Category Archives: Jornalismo

Se o conteúdo é rei, o contexto é deus!

By | Jornalismo | No Comments

Você já deve ter lido nas redes sociais que “o conteúdo é rei”, e que ele pode ajudar você a promover o seu negócio, qualquer que seja.

Será mesmo?

Não há dúvida da eficiência de um bom conteúdo nesse papel. Artigos, vídeos e posts roubam o espaço da publicidade convencional na atenção das pessoas, que agora compram de marcas com as quais se identificam e que veem como autoridade no segmento.

Entretanto nem o conteúdo mais bem escrito atingirá esse objetivo se não atender necessidades reais do público. Para isso, é preciso se aventurar em um mundo de gráficos e tabelas, para descobrir esses desejos e adequar a produção. Se o conteúdo é rei, o contexto é deus!

Sem isso, todo o investimento de marketing pode dar em nada. Felizmente o meio digital oferece algumas ferramentas poderosíssimas e gratuitas para identificar essas necessidades de seu público. Com elas, mesmo um pequeno empreendedor pode traçar o caminho até a mente e o coração de seus clientes, e falar com eles de maneira assertiva.

Veja como fazer isso no meu vídeo abaixo. E depois compartilhe conosco as experiências com seu público nessa nova forma de relacionamento.



Saiba mais sobre jornalismo de dados e como você pode “perguntar aos números” sobre informações valiosas, participando do curso online gratuito da Universidade do Texas, que eu menciono no vídeo. Os detalhes estão em https://knightcenter.utexas.edu/pt-br/00-21046-novo-curso-do-centro-knight-ensina-como-entrevistar-dados-para-reportagens-investigativas-i

Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Videodebate: o que o fim dos “likes” no Instagram realmente representa?

By | Jornalismo | No Comments

Você acha que o nível do conteúdo nas redes sociais está muito baixo? Você não está sozinho!

Uma mudança no Instagram aparentemente inócua pode ajudar nisso: desde a semana passada, a plataforma deixou de exibir a quantidade de curtidas que cada foto tem. Com isso, a expectativa é que os usuários apelem menos para fórmulas fáceis para conseguir audiência, os “caça-cliques”, publicando conteúdo que crie um debate de mais alto nível e melhorando da experiência como um todo.

A novidade também pode diminuir a ansiedade e a depressão que algumas pessoas sentem associadas ao meio digital. Acha exagero? Também na semana passada, uma blogueira se suicidou por não suportar a pressão de “haters” nas redes sociais, por ter publicado seu “casamento consigo mesma”.

Alguns podem achar um desproporcional, mas o ato de “curtir” qualquer coisa se disseminou por nossa vida, muito além das redes sociais. E, em alguns casos, isso perdeu seu propósito. Por isso, tal mudança no Instagram pode ajudar a reduzir essas distorções.

No vídeo abaixo, eu explico como isso impacta a sua vida, mesmo que você nem use o Instagram. Veja e depois vamos debater aqui.



Leia o meu artigo sobre a depressão no meio digital, mencionado no artigo: http://paulosilvestre.com.br/a-maldicao-do-influenciador-deprimido-e-o-que-faz-um-influenciador-dar-certo/

Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Videodebate – Netflix ou notícia: quem você escolhe?

By | Jornalismo | No Comments

VOCÊ É RELEVANTE para seu público?

Estudo do Reuters Institute for the Study of Journalism demonstrou que não basta mais ser ótimo no que se faz: precisamos tocar a vida das pessoas como elas esperam. Sem isso, nosso público pode não perceber o valor do produto, e uma grande ideia vai por água abaixo. E estou cansado de ver bons negócios quebrando e excelentes profissionais sendo demitidos por isso.

Apesar de o estudo se focar em jornalismo, suas conclusões podem ser facilmente extrapoladas para outros mercados. E uma delas demonstra que hoje não concorremos apenas com quem faz o mesmo que nós, e sim com qualquer empresa que dispute os mesmos reais dos consumidores, até com negócios muito diferentes dos nossos.

O mar não está para peixinho! Nunca foi tão importante conhecer bem o público: seus desejos, seus receios, suas carências, sua linguagem. Porque, sim, temos que buscar a excelência no nosso produto, mas temos que ser eficientes para que nossos clientes o percebam e entendam.

Assista ao meu vídeo abaixo para entender como fazer isso! E depois conte para nós aqui as suas experiências ao se relacionar com seu público.



  • Para assistir à integra em vídeo do debate no Estadão e baixar o excelente e-book produzido pelo Media Lab Estadão, inscreva-se gratuitamente aqui.
  • O relatório completo do Reuters Institute está disponível para download gratuito.
  • Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Videodebate: Google, me esquece!

By | Jornalismo | No Comments

Você se preocupa com o Google, o Facebook, a Apple, e muitas outras empresas monitorando tudo que você faz online? Tem toda razão: elas sabem mesmo muito sobre nós!

Agora você pode pedir que o Google automaticamente apague tudo que sabe sobre você depois de um tempo. Simples e indolor!

Bacana, né? Mas será que isso faz diferença?

Queremos que nossa privacidade seja preservada, mas não queremos abrir mão das coisas boas que os meios digitais nos oferecem “de graça”, justamente por nos conhecer tão bem.

Então o que é mais importante para você? Sua privacidade ou os benefícios digitais? Ficou em dúvida? Então assista ao meu vídeo abaixo para entender isso melhor. E depois conte o que acha aqui nos comentários.



NOVIDADE: quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Videodebate: como calar um jornalista no Brasil

By | Jornalismo | No Comments

Quer saber como destruir um país? Destrua sua imprensa primeiro!

Ou você acha que ela não passa de um bando de “vendidos”, que só pensam em seus interesses?

Nesses tempos sombrios, em que a intolerância destrói relacionamentos de longa data e a verdade foi trocada pela versão, a imprensa nunca foi tão importante! Ironicamente, nunca esteve tão ameaçada! E isso afeta todos nós!

Na semana passada, por exemplo, dois veículos foram censurados pelo STF. Na mesma semana, a organização Repórteres sem Fronteiras publicou seu Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa. O Brasil amarga uma vergonhosa 105ª posição, entre 180 países.

Noruega, Finlândia e Suécia são os com mais liberdade de imprensa. Sugestivamente, também encabeçam as listas dos países com melhor qualidade de vida, melhor educação e com as pessoas mais felizes do mundo.

Não é coincidência! Tudo está intimamente ligado!

Todos nós temos um papel essencial para melhorar a péssima situação em que o Brasil se encontra nesses indicadores. Sabe como? Veja no meu vídeo abaixo. E depois vamos debater aqui nos comentários.



Reflexão: o que faz uma marca ser relevante?

By | Jornalismo | No Comments

Quais são as marcas que você ama? Como elas influenciam sua vida, o que você compra, seu trabalho, sua diversão, como estuda, fala?
As empresas se tornam mais relevantes ou ficam obscuras com incrível velocidade. E o segredo para chegar -e ficar (o que é ainda mais difícil)- no alto passa por estar totalmente ligado aos valores do consumidor.
Grande desafio, pois esse indivíduo está mudando cada vez mais rapidamente, e ficando mais e mais exigente.
Estou no evento da Ipsos Brasil, em que foram anunciadas as marcas mais influentes do Brasil, vistas na imagem acima. Elas se saem muito bem nesse entendimento e relacionamento com seu público, nas cinco dimensões adotadas na pesquisa: liderança e inovação, confiança, presença, responsabilidade social e engajamento.
Para o brasileiro, as duas primeiras são as mais importantes, ainda mais que para os consumidores de outros países.
Como a sua empresa se posiciona nesses temas? Vou mais longe: como está sua carreira nisso?

Por que você não pode deixar a verdade ser apenas um ponto de vista

By | Jornalismo | No Comments
Darth Sidious, o imperador da saga Star Wars, que chegou ao poder após enganar e manipular aliados e inimigos – Foto: reprodução

Darth Sidious, o imperador da saga Star Wars, que chegou ao poder após enganar e manipular aliados e inimigos

Não sei quanto a você, mas ando muito preocupado com o comportamento das pessoas nas redes sociais, mesmo no LinkedIn, onde o nível médio das discussões sempre foi mais alto! Vejo agressões mútuas por divergências de qualquer natureza, muitas vezes gratuitamente e de maneira desproporcional. Além do ódio injustificado, o grande problema disso é que um espaço que deveria servir para melhorar relacionamentos, fazer negócios e realizar trocas de qualidade vira uma arena destrutiva.

Temos que sair dessa irracionalidade, pelo bem de cada um e de toda a sociedade. Mas como para fazer isso?

Antes de responder, gostaria de esclarecer antecipadamente, até mesmo pelo exposto acima, que esse não é um artigo de cunho político, que não pretendo defender ou atacar qualquer lado de qualquer assunto. Mesmo porque entendo que, quando a discussão chega a esse nível rasteiro, não há mais lado “certo” ou “errado”.

A essência dessa enorme confusão é que ultimamente qualquer versão vale mais que a verdade. É assustador, mas observo, cada vez mais, as pessoas tapando completamente os olhos diante de fatos inegáveis, documentados, escancarados, para continuar acreditando no que lhe convém. O fanatismo das torcidas organizadas de futebol parece ter se espalhado para outras paixões, particularmente a política, carregando suas piores características: a cegueira ideológica e o efeito manada. Por isso, estão dispostos a matar em nome do time (que nunca pediu isso)!

Esse incômodo vem crescendo em mim há mais de um ano. Mas nesta terça, resolvi escrever esse artigo, enquanto assistia pela enésima vez o Episósio III de Star Wars, o sombrio “A Vingança dos Sith”. Percebi que nossa realidade se assemelha muito à trama conduzida pelo personagem Palpatine/Darth Sidious. O senador do planeta Naboo avança politicamente pelos anos, enganado e matando, sempre com um véu de legalidade, até o ponto de criar uma guerra interplanetária para seu benefício. Com sua habilidade de sedução e engodo, consegue apoio de todos até atingir seu objetivo de eliminar (literalmente) seus inimigos e se tornar imperador.

Vale aqui uma nota pessoal: sou fã da saga espacial criada por George Lucas, que é carregada de simbolismos. Costumo usar muitos deles como aprendizado para o cotidiano.

No momento preciso, Palpatine se autoproclama imperador da galáxia, ovacionado pelos senadores. Poucos perceberam a obviedade de que algo ali estava muito errado, entre eles a senadora Padmé Amidala, sentenciando: “então é assim que a liberdade morre, com um aplauso ensurdecedor”.

Qual a semelhança com o que vivemos hoje?

 

Precisamos acreditar em algo

Políticos e outras grandes lideranças manipulam as massas desde sempre para atingir seus objetivos. Já tivemos vários casos na história que, assim como Palpatine, criaram guerras, ao custo de milhões de vidas, apenas para ampliar seu poder.

Mas é a primeira vez que as redes sociais são usadas como instrumento de manipulação. E o resultado tem sido devastadoramente eficiente. Nelas, tudo acontece de maneira mais intensa e mais rapidamente, mesmo a transformação de mentiras em verdades. Isso ganhou até um nome bonito: “fake news”.

A ironia é que nós precisamos acreditar em algo. Faz parte da nossa natureza humana. O aclamado historiador israelense Yuval Noah Harari disse, em seu livro “21 Lições para o Século 21”, lançado no ano passado, que “desde a era da pedra, mitos foram reforçados a serviço da união da coletividade humana. Realmente o Homo sapiens conquistou esse planeta graças, sobretudo à habilidade humana única de criar e disseminar ficções.”

Mas tudo tem limite! Se houver um “desequilíbrio na Força”, essa habilidade essencial passa a fazer com que as pessoas deixem de colaborar entre si, para reforçar seus preconceitos. E é exatamente isso que temos agora.

Não podemos perder a capacidade de dialogar, e isso inclui com as pessoas que não pensam como nós. Aliás, de certa forma, quando nos confrontamos com as diferenças, é quando mais crescemos, pois nos permitimos ver o mundo por outra ótica.

A imprensa desempenha um papel essencial no processo do diálogo, por isso se busca domesticá-la ultimamente. Nenhum espanto até aí: quanto mais totalitário um regime, mais os veículos de comunicação sofrem, até o ponto de serem controlados e colocados em favor da “causa”.

Uma das principais funções da imprensa, crítica para o desenvolvimento de qualquer sociedade, é justamente fiscalizar um governo. Isso não quer dizer persegui-lo, mas certamente inclui apontar tudo que estiver errado ou for suspeito. Por isso, vejo aterrorizado uma quantidade imensa e barulhenta de pessoas, influenciadas por grupos ideológicos de todos os matizes, desqualificando os veículos e agredindo (até mesmo fisicamente) jornalistas.

É verdade que há casos inaceitáveis de notícias propositalmente enviesadas, e veículos e profissionais que se prestam deliberadamente a esse antijornalismo. Isso é lamentável, até mesmo porque oferecem munição para os que querem alvejar a imprensa toda. Portanto, se a seriedade e o equilíbrio sempre foram essenciais para essa profissão, agora ficaram ainda mais indispensáveis, para a manutenção da credibilidade, seu valor mais precioso. Precisamos de jornalismo de alta qualidade!

O mais absurdo dessa história é que o mesmo veículo ou profissional é “acusado” de ser “de direita” ou “de esquerda” (como se posicionamento político fosse um crime), de acordo com o que noticia e do agressor. Ou seja, se o fato desagrada grupos conservadores, são taxados “mentirosos de esquerda”; se forem problemas de grupos liberais, são “mentirosos da direita”.

Obviamente essa equação não fecha.

 

Como escapar dessa armadilha

Se antes a construção dessas mentiras levava anos, graças à manipulação das pessoas pelas redes sociais, isso agora pode ser feito em poucas semanas. De fato, escrevi, em maio do ano passado (portanto muito antes de o resultados das eleições se delinear), que o presidente atual seria eleito em um “videogame”. E foi exatamente isso que aconteceu.

As “fake news profissionais” estão longe de se apenas boataria. Seus produtores sabem como usar as redes sociais para coletar dados dos usuários e identificar seus desejos e seus medos. Dessa forma, não apenas produzem seu material para atender a isso tudo, como “plantam” esse material diretamente naqueles que gostariam que aquilo fosse verdade. E, diante disso, essas pessoas “compram a ideia” facilmente, espalhando-a com força. A partir daí, as infames “bolhas” das rede sociais fazem o trabalho sujo. Exatamente como aconteceu no escândalo Facebook – Cambridge Analytica.

Ou seja, o elo fraco dessa nefasta corrente manipuladora somos nós mesmo, que queremos acreditar na mentira, porque ela nos convém de alguma maneira. E, graças às “bolhas”, que nos colocam em contato com uma multidão de pessoas que pensam da mesma forma, a mentira parece cada vez mais verdadeira.

Esse é o ponto onde estamos.

Portanto, a única maneira de tirarmos essas vendas que nos cegam e colocam familiares, amigos, colegas e desconhecidos em rota de colisão frontal é desconfiar até daquilo que queremos. Como diz o ditado, “quando a esmola é grande, até o santo duvida”. E os santos têm andado muito, muito generosos ultimamente.

Outro personagem-chave de Star Wars, o mestre jedi Obi-Wan Kenobi, disse ao então aprendiz Luke Skywalker que “muitas das verdades a que nos apegamos dependem muito do nosso próprio ponto de vista.” Esse ensinamento aparece no filme “O Retorno de Jedi”, de 1983. Hoje, 36 anos depois, ele nunca foi tão verdadeiro.

Saia de sua zona de conforto! Aprenda com o outro! Não acredite nas obviedades que lhe dizem! Isso pode salvar você do Lado Negro da Força. E torná-lo um cidadão melhor.


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Reflexão: que seu legado inspire o bom jornalismo

By | Jornalismo | No Comments

Estou profundamente entristecido com a morte do jornalista Ricardo Boechat, vítima de um acidente de helicóptero nesta segunda, por volta da hora do almoço.

Mais que um colega de profissão, Boechat era um dos melhores jornalistas do país, alguém que realizava “o melhor ofício do mundo” com ética e responsabilidade.

Em um tempo em que grupos políticos de diferentes vertentes se esforçam para desacreditar o jornalismo e seus profissionais, para que possam praticar seus desmandos sem oposição qualificada, espero que o legado de Boechat inspire novos e velhos jornalistas. Que realizem seu trabalho com a mesma seriedade dele, resistindo a essas pressões nefastas, defendendo a verdadeira democracia e buscando sempre a verdade, independentemente de viés político, ideológico ou econômico.

Reflexão: como era difícil fazer jornalismo! E hoje?

By | Jornalismo, Tecnologia | No Comments

Recebi esse vídeo da amiga Solange Villela. É, no mínimo, muito curioso! Mostra como o Estadão era produzido em 1935, um processo industrial intrincadamente fascinante, de um mundo que não existe mais. Vale a pena assistir!

O Estadão era o maior jornal do país, com a tecnologia mais moderna. O papel era o jeito mais eficiente de distribuir muita informação, uma verdade que perdurou até a virada do século.

O jornalismo digital surgiu em 1994 (eu estava lá, “cortando o cybermato”). De repetente, tudo podia ser feito melhor, mais barato e mais rápido. E a coisa explodiu com a popularização dos smartphones: além de ficar muito mais fácil qualquer um consumir conteúdo, também ficou para produzir.

Em 2011, quanto era gerente de produtos digitais do mesmo Estadão, calculei, de todos os gastos do jornal, quanto se referia à produção de notícia. Resultado: apenas 21%! Os outros 79% se referiam à gráfica, à infraestrutura predial e ao transporte.

Hoje o impresso ainda existe, muito mais barato e automatizado. Mas continua caro e ineficiente. O único problema do digital é que, por ser muito simples e muito barato, qualquer um pode publicar uma grande barbaridade e uma multidão acreditar. As “fake news” estão asfixiando o bom jornalismo. E, com ele, a democracia.

 

Reflexão: o que a volta da CNN Brasil pode representar

By | Jornalismo | No Comments
Entrada da sede da CNN em Atlanta (EUA) - Foto: creative commons

Entrada da sede da CNN em Atlanta (EUA)

Nesta segunda, veio a notícia de que a CNN voltará ao Brasil. E não estão para brincadeira!
A operação local está sendo montada por Rubens Menin, fundador da construtora MRV, que será presidente do conselho da nova empresa e seu principal investidor. A presidência ficará com Douglas Tavolaro, que deixa de ser vice-presidente de jornalismo da Record. De cara, prometem contratar 400 jornalistas, o que a qualificaria como uma das maiores Redações do país.
A nova emissora baterá de frente com a Globo, especialmente seu canal Globonews, que hoje nada de braçada, diante da fraca concorrência da BandNews e da Record News.
Tudo isso é uma excelente notícia para o jornalismo brasileiro, que anda sofrendo muito nos últimos anos. Resta saber qual será a linha editorial da operação no país, que terá independência da matriz norte-americana (que continuará transmitindo no Brasil o sinal da CNN International e da CNN en Español). Lá na terra do Tio Sam, a CNN é bastante crítica ao governo Trump, que privilegia escandalosamente a concorrente Fox News. Do lado de cá, Bolsonaro já jurou a Globo de morte.
Assim, espero que a CNN Brasil mantenha a linha do jornalismo combativo, plural, ético e livre. A sociedade brasileira precisa muito disso. É esperar para ver.

Reflexão: “curtidas” podem dar dinheiro, mas reputação exige algo além

By | Jornalismo | No Comments
Cena do filme "WiFi Ralph", em que o personagem criar vídeos "bobos" com o único objetivo de viralizar - Foto: reprodução

Cena do filme “WiFi Ralph”, em que o personagem criar vídeos “bobos” com o único objetivo de viralizar

“Curtidas” no seu conteúdo podem virar dinheiro?

A resposta está na animação “WiFi Ralph: Quebrando a Internet”, em cartaz nos cinemas.

O filme é inteligente e divertidíssimo, agradando fácil a adultos e crianças, o que, por si só, já vale o ingresso. Além disso, sem “dar spoiler”, embute várias críticas muito interessantes a modelos e comportamentos da Internet.

Com metáforas do ponto de vista de alguém que está literalmente “dentro” da Internet (Ralph é um personagem de um game), são abordados temas como publicidade invasiva e como é possível atrair a atenção de milhões de internautas com conteúdo “bobo”. E, sim, isso dá dinheiro! Mas, da mesma forma que vem fácil, vai fácil.

Todos nós gostamos de rir, e a Rede é mesmo ótima para isso! Ela também funciona para se construir uma fama fugaz, que nasce do nada, mas desaparece assim que o vídeo deixa de viralizar.

O lado bom da história é que também é possível construir uma reputação boa e duradoura com conteúdo, um que seja igualmente bom. É um trabalho mais longo, mas vale a pena!

Nesta segunda mesmo, publiquei um vídeo abordando o assunto. Se ainda não o viu, ele está logo abaixo!

(Hehehe, estou me sentindo os personagens que espalhavam banners no filme. Mas não se preocupe: não é vídeo para perder peso ou ficar rico jogando videogame 😄 )

 

Videodebate: imprensa e verdade

By | Jornalismo | No Comments

O novo governo nos manipula?
A imprensa é vendida?
Muita calma nessa hora! Cuidado com os julgamentos apressados.
Como diria Shakespeare, “há mais coisas entre o céu e a terra que pode imaginar nossa vã filosofia”.
Nessa hora, a melhor coisa é escolher bem os aliados para buscar a verdade. Ou o que mais se aproxima dela.
Vem debater isso comigo, depois de ver meu primeiro vídeo de 2019.


Conteúdos mencionados no vídeo:

 

Reflexão: o novo dono pode salvar a Abril?

By | Jornalismo | No Comments

Logo da Editora Abril no seu edifício na Marginal Tietê

Na sexta, às vésperas do Natal, a família Civita acertou a venda da Editora Abril ao empresário Fábio Carvalho, especialista em recuperar empresas em crise. A Abril, no bico do corvo há anos, está em recuperação judicial desde agosto.

Com o valor da transação, dá para comprar um carro: R$ 100 mil. Carvalho assume as dívidas (cerca de R$ 1,6 bilhão), mas esse passivo deve encolher com negociações com os bancos, que precisam aprovar o negócio, assim como o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Espera-se que o negócio seja concluído até fevereiro.

Vejo com bons olhos a mudança. Primeiro porque os atuais Civita se demonstraram incompetentes para gerir o negócio criado pelo avô Victor Civita (1907-1990) em 1950, sendo os responsáveis por essa situação horrorosa. Depois porque Carvalho tem feito declarações interessantes sobre o futuro da mídia (leia em http://bit.ly/2T1Gtiq). Faço votos que ele salve a Abril.

É inevitável pensar em Jeff Bezos, dono da Amazon, que comprou, com US$ 250 milhões do seu bolso, o The Washington Post, e deu nova vida ao jornalão. Não mexeu na parte editorial, mas investiu e mudou seu modelo de negócios para melhor! Agora, se o negócio da Abril será um presente de Natal para os envolvidos, só o tempo dirá. 

Videodebate: esse é o fim da verdade?

By | Jornalismo | No Comments

Você já teve a sensação de não saber mais se o que acabou de ver nas redes sociais é verdadeiro ou falso?
Vivemos um momento em que todos querem ter opinião sobre tudo, não importa quão descolada da realidade ela seja. E “ai” de quem discordar dela! Desse jeito, fica difícil…
Há três anos, o filósofo italiano Umberto Eco chegou a dizer que “as redes sociais deram voz a uma legião de imbecis”. Será que ele estava certo?
O problema é que não conseguimos viver em um ambiente no qual não podemos confiar em nada ou ninguém. Como resolver isso então? Veja minhas sugestões abaixo, no meu vídeo mais recente  E depois compartilhe suas impressões aqui nos comentários.



 

A reforma da Previdência é um vespeiro que ninguém coloca a mão de verdade

By | Jornalismo | No Comments

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado/Creative Commons

Estamos às vésperas da eleição mais polarizada da história do Brasil.  Grande parte disso se deve ao uso eficiente das redes sociais por parte dos candidatos, que aproveitaram os recursos dessas plataformas para realizar comunicações incrivelmente assertivas com o público, jogando a TV para escanteio na importância do processo de tomada de decisão, como expliquei no vídeo abaixo. A questão é: quanto do que dizem é verdade e quanto é “encenação eleitoral”?


Vídeo relacionado (de 24 de setembro de 2018):


Pode-se argumentar, com muita tranquilidade, que isso “faz parte do jogo”, que sempre foi assim e sempre será. Mas a combinação de fatos, “fake news”, “bolhas” nas redes sociais e sistemas de coleta de informações de usuário tem sido tão eficiente, que os eleitores de um candidato, qualquer que seja sua linha, estão acreditando que o que diz (e até o que não diz) é a mais pura verdade. Portanto, não se trata de “direita” ou “esquerda”, conservadores ou liberais: todos (ou pelo menos os mais espertos) estão usando os meios digitais para fazer valer seus argumentos e, dessa forma, conseguir votos.

Peguemos, como exemplo, um tema absolutamente espinhoso: a reforma de Previdência, um dos maiores angus de caroço da República. Esse é um tema essencial para o futuro da Nação, mas não vejo nenhum candidato com uma proposta que demonstre seriedade para descascar esse abacaxi. Vejo um monte de “sou a favor” ou “sou contra”, de acordo com seu alinhamento político, e depois um monte de cortinas de fumaça (mais ou menos eficientes, de acordo com o caso), para fazer o eleitorado acreditar naquilo.

Claro! A resolução do problema necessariamente passa por medidas muito impopulares ou aumentar ainda mais o já grotesco rombo nas contas públicas para manter o sistema funcionando. E fazer isso em período de campanha é um verdadeiro suicídio político.

A importância disso se deve ao fato de a aposentadoria ser um direito de todos que está quebrando o país. É uma situação de “se correr, o bicho pega; se ficar, o bicho come”.

Para pagar um aposentado, precisamos de vários trabalhadores na ativa, contribuindo com o sistema. Isso funcionou por décadas, pois a balança sempre pendia fortemente para o lado dos que ainda trabalhavam.

Mas a população brasileira (assim como a da maioria dos países) está envelhecendo: de um lado, as pessoas estão vivendo mais; do outro, a taxa de natalidade vem caindo (às vezes, muito). Ou seja, o sistema começou a falhar lá atrás, quando as contribuições dos que ainda trabalham já não eram suficientes para pagar os aposentados.

Esse saldo negativo gera um rombo nos cofres públicos que o Tesouro precisa cobrir todos os meses. E esse buraco cresce mês a mês.

As soluções para o problema, como disse acima, são impopulares. Criar regras que dificultam a aposentadora, como aumentar a idade mínima para isso, ou aumentar a contribuição de quem está na ativa, diminuir o valor recebido de quem já se aposentou, estão entre elas. Outra possibilidade é o governo continuar bancando essa conta crescente, mas, para isso, precisa de mais dinheiro. E, quando o governo precisa de mais dinheiro (especialmente MUITO dinheiro), dificilmente ele remaneja isso de outras áreas: ele aumenta os impostos. E a experiência mostra que esse dinheiro acaba indo para outro lugar, no final das contas.

Outra forma de conseguir mais dinheiro é combatendo a corrupção. Estima-se que metade do PIB brasileiro “desapareça” nos esgotos da corrupção. É muito dinheiro! Poderia resolver o problema da Previdência.

Mas quem vai mexer verdadeiramente nesse outro vespeiro? É melhor adotar as medidas impopulares!

A reforma da Previdência é só um exemplo. Escolha o seu tema e veja como os candidatos estão usando os meios digitais como um eficientíssimo canto da sereia. Portanto, não se deixe levar cegamente pelo que lê nas redes sociais: procure fazer uma análise crítica e desapaixonada. Isso o ajudará a tomar uma melhor decisão neste domingo.


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:


Fique de olhos nos meus próximos eventos públicos: