arte

A volta dos “Loucos Anos 20”

By | Educação | No Comments

Estamos começando não apenas um novo ano, mas uma nova década

Muita gente acha que pode ser uma reedição dos “Loucos Anos 20”, como ficaram conhecidos aqueles que aconteceram há cem anos. Depois de uma pandemia e uma guerra que devastaram o mundo, aquela década foi marcada por grandes avanços culturais, artísticos e científicos. Foi um período de alegria, com muitas festas, muita liberação e muito sexo, quase uma jornada hedonista!

Agora estamos passando por uma pandemia, que já matou quase 2 milhões de pessoas no mundo, 200 mil só no Brasil, e continua implacável. A Covid-19 colocou o mundo de joelhos, provocando muita dor, de diferentes maneiras, mudando nossas vidas.

Será que, quando ela passar, viveremos novamente um período de euforia desmedida? O que podemos aprender com os “Loucos Anos 20” da época do charleston e do jazz?


Veja esse artigo em vídeo:


Os “Loucos Anos 20” –ou os “Roaring Twenties”, como eram chamados nos Estados Unidos– foram uma reação, quase uma libertação das tristezas e das restrições causadas pela Gripe Espanhola e pela Primeira Guerra Mundial.

Na Europa, especialmente Paris (que virou o centro do mundo), em Berlim e em Londres, a alta sociedade e os intelectuais se misturavam ao som do can-can nos cabarés e outros ambientes efervescentes em ideias modernistas. Do outro lado do Atlântico, nos Estados Unidos, o charleston animava festas imensas, regadas a bebida, drogas e sexo. Isso mesmo em um país onde vigorava a Lei Seca, que proibia a fabricação, venda e transporte de bebidas alcoólicas.

Foi nessa época também que surgiu o jazz. Com seus improvisos e suas influências africanas, nasceu em Nova Orleans e ganhou a América, influenciando a música ocidental.

Tudo parecia possível graças à tecnologia, especialmente os automóveis, as imagens em movimento e o rádio. Houve grande popularização do cinema, cuja grande estrela da época foi Charlie Chaplin. Os filmes deixaram de ser um interesse para aficionados para ganhar as massas e levar milhões às salas de exibição. Eles ainda eram em preto e branco e mudos, por isso as salas tinham espaço para uma pequena orquestra ou pelo menos um piano. Os desenhos animados também se popularizaram, com O Gato Felix sendo lançado em 1919, e Mickey Mouse, no curta “Steamboat Willie”, em 1928.

Os “Loucos Anos 20” também foram um grande momento de avanço para as mulheres. Elas deixaram seus espartilhos para trás e passaram a usar vestidos decotados e na altura dos joelhos. Com cabelos curtos, lábios vermelhos, pálpebras escuras, lançaram um novo estilo, que ficou conhecido como “melindrosas” –ou “flappers” em inglês.

A sua libertação foi muito além! Passaram a fumar em público, a dirigir e a ir à praia de maiô inteiriço, além de conversar livremente sobre sexo, atitudes que escandalizaram os conservadores da época. Em alguns países, como os Estados Unidos, foi quando as mulheres também começaram a votar.

 

Os novos “Loucos Anos 20”

Será mesmo que caminharemos para uma nova versão dos “Loucos Anos 20”, quando a epidemia estiver controlada e a economia do mundo recuperada?

Alguns especialistas acreditam que sim. Nicholas Christakis, professor na Universidade de Yale (EUA) é um deles. Ele lançou recentemente o livro “A Flecha de Apolo”, em que debate justamente a vida durante a pandemia e o que pode vir depois dela.

Segundo o pesquisador, essa não é a primeira grande pandemia que a humanidade tem que enfrentar, apenas a primeira que nós estamos vivendo. Ele explica que, durante as epidemias, verifica-se o aumento na religiosidade, as pessoas economizam dinheiro e ficam avessas ao risco. Quando a ameaça acaba, há uma reação natural de resgate do que foi perdido, com todo mundo buscando experiências sociais.

Christakis afirma que isso vai acontecer de novo agora com a Covid-19. Com os países iniciando a vacinação em massa em 2021, a doença deve estar controlada no ano que vem, e a economia recuperada, segundo ele, em 2024, quando teríamos os “Loucos Anos 20” do século XXI.

Naturalmente o mundo de hoje é muito diferente do que era há um século. E, dentro do que estamos discutindo aqui, as redes sociais têm um papel determinante, agindo como um catalizador.

Há cem anos, os meios de comunicação tiveram papel fundamental para disseminar aquele estilo de vida frenético, principalmente o rádio, os jornais e o cinema. Agora, com o meio digital, tudo acontece de maneira mais rápida e mais intensa.

Muita gente, aliás, parece já estar no espírito dos “Loucos Anos 20”.

A atual pandemia é muito menos devastadora que a Gripe Espanhola, que durou de janeiro de 1918 a dezembro de 1920. Estima-se que o vírus H1N1 tenha infectado, naqueles três anos, 500 milhões de pessoas, cerca de um quarto da população mundial na época.

Não se sabe exatamente quantas pessoas morreram vítimas dele. Os números mais conservadores são de 17 milhões, mas a cifra poder ter chegado a incríveis 100 milhões de mortos. Até o presidente brasileiro da época, Rodrigues Alves, pegou a doença e morreu.

Agora, apesar de a Covid-19 ter travado o mundo, a situação é menos grave, graças aos avanços da ciência e do papel dos meios de comunicação em conscientizar as pessoas. Vale dizer ainda que a tecnologia digital diminuiu –e muito– os estragos na economia, pois muitos negócios continuaram funcionando, mesmo com o distanciamento social.

Também não tivemos recentemente uma guerra absurdamente devastadora, com a Primeira Guerra Mundial, que durou de julho de 1914 a novembro de 1918., matando quase 18 milhões de pessoas, entre civis e militares. Por outro lado, temos a violência disseminada em nossas cidades, deixando os cidadãos em constante estado de alerta.

Não é de se estanhar, portanto, a grande euforia que sucedeu à peste e à guerra, com grandes avanços na cultura, na ciência e nos costumes do século passado.

Apenas para acrescentar alguns feitos além do que já foi dito, na medicina, o médico escocês Alexander Fleming descobriu, em 1928, a penicilina, inaugurando a era dos antibióticos, que salvam incontáveis vidas desde então. O psiquiatra austríaco Sigmund Freud lançou as bases da psicanálise.

Surgiram também os movimentos artísticos, como o dadaísmo, de Marcel Duchamp e, o surrealismo, de Salvador Dalí. Também floresceram, nesses anos, grandes nomes como Joan Miró e Pablo Picasso. No Brasil, em 1922, aconteceu a Semana de Arte Moderna, que levou ao Theatro Municipal de São Paulo artistas plásticos, arquitetos, escritores, compositores e intérpretes, os quais foram recebidos, ao mesmo tempo, com aplausos e vaias.

 

Aprendendo com os erros

Mas nem tudo foram flores. Precisamos aprender com o que deu errado, para não repetir um dos períodos mais negros da humanidade, que sucedeu essa época dourada.

A euforia desmedida terminou na chamada “Grande Depressão”. No final de 1929, os Estados Unidos entraram e profunda crise econômica, com a “quebra” da sua Bolsa de Valores, o que provocou inúmeras falências, desemprego gigantesco e muita miséria.

A reboque disso, houve um aumento da intolerância e da xenofobia, além de uma “caça às bruxas” de movimentos conservadores. Isso culminou com o surgimento da Ku Klux Klan, organização racista que pregava a supremacia de brancos e protestantes.

Na Europa, a crise abriu o caminho para o surgimento de aventureiros políticos nacionalistas, que criaram Estados totalitários e ultraconservadores. Seus maiores expoentes foram o nazismo alemão, liderado por Adolf Hitler, e o fascismo italiano, de Benito Mussolini. E, como se sabe, isso tudo deu na Segunda Guerra Mundial, o conflito mais sangrento da história.

Portanto, sim, é possível que estejamos prestar a entrar em novos “Loucos Anos 20”. Talvez mereçamos mesmo essa alegria, depois de tanto sofrimento.

Mas ainda não chegamos lá: temos um caminho a seguir. A pandemia está longe de acabar, especialmente aqui no Brasil, onde sequer começamos a vacinação.

Há uma poesia do genial Carlos Drummond de Andrade, que é muito apropriada a isso tudo. Ela se chama “Receita de Ano Novo”, e termina com a seguinte estrofe:

“Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.”

 

Portanto, vamos gozar dos nossos “Loucos Anos 20”. Mas temos que, antes, fazer por merecer isso.

 

Qual será o nosso legado?

By | Educação | No Comments

Há alguns dias, estava ouvindo uma playlist chamada “Brasil anos 1960”. Ela era fortemente dominada pela Bossa Nova. Fiquei pensando: “será que a Bossa Nova surgiria em um mundo como o que vivemos hoje?”

Pouquíssimo provável!

Então por qual música e outras formas de arte que as futuras gerações nos conhecerão? Mais que isso: o que estamos construindo, qual será nosso legado –muito além das artes? Afinal, o que fazemos hoje pavimenta a estrada de nossas vidas. E todas as pessoas influenciam pelo menos quem está a sua volta. Não precisamos ser artistas!


Veja esse artigo em vídeo:


Poucas coisas retratam tão bem um povo quanto sua arte. Na verdade, podemos contar a história de uma civilização a partir dela.

A Bossa Nova surgiu na Zona Sul do Rio de Janeiro, no final dos anos 1950, evoluindo do samba e com inspiração do jazz. Foi criada por universitários de classe média, e suas letras traziam temas descompromissados de seu cotidiano, influenciado por um momento de urbanização e desenvolvimentismo brasileiro.

Aquilo representava a realidade brasileira, pelo menos a daquele estrato da população. Era muito diferente, por exemplo, do rock inglês dos Beatles, que surgiu mais ou menos na mesma época, mas em uma realidade social completamente diferente.

Era um mundo incrivelmente mais simples que o de hoje! A vida passava de uma maneira muito mais lenta. Os “mocinhos” e os “vilões” eram claramente conhecidos. Cada um desempenhava seu papel como indivíduo e como cidadão.

Não é de se estranhar que a Bossa Nova, como movimento, desapareceria um ano após o golpe militar no Brasil. Afinal, aquele mundo de cores em tons pastéis das tardinhas deu lugar ao verde oliva e ao cinza chumbo.

Foi quando surgiu a MPB, que incluía temas mais politizados em suas composições. E não podia ser diferente!

O dramaturgo irlandês Oscar Wilde escreveu que “a vida imita a arte muito mais do que a arte imita a vida’. De fato, a vida e a arte são interdependentes. Daí olho para o nosso mundo atual e me pergunto que elementos a vida atual oferece para a arte.

A pandemia de Covid-19 certamente já marcou a humanidade, assim como outras grandes crises sanitárias no passado, como a Gripe Espanhola. Seria capaz de apostar que, nos próximos anos, teremos muitos filmes e livros com histórias reais e de ficção a partir dessa tragédia global.

Mas há muito mais que define o mundo atual, de maneira mais determinante que a pandemia. Coisas que surgiram bem antes dela e que vão durar muito além dela: os smartphones, as redes sociais, os buscadores, a digitalização dos negócios e da nossa própria vida, por exemplo. Todos são coisas incríveis, que nos trouxeram grandes benefícios.

Mas temos também coisas terríveis, que surgiram a partir delas, por causa do mau uso desses recursos e da manipulação das pessoas por grupos inescrupulosos: a polarização política e ideológica extrema, as fake news, o roubo de dados e de identidades, a ditadura do ódio, a ideia de “cancelamento” de pessoas.

Futuro ou presente distópico?

Ao associar o mundo atual à arte, é inevitável pensar no romance “Mil Novecentos e Oitenta e Quatro”, do escritor britânico George Orwell, publicado em 1949. Cada vez mais acho que o mundo se parece conceitualmente ao Estado totalitário representado na obra, controlado pela figura do Grande Irmão, o Big Brother.

Teremos que esperar os artistas nos contarem suas visões desse momento. Entretanto, algumas iniciativas embrionárias já são reflexo disso e podem indicar caminhos que permanecerão além da pandemia.

Por exemplo, as superlives substituindo shows ao vivo. Acredito que, quando os shows estiverem novamente liberados, veremos os dois formatos coexistindo, cada um oferecendo uma experiência diferentes e complementares entre si. Começo a ver também a teledramaturgia produzindo material em que os artistas atuam dentro de suas próprias casas, com um resultado muito interessante.

Mas nós também podemos participar da construção desse legado, mesmo sem sermos artistas! Graças justamente ao meio digital, todos nós nos tornamos produtores de conteúdo. Todos nós viramos mídia e todos nós agora somos uma marca. Isso não é um exagero ou um abuso de linguagem.

No momento em que publicamos uma singela foto no Instagram, nós somos produtores de um conteúdo que potencialmente pode atingir milhares de pessoas em qualquer lugar do planeta. E esse conteúdo pode influenciar, de alguma maneira, cada uma dessas pessoas.

Portanto, temos que fazer isso com responsabilidade, mas sem que se torne um fardo. Esse é um poder que apareceu apenas quando os smartphones se popularizaram, pois eles são a nossa principal ferramenta de produção, enquanto as redes sociais são os principais espaços de troca.

Ou seja, estamos falando de pouco mais de uma década. Antes disso, em toda a história da humanidade, isso não era possível. Tanto que, em 2014, o especialista em marketing digital americano Mark Schaefer cunhou a expressão “choque de conteúdo”, que prevê que a humanidade literalmente produz mais conteúdo que é capaz de consumir.

Nosso papel para diminuir essa realidade autodestrutiva em que estamos é fazer a roda do desenvolvimento voltar a girar para frente, ao invés do movimento retrógrado atual.

Mesmo não sendo artistas, nossas publicações, até as mais singelas, influenciam muita gente. Temos, portanto, que barrar as ideias que visam a desunião social, a manutenção de interesses mesquinhos e egoístas, a disseminação do ódio, a destruição de quem pensa diferentemente, apenas por pensar assim.

A humanidade sempre se desenvolveu mais e melhor em torno de ideias que visavam o bem comum. Apenas conseguimos construir algo com quem está a nossa volta, combinando esforços e habilidades, quando confiamos no outro, e não quando o vemos como um inimigo.

Temos que usar esse incrível poder que a tecnologia nos concedeu para despertar bons sentimentos para que trabalhemos e nos desenvolvamos juntos. Portanto, lembre-se disso quando estiver nas redes sociais. Não curta e muito menos compartilhe conteúdos de pessoas e de grupos que pregam a supremacia de suas ideias, a desunião, o ódio. Ignore-os, deixe-os falando sozinhos! E eles eventualmente pararão de falar. Só continuam seu discurso porque ainda têm plateia.

Ao contrário, valorize quem produz um bom conteúdo, propositivo, construtivo, de união. Além disso, cada um de nós também pode fazer isso em nossas publicações nas mais diferentes redes sociais.

Não temos como reconstruir um “mundo Bossa Nova”, pois aquilo só existiu dentro de um contexto que não pode ser refeito. Mas não podemos sequer pensar em um mundo de “Mil Novecentos e Oitenta e Quatro” ou do que vivemos na época da ditadura militar. A sociedade está nesse ciclo de autodestruição por ter adotado alguns dos elementos desses momentos sombrios.

É hora de reverter isso e pôr a roda a girar para a frente de novo!