Category Archives: Educação

Feliz Dia do Professor? Temos que falar sobre isso!

By | Educação | No Comments

Sempre admirei a profissão dos meus pais. Aos 14 anos, escrevi uma poesia, enaltecendo-a como a mais importante de todas, pois formava os demais profissionais.

Aos 18, ainda na faculdade de Engenharia, fui impactado pelo Mr. Keating, do filme “Sociedade dos Poetas Mortos”, interpretado pelo inesquecível Robin Williams (na foto). Decidi ali que, em algum momento, também seria professor. E as minhas aulas seriam daquele jeito, com muito conteúdo, inspiração e diversão.

Realizo esse sonho desde 2005, cada vez mais. Hoje leciono em seis turmas de pós-graduação de diferentes cursos da Universidade Presbiteriana Mackenzie e da PUC-SP, além de integrar cursos da Universidade Metodista de São Paulo, ESPM, e, em breve, Belas Artes. E ainda sobra tempo para aulas esporádicas em grandes escolas, como a Digital House, o Senac e a Damásio Educacional.

As pessoas me perguntam como consigo encaixar tudo isso na agenda, ainda mais porque não é a minha única atividade profissional. Simples: amo o que faço! É a minha maneira de contribuir para uma sociedade melhor, nem que seja com um aluno de cada vez.

Nos países mais desenvolvidos, o professor sempre é figura de destaque na sociedade. Infelizmente, no Brasil, nunca foi valorizado e, de uns tempos para cá, tornou-se quase um perseguido político, por governos que preferem a ignorância como ferramenta de manipulação.

Fico triste ao ver uma parcela da população defendendo um pensamento único nas escolas (o seu pensamento), em detrimento de todos os demais. Profissionais bem preparados e cidadãos conscientes só surgem quando eles são expostos a diferentes ideias e pensamentos, mesmo os que contrariam os de sua origem. Sempre tive a felicidade de ter professores que me mostraram tudo isso e, graças a eles, hoje vejo o mundo com todas as suas cores, e não apenas com um cinza inexpressivo e castrador. E, assim, posso passar um pouco do que sei aos meus alunos, com ética e liberdade.

Nunca seremos um país digno, sério e grande enquanto essa situação do professor não mudar. E as perspectivas infelizmente não são boas.

Portanto, hoje, aplaudo os colegas que resistem nesse ofício tão nobre e essencial. Eduquem e criem mentes livres! E você, o que acha?

Não dá mais para pesquisar olhando só para um lado

By | Educação | No Comments

Qual o papel do desenvolvimento científico de ponta para um país? Crítico, se ele quiser se destacar globalmente do ponto de vista social, econômico e político. A pesquisa fica cada vez mais interdisciplinar, e a universidade é o lugar ideal para puxar essa inovação, que depois alimenta as pesquisas das empresas. Infelizmente o Brasil precisa melhorar muito, especialmente em um cenário de cortes de investimentos para pesquisa pelo governo.

Nesse ano, o país subiu uma posição no ranking global de competitividade do Fórum Econômico Mundial, divulgado no dia 9. Ainda assim, amargamos apenas o 71º lugar de um total de 141 nações, muito pouco para um país de nosso tamanho, nosso potencial e que almeja ocupar um protagonismo global.

Segundo a instituição, uma das coisas que os países latino-americanos mais precisam investir para melhorar é a inovação. Vale lembrar que, em julho, o Brasil caiu duas posições no Índice Global de Inovação, organizado pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual, Instituto Europeu de Administração de Empresas e pela Universidade Cornell. Ficamos em um modesto 66ª lugar, de um total de 129 países.

Vivemos em um mundo interdisciplinar. As empresas que obtém mais sucesso hoje são aquelas que entendem isso e criam produtos que bebem em diferentes fontes do saber, para criar produtos capazes de atender um público mais amplo e menos especializado. As diferentes áreas andam cada vez mais de mãos dadas, por isso as pesquisas, tanto nas empresas, quanto na academia, precisam refletir isso.

Por isso, é uma grande alegria quando vejo iniciativas como o programa de estudos de pós-graduação de Tecnologias da Inteligência e Design Digital (TIDD) da PUC de São Paulo, onde estou concluindo meu mestrado. A interdisciplinaridade é justamente uma de suas propostas e isso apareceu claramente nas pesquisas apresentadas nesta quinta (10), durante o seu 12º Encontro de Pesquisa.

“Se nós não dermos a atenção para a construção de conhecimento para inovar, para ajudar a pensar, nós não poderemos avançar em termos de civilização, de humanidade”, explica a professora Ana Maria Di Grado Hessel, organizadora do evento. “É preciso que as pessoas conheçam mais, para que possam pensar melhor e mais criticamente.”

“É a nossa missão, o que a gente faz aqui dentro”, afirma Ítalo Santiago Vega, professor que coordenou uma das mesas do evento. “O debate e a conversa a respeito de ideias sempre são oportunos, e o meio acadêmico é o espaço reservado exatamente para que isso aconteça.”

É preciso que fique claro que a pesquisa acadêmica não é algo dissociado do mundo, como muita gente afirma, especialmente quem tem uma visão distorcida da vida, por um pragmatismo cego. Na verdade, é o contrário disso, funcionando de uma maneira complementar ao que se vê nas pesquisas realizadas pelas empresas.

Nesse último caso, as pesquisas acontecem para atender demandas comerciais bem definidas e identificadas. Elas são essenciais, pois justamente transformam o conhecimento científico puro em produtos que beneficiarão as pessoas e outras empresas. Entretanto elas dependem de uma pesquisa de base, realizada justamente na universidade, sem a exigência premente de gerar produtos.

Justamente aí reside a sua força, pois os pesquisadores podem explorar conceitos e desenvolver ideias que considere interessantes por si só. “A pesquisa acadêmica tem a vantagem de ser independente, na medida em que você pesquisa o que tem vontade de pesquisar”, explica o professor Hermes Renato Hildebrand, que também coordenou uma mesa no evento.

A pesquisa acadêmica caminha, portanto, lado a lado com a realizada pelas corporações. Sem a primeira, a segunda aconteceria de maneira muito mais lenta e onerosa para as empresas, e algumas das maiores inovações da humanidade talvez jamais acontecessem. E todas as áreas são importantes: nenhuma pode ter privilégio sobre as demais, especialmente na realidade em que vivemos, em que tudo se conversa e se complementa.

“Não dá mais para olhar o mundo sob o aspecto de uma especificidade, de uma temática, de uma disciplina, de uma maneira cartesiana, linear, reducionista”, diz Hessel. “Só o conhecimento é o caminho para sermos mais humanos e sermos melhores e preservar as gerações que ainda estão por vir.”


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Não, o Coringa do cinema não cria sociopatas

By | Educação | No Comments

Tenho lido muito que o Coringa, protagonista do filme homônimo que estreou na quinta, poderia influenciar pessoas a cometer crimes. Por isso, o filme foi vetado em alguns cinemas e, nos EUA, até o Exército foi mobilizado para conter eventuais tumultos.

No sábado, fui conferir quanto disso faz sentido. O que encontrei foi uma obra-prima, um drama com um ótimo roteiro, muito bem dirigido e com uma trilha sonora impactante. Sim, é possível criar empatia com o protagonista no início, pelas incontáveis agressões que a sociedade lhe impõe. Mas não vejo alguém se tornando um sociopata por conta disso.

Temo muito mais a desinformação que impera nas redes, as notícias falsas que se tornam “verdades” graças à manipulação de algoritmos por grupos que confundem a população para atingir o poder. Temo também vivermos em uma sociedade que continua sendo massacrada por uma crise de mais de cinco anos, em que muitos acham que a violência e as armas são uma solução. Isso, sim, pode criar criminosos, como também deprimidos e suicidas.

Ah, e pintou o vencedor do Oscar de melhor ator no ano que vem. No ano passado, eu havia apostado em Rami Malek, como Freddie Mercury. Será que acertarei de novo, com Joaquin Phoenix monstruosamente brilhante como Coringa?

Por que o Brasil perdeu duas posições no Índice Global de Inovação

By | Educação | No Comments

Caramba! O Brasil caiu duas posições no Índice Global de Inovação. Por que!

Já estávamos em uma posição ruim: fomos da 64ª em 2018 para a 66ª, entre 129 países. Não lideramos nem na América Latina: ficamos atrás do Chile (51), Costa Rica (55), México (56) e Uruguai (62).

No topo, estão Suíça, Suécia, EUA, Países Baixos e Reino Unido. A lista é publicada anualmente pela Universidade Cornell, pelo Instituto Europeu de Administração de Empresas e pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual.

Isso é um tremendo pepino para o país. Mas, apesar de ser chato, não chega a ser uma surpresa.

Essa queda acompanha outras listas onde vamos sendo ultrapassados, como o tamanho da economia (somos a 9ª, mas já fomos a 6ª), produtividade empresarial e indicadores sociais, como a educação.

Ela, aliás, está na raiz disso tudo, mas não pode levar toda a culpa. Há questões culturais do brasileiro a serem resolvidas, um ambiente hostil aos negócios e entraves legais.

Para ajudar a responder essas questões, nesta quarta, conversei sobre o tema com Roberto Meir, especialista internacional em relações de consumo e varejo e CEO do Grupo Padrão, durante o Whow! Festival de Inovação, que acontece em São Paulo. Você pode assistir à conversa na íntegra(16’20”) no canal do Whow! Festival de Inovação no YouTube, em https://www.youtube.com/watch?v=IGXpuKRoyqk

Acompanhe os insights no vídeo abaixo. E depois conte para nós como a sua empresa inova.


Videodebate: racismo na publicidade

By | Educação | No Comments

Na quinta passada, o Ministério da Educação pôs no ar propagandas com teor racista.

Por que o MEC fez isso? Como é possível que instituições e empresas de todo porte continuem dando mancadas assim?

Parece loucura que, em tempos em que tanto se discute e se incentiva a diversidade e a inclusão, ainda vejamos isso. Apesar de vários exemplos gritantes em todo o mundo, a solução para o problema não é simples, pois envolve mudar as cabeças que gerenciam os negócios, normalmente (como diria o guru da administração Tom Peters) “homens brancos de meia idade e calça de poliéster”.



Os benefícios de se resolver essa aberração histórica vão muito além da imagem pública do profissional ou da corporação.

Você sabe como? Sua empresa está salva disso? Veja no meu vídeo dessa semana! E depois deixe nos comentários o que você acha disso e exemplos de boas (ou más) práticas em torno desse assunto.

Para saber ainda mais sobre o assunto, assista também ao meu vídeo com entrevista a lideranças femininas da indústria de tecnologia explicando por que a diversidade e a inclusão são fundamentais para qualquer negócio:



NOVIDADE: quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Videodebate: o que estudar para ter trabalho

By | Educação | No Comments

Em tempos de crise brava e desemprego em alta como estamos vivendo, cada um busca a sua maneira para se manter relevante e garantir o seu lugar ao sol.

Nesse cenário, uma das melhores maneiras de aumentar a tal da empregabilidade é voltar aos bancos escolares para adquirir novas competências, se reciclar, pois todas as profissões vêm sofrendo profundas mudanças graças à tecnologia digital. Então, confiar seu futuro apenas no que aprendeu na faculdade não é mais possível.

Mas o que estudar então? Hoje temos cursos para todos os gostos e todos os bolsos. Cada um deles lhe oferece benefícios particulares. Veja no meu vídeo abaixo as vantagens e desvantagens de cada um, para tomar uma decisão mais acertada. E depois vamos debater aqui nos comentários sobre o assunto. Aproveite e compartilhe com todos as suas experiências.


O ex-presidente dos EUA Barack Obama destacou a importância da educação e dos professores no primeiro dia do VTEX Day, que está acontecendo em São Paulo - Foto: Everton Rosa

Por que a educação importa?

By | Educação | No Comments

No VTEX Day, que aconteceu em São Paulo nos dias 30 e 31 de maio, Barack Obama foi categórico na importância do ensino. “O poder do professor de inspirar confiança em uma criança é um dos maiores presentes que lhe podemos oferecer”, disse o ex-presidente dos EUA.

Apesar de ser o maior evento de inovação digital da América Latina, o que mais se falou no seu primeiro dia foi sobre educação, com várias homenagens a professores.

Alessandra Hypolito, head do VTEX Day (veja a entrevista abaixo), explicou que o evento destaca o país na transformação digital. “O Brasil tem capacidade e tem estrutura para ser protagonista. E isso só acontece por meio da educação”, disse a executiva. “O principal responsável por isso é o professor.”

“A falha do nosso sistema educacional é não ensinar as nossas crianças o que é importante”, cravou Obama. Segundo ele, “o Brasil tem tanta gente jovem boa que poderia fazer coisas incríveis, se lhe fosse dada a oportunidade”.

É claro que o governo tem um papel essencial para termos uma educação de qualidade, mas esse não pode ser um debate que assistamos de fora. Todos precisam se envolver, unindo-se à escola e apoiando os professores. Sem isso, o Brasil jamais atingirá esse protagonismo.



O 44º presidente dos Estados Unidos foi o destaque do evento. Obama abriu sua participação afirmando que, para ter sucesso, é preciso ter “sorte”. “Sorte de ter as pessoas certas ao seu lado e de poder trabalhar muito”, explicou.

“Para ter sucesso, você precisa tentar coisas diferentes. Mesmo que isso não dê certo, pois nós aprendemos com nossas falhas.” Para ele, a chance aumenta se tiver com você um grupo de pessoas diversificado em gênero, raça, orientação sexual. “Tenha certeza que você tem pessoas que tragam diferentes perspectivas para a mesa”, acrescentou.


Reflexão: o papel social das empresas

By | Educação | No Comments

Em um momento em que tanto se discute os rumos da educação no nosso país, é uma alegria ver o CEO de um dos maiores grupos empresariais brasileiros destacar como ela é essencial para nosso desenvolvimento, e como as empresas têm um papel relevante para que ela floresça e chegue a todos.

Esse foi um dos assuntos que conversei com João Miranda, CEO do Grupo Votorantim, nesta quarta. Falamos bastante de inovação nas diferentes empresas do grupo, e também de como isso, além de ser obviamente bom para os negócios, traz ganhos para a sociedade. Para o executivo, “as empresas fazem parte da cidadania, têm uma responsabilidade”.



Fico muito feliz quando vejo uma liderança empresarial desse porte demonstrando que empresas não devem cumprir metas sociais apenas porque alguma legislação as obrigue a isso ou por um marketing oportunista. Todos nós fazemos parte e um mesmo sistema que se apoia e se retroalimenta. Iniciativas como essa trazem ganhos reais para o negócio e ajudam o país a se desenvolver.

E a sua empresa, que iniciativas sociais apoia? Você conhece cases legais nesse sentido? Compartilhe aqui nos comentários!

Cena do filme "Ele Está de Volta", em que Adolf Hitler "acorda" nos dias atuais - Foto: divulgação

Reflexão: somos facilmente manipuláveis?

By | Educação | No Comments

A vida imita a arte ou vice-versa?

O filme “Ele Está de Volta” (“Er ist wieder da”, Alemanha, 2015) sugere o que aconteceria se Adolf Hitler magicamente “acordasse” hoje. Depois dos primeiros dias de desorientação, ele passa a ser quem ele é.

Ao andar pelas ruas, conclui que o país está tomado por valores “degenerados”, sob a ótica nazista: imigrantes, liberdade de pensamento, ascensão das mulheres, homossexualismo. Ao propagar suas ideias, vira um fenômeno instantâneo de mídia, no YouTube e na televisão.

Apesar de afirmar que é o próprio Hitler, obviamente ninguém acredita nisso. Os mais próximos acham que é um ator que não consegue sair do papel. Ainda assim, suas ideias ultraconservadoras fazem enorme sucesso, com boa parte da população acreditando que aquilo seria a solução para os problemas atuais. Sua reputação só é manchada quando atira em um cachorro, o que choca a opinião pública. Mas logo todos esqueceram do episódio, e ele voltou com ainda mais força.

Classificado como comédia, o filme faz uma profunda crítica à ascensão de políticos conservadores em todo o mundo. Em determinado momento, o próprio Hitler conclui que o povo alemão é “um bom material de trabalho”.

Será que é isso que todos nós nos tornamos?

A tecnologia pode ser uma poderosa ferramenta de inclusão social para meninas

By | Educação | No Comments

A tecnologia também pode ser um poderosa ferramenta de inclusão social!

A organização sem fins lucrativos Women Who Code de Recife realiza um trabalho educacional inspirador para meninas a partir dos 10 anos de idade, usando a programação como meio para que mulheres desenvolvam habilidades e o gosto pela tecnologia. Além de abrirem uma ótima oportunidade profissional para elas, ajuda a equilibrar esse mercado de trabalho, que ainda é majoritariamente masculino.
Conheça seu trabalho e como participar, assistindo abaixo à minha entrevista com Andreza Alencar e Karina Machado, diretoras da ONG. Quer participar? Entre em contato com elas: womenwhocode.com/recife ou @WWCode_Recife


Reflexão: como destruir a verdade confundindo a mente das pessoas

By | Educação | No Comments

Guerra é paz.

Liberdade é escravidão.

Ignorância é força.

Acha que tem algo de errado nessas frases?

Elas decoram o Ministério da Verdade, um dos quatro do governo totalitário do Grande Irmão, presente no livro “1984”, de George Orwell (lançado em 1949), que aparece acima. Usei a imagem no meu vídeo dessa segunda, em que fiz uma análise sobre as novas formas de controle do cidadão por governos (veja em http://paulosilvestre.com.br/videodebate-o-governo-esta-de-olho-em-voce/).

Desde então, ela não sai da minha cabeça! O Big Brother manipulava todos pelo uso intenso de câmera, distorção do que as pessoas liam e do que elas aprendiam. O recurso da contradição, presente naquelas frases, é usado por Orwell em várias partes da obra para demonstrar como a própria percepção de realidade pode ser destruída nas pessoas.

Assim, o Ministério da Verdade manipulava as informações (fake news?), o Ministério da Paz cuidava da guerra, o Ministério da Fartura dizia que a economia ia bem, enquanto gerenciava a fome do povo, e o Ministério do Amor espionava e torturava a população.

Maquiavel lançou “O Príncipe” em 1532 como um guia para se chegar e se manter no poder. Você acha que “1984” está se tornando o livro de cabeceira de cada vez mais governantes atuais?

Videodebate: você educa seus filhos?

By | Educação | No Comments

Você se sente preparado para cuidar de toda a educação de seus filhos?

O ensino brasileiro pode estar prestes a passar por uma grande mudança. Mas ela não acontecerá nas escolas, e sim nas residências.

No dia 11, o Governo Federal apresentou um Projeto de Lei que regulamenta o chamado ensino domiciliar, e agora vai a votação no Congresso. Ele prevê que pais possam optar por não matricular os filhos na escola, se responsabilizando pela educação em casa.

Caso seja aprovado, não será uma obrigação, e sim uma opção, claro. E a imensa maioria dos pais deve continuar educando seus filhos com as escolas.

Mas me preocupa muito a simples possibilidades de algumas crianças serem privadas de uma educação adequada pelas crenças de seus pais. Isso provocaria um dano irreparável em sua formação, pois a escola é muito mais que apenas ensinar disciplinas. E as outras coisas não podem ser supridas em casa.

E você, o que pensa do ensino domiciliar? Veja o meu ponto de vista no vídeo abaixo, e depois vamos debater aqui.



Você protege seus filhos da Momo, mas quem protege você?

By | Educação | No Comments
Vídeo da Momo que vem circulando no WhatsApp – Foto: reprodução

De uns 10 dias pra cá, várias pessoas vieram me perguntar se eu conhecia a Momo, e como poderiam proteger seus filhos dela. Mais que uma nova praga digital, que estaria assustando as crianças, o ressurgimento da Momo traz um importante ensinamento: qual é o nosso papel em espalhar boatos potencialmente perigosos pelas redes sociais?

Para quem não sabe do que se trata, a Momo é uma boneca de aspecto fantasmagórico que estaria invadindo vídeos do YouTube Kids para assustar e convencer crianças a fazer coisas terríveis, como se cortar e até mesmo matar os próprios pais.

Escultura original da Momo

Acontece que a Momo não é nova. Ela surgiu no primeiro semestre do ano passado, como um meme criado a partir de uma escultura japonesa, que representava um personagem folclórico local (foto ao lado). De fato, logo surgiram animações e até aplicativos com o objetivo de assustar crianças.

A mania não durou muito tempo e já havia caído no esquecimento. Mas, como acontece de vez em quando nas redes sociais, ela reapareceu no começo desse ano, dessa vez no WhatsApp. A ironia é que agora o principal agente disseminador das animações macabras e do consequente pânico são os grupos de mães no aplicativo.

Essa segunda onda da Momo ganhou um novo componente. Dessa vez, a assombração digital estaria invadindo vídeos do YouTube Kids, dizendo para as crianças fazer os desafios macabros. Os vídeos que estão circulando no WhatsApp trazem trechos de programas infantis, como Peppa Pig, que são subitamente interrompidos pela Momo, para passar seus recados doentios.

Para piorar, alguns veículos da imprensa começaram a espalhar a “notícia”. Isso foi suficiente para criar um pânico que vem crescendo desde então, especialmente entre as mães.

Só que isso não passa de uma combinação de “fake news” com efeito manada. O problema é que o medo que se criou chegou a tal ponto, que começaram a pipocar casos de crianças que estão realmente se cortando por conta disso.

Como resolver esse problema?

O que você deve fazer

Primeiramente, vamos aos fatos. Sim, Momo existe mesmo, e aterroriza as crianças. Mas isso está muito mais associado à primeira onda, que aconteceu no ano passado.

Como ouvi de uma criança que entrevistei, “Momo é velha, e as mães estão atrasadas”. Tampouco há qualquer registro dos vídeos da Momo invadindo programas infantis no YouTube Kids. Esses vídeos que estão circulando em grupos do WhatsApp aparentemente foram criados exatamente para essa finalidade, e estão disseminando confusão nos grupos maternos.

Não quero dizer que vídeos da Momo, inclusive os que estão rondando pelo comunicador, não sejam encontrados no YouTube convencional. Mas as crianças não deveriam usar essa versão do produto.

E aqui chegamos no ponto do que cada um de nós pode fazer para melhorar essa situação.

Primeiramente devemos orientar nossos filhos sobre como consumir conteúdo online. Essa orientação envolve também monitorar as atividades das crianças nas redes sociais.

Alguns pais dizem não fazer isso, pois estariam invadindo a privacidade de seus filhos. Isso é muito bonito na teoria, mas não faz o menor sentido na prática, pois os pequenos ainda não têm desenvolvido o necessário discernimento para navegar livremente pela rede. Portanto, os adultos devem acompanhar, sim, tudo o que os pequenos fazem, inclusive conhecer todas as suas senhas e instalar programas de monitoramento.

Os pais também devem explicar, de uma maneira franca, os perigos que existem nas redes. E deixar sempre aberto o canal de comunicação com seus filhos, de uma maneira que eles se sintam protegidos, sem julgamentos e com confiança.

Mas o que nós, adultos, precisamos definitivamente aprender é parar de acreditar em qualquer coisa que vemos nas redes, e ficar espalhando isso por canais como o WhatsApp.

Essa nova onda da Momo me fez lembrar de outro jogo macabro que circulou pela Internet, em 2017: a Baleia Azul. Ele consistia de 50 tarefas que adolescentes recebiam de “curadores”, envolvendo coisas como automutilação, culminando no suicídio. Até hoje, há controvérsias sobre o jogo. Aparentemente, no início, não passava de um boato. Entretanto, diante da exposição que teve nas redes sociais e na mídia, ele acabou se “concretizando”, e vários casos de suicídio pelo mundo estariam associados à Baleia Azul.

Portanto, um canal aberto, franco e seguro com nossos filhos é essencial. Da mesma forma, devemos oferecer a eles todo o apoio e carinho que lhes pudermos brindar. E isso não tem nada a ver com a Momo ou a Baleia Azul: deve acontecer sempre!

Tão importante quanto tudo isso é aprendermos a desconfiar do que nos chega pelas redes sociais, especialmente o WhatsApp. Não podemos dar crédito a todo “hoax” e “fake news” que chega até nós, e muito menos passar isso adiante.

Caso contrário, as maiores vítimas da Momo não serão as crianças, e sim seus pais.

E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Reflexão: não podemos matar nossa integridade

By | Educação | No Comments

Existem filmes que ficam melhores a cada vez que vemos. “Perfume de Mulher” é um deles. Vi no cinema em 1992 e vibrei quando levou o Oscar de Melhor Ator (Al Pacino).

No sábado, eu o vi de novo. Continua incrível e hoje é mais que isso: ficou necessário!

Vejo as redes sociais crescentemente tomadas de pessoas vociferando conta tudo e contra todos, “protegidas” por um véu mágico do meu digital.

Bem, isso não existe! Seus nomes estão expostos, mas isso parece não importar. Porque ficou muito fácil destruir uma reputação, sem pensar nas consequências ou sequer que há uma pessoa sendo atacada. Os algoritmos lhes dão forças, ao agrupá-los em “bandos”. E, se algo der errado, sempre podem culpar os videogames…

O caminho fácil normalmente não é o certo. A comodidade oferecida pelos meios digitais não pode servir de pretexto para matar a integridade. Antes de agredir alguém, antes de prometer atalhos para “se dar bem”, antes de mentir, pense!

Se você não viu “Perfume de Mulher”, não assista o trecho abaixo: assista o filme todo agora! Tem na Netflix. Se você viu, veja o trecho e reveja o filme.

Todos nós queremos um Brasil melhor, certo? Vamos começar com integridade. Não só exigindo de nossos líderes, mas buscando isso em cada um de nós.



“O videogame causou o massacre de Suzano”: #SQN

By | Educação | No Comments
Flores são deixadas sob o nome dos alunos mortos, no muro da escola Professor Raul Brasil – Foto: reprodução

A quarta, 13 de março, foi dia de mais uma tragédia no país: o massacre na escola estadual Professor Raul Brasil, na cidade de Suzano, na Grande São Paulo. O que levaria dois jovens, ex-alunos da escola, a matar indiscriminadamente estudantes e funcionários, e depois se suicidar? Diante da dor que abalou o país, da perplexidade e da incompreensão, autoridades, ainda no local do atentado, sugeriram que a culpa poderia ser do videogame que os assassinos gostavam de jogar.

Mais que um comentário inconsequente e sem qualquer embasamento, essa afirmação pode desviar o olhar da população das reais causas, turvar as investigações e deixar o caminho aberto para que novos incidentes como esse aconteçam no futuro.

Não estou aqui defendendo o jogo, mesmo porque game não vai preso e é totalmente improvável que o fabricante seja, de alguma forma, responsabilizado por esse ou qualquer outro crime dessa natureza. Tampouco isso provocará queda nas suas vendas. Entretanto, em tempos de redes sociais e algoritmos de relevância, de “fake news”, de radicalização política e polarização ideológica, uma declaração como essa, ainda mais vinda de alguém com qualquer poder instituído, tem a capacidade de acender um rastilho de pólvora que não se sabe onde vai parar.

E o buraco é muito mais embaixo!

Pode ser, sim, que os dois assassinos jogassem um ou mais videogames violentos, inclusive os chamados “tiro em primeira pessoa”, em que o jogador incorpora um personagem que carrega um arsenal e, por diferentes motivos, atira em muita gente. Mas estudos científicos sérios demonstram que esses jogos não causam ou sequer incentivam assassinatos reais. Caso contrário, dada a popularidade desse tipo de jogo, viveríamos em uma sociedade de psicopatas, sendo impossível sair à rua. Pelo contrário, profissionais de psicologia explicam que esse tipo de criminoso é movido por outros problemas, muito mais profundos, que ele já carrega dentro de si, dissociados, portanto, dos games.

Por isso, quando uma autoridade sugere -e mais de uma fez isso ao longo do dia- que existe uma relação entre um videogame e o crime, cria-se, ainda que de maneira totalmente não-intencional, uma cortina de fumaça sobre o problema.

Voz oficial e voz das redes

Também ouvi, aqui e ali, que as redes sociais e a mídia teriam sua parcela de culpa, pois os assassinos teriam se inspirado em outros crimes do tipo, especialmente nos EUA.

Trata-se de um caso clássico de ignorar o problema e matar o mensageiro!

Mas as redes sociais têm um papel nefasto nessa história, sim: o de propagar as versões equivocadas acima. Esse tipo de coisa existe desde que a imprensa foi criada, com o “Acta Diurna”, o primeiro jornal conhecido, ideia do general romano Júlio César, em 69 a.C. Entretanto, se antes o poder de espalhar equívocos se resumia aos veículos de comunicação, hoje o Facebook sozinho tem 2,3 bilhões de potenciais propagadores de “fake news”, auxiliados pelo algoritmo de relevância, que joga na cara de cada um aquilo em que desejam acreditar, mesmo que seja a mais completa porcaria.

Um caso que é estudado até hoje em faculdades de Jornalismo e que ajuda a entender a gravidade desse problema é o da Escola Base, que ficava no bairro da Aclimação, em São Paulo. Em 1994, os donos da escola, uma professora e o motorista do transporte escolar foram acusados de abusar sexualmente de alunos de quatro anos. O delegado Edélcio Lemos, responsável pelo caso, antes de ter em mãos o laudo do IML, corroborou a hipótese para a imprensa, que deu amplo destaque a essa versão (justiça seja feita, exceto a TV Cultura e o finado Diário Popular, cujos editores não “engoliram” a história).

Resultado: a escola foi depredada, os acusados, apesar de posteriormente inocentados na Justiça, foram perseguidos e ameaçados de morte, desenvolveram uma série de doenças, foram obrigados a se mudar de cidade e morreram na miséria. Em resumo, tiveram sua vida destruída instantaneamente pela combinação da fala de uma autoridade e o poder da mídia de ampliar fatos. E tudo isso gratuitamente: ao sair o resultado das análises, conclui-se que as crianças nunca sofreram qualquer tipo de violência.

Tinham tido apenas diarreia.

Risco de explosão e de falta de solução

Isso foi em 1994! Portanto, quando não havia redes sociais ou smartphones.

Hoje a coisa pode ficar muito pior. Em maio de 2014, a dona de casa Fabiane Maria de Jesus foi espancada até a morte por dezenas de moradores do Guarujá, no litoral paulista. Ela havia sido confundida como alguém que supostamente sequestrava crianças para rituais de magia negra, a partir de um boato espalhado em uma página no Facebook, que trazia um retrato falado de uma mulher feito pela polícia no Rio de Janeiro 21 meses antes. Fabiane era totalmente inocente. Em 2017, quatro pessoas foram condenadas pelo crime.

É claro que queremos uma explicação para a barbárie cometida na escola Professor Raul Brasil, em Suzano. Não apenas para que os familiares e amigos das vítimas e a própria sociedade tenham alguma sensação de justiça, apesar de os assassinos terem se suicidado assim que a polícia chegou ao local. Mas também porque, caso as autoridades descubram os verdadeiros motivos que levaram os dois ex-alunos a cometerem esse ato tão hediondo, talvez a comunidade possa reunir esforços para evitar que outros casos semelhantes voltem a ocorrer, e não apenas em escolas. E fazendo isso de maneira preventiva, educativa e, se necessário, usando recursos de saúde pública.

O que não precisamos agora é de nos apressarmos para dizer qualquer coisa para satisfazer a sanha de alguns ou a busca de um motivo de outros. Os inocentes vitimados por essa tragédia não voltarão. Busquemos a serenidade para os corações de todos e para encontrar respostas corretas e soluções verdadeiras e duradouras.

E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.

Artigos relacionados: