robô

Garanta seu trabalho transformando sua humanidade em um “produto”

By | Educação | No Comments
O personagem Theodore (Joaquin Phoenix) do filme "Ela" (2013): é possível se apaixonar por uma máquina e ser correspondido? - Foto: divulgação

O personagem Theodore (Joaquin Phoenix) do filme “Ela” (2013): é possível se apaixonar por uma máquina e ser correspondido?

Nos últimos dias, participei de animadas discussões com profissionais de diversas áreas sobre o futuro do trabalho. Inevitavelmente tocamos no ponto mais sombrio desse tema, que é a extinção de profissões inteiras, potencialmente criando hordas de desempregados. Não compartilho de visões apocalípticas de que as máquinas ficarão com todo o trabalho e as pessoas morrerão de fome. Mas é um fato que muitos ofícios acabarão mesmo, ou pelo menos serão fortemente transformados. Talvez isso já esteja acontecendo no seu segmento. Daí vem a pergunta que não quer calar: o que você está fazendo para se proteger dessa onda?

Naturalmente algumas profissões estão mais em risco que outras. A má notícia é que ninguém está totalmente a salvo.  A BBC criou um infográfico interativo a partir de uma pesquisa da Universidade de Oxford, que, já em 2013, avaliou os riscos de automação de 365 profissões nos próximos 20 anos. Apesar de usar dados do Reino Unido, as conclusões podem ser facilmente extrapoladas para profissionais de todo o mundo. Mais cedo ou mais tarde, a automação impactará todos, mas a pesquisa de Oxford demonstrou que, para algumas profissões, isso já acontece e de uma maneira determinante, forçando categorias inteiras de profissionais a se reinventar.


Vídeo relacionado:


Segundo os pesquisadores, as profissões que estão mais em risco são operadores de telemarketing, digitadores, assistentes jurídicos, gerentes financeiros e profissionais de estoque. Já entre as profissões menos ameaçadas estão profissionais de hotelaria, educadores, fonoaudiólogos, profissionais de serviço social e psicólogos.

Analisando a lista completa, surge afinal uma boa notícia!

O que se observa é que os ofícios com um alvo bem no meio da testa executam muitas tarefas repetitivas e que podem ser antecipadas e, portanto, facilmente automatizadas. Por outro lado, o pessoal que pode relaxar um pouco mais caracteriza-se pelo forte uso de relacionamento interpessoal nas suas funções.

Portanto, ser cada vez mais humano é um caminho interessante para não ser substituído por uma máquina.

 

Máquinas humanizadas

Nessas horas, é muito comum ver profissionais se recusando a acreditar que eles podem ser os próximos a ser passados para trás pelas máquinas. Entretanto, fechar os olhos para o problema é a pior coisa a se fazer, pois ele continuará existindo, mesmo que nos recusemos a olha para ele.

Entre os argumentos usados por essa turma para se defender, estão decisões que as máquinas não são capazes de tomar, justamente por lhes faltar “humanidade”. De certa forma, isso está de acordo com as conclusões da pesquisa de Oxford citada acima. Mas não se pode abraçar isso como uma tábua de salvação garantida, pois as máquinas também avançam em tarefas em que se acreditava ser necessário um ser humano para sua realização.

Por exemplo, quem se lembra das partidas de xadrez entre o então campeão mundial Garry Kasparov e o supercomputador da IBM Deep Blue? No primeiro match, realizado em 1996 Kasparov venceu a máquina por 4 a 2. Na revanche, em 1997, com o Deep Blue reprogramado, a máquina venceu o confronto por 3 ½ a 2 ½, fazendo com que Kasparov acusasse a IBM de trapaça, graças a um movimento inusitado do computador na primeira partida do match.

Isso aconteceu há 20 anos!

As máquinas também vêm demonstrando incrível capacidade de compreensão de texto, uma atividade tradicionalmente associada a características humanas. Em janeiro, dois sistemas independentes, um da Microsoft e outro da gigante de e-commerce chinês Alibaba, empataram em primeiro lugar no SQuAD, um sofisticado teste de compreensão de texto da Universidade de Stanford (EUA). O placar do sistema da Microsoft foi de 82,65, enquanto o chinês foi de 82,44. O placar humano foi de 82,30

Além de ler, as máquinas também são capazes de escrever textos. Vários sistemas de “jornalistas robôs” já produzem noticiário a partir de dados que eles coletam de fontes confiáveis, e estão abastecendo redações importantes no mundo todo, inclusive de veículos de comunicação tradicionais, como o francês Le Monde.

Até mesmo materiais jurídicos já estão sendo produzidos por robôs, inclusive no Brasil. A Urbano Vitalino Advogados, de Recife, contratou o IBM Watson (descendente atual do Deep Blue) para realizar as tarefas repetitivas do escritório a fim de concluir processos com mais eficiência e também com um maior índice de vitória. Já no banco JPMorgan, um robô  chamado COIN (Contract Intelligence) analisa acordos de empréstimos, que antes sobrecarregavam equipes jurídicas inteiras.

Ainda assim, todos esses são exemplos da combinação de sistemas cada vez mais incríveis de inteligência artificial com uma capacidade de processamento obscena. Mas as máquinas ainda não conseguem demonstrar emoções.

Ou conseguem?

 

Apaixonado pelo computador

A ficção explora há décadas a ideia de que chegará o dia em que humanos se relacionarão com máquinas, até mesmo amorosamente. Em 2013, o diretor de cinema Spike Jonze criou uma incrível história a partir disso: “Ela” (“Her”), protagonizado por Joaquin Phoenix e pela voz de Scarlett Johansson. Sim, a voz, pois ela dá vida ao sistema operacional do computador do personagem Theodore (Phoenix). Com o desenrolar da história, ele acaba se apaixonando pelo sistema, que parecia ser a mulher perfeita, exceto pelo fato óbvio de que era uma máquina. Mas talvez o mais incrível é ver o sistema também se apaixonar pelo humano.

“Ela” é uma obra-prima porque nos leva a questionar o que é necessário para se apaixonar por alguém (ou algo). Samantha, a assistente pessoal que personifica o sistema, sabe tudo sobre Theodore (afinal, é um computador com acesso irrestrito a seus dados), é inteligente e demonstra uma sensibilidade que as mulheres verdadeiras aparentemente não têm na história.

Como não se apaixonar?

Mas Samantha não tinha um corpo. E, no final das contas, continuava não sendo humana. Por mais que sistemas de todo tipo tornem nossas vidas cada vez mais fáceis, produtivas e até divertidas, o contato humano tem um incrível valor.

Por isso, é uma pena ver como muitas pessoas acabam se comportando como máquinas, abafando sua humanidade em favor de uma suposta “produtividade”, achatados pela nossa vida moderna. Exemplos clássicos desses profissionais: atendentes de telemarketing e de fast food. Não por acaso esse pessoal está na lista do estudo de Oxford para ser substituído pelas máquinas primeiro.

Mas não tem que ser assim!

 

“Fritas para acompanhar?”

Lembro-me de uma experiência pessoal que tive em 1999, em uma Wendy’s nos EUA, mais uma cadeia de fast food inspirada no modelo do McDonald’s. Mas o atendimento foi tão incrível, que me lembro dele depois de quase duas décadas!

O motivo? O atendente demonstrou uma incrível humanidade em uma tarefa em que estamos acostumados a profissionais robotizados.

O atendente já era um senhor de uns 70 anos de idade, que fazia parte de uma iniciativa da Wendy’s de contratar pessoas mais experientes. E eles estavam absolutamente certos! Como o sanduíche acabou demorando um pouco para sair, fui comendo as batatas fritas que já estavam na bandeja, enquanto tinha uma agradável conversa com aquele senhor. Quando o sanduíche finalmente ficou pronto, lembro-me claramente de ele me dizer: “vou trocar suas batatas, pois elas já podem ter esfriado um pouco”.

É uma “bobagem”? Talvez. Mas foi o melhor atendimento que tive em um fast food na vida! Tanto que eu voltei outras vezes àquela lanchonete na mesma viagem. O fator humano foi absolutamente determinante! E ele apareceu em uma atividade cujo diálogo entre o consumidor e o atendente não costuma ir muito além de “fritas para acompanhar”.

Como diz o ditado, “em terra de cego, quem tem um olho é rei”. No nosso caso, em uma sociedade cada vez mais automatizada –e que nos traz muitos benefícios, não nego– os profissionais precisam aprender que sua humanidade tem valor. Temos que resistir aos scripts escravizadores, à pressão insensível por resultados e à indiferença de colegas de trabalho e até mesmo dos clientes.

Se sucumbirmos a essas tentações, caímos em uma vala comum de profissionais indiferenciados, pedindo para serem substituídos por robôs que realizarão nossas funções de maneira igualmente fria, porém muito mais eficientemente.

Um atendimento humanizado não se trata, portanto, de uma visão saudosista de um passado que jamais voltará, nem de um movimento de resistência a máquinas “malvadas”. É a percepção de que isso pode ser um incrível diferencial para qualquer um. Muitas pessoas pagam e continuarão pagando por isso!

A humanidade tem valor! Portanto, não importa qual seja a sua profissão, comece a pensar em como pode realizá-la de maneira cada vez mais eficiente, claro, mas sem jamais esquecer que você não é uma máquina.


Artigos relacionados:


Como será quando um robô tomar seu trabalho?

By | Tecnologia | 2 Comments

Foto: Visualhunt/Creative Commons

Podemos estar assistindo à gestação de uma crise de empregos global sem precedente. A troca de pessoas por máquinas na indústria não é uma novidade, mas isso já se observa também em todos os setores da economia, e com uma taxa de adoção cada vez mais intensa. Não se trata só do velho embate “máquina versus humanos”: chegará o momento em que a maioria das atividades produtivas será feita por robôs? Mais dramático que isso: quando isso acontecer, as pessoas ainda terão uma função na sociedade e meios para se sustentar?

Já debatemos aqui o fato de muitos profissionais e empresas estarem se tornando obsoletos diante de novas iniciativas que oferecem produtos ou serviços melhores e mais baratos. O enfoque, naquele outro artigo, era de pessoas ocupando o lugar de outras pessoas, auxiliadas pela tecnologia. E já foi o bastante para muita gente conversar comigo sobre sua preocupação com o tema. Mas a revolução mais comovente deve vir das máquinas, justamente por tirarem o ser humano da equação.


Vídeo relacionado:


Na semana passada, a Foxconn, empresa chinesa que monta os iPhones, substituiu 60 mil postos de trabalho da sua unidade na província de Kunshan por robôs. Mesmo em um país acostumado a quantidades superlativas, é muita gente perdendo o emprego: 55% do total da fábrica.

A empresa diz que, “a longo prazo”, não haverá diminuição de postos de trabalho, pois funcionários poderão passar a fazer atividades mais nobres e menos repetitivas. Esse é o discurso típico de quem automatiza uma linha de montagem. Mas o fato é que, a curto prazo, o pessoal foi para a rua mesmo! Tudo para reduzir custos e atender metas de produção da Apple. E não há nenhuma garantia que essas pessoas sejam reaproveitadas pela empresa. Pior: não se sabe sequer se serão mesmo capazes de aprender as tais tarefas “mais nobres”.

Naturalmente algumas profissões estão mais em risco que outras. A BBC criou um infográfico interativo a partir de uma pesquisa da Universidade de Oxford, que avalia os riscos de automação de 365 profissões nos próximos 20 anos. Apesar de levar em consideração dados do Reino Unido, os resultados podem ser extrapolados para profissionais de todo o mundo. Mais cedo ou mais tarde, a automação impactará quase todos, mas a pesquisa de Oxford demonstra que, para algumas profissões, isso já acontece e de uma maneira absolutamente determinante, forçando categorias inteiras de profissionais a se reinventar.

Impossível não pensar na Revolução Industrial, cujos raízes remontam na Inglaterra do século 18, e os processos industriais acabaram por quase extinguir os artesãos de diferentes segmentos. A transição para um novo formato social e econômico foi traumática, contando até com o surgimento de movimentos que resistiam à automação, como o ludismo.

Porém, apesar de todo aquele drama, o mundo acabou se reorganizando, com uma grande evolução da humanidade. Os artesãos realmente ficaram para trás, mas as pessoas encontraram um novo caminho.

Mas qual será o caminho a seguir agora?

 

Futuro Blade Runner?

A mesma tecnologia que extingue profissões cria outras completamente novas.

Por exemplo, estamos assistindo ao fortalecimento do Movimento Maker, em que pessoas começam a produzir, até mesmo em casa, coisas incríveis e tecnologicamente sofisticadas. Além disso, a tecnologia digital também permite que paradigmas sejam quebrados, subvertendo modelos de negócios consolidados há décadas. O fenômeno dos youtubers, por exemplo, já pode ser considerado uma ameaça à TV, especialmente se olharmos para o público mais jovem. E a economia compartilhada já deixou de ser uma tendência para fazer parte da vida de milhões de pessoas, para desespero de donos de negócios tradicionais, que ganharam novos e eficientíssimos concorrentes (a guerra do Uber contra os táxis é um dos exemplos mais notáveis disso).

Seria ótimo se todo esse pessoal que perdeu o emprego para os robôs conseguisse pular nesse novo barco. Mas sejamos realistas: são poucos aqueles que conseguiriam fazer isso. E haveria mercado para todos? Usando o próprio YouTube como exemplo, existem uns poucos milionários da plataforma, e um mar de microprodutores de vídeos que nunca ganharão dinheiro com isso, nem mesmo sairão do anonimato.

A turma de 40 anos ou mais deve se lembrar do filme Blade Runner, de 1982, em que as ruas de uma Los Angeles decadente de 2019 eram tomadas por engenheiros genéticos que criavam seres artificiais para lucrar ou simplesmente se divertir. É isso que nos espera?

E qual a saída para quem não se encaixa em nada disso?

 

Sobrevivendo à automação

No dia 5 de junho, 78% dos suíços rejeitaram, em plebiscito, uma ideia de renda mínima para todo cidadão do país. Pela proposta, cada adulto receberia mensalmente 2.500 francos suíços (R$ 9.000), estando empregado ou não, enquanto cada criança receberia 625 francos suíços (R$ 2.260). Para quem trabalha, a medida faria diferença apenas para quem ganhasse menos que os R$ 9.000 (o salário médio na Suíça gira em torno de R$ 21.700).

Para os criadores da proposta, ela permitiria que as pessoas pudessem se concentrar em atividades que gostassem, e até mesmo voluntariado. E, de quebra, resolveria o problema de desempregados pela adoção de robôs. Acabou sendo rejeitada porque os suíços preferiram manter outros benefícios sociais que já têm (que seria substituídos pela renda mínima). Além disso, o governo temia que a proposta enfraquecesse o serviço público, aumentasse impostos e prejudicasse o consumo.

É pouco provável que uma proposta como essa seja viável no Brasil. Apesar de já ser lei aqui desde 2004, ainda não está valendo porque não foi regulamentada. Os principais entraves são caixa para se pagar um valor que permita um bem-estar efetivo aos eventuais beneficiados, o tamanho da população brasileira e a nossa corrupção endêmica.

Então, já que a renda mínima não passou nem na rica Suíça, os profissionais precisam dar seu jeito para fazer frente à invasão dos robôs no mercado de trabalho. E ironicamente a melhor maneira de se fazer isso é ser cada vez mais humano.

Os robôs são imbatíveis em tarefas que exigem precisão, repetição e montagens complexas. Mas eles são muito fracos em qualquer atividade que envolva relacionamento social, decisões diante de imprevistos, correr riscos e valer-se de sentimentos.

Trocando em miúdos, vale a pena investir em profissões cujas tarefas não possam ser descritas e controladas por algum tipo de programa de computador. Todo o resto caminhará cada vez mais rapidamente para os robôs.

Ou seja, faça o que os robôs não podem fazer. Pelo menos não ainda.

Além disso, profissionais têm a obrigação de se manter atualizados. Foi-se o tempo em que o que se aprendia na faculdade era garantia de um bom desempenho profissional até a aposentadoria. Com avanços tecnológicos e sociais galopantes, é preciso estar sempre estudando. Essa ação é inegociável.

Da mesma forma, as empresas têm o dever de incentivar a iniciativa e a inovação em seus quadros. Prestar atenção no que seus próprios funcionários e consumidores dizem pode ser muito mais valioso que qualquer robô. O mundo está em constante mudança e novas oportunidades podem estar a uma quadra ou do outro lado do planeta.

Por tudo isso, a melhor maneira de garantir seu lugar ao sol em uma sociedade cada vez mais automatizada é exercendo sua humanidade. Não será necessário se comportar como os luditas, e sair quebrando todas as máquinas pelo caminho para passar por mais essa Revolução Industrial.


Artigos relacionados:

 

 

Robôs podem ajudar no combate à “coisificação” dos empregos

By | Educação, Jornalismo, Tecnologia | One Comment
Cena do filme “A Invenção de Hugo Cabret” – Foto: divulgação

Cena do filme “A Invenção de Hugo Cabret”

Pouca gente sabe, mas já há algum tempo robôs escrevem parte do noticiário que consumimos. Mas longe de ser uma ameaça aos jornalistas, esse fenômeno pode ajudar a combater o desemprego, trazendo alguma luz sobre o processo de “coisificação” dos trabalhos de qualquer categoria profissional.

Esses jornalistas-robôs não são máquinas humanoides, e sim programas de computador conectados a bancos de dados de diferentes tipos. Eles procuram permanentemente por determinadas informações e, quando as encontram, produzem textos em uma fração de segundo, com uma qualidade que virtualmente impossibilita diferenciar um texto de um desses robôs de um escrito por uma pessoa.


Vídeo relacionado:


Mas os robôs não são capazes de escrever qualquer texto (pelo menos ainda não). Eles são muito eficientes na produção de material fortemente baseado em números, como resultados financeiros ou placares esportivos. Os programas não têm inteligência artificial para artigos que exijam abstração, mesmo a partir daqueles mesmo dados. Não conseguem, por exemplo, escrever um texto como este que você está lendo agora.

Robôs não ameaçam, portanto, os empregos dos jornalistas. Na verdade, eles podem lhes tirar o fardo de matérias enfadonhas, para que possam produzir reportagens e artigos de alto valor intelectual.

Infelizmente, quem ameaça esses empregos são os próprios jornalistas e as empresas de comunicação.

Neste momento de crise aguda da imprensa tradicional, os jornalistas mais experientes (e caros) são demitidos por economia. Sobram os novatos, que, além de não ter os necessários calos da profissão, acabam sobrecarregados de tarefas, e topando tudo para não perder o emprego.

O resultado previsível são textos com pouquíssimo esforço de reportagem e quase nenhum requinte intelectual. Esses profissionais ficam esmagados entre denuncismo e jornalismo palaciano de um lado e números do outro, e pressionados pelo volume de produção pelos veículos. Ou seja, os textos que produzem ficam tão limitados quanto os dos robôs, e talvez menos precisos.

Então não precisamos mais de jornalistas?

 

O valor do conhecimento

Jornalistas não estão sozinhos diante desse drama: profissionais de muitas áreas começam a sofrer concorrência de sistemas automatizados. Mas novamente aqui eles não são as reais ameaças aos seus empregos. O verdadeiro risco está na “coisificação” de seus trabalhos.

Assim como na imprensa, empresas de todos os setores passam por momentos dramáticos por conta da crise que assola nosso país. Nessas horas, demitem os funcionários mais caros, extinguem funções e cortam investimentos. Sobram os peões e a mão de obra absolutamente essencial. O objetivo: manter a fornalha acesa com o mínimo de carvão, na esperança de que o fogo não se apague até que dias melhores cheguem.

Em outras palavras, elimina-se a inovação, a iniciativa e o desejo de correr riscos. Fica-se quietinho para que ninguém perceba sua presença, torcendo para que as coisas se acertem por si só. É o típico manual do empresário amedrontado pela crise.

Esse é, entretanto, o melhor caminho para se dar mal. O guru da administração Tom Peters costuma dizer que “o fracasso é uma medalha de honra”, pois ele demonstra que se tentou. E conclui: a única maneira de não fracassar em algo é não tentar. Mas essa também é a garantia de que não se atingirá o sucesso em nada.

Quase posso ouvir agora alguns rindo nervosamente, enquanto leem esse texto e pensam: “falar é fácil”. Pois eu digo que fácil é se acomodar na toca, torcendo para que a tempestade passe logo. Se tiverem a sorte de estarem vivos quando isso acontecer, sairão dela enfraquecidos diante daqueles que aproveitaram a tormenta para reforçar criativamente suas estruturas.

Ao invés de se acovardar em seus buracos, empresas, profissionais, associações devem se unir para justamente encontrar fórmulas para fomentar a inovação e a iniciativa. Não estou dizendo para apostarem todas as fichas em uma única ideia, especialmente se não houver muitas sobre a mesa. Mas, mesmo em tempos bicudos, deve-se correr riscos por aquilo que vale a pena. E isso funciona para profissionais e para empresas.

Precisamos, portanto, de jornalista e de profissionais de todas as áreas. Especialmente dos bons e experientes o suficiente para ter sucesso correndo riscos! A alternativa é ficar lá na toca, com os dedos cruzados e produzindo coisas medíocres. Mas nesse caso, quando a crise passar, talvez encontrem mais robôs que profissionais trabalhando.


Vamos falar sobre a linguagem certa para público certo na Social Media Week? Esse é o segredo do sucesso nas redes sociais. É só entrar nesta página e clicar no botão verde de CURTIR abaixo da minha foto.


Artigos relacionados: