artigo

Diversidade gera lucros para empresas e satisfação para pessoas

By | Tecnologia | No Comments

Você já pensou por que existem tão poucas mulheres no mercado de tecnologia? Longe de ser apenas uma estatística, isso vem de valores arraigados em nossa cultura e da falta de modelos femininos nessa indústria. De alguns anos para cá, várias iniciativas procuram reverter essa situação e promover a diversidade e inclusão nas empresas, não apenas de gênero, mas também étnica, de orientação sexual e de pessoas com necessidades especiais. Além de gerar inestimáveis ganhos sociais, elas também trazem muitos ganhos para as empresas.

Segundo o estudo “A diversidade como alavanca de performance”, publicado pela consultoria americana McKinsey, empresas com mais diversidade de gênero em cargos executivos têm 21% mais chance de ter lucros acima da média que as que apresentam pouca diversidade. No caso de diversidade étnica, isso é ainda mais aparente: 33%.

Há alguns dias, tive uma conversa inspiradora sobre isso com Judith Michelle Williams, líder global de diversidade da SAP, que estava no Brasil. A íntegra da conversa em vídeo (7’ 18’’) pode ser vista abaixo.


Vídeo relacionado:


“Quando uma organização é capaz de ter essa diversidade e essa inclusão, isso aumenta o engajamento de seus funcionários”, explica Williams. “Isso leva a uma maior inovação, pois você tem diferentes fontes de ideias, você tem pessoas com culturas diferentes.”

Ironicamente, o primeiro programa de computador da história foi escrito por uma mulher: Ada Lovelace criou em 1842 o algoritmo para a máquina analítica de Charles Babbage. Mas hoje faltam modelos para que as meninas se inspirem para abraçar essas carreiras.

“Mulheres e meninas continuam extremamente sub-representadas. Os estereótipos de gênero, a falta de modelos visíveis e as políticas e ambientes sem apoio ou mesmo hostis podem impedi-las de seguir essas carreiras”, disse António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, em sua mensagem oficial no dia 11 de fevereiro passado, Dia Internacional para Mulheres e Meninas na Ciência.

“Ter quem mostre que é possível para uma mulher liderar uma companhia de tecnologia, desenvolver software e crescer em uma carreira de tecnologia é muito bom. Precisamos encorajar mais meninas a abraçar as exatas e estudar ciência e tecnologia”, afirma Williams, que, antes de liderar a diversidade na SAP, cuidou desse tema no Dropbox e no Google.

Diversidade e inclusão

Mas a diversidade sozinha não é suficiente. As empresas precisam fazer seus funcionários se sentirem incluídos, podendo demonstrar quem eles são.

“Nós não queremos que nenhum de nossos funcionários LGBT+ sintam como se não pudessem falar sobre sua vida familiar, não pudessem falar sobre seus parceiros”, explica a executiva da SAP. “É muito importante ter essa inclusão: as pessoas sentem que elas podem vir trabalhar e ser o seu melhor.”

As empresas precisam investir no treinamento de suas equipes para chegar lá. Segundo artigo publicado na revista Forbes, as dificuldades de inclusão derivam principalmente da nossa inabilidade de reconhecer e valorizar pontos de vista diferentes. A autora Phyllis Wright, vice-presidente sênior da VRM Mortgage Services, cita estudos que demonstram que 80% do que usamos para nossas conclusões vêm do que já sabemos, e apenas 20% de estímulos externos. Portanto, um treinamento eficiente pode “melhorar” os conceitos em nosso cérebro e treinar nossos olhos para a questão da diversidade a nossa volta.

Lembro-me de ter lido o livro “Círculo da Inovação”, do guru da administração Tom Peters, há uns 30 anos. Mas uma passagem me marcou muito: a que ele dizia que a gerência da maioria das empresas é composta por “homens brancos de meia idade vestindo calças de poliéster”. O problema disso, segundo ele, é que todos aqueles gerentes pensam da mesma forma, o que seria péssimo para o negócio e para seus produtos.

Ele já via a importância da diversidade, tão em moda hoje, há três décadas! Afinal, se você tem dez “chefes” que pensam exatamente igual, você só precisa de um! O que faz um negócio realmente prosperar é ter pessoas diferentes trocando suas experiências para atender clientes que também são diversos.

E então: como está a sua companhia nisso tudo?


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Paulo Silvestre (esquerda) conversa sobre transformação digital com John Allessio (centro) e Nick Hopman – Foto: reprodução

Transformação digital depende de entusiasmo e de apoio

By | Tecnologia | No Comments

Você está pronto para a transformação digital?

Um dos termos mais badalados do momento na administração, ela movimenta empresa e profissionais que querem encontrar, com o apoio da tecnologia, novas maneiras de realizar o próprio negócio, para atingir níveis de produtividade inéditos, ou ainda descobrir um grande novo negócio. Mas poucas empresas realmente sabem qual caminho adotar, pois acham que a transformação digital acontece ao escolherem a tecnologia disruptiva certa para seu empreendimento, quando, na verdade, ele deve obrigatoriamente começar transformando a cabeça das pessoas.

Essa necessidade ficou muito clara na conversa que tive com John Allessio, vice-presidente sênior de serviços globais da Red Hat, e com Nick Hopman, vice-presidente de práticas e soluções globais da empresa, nesta terça (16 de abril), na sede da Red Hat em São Paulo. Os dois executivos vieram participar da inauguração do Red Hat Open Innovation Labs. A íntegra da conversa pode ser vista no vídeo abaixo:



Para Allessio, uma empresa que busca a transformação digital deve começar com um projeto pequeno o suficiente para que possa “abraçar”. Dessa forma, evita-se que a mudança crie barreiras instransponíveis logo de cara.

Mas o executivo adverte que o processo só dará certo se contar com dois ingredientes essenciais: o entusiasmo das equipes, e gestores realmente patrocinando as mudanças necessárias. “Você precisa da paixão das equipes -com negócios e TI trabalhando juntos- e você precisa do apoio dos executivos”, explica. “Sem esse apoio é muito difícil fazer isso acontecer.”

“Precisa ser um cliente que busca mudança, que quer prosperar”, explica Hopman. É por isso que a transformação digital começa sempre com uma transformação cultural. Para ele, nenhuma tecnologia resolverá sozinha um problema causado por um modelo de negócios que já não se sustenta.

Ele está certíssimo. Costumo dizer que “transformação digital” é muito mais “transformação” que “digital”. Se as pessoas realmente não acreditarem na mudança e estiverem dispostas a abandonar velhas fórmulas, mesmo as que deram certo por décadas, será, no máximo, coisa velha com um verniz moderninho.

“Quando as pessoas falam em transformação digital, normalmente se preocupam muito com o digital e com os aspectos técnicos, e não se focam em como eles realmente apoiam aquela transformação dentro de sua cultura, dentro de sua organização”, explica Hopman. Com o laboratório que acaba de ser inaugurado em São Paulo, o quarto da Red Hat no mundo (os outros ficam em Boston, Londres e Cingapura), a empresa pretende ajudar seus clientes a desenvolver essa consciência. “Queremos ensinar obviamente a tecnologia, mas também as práticas abertas, como trabalhar em uma cultura aberta de colaboração”, diz.

“É uma oferta de transformação cultural com os produtos da Red Hat”, explica Fabio Pereira, líder do Red Hat Open Innovation Labs Latam. “A gente chama de uma oferta de inovação imersiva, onde a equipe do cliente vai ficar imersa em um ambiente de inovação, fazendo alguma coisa que adicione valor para o cliente, entregando valor em semanas, ao invés de entregar valor por anos.”

Ele explica que, a princípio, qualquer empresa pode ser beneficiar do Labs. Se você ficou interessado, veja como participar assistindo à minha conversa com o líder da operação local no vídeo abaixo:



Os clientes que participarem da iniciativa podem ter suas equipes trabalhando no laboratório, como também em suas próprias instalações. Além disso, apesar de o Labs estar fisicamente em São Paulo, ele pode atender empresas de qualquer lugar do país e até do mundo. As quatro instalações trocam continuamente informações e desenvolvimentos, funcionando como “concentradores regionais”. A escolha de São Paulo se deve ao tamanho do seu mercado, representado cerca de metade da Red Hat na América Latina.

Allessio afirma que companhias de qualquer porte e qualquer indústria podem ser atendidas: “trabalhamos em empresas tão grandes quanto as que tem 10 mil desenvolvedores até companhias que são tão pequenas como uma nova startup.”

Portanto, se a transformação digital faz os seus olhos brilharem, faça os questionamentos necessários antes de embarcar na empreitada. Esteja pronto para realizar verdadeiras mudanças na cultura empresarial, modelos de negócios e até mesmo na maneira como os profissionais se relacionam “É mais que métodos, ferramentas, processos”, diz Allessio. “Queremos ajudar o cliente a realmente casar TI com o negócio, que é o verdadeiro molho mágico.”

E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

“O videogame causou o massacre de Suzano”: #SQN

By | Educação | No Comments
Flores são deixadas sob o nome dos alunos mortos, no muro da escola Professor Raul Brasil – Foto: reprodução

A quarta, 13 de março, foi dia de mais uma tragédia no país: o massacre na escola estadual Professor Raul Brasil, na cidade de Suzano, na Grande São Paulo. O que levaria dois jovens, ex-alunos da escola, a matar indiscriminadamente estudantes e funcionários, e depois se suicidar? Diante da dor que abalou o país, da perplexidade e da incompreensão, autoridades, ainda no local do atentado, sugeriram que a culpa poderia ser do videogame que os assassinos gostavam de jogar.

Mais que um comentário inconsequente e sem qualquer embasamento, essa afirmação pode desviar o olhar da população das reais causas, turvar as investigações e deixar o caminho aberto para que novos incidentes como esse aconteçam no futuro.

Não estou aqui defendendo o jogo, mesmo porque game não vai preso e é totalmente improvável que o fabricante seja, de alguma forma, responsabilizado por esse ou qualquer outro crime dessa natureza. Tampouco isso provocará queda nas suas vendas. Entretanto, em tempos de redes sociais e algoritmos de relevância, de “fake news”, de radicalização política e polarização ideológica, uma declaração como essa, ainda mais vinda de alguém com qualquer poder instituído, tem a capacidade de acender um rastilho de pólvora que não se sabe onde vai parar.

E o buraco é muito mais embaixo!

Pode ser, sim, que os dois assassinos jogassem um ou mais videogames violentos, inclusive os chamados “tiro em primeira pessoa”, em que o jogador incorpora um personagem que carrega um arsenal e, por diferentes motivos, atira em muita gente. Mas estudos científicos sérios demonstram que esses jogos não causam ou sequer incentivam assassinatos reais. Caso contrário, dada a popularidade desse tipo de jogo, viveríamos em uma sociedade de psicopatas, sendo impossível sair à rua. Pelo contrário, profissionais de psicologia explicam que esse tipo de criminoso é movido por outros problemas, muito mais profundos, que ele já carrega dentro de si, dissociados, portanto, dos games.

Por isso, quando uma autoridade sugere -e mais de uma fez isso ao longo do dia- que existe uma relação entre um videogame e o crime, cria-se, ainda que de maneira totalmente não-intencional, uma cortina de fumaça sobre o problema.

Voz oficial e voz das redes

Também ouvi, aqui e ali, que as redes sociais e a mídia teriam sua parcela de culpa, pois os assassinos teriam se inspirado em outros crimes do tipo, especialmente nos EUA.

Trata-se de um caso clássico de ignorar o problema e matar o mensageiro!

Mas as redes sociais têm um papel nefasto nessa história, sim: o de propagar as versões equivocadas acima. Esse tipo de coisa existe desde que a imprensa foi criada, com o “Acta Diurna”, o primeiro jornal conhecido, ideia do general romano Júlio César, em 69 a.C. Entretanto, se antes o poder de espalhar equívocos se resumia aos veículos de comunicação, hoje o Facebook sozinho tem 2,3 bilhões de potenciais propagadores de “fake news”, auxiliados pelo algoritmo de relevância, que joga na cara de cada um aquilo em que desejam acreditar, mesmo que seja a mais completa porcaria.

Um caso que é estudado até hoje em faculdades de Jornalismo e que ajuda a entender a gravidade desse problema é o da Escola Base, que ficava no bairro da Aclimação, em São Paulo. Em 1994, os donos da escola, uma professora e o motorista do transporte escolar foram acusados de abusar sexualmente de alunos de quatro anos. O delegado Edélcio Lemos, responsável pelo caso, antes de ter em mãos o laudo do IML, corroborou a hipótese para a imprensa, que deu amplo destaque a essa versão (justiça seja feita, exceto a TV Cultura e o finado Diário Popular, cujos editores não “engoliram” a história).

Resultado: a escola foi depredada, os acusados, apesar de posteriormente inocentados na Justiça, foram perseguidos e ameaçados de morte, desenvolveram uma série de doenças, foram obrigados a se mudar de cidade e morreram na miséria. Em resumo, tiveram sua vida destruída instantaneamente pela combinação da fala de uma autoridade e o poder da mídia de ampliar fatos. E tudo isso gratuitamente: ao sair o resultado das análises, conclui-se que as crianças nunca sofreram qualquer tipo de violência.

Tinham tido apenas diarreia.

Risco de explosão e de falta de solução

Isso foi em 1994! Portanto, quando não havia redes sociais ou smartphones.

Hoje a coisa pode ficar muito pior. Em maio de 2014, a dona de casa Fabiane Maria de Jesus foi espancada até a morte por dezenas de moradores do Guarujá, no litoral paulista. Ela havia sido confundida como alguém que supostamente sequestrava crianças para rituais de magia negra, a partir de um boato espalhado em uma página no Facebook, que trazia um retrato falado de uma mulher feito pela polícia no Rio de Janeiro 21 meses antes. Fabiane era totalmente inocente. Em 2017, quatro pessoas foram condenadas pelo crime.

É claro que queremos uma explicação para a barbárie cometida na escola Professor Raul Brasil, em Suzano. Não apenas para que os familiares e amigos das vítimas e a própria sociedade tenham alguma sensação de justiça, apesar de os assassinos terem se suicidado assim que a polícia chegou ao local. Mas também porque, caso as autoridades descubram os verdadeiros motivos que levaram os dois ex-alunos a cometerem esse ato tão hediondo, talvez a comunidade possa reunir esforços para evitar que outros casos semelhantes voltem a ocorrer, e não apenas em escolas. E fazendo isso de maneira preventiva, educativa e, se necessário, usando recursos de saúde pública.

O que não precisamos agora é de nos apressarmos para dizer qualquer coisa para satisfazer a sanha de alguns ou a busca de um motivo de outros. Os inocentes vitimados por essa tragédia não voltarão. Busquemos a serenidade para os corações de todos e para encontrar respostas corretas e soluções verdadeiras e duradouras.

E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.

Artigos relacionados:

Por que você não pode deixar a verdade ser apenas um ponto de vista

By | Jornalismo | No Comments
Darth Sidious, o imperador da saga Star Wars, que chegou ao poder após enganar e manipular aliados e inimigos – Foto: reprodução

Darth Sidious, o imperador da saga Star Wars, que chegou ao poder após enganar e manipular aliados e inimigos

Não sei quanto a você, mas ando muito preocupado com o comportamento das pessoas nas redes sociais, mesmo no LinkedIn, onde o nível médio das discussões sempre foi mais alto! Vejo agressões mútuas por divergências de qualquer natureza, muitas vezes gratuitamente e de maneira desproporcional. Além do ódio injustificado, o grande problema disso é que um espaço que deveria servir para melhorar relacionamentos, fazer negócios e realizar trocas de qualidade vira uma arena destrutiva.

Temos que sair dessa irracionalidade, pelo bem de cada um e de toda a sociedade. Mas como para fazer isso?

Antes de responder, gostaria de esclarecer antecipadamente, até mesmo pelo exposto acima, que esse não é um artigo de cunho político, que não pretendo defender ou atacar qualquer lado de qualquer assunto. Mesmo porque entendo que, quando a discussão chega a esse nível rasteiro, não há mais lado “certo” ou “errado”.

A essência dessa enorme confusão é que ultimamente qualquer versão vale mais que a verdade. É assustador, mas observo, cada vez mais, as pessoas tapando completamente os olhos diante de fatos inegáveis, documentados, escancarados, para continuar acreditando no que lhe convém. O fanatismo das torcidas organizadas de futebol parece ter se espalhado para outras paixões, particularmente a política, carregando suas piores características: a cegueira ideológica e o efeito manada. Por isso, estão dispostos a matar em nome do time (que nunca pediu isso)!

Esse incômodo vem crescendo em mim há mais de um ano. Mas nesta terça, resolvi escrever esse artigo, enquanto assistia pela enésima vez o Episósio III de Star Wars, o sombrio “A Vingança dos Sith”. Percebi que nossa realidade se assemelha muito à trama conduzida pelo personagem Palpatine/Darth Sidious. O senador do planeta Naboo avança politicamente pelos anos, enganado e matando, sempre com um véu de legalidade, até o ponto de criar uma guerra interplanetária para seu benefício. Com sua habilidade de sedução e engodo, consegue apoio de todos até atingir seu objetivo de eliminar (literalmente) seus inimigos e se tornar imperador.

Vale aqui uma nota pessoal: sou fã da saga espacial criada por George Lucas, que é carregada de simbolismos. Costumo usar muitos deles como aprendizado para o cotidiano.

No momento preciso, Palpatine se autoproclama imperador da galáxia, ovacionado pelos senadores. Poucos perceberam a obviedade de que algo ali estava muito errado, entre eles a senadora Padmé Amidala, sentenciando: “então é assim que a liberdade morre, com um aplauso ensurdecedor”.

Qual a semelhança com o que vivemos hoje?

 

Precisamos acreditar em algo

Políticos e outras grandes lideranças manipulam as massas desde sempre para atingir seus objetivos. Já tivemos vários casos na história que, assim como Palpatine, criaram guerras, ao custo de milhões de vidas, apenas para ampliar seu poder.

Mas é a primeira vez que as redes sociais são usadas como instrumento de manipulação. E o resultado tem sido devastadoramente eficiente. Nelas, tudo acontece de maneira mais intensa e mais rapidamente, mesmo a transformação de mentiras em verdades. Isso ganhou até um nome bonito: “fake news”.

A ironia é que nós precisamos acreditar em algo. Faz parte da nossa natureza humana. O aclamado historiador israelense Yuval Noah Harari disse, em seu livro “21 Lições para o Século 21”, lançado no ano passado, que “desde a era da pedra, mitos foram reforçados a serviço da união da coletividade humana. Realmente o Homo sapiens conquistou esse planeta graças, sobretudo à habilidade humana única de criar e disseminar ficções.”

Mas tudo tem limite! Se houver um “desequilíbrio na Força”, essa habilidade essencial passa a fazer com que as pessoas deixem de colaborar entre si, para reforçar seus preconceitos. E é exatamente isso que temos agora.

Não podemos perder a capacidade de dialogar, e isso inclui com as pessoas que não pensam como nós. Aliás, de certa forma, quando nos confrontamos com as diferenças, é quando mais crescemos, pois nos permitimos ver o mundo por outra ótica.

A imprensa desempenha um papel essencial no processo do diálogo, por isso se busca domesticá-la ultimamente. Nenhum espanto até aí: quanto mais totalitário um regime, mais os veículos de comunicação sofrem, até o ponto de serem controlados e colocados em favor da “causa”.

Uma das principais funções da imprensa, crítica para o desenvolvimento de qualquer sociedade, é justamente fiscalizar um governo. Isso não quer dizer persegui-lo, mas certamente inclui apontar tudo que estiver errado ou for suspeito. Por isso, vejo aterrorizado uma quantidade imensa e barulhenta de pessoas, influenciadas por grupos ideológicos de todos os matizes, desqualificando os veículos e agredindo (até mesmo fisicamente) jornalistas.

É verdade que há casos inaceitáveis de notícias propositalmente enviesadas, e veículos e profissionais que se prestam deliberadamente a esse antijornalismo. Isso é lamentável, até mesmo porque oferecem munição para os que querem alvejar a imprensa toda. Portanto, se a seriedade e o equilíbrio sempre foram essenciais para essa profissão, agora ficaram ainda mais indispensáveis, para a manutenção da credibilidade, seu valor mais precioso. Precisamos de jornalismo de alta qualidade!

O mais absurdo dessa história é que o mesmo veículo ou profissional é “acusado” de ser “de direita” ou “de esquerda” (como se posicionamento político fosse um crime), de acordo com o que noticia e do agressor. Ou seja, se o fato desagrada grupos conservadores, são taxados “mentirosos de esquerda”; se forem problemas de grupos liberais, são “mentirosos da direita”.

Obviamente essa equação não fecha.

 

Como escapar dessa armadilha

Se antes a construção dessas mentiras levava anos, graças à manipulação das pessoas pelas redes sociais, isso agora pode ser feito em poucas semanas. De fato, escrevi, em maio do ano passado (portanto muito antes de o resultados das eleições se delinear), que o presidente atual seria eleito em um “videogame”. E foi exatamente isso que aconteceu.

As “fake news profissionais” estão longe de se apenas boataria. Seus produtores sabem como usar as redes sociais para coletar dados dos usuários e identificar seus desejos e seus medos. Dessa forma, não apenas produzem seu material para atender a isso tudo, como “plantam” esse material diretamente naqueles que gostariam que aquilo fosse verdade. E, diante disso, essas pessoas “compram a ideia” facilmente, espalhando-a com força. A partir daí, as infames “bolhas” das rede sociais fazem o trabalho sujo. Exatamente como aconteceu no escândalo Facebook – Cambridge Analytica.

Ou seja, o elo fraco dessa nefasta corrente manipuladora somos nós mesmo, que queremos acreditar na mentira, porque ela nos convém de alguma maneira. E, graças às “bolhas”, que nos colocam em contato com uma multidão de pessoas que pensam da mesma forma, a mentira parece cada vez mais verdadeira.

Esse é o ponto onde estamos.

Portanto, a única maneira de tirarmos essas vendas que nos cegam e colocam familiares, amigos, colegas e desconhecidos em rota de colisão frontal é desconfiar até daquilo que queremos. Como diz o ditado, “quando a esmola é grande, até o santo duvida”. E os santos têm andado muito, muito generosos ultimamente.

Outro personagem-chave de Star Wars, o mestre jedi Obi-Wan Kenobi, disse ao então aprendiz Luke Skywalker que “muitas das verdades a que nos apegamos dependem muito do nosso próprio ponto de vista.” Esse ensinamento aparece no filme “O Retorno de Jedi”, de 1983. Hoje, 36 anos depois, ele nunca foi tão verdadeiro.

Saia de sua zona de conforto! Aprenda com o outro! Não acredite nas obviedades que lhe dizem! Isso pode salvar você do Lado Negro da Força. E torná-lo um cidadão melhor.


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

A alegria do seu sucesso pode virar seu pior pesadelo, e de graça!

By | Tecnologia | No Comments
Vídeo em que Nilson Izaías “Papinho” consegue fazer sua “slime”, que o transformou em uma estrela instantânea – Foto: reprodução

Vídeo em que Nilson Izaías “Papinho” consegue fazer sua “slime”, que o transformou em uma estrela instantânea

Imagine a cena: você está tocando sua vida normalmente, quando tem a felicidade de fazer algo inesperadamente incrível, que lhe garante uma grande fama instantânea! Subitamente você é catapultado de uma vida convencional para o estrelato, com milhões de pessoas acompanhando seus passos. A repentina exposição lhe garante muitos novos amigos, negócios e dinheiro. Grande alegria! Mas de repente, quando tudo parecia estar maravilhosamente bem, você se vê envolvido em uma lista de denúncias infundadas, que destroem a sua reputação. E aí toda aquela euforia legítima dá lugar a medo e depressão.

Está achando que isso é roteiro de filme B? Pois saiba que pode acontecer de verdade! E, em tempos de redes sociais, onde tudo é mais rápido e mais intenso, qualquer um pode ser uma vítima desse pesadelo, inclusive você, sua carreira, seu negócio. De uma hora para a outra, toda aquela euforia se transforma em um transtorno que pode ter sequelas graves.

Como isso é possível? Dá para se proteger?

Há poucos dias, um caso desses se tornou emblemático. Aconteceu com Nilson Izaías “Papinho”, que vive em Juquiá, município de menos de 20 mil habitantes a 170 km de São Paulo. O pacato aposentado de 72 anos criou, há 11 meses, um canal no YouTube, onde publica singelos vídeos domésticos de seu cotidiano, como o que come no café da manhã ou as frutas de seu quintal.

Há um mês, “Papinho” encarou um desafio: fazer, na frente da câmera, uma “slime” caseira, que são aquelas massas gelatinosas que fazem sucesso entre as crianças. Depois de quatro tentativas frustradas, no dia 22 de janeiro, ele publicou um vídeo de seu sucesso na empreitada. Tudo muito singelo e despretensioso. O vídeo, que pode ser visto abaixo (10’57’’) “viralizou” e já passou de dez milhões de visualizações! Antes dele, o canal tinha pouco mais de mil inscritos; hoje já são cerca de 4,4 milhões, que vieram no espaço de apenas duas semanas!


Vídeo relacionado:


Trata-se provavelmente do crescimento mais rápido do YouTube no Brasil! O “vovô da slime”, que até então tinha feito apenas 18 vídeos praticamente sem audiência, se tornou um fenômeno literalmente do dia para noite.

E aí começaram os seus problemas.

 

Por que isso acontece?

“Papinho” não tinha nenhuma pretensão de atingir fama ou ganhar dinheiro. Segundo ele, gravava seus vídeos para fazer novos amigos, e ficaria satisfeito se atingisse mil inscritos no canal.

Mas a grande fama veio. E, com ela, a grande infâmia!

“Papinho” começou a ser acusado de vários comportamentos inadequados e até de pedofilia, além de ter sua imagem violentada em “memes”. Subitamente, várias pessoas e perfis falsos apareceram nas redes sociais, com grandes teorias e histórias sobre o aposentado que, até havia alguns dias, só familiares e amigos conheciam. Pior que isso: “Papinho” viu seu nome e sua imagem usados em uma briga suja entre grupos políticos conservadores e liberais. Felizmente, ele recebeu o apoio de várias pessoas, que o ajudaram a passar por isso.

Por que alguém faria isso com um pacato aposentado, que ficou famoso ao fazer “slime” caseira?

Os primeiros nisso são os “trolls”, pessoas que se divertem criando e espalhando esse tipo de confusão. Motivados por inveja, discordância ou simplesmente falta do que fazer, não pensam duas vezes antes de destruir a imagem de alguém que nunca lhes fez nada. Há também um grupo ainda mais odioso, que são aqueles que usurpam a imagem de famosos para atingir seus próprios objetivos, não se preocupando se isso lhes causará problemas.

“Papinho” foi vítima de ambos.

 

Pode acontecer com todo mundo?

Claro que sim!

Convenhamos, se um singelo senhor que ficou famoso fazendo “slimes” foi vítima, qualquer um pode ser. E, quanto maior a sua influência, pior pode ser o estrago.

Sem desmerecer as qualidades humanas e a capacidade de gerar engajamento de “Papinho”, é pouco provável que o mau uso de sua imagem provoque grandes crises políticas ou econômicas. Mas, se a vítima for um grande empresário, por exemplo, muita gente pode embarcar nas “fake news” e tomar decisões muito ruins e equivocadas.

Mas uma coisa é comum a todos: seja “Papinho”, seja um grande empresário, esse tipo de atentado à reputação é sempre desagradável e um desrespeito inaceitável ao indivíduo, que se vê envolvido gratuitamente em uma trama com a qual não tem nada a ver.

E ainda tem que limpar a lama que lhe foi jogada de graça.

 

Como se proteger?

Não há proteção absoluta contra esse tipo de maldade. Mas podemos fazer coisas que podem ajudar bastante caso o abuso aconteça.

A primeira delas é não tocar tambor para maluco dançar! Em muitos casos, o ataque acontece apenas para desestabilizar a vítima, esperando que ela revide na mesma moeda. Jamais faça isso! Caso contrário, o agressor terá atingido seu objetivo de arranhar (às vezes profundamente) sua reputação. Fique no campo das ideias e do respeito.

Outra coisa que ajuda muito é construir previamente uma boa reputação. Partindo do princípio constitucional de que todos são inocentes até que se prove o contrário, ter uma boa imagem construída junto a seu público é um importante aliado contra esses ataques, pois as pessoas tendem a acreditar menos no agressor a até mesmo defender a vítima.

Por fim, cultive sempre bons relacionamentos na rede: converse com as pessoas, ajude-as no que puder, compartilhe conhecimento. Mas faça isso genuinamente! Essa doação é percebida por quem se beneficia dela. E acredite: amor com amor se paga!

Mas isso tudo tem que ser feito antes do problema acontecer. Dessa forma, eventuais ataques terão um impacto muito menor. Não passarão de “slime”, que não gruda e é descartável.


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Você sabe proteger seus filhos da publicidade?

By | Educação | No Comments

Foto: Michael Christian Parker/Creative Commons

Crianças não têm poder de compra. Entretanto, elas têm grande influência nos gastos de uma família. Mas quem as influencia naquilo que elas desejam comprar? Apesar de a publicidade infantil estar virtualmente banida no Brasil desde 2014, não se engane: ela continua existindo, porém travestida de formatos novos e muito mais eficientes. Diante disso, você sabe como proteger as suas crianças dessa nova publicidade?

Estudos indicam que crianças até os seis anos não seriam capazes de diferenciar um conteúdo editorial, como um programa de televisão, de uma propaganda. Além disso, só após os 12 anos seriam capazes de compreender o caráter persuasivo da publicidade. Em outras palavras, crianças seriam vítimas indefesas de campanhas que diriam o que comer, com o que brincar, o que vestir e muito mais. Essa é uma das bases para as legislações contrárias à publicidade infantil.

O debate se aprofunda por todos os lados. Já participei inclusive do Jornal da Cultura Debate, em um programa destinado ao tema. A íntegra em vídeo pode ser vista abaixo (27 minutos):


Vídeo relacionado:


Defensores da publicidade infantil argumentam que ela é essencial para que empresas de produtos direcionados a crianças se mantenham, como qualquer outro negócio. Além disso, o fim da publicidade infantil também estaria eliminando programas de TV, revistas e outros conteúdos infantis, que não teriam como se viabilizar sem o dinheiro da publicidade. Por fim, os defensores argumentam que o papel de dizer “não” a um eventual consumo desenfreado dos filhos caberia aos pais, e que, com o fim da publicidade infantil, eles ficariam livres dessa obrigação.

É aí que a porca torce o rabo.

 

Pais despreparados

O argumento de que os pais têm a responsabilidade para educar seus filhos até mesmo no que diz respeito ao consumo é válido, mas ele esconde alguns problemas.

O primeiro deles é que os pais não estão preparados para isso. Ou -o que é pior- em muitos casos, não quere fazer isso! O outro é que as crianças são mesmo indefesas e elas podem encontrar maneiras de consumir determinado produto, de um jeito ou de outro.

No primeiro caso, muitos pais, devido à vida moderna, andam bastante permissivos. Portanto, não dão à paternidade a devida atenção. Como a atenção aos filhos é reduzida, têm dificuldade de dizer “não”.  Ou nem mesmo sabem como fazer isso: acham que amar os filhos significa evitar-lhes frustrações.

Portanto, sim, em um mundo ideal, os pais seriam os educadores que ensinariam a seus filhos até onde o consumo deve ir. Mas isso não acontece hoje em muitos -talvez na maioria- dos casos. Mas isso não os desobriga de aprender a fazer isso! Esse é o motivo por que esse assunto precisa ser debatido de novo e de novo e de novo em todos os fóruns possíveis. Até que o conceito finalmente seja compreendido por todos, por mais que demore.

Sobre o segundo caso, do ponto de vista cognitivo, as crianças são mesmo presas fáceis da propaganda. E, por mais que os pais tenham uma boa atuação doméstica, elas ganham relativa autonomia cada vez mais cedo, até mesmo para adquirir produtos. Logo, elas poderão comprar o que viram na propaganda por conta própria, quando não estiverem com os pais, como na cantina da escola.

E o poder de convencimento tem sido intenso!

 

Criança influencia criança

De qualquer forma, com a legislação vigente, se a publicidade não está terminantemente proibida, ela desapareceu por uma regulação do mercado.

Ou havia desaparecido.

De uns anos para cá, como aliás, pode ser visto no vídeo acima, a publicidade infantil invadiu o YouTube. E não da forma como existia antes. Agora temos os “youtubers mirins”, crianças que às vezes mal sabem falar, gravando vídeos recheados com todo tipo de produto (especialmente brinquedos) que são apresentados como uma criança mostrando a outra algo que acabou de ganhar. E isso seria algo legítimo: afinal, todo criança gosta de mostrar aos amigos seus brinquedos novos.

Mas, nesse caso, os “amigos” são legiões de seguidores no YouTube, que chegam a ser contadas aos milhões! E essas crianças ganham muitos, às vezes dezenas de brinquedos toda semana, que mostram alegremente em seus vídeos, em um fenômeno chamado de “unboxing” (tirar da caixa). Em alguns casos, isso é feito com a ajuda dos pais, pois as crianças são tão pequenas, que não conseguem abrir as caixas ou “perdem o foco”: resolvem brincar com um brinquedo mostrado, ao invés de continuar abrindo mais e mais caixas.

Os pais desses pequenos, aliás, estão no centro desse fenômeno, pois costumam atuar como equipe técnica e empresários dos filhos, junto às empresas, que descobriram uma maneira de burlar as restrições e ainda passar uma mensagem extremamente convincente a seu público. Afinal, uma criança brincando ou comendo algo “por si só” convence outra criança a fazer o mesmo de maneira melhor que o mais brilhante comercial de TV.

Alguns desses vídeos informam que foram criados por patrocínio de empresas, o que não resolve em nada o problema. Outros têm a desfaçatez de afirmar categoricamente que não são publicidade, o que chega a ser um escárnio ao bom senso em alguns casos. Tanto que o Google, dono do YouTube, foi acionado por uma ação civil pública do Ministério Público de São Paulo na virada do ano. A ação, movida pelo Instituto Alana, ONG que cuida do desenvolvimento de crianças, pede, entre outras ações, a retirada de 105 vídeos de sete youtubers mirins, que somam 13 milhões de inscritos em seus canais.

 

O que você pode fazer

Legislações e iniciativas com a acima são bem-vindas para melhorar essa situação. Mas vocês, como pais, avós, tutores ou educadores, têm um papel essencial nesse processo. E os ganhos são múltiplos: não apenas ajudarão suas crianças a lidar com essa situação, como melhorará -e muito- seu relacionamento com eles.

A primeira coisa a fazer é não proibir. Isso não funciona! Como diz o ditado, “tudo que é proibido é mais gostoso”! Então, diante disso, a criança encontrará meios de burlar a proibição, e o tiro sairá pela culatra.

Em segundo lugar, estabeleça, desde bem cedo um canal de diálogo franco com os pequenos. Mas, para que isso funcione, deve ser bilateral: as crianças devem ter abertura total para que confiem nos pais, mas os pais também precisam confiar nas crianças. E isso deve ser em tudo! Se for exigida confiança de apenas um dos lados, não funcionará.

Por fim, desenvolva o gosto de fazer junto com as crianças as coisas que elas gostam de fazer: brincar, contar histórias, ler livros, ver filmes e desenhos, participar de jogos e games e -claro- assistir a vídeos no YouTube (que não tem nada de errado por si só).

São três pilares simples de entender, mas admito que não tão simples de realizar, ainda mais para pais que trabalham fora. Mas, oras, a paternidade é isso! E essas tarefas não precisam consumir muitas horas do dia. Se bem feito, alguns minutos podem fazer a diferença entre crianças saudáveis, independentes, conscientes e felizes e pequenos tiranos, que crescerão como adultos irresponsáveis, sem limites, incapazes de ter uma vida saudável e construtiva na sociedade.

E qual dos futuros vale a pena investir seu tempo?

 

E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados: