Steve Jobs

Controle sua vida pelo celular, mas não se deprima com isso

By | Tecnologia | No Comments

Faça uma autoanálise: quanto tempo você fica no celular? Quantas coisas faz nele?

Calma, não é uma cobrança. Possivelmente está lendo isso agora no seu smartphone. E nada mais natural, pois, cada vez mais, fazemos de tudo deslizando os dedos nessa telinha.

Isso mudou o mundo, em uma profunda revolução cultural iniciada em 2007 pelo lançamento do iPhone. Graças às tecnologias e a modelos de negócios disruptivos, fazemos uma infinidade de coisas de uma maneira nova. Sem falar em um outro tanto que simplesmente não seria possível sem levarmos o tempo todo esses computadores tão poderosos quanto pequenos, online sem interrupção.

Há limites para isso? Os smartphones deixaram nossa vida mais fácil, divertida e produtiva, mas muita gente acaba ficando “viciada” nisso, desenvolvendo ansiedade e até depressão.

As empresas, por sua vez, precisam entender esse movimento e adaptar a experiência que oferecem a seus clientes, sob o risco de serem varridas do mercado.

Veja no meu vídeo abaixo como pessoas e empresas podem aproveitar essa revolução de uma maneira saudável e positiva para todos. E depois compartilhe suas experiências nos comentários.



Saiba mais sobre como o uso inadequado dos meios digitais pode provocar problemas de saúde mental, mencionados nesse vídeo, lendo o meu artigo “A maldição do influenciador deprimido”. É só clicar em http://paulosilvestre.com.br/a-maldicao-do-influenciador-deprimido-e-o-que-faz-um-influenciador-dar-certo/

Assista à íntegra em vídeo do debate comigo, Lilian Kazama (Nubank) e Oliver Kamakura (EY), no canal da ADP no YouTube (59′): https://www.youtube.com/watch?v=50PTtAvAHw4

Veja o principal momento do lançamento do iPhone da Macworld de 2007 (7′): https://www.youtube.com/watch?v=taTmpYQ_3jk

Se quiser assistir à apresentação na íntegra (1h 8′), basta clicar em https://www.youtube.com/watch?v=9ou608QQRq8

Quer ouvir as minhas pílulas de cultura digital no formato de podcast? Basta procurar por “O Macaco Elétrico” no Spotify, no Deezer ou no Soundcloud. Se preferir, pode usar seu aplicativo preferido: é só incluir o endereço http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:640617936/sounds.rss

Reflexão: “Bons artistas copiam; grandes artistas roubam!”

By | Tecnologia | No Comments

A frase acima, atribuída a Steve Jobs, não é muito inspiradora, mas abre a cena abaixo de “Piratas da Informática” (“Pirates of Silicon Valley”, 1999), talvez a mais memorável do filme. Em apenas três minutos, o filme demonstra como a Apple “roubou” a ideia da interface gráfica e do mouse da Xerox e, ao lançar o Lisa e principalmente o Macintosh, passou ao mundo a ideia de que que foram eles que inventaram tudo aquilo.

A sequência, com narração em off de Steve Wozniak (co-fundador da Apple) é memorável e merece ser vista. Mesmo por que ela traz vários ensinamentos para qualquer negócio:

  • valorize a “prata da casa”;
  • não despreze o que não entende;
  • esteja aberto a oportunidades e ao novo;
  • fique atento à concorrência;
  • surpreenda sempre o consumidor;
  • a galinha que cacareja mais alto nem sempre é a dona dos ovos, mas leva a fama.

Esse filme de baixo orçamento é brilhante! Nada daqueles filmes “chapa branca” sobre o Jobs que saíram nos últimos anos. Mostra o surgimento da microinformática contando os primeiros anos da Apple e da Microsoft. Infelizmente está meio difícil de encontrá-lo online ou em DVD. Mas, se tiver chance, assista!

E você, já passou por experiências com as dos itens acima na sua carreira? Compartilhe aqui com a gente 😊


A inovação não vem da tecnologia: vem das pessoas (e o que você faz sobre isso?)

By | Educação, Tecnologia | No Comments

Imagem: Visual Hunt (Creative Commons)

“Inovação” é uma dessas palavras que está na boca de todo bom profissional e de qualquer empreendedor que se preze. Em tempos em que a concorrência é imensa e o consumidor tem cada vez maior poder, isso verdadeiramente deixou de ser um luxo para se tornar uma questão de sobrevivência. Então eu lhe pergunto: você sabe o que precisa para inovar?

A pergunta é legítima: na prática, vemos poucas empresas inovadoras. Essa escassez se deve a algumas ideias equivocadas, como a de que a inovação depende de grandes investimentos em tecnologia, que não passa de uma ferramenta. Verdade seja dita, uma ferramenta cada vez mais poderosa e acessível, mas ainda só uma ferramenta. O que realmente faz a inovação acontecer são as pessoas.


Vídeo relacionado:


Nós nascemos com todas as habilidades necessárias para inovar. Além disso, a tecnologia digital onipresente faz com que hoje quase todo mundo tenha pelo menos uma noção do que pode fazer para usar essa ferramenta criativamente.

Isso ficou muito claro em dois grandes eventos de tecnologia do qual participei nas últimas semanas: o Red Hat Forum e o SAP Forum, do qual fui Mentor de Conteúdo. Apesar de o melhor da tecnologia estar presente em toda parte ali, nada daquilo adiantaria sem a fagulha que nasce em cada um de nós. Tanto que o slogan do Red Hat Forum era “o impacto do indivíduo”. Perguntei a Gilson Magalhães, presidente de Red Hat Brasil, o porquê dessa frase. E ele explicou que a inovação depende de dois ingredientes básicos: a criatividade e a liberdade.

A primeira das duas é o que transforma necessidades em ideias, em produtos! Foi assim que a dificuldade para se conseguir um táxi deu origem ao Uber ou o desejo de compartilhar vídeos com amigos criou o YouTube, por exemplo. Hoje são duas operações multimilionárias, mas surgiram de necessidades muito simples, que todos nós temos, que foram conduzidas criativamente e com liberdade para se tentar. E veja só onde chegaram!

Todos nós temos necessidades não atendidas como essas o tempo todo. Então por que não temos muito mais exemplos assim por aí?

 

Os riscos da zona de conforto

Acontece que as pessoas e, ainda mais, as empresas têm medo da inovação.

Todos nós buscamos a nossa “zona de conforto”, um espaço em que temos a sensação de que dominamos todas as variáveis e onde não somos ameaçados. Nesse lugar, somos os senhores absolutos da situação.

Pena que isso não passe de uma ilusão.

Nunca somos os senhores absolutos do castelo: sempre algo está além do nosso controle, da nossa visão. Por isso, ao contrário de ser uma fortaleza, a “zona de conforto” é uma tremenda vulnerabilidade, pois, quando achamos que estamos “tranquilos”, ficamos cegos ao que está acontecendo a nossa volta. Perdemos a chance de identificar novas tendências e novos concorrentes. Ou pior: identificamos, mas não damos a devida atenção, até que seja tarde demais, e já estejamos sendo chutados para fora do mercado.

Mas o grande problema da “zona de conforto” é que ela inibe a inovação.

Sabe aquele ditado que diz que “em que que está ganhando não se mexe”. Profissionais e empresas que pensam assim estão condenados a desaparecer. Pois vejamos ou não, queiramos ou não, a concorrência sempre está se mexendo. Nosso próximo concorrente pode estar sendo criado nesse exato momento na mesa de um café qualquer. Essa nova empresa, inovadora e disposta a correr riscos, chegará ao mercado com potencial de destronar negócios consolidados há décadas, pelo uso criativo da tecnologia e modelos de negócios ousados.

Não podemos nos dar ao luxo de não correr riscos. Temos que estar prontos para isso o tempo todo, pois o mercado já não comporta quem quer ficar sempre igual. Não se enganem: a inovação chegará mais cedo ou mais tarde.

A questão que fica é: você estará no grupo inovador ou no que foi colocado para fora dos negócios?

 

A delícia de se correr riscos

Sim, temos medo de inovar, de correr riscos. É o nosso instinto de autopreservação gritando em nossos ouvidos, tentando evitar que quebremos a cara. Mas a única maneira de ter essa garantia é não tentando nada.

Oras, mas, se não tentarmos, nunca chegaremos a lugar nenhum. Nunca progrediremos. Nunca atingiremos o sucesso. Nunca conseguiremos sair do lugar medíocre em que a vida tende a colocar aqueles que ficam imobilizados por muito tempo.

Em resumo: nunca inovaremos.

Como disse o presidente da Red Hat Brasil, a inovação depende da criatividade e da liberdade. A primeira delas é mais fácil de entender. Precisamos pensar coisas novas, mas também pensar de um jeito diferente coisas que já existem, como nos exemplos do Uber e do YouTube. Já a liberdade é um conceito ainda mais nobre.

Liberdade não é a porta da gaiola aberta. É ter a garantia de poder ser criativo, sem que possíveis falhas no percurso da inovação sejam punidas. Como as empresas não conseguem garantir isso aos funcionários (mas ainda querem se dizer inovadoras), elas criam os famigerados “departamentos de inovação”. Esse é um jeito bonitinho de colocar a inovação dentro de quatro paredes, deixando-a bem controlada.

Nada mais equivocado!

A inovação não pode ser controlada, não pode ser parametrizada, não pode jamais ser restrita! Todos os funcionários de uma empresa devem ser incentivados a inovar, inclusive naquilo que não faz parte do seu trabalho. Pois a criatividade mais brilhante pode brotar nos lugares mais inesperados, como uma flor que escolhe nascer na rachadura de uma parede de concreto.

Querer restringir isso aos poucos escolhidos do “departamento de inovação” não faz o menor sentido. Da mesma forma, cabe a cada um querer ampliar os seus horizontes e fazer esses movimentos. Isso o tornará um profissional e uma pessoa melhor.

Em tempos de grande desemprego, isso pode ser decisivo.

 

Continue faminto!

Vivemos um momento riquíssimo em que a tecnologia digital está barata e fácil de usar como nunca, inclusive tecnologia de ponta! Felizes aqueles que conseguem aproveitar isso com criatividade e liberdade para criar produtos que podem redefinir o mercado. Precisamos resgatar aquela mente livre com a qual todos nascemos, mas que, com o passar dos anos, vai sendo aprisionada, primeiramente por um sistema educacional tacanho, depois por empresas acovardadas, ambos intolerantes a falhas e contrários à colaboração genuína.

Isso me lembra do histórico discurso de Steve Jobs para a turma de formandos de Stanford em 2005 (que pode ser visto na íntegra abaixo). O fundador da Apple, uma das pessoas mais inovadoras da história, termina sua fala com uma recomendação: “stay hungry, stay foolish’.


Vídeo relacionado:


Em uma tradução livre, isso poderia significar algo como “continue faminto, continue inocente”. Jobs não sugeria ser inocente para ser feito de bobo, mas sim para continuar acreditando em suas ideias, mesmo quando todo mundo diz que é ruim ou que simplesmente você não pode querer inovar. E ser faminto no sentido de que nunca saberemos o suficiente: sempre há espaço para aprender mais, para querer mais, para crescermos e sermos ainda melhores.

Portanto, se você é um executivo, não crie “departamentos de inovação” na sua empresa: dê liberdade para que todos os seus funcionários queiram -e sejam- criativos. Não tenha medo de correr riscos, ou você matará seu negócio. E, se você é um profissional de qualquer área, de qualquer nível, mantenha essa chama acesa dentro de você.

Em outras palavras, “continue faminto, continue inocente”.


Artigos relacionados:

Você vai inovar na sua carreira ou negócio ou vai continuar aí parado?

By | Educação | One Comment
O visionário Norville Barnes demonstra sua revolucionária e simples invenção, o bambolê, em cena do filme “A Roda da Fortuna” - imagem: reprodução

O visionário Norville Barnes demonstra sua revolucionária e simples invenção, o bambolê, em cena do filme “A Roda da Fortuna”

Ninguém discute o valor da inovação. Grandes empresas, universidades, imprensa, gurus incensam a sua importância como o caminho para o sucesso. O próprio LinkedIn está cheio de artigos sobre isso. Mas, se o discurso é lindo, a prática é medonha: empresas e profissionais passam seus dias fazendo mais do mesmo, até se escondendo da inovação! Por que existe esse paradoxo?

Inovar não é nada de outro mundo, mas exige algumas condições, umas quantas habilidades e bastante disposição. Entretanto a nossa sociedade não anda proporcionando nada disso já há um bom tempo. Na verdade, o que vemos é um certo movimento contrário à inovação, que nasce em casa, flui pelas escolas e desemboca nas empresas. Isso é uma tragédia para o profissional, para as companhias e para a sociedade como um todo.  Então como romper isso e mudar para o rumo certo?


Vídeo relacionado:


Boa parte da resposta eu vi nos dias 3 e 4, quando visitei o SAP Labs Latin America, a convite da empresa. Trata-se de um centro da gigante de software para pesquisa e desenvolvimento de seus produtos e de soluções criadas com eles. Localizado no Parque Tecnológico São Leopoldo (região metropolitana de Porto Alegre), dentro da Unisinos (Universidade do Vale do Rio dos Sinos), é um dos 19 centros desse tipo que a SAP mantem espalhados pelo mundo, o único da América Latina.

Como se pode imaginar, uma empresa assim é movida por inovação: essa é a linguagem corrente. Por isso, basta chegar ao Labs para notar a primeira coisa necessária para se inovar: um ambiente que o tempo todo convide as pessoas a fazer isso. Não apenas pela construção moderna e acolhedora ou as melhores ferramentas para se desenvolver o trabalho, mas porque a empresa e sua liderança fazem de tudo para manter acesa a fagulha criativa dos profissionais, a vontade de querer fazer algo novo ou de maneira diferente. Tanto é assim que os funcionários podem dispender 10% de seu tempo de trabalho para contribuir mesmo para projetos com os quais não estejam envolvidos.

Quantas empresas você conhece que oferecem tal coisa? Infelizmente a resposta provavelmente será “poucas”. É uma pena, pois a inovação começa a morrer justamente aí. Nem me refiro a “liberar” 10% do tempo do funcionário para ele colaborar em outros projetos, mas a criar mecanismos que incentivem o pessoal a ter uma visão diferente ou pouco convencional do mundo, transformando isso em ganhos para o negócio. E antes que alguém diga que isso é fugir do processo, não é! Trata-se apenas de liberdade de pensamento, abertura a ideias novas e pontos de vista inovadores (e até mesmo conflitantes).

Nesse ponto chegamos à maior inimiga da inovação: a capacidade de correr riscos.

 

Quem fica parado é poste!

Só há um jeito de inovar: tentando algo novo. Mas qualquer tentativa embute algo que deixa a maioria dos gestores de cabelo em pé: o risco de algo dar errado.

As empresas tradicionalmente punem seus funcionários que comentem falhas, pois entendem que estão perdendo dinheiro. Sem entrar no mérito da incoerência disso pela falibilidade humana, com esse comportamento elas jogam mais uma pá de terra sobre a inovação. Todas querem atingir o sucesso, crescer muito, destacar-se da concorrência. Entretanto, cada vez mais, isso só é possível fazendo algo incrível! Mas não dá para se chegar lá sem tentar!

O guru da administração Tom Peters costuma dizer que “o fracasso é uma medalha de honra”, pois ele demonstra que se buscou o novo. E conclui: a única maneira de não fracassar em algo é não tentar. Mas essa também é a garantia de que jamais se atingirá o sucesso!

Não é a primeira vez eu falo disso aqui, mas não tem como deixar de lado esse aspecto quando se pensa em inovação. A maior das ironias é que todos nós nascemos com a disposição para correr riscos. Crianças aprendem de duas maneiras principais: pela imitação e pela experimentação. Elas sabem que podem tentar e, se a coisa não sair como planejado, podem tentar uma outra estratégia para atingir seus objetivos. E até mesmo quando a coisa já deu certo, elas ainda buscam alternativas mais inovadoras, para fazer aquilo de uma maneira melhor! Qualquer bom gamer sabe disso! É por isso que as crianças tendem a jogar melhor que os adultos, que racionalizam e coíbem seus movimentos para minimizar as falhas.

Empresas tradicionais tendem a funcionar como esses gamers adultos, entrincheiradas naquilo que já conhecem e que, em algum momento no passado, deu muito certo. Busca-se a perfeição na mesma, acreditando que isso os protegerá da concorrência. Nada mais equivocado, pois isso tem o efeito exatamente contrário: cega a empresa e sua liderança ao novo, esteja ele dentro de casa ou além de seus muros.

E não se enganem: o novo sempre chega abalando estruturas.

 

Empresa e escola ficam melhores juntas

As novidades nem sempre são óbvias, e muitas vezes dispensam grandes investimentos, Veja o caso do bambolê, cuja invenção foi romantizada no brilhante filme dos irmãos Coen “A Roda da Fortuna” (“The Hudsucker Proxy”, 1994), cujo sucesso custou um pouco a acontecer, como pode ser visto na cena abaixo:

O brinquedo foi inventado pelos americanos Arthur Melin e Richard Knerr. No filme, surgiu da mente do mensageiro Norville Barnes (Tim Robbins). Considerado um idiota pelos poderosos da empresa, sua ideia só foi para frente como parte de um plano maquiavélico do principal executivo da empresa.

Que sorte!

Ficção à parte, o exemplo demonstra que não podemos estar cegos a possibilidades, muito menos desdenhar aquelas que são contrárias a nossas crenças. E tais possibilidades podem estar lá fora, na nossa empresa ou dentro de nós mesmos.

Mas se nascemos abertos à inovação, porque crescemos e ficamos “quadrados” desse jeito? O principal motivo, ironicamente, é a escola. Somos apresentados à punição aos erros ainda nela: afinal, quando erramos na prova, tiramos nota baixa. Além disso, somos expostos a um ambiente que prega a repetição de padrões consagrados e de competição interna constante. Logo, os 16 anos (ou mais) nos bancos escolares são suficientes para introjetarmos os conceitos de que devemos “estudar para a prova” (e não para aprender) e trabalhar sozinhos.

Não é de estranhar, portanto, que cheguemos às empresas com dificuldade em trabalhar em grupo e com nossa iniciativa e nossa criatividade tolhidos. Somos máquinas de execução de tarefas repetitivas, mesmo em atividades que deveriam ser essencialmente criativas, como o marketing.

Desnecessário dizer que a escola precisa abandonar esse modelo oriundo da Revolução Industrial e criar algo que forme profissionais e cidadãos para o mundo atual, dispostos e capazes de inovar, com uma visão comunitária desenvolvida, e que queiram muito mais colaborar que competir. E isso tem que começar na Educação Infantil e ir até a pós-graduação.

Nesse sentido, o lugar onde o SAP Labs Latin America fica também é incrível. Aquele edifício de 17 mil metros quadrados foi construído dentro da Unisinos não por acaso: a empresa criou ali iniciativas como o SAP Next-Gen, que permite que estudantes, professores, pesquisadores, startups e a própria SAP colaborem entre si para a criação de soluções para a comunidade.

Como professor, isso é algo que me encantou, pois eu sinto muita falta de uma maior proximidade entre os mundos acadêmico e empresarial. A grande maioria das universidades resiste a parcerias como essa, como se as empresas fossem, de alguma forma, macular seu ensino e sua pesquisa.

Tremenda bobagem! O resultado dessa resistência são recém-formados com conhecimentos inadequados para o mundo em que vivemos, e uma avalanche de pesquisas que não têm nenhuma utilidade social. E eu sempre digo: pesquisa para ficar pegando poeira em biblioteca de universidade não serve para nada: deveria ser proibida! Os países mais desenvolvidos são justamente aqueles em que a universidade assume o seu papel de inovação, e produz para a sociedade e não apenas para os egos acadêmicos.

 

Esteja aberto ao novo

Não sabemos de onde virá o próximo grande sucesso. Mas, se quisermos ter a chance de fazer parte dele, devemos estar abertos ao novo, olhar o que está a nossa volta, valorizar as ideias, especialmente as que são diferentes das nossas.

A cena acima do bambolê é fictícia, mas a abaixo, do filme “Piratas da Informática” (“Pirates of Silicon Valley”, 1999), é real. Mostra como os engenheiros da Xerox desenvolveram o conceito de interface gráfica e o mouse, e acabaram ridicularizados pela direção da empresa. Eles acharam aquilo uma bobagem e entregaram tudo de mão beijada para Steve Jobs usar na Apple:

Sim, Steve Jobs “roubou” a ideia da Xerox, que não viu valor em uma inovação que simplesmente mudaria o mundo. Mas o Lisa, primeiro computador da Apple com essa tecnologia, foi um fracasso. O sucesso só veio um ano depois, com o lançamento do Macintosh.

Que teria sido da Apple, de Steve Jobs ou do mundo se ele se acorvardasse diante dos inúmeros desafios técnicos, da resistência na própria empresa, dos riscos gigantescos de seus projetos? É verdade que ele era uma pessoa extremamente difícil de lidar, mas isso não é pré-requisito para ser inovador. Felizmente, como ele “bancou” tudo isso, o mundo ganhou o Apple II, o Mac, o iPod, o iPhone e o iPad. E todos os produtos da concorrência derivados deles.

Portanto, a mensagem que deixo aqui, inspirado pelo que vi no SAP Labs, é que não devemos nunca deixar de seguir adiante. Temos que querer melhorar o que fazemos, nosso negócio e nossa carreira, E podemos fazer isso! Se a sua empresa não pensa assim, faça um favor a você mesmo: mude de emprego! É por isso que companhias “quadradinhas” acabam perdendo os seus melhores profissionais.

É claro que dificuldades aparecerão pelo caminho. Mas, longe de serem obstáculos intransponíveis, elas servem para depurar o que criamos e fazer de nós mesmos profissionais e pessoas melhores. Vá em frente!


Artigos relacionados:

Você está pronto -e quer- viver para sempre?

By | Tecnologia | One Comment
Zoe Greystone, personagem da série Caprica, cuja “essência” acaba sendo carregada no robô U-87, dando-lhe “vida” após a morte da menina - Imagem: divulgação

Zoe Greystone, personagem da série Caprica, cuja “essência” acaba sendo carregada no robô U-87, dando-lhe “vida” após a morte da menina

O bilionário russo Dmitry Itskov está investindo uma fortuna para criar um esquema tecnológico de se viver para sempre. Sim, é isso mesmo que você leu: imortalidade! Apesar de a proposta estar mais perto de uma piração que de algo viável, recursos digitais já podem oferecer, se não a vida eterna, uma boa recriação do que somos e até uma certa ubiquidade. Mas será que queremos mesmo viver para sempre? Estamos preparados para isso? E a tecnologia basta para tal?

Longe de ser uma novidade, a busca da vida eterna existe desde a Antiguidade, com os alquimistas e seu mítico “elixir da longa vida”. O que muda agora é a enorme e inédita quantidade de recursos investidos na epopeia da Iniciativa 2045, como é chamada a pesquisa de Itskov.


Vídeo relacionado:


A premissa do russo é simples: como nosso corpo inevitavelmente envelhece e morre, ele quer encontrar uma maneira de mapear nosso cérebro para que ele seja “carregado digitalmente” em um avatar robótico ou holográfico, semelhantes à pessoa. Tal mapeamento seria tão perfeito, que o novo “hospedeiro” se comportaria exatamente como o “original”, com sua personalidade, sua inteligência, suas memórias… Ou seja, depois que o corpo biológico morresse, seria possível continuar “vivendo” em um novo corpo tecnológico. Mais que isso: a nossa “essência” estaria preservada indefinidamente: se acontecesse um acidente com o avatar, bastaria “carregá-la” para um novo.

Além das dificuldades tecnológicas virtualmente intransponíveis, a iniciativa levanta evidentes questões éticas e até religiosas. Para começar, os neurocientistas simplesmente ainda não sabem –nem de longe– como atingir o mapeamento do cérebro humano. No momento, estão tentando fazer isso com hydras, animais extremamente primitivos. Além disso, não há nenhuma garantia que, caso se consiga atingir essa incrível tarefa, o mapeamento carregará traços de personalidade, inteligência, memórias.

Não é de se estranhar, portanto, que o tema seja fartamente explorado por obras de ficção. Na verdade, a série “Caprica” (2009), um spin-off de “Batllestar Galactica” (2003 a 2009), é toda montada em cima de uma tecnologia que é praticamente idêntica à proposta pela Iniciativa 2045: em uma sociedade tecnologicamente muito mais avançada que a nossa, a menina-gênio Zoe Greystone consegue fazer um mapeamento de sua “essência” como a que Itskov busca. Após sua morte, essa informação é carregada em um robô que seu pai vinha desenvolvendo, o que lhe dá “vida”. Apesar do horrível corpo mecânico, a “essência” de Zoe tem autonomia e consciência a ponto de acreditar que ela realmente está ali e viva.

Esse é um dos questionamentos centrais da série: “aquilo” é mesmo Zoe e ela continua viva?

 

Criado a nossa imagem e semelhança

Incontáveis outras obras já tentaram tapear a morte, seja por magia, como em “O Retrato de Dorian Gray” (de Oscar Wilde, 1890), ou pela ciência, como em Frankenstein (de Mary Shelley, 1818). Mais recentemente, o assunto foi abraçado pela cultura pop no cinema e até pelos quadrinhos. O aspecto macabro deu lugar a todo tipo de sentimento, inclusive heroísmo, alegria e esperança.

Bem mais recente que essas obras, a série “Black Mirror” já tratou da vida após a morte pela tecnologia em dois episódios: “San Junipero” e “Volto já”. E esse último, de tudo que já foi falado aqui, é o que está mais próximo de acontecer. Na verdade, assustadoramente próximo.

Sem querer dar muitos “spoilers”, a protagonista do episódio volta a conviver com seu falecido esposo usando recursos digitais. Isso só é possível porque o sistema cria uma representação relativamente fiel da personalidade e das memórias do morto a partir de sua presença digital, por exemplo redes sociais e e-mails. Quanto mais a esposa dava acesso a informações do morto, mais seu “pós-vida digital” ficava parecido a ele.

Acha tudo isso uma “viagem”? Pense de novo.

Vários serviços online se propõem a identificar quem, o que e como somos a partir de nossas pegadas digitais. Um dele é o Apply Magic Sauce, criado pelo Psychometrics Centre da Universidade de Cambridge (Reino Unido). Entre vários testes, o mais destacado é um que, a partir apenas de nossas curtidas no Facebook, busca traçar nosso perfil psicológico em segundos. Os resultados, apesar de imperfeitos, são impressionantes, considerando que a limitada origem da informação.

Aí eu me pergunto: se um experimento acadêmico é capaz de obter tal resultado a partir apenas de nossas curtidas, imagine o que o próprio Facebook (ou o Google, ou a Amazon, ou a Apple ou tantas outras empresas) são capazes de conseguir com o oceano de dados que lhes entregamos o tempo todo e cada vez mais.

Entende por que “Volto já” pode estar logo ali, dobrando a esquina?

 

Até onde devemos ir?

Se a realidade flerta com a ficção como acabamos de ver, talvez Itskov seja, afinal, mais um visionário que um desvairado. Mas supondo que ele realmente obtenha sucesso em sua pesquisa, será que isso é algo que realmente devemos almejar?

Em seu histórico discurso para a turma de formandos de Stanford em 2005 (que pode ser visto na íntegra abaixo), Steve Jobs diz (aos 9’27’’ do vídeo), “lembrar que logo estarei morto é a ferramenta mais importante que eu encontrei para fazer grandes escolhas na vida”.



O que acontecerá se Itskov tiver sucesso com sua tecnologia? Nem estou entrando na questão de se o que será carregado em seus avatares realmente estará vivo, mas sim o que será de nós enquanto ainda estivermos ocupando o nosso corpo biológico, aquele que a natureza nos concedeu. Se tivermos a possibilidade de “viver para sempre”, será que continuaremos lutando para viver a vida da melhor maneira possível? Qual a chance de essa segunda (ou terceira, quarta, quinta…) chance estragar justamente a nossa humanidade, transformando-nos em uma raça preguiçosa e desleixada consigo mesma e com o mundo. Afinal, se “algo der muito errado” –ou seja, se você morrer– será como um game do Mario Bros: você renascerá no último “checkpoint”.

Há ainda o aspecto da “alma”, do “espírito” ou seja lá qual for o nome que sua religião dê para esse… “sopro divino”. Creio que Itskov não leve isso em consideração, pois seria necessário iniciar uma nova linha de pesquisa, para que isso também seja transferido com o cérebro mapeado.

Muita gente pode achar tudo isso incrível, um universo de possibilidades que se descortina diante da humanidade. Não estou aqui para julgar ninguém, mesmo porque eles podem estar certos, e eu errado. Mas acho que Jobs dá, no discurso acima, uma dica de valor inestimável de como devemos viver nossa vida. E morrer depois.

E já que citei tantas obras de ficção, gostaria de citar mais uma: o filme “O Homem Bicentenário” (1999), que conta a história de um robô chamado Andrew (vivido por Robin Williams). Com o passar dos anos, ele começa a desenvolver emoções e altera seu próprio corpo para que ele fique “humano”, sintetizando órgãos. Seu grande desejo: ser reconhecido pela sociedade como humano. Mas, ao final, percebe que isso só será possível no momento em que ele justamente abrir mão de sua imortalidade robótica. Colocando de maneira bem direta, Andrew só poderia ser humano se ele morresse.

Bastante emblemático, não acham?


Artigos relacionados:

A aposta de Murdoch no iPad

By | Jornalismo, Tecnologia | 2 Comments
Rupert Murdoch prepara o lançamento do The Daily, um diário que só existirá no iPad, mas que mimetiza um jornal impresso

Rupert Murdoch prepara o lançamento do The Daily, um diário que só existirá no iPad, mas que mimetiza um jornal impresso

Nos últimos dias, a mídia especializada deu grande destaque ao novo veículo que Rupert Murdoch, presidente da News Corporation, proprietária do The Wall Street Journal, está criando. Batizado de The Daily, o periódico deve ser lançado no início de 2011, será tocado por uma redação de cem jornalistas, alguns deles grandes nomes do mercado americano, e começa com uma injeção inicial de US$ 30 milhões.

Até aí, no big deal. O que torna The Daily realmente único é o fato de que ele será publicado apenas no iPad. Nada de versão na Web e muito menos em papel. Murdoch, um sujeito que, se pudesse, acabaria com a Internet só porque ela atrapalha o que ele realmente gosta de fazer, que são os jornais, e que vem buscando há meses (anos?) um modelo de negócios substituto para o papel, parece tê-lo encontrado no incensado tablet da Apple.

The Daily pode dar certo. Primeiramente porque o mogul australiano da mídia conta com o apoio do próprio Steve Jobs, CEO da Apple, para criar um produto que realmente tire proveito dos encantadores recursos do iPad, fugindo da mesmice, das limitações e da sem-gracisse dos produtos editoriais lançados até agora para o tablet (nota do editor: Jobs publicamente detesta o aplicativo para iPad do The New York Times, arquirrival do The Wall Street Journal).

Além disso, usuários do iPad adoram consumir aplicativos que tornem a sua experiência com o tablet melhor. E, nesse ponto, os US$ 0,99 que o veículo cobrará por semana são uma pechincha. Como conseguiram a mágica de cobrar tão pouco? Bom, como expliquei no meu post anterior, 80% dos custos de produção de um jornal são “desperdiçados” em coisas como papel, impressão, distribuição, infra-estrutura monumental… Apenas 20% são investidos naquilo que as pessoas realmente consomem, ou seja, conteúdo editorial. Criando um veículo que roda apenas no iPad, Murdoch elimina a maior parte desses custos “extras”.

Steve Jobs, CEO da Apple, que está empenhado em criar um The Daily que tire bom proveito dos recursos do iPad

Steve Jobs, CEO da Apple, que está empenhado em criar um The Daily que tire bom proveito dos recursos do iPad

A expectativa da News Corp. é chegar a 500 mil assinantes do The Daily em cinco anos. Se isso acontecer, isso passa de US$ 25 milhões em receitas de assinaturas anuais. Ok, um terço deve ficar com a Apple, mas, somadas às receitas de publicidade, The Daily deve ser financeiramente saudável. Se a Apple ainda trouxer o aplicativo pré-instalado no iPad, a quantidade de usuário pode ser ainda maior (tai a Microsoft que não me deixa mentir quando o assunto é pré-instalar programas no sistema operacional para ganhar mercado).

Mas nem tudo são flores no novo rebento de Murdoch. Se, por um lado, o modelo de negócios parece consistente, não posso dizer o mesmo do produto em si. Especialmente porque se trata de um jeito novo de se entregar notícia velha. Apesar de não ser impresso em árvores mortas, The Daily insiste no velho modelo do jornal diário de abrangência nacional: você baixa a edição de hoje, que traz notícias de ontem. As atualizações só virão amanhã… e com notícias de hoje. Nada de noticiário atualizado ao longo do dia. E muito menos pense em um noticiário personalizado, outra demanda que está explodindo entre os internautas.

Além disso, ele não oferecerá link para nada na Internet: todo o conteúdo será fechado nele mesmo. E, claro, ninguém dará link para ele, já que se trata de um aplicativo, e não de um site. De novo, The Daily fica mais parecido a um impresso e menos digital.

Por fim, The Daily pode enfrentar concorrência no próprio iPad de sites com conteúdo de qualidade e grátis, assim como os jornais de Murdoch enfrentam há anos na Web. Já se observam sites que começam a oferecer na Web produtos criados especificamente para iPhone e iPad, o que implica inclusive em alternativas ao uso do Flash, que os irritantes da Apple baniram de seu ecossitema. E aí, The Daily ficará ainda mais com cara de um jornal lento e pesadão.

Moral da história: por mais bem feito que a turma da Apple consiga criar o The Daily, eu diria que as suas chances residem muito mais em seu modelo comercial que editorial, que não me convence. É uma tremenda aposta de Murdoch, um dos maiores representantes de uma indústria que, especialmente nos EUA, agoniza. Mas eu sinto cheiro de naftalina: Naftalina for iPad.

Jobs agora estende sua mão para a imprensa… no iPad

By | Jornalismo, Tecnologia | No Comments
Steve Jobs, CEO da Apple, sugeriu na D8 que a o iPad pode ajudar a mídia a sair de sua crise - Foto: reprodução

Steve Jobs, CEO da Apple, sugeriu na D8 que a o iPad pode ajudar a mídia a sair de sua crise

Há pouco mais de um ano, Jeff Bezos, CEO da Amazon, sugeriu publicamente que seu e-reader, o Kindle, poderia ajudar a imprensa (especialmente a impressa) a sair de sua enorme crise. Afinal, ele permite que as grandes casas editoriais entreguem seus produtos a custos muito mais baixos, dispensando a impressão e a distribuição. Tanto que convenceu grandes títulos americanos a abraçar sua causa, incluindo o The New York Times, a Time e a Newsweek. Claro, nem todo mundo concordou: Rupert Murdoch, dono da News Corporation, torceu o nariz e chegou a dizer que “não vamos dar o nosso conteúdo à boa gente que produz o Kindle”.

Ontem foi a vez de Steve Jobs engrossar o coro de Bezos. Ou quase: na verdade, ele sugeriu que isso pode acontecer no seu tablet, o iPad. Em entrevista realizada no evento D: All Things Digital, promovido anualmente pelo The Wall Street Journal, o CEO da Apple repetiu a “receita de bolo”: “estou tentando fazer esses colegas adotarem posturas mais agressivas que o que eles cobram tradicionalmente pelo impresso, porque eles não têm os custos de impressão, eles não têm os custos de entrega, cobrando um preço razoável e ganhando no volume.”

Sou muito mais as visões de Bezos e de Jobs que a de Murdoch. Não apenas pela proposta de novo modelo de negócios que os dois primeiros sugerem, combinado à comodidade de os equipamentos fazerem o download automático dos periódicos para seus assinantes. Mas o que mais me atrai –e aí especialmente no iPad– são as possibilidades de se criar um veículo de comunicação realmente inovador, seguindo o que discuti no post anterior.

Algo que se aproximou bastante da minha visão foi um conceito apresentado pela revista Sports Illustrated em dezembro no ano passado, reproduzida no vídeo abaixo:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=ntyXvLnxyXk]

Claro que nem tudo que vemos em um conceito se materializa, pelo menos não logo de cara. Mas o protótipo apresentado pela revista no mês passado, já era bastante interessante, inclusive trazendo alguns recursos de compartilhamento não visto no primeiro conceito apresentado:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=U3j7mM_JBNw]

Em um momento em que o “jornal do futuro” não consegue ir além de infames golpes publicitários dos jornalões, chega a ser revigorante ver iniciativas com as da Sports Illustrated. O papel ainda vai nos acompanhar por muito tempo, mas o uso criativo de equipamentos como o iPad abre a possibilidade de criar uma categoria completamente nova –e muito mais rica– de veículo de comunicação, algo pelo qual as pessoas voltariam a achar razoável pagar. O que não dá é continuar querendo ganhar isso no grito.