relevância

O jornalismo está morto! Vida longa ao jornalismo (e ao seu negócio)!

By | Jornalismo | No Comments
O personagem “Puro Osso”, da animação “As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy” - Imagem: reprodução

O personagem “Puro Osso”, da animação “As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy”

O jornalismo morreu! Pelo menos é o que tenho ouvido cada vez mais insistentemente de comunicadores, professores e estudantes de Jornalismo, além do público, cansado da qualidade cada vez mais baixa dos veículos tradicionais. Informações erradas, pautas desinteressantes, erros de português e, em cima de tudo isso, alinhamentos políticos e ideológicos exagerados, que comprometem a credibilidade, estão entre as principais críticas. Isso tudo é terrível, pois coloca em xeque uma instituição essencial para a vida de cada um de nós.

Mas vou lhes contar uma coisa: o jornalismo nunca esteve tão vivo! Então por que tanta gente está deixando de acreditar na imprensa?

A causa é uma incrível incapacidade que essas empresas de comunicação demonstram em se atualizar. E, como em qualquer outro negócio, quem fica parado acaba levando uma surra de concorrentes mais ágeis e ousados, mais cedo ou mais tarde. Portanto, apesar de esse artigo falar de jornalismo, os ensinamentos valem para virtualmente qualquer um.

Debati sobre isso há alguns dias no 8º Encontro Paulista de Professores de Jornalismo, que tive a honra de abrir. Para mim, a história da morte do jornalismo faz parte de uma tríade de bobagens que me incomodam há alguns anos. As outras duas são que as pessoas não leem mais, e que elas não querem mais pagar por conteúdo.

Mentiras!

O fato é que as pessoas nunca consumiram tanto conteúdo, inclusive jornalístico. E, apesar do avanço do vídeo digital, a maior parte de todo esse conteúdo chega de forma escrita. A responsável por isso é a combinação dos smartphones com as redes sociais, que começou a se desenhar há uns dez anos. O primeiro é um computador poderoso, permanentemente online, que carregamos em nosso bolso para onde formos. Já as segundas cumprem o papel de selecionar e entregar o conteúdo de acordo com as nossas necessidades.

Ou seja, as pessoas nem precisam ir até as notícias: elas vêm até o público.

 

O risco de não ser relevante

O problema disso é que as pessoas consomem cada vez mais o que os algoritmos de relevância das redes sociais consideram interessante, o que não é necessariamente bom. Perde força a curadoria feita pelos editores, sendo substituída pelas curtidas dos nossos amigos, que ajudam o Facebook e afins a determinar o que deve ser promovido.

Sem entrar no mérito de que isso aumenta enormemente o risco de deixarmos de consumir conteúdo que deveríamos, isso nos leva à terceira das bobagens acima, aquela que diz que as pessoas não querem mais pagar por conteúdo.

Sim, as pessoas pagam por conteúdo, desde que faça sentido para elas!

Acontece que, pelos problemas indicados no primeiro parágrafo desse texto, os veículos tradicionais não têm conseguido despertar o interesse do público. Vejam o exemplo abaixo, com primeiras páginas recentes do Estadão e da Folha (mas poderia ser de qualquer outro veículo tradicional):

O fato de serem incrivelmente parecidas não é coincidência. Resulta do fato de que os veículos têm investido pouco em reportagem, que é a alma do bom jornalismo. Ao invés disso, vivem de denúncias, de “jornalismo palaciano” (acompanhamento de acontecimentos de fontes oficiais), de denuncismo. Ou seja, uma mesmice crônica resultante de uma apuração rasa, feita por uma mão de obra cada vez menos qualificada e barata (os mais experientes -e caros- foram quase todos demitidos nos últimos anos).

Não precisa ser gênio para saber que isso é pouco atraente para o público. As pessoas não são trouxas! Para um conteúdo assim, existem várias opções gratuitas. Como resultado, as receitas dessas empresas estão em queda livre, como visto no gráfico (compare com as curvas de receita do Google e do Facebook).

Agora comparemos com o cinema. Nos anos 1980, quando o VHS foi popularizado, muita gente achava que aquilo seria o fim das salas de cinema. E, em um primeiro momento, parecia ser verdade, pois o público começou a assistir aos filmes em casa, enquanto as salas esvaziavam.

A causa não eram os videocassetes: a qualidade e o som do VHS eram ruins, e as TVs naquela época tinham telas pequenas (uma TV de 20 polegadas era um luxo). O problema estava nas próprias salas de cinema, que eram pequenas, também tinham imagem e som ruins, poltronas rasgadas, cheiravam a mofo e vendiam uma pipoca rançosa.

Oras, para ter uma experiência “meia-boca”, melhor ter isso no conforto do lar e pagando menos.

Diante da morte iminente, as salas de cinema se reinventaram. Hoje oferecem uma qualidade incrível em todos os aspectos. Ir ao cinema é mais que ver um filme: é uma experiência de conteúdo! Em outras palavras, aumentaram a sua relevância. E -vejam só- as pessoas pagam por isso!

Alguns podem dizer: mas isso não é jornalismo. Pois eu respondo: funciona tudo do mesmo jeito.

 

Criando reputação com conteúdo

É verdade que o modelo que mantém a mídia tradicional, baseado em assinatura e publicidade, está evaporando. Não apenas porque o antigo público não vê mais valor no produto, mas também porque surgem alternativas mais interessantes.

Empresas mais modernas já perceberam que hoje é melhor ganhar dinheiro graças ao conteúdo que com o conteúdo. Em outras palavras, ele serve para ajudar a construir uma ótima reputação, que depois serve para vender outros produtos, como consultorias ou eventos.

Há também empresas que nem são de comunicação produzindo jornalismo de alta qualidade, como a Nestlé e a Red Bull (veja sua home page na imagem). Elas perceberam que bom conteúdo é um recurso valiosíssimo para atrair e conquistar clientes para seus produtos.

Quer dizer então que as empresas tradicionais de comunicação estão condenadas? Claro que não!

Temos ótimos exemplos de veículos centenários que encontraram o seu caminho nesse novo cenário da comunicação. Um deles para mim é emblemático: o The Washington Post. Criado em 1877, esse, que é um dos mais importantes jornais do mundo, estava ladeira abaixo até bem pouco tempo atrás. Foi quando Jeff Bezos comprou a publicação, em 2013.

O criador e CEO da Amazon não interferiu na parte editorial, exceto pelo fato que contratou dezenas de novos jornalistas, reforçando o time. Em compensação, mexeu em todo o resto: injetou muita tecnologia, colocou o pessoal de TI trabalhando em pé de igualdade com os jornalistas na redação (para lhes oferecer dados para as reportagens e sobre o público) e reinventou o modelo de negócios do título, tornando sua versão digital quase ubíqua nos EUA. Como resultado, o gráfico do Post, que era uma queda livre, inverteu-se para um crescimento acelerado em pouco tempo.

Bezos aplicou ao jornalão duas de suas máximas mais conhecidas: “preste mais atenção
em seus consumidores que em seus concorrentes” e “se você dobra seus experimentos, você
duplica sua inventividade”. Em outras palavras, foi necessário um mogul do e-commerce para meter o dedo na ferida do jornal e fazer as mudanças necessárias, inclusive correndo riscos. Tudo para se aproximar de seu cliente, tornar o seu produto mais relevante.

Portanto, o jornalismo está morrendo? De forma alguma! Está se transformando em algo novo e incrível, isso sim!  E, nesse novo cenário, não há espaço para quem quiser continuar fazendo tudo como sempre fez, só porque antigamente dava certo. E essa dica vale para qualquer empresa de qualquer segmento.

Está sentindo que há espaço para tornar sua empresa mais relevante? Está esperando o que para começar a agir?


Artigos relacionados:

Não entre na onda da fábrica de ódio das redes sociais

By | Tecnologia | 4 Comments
Jovem é ferido na cabeça em conflito durante manifestação - imagem: Rovena Rosa/ Agência Brasil

Jovem é ferido na cabeça em conflito durante manifestação

Você também sente que, de uns tempos para cá, há muito ódio no ar? Ele se manifesta, por exemplo, em um trânsito cada vez mais agressivo e egoísta, no debate político hiperpolarizado, nas brigas irracionais de torcidas, em religiões que pregam a intolerância e nas relações de trabalho, entre colegas, com a chefia e até com clientes. Mas o que tem me chamado muito a atenção é o papel das redes sociais nesse caldeirão de emoções à flor da pele.

Vejo o acirramento do Fla-Flu ideológico em tudo: “se você não está comigo, está contra mim!” Mas o mundo não funciona dessa forma dicotômica, preto e branco: existem incontáveis tons de cinza entre os extremos da vida. Esse comportamento egocêntrico aparece com mais força quando estamos cercados de pessoas que compartilham do que acreditamos em um tema específico. E é aí que entram as redes sociais.

Para que esses negócios prosperem, eles precisam se tornar relevantes em nossas vidas (como, aliás, qualquer outro). A fórmula para se conseguir isso é o fundamento essencial do Facebook: jogar na nossa cara os posts das pessoas mais importantes para cada um de nós, como familiares, amigos mais próximos e aqueles que têm os mesmos gostos que os nossos.

Em tese, a teoria é boa, especialmente se considerarmos que, sem isso, teríamos que passar por centenas de posts diariamente, só para ver o que nossos amigos publicaram, o que é inviável. Portanto, se vemos em nosso feed de notícias as coisas mais importantes que as pessoas de quem mais gostamos disseram, usaremos a ferramenta cada vez mais para termos a sensação de que não perdemos nada importante.

E é aí que mora o perigo!

 

“Diga-me com quem anda…”

Para você ver essas postagens selecionadas, obrigatoriamente você precisa deixar de lado um montão de outras. O Facebook analisa dezenas de variáveis do usuário, dos seus contatos, das publicações que cada um deles faz e todo tipo de interação online dos indivíduos para montar um perfil de cada um, que pode mudar a qualquer momento. Com base nessas informações, seleciona o que será exibido e o que será ignorado para cada usuário. Assim funcionam os chamados algoritmos de relevância.

Isso é ótimo para não deixar de ver as fotos que sua mãe publica. Entretanto, quanto mais se usa o sistema, menos se vê conteúdo de pessoas que pensam diferentemente de você. Em resumo: o mundo se transforma em um lugar de pensamentos únicos, ingrediente essencial para qualquer tipo de intolerância.

O ciberativista Eli Pariser cunhou o termo “bolha de filtro” (ou “filtro bolha”) para explicar esse fenômeno. Pela sua teoria, os algoritmos de relevância acabam impedindo que os usuários vejam a Internet sem discriminação, isolando-os intelectual e culturalmente, o que, em última instância, cria cidadãos piores com o tempo.

Apesar de achar suas conclusões um pouco extremistas (pois também existem usos positivos dessa tecnologia), vejo méritos na sua teoria. Uma pessoa não pode ser exposta apenas àquilo que gosta, sendo “poupada” do que a desagrada, do diferente, do inesperado, do “chato, porém necessário”. Pois justamente com essa pluralidade de ideias o indivíduo cresce intelectualmente e como cidadão.

Não é de se estranhar que qualquer regime totalitário tenta impor um pensamento único.

 

“Narciso acha feio o que não é espelho”

Os algoritmos de relevância estão aí, fazendo o seu trabalho, mostrando para cada um aquilo que se parece com a própria pessoa.

Peguemos o debate político como exemplo. De uns três anos para cá, os discursos nas redes sociais endureceram: amigos de anos se insultam publicamente, relacionamentos são desfeitos, grupos se formam em torno de suas ideologias para combater adversários. Como se dão conta que há muita gente pensando igual, o caldeirão ideológico ferve e acaba virando ódio. Esquecem que é perfeitamente possível conviver com as diferenças, sem a necessidade de eliminá-las. Na verdade, tal convívio é saudável e necessário. Essa é a essência da democracia!

Chegamos a um ponto tão delicado que as agressões deixaram as redes sociais e ganharam as ruas, as escolas, os ambientes de trabalho. Constrangimentos, insultos e até agressões físicas são cada vez mais comuns. E a maior das ironias é que as pessoas estão se matando por indivíduos que, apesar de discursos inflamados, na verdade assistem ao circo pegar fogo com maquiavélica indiferença.

As pessoas chegaram ao cúmulo de ser manipuladas por elas mesmas, por suas crenças! Por isso, é hora de parar e pensar sobre o que acontece a nossa volta, saindo do turbilhão que exige que tomemos decisões na velocidade das redes sociais, sem refletir, caminhando cegamente com o rebanho.

A vida é muito mais que isso, e o que a torna mais bonita é justamente as diferenças que estão em toda parte.  As redes sociais são ferramentas incríveis e ninguém deve deixar de usá-las. Apenas precisamos fazer isso com mais consciência. E mais amor.

 

Artigos relacionados:

Como criar um mito e destruir um ídolo só com redes sociais

By | Jornalismo | 11 Comments
Homem em Berlim chuta cabeça de estátua derrubada do ex-lider soviético Lenin - imagem: reprodução

Homem em Berlim chuta cabeça de estátua derrubada do ex-lider soviético Lenin

Há alguns dias, meu LinkedIn, meu Facebook e o meu Twitter começaram a ser inundados de posts destruindo a imagem de Bel Pesce, uma das palestrantes mais requisitadas do país, autora de livros e celebridade do empreendedorismo. A virulência dos comentários provocou uma mancha que dificilmente descolará de seu perfil, o que é devastador para alguém que vive essencialmente de sua imagem. Ironicamente, as mesmas redes sociais tiveram papel determinante na construção dessa imagem incrível da qual ela desfrutava até a semana passada. Então como é possível alguém ir do céu para o inferno tão rapidamente, sem escalas?

A resposta: porque temos acreditado muito facilmente no que as redes sociais jogam na nossa cara. É como se estivéssemos perdendo a nossa capacidade de questionar o que nos apresentam, algo essencial para a nossa vida! É a coroação da eficiência dos malfadados algoritmos de relevância, que decidem por nós o que seria bom para cada um.

Há alguns dias, coincidentemente abordei aqui como a combinação do ufanismo desmedido da TV com o poder de ressonância das redes sociais fez com que os brasileiros esquecessem momentaneamente suas diferenças e ignorassem os gravíssimos problemas que nos atingem, para caminharem juntos e deslumbrados em direção ao ideal olímpico da Rio 2016.

Com o fim da Olimpíada, todos caíram da cama daquele sonho lindo diretamente nos momentos derradeiros do impeachment de Dilma Rousseff. Agora os mesmos algoritmos de relevância das redes sociais servem para polarizar a população em dois grandes grupos que se odeiam e se agridem cada vez mais, apesar de estarem lutando por pessoas profissionais no jogo político, diametralmente oposto no discurso, mas que, na prática, são muito próximos.

Mas como esses sistemas expuseram Bel Pesce?

 

Quanto vale a menina?

Antes de prosseguir, quero deixar claro que esse artigo não pretende defender ou acusar Bel Pesce, e sim tentar entender como as redes sociais tiveram papel determinante na sua ascensão e, salvo alguma grande cartada porvir, queda.

Para quem não a conhece ou não sabe do que trata essa crise, farei um breve resumo dos acontecimentos.

Tudo começou quando Bel se juntou a dois amigos na ideia da criação de uma hamburgueria batizada de Zebeleo, combinação de ZÉ Soares (do canal “Do Pão ao Caviar”), BEL Pesce e LEO Young (vencedor do MasterChef). Recorreram a um site de crowdfunding para tentar captar R$ 200 mil necessários para a empreitada. Para quem não conhece esse tipo de financiamento coletivo, doa quem achar que o negócio vale a pena e merece seu apoio. Para isso, é de praxe que o negócio seja bem descrito e apresentado aos candidatos a doadores. E foi aí que o Zebeleo deu errado, pois o grupo falhou miseravelmente nessa tarefa. Por isso e talvez pela fama dos sócios, muitos internautas começaram a fazer pesadas críticas ao projeto, visto como uma “viagem de três playboys”, que estavam pedindo dinheiro para viabilizá-la.

Normalmente isso não passaria de um mimimi que cairia no ostracismo rapidamente. Mas as redes sociais impediram que isso acontecesse, e a gritaria explodiu de uma maneira quase incompreensível. O blogueiro e youtuber Izzy Nobre, que possui uma boa audiência nas redes sociais, repercutiu a história. Mas, diante de uma enxurrada de críticas de fãs de Bel, resolveu ir além e investigar a vida da “menina do Vale”, como Bel ficou conhecida, por sua passagem profissional no Vale do Silício.

Foi aí começou o seu calvário.

 

A diferença de fraude e autopromoção

Izzy fez uma boa investigação sobre tudo o que Bel diz ser e ter feito. E suas conclusões foram acachapantes.

A essa altura, ninguém mais falava do Zebeleo, só dela. Em um artigo, o blogueiro demonstrou como Bel criou uma versão de si mesma muitíssimo mais dourada do que realmente é. Segundo seus levantamentos, ela teria usado palavras dúbias (na melhor das hipóteses) ou deliberadamente mentido (na pior) sobre a sua formação acadêmica e a sua experiência profissional.

Mais que isso, a moça teria usado com maestria os recursos das redes sociais e seu bom relacionamento com alguns jornalistas para transformar aquela historinha em um fato consumado. Depois foi só deixar os algoritmos fazerem o seu trabalho de replicar tudo, até que se transformasse em uma unanimidade, uma jovem com histórico de empreendedora invejável e formação acadêmica de tirar o chapéu.

Independentemente de tudo que Izzy escancarou, Bel tem o dom da palavra. Soube surfar nessa onda para vender seus livros e suas palestras, a ganhar uma multidão de fãs, que acreditaram em tudo aquilo. O problema é que ele a expôs como uma grande fraude, uma pessoa que teria ido muito, muito além do que é aceitável em uma simples autopromoção.

O negócio virou uma pororoca instantânea, com toda a superexposição obtida nas redes sociais se voltando contra ela. Grande parte dos fãs se sentiram traídos, enganados. Ao mesmo tempo, um sem fim de detratores apareceram para crucificar a “menina do Vale” em infindáveis posts e artigos. E os algoritmos de relevância se encarregaram de transformar aquelas revelações e um fator de execração nacional

Bel Pesce foi pendurada pelos pés, com as entranhas à mostra em praça pública.

 

A falta de defesa

Apesar de a pesquisa de Izzy parecer bastante consistente e suas conclusões serem bem amarradas, ele incorreu em um gravíssimo erro ético: ele não ouviu quem estava prestes a acusar, o que, em jornalismo, chamamos de “ouvir o outro lado”, um dos pilares da profissão. Na verdade, a impressão que ficou é que ele foi muito eficiente em levantar material que desconstruísse o mito Bel Pesce, mas talvez nem tenha tentado procurar algo que corroborasse pelo menos parte da história da moça.

Permitir a defesa a alguém em iguais condições serve também para reforçar argumentos contrários, no caso de a parte acusada realmente tiver culpa no cartório. Ao privá-la disso em seu próprio espaço, Izzy abriu espaço para que Bel e seus defensores tentem desqualificar seus argumentos, mesmo os cobertos de razão, tentando colar nele rótulos emocionais, como “invejoso”, “imaturo” ou “irresponsável” (o que, aliás, já andei vendo por aí).

Incrivelmente (ou não), Bel está perdendo a chance de se aproveitar disso para se defender. Sua imagem está terrivelmente arranhada, mas, passados vários dias, o máximo que ela fez foi um singelo post no Facebook, onde se posiciona como vítima de uma suposta campanha de pessoas “cheias de ódio”, que estariam usando “informação de má-fé e de forma deturpada”. Esse silêncio só piora ainda mais sua situação.

O problema é que, fato ou boato, o que foi publicado contra ela “pegou” como verdade, e está se espalhando mais rapidamente que rastilho de pólvora. A outrora imagem vencedora da “menina do Vale” já está até virando motivo de chacota em “memes” (hoje li um deles, que dizia “ah, mas esse currículo tá meio Bel Pesce”, referindo-se a alguém que mente e exagera nos seus feitos).

As redes sociais são implacáveis, não perdoam aqueles que são rotulados negativamente e não conseguem apresentar uma defesa convincente de maneira muito ágil. Cada segundo que passa pode ser um prego no caixão de alguém que já foi ídolo até o dia anterior.

E o mais incrível disso tudo é pensar que, se não fosse a displicência no projeto do Zebeleo, provavelmente nada disso teria acontecido, e as redes sociais ainda amariam Bel Pesce como faziam.


Artigos relacionados:

Como o Facebook ficou “maior” que a Internet e como isso afeta você

By | Educação, Jornalismo, Tecnologia | 4 Comments

Foto: Philippe Put/Visualhunt.com/Creative Commons

Não é novidade dizer que o Facebook é a maior rede social do mundo, com mais de 1,5 bilhão de usuários. Para muita gente, ele é maior que a própria Internet! Mas esse erro de análise não é inócuo: ele está causando impactos decisivos na vida de todos nós, e pouca gente parece perceber isso.


Vídeo relacionado:


Hoje pouco mais de 20% da população mundial acessa a rede de Mark Zuckerberg pelo menos uma vez por mês. Mas estudos feitos em países em desenvolvimento pela LIRNEasia e pela Geopoll indicam algo bizarro: pessoas estão afirmando que usam o Facebook mas NÃO usam a Internet, ignorando o fato de que o primeiro roda sobre a segunda, seja na Web, seja em um app no smartphone.

Até seria legítimo pensar que usuários do aplicativo do Facebook, por não precisarem de um navegador Web, vejam aquilo como algo apartado da Internet. Mas o fato é que, mesmo em países desenvolvidos, para muitos usuários, o Facebook parece ser tudo o que eles precisam de conteúdo online.

Bom, e daí? Como isso pode afetar você ou eu?

Acontece que isso é apenas um reflexo de como o Facebook se tornou um elemento central em nossas vidas. Ele é a página inicial do navegador de muita gente e é acessado nos smartphones onde estiverem, a qualquer momento. Aliás, é a coisa mais acessada no geral.

Entram em cena os algoritmos de relevância no feed de notícias.

Nem todo mundo sabe que o Facebook não mostra na página de abertura de cada usuário tudo que seus amigos e páginas que segue publicaram no dia: isso nem seria possível, dado o enorme volume de conteúdo. O sistema então seleciona aquilo que ele considera relevante para mostrar a cada um de nós.

E aí é que mora o perigo.

 

Dono da “verdade”

A escolha do que é exibido a cada usuário é um dos segredos mais bem guardados do Facebook. Claro que coisas como ser amigo de alguém e se relacionar bem com essa pessoa (coisas como clicar, curtir, comentar e compartilhar o que ela publica) têm enorme peso nessa decisão. Mas não é tudo: há um “molho secreto” temperando as zilhões de combinações possíveis.

O problema é que isso pode ser manipulado. E a própria empresa já admitiu ter feito isso pelo menos uma vez.

Em 2012, o pesquisador do Facebook Adam Kramer e sua equipe realizaram um estudo, demonstrando que é possível “transferir estados emocionais” a pessoas simplesmente manipulando o que elas veem online. Por análise semântica, os feeds de 689.003 usuários (1 a cada 2.500 na época) foram manipulados pelo sistema por uma semana. Metade deles ficou sem receber posts negativos; a outra metade não viu nada positivo.

O resultado foi assustador: análises automatizadas comprovaram que pessoas expostas a posts neutros ou positivos tendiam a fazer posts mais positivos, enquanto as expostas a posts neutros ou negativos tendiam a fazer posts mais negativos!

Ou seja, Kramer atuou decisivamente no humor de quase 700 mil pessoas deliberadamente manipulando seus feeds de notícias. O paper foi publicado na prestigiosa “Proceedings of the National Academy of Sciences of USA”. A despeito do resultado impressionante, ele admitiu que fez a pesquisa sem pedir autorização prévia das “cobaias”, o que é antiético. Na época, isso provocou uma enorme gritaria. O Facebook foi obrigado a vir a público pedir desculpas: “não queríamos magoar ninguém”, disse a porta-voz.

Mas eles quiseram, sim! Bom, pelo menos com metade da amostra.

 

O mundo inteiro cabe aqui

Apesar daquele deslize ético pontual, quero crer que os algoritmos do Facebook trabalham para realmente identificar conteúdos que sejam relevantes para cada um dos seus usuários. Isso porque o sucesso da empresa depende de as pessoas usarem mais e mais os seus produtos, e isso só acontecerá se eles se demonstrarem úteis a elas.

Assim, o Facebook precisa, de alguma forma, demonstrar comprometimento com os interesses das pessoas. O que não quer dizer que tenha que fazer o mesmo com as marcas que utilizam a plataforma para promover seus produtos e serviços.

O sucesso dessa empreitada pode ser medida por outro comportamento dos usuários: cada vez mais, eles consomem todo tipo de conteúdo dentro do próprio Facebook. A plataforma se transformou em uma gigantesca banca que promove de tudo. Ou seja, as pessoas começam a ver um mundo filtrado pelo algoritmo do feed de notícias.

É verdade que, desde sempre, nós vemos notícias filtradas. Antes dos algoritmos, esse trabalho era feito pelos jornalistas dos grandes veículos de comunicação. A vantagem é que, por essa curadoria ser feito por pessoas, ela evita destacar alguma grande barbaridade. A desvantagem é que todos recebem o mesmo “recorte” do mundo, independentemente de seus interesses pessoais. Os consumidores é que têm que se adequar à linha editorial dos veículos que escolherem.

Com todo o conteúdo sendo consumido “dentro” do Facebook –e isso é reforçado pelos “artigos instantâneos” e pelo comportamento de carregar páginas de qualquer fonte encapsulado no seu próprio aplicativo nos smartphones– quanto faltará para as pessoas deixarem de dizer, por exemplo, “vi na Folha” para começar a dizer “vi no Facebook”, mesmo para conteúdo da própria Folha?

Não cabe aqui apontar o dedo para o Facebook: ele está colhendo os resultados de seu trabalho bem feito. Não há dúvida que isso é ruim para os produtores de conteúdo, que veem suas marcas perdendo força. Mas eles estão exatamente na posição em que se puseram, por não conseguir se adaptar à nova realidade de seus públicos. Não lhes resta muito a fazer agora além de dançar as músicas do Facebook, do Google e da Apple, com suas plataformas de publicação hiperpopulares.

Fica a dúvida se isso é bom ou ruim para cada um de nós, usuários. Se os algoritmos forem “bonzinhos”, sorte nossa! Entretanto, ser capaz de se informar por fontes distintas e aprender a interpretar criticamente o que se consome deveria ser uma das competências mais importantes a ser ensinadas nas escolas, para a formação de um cidadão consciente. Pois é assustador imaginar uma empresa ditando o que 1,5 bilhão de pessoas devem ver, e todas elas consumindo isso cegamente.


Artigos relacionados:

 

A “bolha de filtro” ajuda mais que atrapalha

By | Jornalismo, Tecnologia | No Comments
[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=FNcTztlaSyI]

O vídeo acima descreve as ideias de Eli Pariser, ativista digital americano, que vê riscos no conceito que ele batizou de “bolha de filtro”. Resumidamente, ele critica algoritmos usados por sites como Google, Facebook e até alguns veículos de comunicação para exibir, a cada usuário, individualmente, conteúdos que estejam supostamente alinhados com coisas pelas quais demonstrou interesse no passado. Para Eli, isso é perigoso, pois as pessoas progressivamente deixariam de acessar conteúdo que lhes seria importante, apesar de “desalinhado com o seu perfil”.

No vídeo, ele usa uma infeliz declaração de Mark Zuckerberg que, com sua tradicional sutileza paquidérmica, sugere que “um esquilo morrendo na frente da sua casa pode ser mais relevante para seus interesses agora que as pessoas morrendo na África”. A partir dela, Pariser desfia a sua teoria.

Devo dizer que ela é muito boa e bem construída. Mais que isso: ela é completamente alinhada com um dos pilares do (bom) jornalismo, que é responsável não apenas pela informação do povo, mas pela sua formação, desempenhando um papel crítico para o desenvolvimento saudável de qualquer sociedade. Porém, tirando a insensibilidade demonstrada pelo fundador do Facebook com um dos maiores flagelos da humanidade, o que ele disse também é verdade: tanto que seria muito possível que algum familiar telefonasse para você para contar que um esquilo morreu em seu jardim, mas dificilmente faria o mesmo para dizer que pessoas estão morrendo na África.

Permita-me colocar mais alguns ingredientes nesse caldeirão que estou cozinhando. Um jornal publica dezenas, centenas de notícias em um único dia. Um grande portal faz isso na casa das milhares, por conta de seus parceiros. Como cantaria Caetano, “quem lê tanta notícia?” Ninguém, nem o editor-chefe, consegue consumir tanta informação. Como me disse certa vez minha colega Maria Ercília, “as pessoas ainda precisam de alguém que lhes diga o que ler”.

Tradicionalmente, esse papel tem sido dos editores, que funcionavam como uma janela para o mundo para seu público. Quanto melhor o editor, melhor essa janela. E quanto mais conhecido e homogêneo esse público, mais eficiente o resultado desse trabalho.

Mas o que acontece quando o público é potencialmente o mundo todo? Ou menos que isso, mas nem por isso pouca gente: a penetração de um portal como a MSN, que, de uma forma ou de outra, é acessado por quase todos os internautas? Daí o editor se vê diante de um trabalho que é virtualmente impossível de ser realizado com a mesma qualidade. E a teoria de Pariser vai pro brejo por um motivo muito simples: o melhor editor do mundo jamais “acertará” com todo o seu público. Ele sempre oferecerá algo que não é importante nem relevante para muitas pessoas, enquanto deixará de promover algo importante, relevante ou não, para o mesmo grupo.

Vamos pegar um exemplo real, a parte superior da home page do Estadão agora:

Home page do Estadão com marcações

Marquei algumas chamadas em amarelo:

  • “Santos perde do Atlético-GO por 2 a 0”
  • “As incríveis histórias por trás da fila do teste de DNA no Imesc de SP”
  • “UNIÃO FORMALIZADA”
  • “LIVROS DE FINANÇAS PESSOAIS”
  • “Maior festival de cerveja do mundo”
  • “TV Estadão: arte urbana ao vivo, no Masp”

E alguns em veremelho:

  • “Aposte já na turnê de João Gilberto”
  • “Aleksandr Rodchenko infantil”
  • “Pais e filhos do mundo da música”

O primeiro grupo são chamadas para conteúdos que me parecem pouco importantes ou pouco relevantes para mim; o segundo indica material que não me parece nem importante e nem relevante.

Entenda: não estou dizendo que o material em vermelho não tem valor. Muito pelo contrário! Tanto que foram selecionados pelo editor da home page. Mas eu poderia perfeitamente continuar vivendo sem saber disso. Melhor ainda: esse espaço nobre poderia estar promovendo coisas importantes ou que eu considero relevantes do próprio Estadão. Por exemplo, as recém-descobertas frases escritas por operários nas paredes do edifício do Congresso Nacional, quando o estavam construindo, o mais recente artigo de Raquel Landim, ou a negativa do Facebook de que estaria repassando contatos a terceiros. Nenhum desses ótimos conteúdos estava promovido na home do Estadão.

Portanto, muita calma antes de aplaudir Eli Pariser. A sua “bolha de filtro” pode ser tão importante para o desempenho do bom jornalismo, que arrisco dizer que o futuro dos veículos de comunicação depende do BOM uso dela, combinada com a edição humana. Existe verdade no que ele diz, mas ela deve ser apreciada com moderação. Ou talvez usando um bom filtro de relevância.