

By | Jornalismo | No Comments

Na noite desse domingo, foi ao ar o último episódio da décima temporada da série “The Walking Dead”, a mais vista na TV aberta americana. Apesar de ser uma obra ficção, ela assustadoramente guarda algumas semelhanças com a nossa situação atual, e podemos aprender algo com isso.

A realidade dos episódios é determinada por um vírus que transforma pessoas em zumbis, que coloca a humanidade de joelhos. Mas, assim como se observa em nossos atuais dias sombrios, na história, o que mais assusta não é a doença, e sim a desunião entre os sobreviventes, que pode representar uma ameaça à humanidade ainda maior.

Concordo que um mundo dominado por mortos-vivos comedores de gente pode parecer ainda mais dramático que a destruição real provocada pela Covid-19. Mas, na série, os sobreviventes se organizam em clãs para garantir recursos em detrimento de outros humanos. Por outro lado, o que vivemos é potencialmente muito mais perigoso, com uma determinação crescente de muitos em negar o conhecimento e a verdade para alguns poucos serem beneficiadas às custas das demais.

As narrativas negacionistas começaram com temas que pareciam fanfarronices de um bando de paspalhos, como acreditar piamente que a Terra é plana no século XXI. Mas ela evoluiu para absurdos como pessoas que se negam a tomar qualquer tipo de vacina, por acreditar que fazem mal à saúde. Esse caso específico se tornou dramático diante da pandemia, ao ser cruzado com interesses políticos de grupos no poder, que incendeiam seus seguidores contra o imunizante para atacar adversários e até tentar um desequilíbrio geopolítico mundial.

E as pessoas acreditam neles!


Veja esse artigo em vídeo:


Em “The Walking Dead”, alguns humanos não veem nenhum problema em matar outros sobreviventes para se apropriar de seus recursos. Diante de uma situação de crise extrema, a sociedade e qualquer senso de civismo desaparecem, dando lugar à completa barbárie.

Guardadas as devidas proporções, isso não é muito diferente do que vivemos hoje. Quando um líder ataca vacinas, combate o uso de máscaras e critica abertamente medidas de distanciamento social, ele efetivamente manda milhares de pessoas à morte para garantir seus interesses mesquinhos. E quem acredita nele segue suas ordens, feito zumbis que precisam satisfazer uma necessidade única.

Como se pode ver, isso não se trata de um mero exercício mental.

Há alguns dias, tive acesso ao estudo “Enfrentando as ameaças à tomada de decisão com base em informações em sociedades democráticas”, do grupo de pesquisadores liderado por Elizabeth Seger, da Universidade de Cambridge (Reino Unido). Organizado pelo Programa de Defesa e Segurança do Instituto Alan Turing, o órgão de ciência de dados e inteligência artificial do Reino Unido, o documento demonstra o mecanismo de ataque deliberado à capacidade da população de adquirir conhecimento.

“A pandemia de Covid-19 deixou uma coisa clara: é muito difícil coordenar o comportamento de uma sociedade inteira, mesmo quando se trata de uma questão de vida ou morte”, explicou Seger em artigo publicado na BBC. Ela cita justamente a recusa de uma parte considerável da população a se vacinar como algo que coloca em risco a vida até dos vacinados e a própria manutenção da sociedade.

Segundo ela, “mesmo que estivesse claro como salvar o mundo, um ecossistema de informações degradado e não confiável poderia impedir que isso acontecesse”. A equipe de pesquisadores usou o termo “segurança epistêmica” para definir a capacidade não apenas de garantir a segurança do conhecimento, mas também de adquirir informações de qualidade.

 

Os ataques ao conhecimento

A equipe liderada por Seger definiu quatro principais ameaças à segurança epistêmica. E nenhum deles pode ser creditada ao acaso.

A primeira é a ação das pessoas a que chamaram de “adversários” e “trapalhões”. Eles podem interferir nos processos de tomada de decisão pela desinformação ou outras ações. Os primeiros são indivíduos que deliberadamente manipulam informações, promovem ataques ou incitam seus seguidores para confundir ou enganar a população para atingir seus objetivos. Já os “trapalhões” são aqueles que, de maneira inocente e até bem-intencionada, espalham essas bobagens, como aquela turma no grupo da família no WhatsApp.

Outro problema é o excesso de informação a que somos submetidos, nem todas elas confiáveis. Essa abundância faz com que nossa atenção fique dispersa, tornando mais difícil garantir que as informações essenciais cheguem a quem precisa. O modelo de negócios da “economia da atenção”, usado pelas redes sociais, que direcionam nosso olhar ao que lhes interessa, torna isso ainda mais dramático. Nossa capacidade limitada de concentração dificulta separar uma verdade de uma porcaria. E os produtores de fake news se valem disso.

As pessoas também se acostumaram a rejeitar informações que desafiam seus pontos de vista. E, se houver uma forte identidade no grupo, ela leva a uma maior polarização e negacionismo. Diante da sobrecarga de informações, prestamos mais atenção a quem pensa igual a nós. Isso cria o que os pesquisadores chamaram de “racionalidade limitada”, pois só crescemos quando somos expostos justamente a pensamentos conflitantes.

Por fim, as tecnologias de mediação e produção de informação tornam mais difícil avaliar a confiabilidade das fontes. Tendemos a confiar mais em alguém da nossa comunidade ou em quem muitas pessoas confiam. Com as redes sociais, esses mecanismos perdem força diante das manipulações dos algoritmos feitos por grupos de poder.

 

Resgatando a verdade

Os pesquisadores afirmam que os ataques à segurança epistêmica não podem ser combatidos com iniciativas pontuais, pois as causas estão disseminadas pelas mentes da população. Por isso, esse esforço precisa ser multidisciplinar e ter um caráter “holístico”, totalmente abrangente e interligado.

Para eles, esse resgate passa por desenvolver métodos para dificultar as ações de “adversários” e de “trapalhões”, enquanto se ajuda as pessoas a identificar mais facilmente fontes de informação confiáveis. Da mesma forma, essas boas fontes devem receber apoio da comunidade.

O documento explica que os “adversários” são capazes de mudar suas estratégias rapidamente e que, por isso, devem estar sempre sendo monitorados e combatidos com iniciativas atualizadas contra suas ações nocivas. Elas precisam necessariamente ser conduzidas por profissionais de diferentes áreas do conhecimento.

Há alguns dias, enquanto revia a montagem de Andrew Lloyd Webber de “O Fantasma da Ópera”, alguns versos da canção “A música da noite” me saltaram aos ouvidos. Neles, o personagem do Fantasma dizia o seguinte:


Feche seus olhos
Pois seus olhos só dirão a verdade
E a verdade não é o que você quer ver.
No escuro é fácil fingir
Que a verdade é o que deveria ser.

Sinto que essa é a realidade que grande parte de nossa sociedade vive. Precisamos lutar pela segurança epistêmica de todos nós, com todos os recursos que tivermos.

Como estão os seus olhos: abertos ou fechados?

 

O maior desafio do jornalismo na pandemia é seguir fazendo jornalismo

By | Jornalismo | No Comments

Qual é a melhor profissão do mundo?

Naturalmente, não há resposta definitiva a essa pergunta. Todo profissional apaixonado pelo que faz dirá que seu ofício é o melhor, e filosoficamente estará certo nisso. Mas toda profissão tem (ou deveria ter) uma função social. Portanto, aquelas que promovem mais impacto na sociedade estariam mais próximas de receber esse título.

Para Gabriel García Márquez, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura e jornalista (cuja foto ilustra esse artigo), o jornalismo é essa profissão. Em um histórico discurso na assembleia da Sociedade Interamericana de Imprensa, em 1996, Gabo (como era chamado) explicou que “o jornalismo é uma paixão insaciável que só pode ser digerida e humanizada por sua confrontação visceral com a realidade”.

A explicação genial em suas palavras vem sendo posta à prova nos últimos anos, em vários locais do mundo. Uma parcela considerável da população acredita pouco na imprensa e esse índice vem piorando, como demonstra o mais recente relatório Trust Barometer, da consultoria americana Edelman. O mesmo documento demonstra que essa desconfiança é maior entre eleitores de governantes autoritários, que se especializaram em atacar jornalistas, pois a verdade os incomoda. Isso acontece sistematicamente desde a Alemanha nazista, em que Joseph Goebbels, o ministro da propaganda de Adolf Hitler, calava todas as vozes dissonantes do Fürher.

No Brasil, isso não é diferente. Cresci vendo jornalistas sendo respeitados na sociedade pelo seu trabalho de trazer e contextualizar as notícias para todos nós. Essa foi a realidade em nosso país até pouco tempo, quando os ventos políticos mudaram e os jornalistas passaram a ser perseguidos, censurados, agredidos moral e fisicamente por autoridades e até pelo cidadão médio, inflamado pelo discurso de ódio de seus líderes.

Por que tanta gente detesta profissionais que se esforçam para os informar da melhor maneira possível, às vezes colocando a própria vida em risco?

É verdade que o mundo mudou, e não apenas no balanço político. A gigantesca digitalização de nossas vidas transformou a maneira como consumimos e produzimos conteúdo de toda natureza, inclusive jornalístico. As empresas de comunicação tradicionais deixaram de ser as únicas fontes disponíveis, competindo com pequenos veículos independentes que fazem um ótimo trabalho e com aqueles que se resumem a publicar um conteúdo raso ou deliberadamente atuam na desinformação, cada vez mais convincente e suculenta com suas mentiras.

Com a pandemia de Covid-19, que nos assola desde março de 2020, o ódio à imprensa se uniu às hostes negacionistas, jogando o país no caos. O grande desafio desses profissionais passou a ser insistir em se fazer jornalismo de qualidade. Esse foi o tema que apresentei no evento “Desafios para o jornalismo na pandemídia”, ao lado de Fábio de Paula, Magaly Prado e Marcelo Salgado, que aconteceu no dia 12, a convite da professora Maria Collier de Mendonça, no curso de jornalismo na UFPE. Todos são colegas do Sociotramas, grupo de pesquisa em temas ligados a redes sociais na PUC-SP.

Mas a pandemia criou um interessante efeito na busca pela verdade na maioria da população. Afinal, diante do desconhecido e do medo trazidos pelo vírus, era necessário buscar informações confiáveis para se proteger da doença, e as pessoas se voltaram para o jornalismo profissional. Isso pode ser comprovado pelo aumento na audiência de todos os veículos de comunicação sérios nesse período.

O jornalismo é um trabalho de persistência. Diante das piores adversidades, surgem os melhores profissionais, que se esforçam para trazer a informação mais confiável. Não se trata de verdade absoluta, pois ela é conceitualmente inatingível. Mas o jornalismo se esforça para se aproximar ao máximo dela, com muito suor, técnica e ética.

A essa altura, alguns podem estar torcendo o nariz, discordando de mim. Faz parte do trabalho! Não podemos agradar a todos, até mesmo porque o bom jornalismo também é aquele que apresenta os fatos inconvenientes para muitos. Por outro lado, não tem a pretensão de ser perfeito, até pela natureza humana falível de todos os profissionais, mas se busca sempre a melhor informação para o público.

É por isso que, mesmo aqueles que discordam da imprensa se beneficiam, em algum momento, de seu trabalho. No caso particular da pandemia, se não fosse a persistência incansável desses profissionais, não estaríamos agora na macabra marca de 300 mil mortos pela doença, e sim possivelmente na casa dos 500 mil óbitos. A educação da comunidade pelo noticiário evitou uma tragédia ainda maior, beneficiando a todos, mesmo àqueles que preferem acreditar em mitos.

As dificuldades e os ataques que jornalistas sofrem agora são resultados dos tempos de trevas em que vivemos. Mas, como diz o ditado, “depois da tempestade, vem a bonança”. Quando isso acontecer, bons jornalistas, contadores de histórias da vida real, estarão lá para dizer como tudo aconteceu.

Naquele seu genial discurso, Gabo concluiu: “Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir em uma profissão tão incompreensível e voraz, cuja obra acaba depois de cada notícia, como se fosse para sempre, mas que não garante um instante de paz até que recomece com mais ardor que nunca no minuto seguinte.”

Não poderia concordar mais com ele: essa profissão é uma paixão de entrega ao próximo! É necessária para o desenvolvimento de qualquer nação, mesmo quando as verdades são inconvenientes. Por isso, nasci jornalista. E persisto!

 

Esse artigo foi publicado originalmente no blog do grupo de pesquisa Sociotramas, do qual faço parte, na PUC-SP. Com profissionais de diferentes áreas e de várias universidades brasileiras, estudamos os impactos do meio digital e das redes sociais na comunidade.

 

O valor da notícia que informa você

By | Jornalismo | No Comments

Na semana em que o Brasil teve mais de dez mil mortos pela Covid-19, Bolsonaro disse para a população “parar de mimimi” e questionou “até quando as pessoas vão continuar chorando”, ao invés de “enfrentar o problema de peito aberto” e sem “frescura”. Para a maioria das pessoas, essas bravatas são um ataque frontal à vida. Mas há uma fatia considerável da sociedade que não apenas concorda com ele, como o defende.

Como explicar essa polarização em um caso tão extremo e literalmente de vida ou morte?

A resposta passa por outra doença crônica do nosso país, que também se agrava: a maneira ruim como as pessoas se informam. Isso se deve não apenas pela escolha de fontes questionáveis de notícias, mas também como elas chegam até nós, o que hoje acontece majoritariamente pelas plataformas digitais. As duas coisas desempenham igualmente um papel crítico na guerra da desinformação.

Para “combater esse bom combate”, existem, portanto, três atores principais: os veículos de comunicação, as big techs e nós mesmos, o público. Cada um tem seu papel e seus interesses nesse cenário, mas inimigos em comum: a desinformação e as fake news. Para vencê-las, é preciso que os três trabalhem em conjunto, fazendo adaptações e concessões.


Veja esse artigo em vídeo:


Quando isso não acontece, surgem os efeitos nefastos, como os que estamos vivendo. Não se engane: a qualidade da informação que você consome tem um efeito decisivo na sua vida. Essa afirmação pode soar óbvia, mas, às vezes, o óbvio precisa ser reforçado.

A desinformação não é naturalmente um fenômeno exclusivo do Brasil, mas o fato de ser muito forte aqui explica, ao menos em parte, o fato de estarmos na contramão do mundo no combate à pandemia. Como mostrou a manchete do Estadão desse domingo, dos dez países com mais mortes pela Covid-19, oito registram queda na média móvel de novos óbitos e um, a Índia, tem alta de 8,9%, enquanto, por aqui, esse indicador subiu 30,5%.

Isso acontece porque o tripé entres produtores, distribuidores e consumidores de notícias está desequilibrado. Enquanto as empresas de comunicação sérias se esforçam para produzir um conteúdo de alta qualidade, mas sofrem para impactar uma parcela grande da população, as plataformas digitais atingem virtualmente todo mundo, mas distribuem uma enorme quantidade de porcaria. O público, por sua vez, consome qualquer coisa que lhe é apresentada, tornando-se presa fácil da desinformação.

As empresas de comunicação e as plataformas digitais são um tipo especial de empresa, pois suas atividades influenciam profundamente a vida das pessoas. Portanto, precisam assumir com seriedade seu papel social. Claro que, como qualquer empresa, têm seus objetivos comerciais, mas eles não deveriam jamais se sobrepor ao que melhora a sociedade.

 

Simbiose informativa

Isso nos leva a um intenso debate sobre a eventual obrigação das redes sociais e de buscadores remunerarem as empresas de comunicação por usarem os conteúdos jornalísticos nas páginas dessas plataformas.

A origem desse debate remonta à criação do Google Notícias, serviço noticioso do buscador, lançado em 2002. A partir das notícias de veículos do mundo todo, ele cria um “jornal digital” personalizado para cada usuário.

Os produtores de informações sempre reclamaram que o Google criou um produto com seu conteúdo, sem pagar nada por isso. Ele, por sua vez, se defende dizendo que não tem nenhum ganho direto com a plataforma e que, na verdade, aumenta a audiência dos veículos, pois, se alguém clica em uma notícia, cai direto nela, no site ou aplicativo do produtor.

Com o tempo, essa cisma se expandiu também para as redes sociais, pois seus feeds são inundados de posts com notícias, criados pelos próprios usuários ou pelos veículos. Assim como o Google, Facebook e afins se defendem dizendo que não lucram diretamente com esses links, e que ainda aumentam a audiência dos produtores do conteúdo.

Mas a coisa não é tão simples assim.

O físico britânico Tim Berners-Lee, que criou a Web há 30 anos, já afirmou que um link não carrega em si conteúdo ou valor autoral, pois ele simplesmente leva o usuário de uma página para outra. Isso reforça os argumentos de defesa das plataformas digitais.

Por outro lado, dizer que não ganham nada com essas chamadas de conteúdo alheio é uma falácia! Podem até não ter ganho direto dali, mas elas aumentam a percepção de valor de toda a plataforma pelos usuários, aumentando até mesmo o valor dessas marcas bilionárias.

Há alguns anos, a organização Pew Research Center publicou um estudo que demonstrava que a maioria das pessoas não entra no Facebook para consumir notícias, porém, quanto mais tempo elas ficam nele, mais notícias consomem. Mais que isso: elas se engajam mais com notícias vistas a partir da rede social. Trata-se, portanto, de uma relação simbiótica, de ganho mútuo. E, como tal, todos os envolvidos precisam colaborar entre si.

Há ainda um outro fator a se considerar nesse embate. Os veículos de informação tradicionalmente tinham duas formas de financiamento: a assinatura de seus produtos e a publicidade. As plataformas digitais praticamente acabaram com esse modelo de negócio.

Do ponto de vista da publicidade, muitos anunciantes preferem agora colocar seu dinheiro nas redes sociais e nos buscadores, que custam menos e podem trazer melhores resultados, se bem usados. Quanto às assinaturas, muitas pessoas não se sentem mais atraídas a pagar pela informação, pois o meio digital inundou suas vidas com conteúdo, por mais que a maioria seja ruim.

 

Quem paga a conta?

Diante disso, as big techs vêm sofrendo pressões de conglomerados de mídia e de governos para remunerar os produtores de conteúdo. E, a contragosto, têm se rendido a elas.

No mês passado, um episódio foi emblemático. Depois de o governo australiano introduzir um projeto de lei que obrigaria o Facebook a pagar por todos os posts noticiosos em suas páginas no país, a empresa bloqueou a exibição de qualquer material jornalístico a usuários australianos. Além disso, usuários do mundo todo deixaram de ver material de veículos daquele país. Quatro dias depois, o bloqueio acabou após o governo fazer concessões à empresa de Mark Zuckerberg. O Facebook, por outro lado, se comprometeu a remunerar produtores no mundo todo, anunciando que investirá US$ 1 bilhão no setor jornalístico nos próximos três anos.

A Alphabet, controladora do Google, enfrenta pressões semelhantes e também chegou a ameaçar interromper seus serviços na Austrália pelo mesmo motivo. Mas, assim como o Facebook, a empresa também fechou um acordo de pagamento pelo conteúdo, como vem negociando no mundo todo, inclusive no Brasil. Também no mês passado, ela anunciou um grande acordo com o conglomerado de mídia News Corporation, do magnata Rupert Murdoch, para usar o conteúdo de seus diversos veículos, entre eles “The Wall Street Journal”, “The Times” e “The Sunday Times”. Vale dizer que Murdoch sempre foi um ferrenho crítico do meio digital, como algo que destruía o valor de seus negócios.

As empresas de comunicação, por sua vez, precisam abandonar o papel de vítima, que não lhes cai bem. Em parte, estão nessa situação porque, quando o meio digital ainda se consolidava, se recusaram a adaptar seus modelos de negócios a um público em rápida transformação. Agora “perderam esse bonde” e dependem umbilicalmente das plataformas para que seu conteúdo de qualidade chegue ao público. Basta observar que a audiência de suas home pages desaba há anos, pois as pessoas chegam diretamente às notícias a partir de buscadores e redes sociais.

Sei que em um ambiente de capitalismo selvagem, as boas intenções costumam ser colocadas de lado e até ridicularizadas. Mas, como disse antes, essas empresas têm um papel social que está na essência de seus negócios e podem se beneficiar mutuamente do trabalho umas das outras. Portanto, precisam aprender a colaborar mais.

Quanto a nós, o público de todo esse conteúdo, cabe escolher e incentivar aqueles que realmente produzem bom jornalismo. Apesar de estar “fora de moda”, assinar uma ou mais publicações melhorará nossa visão de mundo e ajudará quem trabalha contra a desinformação. Do lado das plataformas digitais, como inevitavelmente continuaremos consumindo conteúdo por elas, precisamos reforçar o nosso senso crítico, para não acreditarmos em qualquer porcaria ali.

Caso contrário, se nenhum desse atores fizer a sua parte, continuaremos vendo pessoas apoiando a morte e se negando a tomar vacinas, temendo virar jacaré.

Onde está a verdade e por que precisamos dela

By | Jornalismo | No Comments

De tempos em tempos, uma pergunta me atormenta: por que parte da população se posiciona contra a imprensa, se ela é o melhor recurso que essas pessoas têm para se proteger de todo tipo de abuso dos mais diversos grupos de poder?

Como democrata, como pesquisador e como alguém que observa a atuação da imprensa em países de diferentes culturas, esse comportamento ainda me choca, mas há muito já não me surpreende. É relativamente simples de ser explicado e está intimamente ligado ao que é a verdade. Mas essa não é uma discussão acadêmica ou uma conversa que interesse apenas a jornalistas. Se não soubermos o que é a verdade e onde a encontrar, estamos condenados a uma vida miserável e cada vez mais servil.

Acontece que a verdade incomoda e é contrária aos interesses de quem precisa enganar para atingir seus objetivos. Por isso, os agressores da imprensa normalmente apoiam, de maneira consciente ou não, quem está “sentado no trono” no momento. Não é um fenômeno novo, mas acontece sempre e de maneira tão mais forte quanto mais autoritário for o governante.


Veja esse artigo em vídeo:


Há um versículo bíblico que vem sendo distorcido e usurpado à exaustão nos últimos tempos por esses governantes: “e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”

Oras, mas, afinal, o que é a verdade?

Ela não aparece facilmente. Precisa ser escavada e, em muitas ocasiões, só é encontrada ao se confrontar pontos de vista conflitantes sobre um mesmo assunto. Assim, a verdade surge das diferenças e, por isso, raramente está nas redes sociais. Afinal, seus algoritmos escondem de todos nós os pensamentos divergentes e reforçam os preconceitos.

É por isso que a imprensa se torna alvo desses grupos. Não estou aqui para fazer uma defesa inconsequente dela ou sugerir que seja perfeita: não é e nem tem a pretensão de ser. Entretanto, ao “ousar” ouvir os diferentes lados de um fato, o jornalismo pelo menos se aproxima do que está acontecendo no mundo, por mais incômodo que isso seja –e normalmente é para alguém.

Resgatando o versículo acima, a referida verdade que liberta implica na necessidade de vivermos conscientes do que nos cerca e da libertação que somente o conhecimento disso pode trazer. Não é de se admirar, portanto, que o Papa Francisco seja um defensor do jornalismo.

 

“Vem e verás”

No último dia 23, por conta da Jornada Mundial das Comunicações Sociais, que acontecerá no dia 16 de maio, o sumo pontífice publicou uma mensagem destacando a importância da imprensa na busca pela verdade. Mas afirmou que, para isso, os jornalistas precisam sair à rua, encontrar as pessoas, “gastar sola de sapato” (em suas palavras).

Para Francisco (e ele está certo), não se faz bom jornalismo apenas diante de uma tela: a verdade vem com a reportagem no local dos fatos. Segundo ele, “seria uma perda não só para a informação, mas também para toda a sociedade e para a democracia, se faltassem estas vozes: um empobrecimento para a nossa humanidade”. Portanto, bom jornalismo dá trabalho e só acontece quando seu compromisso é com o público!

Pode-se argumentar que veículos de comunicação pertencem a empresas, e elas, como qualquer outra, têm seus interesses, inclusive econômicos. Mas uma empresa de comunicação, mesmo longe de ser uma entidade imaculada, não é uma empresa comum: a verdade é sua matéria-prima e a reputação é o seu maior ativo, que só existe se lhe for concedida pelo seu público. Sem reputação, um veículo deixa de existir.

Seguindo nesse raciocínio, há alguns dias, revi o ótimo filme “The Post: A Guerra Secreta” (2017). Dirigido por Steven Spielberg e estrelado por Meryl Streep e Tom Hanks, conta (com riqueza de detalhes) a história real do escândalo dos “Pentagon Papers”, documentos ultrassecretos vazados do Pentágono em 1971 e que demonstravam que o governo mentia descaradamente há anos aos americanos sobre a Guerra do Vietnã.

Os documentos geraram reportagens no New York Times e no Washington Post, que enfureceram o presidente americano da época, o republicano Richard Nixon. O mandatário tentou ao máximo desacreditar e intimidar os jornalistas. Até mesmo quis impedir, na Justiça, a continuidade das reportagens que diminuiriam a popularidade de um presidente que brilhava, mas que era sujo. Os jornais venceram na Suprema Corte, irritando ainda mais Nixon. No ano seguinte, o mesmo Washington Post publicou reportagens que deflagaram o escândalo de Watergate, que levaria à renúncia de Nixon dois anos depois.

 

O trabalho é continuar

Todo governo, mesmo o mais democrático, adoraria ter uma imprensa dócil. Mas, nesse caso, não seria jornalismo: seria propaganda!

A imprensa tem que fiscalizar o governo, qualquer governo! Consequentemente, quanto mais autoritário for o mandatário, mais ele tenta calar, desacreditar e, se possível, destruir a imprensa. Por isso, se um veículo é muito atacado por um governo, deve estar fazendo bom jornalismo. Essa é uma métrica que funciona!

No julgamento do caso dos “Pentagon Papers”, o juiz Hugo Black disse: “Os Pais Fundadores deram à imprensa livre a proteção que ela deve ter para cumprir seu papel essencial em nossa democracia. A imprensa deveria servir aos governados, não aos governantes.”

A Justiça deve, portanto, garantir essa proteção, ao contrário do que temos visto frequentemente no Brasil, com incontáveis casos de censura judicial. A imprensa, por sua vez, deve necessariamente defender os interesses da sociedade, não os dos grupos do poder e muito menos os seus, como empresas.

Katharine Graham, então dona do Washington Post, interpretada por Meryl Streep no filme, arriscou ir para a cadeia e ver seu jornal fechado ao confrontar Nixon. Ainda assim, fez o que era certo. E, após sua vitória, sacramentou: “Nem sempre acertamos. Nem sempre é perfeito. Mas acho que, se apenas continuarmos, esse é o trabalho”.

Quantos teriam a coragem de fazer o certo com a faca de um presidente no seu pescoço, como ela fez?

A imprensa erra de vez em quando. Mas precisamos aprender a tolerar os erros que fazem parte do processo de construção da verdade. O que é inadmissível são mentiras deliberadas, venham de quem vier.

O fato é que a democracia vem sendo atacada em várias partes do mundo por aqueles que a juraram defender. A bizarra invasão do Congresso americano, no dia 6 de janeiro, incentivado pelo então ainda presidente Donald Trump, só fracassou porque as instituições republicanas e os militares dos EUA funcionam e não abrem mão da democracia, mesmo diante da pressão do presidente. E o mesmo pode ser dito da maioria dos órgãos de comunicação do país, que promovem a verdade.

Na mensagem do dia 23, o Papa Francisco disse ainda que “o próprio jornalismo, como exposição da realidade, requer a capacidade de ir aonde mais ninguém vai: mover-se com desejo de ver, uma curiosidade, uma abertura, uma paixão.” E, de fato, é preciso paixão pela verdade no jornalismo.

Em um famoso discurso em 1996, o jornalista e Nobel de Literatura Gabriel García Márquez concluiu que “ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir em uma profissão tão incompreensível e voraz, cujo trabalho termina a cada notícia, como se fosse para sempre, mas que não garante um momento de paz até que recomece com mais ardor que nunca no minuto seguinte.”

Portanto, a única maneira de escaparmos desse poço de areia movediça política e moral no qual já afundamos como sociedade até o pescoço é acreditando na verdade e em quem a busca. E ela não vem de quem precisa ficar fazendo bravatas o tempo todo para se reafirmar.

Cada um acredita no que quiser! Isso não quer dizer que existam incontáveis verdades para cada indivíduo chamar de sua. A nossa sobrevivência como uma sociedade organizada depende de identificar e apoiar aqueles que pelo menos tentam buscá-la, lutando pelos interesses públicos. Os demais –políticos, empresas, instituições preocupadas apenas com suas necessidades– devem ser varridos para o mais obscuro rodapé da história.

Do contrário, em breve estaremos nas ruas fazendo justiça com nossas próprias mãos. Armadas!

Quando ser bom no que se faz vira um problema

By | Jornalismo | No Comments

Você sente que não sabe mais em quem acreditar? Não se vê representado por ninguém?

Você não está sozinho! E isso não é uma esquizofrenia coletiva.

É resultado de um processo cuidadosamente planejado e executado por grupos que querem se manter no poder. Mas esses grupos não são os únicos responsáveis por esse momento de confusão em que vivemos.

Isso acontece também porque instituições em quem sempre confiamos para separar o certo do errado perderam essa relação com seu público, porque não conseguem mais se comunicar com ele. Pior que isso: as pessoas não se sentem mais representadas por elas. E a perda de representatividade é o caminho mais eficiente para uma instituição, um governo, uma empresa, das maiores às menores, ser colocada para fora do jogo.


Veja esse artigo em vídeo:


A técnica usada por esses grupos não é nova. Trata-se de uma estratégia militar conhecida como “dividir para conquistar”. Foi criada pelo general romano Júlio César no século I a.C. e consiste em estimular divisões entre os indivíduos de uma sociedade para que eles não se organizem contra o governante. Além disso, promove o ódio entre esses indivíduos e empodera aqueles que apoiam o mandatário.

A novidade é que agora a comunicação e as redes sociais são as principais ferramentas dessa fratura proposital da sociedade. E isso acontece em uma velocidade alucinante, com uma crise nova a cada semana, ou mais!

Por exemplo, a sociedade ainda se debruçava sobre um interminável debate sobre a segurança das urnas eletrônicas depois do primeiro turno. Um ataque aos servidores do TSE coordenado com uma enxurrada de fake news tentou desacreditar o sistema eleitoral eletrônico, para atender interesses de grupos que aparentemente querem seu fim para fraudar a eleição de 2022.

Então, na quinta, aconteceu o brutal assassinato de João Alberto Silveira Freitas por seguranças de em uma loja do Carrefour em Porto Alegre. E o debate nacional passou a ser subitamente se existe racismo no Brasil (o que é surreal!).

Não estou dizendo que esses assuntos não sejam importantes ou não devam ser debatidos. Muito pelo contrário!

A questão é como esses temas são colocados em pauta pelos grupos no poder, começando já com uma temperatura altíssima, promovendo uma profunda rachadura na sociedade, ao invés de se encontrar um consenso construtivo, que seria o objetivo de um bom governante.

Se, a essa altura, você já está irritado com o que estou dizendo, essa é uma prova de que o método funciona!

Entretanto, como eu disse antes, isso é só uma parte do problema. A outra é que as instituições que tradicionalmente ajudavam a sociedade a separar o bem do mal, o certo do errado, perderam grande parte de sua capacidade de conversar com a população.

Essas instituições –como a imprensa, a igreja, a educação, a ciência– são importantes contrapontos ao “dividir para conquistar”, pois são elas que restabelecem a verdade e criam o ambiente para a união de um povo que quer se desenvolver. Não é por acaso que elas são fortemente combatidas pelos maus governantes. Exceto –claro– seus representantes que se submetem a seus caprichos: esses serão apadrinhados em uma imoral troca de interesses.

Mas por que essas instituições estão perdendo a capacidade de se comunicar com seus públicos?

 

Ficando bom e impopular

Ironicamente, ao buscar a excelência no que fazem, elas se tornam menos populares, no sentido amplo da palavra. Ficam mais difíceis de serem entendidas, tratam de temas que não fazem parte do cotidiano das massas. Pior: muitas até rejeitam demandas dessa parte da população, que acaba sendo a base mais numerosa da pirâmide social.

É fácil explicar isso olhando para a própria imprensa.

Sou jornalista desde 1993. A primeira vez que vi muita gente apontando para os veículos de comunicação e dizendo “você não me representa” foi nas grandes manifestações de rua de 2013.

Aquilo era um caldeirão de grandes insatisfações populares contra muita coisa, a maioria delas legítima. No meio daquelas gigantescas marchas, surgiam pontos de violência e depredação. Só que, pelo menos em um primeiro momento, muitos veículos de imprensa não apenas não reconheceu as demandas legítimas naqueles movimentos, como ainda se referiam a eles indiscriminadamente como “vândalos”, como se todos ali estivessem participando do quebra-quebra, o que obviamente não era o caso.

O resultado é que comecei a ver repórteres sendo hostilizados nas ruas pela população por simplesmente estarem fazendo seu trabalho. De lá para cá, isso apenas piorou, com o patrocínio dos governantes que perceberam como esse vínculo entre a mídia e seu público estava frágil.

Sem representatividade, nenhum negócio resiste!

Ainda no caso da imprensa, a busca de fazer um trabalho de excelência também acabou afastando os grandes veículos da base da sociedade. Isso começa pelo linguajar adotado, difícil de ser compreendido por essa parcela da população. Os assuntos também contribuem para esse afastamento, com pautas distantes de sua realidade. O uso limitado dos recursos digitais piora ainda mais essa situação.

Eu me lembro, nos anos 1990, quando a Internet comercial ainda estava nascendo, que algumas empresas de comunicação tinham um jornal “sério” e outro sensacionalista ou pelo menos com apelo mais popular. Isso quando não tinham publicações que juntas atendiam todo o espectro do público.

Apesar de a intelectualidade torcer o nariz para os “empreme-que-sai-sangue”, como eram chamados os jornais sensacionalistas, eles tinham uma importância fundamental para informar parte da população! Afinal, no meio de todo aquele material “questionável”, estava a notícia necessária para o indivíduo levar uma vida melhor.

Muitos desses jornais sumiram, por diferentes motivos. Foram substituídos por sites “de agrado fácil” para esse público, mas que não têm o menor interesse em informar nada. Na verdade, muitos hoje são veículos de desinformação.

Vamos pegar um mercado completamente diferente, para ilustrar como a comunicação e a representatividade são essenciais para todos: uma lanchonete.

Digamos que um dado estabelecimento ganhou fama e cresceu pela qualidade de seu X-burguer, que é um lanche mais simples. O que tinha de mais sofisticado ali era um também popular X-salada. Diante do sucesso, o dono do estabelecimento começou a investir em lanches realmente sofisticados. Eles lhe davam mais margem de lucro e começou a ser elogiado por uma parcela da população mais elitizada, que não costumava frequentar o local antes.

O proprietário decidiu então fazer apenas os lanches mais sofisticados. Como resultado, sua clientela diminuiu drasticamente, pois a maior parte das pessoas queria apenas o X-burguer e o X-salada. Eles não gostavam dos lanches mais sofisticados e não viam por que pagar mais caro por aquilo.

A médio prazo, a lanchonete –que passou a ser chamada de hamburgueria– acabou quebrando.

Não há nada de errado em querer evoluir e atender um público mais sofisticado! É preciso apenas saber se o negócio conseguirá sobreviver se esse movimento matar a sua representatividade junto ao grande público.

Ninguém paga por algo com que não se identifica!

 

Confortável na exclusividade

Peguemos agora a indústria automobilística.

Podemos pensar na Ferrari, a mítica fabricante de carros superesportivos, criada por Enzo Ferrari em 1939. Ela nunca teve a pretensão de atender as massas. Muito pelo contrário: uma Ferrari sempre foi símbolo de excelência, sofisticação e diferenciação. Em contrapartida, nunca foi nem será um fabricante gigantesco de carros, como a Fiat, que, aliás, comprou e depois vendeu a Ferrari.

São escolhas que temos que fazer. Mas, qualquer que seja a que façamos, precisamos conhecer bem nosso público, suas necessidades e como se comunica.

Você pode achar que está abafando ao fazer algo incrível! Mas isso de nada adianta se seu público não concorda, porque você se distanciou dessas pessoas.

Não caia nessa armadilha! Continuar relevante e representar seu público é essencial! Se quiser mudar seu perfil –e você tem direito a fazer isso– terá que encontrar um novo público.

Sem isso, você abrirá espaço para oportunistas –seja na política, seja nos negócios– que vão ocupar esse vazio a dizer que estão “do lado do povo”, mas que apenas o “dividem para conquistar”.

A boa imprensa tem lado, opinião e age com responsabilidade

By | Jornalismo | No Comments

Em uma semana com tantas notícias bombásticas que levaram à esperada vitória de Joe Biden para a presidência dos Estados Unidos, um acontecimento pode ter passado despercebido da maioria das pessoas. Na noite de quinta-feira, as três principais redes da TV aberta americana –ABC, CBS e NBC– e plataformas online de vários jornais do país literalmente cortaram no meio a fala ao vivo de Donald Trump. O motivo: para variar, ele estava despejando suas mentiras alucinadas. Dessa vez, atacava o sistema eleitoral americano pelo simples fato que sua derrota nas urnas era iminente.

Na hora, duas perguntas me vieram à cabeça.

A primeira é por que os veículos de imprensa nunca fizeram isso antes? Afinal, Trump é o “profeta do apocalipse das fake news” desde muito antes de ser presidente. E a imprensa sempre deu palco para esse maluco!

A segunda é: a imprensa pode fazer isso? Afinal, mesmo com Biden eleito, Trump ainda é o presidente, até que seu oponente vitorioso assuma o cargo, o que acontecerá apenas no dia 20 de janeiro.


Veja esse artigo em vídeo:


Em um primeiro momento, isso pode parecer só um dilema ético para jornalistas. Mas não é!

Todos nós, e não apenas os jornalistas, somos responsáveis pelo que dizemos, pelo que propagamos. Essa é uma responsabilidade que sempre tivemos, mas da qual estamos esquecendo por influência do falso véu do anonimato das redes sociais e do “efeito manada”.

Portanto, respondemos pelo que dizemos. Mais que isso: o que dizemos tem impacto real em quem está a nossa volta e, por extensão, na sociedade. Dessa forma, entender o papel e o poder da imprensa nos ajuda a entender o nosso.

Mesmo em tempos de domínio do Facebook e afins, a imprensa ocupa um papel de destaque nisso. Dessa forma, o jornalismo sério busca ser imparcial.

Mas, se é assim, as três grandes emissoras de TV americanas agiram certo ao cortar Trump? Isso seria censura?

A NBC, por exemplo, interrompeu a transmissão de Trump, e seu âncora Brian Williams disse “estamos aqui novamente na posição incomum de não só interromper o presidente dos Estados Unidos, mas também de corrigir o presidente dos Estados Unidos”.

E é exatamente isso que aconteceu!

Trump e todas suas cópias mal ajambradas pelo mundo, inclusive no Brasil, costumam bater no que chamam de “grande mídia”, dizendo que ela os censura, “calam o povo”, e que a verdade só existe nas redes sociais. Isso serve para usarem essas plataformas para mentir descaradamente sobre tudo, o tempo todo, para, assim, se manter no poder. E as pessoas que querem acreditar nisso, por qualquer motivo (além de um exército de robôs), legitimam seus crimes.

Ainda assim, se estamos em uma democracia, cortar Trump não é desrespeitar quem votou nele?

Essa é uma pergunta legítima. E eu a respondo com outra pergunta: o que você teria feito ao ver que o presidente da República estava usando você para espalhar mentiras perigosíssimas e ódio para a população, colocando em risco a própria sociedade?

 

O que é verdade?

Nesse ponto, podemos até mesmo questionar o que é a verdade. O filósofo alemão Friedrich Nietzsche disse que “não há fatos eternos, como não há verdades absolutas.”

Realmente elas são raras! Estão, por exemplo, em leis da ciência. Mas, para chegar a ser lei, uma teoria científica tem um longo caminho a percorrer.

Em muitos casos, a “verdade” pode ser um ponto de vista, e ainda assim ser apresentada como incontestável, mesmo de boa-fé.

O jornalismo encontrou, há muitos anos, uma maneira de minimizar esse problema, definindo que os profissionais devem ouvir o máximo de lados possível sobre um assunto. A verdade possivelmente será a média de todos eles.

A imprensa sempre foi o gatekeeper, aquele que decide o que deve e o que não deve ser visto, com o poder e o dever de não apenas informar, mas também de formar o cidadão. Isso é um poder gigantesco, que só pode ser exercido com grande responsabilidade.

Com a ascensão das redes sociais, esse poder se diluiu. Portanto a pergunta anterior, sobre o que todos nós devemos fazer diante de uma mentira, é justa.

Devemos escolher muito bem o que publicamos na “pequena mídia” que somos. Como temos observado nos últimos anos, em que todos se tornaram mídia graças às redes sociais, a disseminação de notícias falsas e de ódio tem um amplo poder destrutivo. Ecoar essas ideias irrestritamente, ainda que em nome de democraticamente dar voz a todos, é uma falácia, com consequências potencialmente desastrosas. Temos que entender, portanto, que isenção e independência não podem ser confundidas com irresponsabilidade ou deslumbramento sobre o que se publica, mesmo se quem tenha dito a barbaridade seja um presidente da República democraticamente eleito.

Todos merecem e devem ser ouvidos, desde que não estejam cometendo crimes ou deliberadamente mentindo para atingir seus objetivos. Como disse o cartunista e jornalista Millôr Fernandes, “as pessoas que falam muito, mentem sempre, porque acabam esgotando seu estoque de verdades”.

 

Escolha responsável de lado

Ter um lado não significa não ouvir o outro, calar ou censurar. Ter um lado significa defender um ponto de vista dando também bom espaço a quem pensa de maneira diferente, desde que todos os lados sejam legítimos. Afinal crescemos ao sermos confrontados com a diferença. Quem tenta calar a diferença, quem trata o opositor como um inimigo que deve, se possível, ser destruído não é legítimo, pois faz de tudo para tornar quem está a sua volta menor, para se manter no topo com a sua própria pequenez.

Se a verdade absoluta é difícil de ser encontrada, temos que, pelo menos definir o que é legítimo: é o que defende valores inegociáveis, como o direito à vida, à liberdade, à igualdade e a democracia.

Em sua fala de quinta (e em incontáveis outras), Trump feriu isso. Logo, os veículos de comunicação acertaram ao interromper o que dizia para restaurar os fatos. Escolheram um lado e agiram com responsabilidade.

Deveriam ter feito isso desde quando ele ainda era um pré-candidato à presidência dos EUA. Talvez nunca teria sido eleito, o que causou um dano gigantesco ao mundo todo, pela influência do cargo que ocupou por quatro anos. Em nome da democracia, deram espaço a suas ideias alopradas, talvez por que não achassem que aquele bufão pudesse ganhar qualquer coisa.

Mas ele ganhou! Até porque essa exposição permitiu que suas ideias ressoassem em grande parte da população, que “caíram no canto da sereia” e se viram representadas por ele.

Agora Donald Trump é o que os americanos chamam de “pato manco”: o presidente no período entre o resultado da eleição e a posse de seu sucessor. Ele ainda pode causar enormes danos aos Estados Unidos e ao mundo nesses dois meses e meio. Ficar dando palco a suas mentiras só permitirá que ele faça algo ainda pior.

A imprensa e todos nós devemos evitar isso!

Você pode dizer: “mas eu nem falo da eleição americana!” Correto! Ela foi apenas um gancho para esse debate.

O mesmo raciocínio se aplica ao cotidiano de cada um de nós. Não há nada de errado em escolhermos algo para defender. Muito pelo contrário! Mas devemos também dar espaço a ideias diferentes. Devemos acolhê-las, e não as silenciar! Caso contrário, usaremos esse grande poder que todos temos para nos tornarmos pessoas menores e também piorar a sociedade.

Isso ninguém quer. Precisamos escolher um lado, respeitar o outro e agir com responsabilidade.

 

O caminho mais curto para ser chutado do mercado

By | Jornalismo | No Comments

Vivemos na era da economia da experiência. As pessoas não compram mais apenas o produto: elas valorizam toda a experiência com a marca, que vai muito além dele. Quem não entender isso, terá problemas para se manter no mercado. Isso vale para todos os segmentos, e o meu, que é a comunicação, não foge da regra.

Um bom jornalismo ajuda a construir os fundamentos de qualquer sociedade desenvolvida. Pude comprovar isso andando pelo mundo e comparando a evolução de uma nação e a qualidade da sua mídia: países mais avançados têm sempre uma imprensa mais robusta, e vice-versa. Só que, de uns anos para cá, bater na imprensa virou esporte para uma parcela crescente da população.

Por que as pessoas atacam uma instituição fundamental para seu próprio desenvolvimento?

A resposta está na experiência que lhes é oferecida.

É interessante observar que a imprensa pode ser substituída nesse raciocínio por praticamente qualquer negócio, de restaurantes à indústria automobilística, de grandes varejistas a escritórios de contabilidade. Tudo está mudando aceleradamente e quem não acelerar na direção certa, da boa experiência, inevitavelmente ficará para trás.


Veja esse artigo em vídeo:


Na quinta passada, um fato me chamou a atenção e vou usar isso para explicar isso melhor. Nesse dia, o jornalista Glenn Greenwald publicou um artigo anunciando sua saída do “The Intercept”, um site jornalístico que ele mesmo criou em 2013. O motivo, segundo ele, é que os editores em Nova York censuraram um artigo em que ele apresentava informações contrárias ao candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden. Tudo porque, ainda segundo o jornalista, “The Intercept” apoia fortemente Biden, e não aceitaria algo que o atrapalhasse na corrida à Casa Branca. Betsy Reed, editora-chefe do veículo, deu outra versão em um editorial, dizendo que a equipe apenas buscou corrigir imprecisões no material de Greenwald, o que ele não teria aceitado.

Independentemente de quem tenha razão nessa disputa doméstica, o fato é que o jornalismo está sob forte escrutínio da população, o que pode ser ruim para os negócios se não for bem conduzido, mas é pior ainda para a sociedade, que precisa de bom jornalismo para se desenvolver.

Sem dúvida nenhuma, parte disso se deve a uma nefasta campanha de difamação de veículos e de jornalistas, promovida por políticos de diferentes alinhamentos nos últimos anos em vários países, mas não é tudo. Outra parte se deve ao próprio jornalismo e à experiência que os veículos vêm oferecendo a seu público.

O episódio recente do “The Intercept” é um indicador disso. Cada lado acusa o outro de uma escolha inadequada. Não estou dizendo que não devam existir opiniões divergentes no jornalismo, de forma alguma! Mas, nesse caso, um lado aponta o dedo ao outro afirmando explicitamente que fez mau jornalismo.

Como ficam os usuários nesse fogo cruzado?

Digo sempre a meus alunos e em palestras: nunca foi tão importante que o jornalismo fizesse um trabalho impecável, e o foco deve sempre ser seu público, a busca da verdade (por mais difícil que seja encontrá-la às vezes), o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e igualitária, a defesa da vida. Esses valores são inegociáveis e estão na essência do jornalismo. Qualquer um que se afasta disso não é jornalista.

Mas tenham em mente: o que mata qualquer produto –inclusive um veículo de comunicação– não é uma nova tecnologia, um novo concorrente, um novo modelo de negócios. Quem mata um produto é o seu público! E isso acontece quando ele tem acesso a uma alternativa mais vantajosa para si ou alinhada com suas necessidades.

Sempre foi assim e sempre será, para qualquer negócio!

 

A origem da indústria da mídia

O jornalismo surgiu na Roma Antiga, mas se consolidou como uma indústria apenas no século XIX. Uma de suas virtudes era o forte vínculo com o seu público. O jornal era a voz da região ou representava um segmento da sociedade. O veículo oferecia uma experiência muito boa a seu público então.

No século XX, com o fortalecimento da publicidade, ela se tornou cada vez mais importante para os veículos de comunicação se financiarem. Por um lado, isso foi ótimo, pois permitiu que crescessem incrivelmente. Por outro, isso incluiu nos veículos interesses de terceiros, que muitas vezes contrariavam o do seu público.

À medida que se tornavam ainda maiores e mais poderosos, os veículos se aproximavam de diferentes círculos do poder, incluindo ainda mais interesses externos, que poderiam os afastar ainda mais do público. Por isso, os veículos sérios criaram mecanismos para blindar suas redações desses interesses, para que pudessem fazer um bom trabalho, independentemente de pressões externas de anunciantes ou de políticos.

A isso, deu-se o nome de “separação igreja-estado”. Infelizmente, nem sempre ela funciona. E, em tempos bicudos para os negócios, ela é colocada ainda mais à prova. Devido a falhas no processo, a experiência para o público já não era tão boa, pois ele era, muitas vezes, colocado em segundo plano.

O problema se agravou porque, até uns 20 anos atrás, para alguém se considerar bem informado, precisava necessariamente assinar pelo menos um jornal, algumas revistas e acompanhar o noticiário na TV. Com o avanço do jornalismo na Internet, isso deixou de ser necessário. Como diferentes empresas ofereciam basicamente o mesmo produto nos meios digitais, as pessoas encontraram ali uma alternativa mais interessante para se informar. Novas empresas –muitas delas nem jornalísticas– e até indivíduos começaram a publicar conteúdo –bom ou ruim– pois ficou fácil fazer isso. E faziam isso até de graça!

Os veículos de comunicação se viram então em uma encruzilhada na experiência que ofereciam à população. De um lado, se afastaram de seu público e de seus interesses. Parte da população passou a vê-los como elitizados, e não se sentia representada ali. Outros –até mesmo por influência da guerra de desinformação– viram os veículos tradicionais como pouco confiáveis.

Há ainda uma questão de linguagem. E não me refiro aqui apenas a palavras e imagens, e sim ao uso amplo de todos os recursos tecnológicos de interatividade, multimídia, imersão e inclusão do público no noticiário. O jornalismo precisa se apropriar disso e transformar profundamente sua linguagem!

Não me refiro a ser impreciso, inconsequente ou ficar postando memes fofos. Mas não dá mais para continuar entregando seu produto como se fosse uma versão digital de jornalismo impresso ou de TV, que é o temos por aí. O meio digital oferece incríveis recursos para uma grande experiência para o público, mas quase ninguém está aproveitando isso.

Só para ficar em um exemplo simples, por que as home pages dos veículos são iguais para todos os usuários? As pessoas são diferentes! E aí, como a experiência piora, o público migra para outras fontes de informação, muitas delas terríveis!

Pode-se argumentar que fazer isso custaria muito dinheiro, e muitas empresas estão passando por uma crise que se arrasta por mais de uma década. E é verdade mesmo! Mas não sairão dessa crise enquanto não melhorarem essa experiência.

Caímos aí em outro ponto: muitas dessas empresas não sabem ganhar dinheiro na Internet. Insistem no modelo de negócios focado no binômio assinatura e publicidade, que já não encontra lugar com o público. A própria publicidade em suas páginas está envelhecida, com pessoas sendo impactadas por produtos que jamais comprarão. Enquanto isso, Google e Facebook nadam de braçada entregando ofertas extremamente assertivas a seus usuários.

No meu artigo da semana passada, eu critiquei os paywalls, que são aqueles sistemas que impedem que o usuário veja um conteúdo se não pagar. Muitos colegas vieram me perguntar se eu estava sugerindo que os jornalistas trabalhassem de graça.

Obviamente que não! Todo bom trabalho deve ser bem remunerado, até mesmo para que possa continuar sendo oferecido. Mas vejo os paywalls como mecanismos que afastam o público do produto. Temos que facilitar o acesso das pessoas ao que fazemos –seja lá o que for– e não o contrário!

Tudo é experiência!

O jornalismo é essencial para uma sociedade. Isso ficou claro durante a pandemia de Covid-19, quando as pessoas correram para os grandes veículos, pois sabiam que lá encontrariam informação de qualidade para organizar suas vidas. Mas a experiência que oferecem como um todo precisa melhorar muito!

Caso contrário, muita gente continuará batendo naqueles que trabalham para que essas mesmas pessoas cresçam e vivam melhor.

Pode parecer loucura, mas esse é o mundo em que vivemos.

Temos que pagar pela verdade, mas nos dão a mentira de graça

By | Jornalismo | No Comments

Quem nunca tentou acessar um conteúdo de qualquer tipo e “bateu com a cara” em um paywall, aqueles sistemas que bloqueiam nosso acesso, a menos que paguemos por ele?

A justificativa –bastante razoável– é que produzir bom conteúdo custa dinheiro, o que é verdade. Logo, para se consumir aquilo, é preciso pagar.

O problema é que, em um mundo inundado de conteúdo gratuito, fica cada vez mais difícil convencer alguém a fazer uma assinatura ou mesmo pagar por um conteúdo individual. Como resultado, o usuário não só não paga, como deixa de aprender algo útil ali, o que teria sido bom para a marca do autor. Para piorar, a pessoa, no lugar disso, consumirá um conteúdo gratuito que pode ter uma qualidade pior, isso se não for deliberadamente mentira, como é o caso das fake news.

E aí, todo mundo perde, do produtor de bom conteúdo a toda a sociedade.


Veja esse artigo em vídeo:


A “cultura do grátis” não para de crescer e impacta cada vez mais setores da economia. Talvez o seu negócio já esteja sendo afetado por ela, e você ainda nem percebeu.

O fato é que, para se ter sucesso hoje em qualquer área, ter um bom produto é condição absolutamente necessária, mas longe de ser suficiente. Além disso, temos que ser relevantes para nosso público. Entender e se apropriar desse conceito é o que separa as empresas que fizeram sucesso no passado das que farão sucesso no futuro.

Temos que entender também que nosso concorrente não é mais apenas grandes empresas com quem disputamos o mercado há décadas. Pode ser um novo entrante com ideias inovadoras e uso criativo da tecnologia, e até um adolescente em seu quarto que cria algo incrível e que chama a atenção de nosso público. Por isso, temos que usar todos os recursos disponíveis para facilitar o acesso a nosso produto, e não dificultar isso. Possivelmente teremos que mudar nosso modelo de negócios e até em como vemos o que fazemos.

Isso está em toda parte: estou assistindo à série mais falada do momento, “Emily in Paris”, que estreou na Netflix no dia 2 de outubro. Apesar de estar carregada de clichês e estereótipos (que, aliás, enfureceram os franceses), sua história descompromissada pode ensinar algumas práticas inovadoras de marketing.

Por exemplo, em um dos episódios, a CEO de uma fabricante de cosméticos explica que não trabalha mais com agências de publicidade, apenas com influenciadores digitais. Ela pinta as agências como dinossauros em extinção, por serem “caras e ineficientes”. O que não quer dizer que qualquer influenciador seja bom: é preciso “separar o joio do trigo”, pinçando os bons profissionais daqueles que “trabalham em troca de batom” e não trazem bons resultados para a marca.

O fim dos dinossauros

Quer dizer então que as agências estão condenadas?

Claro que não! Quer dizer, as que estiverem dispostas a se modernizar alçarão novos voos. As que continuarem fazendo o trabalho como sempre fizeram realmente já se tornaram dinossauros e nada fará com que sobrevivam a médio prazo.

Estava falando anteriormente dos paywalls. Apesar de eles funcionarem bem em raríssimos casos, como o do “The New York Times”, eu sempre os considerei uma aberração, desde que se popularizaram, há uma década. Na prática, com eles, os veículos de comunicação mandam seu público embora, já que a maioria simplesmente não pagará pelo conteúdo. Assim, a empresa perde duas vezes, pois não consegue monetizar sua produção e ainda se torna cada vez menos relevante para a sociedade.

Ninguém paga por algo que não seja relevante para sua vida!

Mas a sociedade também perde, pois as pessoas começam a consumir conteúdos de qualidade cada vez mais duvidosa. Isso quando não são a mais completa porcaria! Esse é o terreno fértil para o florescimento das fake news.

E isso é tão verdade que o crescimento explosivo desse lixo, que nos é entregue sem nenhuma restrição, de graça e usando eficientemente os meios digitais, resultou nessa polarização extrema e irracional, que está destruindo a sociedade.

As empresas de comunicação têm, portanto, além dos concorrentes que citei há pouco, mais um, talvez o mais agressivo e perigoso de todos: a mentira! Afinal, os fatos e a verdade podem ser às vezes monótonos. E ainda se pede que as pessoas paguem por eles! Já a mentira e a versão enviesada são sempre suculentas. E gratuitas!

Não se pode trabalhar de graça, claro! E produzir um bom conteúdo, sim, custa muito dinheiro. Como resolver essa aparente contradição?

Certamente não é insistindo em modelos de negócios moribundos, como o binômio assinatura e publicidade. Também não adianta jogar a culpa no público, dizendo que as pessoas não leem mais ou que não pagam mais por conteúdo: isso é conversa de quem não quer fazer as mudanças necessárias, não quer sair da sua zona de conforto.

Talvez só não paguem pelo seu conteúdo, ou mais precisamente pela maneira como você quer cobrar por ele.

Nunca consumimos tanto conteúdo, como música, vídeo ou jornalismo. Mas forçar o velho modelo talvez não funcione mais.

Veja o caso da música: as pessoas não compram mais álbuns, como CDs. Esse era o modelo tradicional de remunerar a indústria fonográfica, mas ele foi destruído pela Apple, com o iPod e o iTunes, na virada do século, que permitiram que as pessoas passassem a comprar uma única faixa, com grande facilidade e qualidade, pagando centavos.

A Apple se transformou na maior vendedora de música do mundo e a indústria fonográfica tradicional praticamente quebrou. Mas –veja só– esse novo modelo também já não funciona mais! Hoje o vencedor é o do Spotify, em que as pessoas podem ouvir músicas de maneira ilimitada e de graça. Mas, ao pagar um pouquinho, você faz isso com recursos adicionais interessantes.

E aí as pessoas –muitas pessoas– pagam!

Os artistas precisam estar nessas plataformas, que lhes rendem muito pouco diretamente, mas que são essenciais para se manterem relevantes a seu público. A partir disso, eles podem ganhar dinheiro arrastando multidões para shows.

Novos jeitos de se monetizar

Aí reside outro grande ensinamento a partir das mudanças culturais do nosso tempo: talvez não consigamos mais ganhar tanto dinheiro COM o nosso produto principal, mas podemos ganhar “outros dinheiros” GRAÇAS a ele.

Os músicos, no exemplo acima, não ganham quase nada vendendo a música, mas podem ganhar muito graças a ela, em seus shows.

Isso pode estar acontecendo agora no seu negócio!

Nessa hora, o ego pode estar gritando de dor! E, em um primeiro momento, isso pode afetar severamente seu bolso. Mas é a verdade dos fatos! Aceite isso para colocar a mudança para trabalhar a seu favor, e não contra você.

Já que falamos tanto de empresas de comunicação, veja um exemplo recente da área.

Há duas semanas, a CNN Brasil anunciou uma nova unidade de negócios que organizará eventos corporativos para quem estiver disposto a pagar, algo que já existe na matriz americana.

Além da força da marca e da experiência nisso, a empresa também oferece diferenciais como uma ótima promoção do acontecimento e –o que é mais interessante– seus profissionais, alguns deles sendo grandes estrelas do jornalismo nacional, são escalados para trabalhar no evento. Cobrar por isso só é possível porque eles se mantêm relevantes junto a seu público, pela qualidade de seu produto e por ele chegar fácil às pessoas.

Vivemos em um mundo em que tudo está pulverizado. Ninguém mais consegue ter amplo domínio sobre coisa alguma.

Não dá para trabalhar de graça: jamais sugeriria isso! Mas temos que aprender a ganhar dinheiro de outras formas além das óbvias, das tradicionais. E nos mantermos relevantes a nosso público é absolutamente essencial para vencermos na realidade atual.

Não adiante mais o que achamos sobre nossas entregas, e sim o que o público acha. Se você confiar apenas no que gostaria que fosse verdade e não atender o que as pessoas acham relevante, acabará sendo “chutado” para fora do mercado.

E ninguém quer dar isso de graça, não é mesmo?

Brilhe no TikTok mesmo sem “dancinhas”

By | Jornalismo | No Comments

Com o enorme sucesso do TikTok, muita gente tem me perguntado se precisa estar nele, se tem que ficar “fazendo dancinhas” lá. Afinal foram 315 milhões de novos usuários só no primeiro semestre, um público enorme e voraz por conteúdo, excelente oportunidade para conseguir novos clientes.

Mas sinto uma certa angústia em quem me faz essas perguntas, porque são pessoas que sabem da importância das redes sociais para seus negócios, mas não se identificam em nada com o estilo ultradespojado desses minivídeos.

Claro que não precisam estar lá!

Você não será chutado para fora dos negócios por não entrar no TikTok. Por outro lado, seu conteúdo não é só de “dancinhas”. Talvez exista um caminho interessante e confortável que você possa trilhar ali.


Veja esse artigo em vídeo:


O fato é que o aplicativo tem atraído muita atenção também de executivos e empreendedores de todos os segmentos e de negócios de todos os tamanhos. Afinal, com tanta gente instalando o aplicativo e o usando diariamente, estar nele pode trazer uma excelente visibilidade para o negócio.

O problema é que o TikTok popularizou um estilo de conteúdo feito de vídeos bastante informais, com música, pessoas dançando, dublando, “bichinhos fofos” e afins. Tem até muitas celebridades lá desse jeito.

Só que muita gente não consegue se ver fazendo nada disso, especialmente quando se trata de negócios. Muitos acham que seus clientes nunca mais os levariam a sério se os vissem fazendo dançando no TikTok.

Antes de ficar sofrendo por antecipação, temos que analisar com mais calma tudo isso.

A primeira coisa que temos que pensar é se precisamos mesmo estar no TikTok. Na verdade, a pergunta serve para qualquer rede social: afinal, temos que estar em todas as redes?

E a resposta é um categórico “não”!

Primeiramente porque isso exigiria uma enorme energia e muito tempo. Também seria um desperdício, por um motivo muito simples: nossos clientes não estão em todas as redes! Isso vale para qualquer negócio e para qualquer rede.

No TikTok, encontramos gente de todo tipo. Mas é inegável que a rede tem um forte apelo entre o público mais jovem. Logo, se seu negócio atende pessoas fora dessa faixa etária, não precisa perder o sono por não estar lá. Poucos negócios viriam para você por participar dela.

Mas digamos que você queira fazer parte desse movimento assim mesmo.

Nesse caso, se as “dancinhas” não são o seu estilo, não precisa ficar angustiado.

É verdade que o TikTok popularizou um estilo de comunicação no mínimo mais despojado, bem descontraído. As pessoas entram lá esperando encontrar algo nessa linha. Então um vídeo muito sério provavelmente não fará sucesso. Ou pior: pode até queimar a imagem do autor junto a esse público.

Então não faça isso!

Escolha o caminho do meio

A saída pode ser encontrar um meio termo entre as dancinhas e o que você costuma publicar em outras redes.

Antes de mais nada -e isso é muito importante- você precisa se sentir à vontade com qualquer publicação que você fizer em qualquer lugar. Se estiver se sentindo incomodado, é melhor repensar.

Há profissionais de vários segmentos dando suas mensagens, digamos “sérias”, no TikTok, mesmo com uma linguagem mais informal, mas não tão informal a ponto de fazerem “dancinhas”. O que importa é que seja divertido, que é a característica dessa plataforma. É o que seu público espera encontrar.

Já vi muitos profissionais de saúde, por exemplo, dando seu recado lá divertidamente, de um jeito que não comprometem sua credibilidade.

Na indústria de mídia, também começo a ver também algumas iniciativas interessantes, inclusive de jornalistas e de grandes veículos de comunicação, como o Estadão, o Washington Post e o New York Times. Isso foi tema de uma interessante palestra no Simpósio Internacional de Jornalismo Online, do Centro Knight, em julho.

Pode-se perguntar se o público desses veículos está no TikTok. Ou o contrário: se o público do TikTok consome o jornalismo desses veículos.

Possivelmente não.

Mas essas iniciativas podem ajudar a reforçar essas marcas justamente nesse público que não costuma frequentar seus aplicativos e suas páginas em outras plataformas normalmente. Tanto que o que esses veículos publicam no TikTok não são noticiário, ou pelo menos não como costumam fazer. Seus vídeos costumam trazer pílulas feitas com takes de acontecimentos do momento, brincadeiras ou releituras do noticiário em um formato bem descontraído.

Um “jornalão” bem tradicional, o Washington Post, com 142 anos de idade, contratou um editor dedicado ao TikTok, Dave Jorgenson. Até agora, ele já fez mais de 500 desses pequenos vídeos.

Pode-se dizer que eles têm pouco ou nada a ver com o estilo do próprio Post. São clipes humorísticos, a maior parte deles sem relação com o noticiário, apesar de ter boas sacadas, como fazer uma paródia com o “Garganta Profunda”, personagem-chave do escândalo de Watergate, revelado pelo Post, que acabou derrubando o presidente americano Richard Nixon. Com o trabalho de Jorgenson, o Post já conta com mais de 640 mil seguidores e 25 milhões de curtidas em seu TikTok.

Há alguns dias, eu conversava sobre isso como meu filho Matheus, que estuda jornalismo. Debatíamos se isso poderia, a longo prazo, transformar a própria linguagem jornalística, especialmente se o público mais jovem se acostumasse a consumir notícias nessas pílulas curtas, rasas e necessariamente divertidas.

Será que isso pioraria o jornalismo como um todo? Será que a notícia teria que ficar cada vez mais parecida com aquilo?

Penso que não!

Sem dúvida, é uma nova linguagem que se apresenta ao jornalismo e a qualquer outro negócio. Mas não quer dizer que, mesmo com sua popularidade, tenha que ser a única linguagem no futuro. Na verdade, acho que desempenha um papel interessante para atender uma parte da população que não consumiria jornalismo nos formatos mais tradicionais. A partir disso, essas pessoas podem migrar para um jornalismo “mais completo”.

Isso me lembra dos jornais sensacionalistas, os chamados “espreme que sai sangue”, como o finado “Notícias Populares”, em São Paulo. A despeito da elite da sociedade normalmente desprezá-los, eles tinham um papel social importante, especialmente em tempos pré-Internet. Eles eram a única maneira que uma parte da população tinha para se informar, pois eles não conseguiam ler ou simplesmente não gostavam dos veículos mais sérios. E, apesar dos títulos fantasiosas, da linguagem no mínimo exagerada e até de mentiras explícitas, eles cumpriam um papel de informar o cidadão no essencial.

Eles foram substituídos hoje pela desinformação que chega pelas redes sociais e pelo WhatsApp. Só que os jornais sensacionalistas eram, por incrível que pareça, melhores, pois eles não mentiam tanto e nem destruíam a sociedade, como as “fake news” fazem.

O TikTok pode, portanto, funcionar muito bem como uma porta de entrada não apenas para o jornalismo, como para qualquer negócio, inclusive o seu. E nem é preciso ficar “fazendo dancinhas” no vídeo.

Não devemos torcer o nariz nem abraçar de maneira deslumbrada a novidade. Basta você encontrar uma linguagem que lhe deixe confortável e que lhe permita passar a sua mensagem de um jeito divertido.

Se não der, sem problemas: a vida continua.

Precisamos muito de uma boa imprensa

By | Jornalismo | No Comments

Bater na imprensa virou esporte nacional, especialmente das alas mais conservadoras da sociedade. Graças aos recursos das redes sociais, governos aqui e lá fora conseguiram colar, nos veículos que lhes fazem oposição, etiquetas de que a mídia é mentirosa e contrária aos interesses do país e do povo.

Para piorar a sua situação, muitas empresas de mídia andam “derrapando” em sua cobertura jornalística, o que mina a confiança de seu público, já corroída pelos ataques, e oferece mais munição a seus detratores. Mas atacar a imprensa sem refletir sobre o esse ato é a pior coisa que uma pessoa pode fazer: na prática, enfraquece a instituição que lhe protege dos poderosos -ou deveria fazer isso.


Veja esse artigo em vídeo:


Como chegamos a esse cenário em que as pessoas não confiam mais na imprensa? Isso é um enorme risco para a democracia, em que toda a sociedade perde!

O que deve ser feito para se restabelecer essa relação de confiança que sempre existiu e ajudou o país a se desenvolver e modernizar?

No dia 22 de agosto, a “Folha de S.Paulo” fez um editorial sob o título “Jair Rousseff”. O texto se referia ao desequilíbrio das contas públicas no governo de Dilma e à inclinação de Bolsonaro de ir pelo mesmo caminho.

A despeito dos argumentos do editorial, a fusão dos nomes de Dilma e de Bolsonaro provocou enorme indignação. Afinal, misturou-se uma pessoa que foi vítima de tortura -um dos piores crimes da humanidade- com uma pessoa que não tem o menor pudor de promover publicamente torturadores.

Isso causou a reação de autoridades e de jornalistas, inclusive dentro da própria “Folha”. A crítica mais contundente veio em um artigo de Janio de Freitas, um dos maiores nomes do jornalismo nacional, que não poupou o veículo.

Freitas lembrou ainda outro infame editorial da “Folha”, intitulado “Ditabranda”, de 17 de fevereiro de 2009. Naquele caso, o jornal sugeriu que a ditadura mais recente do Brasil, a dos militares (1964 a 1985(, teria sido menos mortífera que a dos outros regimes militares latino-americanos do mesmo período, e a comparou com a situação na Venezuela na época.

Oras, não existe ditadura boa, nem sequer “menos pior”. Todas são horríveis por definição, pelo simples fato que eliminam direitos fundamentais da sociedade. Da mesma forma, não dá para misturar em um mesmo saco Jair Bolsonaro e Dilma Rousseff, por possíveis semelhanças nos desequilíbrios das contas de seus governos.

E não estou aqui defendendo ou atacando nenhum dos dois.

Não se pode relativizar a importância da vida e da liberdade. Assim como não se pode tentar agradar todo mundo.

Quem tenta agradar todo mundo não agrada ninguém!

Esses são apenas alguns exemplos de mancadas que veículos de comunicação podem cometer -e cometem. Ao fazer isso, eles afugentam seu público, perdem seu apoio e oferecem argumentos para aqueles que querem o fim de uma imprensa livre e forte, pois acham que ela só os atrapalha.

A impossibilidade de uma boa imprensa dócil

Todo governo gostaria de ter uma imprensa dócil e que sempre o enaltecesse. Mas, se um veículo de comunicação fizer isso, não é jornalismo: é relações públicas.

Um dos argumentos da turma -seja conservadora ou progressista- que ataca a imprensa é dizer que os veículos de comunicação mostram tudo que os governos fazem de errado e não mostram o que eles fazem de bom. Só que isso é uma falsa polêmica.

Entre as funções de uma imprensa séria, estão informar e formar o cidadão. Deve protegê-lo dos interesses de grupos de poder -seja ele político, econômico ou ideológico. Deve fiscalizar o poder.

Sempre!

A imprensa pode falar de coisas positivas que governos fazem. E ela fala, claro que fala! Mas essa turma gostaria que falasse muito mais. Ou só falasse da parte boa.

Para isso, o governo tem a máquina pública de propaganda, que é gigantesca, “A Hora do Brasil”, milhões e milhões de reais para publicidade, em que infla o que faz de bom e mente sobre o que faz de mal. Todo governo é assim!

À imprensa cabe, portanto, mostrar o que incomoda os poderosos, todos eles! Portanto, se não estiver incomodando, não está fazendo um bom trabalho.

Como disse certa vez o grande cartunista e jornalista Millôr Fernandes, “imprensa é oposição, o resto é armazém de secos e molhados.”

A imprensa brasileira tem batido mais nos governos nos últimos 18 anos. Mas acho que têm batido pouco! Tem que ser mais incisiva!

Todos os governos erram, fazem coisas ruins. É natural isso! Cabe ao jornalista mostrar tudo isso, até mesmo para que o governo possa se corrigir.

E não podem tem medo de se posicionar! Pelo contrário: o veículo e o jornalista devem deixar claro no que ou em quem acreditam.

O que não quer dizer ignorar ou calar o outro lado. Muito pelo contrário: deve dar voz ao outro lado, sim, mas defender o seu ponto de vista, com fatos e argumentos sólidos.

Na ânsia de serem democráticos, muitos veículos abrem espaço para opiniões divergentes, o que é ótimo! Mas perdem sua capacidade de se posicionar sobre qualquer tema. Tornam-se uma coisa sem opinião e sem graça.

Isso não pode acontecer, pois o seu posicionamento influencia a sua capacidade de informar e de formar o cidadão. Além disso, ao não se posicionar, isso permite que governos se façam ainda mais de vítimas, dizendo que são perseguidos, quando é exatamente o contrário que acontece.

O jornalismo tem que se posicionar!

Por exemplo, na última quinta, no Jornal da Live, que faço no LinkedIn, defendi a necessidade de as pessoas se imunizarem contra o Covid-19 quando uma vacina estiver disponível. Usei argumentos da ciência, justificando porque isso é essencial. Também expliquei por que algumas pessoas não querem se vacinar. Demonstrei como o governo pode legalmente obrigar a vacinação. Contei até o episódio da Revolta da Vacina, que aconteceu no Rio de Janeiro em 1904: naquele ano, a população se recusou a tomar a vacina contra a varíola e teve até quebra-quebra nas ruas da então Capital Federal. O governo da época acabou recuando da obrigatoriedade, mas isso matou 6.400 pessoas apenas na cidade, quatro anos depois.

Ou seja, abri o espaço para quem não quer se vacinar. Mas deixei claro que sou a favor da vacinação de todos, e defendi meu ponto de vista com fatos.

A imprensa pergunta; o governo responde

A imprensa brasileira bate muito menos no governo que a americana, considerada uma das melhores do mundo. Somos até cordiais com os governantes!

Nos Estados Unidos, os jornalistas não têm o menor problema de colocar o presidente da República contra as cordas e cobrar dele respostas a suas perguntas, mesmo as mais incômodas. E o presidente tem que responder: é o seu papel! Se não responde, é execrado publicamente, com razão.

E que sorte os americanos têm de sua imprensa agir assim! Sem isso, o moralismo latente ganharia força no populismo dos governos. E aí, os Estados Unidos deixariam de ser a maior potência do mundo para ser uma nação retrógrada e fadada ao obscurantismo político, econômico e cultural.

Já viajei por muitos países e sempre gosto de observar como é sua imprensa. É absolutamente claro como sociedades mais desenvolvidas têm imprensas mais livres, mais fortes e mais responsáveis. E a recíproca também vale!

Hoje é 7 de setembro, dia da independência do Brasil. Por isso, resolvi promover esse debate. Não é uma conversinha que só interessa a jornalistas, e sim um posicionamento cívico. Todos nós temos um papel nisso, para o futuro da democracia e até da manutenção de uma sociedade decente.

À imprensa, cabe buscar um jornalismo muito melhor que o que já faz, mesmo aqueles que já estão trabalhando bem. Tem que apurar melhor, apresentar melhor. O foco deve ser sempre seu público, e não qualquer outro interesse. Seu papel é fazer bom jornalismo, sem se render a fórmulas fáceis. Ao fazer isso, resgatarão o respeito público, e seus negócios melhorarão.

Ao governo, tem que parar de se fazer de vítima e de jogar a população contra a imprensa, só para poder continuar realizando o que bem entender. Se fizer bem o seu trabalho, se cometer menos desmandos, as críticas naturalmente diminuirão.

Quanto a nós, o leitor, o espectador, o internauta, cabe fugir das “fake news” e valorizar quem está pelo menos buscando fazer um bom jornalismo. Cabe a nós acreditar menos em quem bate na imprensa. Cabe a nós não nos deixar enganar e entender que precisamos de uma imprensa forte e livre para o desenvolvimento de toda a sociedade.

Todos nós e cada de um de nós tem o seu papel.

Os ladrões da sua identidade

By | Jornalismo | No Comments

Você já deve ter ouvido falar do aumento de casos de golpes virtuais no Brasil. Talvez conheça alguém que tenha caído em um deles. Quem sabe você mesmo foi vítima de um desses pilantras?

Ou você acha que jamais cairia em uma maracutaia dessas?

Se esse for o seu caso, lamento acabar com as suas ilusões: ninguém está totalmente seguro dos meliantes virtuais. Até mesmo profissionais experientes podem cair nessa. Portanto, todo cuidado é pouco!


Veja esse artigo em vídeo:


Um acontecimento recente demonstra o poder dos bandidos.

No dia 15 de julho, o Twitter foi vítima da maior falha de segurança de sua história. E nenhum sistema deles foi comprometido por problemas de software. A invasão aconteceu a partir de funcionários que foram enganados e forneceram aos hackers seus dados de acesso à rede interna e a sistemas de gerenciamento de contas de usuários.

Em minutos, os cibercriminosos conseguiram os dados de 130 contas, e enviaram tuítes a partir de 45 delas, acessaram mensagens diretas de 36 e baixaram os dados de 7. E não eram quaisquer contas! Entre outras, estavam as do ex-presidente americano Barack Obama, do candidato à presidência dos Estados Unidos Joe Biden, do fundador da Microsoft Bill Gates, do CEO da Amazon, Jeff Bezos, e do empresário Elon Musk. Essa ação rápida convenceu pessoas que seguem essas contas a fazer doações, que teriam chegado a US$ 100 mil.

No dia 31 de julho, a polícia prendeu três homens acusados do crime. O líder da gangue é um adolescente de 17 anos, da Flórida.

Os funcionários de uma das empresas mais badaladas do Vale do Silício foram vítimas de uma técnica chamada “spear phishing”, uma versão mais elaborada do “phishing”.

O “phishing” convencional consiste no disparo de uma grande quantidade de e-mails e mensagens de SMS e WhatsApp que tentam convencer a vítima de que se trata de uma comunicação oficial de uma empresa ou instituição. Os bancos são os preferidos pelos criminosos para tentar enganar as pessoas. Se a vítima instala o programa ou clica no link, cai em um ambiente que simula o do banco, para que informe sua senha e até faça pagamentos.

Mas essas mensagens são enviadas para todo mundo sem qualquer personalização. Daí fica mais fácil perceber o golpe.

Já o “spear phishing”, que enganou os funcionários do Twitter, é bem mais elaborado. Antes de entrar em contato com a vítima, os bandidos fazem uma pesquisa sobre ela, para que a comunicação seja personalizada, tornando-se mais convincente.

No caso do ataque ao Twitter, a quadrilha fez a lição de casa. Conheciam exatamente quais funcionários atacar e o que falar para eles. Eles se passaram por membros da área de TI e sabiam o que dizer para convencer os profissionais a entrar em um site falso de acesso ao ambiente corporativo, idêntico ao da empresa.

Os bandidos precisavam ser incrivelmente convincentes na sua conversa. E foram!

Mas, se os funcionários do Twitter caíram nessa, imagine um cidadão comum, que não tem nenhum preparo e experiência para evitar esse tipo de golpe!

Em casos específicos, criminosos usam até sistemas que sintetizam a voz de alguém conhecido pela vítima, como um diretor da empresa. Ou seja, no “spear phishing”, os criminosos pesquisam nas redes sociais a sua vida, seu trabalho, sua família, seus amigos, seus gostos.

Golpes “viralizaram” com o Covid-19

Para você ter uma ideia do tamanho do “phishing” por aqui, nos primeiros meses da pandemia de coronavírus, o Brasil foi o quinto país no mundo nesse tipo de golpe. Ficamos atrás apenas da Venezuela, de Portugal, da Tunísia e da França.

Segundo a empresa de cibersegurança Kaspersky, um a cada oito brasileiros sofreu tentativas de ataque entre abril e junho. A consultoria Refinaria de Dados calcula que, entre 20 de março e 18 de maio, a busca de informações pessoais e bancárias de brasileiros na “Dark Web” cresceu 108%, passando de 19 milhões por dia! Já a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) informa que o “phishing” aumentou 70% no pós-Covid-19.

Temas ligados à pandemia estão no centro dos ataques, especialmente o auxílio emergencial do governo. Por isso, o nome da Caixa Econômica Federal vem sendo muito usado. Golpes de sites de leilão falsos com o nome da Caixa também cresceram muito no período.

O que podemos fazer para nos proteger desses golpes?

No caso de empresas, é muito importante que treinem seus funcionários frequentemente contra ataques da chamada “engenharia social” feitos por mensagens digitais, ligações telefônicas e até pessoalmente.

Do lado do usuário final, não entre em sites que dizem ser do banco a partir de links enviados por e-mail, WhatsApp ou SMS. Bancos não mandam links, nem pedem senhas nunca! Aliás, jamais informe senhas a ninguém!

Tampouco entregue, em hipótese nenhuma, seu cartão de débito ou de crédito cortado a ninguém. E quando for jogar fora um cartão velho, corte o chip e a tarja magnética mais de uma vez. E não deposite os pedaços no lixo reciclável.

Não coloque dados pessoais e de cartões em sites de origem duvidosa. Ative o serviço do seu banco para receber um SMS a cada transação com cartões de crédito e débito, para identificar imediatamente alguma indevida.

Evite expor seu telefone nas redes sociais e sites. O mesmo vale para anúncios que fizer em sites de vendas: prefira os canais de comunicação da plataforma para falar com possíveis compradores. E desconfie se receber ligações ou mensagens de pessoas em nome desses sites, de bancos ou operadoras de cartão. Tampouco dá para confiar no número de quem está ligando, pois sistemas conseguem alterar essa identificação, para que apareça o número de alguém conhecido.

Se, ao ligar a um telefone, especialmente do banco ou operadora de cartão, aparecer automaticamente no celular um programa que diz ser da empresa, para continuar o atendimento por ali, desconfie! Prefira fazer a chamada por voz no número oficial da empresa. Se não houver essa opção, ligue de outro telefone, se possível, de um fixo.

O uso de frases informais e até gírias em conversas, e erros de ortografia, no caso de mensagens escritas, são suspeitos!

Desconfie de ligações oferecendo brindes, trabalho ou outro convite em nome de um amigo ou colega. E jamais confirme números que são enviados a você por SMS, WhatsApp ou e-mail. Esse é o método preferido para sequestrar o seu WhatsApp, para os criminosos depois mandarem mensagens a seus contatos, pedindo dinheiro em seu nome.

Aliás, ative a verificação em duas etapas no WhatsApp e outras plataformas. É uma camada a mais de segurança. Mesmo que o criminoso obtenha o código de verificação, vai precisar também de uma senha extra criada por você, e isso pode impedir que sua conta seja sequestrada.

Por fim, nunca instale aplicativos que venham por e-mail, WhatsApp ou SMS. Faça isso sempre a partir das lojas de aplicativos oficiais.

Então, faça um favor a você mesmo: não pense que isso nunca acontecerá com você! Ninguém está imune a esses ataques.

Desenvolva uma saudável desconfiança e preserve a sua identidade e os seus bens.