suicídio

Você protege seus filhos da Momo, mas quem protege você?

By | Educação | No Comments
Vídeo da Momo que vem circulando no WhatsApp – Foto: reprodução

De uns 10 dias pra cá, várias pessoas vieram me perguntar se eu conhecia a Momo, e como poderiam proteger seus filhos dela. Mais que uma nova praga digital, que estaria assustando as crianças, o ressurgimento da Momo traz um importante ensinamento: qual é o nosso papel em espalhar boatos potencialmente perigosos pelas redes sociais?

Para quem não sabe do que se trata, a Momo é uma boneca de aspecto fantasmagórico que estaria invadindo vídeos do YouTube Kids para assustar e convencer crianças a fazer coisas terríveis, como se cortar e até mesmo matar os próprios pais.

Escultura original da Momo

Acontece que a Momo não é nova. Ela surgiu no primeiro semestre do ano passado, como um meme criado a partir de uma escultura japonesa, que representava um personagem folclórico local (foto ao lado). De fato, logo surgiram animações e até aplicativos com o objetivo de assustar crianças.

A mania não durou muito tempo e já havia caído no esquecimento. Mas, como acontece de vez em quando nas redes sociais, ela reapareceu no começo desse ano, dessa vez no WhatsApp. A ironia é que agora o principal agente disseminador das animações macabras e do consequente pânico são os grupos de mães no aplicativo.

Essa segunda onda da Momo ganhou um novo componente. Dessa vez, a assombração digital estaria invadindo vídeos do YouTube Kids, dizendo para as crianças fazer os desafios macabros. Os vídeos que estão circulando no WhatsApp trazem trechos de programas infantis, como Peppa Pig, que são subitamente interrompidos pela Momo, para passar seus recados doentios.

Para piorar, alguns veículos da imprensa começaram a espalhar a “notícia”. Isso foi suficiente para criar um pânico que vem crescendo desde então, especialmente entre as mães.

Só que isso não passa de uma combinação de “fake news” com efeito manada. O problema é que o medo que se criou chegou a tal ponto, que começaram a pipocar casos de crianças que estão realmente se cortando por conta disso.

Como resolver esse problema?

O que você deve fazer

Primeiramente, vamos aos fatos. Sim, Momo existe mesmo, e aterroriza as crianças. Mas isso está muito mais associado à primeira onda, que aconteceu no ano passado.

Como ouvi de uma criança que entrevistei, “Momo é velha, e as mães estão atrasadas”. Tampouco há qualquer registro dos vídeos da Momo invadindo programas infantis no YouTube Kids. Esses vídeos que estão circulando em grupos do WhatsApp aparentemente foram criados exatamente para essa finalidade, e estão disseminando confusão nos grupos maternos.

Não quero dizer que vídeos da Momo, inclusive os que estão rondando pelo comunicador, não sejam encontrados no YouTube convencional. Mas as crianças não deveriam usar essa versão do produto.

E aqui chegamos no ponto do que cada um de nós pode fazer para melhorar essa situação.

Primeiramente devemos orientar nossos filhos sobre como consumir conteúdo online. Essa orientação envolve também monitorar as atividades das crianças nas redes sociais.

Alguns pais dizem não fazer isso, pois estariam invadindo a privacidade de seus filhos. Isso é muito bonito na teoria, mas não faz o menor sentido na prática, pois os pequenos ainda não têm desenvolvido o necessário discernimento para navegar livremente pela rede. Portanto, os adultos devem acompanhar, sim, tudo o que os pequenos fazem, inclusive conhecer todas as suas senhas e instalar programas de monitoramento.

Os pais também devem explicar, de uma maneira franca, os perigos que existem nas redes. E deixar sempre aberto o canal de comunicação com seus filhos, de uma maneira que eles se sintam protegidos, sem julgamentos e com confiança.

Mas o que nós, adultos, precisamos definitivamente aprender é parar de acreditar em qualquer coisa que vemos nas redes, e ficar espalhando isso por canais como o WhatsApp.

Essa nova onda da Momo me fez lembrar de outro jogo macabro que circulou pela Internet, em 2017: a Baleia Azul. Ele consistia de 50 tarefas que adolescentes recebiam de “curadores”, envolvendo coisas como automutilação, culminando no suicídio. Até hoje, há controvérsias sobre o jogo. Aparentemente, no início, não passava de um boato. Entretanto, diante da exposição que teve nas redes sociais e na mídia, ele acabou se “concretizando”, e vários casos de suicídio pelo mundo estariam associados à Baleia Azul.

Portanto, um canal aberto, franco e seguro com nossos filhos é essencial. Da mesma forma, devemos oferecer a eles todo o apoio e carinho que lhes pudermos brindar. E isso não tem nada a ver com a Momo ou a Baleia Azul: deve acontecer sempre!

Tão importante quanto tudo isso é aprendermos a desconfiar do que nos chega pelas redes sociais, especialmente o WhatsApp. Não podemos dar crédito a todo “hoax” e “fake news” que chega até nós, e muito menos passar isso adiante.

Caso contrário, as maiores vítimas da Momo não serão as crianças, e sim seus pais.

E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Videodebate: aparecer bem nas redes sociais pode MATAR?

By | Tecnologia | No Comments

Uma influenciadora brasileira de 26 anos pensou em suicídio, porque não estava aguentando a pressão de ter que publicar o tempo todo. Ok, esse é um caso extremo. Mas é para pensar: muita gente quer construir a sua reputação aqui, o que é ótimo. Só que não sabe como dosar o esforço, e acaba pirando, atrapalhando (muito) a sua vida. E isso é muito grave!

Então como construir a sua autoridade nas redes sem prejudicar suas tarefas? Qual o limite?

“Keep calm and keep publishing” 😉 Existem técnicas para isso! Veja no meu vídeo abaixo como chegar ao topo e se manter lá, construindo sua reputação sem truques baratos.

Participação especial de Athena, a gata, no final 😉

 


Links de conteúdos mencionados no vídeo:

Exibicionismo nas redes sociais: por que as pessoas se expõem online

By | Educação, Tecnologia | 3 Comments
Cena de “Janela Indiscreta”, clássico de Alfred Hitchcock de 1954 – foto: reprodução

Cena de “Janela Indiscreta”, clássico de Alfred Hitchcock de 1954

Desde as primeiras webcams, voyeurismo e exibicionismo inundam a Internet. Com os smartphones, ambos passaram a ser praticados a qualquer hora e lugar, ganhando uma legião de adeptos, inclusive entre adolescentes. Longe de qualquer discurso moralista, de vez em quando, as coisas fogem do controle, reabrindo o debate sobre os riscos do exibicionismo online.

Recentemente, tivemos dois exemplos extremos disso. Há alguns dias, uma adolescente se suicidou após suas amigas publicarem no Snapchat um vídeo dela tomando banho. Em outro caso, uma mulher está sendo processada por transmitir o estupro de uma amiga pelo Periscope. Apesar de, nesses dois episódios, os vídeos terem sido postados sem consentimento, esses dois aplicativos se tornaram ferramentas incríveis para esse “Big Brother pessoal”.


Vídeo relacionado:


Apesar de os termos de uso do Periscope e do Snapchat proibirem explicitamente conteúdo sexual ou pornográfico, não é difícil se deparar com isso nos dois serviços. Mas o que leva alguém a se expor dessa forma? E as pessoas realmente têm consciência do que estão fazendo?

O principal motivo é que, em tempos de vidas hiperconectadas, ver uma foto ou um vídeo seu sendo amplamente compartilhado e “curtido” causa um enorme prazer aos seus autores. O feedback instantâneo de comentários e de ícones de positivo e corações aquece o ego e incentiva uma corrida para se tornar uma microcelebridade online, seja entre seus amigos, seja em um grupo de desconhecidos em escala global.

Nessa busca pela “fama”, vale tudo. E poucas coisas são tão eficientes nessa jornada quanto erotismo e sexo.

O Snapchat tem uma curiosa característica de que todo o conteúdo publicado nele se autodestrói pouco tempo após ser visto pelo destinatário. Isso causa uma sensação de segurança, que tem favorecido o compartilhamento de imagens íntimas para “sexting”, ou seja, conversas online de conteúdo sexual.

Só que essa segurança é pura ilusão.

 

“Manda nudes”

O Snapchat realmente destrói os conteúdos logo após serem visualizados. Mas nada impede que os destinatários criem cópias dessas fotos e vídeos antes que isso aconteça. Portanto, aqueles “nudes” (fotos explícitas) podem ter uma vida nada efêmera.

Trocando em miúdos: sabe-se onde surge a imagem, mas não se sabe onde ela vai acabar. E aí está o problema: as pessoas nem sempre têm consciências disso.

Por exemplo, aquelas imagens enviadas cheias de confiança para o outro podem se transformar, no futuro, em outro fenômeno recente: a “revenge porn”, quando uma das partes espalha fotos íntimas da outra na Internet, normalmente por vingança pelo fim de um relacionamento.

No caso de adolescentes, a exposição de sua intimidade também pode estar associada a mais um fenômeno da cultura digital: o “cyberbullying”, quando as redes sociais são usadas para humilhar um desafeto. E imagens íntimas são ótimas para isso. Disso podem surgir atitudes extremas, como o suicídio mencionado no segundo parágrafo.

O fato é que não existe segredo na Internet. Por mais que se use os controles de privacidade das redes sociais, por mais que aplicativos garantam o anonimato, uma vez na rede, não tem volta: tudo corre o risco de vazar.

Mesmo lugares que são criados com a premissa da defesa da privacidade, não há garantia de segurança absoluta. Em 2014, James Comey, diretor do FBI, disse que existem dois tipos de grandes empresas: aquelas que já foram invadidas e aquelas que não sabem que já foram invadidas.

Como esquecer do caso da invasão do site Ashley Madison, que promove relacionamentos extraconjugais, ocorrida em agosto de 2015? Subitamente não apenas os dados pessoais de milhões de usuários foram expostos pelos hackers, como também as pessoas com quem conversaram, o que disseram e até as fotos que trocaram.

 

O que fazer?

Mas então devemos parar de usar nossos smartphones? Abandonar as redes sociais? Deixar de enviar fotos a quem gostamos?

Claro que não! Não devemos renegar o mundo que vivemos, e sim usá-lo com sabedoria.

E isso significa, para começar, seguir o ditado que diz que “não devemos dar sorte ao azar”. Em outras palavras, ao fazermos alguma coisa, devemos pelo menos estar conscientes do que cada ato representa. Tirar uma foto sensual não é um problema; publicá-la online para um grande grupo de pessoas (especialmente se tiver desconhecidos nela), pode ser. A menos que a superexposição não seja um problema em absoluto para essa pessoa, e ela estiver muito segura disso.

No caso de se ter filhos na adolescência ou entrando nela, uma conversa sincera é fundamental. Nunca no sentido de proibição ou de amedrontamento, mas de conscientização. A melhor maneira de se evitar dissabores nesse sentido é oferecer aos filhos todos os recursos para que eles compreendam o que fizerem. Além disso, é fundamental que pais e filhos conversem com franqueza e confiança sobre tudo, para que os primeiros sejam o porto-seguro dos segundos, sempre que precisarem.

Tudo porque estamos vivendo um momento de grande transformação social. Não é necessário temê-lo. Tentar impedi-lo não é possível. A melhor coisa a se fazer é compreender as mudanças e usá-las com inteligência e a nosso favor: curti-las numa boa e com confiança!