Category Archives: Jornalismo

Coronavírus empurra profissionais para trabalhar em casa

By | Jornalismo | No Comments

Com o avanço do coronavírus, muitas empresas, inclusive no Brasil, estão incentivando pelo menos parte de seus funcionários a adotar o home office, ou seja, trabalhar em casa e não no escritório. O raciocínio é simples: se a pessoa fica mais em casa, diminui o risco de um eventual contágio entre colegas ou em ambientes externos, como no transporte público.

A tecnologia ajuda nessa tarefa. Internet mais rápida e barata, e sistemas de colaboração avançados permitem um trabalho remoto cada vez mais eficiente. Mas, para o home office dar certo, é preciso muito mais que isso: o profissional deve ter disciplina e estar adaptado a essa modalidade de trabalho, o ambiente na sua casa deve ser favorável a isso e a empresa também precisa estar pronta para sua implantação.


Saiba mais sobre esse assunto no vídeo abaixo:


Nesse domingo, a Itália decretou quarentena no norte do país, afetando inclusive as cidades de Milão e Veneza. Ninguém entra nem sai da região, que é a mais importante para a economia do país, a menos que estritamente necessário.

As pessoas não estão confinadas a suas casas, mas a recomendação é que saiam o mínimo possível. A medida afetou 16 milhões de pessoas, cerca de 30% da população italiana. É a mais extrema tomada fora da China, país onde tudo começou e que concentra 73% dos casos no mundo.

E se amanhã a sua empresa chegasse para você e dissesse: “de agora em diante, você vai trabalhar de casa!” O que você acharia disso?

A verdade é que para que um home office funcione, ele precisa que a empresa, o seu ambiente e você mesmo estejam alinhados com essa proposta.

Tem gente que simplesmente não consegue trabalhar em casa! O home office exige uma certa disciplina. Alguns se esquecem que aquilo é trabalho, só porque estão em casa, e fazem tudo sem comprometimento.

Como qualquer trabalho, o home office deve ter hora para começar e para terminar. Deve ser feito com afinco e seriedade. E em caráter contínuo. Claro que algumas pausas podem -e devem- ser feitas. Assim como acontece no escritório. Mas isso não quer dizer parar o trabalho para ir ao cinema no meio do expediente.

Por outro lado, também é importante sair de casa de vez em quando. De preferência uma vez ao dia. Ver gente é importante! Escolha uma parte do trabalho que possa ser feita, por exemplo, em um café. Uma boa dica é fazer reuniões com clientes presencialmente, fora de casa, que pode ser até no café ou na empresa dele.

Outra grande dica é você se arrumar para o home office. Exatamente como se estivesse indo ao escritório. Nada de ficar trabalhando de pijama! Quando você se veste adequadamente para o home office, você passa uma mensagem ao seu cérebro que você entrou no “modo de trabalho”. E isso faz uma enorme diferença!

Outro item fundamental nessa disciplina é que você deve ter também a hora de parar! Muita gente simplesmente não para de trabalhar. Na verdade, esse comportamento bizarro se observa cada vez mais também nos escritórios, especialmente entre os mais jovens. Não pode! O corpo e a mente precisam de descanso.

O segundo item se refere ao seu ambiente de trabalho em casa.

Primeira coisa: nada de trabalhar na cama! Isso é imperdoável!

Você deve ter um local na casa em que você possa associar ao trabalho. Um lugar só seu, em que você encontra tudo que precisa para realizar suas tarefas. Tem que ser confortável, pois você passará muitas horas ali.

Esse lugar deve ser também livre de distrações. Cuidado com coisas como música e TV. Procure deixar tudo desligado, a menos que precise disso para o desempenho de suas funções.

Evite também interrupções de outras pessoas da casa, especialmente crianças. E até de animais de estimação. Crie um mecanismo para se “blindar” dessas interferências. O ideal seria ter um cômodo dedicado ao home office, onde possa fechar a porta. Tendo isso ou não, combine com as outras pessoas da casa que, no horário de trabalho, você só deve ser interrompido se for absolutamente necessário.

Naturalmente, você também tem que fazer pausas para as refeições durante o home office. Além do almoço, tenha à disposição alguma coisinha para beber ou mastigar de vez em quando, especialmente nos momentos de tensão, que eventualmente aparecem. Mas escolha opções saudáveis!

Por fim, a sua empresa também precisa contribuir para o sucesso do home office de seus funcionários. Primeiramente, ela deve acreditar nessa modalidade de trabalho e querer fazer isso de verdade. Deve ter processos para garantir o sucesso do home office, como garantir a dinâmica do trabalho e que seus funcionários tenham tudo necessário para realizar bem suas funções.

Naturalmente, deve existir apoio da chefia. Claro que a performance deve ser cobrada, de maneira natural e sem diferenciação. O home office não pode ser encarado como um “trabalho de segunda categoria” e nem como um “benefício indevido”, que depois será cobrado do funcionário.

E uma coisa muito importante: seus colegas não podem se “esquecer” de você. E nem você deles! Quando não estamos no escritório, inevitavelmente perdemos informações que chegariam pelo simples burburinho do ambiente. E até a intimidade e confiança pode diminuir pela distância. Use bem os recursos de comunicação para se fazer presente, até mesmo nos momentos informais. E encontre-se com seus colegas quando puder.

O home office pode ser bem bacana e produtivo, seja por causa do coronavírus ou não.

É só fazer direito!

A busca pela verdade

By | Jornalismo | No Comments

Como você se informa? Será que a fonte é confiável ou você está sendo enrolado?

A verdade é essencial para a manutenção da vida e para que possamos nos desenvolver como pessoas e como profissionais. Entretanto, muitas pessoas preferem encontrar mentiras confortáveis para pautar suas decisões.

A busca pela verdade passa pela escolha de nossas fontes de informação. Estudo da Universidade de Oxford (Reino Unido) e do Reuters Institute for the Study of Journalism indica que o brasileiro é o povo que mais se preocupa com as “fake news” no mundo (85%). Paradoxalmente, é um dos que mais se “informa” com fontes pouco confiáveis, como WhatsApp e Facebook (53%). O estudo também indica que a imprensa é a fonte preferida por pessoas com mais escolaridade e em ambientes menos polarizados política ou ideologicamente.

E isso faz todo o sentido! Em países com governos autoritários, como os Estados Unidos, a Venezuela e o Brasil, a imprensa vem sendo fortemente combatida e desacreditada pelos governantes, que querem terreno livre para fazer o que bem entenderem. Claro: uma das principais funções da imprensa é justamente fiscalizar desmandos dos poderosos.

Muitos podem argumentar que a imprensa não é confiável, por ser falha e até “vendida”. Não se pode generalizar! É verdade que algumas empresas de comunicação fazem um mau trabalho, deixando de servir o público. Mas essas estão quebrando! Em contrapartida, há muitos veículos que buscam a verdade com apurações bem feitas, com ética e com seriedade. Esses representam ótimos caminhos para quem busca a verdade.

Veja no meu vídeo abaixo como identificar fontes confiáveis que podem ajudar você a também buscar a verdade. E depois compartilhe conosco nos comentários suas percepções sobre esse cenário em que vivemos.



Assista ao meu vídeo da semana passada, que explica tudo sobre “deep fake” a tecnologia que está se popularizando e permite a criação de vídeos absolutamente convincentes com pessoas fazendo e falando coisas que nunca fizeram. A tecnologia é impressionante, mas cria uma série de preocupações éticas: https://www.linkedin.com/posts/paulosilvestre_deepfake-fakenews-fraude-activity-6619912426118750209-Qg6Y

Veja o resumo do “Digital News Report 2019”, feito pelo Media Lab Estadão. O estudo é realizado anualmente pela Universidade de Oxford e pelo Reuters Institute for the Study of Journalism, sobre o consumo de notícias digitais nos principais países: https://on24static.akamaized.net/event/20/39/69/5/rt/1/documents/resourceList1562351951904/ebookv61562351865480.pdf

Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Você pode me encontrar no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Basta procurar no seu player preferido por “Macaco Elétrico” e clicar no botão “seguir” ou clicar no ícone do coração. Se preferir, clique nos links a seguir:

Jesus Cristo (Gregório Duvivier) e seu amigo gay (Fábio Porchat), na sátira “A Primeira Tentação de Cristo”, do Porta dos Fundos - Foto: reprodução

Marchamos firmemente para o inferno

By | Jornalismo | No Comments

Nunca pensei que escreveria um artigo como esse apenas um dia após o Natal, mas acontecimentos recentes exigem um posicionamento rápido e enérgico.

Em pleno dia de Natal, começou a circular no WhatsApp e no YouTube um vídeo do autointitulado “Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Família Integralista Brasileira”, em que se vê integrantes do grupo atirando três bombas incendiárias caseiras contra a sede da produtora do humorístico Porta dos Fundos, no bairro de Humaitá, no Rio de Janeiro. Segundo a polícia, que o comparou com imagens de câmeras de segurança, ele é autêntico.

O atentado terrorista aconteceu na madrugada do dia 24. Felizmente não houve vítimas, e o incêndio foi controlado por um segurança do local.



Os criminosos afirmam em seu vídeo que o ataque é uma represália ao filme “A Primeira Tentação de Cristo”, produzido pelo Porta dos Fundos e disponível na Netflix desde o dia 3 de dezembro. Na sátira de 46 minutos, Jesus Cristo, interpretado por Gregório Duvivier, volta do jejum de 40 dias no deserto com um amigo, vivido por Fábio Porchat, com quem viveria um romance gay.

A 10ª DP (Botafogo) investiga o caso como crime de explosão, que pode ainda ser enquadrado na Lei Antiterror, por usar explosivo “por razões de xenofobia, discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião” com o objetivo de “provocar terror social”.

A Frente Integralista Brasileira divulgou nota em seu site negando qualquer vínculo com os criminosos, e afirmando que integralistas não usam máscaras em suas ações.

Surge então a pergunta: quem são essas pessoas e por que fazem isso?

Tempos de intolerância

Quando li a primeira notícia sobre o atentado terrorista pensei imediatamente: “je suis Charlie”. A frase surgiu em 2015, após o atentado ocorrido no dia 7 de janeiro daquele ano contra a sede da revista semanal satírica francesa Charlie Hebdo: fundamentalistas islâmicos atiraram com fuzis contra a equipe e policiais, matando 12 pessoas e ferindo gravemente outras cinco.

O crime foi uma nova retaliação contra a edição de 2 de novembro de 2011, que apresentava, na capa, uma charge do profeta Maomé como redator-chefe, dizendo “100 chicotadas se você não morrer de rir”. Antes desse fatídico ataque, a revista havia sido atacada com uma bomba incendiária, no mesmo mês da edição acima.

Estamos caminhando para isso aqui no Brasil? Possivelmente!

Surgido ainda na Antiguidade, o humor, por vezes, atua no limite dos costumes e pode flertar perigosamente com temas delicados. Nem por isso deve ser censurado e muito menos humoristas devem ser atacados.

Tenho amigos que se sentiram ofendidos e tenho amigos que riram muito com o filme do Porta dos Fundos. Mas obviamente os primeiros nunca cogitaram um ataque à empresa ou aos humoristas, pois são pessoas decentes e inteligentes, e sabem que um ataque como esse contrariaria a própria fé. Até onde sei, nenhum deles sequer utilizou um instrumento socialmente legítimo para isso, que é recorrer à Justiça. Entenderam que fazer campanha contra o filme em seus círculos pessoais seria o suficiente.

Houve, sim, um abaixo-assinado online pedindo a retirada da produção da Netflix. E, no dia 19, a Justiça do Rio negou liminar a um pedido semelhante. A decisão foi tomada por não haver motivos legais para isso e que isso configuraria “inequivocamente censura decretada pelo Poder Judiciário”.

Esse é o caminho que deve ser seguido por uma sociedade organizada e evoluída.

Vale lembrar que algumas das ditaduras mais sanguinárias da história começaram conquistando apoio popular ao defender uma suposta “moral e bons costumes”. Algumas dessas ditaduras foram eleitas democraticamente, outras chegaram ao poder com golpes de Estado. Impossível não pensar na ascensão do nazismo de Hitler, ou do socialismo soviético consolidado com Stalin, que se apoiaram no povo para fazer valer seu ponto de vista. E quem pensasse de maneira diferente era preso ou, de preferência, morto.

A Justiça deve combater exemplarmente esse tipo de crime, especialmente em um momento em que diferentes governos conservadores incentivam ações extremistas contra tudo e todos que se posicionem contra seus interesses. Eles ganham força pela manipulação de grandes massas populares, que inocentemente acreditam estar defendendo valores nobres.

A imprensa vem sendo atacada sistematicamente, em especial quando faz bem seu trabalho essencial de fiscalizar o governo. Cientistas são desacreditados por demonstrar, de maneira irrefutável, temas que contrariam os interesses de poderosos. Professores são perseguidos e agredidos por grupos conservadores por questões ideológicas. E até as artes são atacadas por aqueles que se acham no direito de julgar e punir sob a sua própria visão distorcida do mundo.

É exatamente o mesmo mecanismo criado pelos nazistas. Por isso, tenho medo de que, muito em breve, assistamos a pessoas literalmente queimando “livros subversivos” ou “arte degenerada” em praça pública.

Quando isso acontecer, aí sim teremos chegado ao inferno.


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Super-herói precisa de Facebook?

By | Jornalismo | No Comments

Essa é para rir! Mas também podemos aprender algo.

Super-herói precisa de Facebook?

Joinville agora tem seu herói: o Escudo Negro! Ele se anunciou em um perfil na rede do Zuckerberg há alguns dias, com um post com vários erros grosseiros, como dizer que vai “atrás de maus feitores, criminosos, usuários, etc” e que seu “Rob é lutar contra o crime”.

Depois de ganhar notoriedade local, com cerca de 1.500 compartilhamentos e até vários usuários (eita!) se oferecendo como ajudante, o perfil saiu do ar. Ninguém sabe quem é o Escudo Negro, se ele continua na ativa ou se a repentina fama estragou seus planos.

Mas, quando soube dele, a primeira coisa que pensei é por que um herói precisaria de uma rede social. Alguém já imaginou o Batman no Twitter ou o Homem-Aranha no Instagram?

Não se sabe se foi uma brincadeira, ou golpe publicitário ou só um maluco, mas muita gente hoje vive em busca de exposição, para suprir diferentes carências. As redes sociais são ótimas para isso, mas alguns exageram na dose, e usam inadequadamente o recurso. E assim acabam matando uma boa ideia (não parece ser o caso aqui).

Aguardo agora o perfil do Escudo Negro no LinkedIn. Que título ele se dará? Senior Night Law Enforcer? 😉

Você confiaria a sua vida a um super app?

By | Jornalismo | No Comments

Caminhamos a passos largos para um momento em que a Siri, dos iPhones, e o Google Assistente, dos Androids, serão substituídos por sistemas muito mais poderosos, que saberão quase tudo sobre nós, e serão capazes de tomar decisões complexas e até negociar valores em nosso nome. Nesse futuro próximo, a nova geração de assistentes virtuais evoluirá a partir dos atuais “super apps” (como o WeChat), acrescentando uma grande dose de inteligência artificial, análises preditivas, linguagem natural, big data.

Parece muito bacana -e é! Mas esses sistemas levantam algumas questões éticas e comerciais. Com tanto poder concentrado, eles serão capazes de impactar fortemente a “jornada do cliente”, até mesmo determinando o que consumiremos e como.

E aí a coisa fica complicada.

Diante disso, que garantia teremos que esses sistemas sempre tomarão as melhores decisões para nós, e não para atender interesses ocultos de seus fabricantes ou de seus parceiros comerciais? Entretanto, se não confiarmos nas assistentes, a sua “mágica” desaparece.

Para completar, em agosto do ano que vem, a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) começa a valer. Ela disciplinará não apenas a coleta de nossas informações, como também o uso que será feito delas, determinando que tudo deve ser explicitamente autorizado pelo usuário antes. Como esses sistemas, que se esbaldarão e cruzarão nossas informações mais íntimas, serão impactadas pela lei?

Uma coisa é certa: o futuro é inevitável! Quando esses sistemas estiverem disponíveis, daqui uns três anos, devem ser rapidamente adotados. Veja no meu vídeo abaixo o que você precisa saber para aproveitar bem novidades assim. E depois compartilhe conosco suas percepções nos comentários.



Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Você pode me encontrar no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Basta procurar no seu player preferido por “Macaco Elétrico” e clicar no botão “seguir” ou clicar no ícone do coração. Se preferir, clique nos links a seguir:

Spotify: https://open.spotify.com/show/5qusvjLXpXtkV0urqvWaKA

Deezer: https://www.deezer.com/br/show/383802

Soundcloud: https://soundcloud.com/macacoeletrico

Se quiser usar seu aplicativo de podcast preferido, cadastre nele o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Diversidade importa!

By | Jornalismo | No Comments

Como anda a diversidade na sua vida?

No seu trabalho e entre seus amigos, há pessoas de diferentes etnias, gêneros, orientações sexuais, idades, classes sociais? Se tiver pouco, sugiro que amplie isso.

Diversidade não é só uma moda, e não deve ser usada de maneira displicente. Se todos os inegáveis benefícios sociais já não fossem suficientes para todos terem um olhar sério e amplo sobre o tema, nos cercarmos com pessoas (muito) diferentes de nós nos ensina a sermos pessoas melhores, a resolvermos problemas mais complexos, a identificar oportunidades de todos os tipos.

Quando trazemos isso para os negócios, equipes diversas tornam nossos produtos muito mais competitivos por um motivo muito simples: nossos clientes também são diversos. Se tivermos apena um tipo de pessoa em casa, jamais seremos capazes de atender todo esse espectro.

No fim da tarde desta quarta, tive uma inspiradora conversa com Judith Michelle Williams, líder global de sustentabilidade de pessoas, e principal executiva de diversidade e inclusão da SAP. Confira no vídeo abaixo!

Conte suas experiências com diversidade nos comentários.



Se o conteúdo é rei, o contexto é deus!

By | Jornalismo | No Comments

Você já deve ter lido nas redes sociais que “o conteúdo é rei”, e que ele pode ajudar você a promover o seu negócio, qualquer que seja.

Será mesmo?

Não há dúvida da eficiência de um bom conteúdo nesse papel. Artigos, vídeos e posts roubam o espaço da publicidade convencional na atenção das pessoas, que agora compram de marcas com as quais se identificam e que veem como autoridade no segmento.

Entretanto nem o conteúdo mais bem escrito atingirá esse objetivo se não atender necessidades reais do público. Para isso, é preciso se aventurar em um mundo de gráficos e tabelas, para descobrir esses desejos e adequar a produção. Se o conteúdo é rei, o contexto é deus!

Sem isso, todo o investimento de marketing pode dar em nada. Felizmente o meio digital oferece algumas ferramentas poderosíssimas e gratuitas para identificar essas necessidades de seu público. Com elas, mesmo um pequeno empreendedor pode traçar o caminho até a mente e o coração de seus clientes, e falar com eles de maneira assertiva.

Veja como fazer isso no meu vídeo abaixo. E depois compartilhe conosco as experiências com seu público nessa nova forma de relacionamento.



Saiba mais sobre jornalismo de dados e como você pode “perguntar aos números” sobre informações valiosas, participando do curso online gratuito da Universidade do Texas, que eu menciono no vídeo. Os detalhes estão em https://knightcenter.utexas.edu/pt-br/00-21046-novo-curso-do-centro-knight-ensina-como-entrevistar-dados-para-reportagens-investigativas-i

Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Videodebate: o que o fim dos “likes” no Instagram realmente representa?

By | Jornalismo | No Comments

Você acha que o nível do conteúdo nas redes sociais está muito baixo? Você não está sozinho!

Uma mudança no Instagram aparentemente inócua pode ajudar nisso: desde a semana passada, a plataforma deixou de exibir a quantidade de curtidas que cada foto tem. Com isso, a expectativa é que os usuários apelem menos para fórmulas fáceis para conseguir audiência, os “caça-cliques”, publicando conteúdo que crie um debate de mais alto nível e melhorando da experiência como um todo.

A novidade também pode diminuir a ansiedade e a depressão que algumas pessoas sentem associadas ao meio digital. Acha exagero? Também na semana passada, uma blogueira se suicidou por não suportar a pressão de “haters” nas redes sociais, por ter publicado seu “casamento consigo mesma”.

Alguns podem achar um desproporcional, mas o ato de “curtir” qualquer coisa se disseminou por nossa vida, muito além das redes sociais. E, em alguns casos, isso perdeu seu propósito. Por isso, tal mudança no Instagram pode ajudar a reduzir essas distorções.

No vídeo abaixo, eu explico como isso impacta a sua vida, mesmo que você nem use o Instagram. Veja e depois vamos debater aqui.



Leia o meu artigo sobre a depressão no meio digital, mencionado no artigo: http://paulosilvestre.com.br/a-maldicao-do-influenciador-deprimido-e-o-que-faz-um-influenciador-dar-certo/

Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Videodebate – Netflix ou notícia: quem você escolhe?

By | Jornalismo | No Comments

VOCÊ É RELEVANTE para seu público?

Estudo do Reuters Institute for the Study of Journalism demonstrou que não basta mais ser ótimo no que se faz: precisamos tocar a vida das pessoas como elas esperam. Sem isso, nosso público pode não perceber o valor do produto, e uma grande ideia vai por água abaixo. E estou cansado de ver bons negócios quebrando e excelentes profissionais sendo demitidos por isso.

Apesar de o estudo se focar em jornalismo, suas conclusões podem ser facilmente extrapoladas para outros mercados. E uma delas demonstra que hoje não concorremos apenas com quem faz o mesmo que nós, e sim com qualquer empresa que dispute os mesmos reais dos consumidores, até com negócios muito diferentes dos nossos.

O mar não está para peixinho! Nunca foi tão importante conhecer bem o público: seus desejos, seus receios, suas carências, sua linguagem. Porque, sim, temos que buscar a excelência no nosso produto, mas temos que ser eficientes para que nossos clientes o percebam e entendam.

Assista ao meu vídeo abaixo para entender como fazer isso! E depois conte para nós aqui as suas experiências ao se relacionar com seu público.



  • Para assistir à integra em vídeo do debate no Estadão e baixar o excelente e-book produzido pelo Media Lab Estadão, inscreva-se gratuitamente aqui.
  • O relatório completo do Reuters Institute está disponível para download gratuito.
  • Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Videodebate: Google, me esquece!

By | Jornalismo | No Comments

Você se preocupa com o Google, o Facebook, a Apple, e muitas outras empresas monitorando tudo que você faz online? Tem toda razão: elas sabem mesmo muito sobre nós!

Agora você pode pedir que o Google automaticamente apague tudo que sabe sobre você depois de um tempo. Simples e indolor!

Bacana, né? Mas será que isso faz diferença?

Queremos que nossa privacidade seja preservada, mas não queremos abrir mão das coisas boas que os meios digitais nos oferecem “de graça”, justamente por nos conhecer tão bem.

Então o que é mais importante para você? Sua privacidade ou os benefícios digitais? Ficou em dúvida? Então assista ao meu vídeo abaixo para entender isso melhor. E depois conte o que acha aqui nos comentários.



NOVIDADE: quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Videodebate: como calar um jornalista no Brasil

By | Jornalismo | No Comments

Quer saber como destruir um país? Destrua sua imprensa primeiro!

Ou você acha que ela não passa de um bando de “vendidos”, que só pensam em seus interesses?

Nesses tempos sombrios, em que a intolerância destrói relacionamentos de longa data e a verdade foi trocada pela versão, a imprensa nunca foi tão importante! Ironicamente, nunca esteve tão ameaçada! E isso afeta todos nós!

Na semana passada, por exemplo, dois veículos foram censurados pelo STF. Na mesma semana, a organização Repórteres sem Fronteiras publicou seu Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa. O Brasil amarga uma vergonhosa 105ª posição, entre 180 países.

Noruega, Finlândia e Suécia são os com mais liberdade de imprensa. Sugestivamente, também encabeçam as listas dos países com melhor qualidade de vida, melhor educação e com as pessoas mais felizes do mundo.

Não é coincidência! Tudo está intimamente ligado!

Todos nós temos um papel essencial para melhorar a péssima situação em que o Brasil se encontra nesses indicadores. Sabe como? Veja no meu vídeo abaixo. E depois vamos debater aqui nos comentários.



Reflexão: o que faz uma marca ser relevante?

By | Jornalismo | No Comments

Quais são as marcas que você ama? Como elas influenciam sua vida, o que você compra, seu trabalho, sua diversão, como estuda, fala?
As empresas se tornam mais relevantes ou ficam obscuras com incrível velocidade. E o segredo para chegar -e ficar (o que é ainda mais difícil)- no alto passa por estar totalmente ligado aos valores do consumidor.
Grande desafio, pois esse indivíduo está mudando cada vez mais rapidamente, e ficando mais e mais exigente.
Estou no evento da Ipsos Brasil, em que foram anunciadas as marcas mais influentes do Brasil, vistas na imagem acima. Elas se saem muito bem nesse entendimento e relacionamento com seu público, nas cinco dimensões adotadas na pesquisa: liderança e inovação, confiança, presença, responsabilidade social e engajamento.
Para o brasileiro, as duas primeiras são as mais importantes, ainda mais que para os consumidores de outros países.
Como a sua empresa se posiciona nesses temas? Vou mais longe: como está sua carreira nisso?

Por que você não pode deixar a verdade ser apenas um ponto de vista

By | Jornalismo | No Comments
Darth Sidious, o imperador da saga Star Wars, que chegou ao poder após enganar e manipular aliados e inimigos – Foto: reprodução

Darth Sidious, o imperador da saga Star Wars, que chegou ao poder após enganar e manipular aliados e inimigos

Não sei quanto a você, mas ando muito preocupado com o comportamento das pessoas nas redes sociais, mesmo no LinkedIn, onde o nível médio das discussões sempre foi mais alto! Vejo agressões mútuas por divergências de qualquer natureza, muitas vezes gratuitamente e de maneira desproporcional. Além do ódio injustificado, o grande problema disso é que um espaço que deveria servir para melhorar relacionamentos, fazer negócios e realizar trocas de qualidade vira uma arena destrutiva.

Temos que sair dessa irracionalidade, pelo bem de cada um e de toda a sociedade. Mas como para fazer isso?

Antes de responder, gostaria de esclarecer antecipadamente, até mesmo pelo exposto acima, que esse não é um artigo de cunho político, que não pretendo defender ou atacar qualquer lado de qualquer assunto. Mesmo porque entendo que, quando a discussão chega a esse nível rasteiro, não há mais lado “certo” ou “errado”.

A essência dessa enorme confusão é que ultimamente qualquer versão vale mais que a verdade. É assustador, mas observo, cada vez mais, as pessoas tapando completamente os olhos diante de fatos inegáveis, documentados, escancarados, para continuar acreditando no que lhe convém. O fanatismo das torcidas organizadas de futebol parece ter se espalhado para outras paixões, particularmente a política, carregando suas piores características: a cegueira ideológica e o efeito manada. Por isso, estão dispostos a matar em nome do time (que nunca pediu isso)!

Esse incômodo vem crescendo em mim há mais de um ano. Mas nesta terça, resolvi escrever esse artigo, enquanto assistia pela enésima vez o Episósio III de Star Wars, o sombrio “A Vingança dos Sith”. Percebi que nossa realidade se assemelha muito à trama conduzida pelo personagem Palpatine/Darth Sidious. O senador do planeta Naboo avança politicamente pelos anos, enganado e matando, sempre com um véu de legalidade, até o ponto de criar uma guerra interplanetária para seu benefício. Com sua habilidade de sedução e engodo, consegue apoio de todos até atingir seu objetivo de eliminar (literalmente) seus inimigos e se tornar imperador.

Vale aqui uma nota pessoal: sou fã da saga espacial criada por George Lucas, que é carregada de simbolismos. Costumo usar muitos deles como aprendizado para o cotidiano.

No momento preciso, Palpatine se autoproclama imperador da galáxia, ovacionado pelos senadores. Poucos perceberam a obviedade de que algo ali estava muito errado, entre eles a senadora Padmé Amidala, sentenciando: “então é assim que a liberdade morre, com um aplauso ensurdecedor”.

Qual a semelhança com o que vivemos hoje?

 

Precisamos acreditar em algo

Políticos e outras grandes lideranças manipulam as massas desde sempre para atingir seus objetivos. Já tivemos vários casos na história que, assim como Palpatine, criaram guerras, ao custo de milhões de vidas, apenas para ampliar seu poder.

Mas é a primeira vez que as redes sociais são usadas como instrumento de manipulação. E o resultado tem sido devastadoramente eficiente. Nelas, tudo acontece de maneira mais intensa e mais rapidamente, mesmo a transformação de mentiras em verdades. Isso ganhou até um nome bonito: “fake news”.

A ironia é que nós precisamos acreditar em algo. Faz parte da nossa natureza humana. O aclamado historiador israelense Yuval Noah Harari disse, em seu livro “21 Lições para o Século 21”, lançado no ano passado, que “desde a era da pedra, mitos foram reforçados a serviço da união da coletividade humana. Realmente o Homo sapiens conquistou esse planeta graças, sobretudo à habilidade humana única de criar e disseminar ficções.”

Mas tudo tem limite! Se houver um “desequilíbrio na Força”, essa habilidade essencial passa a fazer com que as pessoas deixem de colaborar entre si, para reforçar seus preconceitos. E é exatamente isso que temos agora.

Não podemos perder a capacidade de dialogar, e isso inclui com as pessoas que não pensam como nós. Aliás, de certa forma, quando nos confrontamos com as diferenças, é quando mais crescemos, pois nos permitimos ver o mundo por outra ótica.

A imprensa desempenha um papel essencial no processo do diálogo, por isso se busca domesticá-la ultimamente. Nenhum espanto até aí: quanto mais totalitário um regime, mais os veículos de comunicação sofrem, até o ponto de serem controlados e colocados em favor da “causa”.

Uma das principais funções da imprensa, crítica para o desenvolvimento de qualquer sociedade, é justamente fiscalizar um governo. Isso não quer dizer persegui-lo, mas certamente inclui apontar tudo que estiver errado ou for suspeito. Por isso, vejo aterrorizado uma quantidade imensa e barulhenta de pessoas, influenciadas por grupos ideológicos de todos os matizes, desqualificando os veículos e agredindo (até mesmo fisicamente) jornalistas.

É verdade que há casos inaceitáveis de notícias propositalmente enviesadas, e veículos e profissionais que se prestam deliberadamente a esse antijornalismo. Isso é lamentável, até mesmo porque oferecem munição para os que querem alvejar a imprensa toda. Portanto, se a seriedade e o equilíbrio sempre foram essenciais para essa profissão, agora ficaram ainda mais indispensáveis, para a manutenção da credibilidade, seu valor mais precioso. Precisamos de jornalismo de alta qualidade!

O mais absurdo dessa história é que o mesmo veículo ou profissional é “acusado” de ser “de direita” ou “de esquerda” (como se posicionamento político fosse um crime), de acordo com o que noticia e do agressor. Ou seja, se o fato desagrada grupos conservadores, são taxados “mentirosos de esquerda”; se forem problemas de grupos liberais, são “mentirosos da direita”.

Obviamente essa equação não fecha.

 

Como escapar dessa armadilha

Se antes a construção dessas mentiras levava anos, graças à manipulação das pessoas pelas redes sociais, isso agora pode ser feito em poucas semanas. De fato, escrevi, em maio do ano passado (portanto muito antes de o resultados das eleições se delinear), que o presidente atual seria eleito em um “videogame”. E foi exatamente isso que aconteceu.

As “fake news profissionais” estão longe de se apenas boataria. Seus produtores sabem como usar as redes sociais para coletar dados dos usuários e identificar seus desejos e seus medos. Dessa forma, não apenas produzem seu material para atender a isso tudo, como “plantam” esse material diretamente naqueles que gostariam que aquilo fosse verdade. E, diante disso, essas pessoas “compram a ideia” facilmente, espalhando-a com força. A partir daí, as infames “bolhas” das rede sociais fazem o trabalho sujo. Exatamente como aconteceu no escândalo Facebook – Cambridge Analytica.

Ou seja, o elo fraco dessa nefasta corrente manipuladora somos nós mesmo, que queremos acreditar na mentira, porque ela nos convém de alguma maneira. E, graças às “bolhas”, que nos colocam em contato com uma multidão de pessoas que pensam da mesma forma, a mentira parece cada vez mais verdadeira.

Esse é o ponto onde estamos.

Portanto, a única maneira de tirarmos essas vendas que nos cegam e colocam familiares, amigos, colegas e desconhecidos em rota de colisão frontal é desconfiar até daquilo que queremos. Como diz o ditado, “quando a esmola é grande, até o santo duvida”. E os santos têm andado muito, muito generosos ultimamente.

Outro personagem-chave de Star Wars, o mestre jedi Obi-Wan Kenobi, disse ao então aprendiz Luke Skywalker que “muitas das verdades a que nos apegamos dependem muito do nosso próprio ponto de vista.” Esse ensinamento aparece no filme “O Retorno de Jedi”, de 1983. Hoje, 36 anos depois, ele nunca foi tão verdadeiro.

Saia de sua zona de conforto! Aprenda com o outro! Não acredite nas obviedades que lhe dizem! Isso pode salvar você do Lado Negro da Força. E torná-lo um cidadão melhor.


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Reflexão: que seu legado inspire o bom jornalismo

By | Jornalismo | No Comments

Estou profundamente entristecido com a morte do jornalista Ricardo Boechat, vítima de um acidente de helicóptero nesta segunda, por volta da hora do almoço.

Mais que um colega de profissão, Boechat era um dos melhores jornalistas do país, alguém que realizava “o melhor ofício do mundo” com ética e responsabilidade.

Em um tempo em que grupos políticos de diferentes vertentes se esforçam para desacreditar o jornalismo e seus profissionais, para que possam praticar seus desmandos sem oposição qualificada, espero que o legado de Boechat inspire novos e velhos jornalistas. Que realizem seu trabalho com a mesma seriedade dele, resistindo a essas pressões nefastas, defendendo a verdadeira democracia e buscando sempre a verdade, independentemente de viés político, ideológico ou econômico.

Reflexão: como era difícil fazer jornalismo! E hoje?

By | Jornalismo, Tecnologia | No Comments

Recebi esse vídeo da amiga Solange Villela. É, no mínimo, muito curioso! Mostra como o Estadão era produzido em 1935, um processo industrial intrincadamente fascinante, de um mundo que não existe mais. Vale a pena assistir!

O Estadão era o maior jornal do país, com a tecnologia mais moderna. O papel era o jeito mais eficiente de distribuir muita informação, uma verdade que perdurou até a virada do século.

O jornalismo digital surgiu em 1994 (eu estava lá, “cortando o cybermato”). De repetente, tudo podia ser feito melhor, mais barato e mais rápido. E a coisa explodiu com a popularização dos smartphones: além de ficar muito mais fácil qualquer um consumir conteúdo, também ficou para produzir.

Em 2011, quanto era gerente de produtos digitais do mesmo Estadão, calculei, de todos os gastos do jornal, quanto se referia à produção de notícia. Resultado: apenas 21%! Os outros 79% se referiam à gráfica, à infraestrutura predial e ao transporte.

Hoje o impresso ainda existe, muito mais barato e automatizado. Mas continua caro e ineficiente. O único problema do digital é que, por ser muito simples e muito barato, qualquer um pode publicar uma grande barbaridade e uma multidão acreditar. As “fake news” estão asfixiando o bom jornalismo. E, com ele, a democracia.