cinema

A volta dos “Loucos Anos 20”

By | Educação | No Comments

Estamos começando não apenas um novo ano, mas uma nova década

Muita gente acha que pode ser uma reedição dos “Loucos Anos 20”, como ficaram conhecidos aqueles que aconteceram há cem anos. Depois de uma pandemia e uma guerra que devastaram o mundo, aquela década foi marcada por grandes avanços culturais, artísticos e científicos. Foi um período de alegria, com muitas festas, muita liberação e muito sexo, quase uma jornada hedonista!

Agora estamos passando por uma pandemia, que já matou quase 2 milhões de pessoas no mundo, 200 mil só no Brasil, e continua implacável. A Covid-19 colocou o mundo de joelhos, provocando muita dor, de diferentes maneiras, mudando nossas vidas.

Será que, quando ela passar, viveremos novamente um período de euforia desmedida? O que podemos aprender com os “Loucos Anos 20” da época do charleston e do jazz?


Veja esse artigo em vídeo:


Os “Loucos Anos 20” –ou os “Roaring Twenties”, como eram chamados nos Estados Unidos– foram uma reação, quase uma libertação das tristezas e das restrições causadas pela Gripe Espanhola e pela Primeira Guerra Mundial.

Na Europa, especialmente Paris (que virou o centro do mundo), em Berlim e em Londres, a alta sociedade e os intelectuais se misturavam ao som do can-can nos cabarés e outros ambientes efervescentes em ideias modernistas. Do outro lado do Atlântico, nos Estados Unidos, o charleston animava festas imensas, regadas a bebida, drogas e sexo. Isso mesmo em um país onde vigorava a Lei Seca, que proibia a fabricação, venda e transporte de bebidas alcoólicas.

Foi nessa época também que surgiu o jazz. Com seus improvisos e suas influências africanas, nasceu em Nova Orleans e ganhou a América, influenciando a música ocidental.

Tudo parecia possível graças à tecnologia, especialmente os automóveis, as imagens em movimento e o rádio. Houve grande popularização do cinema, cuja grande estrela da época foi Charlie Chaplin. Os filmes deixaram de ser um interesse para aficionados para ganhar as massas e levar milhões às salas de exibição. Eles ainda eram em preto e branco e mudos, por isso as salas tinham espaço para uma pequena orquestra ou pelo menos um piano. Os desenhos animados também se popularizaram, com O Gato Felix sendo lançado em 1919, e Mickey Mouse, no curta “Steamboat Willie”, em 1928.

Os “Loucos Anos 20” também foram um grande momento de avanço para as mulheres. Elas deixaram seus espartilhos para trás e passaram a usar vestidos decotados e na altura dos joelhos. Com cabelos curtos, lábios vermelhos, pálpebras escuras, lançaram um novo estilo, que ficou conhecido como “melindrosas” –ou “flappers” em inglês.

A sua libertação foi muito além! Passaram a fumar em público, a dirigir e a ir à praia de maiô inteiriço, além de conversar livremente sobre sexo, atitudes que escandalizaram os conservadores da época. Em alguns países, como os Estados Unidos, foi quando as mulheres também começaram a votar.

 

Os novos “Loucos Anos 20”

Será mesmo que caminharemos para uma nova versão dos “Loucos Anos 20”, quando a epidemia estiver controlada e a economia do mundo recuperada?

Alguns especialistas acreditam que sim. Nicholas Christakis, professor na Universidade de Yale (EUA) é um deles. Ele lançou recentemente o livro “A Flecha de Apolo”, em que debate justamente a vida durante a pandemia e o que pode vir depois dela.

Segundo o pesquisador, essa não é a primeira grande pandemia que a humanidade tem que enfrentar, apenas a primeira que nós estamos vivendo. Ele explica que, durante as epidemias, verifica-se o aumento na religiosidade, as pessoas economizam dinheiro e ficam avessas ao risco. Quando a ameaça acaba, há uma reação natural de resgate do que foi perdido, com todo mundo buscando experiências sociais.

Christakis afirma que isso vai acontecer de novo agora com a Covid-19. Com os países iniciando a vacinação em massa em 2021, a doença deve estar controlada no ano que vem, e a economia recuperada, segundo ele, em 2024, quando teríamos os “Loucos Anos 20” do século XXI.

Naturalmente o mundo de hoje é muito diferente do que era há um século. E, dentro do que estamos discutindo aqui, as redes sociais têm um papel determinante, agindo como um catalizador.

Há cem anos, os meios de comunicação tiveram papel fundamental para disseminar aquele estilo de vida frenético, principalmente o rádio, os jornais e o cinema. Agora, com o meio digital, tudo acontece de maneira mais rápida e mais intensa.

Muita gente, aliás, parece já estar no espírito dos “Loucos Anos 20”.

A atual pandemia é muito menos devastadora que a Gripe Espanhola, que durou de janeiro de 1918 a dezembro de 1920. Estima-se que o vírus H1N1 tenha infectado, naqueles três anos, 500 milhões de pessoas, cerca de um quarto da população mundial na época.

Não se sabe exatamente quantas pessoas morreram vítimas dele. Os números mais conservadores são de 17 milhões, mas a cifra poder ter chegado a incríveis 100 milhões de mortos. Até o presidente brasileiro da época, Rodrigues Alves, pegou a doença e morreu.

Agora, apesar de a Covid-19 ter travado o mundo, a situação é menos grave, graças aos avanços da ciência e do papel dos meios de comunicação em conscientizar as pessoas. Vale dizer ainda que a tecnologia digital diminuiu –e muito– os estragos na economia, pois muitos negócios continuaram funcionando, mesmo com o distanciamento social.

Também não tivemos recentemente uma guerra absurdamente devastadora, com a Primeira Guerra Mundial, que durou de julho de 1914 a novembro de 1918., matando quase 18 milhões de pessoas, entre civis e militares. Por outro lado, temos a violência disseminada em nossas cidades, deixando os cidadãos em constante estado de alerta.

Não é de se estanhar, portanto, a grande euforia que sucedeu à peste e à guerra, com grandes avanços na cultura, na ciência e nos costumes do século passado.

Apenas para acrescentar alguns feitos além do que já foi dito, na medicina, o médico escocês Alexander Fleming descobriu, em 1928, a penicilina, inaugurando a era dos antibióticos, que salvam incontáveis vidas desde então. O psiquiatra austríaco Sigmund Freud lançou as bases da psicanálise.

Surgiram também os movimentos artísticos, como o dadaísmo, de Marcel Duchamp e, o surrealismo, de Salvador Dalí. Também floresceram, nesses anos, grandes nomes como Joan Miró e Pablo Picasso. No Brasil, em 1922, aconteceu a Semana de Arte Moderna, que levou ao Theatro Municipal de São Paulo artistas plásticos, arquitetos, escritores, compositores e intérpretes, os quais foram recebidos, ao mesmo tempo, com aplausos e vaias.

 

Aprendendo com os erros

Mas nem tudo foram flores. Precisamos aprender com o que deu errado, para não repetir um dos períodos mais negros da humanidade, que sucedeu essa época dourada.

A euforia desmedida terminou na chamada “Grande Depressão”. No final de 1929, os Estados Unidos entraram e profunda crise econômica, com a “quebra” da sua Bolsa de Valores, o que provocou inúmeras falências, desemprego gigantesco e muita miséria.

A reboque disso, houve um aumento da intolerância e da xenofobia, além de uma “caça às bruxas” de movimentos conservadores. Isso culminou com o surgimento da Ku Klux Klan, organização racista que pregava a supremacia de brancos e protestantes.

Na Europa, a crise abriu o caminho para o surgimento de aventureiros políticos nacionalistas, que criaram Estados totalitários e ultraconservadores. Seus maiores expoentes foram o nazismo alemão, liderado por Adolf Hitler, e o fascismo italiano, de Benito Mussolini. E, como se sabe, isso tudo deu na Segunda Guerra Mundial, o conflito mais sangrento da história.

Portanto, sim, é possível que estejamos prestar a entrar em novos “Loucos Anos 20”. Talvez mereçamos mesmo essa alegria, depois de tanto sofrimento.

Mas ainda não chegamos lá: temos um caminho a seguir. A pandemia está longe de acabar, especialmente aqui no Brasil, onde sequer começamos a vacinação.

Há uma poesia do genial Carlos Drummond de Andrade, que é muito apropriada a isso tudo. Ela se chama “Receita de Ano Novo”, e termina com a seguinte estrofe:

“Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.”

 

Portanto, vamos gozar dos nossos “Loucos Anos 20”. Mas temos que, antes, fazer por merecer isso.

 

O cinema precisa da sua maior reinvenção desde o VHS

By | Tecnologia | No Comments

A recente estreia de “Mulher Maravilha 1984” pode ser um marco para o cinema. Não pela qualidade do filme, mas por ser o primeiro blockbuster a abraçar um formato de distribuição nascido pelos efeitos da pandemia que pode continuar depois dela.

Nos Estados Unidos, maior mercado cinematográfico do mundo, o filme protagonizado por Gal Gadot estreou no Natal nas salas de cinema ao mesmo tempo que na plataforma de streaming HBO Max. E isso provocou muita gritaria!

Afinal, será que os próprios estúdios estão fomentando uma alternativa que poderia, a longo prazo, acabar com as salas de exibição?

Sem trocadilhos, eu já vi esse filme antes. E os cinemas sobreviveram. Mas não sem passar por uma profunda reinvenção, que deixou muitos mortos pelo caminho.


Veja esse artigo em vídeo:


Novamente a TV se torna uma ameaça real às salas de cinema. E uma vez mais os estúdios podem jogar gasolina nessa fogueira.

As televisões estão cada vez maiores, melhores e, paradoxalmente, mais baratas: telas de até 85 polegadas, imagem brilhante, som cristalino, finas como nosso dedo! E não precisamos mais vender um rim para ter uma em casa.

Do lado do conteúdo na equação, com as salas fechadas por meses, Netflix, Amazon Prime Video, Disney+, Globoplay e afins ocuparam um espaço ainda maior em nossas vidas. Eles oferecem acervos cada vez maiores e melhores. Além disso, se tornaram incríveis estúdios, como ótima produção de séries e também de filmes próprios. Vale lembrar que, em 2019, “Roma”, produção da Netflix, foi indicada a dez categorias no Oscar, incluindo Melhor Filme, e ganhou em três, entre elas a de Melhor Diretor, com Alfonso Cuarón.

Entretanto, faltava uma coisa a esses serviços: terem, em seu portfólio, filmes de ponta junto com o cinema. Quem quisesse ver os lançamentos, necessariamente tinha que sair de casa.

 

Disney e Warner mudam o jogo

Entra em cena a Covid-19, fechando tudo e cancelando as estreias, incluindo algumas produções milionárias.

Diante disso, a Disney fez uma aposta ousada, lançando o live action de “Mulan”, que custou US$ 200 milhões, na sua plataforma Disney+ em setembro, “pulando” as salas de cinema.

Um detalhe: para assistir ao filme, além da assinatura da Disney+, que custa US$ 7 nos Estados Unidos, foi preciso desembolsar outros US$ 30. Resultado: apesar de o Disney+ não divulgar cifras individuais, o mercado estima que a estratégia tenha rendido cerca de US$ 260 milhões no lançamento, além de alavancar o download do aplicativo em 68%.

Como comparação, na mesma época, o filme foi lançado nas salas de cinema chinesas. Apesar de ser o segundo maior mercado cinematográfico do mundo e de, por lá, a pandemia estar controlada, o filme rendeu “apenas” US$ 23 milhões na estreia, considerado pouco.

Corte para a segunda quinzena de dezembro!

Estreia nos cinemas a aguardada sequência “Mulher Maravilha 1984”, depois de vários adiamentos. No Brasil, começou no dia 17.

Mas a grande novidade foi nos Estados Unidos, em que o filme foi lançado no Natal simultaneamente nas salas e na plataforma de streaming HBO Max, sem custo adicional aos assinantes por 31 dias (no resto do mundo, como não há o serviço ainda, fica só nas salas mesmo). A Warner já disse que fará isso com todos seus filmes a serem lançados em 2021, incluindo os aguardados “Matrix 4” e o remake de “Duna”.

Isso enfureceu muita gente, incluindo os artistas e –naturalmente– os distribuidores e os exibidores. Christopher Nolan, diretor do filme “Tenet”, que custou US$ 205 milhões, lançado apenas nas salas e cujos resultados decepcionaram, classificou a ideia como desleal com toda a cadeia, e uma grande perda de dinheiro.

Vale dizer que, em muitos casos, parte dos ganhos de diretores e atores vêm de uma porcentagem das bilheterias. Mas, se não há bilheteria, como eles ficam?

O estúdio, por sua vez, antecipa que 2021 ainda será duro para as salas de exibição. Então quer minimizar os prejuízos, a exemplo do que fez a Disney com “Mulan”: já está decidido!

Para deixar a situação de distribuidores e exibidores ainda mais desesperadora, em agosto, um juiz federal dos Estados Unidos anulou uma lei antitruste que vigorava desde os anos 1940. Ela proibia que estúdios de Hollywood tivessem seus próprios cinemas, para que não controlassem completamente a produção e a distribuição dos filmes. Além disso, em julho, a Universal e a rede de cinemas AMC anunciaram que o intervalo para que um filme chegasse ao streaming após o lançamento em cinemas, a chamada “janela de exibição”, cairia de 75 para apenas 17 dias.

 

Favor rebobinar a fita

Como disse antes, não é a primeira vez que as salas de cinema passam por um desafio assim. Nos anos 1980, não havia Covid-19, nem plataformas de streaming. Naquele caso, a ameaça respondeu por três letras: VHS.

Quem tem mais de 40 anos deve se lembrar do mercado sendo inundado por filmes distribuídos em fitas para videocassetes. Isso, aliás, viabilizou o surgimento de outra indústria milionária que foi enterrada pelo streaming: a das videolocadoras, cujo maior expoente foi a Blockbuster.

O fato é que, na época, muita gente achava mais interessante alugar vários filmes no fim de semana para ver com a família, pelo preço de um ingresso nos cinemas. E as salas começaram a esvaziar!

É preciso deixar claro que a experiência do VHS não era boa: imagem e som ruins em uma tela que, quando muito, tinha apenas 20 polegadas.

Mas a experiência dos cinemas também era ruim: salas pequenas, às vezes mal cheirosas, projeção escuras, sons abafados, poltronas desconfortáveis. Nem a pipoca salvava!

Oras, para ter uma experiência ruim, melhor ter em casa, pagando menos!

Os cinemas tiveram que se reinventar. Dessa época, surgiram os “Cinemarks e os UCIs da vida”, com suas salas incríveis. Muto mais que antes, ir ao cinema voltou a ser algo além de ver um filme: era uma experiência arrebatadora!

Agora estamos vendo um remake daquele filme. A transformação digital de equipamentos e de modelos de negócios trouxe o cinema para casa.

É claro que não é a mesma experiência de ir às salas! Mas, como aconteceu na época do VHS, a experiência doméstica pode ser boa o suficiente para as pessoas não quererem sair de casa.

As salas de cinema terão que se reinventar de novo. Criar algo que definitivamente não se possa ter em casa. Do contrário, correm o risco de virarem um programa apenas para entusiastas. E ninguém dura muito tempo assim.

Resta saber o que farão para que voltem a ser um local de experiência única e sensacional.

Cena de "Parasita", com o personagem Kim Ki-Woo (esquerda) “analisando a arte” do filho de Park Yeon-Kyo - Foto: reprodução

O ensinamento oculto de “Parasita” para a vida

By | Tecnologia | No Comments

No último dia 9, pouco antes da cerimônia do Oscar, a correspondente da rede ABC que cobria o “Tapete Vermelho” fez uma pergunta que muitas pessoas consideraram tola ao diretor sul-coreano Bong Joon-Ho, sobre seu filme “Parasita”: “o que fez você fazer o filme em coreano, quando outros filmes seus foram em inglês?” Ao que ele respondeu: “quis explorar o tema (da riqueza e da pobreza) com personagens que eu vejo no meu cotidiano na Coreia, em coreano.” Algumas horas depois, o diretor e sua obra se tornaram os grandes vencedores da noite, levando os prêmios de melhor roteiro original, melhor filme internacional, melhor diretor e melhor filme, o primeiro em 92 anos de Oscar a receber o prêmio máximo em um idioma que não fosse inglês.

Como ele conseguiu essa proeza? Na verdade, todos nós podemos aprender algo disso para nossos negócios e a vida.

Fazendo um paralelo, seria como perguntar aos diretores de Hollywood por que criam seus filmes em inglês, sendo que há tantos outros idiomas no mundo. Mas a pergunta da correspondente e a resposta do diretor não são simplórias como podem parecer a princípio. Joon-Ho enxergou o mundo de uma maneira que poucas pessoas conseguem, apesar de todos nós sermos atores no mesmo palco, cada um em seu país, sua cidade, sua vida. E talvez aí resida justamente o sucesso de “Parasita”. E aí podemos aprender com o filme

Como você já deve estar careca de saber a essa altura, “Parasita” conta a história de uma família sul-coreana pobre que dá um jeito de se infiltrar na vida de uma família rica, enganando-os para conseguir para seus membros todos os empregos da casa, o que acaba criando situações inesperadas. É apresentado como um filme sobre “luta de classes”, mas em nenhum momento lembra embates entre “proletários” e “burgueses”. Por um motivo muito simples –que todos nós temos que entender para crescermos: no século XXI, isso não existe mais!

Na versão atual do conflito, ele chega a ser paradoxalmente colaborativo. No lugar de “vermelhos” versus “azuis”, o mundo se transformou em uma amálgama cinza, insípida, indiferenciável. E profissionais, empresas e até políticos que estão se dando bem são aqueles que aprenderam a fazer essa leitura e entregam seus serviços para esse público igualmente amorfo.

Isso não é necessariamente antiético, nem corrupção de valores próprios, e –sim– uma capacidade de se adaptar ao meio. Entretanto, você consegue se adaptar assim?

Quem assiste a “Parasita”, vê isso com as duas famílias se querendo bem e, ao mesmo tempo, criticando os “defeitos” um do outro. Constroem uma relação simbiótica e amistosa, apesar dessas diferenças. Os pobres acham os ricos pessoas boas e honradas, apesar de serem “bobos”. Os ricos acham os pobres trabalhadores e confiáveis, mas são “fedidos”. E a coisa segue, chegando ao ponto de os primeiros usurparem a casa alheia, e dos segundos forçarem os primeiros a se vestirem de índio para agradar o filho mimado.

Não há vilões e mocinhos no embate. Sob determinada ótica, podemos dizer que os dois grupos, apesar de tudo, são formados por boas pessoas, cada um tentando viver a sua vida da melhor maneira possível, apesar de ambos terem visões deturpadas da realidade, justamente por não conhecer o outro, e nem tentar se colocar no seu lugar.

A questão é: até quando esse equilíbrio social instável dura antes que exploda em um conflito irracional?

Onde fica a polarização?

Discute-se muito a polarização que temos vivido há alguns anos e que se acirrou há dois. Eu mesmo discuto isso amplamente nas redes sociais e outros fóruns. Apesar de minhas convicções políticas e sociais, que desafiam a minha lógica diante de algumas coisas que acontecem no mundo e no nosso país, procuro sempre um debate equilibrado e respeitoso. Na maioria das vezes, dá certo, mas é cada vez mais comum ser vítima de apedrejamentos morais, justamente pela intolerância que busco combater.

Concluí que a polarização de fato existe, mas na cabeça das pessoas que se preocupam com isso, estejam nos extremos ou no meio deles, como procuro estar. O causador da polarização, por exemplo um político, se preocupa apenas em alimentar a discórdia, pois isso o beneficia. Ele vampiriza o ódio criado por essa dicotomia, e só existe enquanto ela durar.

Essa é uma tática altamente arriscada e explosivamente destrutiva. Os pontos intermediários, onde existe o bom-senso, são aniquilados pelos que pedem o sangue de cada lado. O problema é que o que sobra não se contenta com a existência do outro. E, se em um ambiente de relativa harmonia como em “Parasita”, as diferenças podem se tornar insuportáveis, que dizer quando as partes querem se matar?

Sei que conclamar as pessoas a buscar o equilíbrio, mesmo discordando de alguma coisa, é quase uma utopia no atual cenário em que vivemos. Mas não custa tentar. É possível até fazer uma oposição qualificada, se houver diálogo. Fora disso, continuamos nossa trajetória firme à barbárie.

Após assistir a “Parasita”, fiquei pensando se aquela situação insólita das duas famílias teria alguma chance de continuar indefinidamente. Pouco provável: em algum momento, uma ou mais partes envolvidas deixariam transparecer a sua sombra, e a simbiose estaria condenada.

O grande desafio que todos nós temos, nessa realidade cinza em que fomos metidos, é aprender a conviver de maneira respeitosa e construtiva com o outro, que pode ser muito diferente de nós. Zygmunt Bauman estava absolutamente correto quando dizia que estamos em uma Modernidade Líquida: a mudança é inevitável, incontrolável, imprevisível. Não dá para agarrá-la com as mãos: temos que aprender a navegar nela.


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

As maiores inovações podem surgir de cópias do que já existe

By | Tecnologia | No Comments

De onde vêm as grandes ideias?

Em muitas ocasiões, algo que muda o mundo surge inspirado por um produto já existente -isso quando não acontece uma cópia.

Isso não tem nada a ver com falta de criatividade ou roubo intelectual. De certa forma, é exatamente o contrário disso: criamos produtos a partir da modificação de outros. Nessa linha, os anos 1970 viram o nascimento da Cultura Remix na música, quando novas obras surgiam pela mescla, ainda com equipamentos analógicos, de trechos de outras.

Isso se espalhou para outras formas de arte, mais notoriamente o cinema, e até a indústria de tecnologia. Alguns exemplos notórios da Cultura Remix são Star Wars e o Macintosh, da Apple.

Os meios digitais potencializaram essa nossa natureza, para incrível facilidade de se copiar, transformar e combinar seja lá o que for. Tanto que o conceito se popularizou completamente, tendo nos “memes” um exemplo prosaico e cotidiano disso.

É inevitável pensar em direitos autorais e patentes nessa hora. A Cultura Remix bate de frente com essas proteções, e os advogados andam com bastante trabalho. Entretanto, essa mudança cultural não tem volta. Precisamos aprender a conviver construtivamente com ela, sem coibir a criatividade ou infringir direitos de terceiros.

Entenda melhor a Cultura Remix e seu impacto no nosso cotidiano assistindo ao meu vídeo abaixo. E depois compartilhe conosco como ela faz parte da sua vida.



Ficou com vontade de assistir a “George Lucas Apaixonado”? É só clicar em https://www.youtube.com/watch?v=BDHTUETSLwM

Veja o trecho do filme “Piratas do Vale do Silício”, que ilustra como Steve Jobs usou as inovações da Xerox para criar o Macintosh (e o Lisa, antes dele): https://www.youtube.com/watch?v=0Rvn71r_Oic

Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Cena do filme "Ele Está de Volta", em que Adolf Hitler "acorda" nos dias atuais - Foto: divulgação

Reflexão: somos facilmente manipuláveis?

By | Educação | No Comments

A vida imita a arte ou vice-versa?

O filme “Ele Está de Volta” (“Er ist wieder da”, Alemanha, 2015) sugere o que aconteceria se Adolf Hitler magicamente “acordasse” hoje. Depois dos primeiros dias de desorientação, ele passa a ser quem ele é.

Ao andar pelas ruas, conclui que o país está tomado por valores “degenerados”, sob a ótica nazista: imigrantes, liberdade de pensamento, ascensão das mulheres, homossexualismo. Ao propagar suas ideias, vira um fenômeno instantâneo de mídia, no YouTube e na televisão.

Apesar de afirmar que é o próprio Hitler, obviamente ninguém acredita nisso. Os mais próximos acham que é um ator que não consegue sair do papel. Ainda assim, suas ideias ultraconservadoras fazem enorme sucesso, com boa parte da população acreditando que aquilo seria a solução para os problemas atuais. Sua reputação só é manchada quando atira em um cachorro, o que choca a opinião pública. Mas logo todos esqueceram do episódio, e ele voltou com ainda mais força.

Classificado como comédia, o filme faz uma profunda crítica à ascensão de políticos conservadores em todo o mundo. Em determinado momento, o próprio Hitler conclui que o povo alemão é “um bom material de trabalho”.

Será que é isso que todos nós nos tornamos?

O que uma rabugenta e um sonhador podem nos ensinar sobre trabalho e a vida

By | Educação | No Comments
Cena de “Walt nos Bastidores de Mary Poppins” (“Saving Mr. Banks”) em que Walt Disney (Tom Hanks) leva Pamela Travers (Emma Thompson) para conhecer a Disneyland – Foto: divulgação

Cena de “Walt nos Bastidores de Mary Poppins” (“Saving Mr. Banks”) em que Walt Disney (Tom Hanks) leva Pamela Travers (Emma Thompson) para conhecer a Disneyland

Eu adoro cinema! E, como contador de histórias que sou, reconheço seu poder quase mágico de não apenas nos entreter, mas também de nos ensinar e nos inspirar. Não me espanta, portanto, que todos tenham o “filme da sua vida”, cada um escolhido por um motivo totalmente pessoal. Qual é o seu?

Por isso, é muito comum eu partir de filmes para compartilhar algo com quem gosto. Tanto que, na minha última atividade no LinkedIn em 2017, falei sobre o que podemos aprender assistindo ao incrível “O Rei do Show” (“The Greatest Showman”), em cartaz nos cinemas. E aqui trago um pouco do que senti e pensei ao assistir, no primeiro dia do ano, a “Walt nos Bastidores de Mary Poppins” (“Saving Mr. Banks”, 2013, trailer abaixo), disponível na Netflix, no Google Play e no iTunes.



Para quem não viu, trata-se de um filme que conta os bastidores de outro filme: “Mary Poppins”, obra-prima da Disney lançada em 1964. Ele retrata a história de como o próprio Walt Disney (vivido por Tom Hanks) e parte de sua equipe precisam suar a camisa para convencer a escritora Pamela Travers (Emma Thompson) a conceder os direitos de sua personagem para que o filme seja feito.

Quem resistiria bravamente a vender os direitos cinematográficos de um livro para a Disney transformá-lo em um dos filmes mais aclamados da história? Travers resistiu o quanto pôde.

Apesar de várias liberdades poéticas, o diretor John Lee Hancock consegue explicar essa aparente loucura. E começou pelo confronto de um bando de pessoas sonhadoras e extremamente motivadas, lideradas pelo próprio Disney, com uma mulher rabugenta, em muitas ocasiões grosseira e mal-agradecida, que, por circunstâncias profissionais, precisam trabalhar juntos em um projeto.

Quem nunca teve que passar por uma situação assim?

 

Não nos apressemos no julgamento

Sim, Travers era uma pessoa mais que difícil de conviver. Entretanto, apesar de sua rudeza e estilo negativo, ela tinha valor a acrescentar ao projeto, no caso, o roteiro de “Mary Poppins”. Mais que isso, havia uma explicação para seus modos, ainda que seja difícil justificar o tratamento dispensado aos demais. Hancock conseguiu isso usando flashbacks da infância difícil da autora, que forjou sua personalidade e a ajudou a compor a personagem.

Mas quantos de nós temos que nos deparar com pessoas difíceis em nosso cotidiano profissional ou pessoal, sem que tenhamos esse recurso? Acabamos vendo apenas o que elas nos mostram e, por isso mesmo, criamos imagens muito negativas, que podem pôr a perder relacionamentos que poderiam ser muito produtivos se todos os lados tivessem uma visão ampla dos fatos.

Foi o que aconteceu com a equipe de Disney, que quase enlouqueceu nas mãos de Travers, antes de perceber que, por baixo de todo aquele chumbo, havia algo incrível a ser trabalhado. Afinal, como alguém que escreve livros infantis sobre uma apaixonante babá mágica poderia ser tão contrária à fantasia e à música?

Travers também teve sua dose de aprendizagem. Com o tempo, percebeu que aquelas pessoas não formavam um bando de indivíduos frívolos, superficiais, ignorantes e mercenários. Pelo contrário, eram um grupo capaz de recontar sua obra de uma maneira que tocaria o coração de crianças e de adultos de qualquer perfil social.

Esse grato aprendizado de ambos os lados só aconteceu porque, naquelas extenuantes reuniões em 1961, exercitaram uma palavra que está muito na moda no mundo corporativo: “resiliência”.

 

Mantenha a mente e o coração abertos

Alguns poderiam argumentar que a equipe de Disney só aguentou os caprichos da autora porque, sem a aprovação dela, o projeto jamais sairia do papel. Isso talvez possa ter sido verdade em um primeiro momento, mas seria uma simplificação grosseira e uma injustiça com aqueles profissionais.

Essas “cascas de ferida” estão andando por aí. Eventualmente, cruzamos com algumas delas e -pior- temos que trabalhar com elas. Pelo nosso instinto de autopreservação, comumente nos retraímos após as primeiras doses de veneno ou de violência explícita. E quem poderia nos julgar, certo?

Pode ser… Mas diante das grandes dificuldades despontam os grandes corações

Sim, Disney e sua equipe precisavam da aprovação de Travers. Também é verdade que eles pareciam ser um grupo de pessoas brilhantes, de bem com a vida, artistas trabalhando em uma empresa que os incentivava e lhes dava todo suporte para realizar o seu trabalho.

Assim até eu, certo? Errado!

Resiliência, empatia, trabalho em equipe são capacidades com as quais todos nós nascemos. Já tratei delas em vários artigos aqui, assim como a maioria de nós miseravelmente vai perdendo essas capacidades importantíssimas à medida que crescemos e que ficamos mais experientes.

Quando fazemos isso, perdemos a chance de extrair coisas incríveis que temos dentro de nós. Reduzimos a chance de criar, e esquecemos até mesmo de como sonhar. Pior que isso: em casos extremos, minamos isso nas pessoas que estão a nossa volta. Ou seja, viramos as “cascas de ferida”.

Não podemos nos permitir um destino tão cruel!

 

Uma colher de açúcar ajuda o remédio a descer

Em uma das mais emblemáticas canções de “Mary Poppins”, a protagonista ensina que mesmo tarefas desagradáveis podem ser executadas se as realizarmos com bons olhos. Novamente a resiliência aparece, mesmo que na forma de uma colher de açúcar.

Sim, cada um de nós precisa descobrir qual é o nosso “açúcar”, para usá-lo quando necessário.

Se o conceito já não estivesse nos livros da Travers, eu diria que os roteiristas de Disney teriam incluído no filme a partir de sua própria experiência. E teria sido perfeito assim mesmo!

Temos que aprender e exercitar isso no nosso cotidiano, com as pessoas que nos rodeiam em nossas vidas pessoais e profissionais. Aliás, 2018 está apenas começando! Quem sabe ainda dá tempo de incluir isso na nossa lista de resoluções de ano novo? Aprendamos com Mary Poppins. Com Walt Disney e sua equipe. E, por que não, até com Pamela Travers? Assim, como diz a música:

“Toda tarefa que você fizer
Torna-se facinha
Uma brincadeira! Uma farra! É óbvio isso!”


PS: naturalmente recomendo que assistam a “Walt nos Bastidores de Mary Poppins”. Mas apenas após terem visto (ou revisto) “Mary Poppins”. E, correndo o risco de “dar o spoiler supremo”, ofereço abaixo a cena final desse clássico de 1964. Não clique no “play” se ainda não viu o filme. Feliz 2018, com resiliência e empatia!


Artigos relacionados:


22 de janeiro: LinkedIn: muito além do óbvio – Workshop + consultoria individual – turma de São Paulo (4,5 horas)

25 de janeiro: LinkedIn: muito além do óbvio – Workshop + consultoria individual – turma de Belo Horizonte (4,5 horas)


 

Depois de mudar o jeito de ver TV, Netflix agora mira o cinema e até o jornalismo

By | Jornalismo, Tecnologia | One Comment
Cena de "Beasts of No Nation", primeiro filme da Netflix para o cinema - Foto: divulgação

Cena de “Beasts of No Nation”, primeiro filme da Netflix para o cinema

Na última sexta, a Netflix estreou “Beasts of No Nation”, seu primeiro longa-metragem para cinema. Dois dias antes, seu CEO, Reed Hastings, e seu diretor de conteúdo, Ted Sarandos, anunciaram a intenção de investir em jornalismo nos próximos anos. Se fosse outra empresa, essas poderiam ser apenas duas decisões isoladas, mas, nesse caso, elas podem representar o início de mudanças maiúsculas no mundo cinematográfico e do noticiário.

O Netflix é uma das empresas mais inovadoras do momento, não apenas pela sua eficiência e pela simplicidade de seu produto, mas porque, graças a elas, conseguiu modificar a maneira como as pessoas veem televisão. Ela não inventou o conceito de vídeo sob demanda, mas o popularizou em uma interface simples e presente em todo tipo de plataforma tecnológica, a um preço justo.

Porém a verdadeira mudança deriva disso tudo: dar ao consumidor a capacidade de escolher o que assistir, na hora que quiser e com o dispositivo que preferir. E esse poder fica ainda mais evidente nas séries, cujos capítulos de uma temporada são oferecidos todos de uma só vez, e não mais um por semana. Dessa forma, se o consumidor quiser, pode assistir a todos na sequência. Pode parecer uma bobagem, mas essa possibilidade coloca em xeque o conceito de grade de programação, algo sobre o qual se monta os modelos de negócios das emissoras de TV abertas e por assinatura

Beasts of No Nation” (sem título em português) estreou em apenas 31 salas independentes nos EUA (nenhuma no Brasil). Isso é insignificante em um país com cerca de 40 mil salas de cinema. Não se trata de um filme ruim: pelo contrário, “Beasts” traz um retrato cru e contundente do flagelo das crianças-soldado na África, elaborado meticulosamente para tentar abocanhar prêmios importantes, inclusive algum Oscar.

Mas então por que tão poucos endereços estão exibindo a produção original da Netflix?

 

Boicote contra a inovação

Acontece que a empresa decidiu lançar o filme em sua plataforma no mesmo dia em que saía no cinema. Normalmente são exigidos pelo menos 90 dias de embargo após a estreia nas salas para que um filme chegue a qualquer outra plataforma ou mídia, temendo a canibalização das bilheterias. A Netflix acha que isso pode ser mudado. Os grandes conglomerados de exibição, como Cinemark e UCI, acham que não. Por isso, boicotaram “Beasts” em massa.

A inovação nem sempre é compreendida. Mas a indústria do cinema deveria, pois já foi ameaçada por inovações antes. A turma na faixa dos 40 anos deve se lembrar do frenesi causado pelo lançamento do VHS. Na época, dizia-se que as fitas acabariam com as salas de cinema. Em um primeiro momento, isso parecia ser verdade, pois muita gente começou a deixar de ir ao cinema para alugar filmes. Mas a culpa não era do VHS, que oferecia uma imagem ruim, exibida em uma TV de tubo pequena em nossas casas. A culpa era do próprio cinema: as salas eram quase sempre reduzidas, abafadas, cheirando a mofo, com projeção e som ruins, poltronas desconfortáveis e uma pipoca horrorosa. Diante dessa oferta, migrar para o VHS parecia uma alternativa vantajosa.

Foi quando as exibidoras deixaram o chororô de lado e investiram na criação de salas incríveis, que proporcionassem uma experiência realmente marcante. Algo que o VHS e seus sucessores DVD e blu-ray jamais poderiam imitar. Assim, cada um encontrou o seu lugar no mercado, e as salas de exibição estão cheias como nunca.

Mas agora podem argumentar que a Netflix está querendo acabar com o embargo, que sempre existiu. Isso é uma visão míope e protecionista, de alguém que quer matar no peito um tsunami que se aproxima.

Sempre se deve dar ao consumidor a escolha. E isso significa, nesse caso, a Netflix oferecer logo os filmes e as salas de cinema continuarem a oferecer uma experiência diferenciada. Uso pesadamente o serviço online, mas também estou sempre no cinema, que adoro. Aliás, adoraria ver “Beasts” na telona, se possível em uma sala IMAX.

Mas quero ter a opção em minhas mãos.

 

Um novo jornalismo

Agora a empresa vem com essa história de produzir conteúdo jornalístico próprio. Quem vai gritar contra?

Ao contrário do cinema, as grandes empresas de jornalismo estão quase todas moribundas. Chegaram a essa situação por culpa exclusiva delas mesmas, que resistiram (e ainda resistem) a mudar seu produto, seu modelo de negócios e o relacionamento com seu público, mesmo com as pessoas migrando para alternativas mais modernas e vantajosas.

Nesse caso, não vejo o Netflix enfrentando resistência, pois os veículos tradicionais não têm fôlego para isso. Contemplarão mais uma nova empresa fazendo bem a função em que antes eram mestres, pelo simples fato de realizar um trabalho sério e adequado a realidade vigente. E, novamente, dando ao consumidor o poder da escolha.

Jeff Bezos, criador e dono da Amazon, comprou The Washington Post há dois anos, e está salvando o jornalão com sua visão pragmática de negócios e com amplos investimentos em tecnologia e jornalismo. O futuro da notícia parece cada vez mais vinculado aos gigantes da tecnologia digital.

Se a Netflix ganhará o Oscar, só o tempo dirá. A premiação nunca foi exclusivamente por critérios artísticos, e os interesses dos exibidores certamente pesam entre os membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. A empresa precisará convencer os decanos de Hollywood que não está destruindo o cinema. Ou então trilhar o caminho contrário: cativar irremediavelmente o público com sua nova proposta e esperar que a pressão popular faça o resto.

Os problemas de forçar um conteúdo nacional

By | Tecnologia | No Comments
Frank Underwood (Kevin Spacey), o anti-herói da série House of Cards, um dos símbolos do Netflix

Frank Underwood (Kevin Spacey), o anti-herói da série House of Cards, um dos símbolos do Netflix

A Ancine (Agência Nacional do Cinema) está tramando a exigência de uma cota mínima de filmes e séries brasileiras em serviços de vídeo sob demanda, como o Netflix e o HBO Go. Com o argumento de fomentar as produções nacionais, esse tipo de intervenção pode matar a vaca para acabar com o carrapato.

Essa regra já funciona para os canais de TV paga, que são obrigados a dedicar pelo menos 30% de sua grade a programas brasileiros. De fato, temos hoje produção nacional de ótima qualidade, mesmo em canais internacionais, como a série O Negócio, na HBO. Mas esse alto nível está longe de ser padrão, com alguns conteúdos de interesse e qualidade limitados, sem falar na enxurrada de programas de culinária que criam variações sobre o mesmo tema nem sempre tão criativas.

O grande problema desse tipo de regra é tirar do consumidor o seu direito de escolher o que assistir. Quem paga por um serviço de TV por assinatura quer justamente fugir da qualidade rasteira da programação dos canais abertos. Ao forçar que um terço da grade de um canal pago seja preenchido com qualquer conteúdo local, apenas por ser brasileiro, esse direito de escolha é prejudicado.

Os serviços de vídeo sob demanda representam a maximização da escolha do consumidor, que agora não precisa sequer se ater às grades de programação: assiste o quiser, quando e onde quiser, uma liberdade inédita que está redefinindo o próprio jeito de se ver televisão.

No Brasil, o Netflix oferece cerca de 4.000 filmes e séries em seu acervo. Desse total, cerca de 5% é composto por produções brasileiras. Se a Ancine emplacar a mesma exigência feita aos canais de TV por assinatura, o Netflix precisaria ampliar o seu acervo -o que pode encarecer o produto- ou reduzir o volume de conteúdo internacional oferecido. Nas duas situações, quem perde é o consumidor.

Até a minha adolescência, o cinema brasileiro era desprezível, dominado pelas pornochanchadas e pelos filmes dos Trapalhões. Até que Carlota Joaquina, Princesa do Brazil estreou em 1995, seguido no mesmo ano por O Quatrilho e outras grandes produções, que inauguraram uma nova fase do cinema nacional, de alta qualidade. Disso surgiram obras-primas, como Central do Brasil, e Tropa de Elite. Entretanto, de uns anos para cá, as salas têm sido invadidas por uma enorme quantidade de comédias, muitas delas de gosto bastante duvidoso e pouco originais, mas todas com o logo da Ancine na abertura.

Por isso, sou favorável à constante ampliação da oferta de produções nacionais de qualidade. Mas isso não pode ser feito por decreto, principalmente quando contraria os interesses e fere os direitos do cidadão, que é, afinal, o cliente de tudo isso, pagando pelo cinema, pela TV por assinatura e pelo Netflix. Não abro mão do meu direito de assistir a House of Cards, Game of Thrones e afins em favor de programas de culinária fofinhos ou de comédias caça-niqueis.

Ainda sobre a cobrança pelo conteúdo

By | Jornalismo, Tecnologia | 4 Comments

Depois de meu post anterior, alguns colegas argumentaram comigo sobre a importância de se cobrar pelo conteúdo jornalístico. Concordo, mas não vejo com bons olhos a maneira como esse debate vem acontecendo. Essa campanha , patrocinada principalmente pelos jornais, é vazia, pois se apoia em uma premissa falsa. Portanto vale a pena retomar o assunto na tentativa de jogar um pouco de luz sobre ele.

A tal premissa é a de que as pessoas não querem mais pagar pelo conteúdo, querem consumir tudo de graça. Desculpem, isso não é verdade. As pessoas consomem hoje conteúdo em volume e em diversidade jamais vistos. E –pasmem!- elas pagam por muitos deles. Um bom exemplo é o cinema, que se recuperou de uma fase ruim, iniciada com a popularização do VHS. Hoje as salas estão cheias, e as pessoas pagam mais caro pelo ingresso para ver as sessões em 3D.

Outro bom exemplo é a Apple. Ela está (também) dominando o mundo sobre os cadáveres de outra indústria que cometeu suicídio por se recusar a aceitar as mudanças no comportamento dos usuários: a fonográfica. Enquanto as vendas de CDs batem no chão e as lojas praticamente os retiraram das prateleiras, o iTunes ultrapassou, em fevereiro de 2010, a incrível marca de 10 bilhões de faixas vendidas, com um modelo que combina qualidade (as músicas tem qualidade superiores às de CD), comodidade (você compra só a faixa que quiser, quando e onde estiver, com um clique) e preço baixo (ninguém pensa muito antes de gastar um único dólar).

Podemos tirar algumas lições desses dois exemplos. A primeira é que a Apple não acabou com a pirataria de músicas: estima-se que cada iPod e similares dos adolescentes americanos tenham cerca de 800 músicas baixadas ilegalmente, em média. Mas a função da Apple não é acabar com a pirataria: é vender. E ela faz isso para uma em cada quatro músicas vendidas nos EUA.

Quanto aos cinemas, ao invés de ficarem chorando sobre o videocassete, investiram na experiência que ofereciam. Quem vai ao cinema hoje, não faz isso apenas para assistir a um filme. Paga para ter isso em uma tela enorme, muitas vezes em 3D, com um som incrível, em salas confortáveis e comendo alegremente uma pipoca que custa quase tanto quanto o ingresso. Trata-se de uma experiência envolvente e positiva, que não existe em outro lugar.

Portanto, caros colegas, as pessoas querem –sim– pagar pelo conteúdo que consomem. Apenas não querem pagar por aquilo que lhes é oferecido pelos jornais, pois sua percepção indica que esse produto não merece ser pago.

Mesmo com a popularização dos tablets, os jornais ainda não perceberam que o problema reside no seu modelo de produto e de negócios, ultrapassados. Querem embarcar nesta plataforma popularizada pela Apple, sem entender o que fez da empresa o sucesso nos negócios, empurrando aos consumidores a mesma coisa que já ofereciam no papel.

E aí ficam se debatendo diante da recusa das pessoas em pagar, e combatendo quem realmente entendeu o novo momento da mídia, como o Google Notícias ou o Flipboard, só para ficar em dois exemplos básicos. Resistem bravamente ao futuro do seu negócio, que passa por “destruir” o seu produto, para recriá-lo com seu elemento primordial: jornalismo de qualidade.

Isso nos leva de volta ao post anterior. The New York Times e The Wall Street Journal vêm colhendo bons frutos com seus paywalls. Mas conseguem isso com um conteúdo que é realmente um diferencial. Além disso, o primeiro, desde que o jornalismo começou a flertar com a Internet, sempre se destacou por iniciativas criativas do uso da tecnologia, nem sempre bem-sucedidas.

O usuário paga pelo conteúdo. É só lhe oferecer algo que valha a pena.